Docstoc

Boletim 74 - Caminho a Caminho aberto para avançar

Document Sample
Boletim 74 - Caminho a Caminho aberto para avançar Powered By Docstoc
					074
  X I X
  a n o
  2 0 1 0
  d e z e m b r o
  s i n a e n c o




                          Caminho aber to para avançar
                                   berto
                                  aber para av
  i n f o r m a t i v o




                          Um dos grandes gargalos das cidades brasileiras, o transporte público
                          passará por uma renovação nos próximos anos. É o que promete uma série
                          de investimentos anunciados pelo governo federal, como parte do PAC da
                          Copa e do PAC II. Conheça ainda os projetos de mobilidade urbana que
                          devem estar concluídos já em 2014.
                            Pág. 6




                          Londres 2012
                          Londres                    Mineração
                                                     Mineração                             Projetos Brasileiros
                                                                                                      asileiros
                                                                                           Projetos Brasileir
                          Planejamento é tudo no     Mineradoras planejam                  O Museu de Arte Moderna
                          programa que promete       aplicar US$ 62 bilhões                de Santos, no litoral
                          resultar na Olimpíada      em exploração e logística.            paulista, e o Terminal
                          mais sustentável de        Setor de projetos deverá              Rodoviário São Gabriel,
                          todos os tempos.           ser beneficiado.                      em Belo Horizonte.

                            Pág. 3                     Pág. 4                                 Pág. 14
                                                                              Consulte :: Informativo Sinaenco ::   1
           editorial




    Pensar o Brasil 2022
        O novo governo federal, sob a presidência de Dilma                              seu programa de investimentos, fez com que, a despei-
    Roussef, tem condições de consolidar o Brasil como um                               to do crescimento acentuado da demanda de passagei-
    país em transição para o mundo desenvolvido. Não será,                              ros nos últimos anos, não tivéssemos os investimentos à
    porém, uma trajetória fácil. As circunstâncias são favorá-                          altura desse crescimento. Foram seis milhões de novos
    veis, graças à conjunção de fatores que “nunca antes”                               passageiros entre 2003 e 2009, 80% de crescimento no
    haviam ocorrido ao mesmo tempo na história brasileira:                              período, 10% de crescimento ao ano. Na área de sane-
    mercado internacional comprador de produtos nacio-                                  amento, dos R$ 40 bilhões de investimentos previstos
    nais, em especial os do agronegócio e commodities mi-                               no período 2007-2010, cerca de R$ 12 bilhões transfor-
    nerais; economia estabilizada, com inflação em níveis                               maram-se em obras.
                                      razoáveis, pré-sal, Copa                              O principal obstáculo ao desempenho mais efetivo
                                      2014 e Olimpíada 2016                             do PAC no saneamento foi a falta de projetos de quali-




“
    Planejamento é a                  empurrando a expan-                               dade, especialmente nos municípios. Despreparadas e
    palavra-chave para                são econômica.                                    sem corpo técnico adequado, boa parte das prefeituras
    uma gestão que terá a                O elevado nível de                             brasileiras deixou de receber recursos já contratados,
    chance de preparar o              emprego e o “bônus de-                            mas emperrados pela ausência de projetos desenvolvi-




    2022
             “
    país para comemorar
    o bicentenário da
    Independência, em
                                      mográfico” – com a
                                      maioria da população
                                      em idade de trabalho e
                                                                                        dos sob condições tecnicamente satisfatórias. Nos aero-
                                                                                        portos, a crise intermitente teve como principal respos-
                                                                                        ta a adoção dos Módulos Operacionais, batizados de
                                      que representará nessa                            “puxadinhos” por profissionais da arquitetura e enge-
                                      próxima década outra                              nharia que atuam no setor.
                                      inédita vantagem para o                               Esses exemplos são importantes porque, em maior
    país – são também benesses que podem e devem ser                                    ou menor grau, repetem-se em outras áreas do gover-
    aproveitadas para pavimentar o caminho rumo ao de-                                  no. Planejamento é a palavra-chave para uma gestão que
    senvolvimento. Nada disso, entretanto, exime o gover-                               terá a chance de preparar o país para comemorar o
    no de realizar as necessárias correções de rumo para                                bicentenário da Independência, em 2022, em condições
    atingir essa meta. O principal deles é desenvolver uma                                                          sociais, econômicas e am-
    cultura de planejamento e gestão efetiva e, principal-                                                          bientais muito melhores do
    mente, eficiente, requisitos que não foram o forte do                                                           que as exibidas pelo Brasil de
    governo que se encerra. Faltaram planejamento e ges-                                                            2010. A tarefa é urgente: pen-
    tão mais eficientes, por exemplo, no PAC 1 e no setor                                                           sar o Brasil de 2022 tem de
    aeroportuário. O PAC esteve sob a batuta da então mi-                                                           começar agora, sem improvi-
    nistra-Chefe da Casa Civil.                                                                                     sações ou “puxadinhos”.
        A falta de planejamento e gestão mais eficientes do
    PAC e do setor aeroportuário, neste em especial em                                                                       João Alberto Viol, presidente


