Sistemas Operativos - PDF by NunoPereira4

VIEWS: 1,355 PAGES: 48

Instala��o do Windows XP - Distribui��es Linux. Compara��o de Sistemas Operativos

More Info
									                     Operador/a de Informática
                     0751 Sistemas Operativos             o                                      Carga horária 50 horas



                     Identificar e operar os diferentes tipos de sistema operativo.

                     Reconhecer a forma de interacção entre o sistema operativo e os periféricos do computador.

                     Conteúdos

                     Sistema operativo

                     • Conceito
                     • Unidades    de armazenamento
                     • Disquete,   Disco Rígido e CDROM


                     Fundamentos de um sistema operativo DOS

                     • Comandos internos e Externos
                     • Execução de comandos
                     • Manipulação de ficheiros
                     • Ficheiros de sistema e de arranque
                     • Configurações múltiplas de sistema



                     Fundamentos de um sistema operativo gráfico
                     • Comandos internos e Externos
                     • Execução de comandos
                     • Manipulação de ficheiros
                     • Ficheiros de sistema e de arranque
                     • Configurações múltiplas de sistema




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Conteúdo 
                     Sistemas Operativos ...................................................................................................................... 3 
                            Definições: ............................................................................................................................. 3 
                     Estrutura do Sistema Operativo .................................................................................................... 5 
                     Tipos de Sistemas Operativos ....................................................................................................... 5 
                     História do MS‐DOS ....................................................................................................................... 5 
                     Introdução ao MS‐DOS. ................................................................................................................. 6 
                     Iniciar o MS‐DOS ........................................................................................................................... 7 
                     Características ............................................................................................................................... 7 
                     Directórios e Arquivos ................................................................................................................... 7 
                     Utilização de referência global ou múltipla de arquivos ............................................................... 7 
                     PROMPT (PRONTO) do sistema ..................................................................................................... 8 
                     Mudança da unidade de disco ...................................................................................................... 8 
                     Comandos...................................................................................................................................... 8 
                     Programas em lote ...................................................................................................................... 12 
                     Instalação do XP passo‐a‐passo .................................................................................................. 15 
                     Checklist ...................................................................................................................................... 15 
                            Determinar a permanência no Workgroup ou Domínio ..................................................... 30 
                     Ferramentas de Gestão Windows XP .......................................................................................... 31 
                     Control Panel ............................................................................................................................... 31 
                     Gestão de Computadores ........................................................................................................... 32 
                                           .
                     Ferramentas de Sistema  ............................................................................................................. 33 
                            Visualizador de Eventos ...................................................................................................... 33 
                            Alertas e Registos de Desempenho ..................................................................................... 35 
                            Pastas partilhadas ............................................................................................................... 35 
                            Gestor de Dispositivos ......................................................................................................... 35 
                            Utilizadores e Grupos Locais ............................................................................................... 36 
                            Gestão de discos.................................................................................................................. 36 
                     Antivirus, o que são? ................................................................................................................... 37 
                     File Transfer (Transferência de Ficheiros) ................................................................................... 38 
                            FTP Sites .............................................................................................................................. 38 
                     Gestores de Bancos de Imagens (Picture Manager) ................................................................... 39 
                     Configurar o Gmail no Outlook Express ...................................................................................... 39 
                     Configurar o Hotmail no Outlook Express ................................................................................... 46 

Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Sistemas Operativos
                     Definições: 

                     Um sistema é um conjunto de elementos interconectados, de modo a formar um todo
                     organizado.

                     Um sistema operativo ou sistema operativo é um programa ou um conjunto de programas
                     cuja função é servir de interface entre um computador e o utilizador.

                     Sistemas Operativos:

                     DOS                                           Microsoft
                     DR-DOS                                        Windows (16 bits)
                     FreeDOS                                       Windows 1.x
                     MS-DOS                                        Windows 2.x
                     PC-DOS                                        Windows 3.x
                     VirtuOS                                       Windows (16 bits/32 bits)
                     Sisne                                         Windows 95
                     SO16                                          Windows 98
                     QDOS                                          Windows 98 SE
                                                                   Windows ME
                                                                   Windows (32 bits)
                                                                   Windows NT
                                                                   Windows NT 3.1
                                                                   Windows NT 3.5
                                                                   Windows NT 4
                                                                   Windows 2000
                                                                   Windows Server 2003
                                                                   Windows (32/64 bits)
                                                                   Windows XP
                                                                   Windows Home Edition
                                                                   Windows Professional Edition
                                                                   Windows Tablet PC Edition
                                                                   Windows Media Center Edition
                                                                   Windows Embedded Edition
                                                                   Windows Starter Edition
                                                                   Windows 64-bit Edition
                                                                   Windows Vista
                                                                   Windows Server 2008
                                                                   Windows 7
                                                                   Windows CE
                                                                   Windows Mobile
                                                                   WinPE




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Linux                                                Apple / Macintosh
                     AIX                                                  Apple II
                     BSD                                                  Apple DOS
                     4.4BSD                                               ProDOS
                     386BSD                                               GS/OS
                     FreeBSD
                     OpenBSD
                                                                          Apple III
                     NetBSD                                               SOS (Sophisticated Operating System)
                     NeXTSTEP                                             Lisa OS
                     DragonFly BSD                                        Macintosh ; abreviação: Mac
                     BSDI (BSD/OS)                                        Mac OS
                     Darwin                                               Unix-like
                     Cromix                                               A/UX
                     GNU/Hurd                                             MkLinux
                     Minix                                                Mac OS X
                     Linux
                     Big Linux
                                                                          Darwin
                     Arch Linux                                           Mac OS X v10.0 (Mac OS X 10.0 "Cheetah (Chita)")
                     Conectiva (Mandriva)                                 Mac OS X v10.1 (Mac OS X 10.1 "Puma")
                     Debian                                               Mac OS X v10.2 (Mac OS X 10.2 "Jaguar")
                     Knoppix                                              Mac OS X v10.3 (Mac OS X 10.3 "Panther (Pantera)")
                     Gentoo                                               Mac OS X v10.4 (Mac OS X 10.4 "Tiger (Tigre)")
                     Resulinux                                            Mac OS X v10.5 (Mac OS X 10.5 "Leopard (Leopardo)")
                     Kurumin                                              Mac OS X Server
                     Kalango
                     Famelix
                     Mandrake (Mandriva)
                     RedHat
                     Rxart
                     Fedora Core
                     Slackware
                     SuSE
                     ubuntu
                     Caixa Mágica
                     Outras Distribuições
                     System V
                     HP-UX
                     IRIX
                     OSF/1
                     OS-9
                     POSYS
                     QNX
                     Solaris
                     OpenSolaris
                     SunOS
                     SCO UNIX
                     Tropix
                     EROS
                     Tru64
                     Digital UNIX
                     Ultrix
                     UniCOS
                     UNIflex
                     Microsoft Xenix
                     z/OS
                     Xinu
                     Research Unix
                     InfernoOS
                                            Fonte: Wikipedia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_sistemas_operativos



Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Estrutura do Sistema Operativo
                             O funcionamento do SO é bastante complexo, pois não é executado em sequência,
                        com inicio meio e fim. É executado por rotinas predefinidas, baseadas em eventos
                        dissociados do tempo. O SO é formado por rotinas que oferecem serviços ao utilizador do
                        sistema e as aplicações. Essas rotinas são chamadas de núcleo do sistema, onde suas
                        funções são:

                         •    Tratamento de interrupções,
                         •    Criação e eliminação de processos,
                         •    Sincronização e comunicação entre processos,
                         •    Gestão da memória,
                         •    Escalonamento e controle dos processos,
                         •    Preparação de entrada e saída.




                     Tipos de Sistemas Operativos

                             MONOPROGRAMAVEIS/MONOTAREFA – Enquanto o processador esta a executar
                     uma tarefa não se consegue executar outra, enquanto não acabar aquela anterior. Assim
                     sendo a memória, o processador e os periféricos ficam dedicados apenas a um procedimento.
                     Estes sistemas operativos estão ligados ao aparecimento dos primeiros computadores, o MS-
                     DOS trabalha desta forma.

                              MULTIPROGRAMAVEIS/MULTITAREFA – com o interesse de substituir os
                     monoprogramaveis. Este tipo de sistema operativo são mais complexos e eficientes, ao
                     contrario dos monoprogramaveis, nos multiprogramaveis vários programas dividem este
                     mesmo recurso. Assim quando se espera um programa ser gravado no disco poderá estar a
                     processar outro programa no mesmo intervalo de tempo, o sistema operativo consegue
                     assegurar a gestão do acesso corrente aos seus diversos recursos como memoria e
                     periféricos.


