Docstoc

772 - PDF

Document Sample
772 - PDF Powered By Docstoc
					                        XXVII Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas
                   19 a 23 de julho de 2010 - Centro de Convenções - Ribeirão Preto – SP




  AÇÃO DE LACTOFEN E ETHEPHON SOBRE CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DA
                   SOJA DURANTE O DESENVOLVIMENTO

BUZZELLO, G.L(1); TREZZI, M.M.(2); ABRAMO, J.A.(3); SILVA, H.L.(4); PATEL, F.(5);
DEBASTIANE, F.D.(6) e MIOTTO JUNIOR, E.(7)

Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Fone: (046) 3220-2511. E-mail:
gbuzzello@gmail.com(¹);Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Fone: (046)
3220-2511, E-mail: trezzi@utfpr.edu.br(2); Universidade Tecnológica Federal do Paraná
(UTFPR), Fone: (046) 3220-2511. E-mail: abramo@utfpr.edu.br (3); Universidade Tecnológica
Federal do Paraná (UTFPR), Fone: (046) 3220-2511. E-mail: hlskiko@yahoo.com.br(4);
Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Fone: (046) 3220-2511. E-mail:
patel.utfpr@gmail.com(5); Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Fone: (046)
3220-2511. E-mail: fernando.db@hotmail.com(6); Universidade Tecnológica Federal do Paraná
(UTFPR), Fone: (046) 3220-2511. E-mail: miottojr_17@hotmail.com(6).

Resumo

Reguladores vegetais são capazes de evitar ou reduzir o problema de acamamento, através da
redução da estatura das plantas. Este trabalho teve o objetivo de avaliar a injúria, estatura e
acamamento em plantas de soja [(Glycine max (L.) Merrill)], cultivar CD 214 RR, ao longo do
desenvolvimento da cultura, após a aplicação de inibidor da PROTOX em associação com
precursor de etileno. O experimento foi conduzido a campo na Estação Experimental da
UTFPR, em Pato Branco (PR), em delineamento completamente casualizado, com 4
repetições, em esquema bifatorial, em que o fator A correspondeu ao uso de lactofen+ethephon
(144+72 e 144+144 g ha-1) e à testemunha; o fator B correspondeu a sete épocas de avaliação da
injúria e estatura de planta ou oito épocas de avaliação do acamamento. Todos os tratamentos
foram eficientes em controlar o acamamento durante todo o ciclo da cultura.

Palavras-Chave: Glycine max, modo de ação, acamamento, estatura, fitotoxicidade.

Summary

Growth regulators are able to prevent or reduce the problem of lodging by reducing plant height.
This study aimed to evaluate the injury, height and lodging in soybean [(Glycine max (L.)
Merrill)] CD 214 cultivar RR, throughout the development of culture, after application of
PROTOX inhibitor in combination with precursor to ethylene. The experiment was conducted in
the field at the Experimental Station of UTFPR in Pato Branco (PR) in a completely randomized
design with 4 replicates in a factorial, where factor A was represented by the use of lactofen +
ethephon (144 and 144 +72 +144 g ha-1) and to the factor B corresponded to seven times of
assessment of injury and plant height or eight times for assessment of lodging. All treatments
were effective in controlling the lodging throughout the crop cycle.

Key-Words: Glycine max, mode of action, lodging, height, phytotoxicity.

Introdução

        A soja é considerada importante fonte de proteínas muito utilizada na alimentação
animal e seu óleo na alimentação humana (EMBRAPA, 2006).
        O elevado crescimento vegetativo das plantas, que ocasiona o acamamento, resulta
em efeitos fisiológicos como o sobreamento de folhas que ficam nos terços inferiores do dossel.
Assim, além de danos no momento da colheita, ocorrem perdas no rendimento da cultura, pela
redução da eficiência fotossintética em função de menor interceptação da luz no dossel,
durante o desenvolvimento da cultura (Liu et al., 2008).
        Reguladores de crescimento são compostos orgânicos, naturais ou sintéticos, que em
pequenas quantidades promovem, inibem ou modificam, de alguma forma, processos
morfológicos e fisiológicos do vegetal. São utilizados para reduzir a altura das plantas, sem que
alterem os padrões ambientais e morfológicos das mesmas e, preferencialmente, não devem
possuir caráter fitotóxico (Rademacher, 2000). Quando aplicados nas sementes ou nas folhas,
podem interferir em processos como germinação, enraizamento, floração, granação e