      Sinaenco: Diretoria Nacional: João Alberto Viol (Presidente), Antonio Moreira Salles Netto (VP de Gestão e Assuntos Institucionais), Everaldo José Gobbo
      Possagnolo (VP de Administração e Finanças), Lineu Rodrigues Alonso (VP de Ética e de Proteção à Consultoria), Orlando Botelho Filho (VP de Engenharia),
      Leon Cláudio Myssior (VP de Arquitetura), Luiz Alberto Teixeira (VP de Ciência e Tecnologia), João Coelho da Costa (VP de Relações Trabalhistas e Assuntos
      Intersindicais), Antonio Othon Pires Rolim (Diretor Executivo). Consulte é uma publicação do Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia
      Consultiva. Rua Marquês de Itu, 70 - 3º. andar - CEP 01223-000 - São Paulo - SP - tel.: 11 3123-9200 - fax: 11 3120-3629 - site: www.sinaenco.com.br - e-mail:
      sinaenco@sinaenco.com.br. Editora Mandarim: Silvério Rocha MTb 15.836 (jornalista responsável), Marcos de Sousa, Graziela Silva, Diego Salgado, Rafael
      Massimino, Rafael Fiuza e Regina Rocha (reportagem e redação) - Projeto gráfico: Hiro Okita - Diagramação e arte: Juca Zaramello - Fotolitos, impressão e
      acabamento: Indusplan. Imagem da capa: Fotolia. Tiragem desta edição: 10 mil exemplares.



    2 :::: Informativo Sinaenco ::Consulte
         Informativo Sinaenco :: Consulte
      entrevista