                     História do MS-DOS
                              A história de como o MS-DOS foi criado ilustra o imprevisível curso de eventos na
                     indústria de computadores. O processador 8086 é importante na história do MS-DOS, já que
                     este foi originalmente criado por Tim Paterson e a Seattle Computer Products, em 1980, para
                     ser o sistema operativo de sua recentemente criada placa de CPU com um processador 8086.
                     Quando a placa de CPU da Seattle Computer apareceu no mercado pela primeira vez, em
                     meados de 1979, o MS-DOS ainda não estava era sequer pensado pelos seus criadores. A
                     Digital Research havia anunciado que o S.O. CP/M-86 estaria pronto para operar o sistema
                     8086, e, então, as expectativas eram de que nenhum outro sistema operativo seria mais
                     necessário. ( O sistema operativo CP/M da Digital Research era na época o mais popular
                     sistema operativo feito para os computadores que utilizavam o chip microprocessador 8080 ou
                     o Z80 )
                     Entretanto, a chegada do CP/M-86 foi adiada, e após esperar por quase um ano, a Seattle
                     Computer decidiu criar seu próprio sistema operativo, denominando-o QDOS. Quatro meses
                     depois, em Agosto de 1980, o QDOS estava pronto para ser lançado no mercado. Pouco
                     depois de seu lançamento, uma outra firma sediada em Seattle no estado de Washington,
                     EUA, chamada Microsoft decidiu comprar o QDOS e fazer dele seu próprio sistema operativo
                     sob o nome de MS-DOS. A microsoft tornou-se famosa por sua versão de BASIC, mas nunca
                     havia antes vendido um sistema operativo. Alguns meses depois que o MS-DOS foi lançado, o
                     CP/M-86 surgiu.
                              A Microsoft lançou versões aperfeiçoadas do MS-DOS. Cada lançamento subsequente
                     do MS-DOS é chamado de uma nova versão, sendo estas versões numeradas. O primeiro
                     lançamento do MS-DOS é chamado de 1.0. A medida que foram feitos melhoramentos a
Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     microsoft lançou outras versões. E finalizou o lançamento deste Sistema Operativo lançado em
                     1995 e que finalizou o desenvolvimento deste SO com a versão 6.22.

                     O MS-DOS POR DENTRO: Muitas pessoas usavam computadores com MS-DOS durante anos
                     sem conhecer nada sobre o que o MS-DOS fazia por elas. Mas um pouco de conhecimento
                     pode ajuda-lo a usar o seu S.O. eficazmente. Também pode ajuda-lo a determinar os limites do
                     que se pode esperar do MS-DOS.
                     Se pudesse ver o interior do MS-DOS, veria uma complicada massa de instruções de
                     computador. Estas instruções são escritas em linguagem de máquina, que é uma linguagem
                     especial reconhecida pela CPU, que sabe como interpreta-la. Felizmente, não é preciso saber
                     linguagem de máquina para poder usar o MS-DOS, nem é preciso saber como o MS-DOS
                     executa seu trabalho.

                     INICIAR O MS-DOS: Logo que se liga o computador, este acessa um determinado conjunto de
                     informações residentes na ROM-BIOS (Read Only Basic Input/Output System - um conjunto de
                     programas residentes no computador que realiza as operações de controle e supervisão mais
                     básicas, de nível mais baixo para o computador) do computador. Através das instruções da
                     BIOS, é feito o autoteste de inicialização (ou POST - Power-On Self-Test) que testa todas as
                     características funcionais do computador (RAM, teclado, vídeo, drives, etc.). Logo após, o
                     computador procurar pelo sistema operativo no disco ou na disquete que estiver no drive. Se
                     na disquete houver o s. o. este é carregado para a memória, caso contrário o computador
                     solicitara a troca p/ recomeçar o processo. O programinha gravado no “registo” de boot é
                     quem faz a carga do sistema operativo. No caso de não haver disquete na drive o disco rígido
                     será lido em busca do sistema. operativo sendo então o MS-DOS carregado do disco para a
                     RAM e começa a executar. Quando o MS-DOS esta pronto para receber um comando ou
                     executar um programa, ele exibe um prompt na ecran e aguarda até que você lhe diga o que
                     fazer. Um prompt é simplesmente um sinal que indica que um programa (neste caso o MS-
                     DOS) esta a aguardar que você digite algo.
                     O prompt do MS-DOS, geralmente A: , B: ou C:, avisa que o DOS esta pronto para receber um
                     comando do utilizador. Para se executar um comando, simplesmente digita-se seu nome no
                     teclado e de seguida pressionar a tecla ENTER.
                     Após você dizer ao DOS o nome do comando, o sistema operativo tem de encontrar o
                     respectivo programa. Ele tem duas escolhas sobre onde encontra-lo. Um comando pode estar
                     interna ou externamente armazenado. Denominamos de RESIDENTES ou INTERNOS os
                     comandos que aparecem na memória do microcomputador enquanto o MS-DOS estiver activo,
                     e de UTILITÁRIOS ou EXTERNOS os comandos que residem em discos e que são trazidos
                     para a memória apenas quando solicitados.




                     Introdução ao MS-DOS.
                     O MS-DOS é apenas um exemplo de uma classe de programas de computador que são
                     conhecidos como sistemas operativos. A tarefa deste sistema operativo é basicamente
                     supervisionar e direccionar o trabalho de operação do computador. O DOS gestor de
                     dispositivos, controla programas e processa comandos. O gestor de dispositivos (impressora,
                     discos, monitor, teclado, etc), envolve tudo o que é necessário para manter as partes do
                     computador a funcionar correctamente. O controlo de programas envolve a preparação dos
                     programas para execução e fornecimento de serviços para os programas funcionarem. O
                     processo de comandos envolve solicitações que o utilizador faz ao sistema operativo para
                     executar determinada tarefa. Dentre as diversas tarefas do DOS, o que vemos acontecer de
                     facto, é o que chamamos de processamento de comandos. Esta tarefa, não é nada mais que,
                     um programa que pedimos para o DOS executar, para realizar determinada tarefa. Ao
                     solicitarmos um comando o DOS verifica em sua tabela interna (COMMAND.COM), caso
                     encontre, o comando será executado (comandos internos do MS-DOS), caso não encontre,
                     ele procurará no disco o comando externo (são programas que possuem extensão .exe, .com
                     ou .bat).Esta busca é feita dependendo do caminho que estiver no comando Path. Exemplo de
                     comandos Internos (Cls, Copy, Date, etc) e comandos externos = format, more, edit, tree, etc
                     (Ver os arquivos em c:\windows\system32 – S O Windowx XP).



Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Iniciar o MS-DOS
                     Assim que, se liga o computador, este acede a um determinado conjunto de informações
                     residentes na memória ROM do computador (ROM - um conjunto de programas residentes no
                     computador que realiza as operações de controle e supervisão mais básicas, a nível de
                     hardware). Através das instruções da memória ROM, é feito um auto teste de inicialização que
                     testa todas as características funcionais do computador. De seguida, o computador procura
                     pelo sistema operativo na disquete que estiver no drive. Se não houver Sistema Operativo na
                     disquete ou no disco rígido, sendo então o MS-DOS carregado do disco para a RAM e começa
                     a correr. Quando o MS-DOS esta pronto para receber um comando ou executar um programa,
                     ele exibe um prompt na ecran e aguarda até que você lhe diga o que fazer. Um prompt é
                     simplesmente um sinal que indica que o DOS esta à espera que você digite algo.


                     Características
                     Sistema Operativo que se caracteriza por ser monoutilizador e monoprogramado. A
                     comunicação do utilizador com o MS-DOS ocorre de dois modos, o modo interativo e o modo
                     batch.
                          a) Modo Interativo: Propriedade de executar um comando no instante em que foi digitado
                     através do prompt que é um sinal que indica que o DOS esta pronto para executar seus
                     comandos.
                          b) Modo batch: Também chamado de comandos em lote, ou seja, uma sequência de
                     comandos que serão executados na ordem em que aparecem. Os comandos desejados devem
                     ser colocados em ordem sequencial em um arquivo que pode ser criado por um processador
                     de textos.
                           O prompt do MS-DOS, geralmente A:> , B:> ou C:>, avisa que o DOS esta pronto para
                     receber um comando do utilizador. Para se executar um comando, simplesmente digita-se seu
                     nome no teclado e a seguir pressiona-se a tecla ENTER.




