artigo by suchenfz

VIEWS: 12 PAGES: 18

									APONTAMENTOS               SOBRE    TETO          REMUNERATÓRIO,         SUBTETO,

ESCALONAMENTO E SUBSÍDIO



TIAGO MOREIRA DA SILVA,

PROMOTOR DE JUSTIÇA EM SANTA ROSA/RS.



RESUMO: Objetiva o presente trabalho apresentar à comunidade jurídica conceitos

sobre teto remuneratório, subteto, escalonamento e subsídio, estabelecendo como

resultado a necessidade de implantação nos Estados da Federação, ainda omissos, o

movo modelo já estatuído no Poder Judiciário e Ministério Público, em âmbito Federal,

em face da cogência das normas constitucionais.



SUMÁRIO: 1 – HISTÓRICO INTRODUTÓRIO: 2 – CONCEITUAÇÕES E

APRESENTAÇÃO DA TESE: 3 – PARCELAS NÃO COMPUTADAS PARA FINS

DE SUBTETO:        4   –    DIREITO ADQUIRIDO: 5          –   CONCLUSÃO:        6   –

BIBLIOGRAFIA:



PALAVRAS CHAVES: subsídio – teto – subteto – direito adquirido - implantação –

cogência



                 1 – HISTÓRICO INTRODUTÓRIO:



                 A entrada em vigor da Constituição Federal de 1988 trouxe inúmeras

mudanças no ordenamento jurídico nacional e, uma delas, foi a instituição de limite

remuneratório aos servidores públicos.
                      A regra estava presente na redação original do inciso XI do art. 37 1,

de eficácia limitada, pois dependia de lei para a sua regulamentação. O limite era no

âmbito dos respectivos poderes da União, Estados, Distrito Federal, Territórios e

Municípios, de forma diferenciada.

                      O E. Supremo Tribunal Federal enfrentou pela primeira vez a questão

do limite remuneratório ao julgar a celebre Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI)

nº 14, Relator Ministro Célio Borja, em 13.09.1989, assentando o seguinte, verbis:

                      ―AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE PROPOSTA

PELA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS. O PARÁGRAFO 2.

DO ARTIGO 2. DA LEI FEDERAL N. 7.721, DE 6 DE JANEIRO DE 1989,

QUANDO LIMITA OS VENCIMENTOS DOS MINISTROS DO SUPREMO

TRIBUNAL FEDERAL – ‗COMPUTADOS OS ADICIONAIS POR TEMPO DE

SERVIÇO‘ - A REMUNERAÇÃO MÁXIMA VIGENTE NO PODER EXECUTIVO,

VULNERA O ART. 39, PAR. 1., ‗IN FINE‘, DA CONSTITUIÇÃO, QUE SUJEITA

A TAL LIMITE APENAS OS ‗VENCIMENTOS‘, EXCLUÍDAS AS VANTAGENS

‗PESSOAIS‘. COMPATIBILIDADE DO CONCEITO DE ‗VENCIMENTOS‘

ESTABELECIDOS NA LEI COMPLEMENTAR N. 35/79 E EM OUTROS

ARTIGOS DA LEI MAIOR COM A EXEGESE DO ALUDIO DISPOSITIVO

CONSTITUCIONAL. PROCEDÊNCIA PARCIAL DA AÇÃO PARA DECLARAR

INCONSTITUCIONAIS AS EXPRESSÕES ‗... E VANTAGENS PESSOAIS

(ADICIONAIS POR TEMPO DE SERVIÇO)...‘, CONSTANTE DO PAR. 2., ART. 2.

DA LEI 7.721/89.‖ 2



1
  a lei fixará o limite máximo e a relação de valores entre a maior e a menor remuneração dos servidores públicos,
observados, como limites máximos e no âmbito dos respectivos poderes, os valores percebidos como remuneração,
em espécie, a qualquer título, por membros do Congresso Nacional, Ministros de Estado e Ministros do Supremo
Tribunal Federal e seus correspondentes nos Estados, no Distrito Federal e nos Territórios, e, nos Municípios, os
valores percebidos como remuneração, em espécie, pelo Prefeito – fonte:www.planalto.gov.br.
2
  www.stf.gov.br.


                                                                                                                2
                      Pela análise, constata-se que o paradigma fixado foi o de que as

vantagens pessoais estariam fora do limite de remuneração.