Planejamento e legado olímpico
Dan Epstein é chefe de Sustentabilidade e Regeneração                            teriais de construção por ferrovias
                                                                                 ou hidrovias, para evitar congestio-
da Autoridade Olímpica de Londres. Sua missão: garantir                          namentos, poluição e emissão de
que os Jogos de 2012 sejam os mais verdes da história e                          carbono; reduzir o uso de água po-
tragam como legado a transformação da zona leste da                              tável em 40%, criar empregos locais
capital inglesa – região pobre, com solo, ar e rios                              permanentes e fornecer acesso para
                                                                                 pessoas com deficiência como em
contaminados – em um novo polo de desenvolvimento.                               nenhuma outra Olimpíada.
Nesta entrevista, o executivo revela os segredos de um
programa olímpico que, além de todas as qualidades,                              O Rio de Janeiro, que irá sediar a
tem obras e orçamento dentro do planejado.                                       Olimpíada em 2016, pode seguir
                                                                                 o exemplo londrino?
Eventos esportivos podem               sobre o que se deseja realmente           Sim, mas o Rio precisa definir sua
promover o desenvolvimento             criar e investir; testar a viabilidade    visão, ser transparente e envolver as
das cidades-sede?                      de longo prazo das propostas; pre-        comunidades e demais partes inte-
A Olimpíada é um evento que atrai      parar planos de negócios; coorde-         ressadas, garantir que o dinheiro
as atenções do mundo e pode ser-       nar investimentos e programas de          será bem gasto e os projetos serão
vir para estabelecer novos padrões     construção; garantir que objetivos        bem gerenciados. Além disso, mon-
e metas ambiciosas de desenvolvi-      de sustentabilidade sejam incorpo-        tar uma equipe forte e integrada
mento. O alto nível de investimen-     rados ao programa e ainda propor-         para supervisionar o desenvolvimen-
to requerido pode e deve ser cana-     cionar um legado de qualidade e de        to e controlar as decisões de inves-
lizado em benefício da cidade. In-     longo prazo.                              timento, a fim de assegurar que os
vestimentos em transportes públi-                                                esforços estarão focados na regene-
cos, espaços verdes e áreas públi-     Como os princípios da                     ração da cidade.
cas, instalações esportivas de clas-   sustentabilidade estão sendo
se mundial, serviços públicos, tec-    aplicados ao programa?                    A Autoridade Olímpica está
nologia da informação etc são ca-      Temos uma estratégia abrangente           firmemente empenhada em
pazes de transformar uma cidade        com base em princípios ambientais,        deixar um legado duradouro
permanentemente.                       sociais e econômicos, previstos na        para Londres. E para o mundo:
                                       estratégia de sustentabilidade. Te-       que tipo de legado é esperado?
Como planejamento e gestão             mos 12 áreas-chave nas quais esta-        A Olimpíada deixará em Londres um
estão sendo importantes para o         mos nos concentrando, entre elas          sentimento de orgulho, realização
projeto Londres 2012?                    energia, água, resíduos, biodiver-      e confiança. Irá promover uma gran-
Planejamento é tudo.                         sidade, materiais, impactos da      de participação no esporte e orgu-
Estamos investindo £ 7 bi-                      construção, diversidade, es-     lho e entusiasmo nas escolas; me-
lhões no Parque Olímpico                        tilos de vida saudáveis e        lhorar a auto-estima das pessoas
– sem planejamento po-                          acessibilidade. Para cada        com deficiência e ampliar suas
deríamos ultrapassar o or-                      uma das áreas, estabelece-       chances de participação na socie-
çamento, fugir aos objeti-                      mos um conjunto de regras        dade. Irá ainda definir novos pa-
vos do programa e perder                       claras e ambiciosas, que todos    drões de gestão de recursos, de pro-
a oportunidade de deixar                           os fornecedores são obriga-   jetos de estádios, incluindo uma
um legado perma-                                           dos a cumprir. Por    revolução na concepção de insta-
nente. O pla-                                                    exemplo:        lações temporárias. Além da trans-
nejamento                                                          transpor-     formação da zona leste de Lon-
permite                                                             tar mais     dres, parte de um programa mui-
                ÃO




                                                                                 to maior de renovação e regene-
                AÇ




que se                                                               de 50%
           ULG




                                                                                 ração da cidade.
          DIV




pense                                                                dos ma-

                                                                                       Consulte ::::Informativo Sinaenco :::: 3
                                                                                       Consulte Informativo Sinaenco
        mineração




Novo ciclo de ouro
Setor mineral deve receber volume recorde                                                                 no pós-crise. “O fator China, com seu
de investimentos nos próximos anos e impulsionar                                                          apetite espantoso por matérias-pri-
negócios na cadeia de A&EC                                                                                mas, tem peso nas decisões de inves-
                                                                                                          timento das empresas”, diz Lannes.




                                                                                           AGÊNCIA VALE
                                                                                                             Estado com tradição na ativida-
                                                                                                          de, Minas Gerais será o destino de
                                                                                                          39,2% do total estimado pelo
                                                                                                          Ibram, seguido de Pará (38,2%) e
                                                                                                          da Bahia (cerca de 10%), que des-
                                                                                                          ponta como a nova fronteira da mi-
                                                                                                          neração no país.
                                                                                                             VP de Administração e Finanças
                                                                                                          do Sinaenco/MG, José Franscisco
                                                                                                          Neves confirma que o cenário cria-
                                                                                                          do pelos investimentos no setor
                                                                                                          mineral é bastante positivo para as
                                                                                                          empresas de A&EC. “Podemos di-
                                                                                                          zer que é o melhor momento em
                                                                                                          25 anos e, se o mercado continuar
                                                                                                          como está, possivelmente teremos
                                                                                                          uma década especial”, diz.