                     Directórios e Arquivos
                          a) Directório:
                     Porção lógica de espaço em disco associada a um nome. Um utilizador pode criar um directório
                     e dar-lhe um nome. Um directório pode possuir vários subdirectórios que por sua vez podem
                     possuir também vários subdirectórios, formando desta forma o que chamamos de estrutura
                     hierárquica de directórios. Estes directórios podem conter também arquivos (programas,
                     aplicativos, utilitários, conjunto de dados). A finalidade de se usar directórios reside na
                     necessidade de se organizar o disco, de modo a separar os arquivos de acordo com interesses
                     específicos.

                          b) Arquivos: Os nomes de arquivos possuem nome e extensão, separada do nome por
                     um ponto (.). São válidas para o nome e extensão qualquer letra do alfabeto, minúscula ou
                     maiúscula e dígitos numéricos. Os caracteres < > . , ; : não podem ser utilizados pois o MS-
                     DOS os utiliza para outros propósitos. Existem algumas extensões pré-definidas, que são as
                     especificadas abaixo:
                     .BAK - arquivos de backup.                                .DOC - arquivo documento, arquivo
                     texto.
                     .
                     TXT - arquivo texto.                            .XLS – Ficheiro de calculo do excel.
                     .BAT - arquivo de comandos em lote.             .EXE - programa executável.


                     Utilização de referência global ou múltipla de arquivos
                     Utilizada quando se deseja fazer referência a um grupo de arquivos que possuem nomes
                     semelhantes. Para tanto utiliza-se o " * " e a " ? ", sendo que o primeiro é utilizado para
                     substituir uma cadeia de caracteres e o segundo apenas um caractere. Ex:
                     - analise.dat           kc.txt
                     - alcool.doc           ka.txt
Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     - carta.txt              kb.doc
                     - dollar.txt             ka.doc
                     *.* -> é tratado como ????????.??? e faz referência a todos os arquivos.
                     *.txt -> referencia todos os arquivos c/ extensão .txt não importando o nome.
                     a*.* -> referencia todos os arquivos que começam com " a " e tem qualquer extensão.
                     ??LL*.* -> faz referencia ao arquivo dollar.txt pois é o único que possui dois " l " após os 2
                     primeiros caracteres.
                     k?.txt -> referencia todos os arquivos que começam c/ " k " e cuja extensão é .txt (kc.txt, ka.txt)


                     PROMPT (PRONTO) do sistema
                             O C > ( ou A >, se o boot tiver sido feito via disquete) é chamado prompt do sistema,
                        pois o sistema esta pronto para receber nossos comandos. Neste ponto, o DOS esta no
                        nível de comando. O pronto do sistema tem também a finalidade de identificar o drive
                        corrente, pois o DOS identifica as suas drives com uma letra. Geralmente as letras mais
                        usadas são A e B p/ drives de disquete e C para o disco rígido.



                     Mudança da unidade de disco
                     Para mudarmos o drive corrente basta digitarmos junto ao prompt do sistema a letra
                     relacionada ao drive para o qual desejamos mudar seguida do sinal de dois pontos (:).
                     Exemplo:
                     A> b:
                     B> c:
                     C>


                     Comandos
                     CLS: comando utilizado para se limpar o ecran..
                     Sintaxe: A:\>CLS ou C:\>CLS
                     TIME: -comando utilizado para verificar e configurar a hora do sistema.
                     Sintaxe: TIME hh:mm:ss
                     Ex. TIME
                     DATE: comando utilizado para verificar e configurara a data do sistema.
                     Sintaxe: DATE mm-dd-aa
                     Ex. C:\> DATE
                     VER: -utilizado para exibir a versão do MS-DOS
                     Sintaxe: VER
                     Ex. C:\>VER
                     TYPE: utilizado para se exibir o conteúdo de um arquivo tipo texto.
                     Sintaxe: TYPE [unidade][caminho] nome arquivo
                     Ex. C:\>TYPE arq1.txt                   C:\>TYPE a:\arq2.txt |MORE
                     Obs. MORE- Permite a paginação na ecran.

                     COMANDOS DE REDIRECIONAMENTO 

                     O MS-DOS utiliza como entrada padrão para seus comandos, o teclado e como saída padrão o
                     vídeo. Podemos alterar isto através do redirecionamento, para tanto utilizamos os sinais de
                     menor que (<), maior que (>) e o pipe (|) ou >>(permite acrescentar um parâmetro para o
                     comando).
                     Ex. c:\>TYPE a:arq1.txt >PRN
                     MORE: comando utilizado para exibir o conteúdo de um arquivo tipo texto. Difere-se do
                     comando TYPE porque exibe a listagem paginando. O comando MORE necessita de um
                     redirecionamento de entrada.
                     Sintaxe: nomedoarquivo | MORE            ou      MORE < nomedoarquivo
                     Ex.     TYPE arq1.doc |MORE (a saída do comando TYPE é a entrada do comando MORE)
                             MORE < a:arq2.txt       (< - redireciona o MORE para a ecran)
                             MORE < arq3.txt >PRN (>PRN- redireciona para impressora )
                     Obs. <crtl>+<c> ou <crtl>+break - cancela o comando.
                     DIR: usado para exibir os arquivos, directórios e subdirectórios. Se usado sem parâmetros e
Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     opções, este exibirá o nome de volume, o número de série do disco, os directórios, os arquivos
                     e suas respectivas extensões, seus tamanhos, a data e a hora de criação ou alteração, o total
                     de arquivos exibidos, seus tamanhos acumulados e o total de espaço livre em disco em bytes.
                     Sintaxe: DIR [unidade][caminho][/P][/W]/A:ATRIBUTOS]
                     -Opções do DIR:
                     -/P- exibe a listagem de arquivos e directórios ecran por ecran
                     -/W- exibe a listagem no formato horizontal com até 5 arquivos ou directórios por linha.
                     -/A- exibe os arquivos e directórios que atendem aos parâmetros especificados.
                                       -/A:H -arquivos ocultos
                                       -/A:-H -arquivos não ocultos
                                       -/A:R -arquivos somente de leitura
                                       -/A:-R -arquivos que não são somente de leitura
                                       -/A:D -somente directórios
                                       -/A:-D -somente arquivos
                                       -/A:S -arquivos de sistema
                     -/O- Opção que permite ao utilizador definir a ordem de classificação a ser utilizada pelo
                     comando DIR. Se o utilizador não utilizar esta opção o comando DIR exibirá a listagem dos
                     arquivos e directórios conforme aparecem no directório raíz.
                                       -/O:N -por ordem alfabética de nome(crescente)
                                       -/O:-N -por ordem alfabética de nome(decrescente)
                                       -/O:E -por ordem de extensão(crescente)
                                       -/O:-E -por ordem de extensão(decrescente)
                                       -/O:D -por ordem de data(crescente)
                                       -/O:-D -por ordem de data(decrescente)
                     -/S -exibe cada ocorrência do arquivo especificado no directório corrente e seus subdirectórios.
                     -/B -exibe todos os arquivos e subdirectórios, exceto os arquivos escondidos e do sistema, sem
                     informação adicional.
                     Ex. C:\>DIR /w
                        C:\>DIR a:/p
                        C:\>DIR b: /a:h
                        C:\>DIR /a:-r /o:n
                        C:\>DIR carta.doc /o:d /s
                        C:\>DIR /a:d
                     COPY -comando utilizado para copiar arquivos de um local para outro, utilizado para
                     concatenar vários arquivos gerando apenas um.
                     Sintaxe: COPY[origem][destino] /V
                     -Origem: refere-se ao local de onde o arquivo ou conjunto de arquivos serão copiados.
                     -Destino: refere-se ao local para onde o arquivo ou conjunto de arquivos serão copiados.
                     Opção:
                     Ex. C:\>COPY a:*.txt b:
                         C:\>COPY carta.doc carta.txt
                         C:\>COPY b:t*.txt
                         C:\>COPY b:t*.?xt c:\ws
                         C:\>COPY b:normas.txt PRN
                         C:\>COPY CON COMANDOS.BAT (cria o arquivo comandos.bat – utilize CTRL + Z para
                     finalizar texto)
                         C:\>COPY a:\ws\*.txt \word
                         C:\>COPY arq1.txt+arq2.txt b:
                         C:\>COPY *.txt b:
                     DEL(ERASE) -comando utilizado para se deletar, excluir um ou mais arquivos.
                     Sintaxe: DEL [unidade][caminho] caminho /P
                     Opção:
                     /P -faz com que o MS-DOS mostre uma mensagem de confirmação para cada arquivo a ser
                     deletado.
                     Ex. C:\>DEL arq1.txt
                         C:\>DEL *.$$$
                         C:\>DEL a:*.txt /P
                         C:\>ERASE b:carta.doc
                         C:\>DEL *.*
                     REN- comando utilizado para se renomear um ou mais arquivos.
                     Sintaxe: REN [unidade][caminho]arq1 arq2
Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Onde, [unidade][caminho]arq1 - correspondem à localização do arquivo ou arquivos a serem
                     renomeados.
                             arq2 - corresponde ao novo nome do arquivo ou conjunto de arquivos.
                     Obs. Qualquer erro com o comando RENAME faz com que o MS-DOS envie uma mensagem
                     de arquivo duplicado ou arquivo não encontrado. O MS-DOS não aceita dois arquivos com o
                     mesmo nome no mesmo directório.
                     Ex. C:\>REN arq1.txt arq2.txt
                         C:\>REN a:*.doc *.txt
                         C:\>REN carta.doc carta1.doc
                     MD - comando utilizado para se criar um directório.
                     Sintaxe: MD [unidade][caminho] nome directório
                     Ex.     C:\>MD editor
                             C:\>MD \ws\texto
                             C:\>MD\aula\rede
                     CD - comando utilizado para se alterar o directório corrente.
                     Sintaxe: CD [caminho]
                     Onde, [caminho] - refere-se à localização para onde o utilizador deseja ir.
                     Ex. C:\>CD firmas
                         C:\>FIRMAS>CD contas
                         C:\FIRMAS\CONTAS>CD..
                         C:\USER\ALUNOS>CD..\PROFES\BECSOM
                     RD - comando utilizado para se remover, excluir, deletar um directório.
                     Sintaxe: RD[unidade][caminho]nome directório
                     Obs. O MS-DOS não permite que um utilizador delete um directório que não esteja vazio, ou
                     seja, que contenha arquivos ou subdirectórios a não ser que seja utilizado o comando
                     DELTREE. O MS-DOS não permite que deletemos o directório corrente.
                     Ex. C:\>RD firmas\contas
                          C:\>RD firmas
                     PROMPT - comando utilizado para se alterar o prompt, o pronto do sistema.
                     Sintaxe: PROMPT [texto]
                     onde, [texto] refere-se a qualquer "texto" digitado pelo utilizador Obs. O comando prompt
                     quando utilizado sem parâmetros faz com que o MS-DOS retorne o prompt à sua configuração
                     padrão (default) que é a unidade corrente seguida do sinal maior que (C>).
                                      CARACTER                         RESULTADO
                                        $G                             >
                                        $B                             |
                                        $T                             hora do sistema
                                        $D                             data do sistema
                                        $V                             versão do sistema
                                        $N                             unidade corrente
                                       $P                              directório corrente
                     Ex. C>PROMPT tpd
                           TPD PROMPT aula de sexta
                           AULA DE SEXTA PROMPT $p$g
                           C:\USER\PROFES>PROMPT a data é $d
                           A DATA É: 22/06/93
                     VOL: comando utilizado para se exibir o nome de volume de um disco.