                      Assim, a norma, de caráter moralizador, apresentou resultados pífios,

pois a remuneração dos servidores públicos, e aqui a referência é no sentido lato, não

apresentava um limite efetivo, em face da possibilidade das vantagens pessoais

incorporadas, ou não, aos vencimentos, ultrapassarem o limite fixado em lei.

                      Disto resultou na apresentação pelo Poder Executivo Federal de uma

Proposta de Emenda Constitucional, noninada de Reforma Administrativa, aprovada no

Congresso Nacional sob o nº 19 (EC nº 19/98).

                      Esta emenda, entre outras mudanças, acrescentou o § 4º ao art. 39,

bem como deu nova redação ao incido XI do art. 37 e ao inciso V do art. 93.

                      Pela primeira vez a Lei Maior utilizou a expressão subsidio, nas três

normas, conceituando-o no § 4º do art. 39, ainda em vigor, verbis:

                      ―O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de

Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente

por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação,

adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória,

obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI.‖

                      Alteração de fundo não se observou, pois a redação do art. 37, XI,3

também exigia a regulamentação da norma por lei, deixando-a, ainda, na modalidade

conceituada pelo Professor José Afonso da Silva 4 como norma de eficácia limitada.




3
  a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta,
autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra
espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra
natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal; (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) - fonte:www.planalto.gov.br.
4
  Aplicabilidade das Normas Constitucionais, 5ª edição, 2001.


                                                                                                              3
                      A     Excelsa      Corte      também       não     mudou        sua    jurisprudência,

permanecendo a orientação dada pelo julgamento da ADI nº 14. Ressaltou, outrossim,

que só se tornariam aplicáveis o novo inciso XI do art. 37 (redação dada pela EC nº 19),

somente a partir da fixação, por lei, do subsídio mensal dos seus Ministros 5.

                      Esta lei, consoante redação antiga do art. 48, XV 6, da Constituição

Federal, dada pela EC nº 19, deveria ser de iniciativa conjunta dos Presidentes dos três

Poderes da República. O projeto nunca foi apresentado ao Congresso Nacional.

                      Em face desta omissão legislativa, o Poder Executivo Federal

enxergou a possibilidade de aplicação de um teto remuneratório somente com nova

alteração constitucional.

                      Para tanto, encaminhou mais uma Proposta de Emenda, aprovada sob

o nº 41/03 –– Reforma da Previdência.

                      Pontuando as alterações, em primeiro, temos a atual redação do inciso

XI do art. 37 da Constituição Federal que incluiu o subteto remuneratório, para os

Estados, Distrito Federal e Municípios.

                      Este conceito, em sede constitucional, não se apresentou como uma

novidade jurídica, pois já estava inserido no § 2º do art. 27 e no inciso V do art. 93 da

Constituição Federal.

                      O art. 27, § 2º, na redação conferida pela EC nº 01/92, tratava da

remuneração dos Deputados Estaduais, fixando em 75% daquela estabelecida aos

Deputados Federais. A EC nº 19/98 substituiu esta expressão por subsídio e exigiu lei

das respectivas Assembléias, acabando com a fixação por resolução da Mesa Diretora.




5
 ADIN-MC Nº 1898, RE Nº 218.465 e ADIN-MC 2087, por exemplo – fonte www.stf.gov.br.
6
 fixação do subsídio dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, por lei de iniciativa conjunta dos Presidentes da
República, da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal, observado o que dispõem
os arts. 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I - fonte:www.planalto.gov.br.



                                                                                                               4
                      Já o inciso V do art. 93, teve a redação alterada pela EC nº 19/98 com

o intuito de disciplinar o subsídio da magistratura nacional, pondo fim ao termo

vencimentos, bem como estatuir o escalonamento.

                      A segunda alteração da EC nº 41, foi a nova redação do inciso XV do

art. 49 da Constituição Federal, permitido a fixação do subsídio do Ministro do STF,

sem necessidade da iniciativa conjunta com os demais Poderes.



                      2 – CONCEITUAÇÕES E APRESENTAÇÃO DA TESE:



                      A regulamentação exigida pelo inciso XV do art. 49 veio a lume em

27.07.05, com a publicação da Lei nº 11.143, acarretando uma obrigatoriedade aos

Estados membros da federação a seguirem este modelo para o Poder Judiciário e

Ministério Público, respectivos. E, fala-se em obrigatoriedade pela natureza cogente das

normas constitucionais 7.