                                                                                                          Soluções completas
                                                                                                              O período é ainda mais interes-
                                                                                                          sante porque, além de projetos de
                                                                                                          lavra, há investimentos previstos em
                                                                                                          logística, relacionados à construção
                                   Mina de Cobre do Sossego, no Pará: projetos cada vez                   de minerodutos, terminais privados
                                 mais distantes exigem soluções completas de engenharia.                  em portos e até ferrovias. O objeti-
                                                                                                          vo das companhias mineradoras é
    A iniciativa privada deve investir          Dados Econômicos do Ibram, Anto-                          driblar o gargalo da infraestrutura e
US$ 62 bilhões na indústria da mi-              nio Lannes, os investimentos proje-                       garantir o escoamento da produção
neração no período de 2010 a                    tados contemplam a construção de                          com eficiência.
2014, volume inédito. A projeção é              novas unidades e expansões e abar-                            Entre os projetos, destacam-se o
do Instituto Brasileiro de Mineração            cam os mais diversos minerais. “O                         mineroduto da Anglo American, que
(Ibram) e leva em conta os diversos             minério de ferro, carro-chefe do se-                      passará por 25 cidades do interior
projetos anunciados pelas compa-                tor, deverá receber 63,27% dos re-                        de Minas Gerais para chegar ao por-
nhias instaladas no país. É uma ex-             cursos. Mas há grandes projetos vin-                      to do Rio de Janeiro, em São João
celente notícia para as empresas de             culados à cadeia do alumínio (alu-                        da Barra, com capacidade para
projetos e consultoria, que partici-            mina, bauxita e alumínio) níquel, co-                     transportar 24,5 milhões de tonela-
pam em praticamente todas as fa-                bre, fosfato e ouro”, afirma.                             das de minério de ferro; as obras da
ses do empreendimento mineral,                      O ciclo de expansão é influenci-                      Vale para expandir a capacidade de
desde a definição da sua viabilida-             ado por fatores como o processo                           escoamento das suas principais fer-
de técnico-econômico-social até seu             de urbanização do mundo e a recu-                         rovias (Estrada de Ferro Vitória a Mi-
encerramento.                                   peração das cotações das commo-                           nas - EFVM e Estrada de Ferro Cara-
    De acordo com o gerente de                  dities minerais no mercado mundial                        jás - EFC); e ainda a construção de

4 :: Informativo Sinaenco :: Consulte
AGÊNCIA VALE




                                                                                                                     vez que a operação está
                                                                                                                     vinculada à aprovação
                                                                                                                     destes junto aos órgãos
                                                                                                                     competentes.
                                                                                                                         “A mineração tem
                                                                                                                     uma duração no tempo,
                                                                                                                     seja por fatores econômi-
                                                                                                                     cos (o que é viável para
                                                                                                                     exploração hoje pode
                                                                                                                     não ser amanhã), seja
                                                                                                                     pela disponibilidade de
                                                                                                                     reservas lavráveis”, expli-
                                                                                                                     ca o geólogo Eduardo
                                                                                                                     Chapadeiro, da Golder
                                                                                                                     Associates. O objetivo
                                                                                                                     do plano de fechamento
                                                     Ampliação da capacidade de escoamento da ferrovia Vitória a é planejar o encerramen-
                                                    Minas, da Vale, integra os planos de investimentos em logística. to da atividade, inclusive
                                                                                                                     financeiramente, e miti-
               terminal privado da Bahia Minera-          gendo toda a infraestrutura de ener-           gar seus efeitos, considerando as-
               ção no Porto de Ilhéus.                    gia e transporte para o escoamento             pectos sociais e econômicos – a
                     Na visão da engenheira Maria de      dos produtos.                                  desativação pode representar per-
               Lourdes Bahia, gerente de Marke-               “De maneira geral os novos pro-            da de receita e de postos de traba-
               ting e Desenvolvimento de Negóci-          jetos são localizados em regiões de            lho para uma dada comunidade, por
               os da SNC Lavalin Minerconsult, a          difícil acesso e com pouca infraes-            exemplo – e, claro, ambientais.
               tendência entre as empresas de pro-        trutura. O que por um lado dificulta               Segundo Chapadeiro, a legisla-
               jetos e consultoria é a de prover          a implantação, por outro abre opor-            ção brasileira vem evoluindo na
               cada vez mais a solução completa           tunidades para que as empresas par-            especificação dos procedimentos
               para a cadeia de mineração, abran-         ticipem em todos os estágios do                para o fechamento de minas. Em
                                                          empreendimento, tanto na parte de              1989, decreto federal tornou obri-
                  Novos Investimentos no
                  Nov        Inv
                                                          infraestrutura (portos, estradas de            gatória a recuperação de áreas mi-
                            mineral
                  setor miner al - 2010 a 2014
                   Valores em US$ bilhões                 acessos, ferrovias, minerodutos, ge-           neradas. Em 2000, por meio de nor-
                                                          ração de energia, linhas de transmis-          ma técnica, o Ministério das Minas
                   Ferro                   39,230
                                                          são), como na mina e planta de                 e Energia especificou os diversos
                   Níquel                   6,716
                                                          beneficiamento propriamente di-                itens envolvidos no fechamento de
                   Bauxita                  4,987
                                                          tas”, afirma Maria de Lourdes.                 empreendimentos de mineração,
                   Cobre                    2,657
                                                                                                         designando-o como uma fase rele-
                   Fosfato                  2,510
                                                          Fechamento planejado                           vante do projeto.
                   Alumínio                 2,200
                                                          antecipadamente                                    Em 2008, Minas Gerais apro-
                   Ouro                     2,030
                                                              Além de oportunidades em es-               vou deliberação normativa que es-
                   Alumina                  1,000         tudos de viabilidade, projetos con-            tabelece diretrizes para avaliação
                   Manganês                 0,300         ceituais e básicos, gerenciamento,             ambiental na fase de encerramen-
                   Vanadio                  0,270         supervisão e monitoramento, um                 to. O documento já se tornou re-
                   Nióbio                   0,066         mercado que deverá gerar novos                 ferência para outros estados e po-
                   Carvão                   0,044         contratos é o relacionado aos pla-             derá servir de base para um mar-
                   Total                   62,000         nos de fechamento de minas, uma                co legal nacional.
               Fonte: Ibram