                     Sintaxe: VOL [unidade:]
                     Ex. C:\>VOL a:
                            C:\>VOL b:
                            C:\>VOL
                     LABEL: comando utilizado para se incluir, alterar ou excluir o nome de volume de um disco.
                     Sintaxe: LABEL [unidade:] nome
                     Obs. -Se utilizarmos o comando LABEL sem parâmetros o MSDOS exibe uma mensagem
                     solicitando pela inclusão do nome de volume do disco caso este não tenha. Em caso contrário,
                     sua alteração ou sua exclusão.<ENTER>

                              TREE: comando que permite que ao utilizador exiba graficamente a estrutura


Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                              hierárquica de directórios.


                              Sintaxe: TREE [unidade:][caminho] /F /A


                     Opções:
                     -/F -exibe também os arquivos contidos em cada subdirectório do directório especificado.
                     -/A -exibe a estrutura utilizando caracteres tipo texto.
                     Ex. C:\>TREE a:
                            C:\>TREE \ws /F
                            C:\>TREE \ws /F |MORE
                            C:\>TREE \ws /F >PRN
                     PATH: comando que define um caminho de pesquisa para comandos e arquivos executáveis.
                     Sintaxe: PATH [unidade:caminho][;...]
                     Obs. -O comando PATH quando usado sem parâmetros, exibe o path corrente.
                            -O MSDOS sempre procura por arquivos executáveis ou comandos, primeiro no directório
                     corrente.
                     Ex. C:\>PATH a:;b:;c:\ws;c:\tp;c:\planilha\lotus;
                            C:\>PATH;
                     SYS: comando que copia os arquivos escondidos (IO.SYS e MSDOS.SYS) e o
                     COMMAND.COM para um disco, fazendo com que este se torne um disco de "boot", pois estes
                     são os arquivos necessários para se dar "partida" no MS-DOS.
                     Sintaxe: SYS unidade:
                     Ex. C:\>SYS a:
                             C:\>SYS b:
                     CHKDSK: comando que gera um relatório do estado do disco, com informações como, total de
                     espaço em disco, espaço ocupado em disco, espaço livre em disco (todos em bytes), total de
                     arquivos do disco, total de arquivos ocultos do disco, total de memória, total de memória
                     disponível. Este comando, também, exibe possíveis erros lógicos e físicos do disco, como por
                     exemplo, unidades de alocação (erro lógico) perdidas ou setores defeituosos (erro físico do
                     disco).
                     Sintaxe: CHKDSK [unidade:] /F /V
                     Opções
                     /F -corrige possíveis erros lógicos do disco, como unidades de alocação perdidas.
                     /V -exibe o nome de cada arquivo que está sendo verificado.
                     Ex. C:\>CHKDSK a: /F /V
                             C:\>CHKDSK
                     Obs.: O utilizador que possui uma versão do MSDOS igual ou superior à 6.2 deve utilizar o
                     utilitário SCANDISK. Ele detecta, diagnostica e repara erros de disco. O SCANDISK pode
                     reparar também seu sistema de arquivo (FAT - Tabela de Alocação de Arquivos).
                     FORMAT: comando utilizado para se formatar um disco. O FORMAT cria uma nova FAT e um
                     novo directório raíz, cria trilhas novas e detecta áreas defeituosas e as marca para não serem
                     utilizadas posteriormente. Sintaxe: FORMAT [unidade:] /V:nome /S. Opções:
                     /V:nome           -coloca um nome de volume no disco a ser formatado.
                     /S               -copia os arquivos escondidos (IO.SYS e MSDOS.SYS e o COMMAND.COM)
                     para o disco formatado, fazendo com que este se torne um disco de 'boot'.
                     /Q               -é o que chamamos de formatação rápida. Esta opção cria uma nova FAT, um
                     novo directório raíz, mas não detecta nem marca áreas defeituosas.
                     Ex. C:\>FORMAT a: /S
                     DISKCOPY: comando utilizado para se fazer uma cópia idêntica do conteúdo de um disco para
                     outro.
                     Sintaxe: DISKCOPY [origem][destino] /V
                     Opção
                     /V -faz com que o MSDOS verifique se a cópia foi feita corretamente.
                     Obs.:
                     -O disco de destino não precisa estar necessariamente formatado, pois o MSDOS o formata
                     enquanto copia.
                     -Pode-se usar o mesmo drive para se efetuar a cópia.
                     -Este comando só pode ser utilizado com disquetes.
                     -Os disquetes tem que ter o mesmo formato, tipo.
                     Ex. C:\>DISKCOPY a: b: /V
Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                            C:\>DISKCOPY a: a:
                     DEFRAG : É o desfragmentador de arquivos do DOS. O MSDOS pode ou não gravar um
                     arquivo em cluster seqüenciais. À medida que os arquivos vão sendo gravados ou apagados, o
                     disco começa a ficar fragmentado, ou seja, esse fato acaba fazendo com que o acesso para
                     leitura ou gravação de um arquivo acabe ficando mais lento. O DEFRAG copia os arquivos
                     para setores consecutivos.
                     Sintaxe: c:\> defrag
                     MOVE : movimenta um ou mais arquivos para outra localização no mesmo disco
                     Sintaxe: c:\> move [origem] [destino]
                     Ex.      c:\> move c:\ws\arq1.txt c:\winword\doc
                     ATTRIB: comando utilizado para definir ou exibir atributos de um arquivo.
                     Sintaxe: ATTRIB +R -R +A -A +H -H +S -S arquivo /S
                     Onde,
                     +R -R -ativa/desativa o atributo de somente de leitura
                     +A -A -ativa/desativa o atributo de arquivo
                     +H -H -ativa/desativa o atributo de arquivo oculto