                                                   3640
                        XXVII Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas
                   19 a 23 de julho de 2010 - Centro de Convenções - Ribeirão Preto – SP




senescência (Castro & Vieira, 2001; EMBRAPA, 2008). Retardadores ou retardantes vegetais
são todos os compostos químicos que diminuem a divisão e a elongação celular em tecidos
meristemáticos e regulam fisiologicamente a estatura de planta, sem diminuição da
produtividade de grãos (Cathey, 1964; Rademacher, 2000). São usados comercialmente na
agricultura e horticultura.
         No entanto, os fitorreguladores também podem provocar algum tipo de injúria ou
toxicidade às plantas, variando de acordo com a concentração utilizada ou grau de tolerância
da cultura ao produto. A aplicação de lactofen em plantas de soja da cultivar UFV-10, em
diferentes concentrações (0,096; 0,192; 0,288 e 0,384 kg ha-1), ocasionou sintomas
temporários de necrose e clorose. Estes sintomas fitotoxicos do lactofen não afetaram o
rendimento de grãos (Espinosa et al., 1995)
         Este trabalho teve por objetivo determinar a injúria, estatura e acamamento ao longo do
desenvolvimento de plantas de soja [(Glycine max (L.) Merrill)], cultivar CD 214 RR, após a
aplicação de lactofen+ethephon (144+72 e 144+144 g ha-1).

Material e métodos

         O experimento foi conduzido a campo na Estação Experimental do Curso de
Agronomia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, situada no município de Pato
Branco, Estado do Paraná, com latitude de 26°10`27``S, longitude de 52°41`10``W e altitude de
720 m. A área possui topografia plana, o clima do município segundo Köppen é classificado de
Cfa – clima subtropical úmido mesotérmico (Maak, 2002). O solo da área experimental é do tipo
Latossolo Vermelho Distroférrico úmbrico (Bhering et al., 2008).
         O experimento foi implantado no dia 12 de novembro de 2007, em delineamento
experimental completamente casualizado, com 3 tratamentos e 4 repetições. Os tratamentos
consistiram na aplicação de inibidor da PROTOX em associação com precursor de etileno e de
uma testemunha sem aplicação. Os tratamentos consistiram da aplicação dos produtos e
concentrações utilizadas, a seguir: lactofen+ethephon (144+72 e 144+144 g ha-1) e de uma
testemunha sem aplicação. Todas as aplicações foram realizadas no estádio de
desenvolvimento V5 da cultura.
           Os tratamentos foram arranjados em um esquema bifatorial, onde o fator A
correspondeu à combinação de fitorreguladores e doses descritas anteriormente; o fator B
correspondeu a sete épocas de avaliação da injúria e estatura de planta (7, 14, 21, 28, 35, 42,
49 dias após sua aplicação) ou a oito épocas de avaliação do acamamento (7, 14, 21, 28, 35,
42 e 56 dias após sua aplicação).
           Cada unidade experimental possuiu 4,7 m de comprimento e 2,0 m de largura, com
cinco linhas de semeadura. A semeadura do cultivar CD 214 RR foi realizada à profundidade
de 5 cm, com espaçamento entre linhas de 0,40 m e espaçamento entre plantas objetivando a
obtenção de densidade de 400.000 plantas ha-¹.
         Os redutores de crescimento foram aplicados com equipamento de pulverização costal
pressurizado com CO2, calibrado para uma vazão de 200 L ha-1.
         O controle de plantas daninhas foi efetuado através de duas aplicações do herbicida
glyphosate (cada uma com 720 g e.a. ha-1).
         No decorrer do ciclo da cultura, foram avaliados a estatura de planta, o acamamento e
a toxicidade dos produtos às plantas de soja. Para a avaliação de estatura, mediram-se com
régua graduada dez plantas, aleatoriamente, na área útil da parcela. A determinação do
acamamento foi feita considerando-se toda a área útil, segundo a escala proposta por Bernard
et al. (1965) que considera as seguintes notas, correspondentes ao grau de acamamento: 1 –
Todas as plantas eretas; 2 - algumas plantas inclinadas ou ligeiramente acamadas; 3 - todas
as plantas moderadamente inclinadas ou 25 a 50% acamadas; 4 - todas as plantas
severamente inclinadas ou 50 a 80% acamadas; 5 - todas as plantas acamadas.
           A injúria (toxicidade) às plantas de soja devido ao uso dos fitorreguladores foi
avaliada com base na escala para avaliação visual de injúria causada por herbicidas, proposta
por Frans et al. (1986), em que a nota zero equivale à ausência de efeitos e a nota cem à morte
das plantas.
         Os dados das variáveis injúria, estatura de planta e acamamento foram submetidos à
análise da variância pelo teste F, considerando-se 5 % de probabilidade de erro. A relação
entre as variáveis independente e dependente foi ajustada através do modelo matemático da
regressão polinomial. Também se realizou comparação de médias dentro de cada época, pelo
teste DMS a 5% de probabilidade de erro.




