Docstoc

Pronto Atendimento no Esporte - COFEERJ

Document Sample
Pronto Atendimento no Esporte - COFEERJ Powered By Docstoc
					Centro de Treinamento Autorizado




Pronto Atendimento no Esporte

Artur Padão Gosling
           PRIMEIRO ATENDIMENTO
                   Funções do Socorrista
Obter ajuda qualificada

Preservar a vida

Minimizar a dor e o agravamento das lesões

Promover sua recuperação

Não abandonar a vítima

Atuar Diretamente = Primeiros Socorros
 ou Indiretamente = Prestar Socorro
            PRIMEIRO ATENDIMENTO
   Quem pode atuar nas emergências do esporte?
Todos os membros da comissão técnica desde que possuam
  conhecimento e treinamento especializado

Fisioterapeutas, médicos, técnicos, preparadores físicos,
   assistentes, nutricionistas, psicólogos, etc.

Atualização constante
            PRIMEIRO ATENDIMENTO
        Quais são as emergências no esporte?
Lesões musculoesqueléticas – trauma
Rupturas, entorses, luxações, contusões, fraturas, fissuras
Queimaduras, ferimentos, empalamentos

Clínicas
Parada cardiorrespiratória, hipoglicemia, convulsões,
  Intermação, insolação
            PRIMEIRO ATENDIMENTO
        Fisioterapia na emergência do esporte
Profissional de primeiro atendimento em diversos esportes e
  eventos: voleibol, basquete, tênis, natação, rugbe, lutas
  marciais; torneios, campeonatos

Mérito profissional e capacitação

Retorno imediato

Bandagens, enfaixamentos,
massagens, mobilizações
EMERGÊNCIAS NO ESPORTE


    Atendimento
         X
  Retorno imediato
         EMERGÊNCIAS NO ESPORTE

Tempo curto – decisão rápida

Avaliar o cenário
Avaliar o atleta
Deteminar o problema
Tratar ou minimizar o problema
Transporte se necessário
         EMERGÊNCIA NO ESPORTE
                       Trauma
70% Tecidos moles

60% MMII
25% MMSS
10% cabeça e pescoço
04% tronco
01% outros




                                Boyce e Quigley, 2004
          EMERGÊNCIA NO ESPORTE
                        Trauma
Frequencia: MMII

Torção do tornozelo
Tecidos moles do joelho e tornozelo
Trauma direto sobre tornozelo
Estiramentos na coxa
Fraturas do tornozelo




                                      Boyce e Quigley, 2004
         EMERGÊNCIA NO ESPORTE
                       Trauma
Frequencia: MMSS

Tecidos moles do punho, dedos e ombro
Fraturas punho e dedos
Tecidos moles cotovelo
Luxações dedos e ombro




                                        Boyce e Quigley, 2004
         EMERGÊNCIA NO ESPORTE
                        Trauma
Frequencia: cabeça, pescoço e tronco

Pequenos cortes e contusões na cabeça
Equimoses tronco
Fratura e equimose do nariz
Tecidos moles do pescoço




                                        Boyce e Quigley, 2004
          EMERGÊNCIA NO ESPORTE
                Traumas mais frequentes
Compreender o mecanismo

Pequeno
queimaduras de contato, cortes, ferimentos, torções I e II
  grau, fissuras, estiramentos musculares

Grande
Fraturas, cortes com sangramento, torções III grau,
  rupturas musculares, amputações
            AVALIAÇÃO DO TRAUMA

• Avaliação Inicial ABCDE

• Exame Físico

• Histórico de Saúde
      CHECAR NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

Estímulo Verbal:
Tudo bem?
Você está me ouvindo?
Qual o seu nome?