                      Em conseqüência, todos os consectários do art. 49, inciso XV,

entraram plenamente em vigor. E, para o objeto do estudo, mister citar o art. 37, XI, o

art. 39, § 4º, art. 93, V, e art. 129, § 4º, todos da Constituição Federal, pois, até então,

segundo orientação jurisprudencial já citada, a aplicabilidade dos respectivos comandos

estava condicionada à promulgação da lei que disciplinasse acerca do subsídio.

                      Assim, busca-se balizar conceitos para sustentar o debate necessário

para implantação do escalonamento, subsidio e subteto nos Estados da Federação que

não efetivaram tal medida, incluindo o Rio Grande do Sul, em cumprimento aos

comandos constitucionais supra referidos.



7
  Normas de ordem pública, também chamadas de coercitivas, imperativas, taxativas ou cogentes, são aquelas que
impõem ou proíbem de maneira categórica – vide PAUPÉRIO, A. Machado. Introdução ao estudo do direito. 7ª ed.,
1986, p. 133.


                                                                                                            5
                        Escalonamento é a hierarquização dos cargos e respectivos

vencimentos, cujo efeito prático é conferir aumento aos subsídios dos cargos do Poder

Judiciário e do Ministério Público, assim que esta hipótese se der, por lei, aos subsídios

dos Ministros do Supremo Tribunal Federal e ao Procurador-Geral da República,

observando o art. 93, V, da CF.

                        Destaca-se que a lei concessiva não necessita referir que houve

“aumento aos subsídios dos cargos escalonados”, pois a autorização é constitucional.

Urge apenas que norma preveja o escalonamento.

                        Deste modo, surgem as seguintes indagações:

                        Como deve ser feito o escalonamento e a implantação do subsídio no

Poder Judiciário e no Ministério Público Estadual?

                        Primeiramente,           é    necessário        implementar           o    escalonamento.

Observando o modelo Federal, constata-se que o Poder Judiciário Federal e o Ministério

Público da União, já efetivaram esta medida por lei anterior (§ 2º do art. 1º da Lei nº

10.474/02 e § 3º do art. 224 da LC nº 75/93). É por esta razão que as Leis nº 11.143/05 e

11.144/05, somente referem-se aos subsídios dos cargos do ápice das carreiras.

                        No Estado do Rio Grande do Sul, Poder Judiciário e Ministério

Público dispõe de leis estabelecendo o escalonamento entre 5% nas entrâncias inicial,

intermediária e final, e 10% para os cargos de Desembargador e Procurador de Justiça

(art. 63 da Lei nº 6.929/75 e Lei Est. nº 8.871/89, art. 3º 8, com redação dada pela Lei

Est. nº 11.107/98).




8
   A tabela a que se refere o artigo 1º da Lei nº 7.344, de 31-12-79, no que diz respeito aos membros do Ministério
Público, fica escalonada do seguinte modo: 1 – Procurador de Justiça...100; 2 - Promotor de Justiça de entrância final
...90; 3 - Promotor de Justiça de entrância intermediária...85; 4 - Promotor de Justiça de entrância inicial...80 – fonte:
www.al.rs.gov.br.


                                                                                                                        6
                       Já, para a fixação do subsídio, diante da redação do art. 93, V 9, da

Constituição Federal, necessária a promulgação de lei estadual que faça menção

expressa a este comando.

                       E, para implantação da nova sistemática, a Assembléia Legislativa

necessita aprovar projetos de leis encaminhados pelo Presidente do Tribunal de Justiça e

pelo Procurador-Geral, com a sanção do Governador Estado (reserva legislativa – arts.

96, II, b, e 127, § 2º, da CF).

                       Como exemplo cita-se a Lei nº 1.632, de dezembro de 2005 do Estado

de Tocantins 10.

                       Ressalta-se, que os valores dos subsídios estaduais estão limitados a
                                                                                             11
90,25% do subsídio do Ministro STF (subteto - inciso XI do art. 37                                da Constituição

Federal, com redação dada pela EC nº 41).

                       Se os Estados omissos na fixação do subsídio seguirem o modelo

adotado pelo Estado do Tocantins, vez que a Lei nº 1.632/05 expressamente refere a

porcentagem e fixa o escalonamento, sempre que os subsídios dos Ministros do STF

sofrerem aumento decorrente de lei federal, automática e independentemente de outra

lei estadual, igual acontecerá nas unidades federadas.