                     +S -S -ativa/desativa atributo de sistema dos arquivos
                     /S -ativa/desativa opção especificada em subdirectório
                     Ex. C:\>ATTRIB +R *.txt
                     C:\>ATTRIB -A a:*.bak
                     DOSKEY: comando utilizado para manter uma lista dos comandos digitados e permite a
                     criação de macros.
                     C:\>DOSKEY
                     a) a seta para cima exibe o comando anterior da lista
                     b) a seta para baixo exibe o próximo comando da lista
                     c) PgUp -exibe o 1º comando da lista
                     d) PgDn -exibe o último comando da lista
                     e) F7 -exibe a lista
                     f) F9 -exibe a mensagem: "número da linha"
                     C:\>DOSKEY /history >comandos.doc
                        (joga lista de comandos no arquivo comandos.doc)
                     FDISK: comando utilizado para particionar o disco rígido. Este comando pode ser utilizado a
                     partir do PROMPT ou quando da instalação do MSDOS (setup). Cada sistema operativo possui
                     características (padrões) próprias, portanto, para se utilizar 2 ou mais S.O., num mesmo
                     computador, deve-se "particionar" o disco. As Partições:
                     a) Partição NÃO DOS: é aquela partição do winchester que armazenará um sistema operativo
                     não DOS e seus arquivos e directórios.
                     b) Partição Primária do DOS: é aquela partição que contém os arquivos que dão partida ao
                     DOS (IO.SYS, MSDOS.SYS e COMMAND.COM). Deve ser a partição ativa. Geralmente é o
                     drive C.
                     c)Partição Extendida do DOS: é aquela que pode conter uma ou mais unidades lógicas
                     (D,E,F,G,...). Cada unidade lógica pode conter arquivos e directórios.
                         EDIT
                              Interface gráfica que através do uso de cores, menus e gráficos, oferece uma maneira
                     visual para se trabalhar com o MS-DOS. As informações são definidas em diferentes áreas de
                     sua ecran sendo fácil encontrá-las. EDIT é o editor de textos do MSDOS.


                     Programas em lote
                     Conjunto de comandos armazenados em um arquivo tipo texto (não formatado). Estes
                     programas podem ser executados digitando-se o seu nome. Os programas em lote devem ter a
                     extensão .BAT. Para cancelar um programa em lote digite CTRL + BREAK
                     Vantagens da utilização de programas em lote:
                     a) personalizam o MSDOS
                     b) agilizam a execução dos trabalhos - para elaborá-los utiliza-se um editor de textos (EDIT,
                     WS, WORD, etc...) ou o comando COPY CON.
                     -O arquivo AUTOEXEC.BAT é um programa em lote que é executado sempre que inicializamos
                     a máquina.
                     Ex. C:\>COPY CON exemplo.bat
                      Time
Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                      date
                     chkdsk a:
                     copy arq1.txt a:
                      ^Z


                     ECHO -comando utilizado para ativar/desativar a exibição dos comandos. Também utilizado
                     para exibir mensagens.
                     Sintaxe: ECHO [ON/OFF]
                             ECHO [mensagem]
                     Ex. C:\>COPY CON teste.bat

                     @ECHO OFF
                     CLS
                     ECHO.
                     ECHO.
                     ECHO *** programa exemplo ***
                     ECHO *** de comandos ***
                     ECHO *** do MSDOS ***
                     ECHO.
                     ECHO o directório TESTE contém os seguintes arquivos
                     DIR c:\>TESTE
                     ECHO *** fim de processamento ***
                     ^Z
                     PAUSE -comando utilizado para fazer uma parada no processamento de um programa em lote.
                     Este comando emite a mensagem "pressione uma tecla para continuar". Ex.
                      C:\>COPY CON testepause.bat
                      @ECHO OFF
                     CLS
                     ECHO.
                     ECHO.

                     ECHO *** programa de cópia ***
                     ECHO.
                     ECHO insira um disco no drive A
                     ECHO.
                     PAUSE
                     COPY *.doc a:
                     ECHO.
                     ECHO *** fim de processamento ***
                     ^Z
                     REM -comando utilizado para se incluir comentários em um programa em lote. Ex.
                     C:\>COPY CON quarto.bat
                     @ECHO OFF
                     REM programa : testelote.bat
                     REM autor        : ETE Pedro Ferreira Alves
                     REM descrição : programa exemplo
                     REM data         : 01/04/05
                     Time
                     date
                     dir /p
                     ^Z
                     CALL -comando utilizado para executar um programa em lote a partir de outro programa em
                     lote.
                     Ex.
                     C:\>COPY CON call1.bat
                     @ECHO OFF
                     CLS
                     ECHO.
                     ECHO este é o conteúdo do disquete
                     DIR a:/P
Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     PAUSE
                     CALL call2
                     DIR
                     ^Z
                     C:\>COPY CON call2.bat

                     @ECHO OFF
                     CLS
                     Dir /W
                     ^Z
                     PARAMETROS EM ARQUIVOS DE LOTE:
                     C:\>COPY CON parametro.bat
                     @ECHO OFF
                     REM descrição : programa que move um ou mais arquivos de um directório para outro
                     CLS
                     DIR %1 /P
                     COPY %1 %2
                     DIR %2
                     ^Z
                     C:\>parametro *.txt C:\ws
                     COMANDOS IF E GOTO
                     @echo off
                     cls
                     echo.
                     echo.

                     :inicio
                     echo ***mensagem!!***
                     echo.
                     Pause
                     if %1 == T goto teste
                     if not exist sandro.txt goto erro
                     :erro
                     echo ***erro***
                     goto fim
                     :teste
                     echo *teste*
                     :fim
                     echo **fim**




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Instalação do XP passo-a-passo
                     Checklist
                     Antes de instalar Windows XP, complete as seguintes tarefas:
                        Verificar que todo o hardware está listado na HCL (Hardware Compatibility List).
                        Verificar que os componentes cumpram o mínimo hardware requerido.


                         Seleccionar o sistema de ficheiros para a partição, em qual instalará o Windows
                         XP, a menos que necessite de uma configuração dual boot de formato usando
                         NTFS.
                         Determinar o nome do domínio ao qual quer adicionar o workgroup que criará. Se
                         vai usar um domínio, o nome estará em formato DNS: server.domain (onde
                         server é o nome do seu computador e domínio é o nome do domínio à qual
                         pertence o seu computador). Se agrega a um workgroup, o nome estará em
                         formato (NetBIOS).
                         Criar uma conta de computador no domínio, usando o nome do computador que
                         está a instalar. Então um administrador de domínio pode criar uma conta de
                         computador antes da instalação, pode criar também uma conta de computador
                         durante a instalação se tiver privilégios administrativos suficientes no domínio.
                         Por defeito, os utilizadores podem criar até 10 contas de computador no domínio.
                         Determinar a password para a conta do Administrador local.



                     Colocar o cd de instalação na drive de cd/dvd, certificar-se que o PC está configurado para
                     arrancar do CD, para isso aceder ao BIOS.
                     Para aceder ao BIOS, durante o arranque do pc premir uma das seguintes teclas: -ESC -DEL -
                     F2 -F1
                     Esta tecla de acesso à BIOS difere de
                     Motherboard para Motherboard, se
                     não for nenhuma dessas consultem o
                     manual do computador ou da board.
                     Seguidamente procurar por BOOT, ou
                     BOOT ORDER, ou BOOT DEVICE
                     PRIORITY e coloca-la da seguinte
                     forma:




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                                                  Clicar em F10 e depois em enter (nesta BIOS):


                       O cd começa então a carregar ficheiros para a memória, aguarde uns segundos, pode demorar
                                                   minutos dependendo do desempenho do pc.




                                                 Clicar em ENTER para começar a configuração:




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                                         Clicar em F8 para aceitar o EULA(end-user licence agreement):




                     Neste caso encontramos um disco de 40gb ainda sem nenhuma partição, vamos criar 2 partições,
                     uma para o sistema(Windows xp e programas) e outra para os nosso documentos, backups, jogos,
                          etc, assim mais facilmente pode reparar o Windows ou reinstala-lo sem que perca os seus
                                                                  conteúdos.
                      Em caso de criar somente uma partição e na eventualidade de acontecer algo de anómalo no seu
                         Sistema Operativo, poderá ter mais dificuldades em retirar os seus conteúdos importantes.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                      Clicar a tecla C para criar uma partição, escolher o tamanho em MegaBytes(20 000mb = 20gb +/-)




                        Clicar em ENTER e já temos uma partição, vamos criar a outra que será o espaço restante em
                      disco, mover o selector(aparece mais clarinho na imagem) para espaço não particionado, clicar a
                                                                 tecla C :




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                                                                Clicar ENTER




                                E já está, temos agora duas partições, mover o selector para C: e clicar ENTER
                       (se repararem, em todos os ecrãs em baixo têm uma lista de opções com o que é possivel fazer
                                                               nesse menu....)




