Orientacoes para escrever artigos cientificos by anacarolinavilela1

VIEWS: 72 PAGES: 39

									NÚCLEO DE REVISÃO DE
    TEXTOS (NRT)
    WORKSHOP II
                  Profa. Dra. Cátia de Azevedo Fronza

                                          Doutorandas
                          Profa. Ma. Alexandra Müller
                        Profa. Ma. Isis da Costa Pinho
        Profa. Ma. Juliana Alles de Camargo de Souza
                        Profa. Ma. Letícia Bello Staudt
O NRT                       PPG em Linguística
                                Aplicada
      Orientadores
      Doutorandos
                            NÚCLEO DE REVISÃO              3 revisoras Português
                                DE TEXTOS                  2 revisoras Inglês
                                                           Professora PPGLA




  Editoria de Periódicos              Programas de Pós-Graduação                     CLIENTES



• revisão dos artigos das     1. Revisão de 1 (um) artigo mensal por PPG em
  edições em português;          inglês ou português (1-10 de cada mês);
• revisão dos artigos das     2. Promoção de Workshops para escrita de textos       SERVIÇOS
  edições em inglês.             científicos;
                              3. Elaboração de um Manual para a escrita e revisão
                                 de artigos científicos.
Workshop direcionado a alunos e professores dos PPGs da
UNISINOS, com a meta de auxiliar na qualificação dos
artigos científicos que representam as diversas áreas
contempladas nos respectivos cursos.

   • Objetivos específicos
      – Identificar necessidades/dificuldades do público-alvo
        no encaminhamento dos artigos científicos;
      – Apresentar as principais características desse texto de
        divulgação científica;
      – Em forma de oficina presencial, orientar a produção
        de um artigo científico.
“Chegar a possíveis explicações ou soluções
para um problema pode significar não apenas
aquisição de conhecimentos, mas, também,
favorecer uma determinada intervenção. Um
problema    é   sempre     uma    falta  de
conhecimentos”.
              (LAVILLE; DIDONE, 1999, p.11)
“Escrever é parte inerente ao ofício do pesquisador”
(FEITOSA, 2004, p. 11).

“O trabalho do cientista não se esgota nas descobertas
que faz. É de sua responsabilidade comunicar os seus
resultados, suas descobertas, suas criações. Sendo
assim, a escrita científica caracteriza-se como um
processo de comunicação muito importante, pois uma
descoberta científica torna-se reconhecida através das
publicações de seus resultados” (FELTRIM et al., 2000,
p. 1).
“Um artigo científico pode ser visto como
o produto de uma comunidade
transnacional cuja forma e função é
reconhecida em todo mundo”.
                  (SWALES, 1990, s.p.)
  Por que escrever e publicar?
– Para contribuir com a disseminação da ciência e a
  comunicação de descobertas e resultados, a fim de
  fazer avançar o pensamento científico e o
  conhecimento;
– Para aperfeiçoar também as formas de expressar o
  conhecimento científico, uma vez que se aprende
  fazendo e refletindo sobre o que se faz;
– Para assegurar espaço no mundo da profissão (CV
  Lattes).
  Qual é o nosso ponto de partida?

1. Saber quem é o nosso leitor/interlocutor

      Colocarmo-nos no lugar dele e perguntarmos:

      –   Vale a pena ler este texto?
      –   O que o leitor precisa saber primeiro?
      –   Para que ele precisa dessas informações?
      –   O que eu pressuponho que ele já saiba?
      –   Que conhecimentos este leitor já tem?
      –   Qual será a utilização e o alcance do texto?
      –   Que recursos verbais ou paraverbais devemos/podemos
          utilizar?
                                            (FEITOSA, 2004, p. 17-22)
Quais as características gerais do texto
          acadêmico/científico?

1. Exige preparo em sua produção, uma vez que as
  experiências realizadas (elaboração/ levantamento
  teórico efetuados e a organização textual) devem
  considerar:

  • um público interessado e atuante na área focalizada;
  • o suporte/lugar onde se publica.
ESTRUTURA ESQUEMÁTICA                Resumo

   GLOBAL BÁSICA DO
                                    Introdução
   TEXTO CIENTÍFICO

            (FELTRIM, 2000, p. 4)   Materiais e
                                     métodos



                                    Resultados



                                    Discussão
                                    Conclusões
              O TÍTULO

O título deve ser claro, enxuto, informativo e
atraente. Deve vir em português e inglês.
                 O RESUMO

– É a primeira seção de um artigo científico.
   • Objetivo: mostrar ao leitor uma prévia do estudo em
     questão, com base em informações de outras seções do
     texto

– Deve ser escrito de forma          a   ser    completo,
  interessante e informativo.