9
   o subsídio dos Ministros dos Tribunais Superiores corresponderá a noventa e cinco por cento do subsídio mensal
fixado para os Ministros do Supremo Tribunal Federal e os subsídios dos demais magistrados serão fixados em lei e
escalonados, em nível federal e estadual, conforme as respectivas categorias da estrutura judiciária nacional, não
podendo a diferença entre uma e outra ser superior a dez por cento ou inferior a cinco por cento, nem exceder a
noventa e cinco por cento do subsídio mensal dos Ministros dos Tribunais Superiores, obedecido, em qualquer caso,
o disposto nos arts. 37, XI, e 39, § 4º- fonte:www.planalto.gov.br.
10
    Art. 1º. O subsídio percebido pelos Procuradores de Justiça do Ministério Público do Estado do Tocantins, a partir
de 1º de janeiro de 2005, corresponde a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em
espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal. Parágrafo único. O subsídio dos membros que compõem as
demais categorias do Ministério Público Estadual será escalonado com diferença de cinco por cento entre uma e outra
– fonte: www.al.to.gov.br.
11
    a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta,
autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra
espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra
natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplicando-
se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do
Governador no âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder
Legislativo e o subsídio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco
centésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do


                                                                                                                    7
                      Porém, segundo argüido por corrente contrária à fixação deste

modelo, tal fenômeno jurídico seria discutível, em virtude da autonomia constitucional e

legislativa Estadual, pois os subsídios dos membros do Poder Judiciário e do Ministério

Público estariam diretamente atrelados e dependentes de manifestação legislativa da

União.

                      Contudo, na exegese da Excelsa Corte, esta dependência legislativa

parcial já ocorre em relação aos subsídios dos Deputados Estaduais (art. 27, § 2º, da

Constituição Federal 12).

                      Assim, se para esta hipótese não se cogita em limitação à autonomia

legislativa estadual, por qual motivo alega-se tal óbice à fixação percentual, e por lei

única, dos subsídios dos Membros do Ministério Público e do Poder Judiciário Estadual,

se a própria Constituição Federal traça o mesmo molde para os Membros do Poder

Legislativo Estadual?

                      Importante ter claro que o art. 93, V, expressamente, refere as

porcentagens a serem seguidas. Desde modo, as carreiras dos Membros do Ministério

Público e do Poder Judiciário, não interessa se “Federal” ou “Estadual”, devem ter uma

simetria de vencimentos, cujo único limite lógico para os Estados é o valor de 90,25%

do subsídio do Ministro do STF, segundo redação do art. 37, XI, in fine.

                      Tanto é este o caráter do sistema – de âmbito nacional – que o

Presidente do E. Supremo Tribunal Federal baixou as resoluções nº 306 e 318, tornando

público o subsídio mensal da Magistratura da União, para os anos de 2005 e 2006,

respectivamente.



Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério Público, aos Procuradores e aos Defensores
Públicos - fonte: www.planalto.gov.br.
12
   O subsídio dos Deputados Estaduais será fixado por lei de iniciativa da Assembléia Legislativa, na razão de, no
máximo, setenta e cinco por cento daquele estabelecido, em espécie, para os Deputados Federais, observado o que
dispõem os arts. 39, § 4º, 57, § 7º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I - fonte:www.planalto.gov.br.



                                                                                                                8
                       A questão de fundo é que, para o Poder Judiciário e Ministério

Público, a própria Constituição Federal estabeleceu um regramento cuja finalidade é dar

paridade aos subsídios de todas as unidades federadas. A única liberalidade concedida

ao legislador estadual, quando tratar da matéria em foco, foi a de fixar entre 5% e 10% o

escalonamento entre as entrâncias. O subteto de 90,25% do subsídio dos Ministros do

Supremo Tribunal Federal é valor obrigatório a ser pago aos Desembargadores e aos

Procuradores de Justiça, sem possibilidade de fixação abaixo deste quantun.

                       Deste modo, por qual motivo a Constituição Federal traçou este

último limite porcentual?

                       Pelo fato de que a ascensão nas carreiras de Desembargador ou

Procurador de Justiça – Ministro do Superior Tribunal de Justiça (art. 104, parágrafo
                             13
único, I e II, da CF              ) – acarretará num aumento de 5% no subsídio auferido pelo

Membro, chegando ao limite de 95% estabelecido no art. 93, V, 1ª parte, da

Constituição Federal (os 100% do valor do subsídio é pago aos Ministros do Supremo

Tribunal Federal).

                       Nítida, assim, a logicidade do escalonamento e das respectivas

porcentagens a serem fixadas para os diferentes níveis das carreiras.