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                      Escolher o tipo de ficheiros NTFS, temos o tipo rápido ou lento, o rápido passa tipo uma escova
                       pelo disco rapidamente e começa logo a instalar o SO, o método lento procura erros no disco e
                                                             tenta repará-los.
                              Regra geral usa-se o rápido, a menos que se desconfie que o disco não está bom.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                          Agora o pc vai reiniciar sozinho, ao arrancar não clique em nada, ele sozinho continuará o
                                                                 processo!




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                         A partir deste ponto, teremos de fazer uma análise, e verificar em que situação quereremos
                                                        instalar as configurações do S.O..




                      Todas estas configurações poderão ser encontradas no Painel de Controlo, após a instalação do
                                                  Sistema Operativo. Carregar em “Seguinte” ....




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                                                        Colocar o nome e o nome da empresa.




                            Neste espaço incluirá a licença do Windows que acompanha o CD, Inserir a sua chave,
                                                                   seguinte......




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                      Atribuir um nome ao computador, o espaço que diz respeito ao administrador, nunca, mas nunca
                      deixar a password em branco, isto permitirá que possam aceder mais tarde ao seu computador.




                              Configurar a data e a hora respectiva à sua localização (Greenwich Meridian Time)




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                                Verificar em que situação irá ser integrado o computador, definições de TCP/IP,




                       Verificar se será integrado num Grupo de Trabalho, ou em um domínio gerido por um servidor.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                      A partir deste ponto as configurações estarão terminadas, todos os passos executados até este
                                             momento, poderão ser alterados no final da Instalação.




                     O computador irá reiniciar no final da instalação, e irá aparecer isto no ecrã "Prima qualquer tecla
                      para arrancar do cd", NÃO pressionem nenhuma tecla, podem tirar o cd da drive que a instalação
                     já terminou, ao fim de alguns segundos isso desaparece e o PC irá arrancar do disco rígido por si
                                                                    mesmo.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                         Leia atentamente, as opções seguintes proporcionam uma melhor manutenção do sistema
                                                             operativo.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                       Seleccione o tipo de ligação à Internet que é fornecido pelo seu ISP, tenha alguns cuidados se
                                            instala um Modem directo ao pc ou um Router de ligação.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                               Nesta opção poderá inserir os utilizadores que vão utilizar este pc (acesso local).




                                                              Clicar em Concluir...




                       Mostramos assim a instalação do Sistema Operativo Windows XP Home/Professional


Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                      
                     Determinar a permanência no Workgroup ou Domínio 




                     Durante a instalação, deve escolher um domínio ou um workgroup como grupo de
                     segurança para a pertença do computador.

                     Domínio 
                     Durante a instalação pode adicionar o computador a um domínio existente, operação que
                     requer o seguinte:

                         Um nome de Domínio. Por exemplo de um nome de domínio DNS válido é microsoft.com.
                         Uma conta de computador. Antes de unir um computador a um domínio, têm que existir
                         uma conta para esse computador no Domínio. Pode-se criar a conta antes da instalação
                         o, se têm privilégios administrativos no domínio suficientes, pode criar esta conta durante
                         a instalação. Se a conta do computador for criada durante a instalação, o programa de
                         instalação pedir-lhe-á que insira utilizador e password com autorização para adicionar
                         contas de computadores ao domínio.
                         Um domain controller disponível e um server a correr o serviço DNS Server. Pelo menos
                         um domain controller e um DNS server devem estar online no momento de adicionar um
                         computador ao domínio

                     Workgroup 
                     Pode adicionar o computador a um workgroup, unicamente se está numa rede pequena num
                     domínio ou se está a preparar para adicionar a um domínio mais á frente, o nome do
                     workgroup que agregue pode ser o nome de um workgroup existente ou de um workgroup novo
                     que crie durante a instalação




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Ferramentas de Gestão Windows XP
                     Windows XP inclui varias ferramentas que permitem fazer a gestão do sistema operativo em
                     vários aspectos:

                                 •   A ferramenta Painel de Controle permite configurar vários aspectos tais como a
                                     placa de vídeo, o teclado, as definições regionais, instalação de Hardware
                                 •   A ferramenta Gestão do Computador permite configurar as tarefas mais comuns
                                     de sistemas , armazenamento de discos, serviços de computador.
                                 •   A ferramenta Microsoft Management Console (MMC) permite fazer a maior parte
                                     das tarefas administrativas.
                                 •   A ferramenta Registry Editor permite editar o registro do Windows.

                     Control Panel
                     Esta é ferramenta que permite configurar a maior parte das definições do Windows. Para
                     aceder ao Painel Controle selecione INICIAR > PAINEL DE CONTROLE.




                        Opção                           Descrição
                        Opções de Acessibilidade        Permite configurar o Windows para utilizadores com
                                                        deficiências a nível visual, auditivo e motor.


Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                        Adicionar/Remover Hardware Permite instalar ,remover, hardware (Usado principalmente
                                                    para Hardware não PLUG&PLAY)
                        Adicionar/Remover           Permite instalar ou remover programas do computador,
                        Programas                   permite adicionar ou remover componentes do Windows.
                        Ferramentas Administrativas Permite aceder a pasta onde se encontram as ferramentas
                                                    de administração.
                        Data/Hora                   Permite configurar a data, hora e o fuso horário.
                        Visualização                Permite configurar as definições visual do windows, cor de
                                                    fundo, resolução.
                        Opções de Pastas            Permite configurar as definições das pastas.
                        Fontes                      Permite fazer a gestão dos tipos de letra
                        Controladores de Jogos      Permite adicionar, remover ou configurar perifericos de jogos
                                                    (JOYSTICKS).
                        Opções de Internet          Permite configurar as opções de internet.
                        Teclado                     Permite configurar as opções de Keyboard, linguagem
                                                    utilizada pelo teclado.
                        Ratio                       Configuração das opções do rato
                        Ligações de rede            Contem as definições sobre a rede e ligações remotas.
                        Opções de telefone e Modem Permite configurar as definições deligação do modem.
                        Opções de Energia           Permite configurar os esquemas de gestão de energia.
                        Impressoras                 Permite adicionar, remover e configurar impressoras
                        Opções Regionais            Permite configurar as definições regionais como por exemplo
                                                    moeda, time, date.
                        Scaners e Cameras           Permite configurar as cameras e os scaners
                        Tarefas Agendadas           Permite configurar tarefas para serem executadas
                                                    automaticamente
                        Som e Multimendia           Permite configurar os sons emitidos por alguns enventos do
                                                    Windows
                        Sistema                     Permite configurar as propreidades de sistema incluindo
                                                    Network Identification, perfis de hardware, prefis de
                                                    utilizador, definições avançadas..
                        Utilizadores e Passwords    Permite fazer a gestão dos utilizadores locais.

                     Gestão de Computadores
                     Esta ferramenta permite fazer a gestão centralizada de três principais áreas de administração
                     que são:

                                 •   Ferramentas de Sistema – Ferramentas de sistema tais como visualizador de
                                     eventos, informações de sistema.
                                 •   Armazenamento – Permite aceder as ferramentas de gestão de disco tais como
                                     desfragmentador de disco e gestão de disco.

                                 •   Serviços e Aplicações – Permite aceder as ferramentas de gestão dos serviços.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Ferramentas de Sistema
                              Visualizador de eventos
                              Pastas Partilhadas
                              Utilizadores e Grupos Locais
                              Alertas e Registos de desempenho
                              Gestor de dispositivos


                     Visualizador de Eventos 
                            Permite visualizar os registos de sistema, hardware, e de aplicações.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                                          Registos de          Permite visualizar eventos das aplicações.
                                          Aplicação


                                          Registos de          Permite visualizar o sucesso ou insucesso
                                          Segurança            de eventos de segurança.
                                          Registos de System   Permite visualizar os erros relacionados
                                                               com o sistema operativo.



                      
                                                         




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                      Alertas e Registos de Desempenho  
                     Permite analisar o sistema em termos de perfomance a nível do processador, memoria ram, da
                     veleidade do disco.