                                                                                                               Consulte :: Informativo Sinaenco ::   5
        mobilidade urbana




Caminho aberto para avançar
Após décadas de inércia, Brasil se prepara para dar o                             venções de menor porte (veja deta-
primeiro passo rumo à renovação do transporte público                             lhes nas páginas 8 e 9).
                                                                                      Já o PAC 2 concentra artilharia
nas cidades. Investimentos previstos para os próximos                             na construção ou ampliação de
anos se aproximam dos R$ 30 bilhões.                                              metrôs, deixados de fora do PAC da
                                                                                  Copa porque, segundo o governo,
    Em Paris, costuma-se dizer que        vestimentos programados para as         não ficariam prontos antes do even-
o centro da cidade está na porta do       principais capitais, em parte em fun-   to. Quatro cidades que há tempos
metrô mais próximo. Durante o sé-         ção da Copa de 2014, em parte pela      cobram recursos federais para a
culo 20 quase todas as grandes ci-        constatação de que é preciso tirar      rede devem ser contempladas: Belo
dades do mundo construíram redes          o setor da inércia atual. Somente em    Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e
imponentes de transportes com             recursos do orçamento da União e        Salvador. O programa deve incluir
trens urbanos – acima e abaixo do         empréstimos a serem viabilizados        a construção de mais BRTs e VLTs
solo –, veículos leves sobre trilhos      pelo governo federal serão quase R$     nas diversas capitais, mas também
e sistemas de ônibus. No Brasil, ape-     30 bilhões em obras, distribuídas em    intervenções que beneficiam cida-
sar de avanços a partir dos anos          dois programas coordenados pelo         des menores, como o recapeamen-
1970, o atraso na infraestrutura de       Ministério das Cidades: o PAC da        to de vias.
mobilidade urbana é comum às ca-          Mobilidade Urbana e o PAC 2.                O volume de investimentos do
pitais e grandes cidades. Por lei,                                                PAC 2 é de R$ 18 bilhões – 33%
todo município com mais de 20 mil                                                 do orçamento da União e o restan-
habitantes deve ter um plano dire-                                                te de financiamento federal. Levan-
tor de desenvolvimento urbano e               Todo município com                  do em conta o critério populacio-
aqueles com mais de 500 mil habi-           mais de 20 mil habitantes             nal, o Ministério do Turismo dividiu
tantes também precisam obrigatori-           deve ter um plano de                 as cidades em três grupos. O primei-
amente elaborar um plano específi-                                                ro reúne as metrópoles e os municí-
                                            desenvolvimento urbano
co para o transporte. É lei, mas ain-                                             pios com mais de 100 mil habitan-
da não se tornou realidade.                                                       tes no Sul e no Sudeste, ou mais de
    Resultado disso é o aumento                                                   70 mil no restante do país. A lista
implacável do transporte individual       Raio-x dos investimentos                de obras para estas cidades deve sair
nas grandes cidades. Automóveis e             Voltado exclusivamente às 12        em meados de 2011 e os recursos
motocicletas entopem as vias públi-       cidades-sede da Copa de 2014, o         devem ser empenhados até o fi-
cas nos horários de pico, ocupam          PAC da Mobilidade Urbana dispo-         nal de 2014.
os espaços antes dedicados aos            nibilizou R$ 11,48 bilhões para 47
pedestres e estimulam o desmonte          projetos. Deste montante, 67% se-       Pensar longe
de jardins e áreas verdes para a          rão financiados pela União com re-          “A melhoria no trânsito das ci-
construção de mais vagas de esta-         cursos do Fundo de Garantia do          dades poderá ser significativa, caso
cionamento. Em São Paulo, por             Tempo de Serviço (FGTS).                esses recursos sejam realmente apli-
exemplo, metade das 14 milhões de             Popularizado como PAC da            cados”, afirma o engenheiro Marcio
viagens diárias na Região Metropo-        Copa, o programa tem como meta          Queiroz, do Sinaenco/RJ. Ex-secre-
litana é feita de carro.                  integrar aeroportos, hotéis e está-     tário municipal de Transportes do
    A boa notícia é que o cenário         dios, preparando as capitais para       Rio de Janeiro, Queiroz defende
de caos no transporte urbano brasi-       receber os turistas do Mundial. In-     que sejam estabelecidas metas mí-
leiro poderá sofrer uma transforma-       clui os VLTs de Brasília e Fortale-     nimas para o andamento dos proje-
ção nos próximos anos. Pelos me-          za, os monotrilhos de São Paulo e       tos, de forma a evitar a repetição
nos a depender de uma série de in-        Manaus, vinte BRTs, além de inter-      de casos com o do metrô de Salva-