                                                   3641
                          XXVII Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas
                     19 a 23 de julho de 2010 - Centro de Convenções - Ribeirão Preto – SP




Resultados e discussão

Para todas as variáveis estudadas (injúria, estatura e acamamento), a análise da variância
identificou significância da interação entre a combinação de fitorregulador/dose e época de
avaliação.
         A injúria causada por lactofen+ethephon (144+72 e 144+144 g ha-1) foi classificada
como leve. Até 28 DAA, as associações de lactofen+etephon promoveram maior injúria em
relação à testemunha (Figura 1).
                                                                      6                                                                             30




                                                                                                                                                         Grau de injúria (valores não transformados)
                            Grau de injúria (valores transformados)
                                                                                                                                                    25
                                                                      5

                                                                                                                           = DMS 5%(1,0335)         20
                                                                      4

                                                                                                             Y = 5,066 -1,197x + 0,287x² -0,031x³
                                                                                                                                                    15
                                                                      3                                                      r² = 0,9817
                                                                                                                                                    10
                                                                                                   r² = 0,9748
                                                                      2
                                                                              Y = 5,0095+0,087x – 0,397x²+ 0,044x³                                  5

                                                                      1
                                                                                                                                                    0


                                                                      0
                                                                          0     7       14       21       28         35     42      49       56

                                                                                                  Dias após aplicação
    Figura 1. Injúria em plantas de soja (Glycine max (L.) Merrill), cultivar CD 214 RR, em função dos
                                                                                                -1
  tratamentos com a testemunha (      ), de lactofen+ethephon (144+72 (●        ) e 144+144 g ha (●    ))
                                       UTFPR, Pato Branco, 2009.

         Aos 35 DAA e 42 DAA, a injúria causada por lactofen+etephon (144+72 g ha-1) foi
inferior à causada por lactofen+etephon (144+144 g ha-1), porém, não diferiu estatisticamente
da testemunha. Apenas na última época de avaliação (49 dias após aplicação) houve total
recuperação das plantas onde foi aplicado lactofen+etephon (144+72 g ha-1), porém, no
tratamento com lactofen+etephon (144+144 g ha-1) ainda não havia recuperação total das
plantas (Figura 5). Na constatação visual durante o experimento, a injúria promovida por
lactofen e ethephon se caracteriza por bronzeamento das folhas, evoluindo para necrose
dessas folhas que tiveram contato com o produto, e também, razoável atrofia do
desenvolvimento foliar.
         A aplicação de lactofen em plantas de soja ocasionou injúria de 29 e 34%, quatro dias
após a aplicação de 220 e 440 g ha-¹, respectivamente. Houve redução de área foliar de 30 a
45% aos 12 DAA, porém houve recuperação aos 26 DAA. No entanto, os autores não
observaram reduções no rendimento de grãos de soja pela aplicação dos tratamentos (Wichert
& Talbert, 1993).
         Quando se realizou aplicação de inibidor da PROTOX associado a precursor de etileno,
foram obtidos bons resultados de redução de estatura. O tratamento com lactofen+ethephon
(144 e 144 g ha-¹) promoveu a maior redução de estatura em todas as épocas de avaliação,
em relação à testemunha, e a lactofen+ethephon (144 + 72 g ha-¹), diferindo estatisticamente
destes tratamentos. Lactofen+ethephon (144 + 72 g ha-¹) também promoveu redução de
estatura em relação à testemunha (Figura 2B).




                                                                                                      3642
                                                       XXVII Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas
                                                  19 a 23 de julho de 2010 - Centro de Convenções - Ribeirão Preto – SP




                               150                                                                                    6

                                                                                                                              Y = 1,182+3,224x-0,839x²+0,065x³
                               140                       Y = 88,392+48,241x-12,75x²+1,049x³                           5
                                                                                                                                  r² = 0,9617
                                                                    r² = 0,9879
E sta tura d e p lanta (cm )




                               130                                                                                    4
                                                        Y = 94,120+30,146x -7,357x²+ 0,553x³                                                      Y= 0,769+1,107x-0,234x² +0,017x³




                                                                                                      A cam am ento
                               120                          r² = 0,9389
                                                                                                                      3                                  r² = 0,7828

                                                       Y = 89,839+19,745x -4,347x²+0,299x³
                               110                                                                                    2
                                                   r² = 0,9526
                                                                          = DMS 5% (9,56)
                               100                                                                                    1
                                                                                                                                      Y = 0,927+ 0,448x – 0,055x²       = DMS 5% (0,87)
                               90                                                                                     0                    r² = 0,5161

                               80
                                     0   7   14   21         28       35          42     49    56                         0       7        14       21       28        35      42    49   56

                                                  Dias após aplicação                                                                                Dias após aplicação
                              A                                             B
       Figura 2. Estatura de plantas (A) e acamamento (B) de soja (Glycine max (L.) Merrill), cultivar
       CD 214 RR, em função dos tratamentos da testemunha (● ), de lactofen e ethephon (144 e
       72 g ha-¹, respectivamente) (●       ), e, lactofen e ethephon (144 e 144 g ha-¹, respectivamente)
                                       .......
                                     (● ). UTFPR, Pato Branco, 2009.