                       Mister trazer á baila trecho do acórdão extraído da ADI Nº 2.087-MC,

Rel. Min. Sepúlveda Pertence, DJ 19/09/03, cujos ensinamentos aplicam-se, na íntegra,

ao estudo em foco, verbis:

                       ―Se se aceita, nesses termos, que o padrão, nesta ação direta, hão de

ser as normas da EC 19/98, particularmente a do novo art. 37, XI, a indagação



13
   Art. 104. O Superior Tribunal de Justiça compõe-se de, no mínimo, trinta e três Ministros.
Parágrafo único. Os Ministros do Superior Tribunal de Justiça serão nomeados pelo Presidente da República, dentre
brasileiros com mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos, de notável saber jurídico e reputação ilibada,
depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado Federal, sendo:
I - um terço dentre juízes dos Tribunais Regionais Federais e um terço dentre desembargadores dos Tribunais de
Justiça, indicados em lista tríplice elaborada pelo próprio Tribunal;


                                                                                                                     9
seguinte diz com a admissibilidade, sob a regência dela, do estabelecimento de

subtetos estaduais, distritais ou municipais.

                      À luz do texto originário, o Pleno do Tribunal admitiu a validade de

subteto estadual abaixo do decorrente do velho art. 37, XI, não obstante preservasse,

em nome da garantia de irredutibilidade de vencimentos, a percepção do montante

superior anteriormente recebido.

                      Consigna a ementa da decisão plenária do RE 228.080, de 21.5.98,

de que fui relator - RTJ 168/692:

                      „II - Teto: redução do limite remuneratório (L.C. est. 4'::1/92-SC):

inexistência de direito adquirido à manutenção do limite previsto na legislação

revogada, pois é axiomático não existir direito adquirido a regime jurídico.

                      III - Lícita a anterior fixação do teto local na remuneração dos

Secretários de Estado e dada a garantia constitucional da irredutibilidade dos

vencimentos, têm os impetrantes direito de que, da incidência imediata da LC 43/92,

não poderá resultar o decréscimo da quantia que licitamente percebessem, até o

montante do teto anterior.

                      IV- Teto estadual: fixação em montante inferior ao previsto no art. 37,

XI, da Constituição: possibilidade.

                      V - No art. 37, XI, CF, são previstos dois limites máximos a

considerar na implementação do sistema: o primeiro, já predeterminado pela

Constituição, para cada Poder,. o segundo, a ser fixado por lei da União e de cada

unidade federada, contido, porém, pela observância do primeiro, mas ao qual poderá

ser inferior, excetuadas apenas as hipóteses de teto diverso estabelecido na própria

Constituição da República (arts. 27, § 2°, e 93, V) .‟


II - um terço, em partes iguais, dentre advogados e membros do Ministério Público Federal, Estadual, do Distrito
Federal e Territórios, alternadamente, indicados na forma do art. 94 - fonte:www.planalto.gov.br.


                                                                                                             10
                 (...)

                 Por incrível que pareça - tão audacioso tem sido o das normas

centrais, na tendência à uniformidade ditada pela evolução do federalismo brasileiro

- em tema de remuneração dos seus servidores, o princípio geral segue sendo a

autonomia das entidades descentralizadas, sujeitas apenas às restrições da

Constituição Federal.

                 A questão, assim, não é de buscar autorização explícita da

Constituição Federal às unidades federadas, mas sim a de saber se há nela, além do

limite superior intransponível do art. 37, XI, outro princípio ou norma que lhes

restrinja a autonomia.

                 A resposta é negativa: como o originário, o novo art. 37, XI - única

regra geral pertinente à matéria - só impõe a Estados e Municípios - assim como à

própria União - um limite negativo, o teto nacional de remuneração, sem que dele se

possa extrair a garantia aos servidores de não a terem sujeita a limite inferior

determinado por regra local.

                 Daí não se segue, entretanto, que a admissibilidade do subteto seja

regra absoluta: ela sofre exceções ditadas pela própria Constituição Federal, nas

hipóteses por ela subtraídas do campo normativo da regra geral do art. 37, XI, para

submetê-las a mecanismo diverso de limitação mais estrita da autonomia das

entidades integrantes da federação.

                 Em tais casos, parece, nada tem a dispor a respeito a lei estadual,

salvo fixar o valor de subsídios e vencimentos, observado o limite ou os limites

específicos já demarcados pela Constituição Federal.




                                                                                  11
                    Ocorre-me prontamente o caso dos magistrados, à vista do

escalonamento vertical de subsídios, de âmbito nacional, ditado na EC 19/98 pelo

novo art. 93, V, da Constituição, verbis:

                    (...)