– Deve ser escrito com muito cuidado, pois, em geral,
  grande parte dos leitores se limita a ler apenas os
  títulos dos trabalhos e os correspondentes resumos.
                                         RESUMO
A estrutura do resumo compreende          Problema
os tópicos principais de pesquisa:
o problema ou tema que se
pretendeu elucidar (qual o ponto de       Objetivo
partida?); objetivos (o quê, para
quê?);    metodologia      (como?);      Metodologia
resultados (o que encontramos?) e
conclusões (qual o ponto de
                                         Resultados
chegada?) .
                   (ABREU, 2006, p.28)

                                         Conclusões
– Deve seguir as normas (número de palavras, linhas,
  caracteres, palavras-chave) e formato (espaçamento, tipo e
  tamanho de fonte, margens) estipuladas por determinada
  revista ou comissão organizadora de um evento.



– Como discurso científico, deve ser escrito de forma impessoal
  para uma maior objetividade: use a 3ª pessoa do singular.
                                     (ABREU, 2006, p. 22, 23, 50)
CANÁRIO, Rui. A escola: das “promessas” às “incertezas”. Educação Unisinos, vol.
12, n.2, p. 73-81, maio/agosto 2008.
http://www.unisinos.br/publicacoes_cientificas/images/stories/pdfs_educacao/vol12n2/01.pdf




MERONI, Anna. Strategic design: where are we now? Reflection around the
foundations of a recent discipline. Strategic Design Research Journal, vol.1, n.1,
jul/dez 2008.
http://www.unisinos.br/sdrj/index.php?e=1&s=9&a=57


CAGLIARI, J.; TEIXEIRA, C. E.; De CONTO, S. M. Minimização e reutilização de
resíduos na etapa de preparação de chassi em uma indústria automobilística.
Estudos Tecnológicos em Engenharia, vol. 4, n. 3, set-dez 2008.
http://www.unisinos.br/_diversos/revistas/estudos_tecnologicos/index.php?e=12&s=9&a=96
            ABSTRACT

Deve seguir a mesma estrutura do
resumo      (background,    objective,
approach, results, conclusions, key
words) e corresponder a seu conteúdo,
respeitando as diferenças entre o
português e o inglês.
        Ainda sobre o abstract

• Evite tradutores como Google tradutor!
• Parta do resumo, mas atente para a estrutura
  diferente da língua estrangeira (LE).
• Procure usar diversas fontes de consulta:
  – dicionários bilíngues, monolíngues, pesquisa de
    palavras do Google, artigos na LE, corretores de
    gramática on-line.
• Utilize os termos técnicos com ortografia
  correta.

• Use frases curtas e na ordem direta das
  orações para que o texto fique mais claro.

• Depois de escrito, faça um intervalo para fazer
  uma nova leitura de seu abstract, agora sem
  olhar para o resumo, e veja se ele está claro
  para o leitor.
• Atentar para as exigências de cada
  revista com relação à linguagem e aos
  aspectos formais. Exemplo: revista
  NEOTROPICAL;

• Peça auxílio a pessoas especializadas,
  se necessário.
              A INTRODUÇÃO
– Tem por fim apresentar o trabalho de maneira clara, simples e
  sintética, colocando-o dentro do quadro de referência teórica
  atualizado;
– o problema focalizado deve ser exposto com clareza.
– deve indicar o escopo do trabalho, contextualizando-o;
– pode incluir breve referência a qualquer nota preliminar e a outras
  investigações relevantes;
– indicar os objetivos e motivos do trabalho;
– apresentar a estrutura segundo a qual se compõe o artigo.