6 :::: Informativo Sinaenco :: Consulte
     Informativo Sinaenco ::
dor, cujas obras se arrastaram por       Copa não houver um fluxo de in-                                          Para Queiroz é razoável a opção
mais de 10 anos e resultaram em          vestimentos constantes e planeja-                                    pelos BRTs, dado o tempo disponí-
linha com apenas seis quilômetros        dos, os problemas atuais serão ape-                                  vel até a data do evento e o menor
de extensão.                             nas minimizados para voltarem de                                     custo de implementação do modal,
    O consultor da Associação Naci-      forma mais desafiadora e comple-                                     comparado ao metroviário e aos
onal de Transportes Públicos (ANTP),     xa no curto prazo”, alerta o con-                                    VLTs. “Os BRTs poderão gerar con-
Stenio Franco, reconhece que os re-      sultor, que integra o grupo da                                       forto aos usuários, se o modelo ado-
cursos anunciados pelo governo são       ANTP de Observação da Mobili-                                        tado prever pagamento antecipado
significativos, ainda mais levando-se    dade na Copa 2014.                                                   da passagem, utilização de corredo-
em conta que nas décadas recentes                                                                             res exclusivos e veículos de média
os investimentos em infraestrutura de    Validade no longo prazo                                              a alta capacidade.”
mobilidade urbana foram mínimos ou          O efeito de renovação dos inves-                                      Como medida de longo prazo,
inexistentes em algumas cidades. Po-     timentos parece estar também vin-                                    no entanto, destaca a necessidade
rém, ressalta que a solução para o       culado aos modais de transporte                                      de investimentos efetivos nos me-
transporte público exige esforços para   que serão priorizados e se haverá                                    trôs de São Paulo e do Rio de Janei-
além da questão financeira.              planejamento de forma a gerar in-                                    ro, que segundo ele, já têm sistemas
    “Se o montante de investimen-        tegração entre eles. No caso do pla-                                 bem estruturados, e também nos
tos não estiver inserido numa estra-     no da Copa, em que os projetos já                                    das cidades de Belo Horizonte, Por-
tégia de longo prazo, integrada ao       estão definidos, a opção pelos BRTs                                  to Alegre e Salvador. “Em regiões
planejamento do uso do solo e a          chegou a gerar questionamentos de                                    de grande concentração populacio-
propostas com preocupações urba-         especialistas. A solução foi a eleita                                nal, o que de fato resolve o proble-
nísticas, serão investimentos neces-     em dez das cidades-sede e recebe-                                    ma são os sistemas de alta capaci-
sários, importantes, mas subutiliza-     rá o maior volume de investimen-                                     dade”, opina Queiroz.
dos. Do mesmo modo, se após a            tos do PAC da Mobilidade.                                                O pragmatismo, acredita Stenio,
                                                                                                              pesou na decisão pelos BRTs. “Es-
                                                                                 ILUSTRAÇÕES: SANDRA JAVERA