                    O preceito - claramente inspirado no caráter nacional do Poder

Judiciário - acaba propositadamente por vincular ao dos Tribunais Superiores o

subsídio da mais alta categoria das carreiras da Justiça da União e da Justiça dos

Estados, quanto a esta, com o propósito manifesto de reduzir, na esfera delicada da

política de remuneração dos magistrados, a faixa de opção e manobra dos Poderes

políticos locais.

                    Esse escalonamento nacional, que passa a constituir, com a nova

redação do art. 93, V, um contraforte da independência política do Judiciário e se fez,

por isso, imune até a emendas constitucionais tendentes a aboli-lo (CF, art. 60, III),

com mais razão é incompatível com a idéia de subordinação dos subsídios dos juízes a

subtetos derivados de normas infraconstitucionais, federais ou locais.

                    De sua vez, com relação ao subsídio dos Deputados Estaduais, a

Constituição da República, ela mesma, fixou desde logo o subteto em 75% do

estabelecido, em espécie, para os Deputados Federais.‖ (grifo nosso).

                    No mesmo sentido:

                    "A questão do subteto no âmbito do Poder Executivo dos Estados-

Membros e dos Municípios — hipótese em que se revela constitucionalmente possível

a fixação desse limite em valor inferior ao previsto no art. 37, XI, da Constituição —

ressalva quanto às hipóteses em que a própria Constituição estipula tetos específicos

(CF, art. 27, § 2º, e art. 93, V)." (ADIN 2.075-MC, Rel. Min. Celso de Mello, DJ

27/06/03 - grifo nosso).



                                                                                    12
                       Ainda, dentre as vantagens, é tradição os Ministros do Supremo

Tribunal Federal e o Procurador-Geral da República auferirem subsídios de ótimo valor

indenizatório, o que afasta a percepção inicial de que eventual “embargo” a longo prazo

destes subsídios, prejudicaria os subsídios regionais, pois esta hipótese, s.m.j., nunca

ocorreu na história da República.



                       3 – PARCELAS NÃO COMPUTADAS PARA FINS DE SUBTETO:



                       Tendo em vista o § 11 do art. 37 da Constituição Federal, acrescido

pela EC nº 47 de 5 de julho de 2005, importante ressaltar quais as parcelas que não são

consideradas para fins de subteto, podendo serem auferidas pelo Membro, que

efetivamente desempenhar as tarefas a elas atreladas, sem possibilidade de corte.

                       A primeira é a gratificação por serviços à Justiça Eleitoral, pois
                                                           14
disciplinada pela Lei nº 11.143/05, art. 2º                     , e paga aos Srs. Ministros do Supremo

Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça que labutam no Tribunal Superior

Eleitoral, por força do § 11 do art. 37 da Constituição Federal, verbis:.

                       ―Não serão computadas, para efeito dos limites remuneratórios de

que trata o inciso XI do caput deste artigo, as parcelas de caráter indenizatório

previstas em lei‖.

                       Da mesma forma, o terço recebido decorrente de substituição eventual

em outro cargo de Promotor/Procurador de Justiça, ou Juiz de Direito, não pode integrar

o cálculo para fins do subteto, em face da mesma natureza jurídica existente entre esta

gratificação e a por serviços prestados à Justiça Eleitoral – parcela de caráter



14
  O caput do art. 2o da Lei no 8.350, de 28 de dezembro de 1991, passa a vigorar com a seguinte redação a partir de
1o de janeiro de 2005: "Art. 2o A gratificação mensal de Juízes Eleitorais corresponderá a 18% (dezoito por cento) do
subsídio de Juiz Federal - fonte:www.planalto.gov.br.


                                                                                                                 13
                   15
indenizatório           . Ademais, o terço referente a parcela de substituição só é pago aos

Membros por estar previsto em lei.

                         No tocante ao terço de férias, embora possíveis interpretações

restritivas, por força da redação do artigo 39, § 4º, da Constituição Federal, há previsão,

também de nível constitucional, que obriga ao pagamento de férias remuneradas aos

servidores públicos em geral (artigo 39, § 3º 16).

                         Portanto, a melhor interpretação, respeitando os entendimentos em

contrário, é a de que o subsídio não exclui o pagamento do terço de férias, da

substituição eventual e da gratificação eleitoral.