                    125a133_art01_laurian
      O DESENVOLVIMENTO

I - Materiais e métodos (art. experimental);
                   resultados

   – Deve incluir detalhes suficientes capazes de assegurar
     que a repetição da investigação por alguém com
     mesma experiência na área leve à obtenção de dados
     similares;

   – Descreve os passos procedimentais tomados no
     estudo e os materiais utilizados em cada passo.
                  artigo contextos clínicos.pdf
       II - Modelo de ordenação (art.
                experimental)
– Overview do experimento (ideia geral do material
  e do seu propósito)
   •   População/amostra;
   •   Locação;
   •   Restrições; condições-limite;
   •   Técnicas de amostragem;
   •   Procedimentos;
   •   Materiais;
   •   Variáveis;
   •   Tratamento estatístico.
     OS RESULTADOS (art.
         experimental)

– Devem conter exposição factual sobre o que
  foi observado.
– Apoiados em estatísticas, tabelas e gráficos.
    DISCUSSÃO/ CONCLUSÕES
(INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS)

– Etapa em que o pesquisador torna
  explícitas suas visões sobre o estudo e
  sobre os resultados.
– Pode tomar posição com respeito às
  explicações, implicações, limitações ou
  aplicações dos resultados.
      DISCUSSÃO/ CONCLUSÕES
 Pode apresentar:
– uma referência ao principal propósito e às hipóteses do
  estudo;
– uma revisão dos resultados mais importantes;
– possíveis explicações sobre os resultados;
– limitações do estudo que restringem a generalização
  dos resultados;
– implicações do estudo;
– recomendações para pesquisas futuras e possíveis
  aplicações práticas.
                   artigo contextos clínicos.pdf
                 125a133_art01_laurian.pdf
OBSERVAÇÕES

      REVISÃO
Periódicos UNISINOS
1. Importância do atendimento às normas
   das revistas, constantes, normalmente,
   no site e na contracapa da edição
   impressa!

          http://www.unisinos.br/publicacoes_cientificas/

http://www.unisinos.br/publicacoes_cientificas/images/stories/pdfs_
             fronteiras/67a68_politica%20editorial.pdf
                    2. ATENÇÃO!

a. etc.
          Evitar este uso no artigo científico – de preferência,
          citar os demais elementos a que se faz alusão – mas,
          se necessário, seguir a norma de pontuação) – sem
          vírgula antes (consulta a livros Édison de Oliveira,
          Manual da Folha, entre outros, e sites jornalísticos e
          gramaticais, na internet).

    Exemplo:
    Isto se refere a livros, fascículos de coleção, revistas etc.
b. Uso de in e não de apud.
c. Palavras-chave ou key words:
  – com iniciais minúsculas, salvo se for substantivo
    próprio;
  – lista com vírgulas, e o ponto finaliza essas listas.
        Ex.: Palavras-chave: noticiabilidade, fotojornalismo, imprensa.

d. Underline não nas referências bibliográficas!
  – Nas revistas, em geral, o nome do autor se repete nas
    referências.

  KAMAL, A.M.; HAMMOUDA, H.G. 1965a. Observations on the chondrocranium of the
  snake Cerastes vipera. Morphologische Jahrbuch, 107:58-98.
  KAMAL, A.M.; HAMMOUDA, H.G. 1965b. The development of the skull of Psammophis
  sibilans. II. The fully formed chondrocranium. Journal of Morphology, 116:247-296.
e. Itálico: títulos de obras citadas no corpo do
texto, estrangeirismos, destaques dentro de
citações.

f. Siglas: uso adotado na área de estudo, forma
oficial.
• É importante manter a mesma grafia em todo
   o texto.
• A primeira citação se faz por extenso
   seguida da sigla entre parênteses.
                SETE PECADOS TEXTUAIS
1. Frases longas repletas de vírgulas ou não;

2. Erros ortográficos;

3. Tradução literal e imbromation;

4. Imagens/tabelas ilegíveis;

5. Erros gramaticais: paralelismo, concordância, conjugação,
    crase;

6. Cópia literal;

7. Blablabla (encher linguiça).
Regras gerais!
• Siga o formato!
   – Geralmente, eventos e revistas possuem um formato específico para a
     submissão de artigos.
   – Confira cuidadosamente a seção de "Instruções a Autores"/"Instruções
     para Submissão" antes de submeter seu artigo.
       • Verifique o formato e siga-o, sem exceções.
   – Artigos podem ser recusados apenas por não seguir o formato
     requisitado (independente da qualidade de seu conteúdo).