                                                                                                              tamos a 2,5 anos da Copa da Con-
                                                                                                              federações, quando idealmente
                                                                                                              toda infraestrutura deveria estar pron-
                                                                                                              ta para ser testada. Obras de maior
                                                                                                              porte e complexidade, como metrôs
                                                                                                              e expansões ferroviárias, não são
                                                                                                              factíveis nesse espaço de tempo, a
                                                                                                              não ser que estejam em fase avan-
                                                                                                              çada de implantação”, diz.
                                                                                                                  Para o consultor, o legado que
                                                                                                              se pode aguadar dessa primeira fase
                                                                                                              de investimentos não se resume a
                                                                                                              obras. “A complexidade de atender
                                                                                                              às exigências dos megaeventos que
                                                                                                              o país abrigará nesta década pode-
                                                                                                              rá permitir que o foco no transpor-
                                                                                                              te público ante o transporte indivi-
                                                                                                              dual seja finalmente estabelecido no
                                                                                                              Brasil. Isso, por si só, é um legado
                                                                                                              de altíssimo valor”.


                                                                                                                    Consulte :: :: Informativo Sinaenco :: 7
                                                                                                                    Consulte Informativo Sinaenco ::
        mobilidade urbana




Os projetos que prometem garantir a mobilidade na
                                                             Afonso Pena ao terminal rodoferroviário. Uma parte dos
                                                             recursos financiará a construção de uma linha de BRT,
                                                             terminais, sistemas de monitoramento e obras viárias.

                                                             Por to Alegre
                                                              orto Aleg
                                                             Construção de três corredores exclusivos de ônibus, duas
                                                             linhas de BRT, e melhorias no sistema de monitoramento
                                                             de tráfego. A ampliação do metrô, a nova ponte do
                                                             Guaíba e o aeromóvel, obras pleiteadas pela prefeitura,
                                                             não foram contempladas no PAC da Copa.

                                                             For taleza
                                                                 taleza
                                                              ortale
                                                             Implantação do VLT Parangaba-Mucuripe, de BRTs nas ave-
                                                             nidas Dedé Brasil, Raul Barbosa, Alberto Craveiro e Paulino
                                                             Rocha, além da construção do corredor expresso Norte-
        aneiro
       Janeir
Rio de Janeiro                                               Sul e das estações de metrô Padre Cícero e Montese.
O Rio de Janeiro terá quatro trajetos de Bus Rapid Transit
(BRT). Juntos, eles atenderão cerca de 1,2 milhão de pas-    Salvador
sageiros por dia. A TransOlímpica, com 26 km de exten-
são, ligará o Recreio dos Bandeirantes a Deodoro, pas-
sando por mais seis bairros. A Transcarioca, que irá do
Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim até a Barra
da Tijuca, vai percorrer 41 km. O projeto da linha
TransOeste, que inicialmente teria 32 km, foi ampliado
e chegará a 56 km. O custo deve passar dos R$ 800
milhões. O trecho vai ligar os bairros do Jardim Oceâni-
co a Campo Grande, com 53 estações. As obras, já ini-
ciadas, devem ser concluídas em junho de 2012. Já a
linha TransBrasil deve ligar o Centro à Baixada Flumi-
nense, passando pela avenida Brasil.