                     Pastas partilhadas                  
                                                                                                  Através desta
                                                                                                  ferramenta é
                                                                                                  permitido
                                                                                                  visualizar os
                                                                                                  recursos
                                                                                                  partilhador do
                                                                                                  computador,
                                                                                                  analisar quais
                                                                                                  são esses
                                                                                                  recursos,
                                                                                                  verificar que
                                                                                                  utilizadores
                                                                                                  estão ligados
                                                                                                  a esses
                                                                                                  recursos e
                                                                                                  ver os
                                                                                                  ficheiros que
                                                                                                  nesse
                                                                                                  momento se
                                                                                                  encontram
                                                                                                  em uso
                                                                                                  através da
                                                                                                  rede.

                     Gestor de Dispositivos 
                                                                                                  Permite
                                                                                                  visualizar o
                                                                                                  hardware do
                                                                                                  computador,
                                                                                                  por cada
                                                                                                  dispositivo
                                                                                                  esta
                                                                                                  ferramenta
                                                                                                  permite
                                                                                                  verificar se o
                                                                                                  Hardware se
                                                                                                  encontra bem
                                                                                                  instalado,
                                                                                                  definições
                                                                                                  para cada
                                                                                                  dispositivo e
                                                                                                  os recursos
                                                                                                  utilizados
                                                                                                  pelo
                                                                                                  dispositivo.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     Utilizadores e Grupos Locais 
                                                                                                              Esta
                                                                                                              ferramenta
                                                                                                              permite
                                                                                                              fazer a
                                                                                                              gestão das
                                                                                                              contas dos
                                                                                                              utilizadore
                                                                                                              s na
                                                                                                              própria
                                                                                                              maquina,
                                                                                                              estes
                                                                                                              utilizadore
                                                                                                              s como o
                                                                                                              próprio
                                                                                                              nome
                                                                                                              indica são
                                                                                                              locais.




                        Gestão de discos
                                                                                                           Esta
                                                                                                           ferramenta
                                                                                                           permite fazer
                                                                                                           a gestão dos
                                                                                                           discos, esses
                                                                                                           discos podem
                                                                                                           ser básicos ou
                                                                                                           dinamicos.Co
                                                                                                           m esta
                                                                                                           ferramenta
                                                                                                           fazemos
                                                                                                           também a
                                                                                                           gestão das
                                                                                                           partições ou
                                                                                                           dos volumes.




                     O gestor de discos é uma aplicação de um volume lógico gerente para o Microsoft Windows NT,
                     desenvolvido          pela         Microsoft       e          pela         Veritas       Software.
                     Foi introduzida com o sistema operativo Windows 2000, e é compatível com o Windows XP, o Windows
                     Server 2003 e Windows Vista.

                     Armazenamento básico (Basic Storage) envolve dividir um disco em partições primárias e partições
                     expandidas. Esta é a maneira que todas as versões do Windows que foram dependentes dos DOS
                     manipulados armazenamento tomou, e discos formatados desta forma são conhecidos como discos
                     básicos. Armazenamento dinâmico envolve a utilização de uma única partição que cobre o disco inteiro,
                     e o disco em si é dividido em volumes ou combinado                  com outros discos para formar
Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     esses mesmos volumes que são maiores em tamanho do que um disco propriamente dito. Os volumes
                     podem suportar qualquer tipo de sistema de ficheiros.

                      Discos básicos podem ser transformados em discos dinâmicos, no entanto, quando isso for feito o disco
                     não pode facilmente ser reduzido para um disco básico novamente. Para realizar um “downgrade”, os
                     dados no disco dinâmico devem primeiro ser movidos para algum outro dispositivo de armazenamento.
                     Em segundo lugar, o disco dinâmico deve ser reformatado como um disco básico (apagando todos os
                     dados). Finalmente, os dados de backup devem ser copiados de volta agora para o disco básico recém
                     formatado.

                      Os discos dinâmicos fornecem a potencialidade para as implementações de software de RAID. A
                     principal desvantagem dos discos dinâmicos no Microsoft Windows é que eles só podem ser reconhecidas
                     de acordo com certos sistemas operativos, tais como o Windows 2000 ou posterior (excluindo versões
                     home como o Windows XP Home Edition e Windows Vista Home Basic e Premium ou o kernel do Linux
                     iniciando com a versão 2.4.8.

                      Discos dinâmicos no Windows são prestados com a utilização de bases de dados armazenados no(s)
                     disco(s). Os volumes são referidos como volumes dinâmicos. É possível ter 2000 volumes dinâmicos
                     por disco dinâmico, mas o valor máximo recomendado pela Microsoft é de 32.

                     Fonte: WIKIPEDIA - http://pt.wikipedia.org/wiki/disk_manager


                     Antivirus, o que são?
                     Os antivírus são softwares projectados para detectar e eliminar vírus de computador.

                     Existe uma grande variedade de produtos com esse intuito no mercado, a diferença entre eles está nos
                     métodos de detecção, no preço e nas funcionalidades (o que fazem).

                     Quando Peter Norton, empresário de TI, apagou acidentalmente um arquivo, desenvolveu o Norton
                     Utilities para restaurá-los. Ele criou a Symantec, em 1982, dando início a criação e comercialização de
                     softwares de seguranças no mercado, e livros sobre o assunto. Ele foi um dos primeiros desenvolvedores
                     de sistemas de segurança.

                     A primeira contaminação por um vírus de computador, ocorreu em 1988, utilizando uma BBS como
                     meio. Sendo assim, John McAfee, programador da Lockheed Air Corporation, empresa de aviação
                     americana, desenvolveu o VirusScan, primeira vacina conhecida.

                     Um dos principais motivos que levam à criação de novos vírus é justamente fazer com eles se espalhem e
                     fiquem nos atormentando por dias, semanas ou até meses. Seus criadores procuram incessantemente
                     falhas em sistemas operativos, servidores de internet ou aplicativos conhecidos e que estejam instalados
                     na maioria dos computadores do mundo. Uma vez descoberta a brecha, o vírus é lançado. Se espalha com
                     rapidez assustadora e em poucas horas provoca caos na internet e prejuízos astronómicos.

                     Não necessariamente esses produtos são pagos, e também não existe relação entre custo e eficiência,
                     exemplo disso é o Active virus shield , muito usado actualmente e que possui versão gratuita.

                     Importante ressaltar que a maioria dos fabricantes (mesmo aqueles onde os softwares são pagos) distribui
                     vacinas e actualizações gratuitas, assim como "pequenos antivírus" para eliminar vírus específicos, como
                     quando surge um vírus novo com alto grau de propagação e perigosos (geralmente vírus enviados por e-
                     mail e que se reenviam automaticamente).

                     O segredo do antivírus é mantê-lo actualizado, e essa é uma tarefa que a maioria deles já faz
                     automaticamente, bastando estar conectado à internet para ser baixado do site do fabricante a actualização
                     e estar configurado para isso.

                     Os vírus informáticos apareceram e propagaram-se em larga escala devido à má gestão e programação de

Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     certos produtos que foram lançados para o mercado antes de serem devidamente testados.

                     Fonte: WIKIPEDIA - http://pt.wikipedia.org/wiki/Antivirus



                     File Transfer (Transferência de Ficheiros)
                     Transferência de ficheiros é um termo genérico para o ato de transmissão de ficheiros através de uma
                     rede informática ou da Internet. Existem numerosas formas e os protocolos de transferência de ficheiros
                     através de uma rede. Os computadores que prevêem a transferência de arquivo de serviço são
                     frequentemente chamados servidores de arquivo. Dependendo do cliente é a perspectiva de transferência
                     dos dados é chamado de upload ou download.

                     Existem 2 tipos de transferências de arquivos:

                         •     Pull-based transferências de arquivos quando o receptor inicia um arquivo transmissão pedido
                         •     Push-based transferências de arquivos quando o remetente inicia um arquivo transmissão pedido

                     A transferência de ficheiros pode ser realizada através de diferentes níveis:

                         •     Transparente transferências de arquivos através da rede os sistemas de arquivo
                         •     Explícito, transferências de arquivos a partir de serviços de transferência de ficheiros como
                              dedicado FTP ou HTTP
                         •     Transferências de arquivos distribuídos ao longo do peer-to-peer como o Bittorent ou Gnutella
                         •     Transferências de arquivos através de mensagens instantâneas ou LAN messenger
                         •     Transferências de arquivos entre computadores e dispositivos periféricos
                         •     Transferências de arquivos mais directa modem ou serial (modem nulo) ligações.