• Cópia literal, não!
   – Quando referenciar outros trabalhos, procure resumir suas ideias
     principais.
   – Cópia literal não serve!!!
   – Resista à tentação de copiar literalmente colocando o texto entre aspas!
• Corretor automático?!
   – Use e abuse de corretores automáticos.
   – Usar um corretor gramatical pode ser igualmente útil.
   – Mas lembre-se:
      • nada substitui uma revisão cuidadosa de todos os autores do artigo, e até
        de terceiros se necessário!

• Divida os parágrafos corretamente!
   – Tente usar frases de abertura e encerramento, indicando o
     propósito do parágrafo.
• Uma seção (um capítulo) é formada por mais de um
  parágrafo!
   – Uma seção formada apenas por uma lista de itens não é uma
     seção, e sim uma lista de itens...
• Evite frases longas!
  – Se a mesma frase ocupa mais de 3 linhas (em coluna
    simples), revise-a e tente dividi-la em sentenças
    menores, mediante o emprego de conectores
    adequados.
• Evite usar a primeira pessoa!
  – Tente manter o artigo no impessoal, na terceira pessoa,
    mas, antes disso, verifique as normas e as
    características da revista onde publicará!
• Gírias são inadmissíveis...
  ...assim como ironias, brincadeiras e referências pessoais
     ao leitor para manter o tom científico do texto.
• Seja consistente no uso de tempo verbal!
• Figura ou tabela?
  – Se os dados mostram uma tendência, criando uma
    ilustração interessante, faça uma figura.
  – Se os números apenas estão lá, sem qualquer
    tendência interessante em evidência, uma tabela
    deveria ser suficiente.
  – Devem-se colocar legendas em português e inglês
    para as figuras, tabelas e gráficos (Figura – Figure;
    Tabela – Table; Gráfico – Graph).
  – Essas imagens devem aparecer contextualizadas
    linguisticamente e ter relevância no texto.
• Faça cópias de segurança!

  – Mantenha sempre uma cópia de segurança
    atual do seu artigo, pelo menos uma cópia
    diária.

  – Lembre-se daquela lei de Murphy: se algo
   pode dar errado, certamente dará.
                          Consulte...
http://www.rexlab.ufsc.br:8080/more/index.jsp
      Redator de referências
http://www.aulete.portaldapalavra.com.br/site.php?mdl=aulete_digital
      Dicionário Digital
http://www.inglesonline.com.br/category/dicionario-tradutor/
      Dicionário bilíngüe
http://www.onelook.com/
      O Google dos dicionários monolíngues eletrônicos
http://www.ece.cmu.edu/~koopman/essays/abstract.html
        How to write an abstract
http://www.labeurb.unicamp.br/elb/
      Enciclopédia de línguas – UNICAMP
http://www.portaldalinguaportuguesa.org/?action=acordo
      Portal da LP de Portugal
http://www.portaldalinguaportuguesa.org/?action=convertor
http://www.ortografa.com.br/
      Ferramenta de conversão de texto para as novas regras do acordo
http://www.iltec.pt/
      Portal sobre pesquisa em LP – Portugal
                            Referências
    ABREU, Sabrina. Elaboração de resumos. Editora da UFRGS, 2006.
    FELTRIM, Valéria D. A Estruturação de Textos Científicos. Disponível em:
    http://cyvision.ifsc.usp.br/~lantig/publicacoes/2003%20-%20feltrim%20et%20al%20-%20ENIA.pdf
    Acesso em: ago. 2008.
    FELTRIM et al. Uma revisão bibliográfica sobre a estruturação de textos
    científicos em português. São Carlos: NILC-ICMSC-USP, 2000 (MIMEO).
`   FEITOSA, Vera Cristina. Redação de textos científicos. 8.ed. São Paulo: Papyrus
    Editora, 2004. 155p.
    HOUAISS, Antônio. Dicionário Eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de
    Janeiro: Objetiva, 2002. (HouE).
    LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber – manual de
    metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas
    Sul Ltda, 1999. 340p.
    MORO,M. M. A arte de escrever artigos científicos.
    Disponível em: http://www.inf.ufrgs.br/~mirella/Dicas.html. Acesso em: jan 2009.

								
To top