Estímulo Doloroso:
Pressão nas Clavículas
                 CHAMAR AJUDA

Ligar:
193
192

Acionar serviço de
Emergência local
  SUPORTE BÁSICO DE VIDA NO TRAUMA


A – Abertura das Vias Aéreas
Airway
B – Boa Respiração
Breathing
C – Circulação
Circulation
D – Défict Neurológico
Disabilities
E – Exame Físico
Exposure
       ABERTURA DAS VIAS AÉREAS
             Suspeita de Trauma Cervical
   Empuxo Mandibular         Hiperextensão da Cabeça com
ou Elevação da Mandíbula          Elevação do Queixo
       BOA RESPIRAÇÃO

Ventilação - Respiração boca-a-boca
      2 repetições - 1 / segundo
        Eficazes – elevação do peito
BOA RESPIRAÇÃO




                 Pocket Mask




                 Reanimador Manual
                   CIRCULAÇÃO
Pulso – central e periférico
Coloração da pele
Pulso presente, sem respiração: 12 – 20 resp / min
Ausência de Pulso = Parada CardioRespiratória
               CIRCULAÇÃO

    Massagem Cardíaca Externa
                  30 repetições


Linha dos Mamilos / Dedos Entrelaçados / Centro do Peito
     CIRCULAÇÃO

Massagem Cardíaca Externa
        30 repetições
   25 – 33% fluxo de sangue
             DÉFICT NEUROLÓGICO

Descartar sinais e sintomas neurológicos

A Alerta
V Estímulo Verbal
D Estímulo Doloroso
N Resposta Nula

Escala de Coma de Glasgow
                  EXAME FÍSICO

Exposição do segmento lesionado ou de todo o corpo de
acordo com a avaliação inicial
                   EXAME FÍSICO


Usar a sequência DFaFI


Deformidade
Ferimento Aberto
Flacidez
Inchaço
                         EM RESUMO
Verifique a segurança do cenário
Determine o mecanismo do trauma
Utilize protocolo de acordo com avaliação inicial – atenção para vias
    aéres, respiração e circulação
Considere a necessidade de estabilização da coluna
Determine o nível de consciência – AVDN
Determine a necessidade de suporte avançado
Exame físico – total ou segmentar
Tratar primeiro as lesões com risco de morte
Histórico de saúde se possível
Tratar as lesões menos importantes
Transporte imediato
            PRIMEIROS SOCORROS
          Trauma – lesões musculoesqueléticas

Sangramentos
Fraturas / fissuras
Torções
Empalamentos
Ferimentos
Queimaduras
Contusões
Rupturas / estiramentos musculares
Amputações
                PRIMEIROS SOCORROS
            Trauma – lesões musculoesqueléticas
A maioria tratadas com protoloco RICE

R – Rest – respouso
I – Ice – gelo
C – Compression – compressão
E – Elevation – Elevação

Outras são tratadas com técnicas específicas


Bleakley et al, 2007;
Consenso SONAFE, 2007;
Guidelines: Association of Chartered Physiotherapists in Sports Medicine, 1998
PRIMEIROS SOCORROS
     Sangramentos

    Pressão Direta

       Elevar

       Dobrar
PRIMEIROS SOCORROS
     Sangramentos

             Pressão Direta

             Dedos na “Forma de Pinça”

             Comprimir por 5 min

             Compressa de gelo
PRIMEIROS SOCORROS
     Sangramentos

           Pressão Direta

           Dedos na “Forma de Pinça”

           Comprimir por 5 min

           Compressa de gelo
PRIMEIROS SOCORROS
     Ferimentos

         Lavar com água e sabão

         Cubra o ferimento
             PRIMEIROS SOCORROS
                      Torções Leves

Possibilidade de retorno imediado ao jogo / treino
Avaliar a extensão do trauma e necessidade de retorno
             PRIMEIROS SOCORROS
                     Torções Leves

Protocolo com:
Gelo, Proteção, Elevação, Repouso – 30 min

Bandagem ou Enfaixamento para o retorno
PRIMEIROS SOCORROS
    Torções Graves
             PRIMEIROS SOCORROS
                     Torções Graves

Gelo

Proteção = Imobilização
Splints, tala moldável

Elevação

Repouso

Compressão – mesmo após gelo

Atendimento Especializado
             PRIMEIROS SOCORROS
                        Fraturas