         A mistura lactofen+ethephon (144+144 e 144+72 g ha-¹) promoveu maior redução de
acamamento em todas as épocas de avaliação, em relação à testemunha. Lactofen+ethephon
(144+144 g ha-¹) determinou redução do acamamento em relação a lactofen+ethephon
(144+72 g ha-¹) a partir da avaliação aos 42 DAA (Figura 2B).
         No presente trabalho, todos os tratamentos com lactofen e ethephon foram bastante
eficientes em reduzir a estatura das plantas, sem causar níveis de injúria muito pronunciadas
às plantas de soja. Praticamente todos os tratamentos testados foram capazes, também, de
reduzir os índices de acamamento de plantas de soja.
          Supõe-se que a redução do acamamento tenha ocorrido em função da redução de
estatura de planta promovida pelo uso de fitorreguladores, pois, quanto maior a redução da
estatura de planta pelo uso de fitorreguladores, maior, conseqüentemente, se apresentou a
redução do acamamento. Os resultados deste experimento colocam o uso do inibidor da
PROTOX em associação com precursor de etileno como importantes alternativas de manejo
para reduzir a estatura e o acamamento de plantas de soja, sendo que a fitotoxidade
ocasionada pelos tratamentos avaliados pode reduzir rendimento de grãos. O uso desses
redutores de crescimento é mais importante em cultivares mais suscetíveis e em condições
edafoclimáticas que favoreçam o acamamento, tais como níveis de fertilidade do solo elevadas
ou adubações excessivas e regiões sojícolas com mais de 700 m de altitude.
         Assim pode-se concluir que: (1) O uso de redutores de crescimento, de modo
particular, o inibidor da PROTOX em associação com precursor de etileno, determinam a
redução na estatura de plantas, e, conseqüentemente, promovem redução do acamamento de
plantas de soja;(2) todos os tratamentos neste grupo de mecanismos de ação são eficientes
em controlar o acamamento durante a maior parte do ciclo da cultura; (3) O tratamento com
maior capacidade na redução de estatura é o lactofen+ethephon no maior nível (144+144 g ha-
¹), que também é o tratamento com maior capacidade de redução do acamamento; (4) O nível
de fitotoxidade ocasionado pelos tratamentos com lactofen+ethephon pode reduzir a
produtividade da soja. Portanto, a investigação do efeito desses tratamentos sobre o
rendimento de grãos torna-se imprescindível para decisão de uso destes produtos.

Literatura citadas

BHERING, S.B. et al. Mapa de solos do Estado do Paraná: legenda atualizada. Rio de
Janeiro: EMBRAPA/IAPAR. 2008. 74p.

CASTRO, P.R.C.; VIEIRA, E.L. Aplicação de reguladores vegetais na agricultura tropical.
Guaíba: Agropecuária, 2001.




                                                                                                    3643
                       XXVII Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas
                  19 a 23 de julho de 2010 - Centro de Convenções - Ribeirão Preto – SP




CATHEY, H.M. Physiology of Growth Retarding Chemicals. Annual Review Plant Physiology.
V.15, p.271-302, 1964.

EMBRAPA. REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA DA REGIÃO SUL (34:2006: Pelotas).
Indicações técnicas para a cultura da soja no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina
2006/2007. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2006. 237 p. (versão online)

EMBRAPA. Tecnologias de produção de soja – região central do Brasil – 2009 e 2010. -
Londrina: Embrapa Soja: Embrapa Cerrados : Embrapa Agropecuária Oeste, (Sistemas de
Produção / Embrapa Soja, ISSN 1677-8499; n.13) 2008. 262p.

ESPINOSA, N.C. et al. Tolerância da Soja (Glycine Max (L.) MERRILL) ao Herbicida Lactofen.
Revista Ceres,Viçosa, v.42(239), p.10-24, 1995.

LIU, X. et al. Soybean Yield Physiology and Development of High-Yielding Practices in
Northeast China. Field Crops Research, Amsterdam n.105, p.157–171, 2008.

MAAK, R. Geografia física do Estado do Paraná. 3. ed. Curitiba: Imprensa Oficial, 2002.


RADEMACHER, W. GROWTH RETARDANTS: Effects on gibberellin biosynthesis and other
metabolic pathways. Annual Review of Plant Physiology and Plant Molecular Biology, v.
51, p.501-531, 2000.

WICHERT, R.A.; TALBERT, R.E. Soybean. (Glycine-max L.) response to lactofen. Weed
Science, Lawrence, v.41, p.23-27, 1993.


 




                                                  3644

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Stats:
views:12
posted:7/7/2011
language:Portuguese
pages:5