                         4 – DIREITO ADQUIRIDO:



                         Eventual desvantagem temida por Colegas com antigüidade na

carreira, com relação a redução dos vencimentos brutos, pois os valores ultrapassariam

o percentual máximo permitido, não é justificada, pois inconstitucional o corte (abate

teto).
                                                                           17
                         Em que pese o art. 9º da EC nº 41                      , c/c o art. 17 do ADCT da
                                        18
Constituição Federal de 1988                 , disciplinarem o corte dos subsídios que ultrapassarem

o teto ou o subteto estabelecido, destaca-se, em socorro aos Membros mais antigos, a


15
   Nesse sentido: AG. Reg. no RE nº 332.360-1/SP, julgado em 29.03.2005, Rel. Min. Eros Grau – “(...) Subteto de
vencimentos. Cômputo das parcelas. Incluem-se aquelas percebidas em razão do exercício do cargo e excluem-se as
vantagens pessoais. Agravo regimental não provido.” Vide também RE nº 185.842-7 – fonte www.stf.gov.br.
16
   Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o disposto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI,
XVII, XVIII, XIX, XX, XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisitos diferenciados de admissão quando a
natureza do cargo o exigir - fonte:www.planalto.gov.br.
17
   Aplica-se o disposto no art. 17 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias aos vencimentos, remunerações
e subsídios dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional,
dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de
mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória percebidos
cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza - fonte:www.planalto.gov.br.
18
   Os vencimentos, a remuneração, as vantagens e os adicionais, bem como os proventos de aposentadoria que
estejam sendo percebidos em desacordo com a Constituição serão imediatamente reduzidos aos limites dela
decorrentes, não se admitindo, neste caso, invocação de direito adquirido ou percepção de excesso a qualquer título -
fonte:www.planalto.gov.br.


                                                                                                                 14
garantia da irredutibilidade dos subsídios (arts. 95, III, e 128, § 5º, I, „c‟, da CF), e a

concepção corrente do ―congelamento‖, ou seja, os que auferirem subsídios maiores ao

subteto permitido, continuariam a receber seus proventos líquidos integrais, por força de

tal garantia. E, somente usufruiriam de aumentos quando o subsídio previsto

abstratamente em lei, ultrapassasse os ganhos mensais, o que de justiça será 19.

                      Cita-se, por oportuno, a doutrina de Alexandre de Moraes 20, verbis:

                      ―(...) A posição pacificada na jurisprudência da Corte Suprema

sobre a inexistência de direito adquirido em relação à imutabilidade do regime

jurídico do servidor público, sendo as leis que o alterem aplicáveis desde o início de

sua vigência, não afasta a proteção constitucional dos direitos adquiridos

relacionados a eventuais vantagens pessoais que já tenham acrescido ao patrimônio

do servidor público, pois são coisas diversas.

                      Como bem ressaltado por Hugo Nigro Mazzilli, os precedentes do

STF sobre inexistência de direito adquirido e emenda constitucionais, diziam respeito

a pretensa existência de direito adquirido contra a imutabilidade de regime jurídico

do servidor, concluindo o referido autor que ‗ora, não se admitindo direito adquirido

à imutabilidade de regime jurídico, obviamente tanto o poder constituinte originário

como o derivado podem o alterar livremente, respeitados, neste último caso, apenas os

efeitos válidos já consumados sob a ordem jurídica anterior‘. Assim, por exemplo, um

servidor público que tenha ingressado na carreira sob a vigência de determinado

regime jurídico que lhe garantisse a percepção de qüinqüênios, ou seja, acréscimo à

sua remuneração de determinada verba, como adicional por tempo de serviço, a cada

5 anos, após 10 anos de efetivo serviço terá adquirido pelo transcurso do tempo de


19
   Vide Guilherme Guimarães Feliciano, Juiz do Trabalho na 15ª Região – “A Lei nº 11.143/2005 e a gratificação por
tempo de serviço da Lei Orgânica da Magistratura Nacional: direito adquirido ou eficácia imediata da norma
superveniente?” – fonte:www.jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=7230.
20
   Direito Constitucional, 12ª ed, 2002.


                                                                                                               15
serviço (ex facto temporis) direito a integralização ao seu patrimônio desses dois

qüinqüênios. Se, futuramente, houver alteração no regime jurídico regente da

carreira desse servidor público, ele não mais fará jus à aquisição de novos

qüinqüênios à cada 5 anos de efetivo serviço, em face do posicionamento da Corte

Suprema pela inexistência de direito adquirido à regime jurídico; porém, em relação

aos valores equivalentes aos dois qüinqüênios incorporados aos seus vencimentos, já

se constituiu direito adquirido uma vez que já se haviam completado os requisitos

legais e de fato para a integralização patrimonial. Como observa Carlos Maximiliano,

‗se chama adquirido o direito que se constitui regular e definitivamente e a cujo

respeito se completam os requisitos legais e de fato para integrar no patrimônio do

respectivo titular, quer tenha sido feito valer, quer não, antes de advir norma

posterior em contrário‘.