Abertas ou Expostas

Osso visível
Possível sangramento
Deformidade e perda de função

Fechadas

Deformidade e perda de função
Osso não exposto
Possível ferimento na pele
Local roxo e edemaciado
PRIMEIROS SOCORROS
   Pequenas Fraturas
PRIMEIROS SOCORROS
    Grandes Fraturas
           PRIMEIROS SOCORROS
                  Grandes Fraturas

Controle de sangramentos
Realinhamento do segmento
Imobilização da fratura
Oxigênioterapia 100%
Reposição volêmica
Aquecimento
Transporte adequado
PRIMEIROS SOCORROS
  Fraturas - imobilizações
 PRIMEIROS SOCORROS
Estiramentos / Rupturas musculares
             PRIMEIROS SOCORROS
           Estiramentos / Rupturas musculares
Avalie a extensão da lesão
Avalie a necessidade de retorno imediato

Se sim, utilize enfaixamento

Se não, utilize protocolo RICE
PRIMEIROS SOCORROS
     Queimaduras
PRIMEIROS SOCORROS
         Queimaduras




  Selfe et al, 2007
            PRIMEIROS SOCORROS
                         Amputação

Controle o sangramento

Recupere a parte amputada

Mantenha resfriado

Atendimento especializado
PRIMEIROS SOCORROS
    Empalamentos
          EMERGÊNCIA NO ESPORTE
                      Trauma Grave
Lesões na cabeça e/ou coluna
Alterações respiratórias
Sinais e sintomas neurológicos
Dor severa
Formação imediata de edema
Deformidade
Severa perda de função
Barulhos / crepitações no local da lesão
Perda de pulso no segmento
Mudanças rápidas na coloração da pele
Dor abdominal servera
         EMERGÊNCIA NO ESPORTE
           Trauma Grave com risco de morte
Atleta inconsciente após trauma
Alteraçoes neurológicas – sem responsividade
Lesões na cabeça e/ou pescoço
Alterações respiratórias
Dor abdominal ou pélvica
Sangramento por grande fratura
Parada cardiorespiratória
PRIMEIROS SOCORROS
 Trauma na cabeça / pescoço
PRIMEIROS SOCORROS
 Trauma na cabeça / pescoço
             PRIMEIROS SOCORROS
               Trauma na cabeça / pescoço
Necessita de controle das vias aéreas e coluna cervical
Colar cervical – atleta consciente e para o transporte
         MORTE SÚBITA EM ATLETAS

2,5 vezes mais chances em atletas
Principalmente os que já possuem arritima
2 a 3 casos / 100.000 esportistas
O esporte não é a causa mas piora o prognóstico de morte




                                           Corrado et al, 2003
CAUSAS DE MORTE SÚBITA EM ATLETAS

Jovens
• Cardiomiopatia hipertrófica – 36%
• Anormalidades congênitas – 17 a 19%
• Hipertrofia idiopática do ventrículo E – 9 a 10%

Adultos – acima de 35 anos
• Doença coronariana / aterosclerótica – 73 a 95%




                                      Germann e Perron, 2005; AHA
         MORTE SÚBITA EM ATLETAS

Suporte Básico de Vida

Desfibrilação – maior chance de sobrevivência

Reanimação Cardiopulmonar – RCP
  ATEDIMENTO IMEDIATO AOS ATLETAS

Pode proporcionar o retorno imediato
Minimiza a chance de sequêlas pelo trauma
Minimiza o agravamento das lesões
Aumenta a chance de sobrevivência

Atulização constante de todos os membros da comissão
Centro de Treinamento Autorizado

       GRUPO DE REGATE E EMERGÊNCIA
                 www.gre.com.br
        gre@gre.com.br / cursos@gre.com.br
                TEL. 21 2556-2277


                    arturgosling@gre.com.br

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:41
posted:8/10/2011
language:Portuguese
pages:57