                      
                     FTP Sites 
                     Para partilhar ficheiros através da intranet ou internet, com toda segurança, o IIS proporciona-nos o
                     serviço FTP. Este serviço permite-nos utilizar a pasta de raiz, o FTPROOT localizado em
                     c:\inetpub\ftproot.
                     À imagem da criação de directorias virtuais via Web, o IIS permite-nos também criar directorias virtuais
                                                                                                        para partilha de ficheiros,
                                                                                                           através da porta 21.
                                                                                                            Poderemos também
                                                                                                            criar sites FTP, tendo
                                                                                                            embora que ter algum
                                                                                                            cuidado para não
                                                                                                            utilizar a mesma
                                                                                                            porta em diferentes
                                                                                                            sites FTP.




                                                                                                        O FTP – File Tranfer
                                                                                                        Protocol serve
                                                                                                        essencialmente para
                                                                                                        trabalhos
                                                                                                        corporativos. Por
                                                                                                        exemplo quando duas
                                                                                                      ou mais pessoas
                     trabalham sobre o mesmo projecto de página Web e repõe constantemente os ficheiros que vão alterando
                     no servidor, permite que todos os colaboradores que estão a desenvolver obtenham automaticamente do
                     servidor as últimas actualizações colocadas no servidor por quem está a desenvolver. Assim toda a equipa
Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     coloca no servidor as actualizações feitas e todos terão acesso a essas mesmas alterações.
                     Gestores de Bancos de Imagens (Picture Manager)
                     Um gestor de banco de imagens é um programa de computador que inclui a edição digital de fotografias e
                     cuja função principal é organizar a colecção de fotos digitais presentes no computador, de forma a
                     facilitar a procura por fotografias específicas por parte do utilizador do software.

                     Foi criado pela empresa Picasa, Inc. um software chamado Picasa, adquirida em Julho de 2004 pela
                     Google. A partir de então, a empresa norte-americana passou a oferecer o programa gratuitamente na sua
                     página na Internet.




                     Configurar o Gmail no Outlook Express
                     1- Antes de iniciar o Outlook Express, deverá activar o Encaminhamento e
                     Pop nas Definições do Gmail. Para isso, você deve fazer seu login no site do
                     gmail (www.gmail.com). Com o login feito, deverá clicar no canto superior
                     direito onde diz Configurações e após isso selecione a aba
                     Definições>Encaminhamento e Pop.

                                                                                  Active o POP
                                                                                  como desejar,
                                                                                  para todos os
                                                                                  emails ou para os
                                                                                  emails que
                                                                                  chegarem a partir
                                                                                  de agora. No
                                                                                  campo de
                                                                                  número 2.
                                                                                  Seleccione se
                                                                                  quer que fique
                                                                                  uma cópia dos
                                                                                  emails no
                                                                                  gmail.com
                                                                                 (Servidor) ou se
                     quer que seja excluído. Feito isso NÃO se esqueça de clicar no botão Salvar
                     Alterações.

                     2- Após realizado o passo o 1º passo , abra seu Outlook Express para que
                     possamos iniciar a configuração do email.



Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     3- Com o Outlook Express aberto, seleccione Ferramentas >> Contas .




                     4- Irá abrir uma janela igual a mostrada abaixo. No menu da direita seleccione
                     o botão Adicionar >> Email .




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     5- Irá abrir uma janela a pedir o seu nome para exibição. Esse nome é o que os
                     seus contactos irão receber. Ou seja se colocar “Paulo Silva”, toda vez que
                     alguém receber um email seu estará como remetente o nome Paulo Silva.




                     6- Após escrito o nome para exibição, carregue avançar > para passarmos
                     para o próximo passo. Nesse próximo passo escreva seu e-mail completo, ex:
                     paulosilva@gmail.com . Após isso clique no botão Avançar > para passarmos
                     para o próximo passo.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     7- Essa é uma das partes mais importante na configuração não só do Gmail
                     mais de qualquer email que utiliza o protocolo POP e SMTP. Siga as
                     configurações que estão na imagem abaixo e após isso pressione Avançar > .




                     8- Neste passo, você deve escrever novamente seu email completo, e abaixo
                     digitar sua senha. Obs: (a mesma senha com a qual acessa o www.gmail.com

Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     ).




                     9- Após realizada a etapa acima, pressione Avançar > . Na próxima ecran ele
                     te apresenta uma mensagem dizendo que já inseriu com êxito todas as
                     informações necessárias para configurar sua conta. (imagem abaixo).
                     Pressione concluir .




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     OBS: Com as configurações que realizamos até agora não são suficientes para
                      que seu Outlook Express receba ou envie mensagens. Então comecemos as
                                             configurações avançadas.

                     10- Repita o passo 3 Ferramentas > Contas . Se abrirá a janela Contas na
                     Internet, seleccione a que se encontra com o nome pop.gmail.com e clique em
                     Propriedades que se encontra no menu direito.




                     11- Abrirá uma janela como se vê na imagem abaixo. No lugar onde está
                     escrito pop.gmail.com escreva o nome do servidor, ou seja para melhor
                     identificar caso tenha mais de 1 conta de email. Escreva GMAIL ou o nome
                     que achar melhor.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                     12- Agora selecione a aba Servidores e siga as configurações que estão na
                     imagem abaixo.

                     IMPORTANTE : Não se esqueça de marcar a opção Meu servidor requer
                     autenticação que está indicado pela seta.




                                                                    13- Após feito o passo de nº
                                                                    12, selecione a aba
                                                                    AVANÇADO para que
                                                                    possamos configurar as
                                                                    portas com as quais seu
                                                                    Outlook Express se
                                                                    comunicará com o Servidor.
                                                                    Deixe como está na figura
                                                                    abaixo. SMTP porta 465 e
                                                                    POP3 995.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                                                                       14- Após feito as
                                                                        configurações, pressione o
                                                                       botão Aplicar e em seguida
                                                                       o botão OK . Se você não
                                                                       tiver nenhuma outra conta
                                                                       de email configurada no
                                                                       Outlook Express, é
                                                                       aconselhável que deixe a
                                                                       conta do gmail como conta
                                                                       de email padrão. Para isso
                                                                       entre em Ferramentas >
                                                                       Contas . Na aba EMAIL
                                                                       selecione o GMAIL e
                                                                       pressione o botão no menu
                                                                       direito que diz Definir como
                                                                       Padrão .




                     Configurar o Hotmail no Outlook Express
                       1.    Caso ainda não tenha uma conta do Hotmail, aceda ao seguinte Web
                             site do Hotmail e inscreva-se numa conta:
                             http://www.hotmail.com

                       2.    Inicie o Outlook Express e clique em Contas (Accounts) no menu
                             Ferramentas (Tools).

                       3.    Clique em Adicionar (Add) e clique em Correio (Mail).



Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                       4.    Na caixa Nome (Name), escreva o nome de utilizador e clique em
                             Seguinte (Next).

                       5.    Na caixa Endereço de correio electrónico (E-mail address), escreva o
                             seu endereço do Hotmail e clique em Seguinte (Next).

                       6.    Clique em HTTP na caixa O meu servidor de correio a receber é um
                             servidor (My incoming mail server is). Se a opção HTTP não estiver
                             disponível, tem de activá-la no registo. Para obter mais informações
                             sobre como activar ou desactivar HTTP no Outlook Express, clique no
                             número de artigo que se segue para visualizar o artigo na base de dados
                             de conhecimento da Microsoft (KB, Microsoft Knowledge Base):
                             241841 Cannot create an HTTP or Hotmail account in Outlook Express




                       7.    Na caixa O meu fornecedor de serviços de correio de HTTP é (My
                             HTTP mail service provider is), clique em Hotmail.




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação
                       8.    Confirme que "http://services.msn.com/svcs/hotmail/httpmail.asp" (sem
                             aspas) está presente na caixa Servidor de correio a receber (POP3,
                             IMAP ou HTTP) (Incoming mail (POP3), IMAP or HTTP server) e
                             clique em Seguinte (Next).




                       9.    Na caixa Nome da conta (Account name), escreva o nome da conta do
                             Hotmail.

                       10. Na caixa Palavra-passe (Password), escreva a palavra-passe, clique
                           em Seguinte (Next) e clique em Concluir (Finish).

                             A nova conta é apresentada no separador Correio (Mail) da caixa de
                             diálogo Contas da Internet (Internet Accounts).

                       11. Clique em Fechar (Close). No pedido para transferir pastas do servidor
                           de correio que adicionou, clique em Sim (Yes).




Nuno Matos Pereira – Gestor de Sistemas de Informação

								
To top