                 Portanto, em relação à situação ora tratada, afirma Hugo Mazili

que ‗havendo direito adquirido, o poder de emenda à CF e a ordem

infraconstitucional devem-lhe respeito‘.

                 Dessa forma, nenhum servidor público poderá, à partir da

regulamentação da EC nº 19/98, adquirir qualquer vantagem pessoal ou de qualquer

outra natureza, nos termos da nova redação do inciso XI, do art. 37, que exceda ao

teto salarial do funcionalismo público, correspondente ao subsídio mensal, em

espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal. Diferentemente, será o

tratamento jurídico-constitucional dos servidores públicos que já tem incorporadas ao

seu patrimônio vantagens pessoais juridicamente reconhecidas. Em relação à esses,

não haverá possibilidade de retroatividade do presente art. 29, continuando os

mesmos a perceberem integralmente seus vencimentos, em face da existência do

direito adquirido e a impossibilidade de reconhecer-se uma retroatividade que



                                                                                  16
desconstitua uma situação jurídica perfeita e acabada, consolidada na vigência da

norma constitucional originária anterior, acarretando irregular irredutibilidade de

vencimentos, devidamente incorporados ao patrimônio.

                 Em     relação    ao   alcance    da    garantia   constitucional    da

irredutibilidade de vencimentos, o Supremo Tribunal Federal já estabeleceu tratar-se

de cláusula que ‗veda a redução do que se tem‘. Dessa forma, como salientado pelo

Ministro Celso de Mello,

                 „o Supremo Tribunal Federal, tendo presente a concreta abrangência

desse postulado fundamental, enfatizou que „...a garantia constitucional de

irredutibilidade de vencimentos (...) toma intangível o direito que já nasceu e que não

pode ser suprimido...' (RTJ 118/300, ReI. Min. CARLOS MADEIRA), pois, afinal, a

garantia da irredutibilidade incide sobre aquilo que, a título de vencimentos, o servidor

já vinha percebendo (RTJ 112/768, ReI. Min. ALFREDO BUZAlD). Cumpre ter

presente, neste ponto, a sempre relembrada decisão desta Suprema Corte, em período

no qual a garantia em causa somente dizia respeito aos membros do Poder Judiciário,

na qual se assentou, concernentemente ao tema em debate, que „O que a

irredutibilidade veda é a diminuição, por lei posterior, dos vencimentos que o juiz, em

exercício antes de sua vigência, estivesse recebendo' (RTJ 45/353,355, ReI. Min.

EVANDRO LINS). Esse entendimento – impõe-se enfatizar – tem sido reiterado em

diversos pronunciamentos dessa Corte Suprema, nos quais, por mais de uma vez, já se

proclamou que a garantia constitucional da irredutibilidade de vencimentos proíbe que

o estipêndio funcional seja reduzido ou afetado, por ato do Poder Público, em seu valor

nominal (RTJ 105/671, 675, Rel. Min. Soares Muñoz)‟ (...)‖ .




                                                                                      17
                   5 – CONCLUSÃO:



                   Por fim, diante de todas as considerações em defesa do

escalonamento, subsidio e subteto, estes têm de ser fixados no âmbito Estadual, pois há

norma constitucional em vigor, na plenitude da sua eficácia. Outrossim, a

implementação do novo sistema ensejará maiores ganhos do que perdas.



                   6 – BIBLIOGRAFIA:



1- FELICIANO, Guilherme Guimarães. A Lei nº 11.143/2005 e a gratificação por

tempo de serviço da Lei Orgânica da Magistratura Nacional: direito adquirido ou

eficácia           imediata       da          norma          superveniente?          –

www.jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=7230.

2 - MORAES, Alexandre. Direito Constitucional, 12ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

3 - PAUPÉRIO, A. Machado. Introdução ao Estudo do Direito. 7ª ed., Rio de Janeiro:

Forense, 1986, p. 133.

4 - SILVA, José Afonso. Aplicabilidade das Normas Constitucionais, 5ª ed., São Paulo:

Malheiros, 2001.




                                                                                    18

								
To top