São Paulo
    Paulo
Construção de monotrilho, que ligará linhas de metrô e
trem ao Aeroporto de Congonhas e ao estádio do
Morumbi, e da avenida Perimetral. A resistência de mo-       Na capital baiana, o acordo prevê financiamento de R$
radores somada à exclusão da arena no projeto da Copa        541,8 milhões para o BRT que conectará o Aeroporto
pode inviabilizar as obras na região do Morumbi.             Internacional de Salvador à zona norte da cidade. Um
                                                             dos destaques da cidade, entretanto, é o metrô, recen-
Belo Horizonte
     Horizonte                                               temente inaugurado, após dez anos de obras. O projeto
Serão construídas seis linhas de BRT, orçadas em R$ 1,27     inicial, do final da década de 90, não foi seguido à risca.
bilhão. Outros R$ 240 milhões serão destinados a obras       Dos 41 km previstos, apenas 6 km foram, de fato, cons-
viárias e à ampliação da central de controle de tráfego.     truídos. A verba total foi consumida no primeiro trecho,
                                                             que era de 12 km – depois reduzido à metade. O traje-
Curitiba                                                     to atual liga os bairros Lapa e Rótula do Abacaxi e cus-
Além de corredor que interligará a capital à região metro-   tou R$ 1,06 bilhão. No final de agosto, sete vagões esta-
politana, haverá o corredor expresso, unindo o Aeroporto     vam nos trilhos. No total, serão 24, distribuídos em seis


8 :: Informativo Sinaenco :: Consulte
as cidades para a Copa 2014
    trens. Estima-se que o bilhete do metrô soteropolitano       o trecho 2, com custo de R$ 780 milhões, foi iniciada
    custe entre R$ 10 e R$ 15. O preço cobriria os altos         em 2008. No entanto, já ocorreram cinco paralisações
    custos de operação.                                          por determinação da Justiça. O Ministério Público do
                                                                 Distrito Federal e Territórios (MPDFT) aponta fraude na
    Natal
    Natal                                                        licitação realizada em 2007. O prazo inicial de conclu-
    São 16 projetos: ligações entre o novo aeroporto e o setor   são do trecho era de 18 meses.
    hoteleiro à Arena das Dunas, que receberá jogos da Copa,
    duplicação da avenida Mor Gouveia, na ligação da Via         Cuiabá
                                                                 Cuiabá
    Costeira com a avenida Engenheiro Roberto Freire, cons-      Construção de duas linhas de BRT e duplicação da rodovia
    trução de elevados, entre outros complexos viários.          Mario Andreazza, que dá acesso ao estádio Verdão, a ser
                                                                 usado na Copa. Ainda serão reformados pequenos pontos
    Recife
     ecife                                                       de acesso público, como terminais e passarelas.
    Cinco intervenções viárias. Serão dois corredores expres-
    sos, o Caxangá e o Via Mangue, além dos BRTs Norte-          Manaus
    Sul e Leste-Oeste. Cerca de R$ 15 milhões serão aplica-
    dos no terminal Cosme Damião.

    Brasília
    Brasília




                                                                 A capital amazonense terá um monotrilho de 20 km de
                                                                 extensão, chamado de Linha Norte-Centro. O custo che-
                                                                 ga a R$ 1,3 bilhão, com financiamento de R$ 600 mi-
                                                                 lhões do FGTS. Ao todo, são nove estações. A capacida-
    Orçado em R$ 1,5 bilhão, o projeto do VLT de Brasília        de de transporte será de 200 mil passageiros por dia. A
    prevê a construção de 25 estações. O trajeto de 22 km        primeira etapa, na qual está prevista a ligação entre os
    ligará o aeroporto Juscelino Kubitschek à Asa Norte, no      terminais Santos Dumont e Arena Amazônia, próximos
    final da W3 Norte. Serão três trechos. O primeiro, cha-      ao estádio Vivaldão, será concluída em 2013. A licita-
    mado de Linha 1/Trecho 1, sairá do aeroporto e irá até       ção para a construção do monotrilho, no entanto, já foi
    o terminal da Asa Sul. Terá 6,5 km de extensão. O se-        adiada três vezes – o processo arrasta-se desde abril.
    gundo, com quase 9 km de comprimento, ligará a Asa           Em outubro, a Controladoria Geral da União (CGU)
    Sul ao setor 502 Norte. O trecho 3, que levará os passa-     apontou irregularidades no projeto básico. O órgão
    geiros até o terminal Asa Norte, terá 7,4 km de exten-       concluiu que a construção tem custo maior do que o
    são. A expectativa é que o VLT transporte de 180 a 200       previsto e a tarifa é maior que a estimada pelo gover-
    mil passageiros por dia. A primeira etapa da construção,     no estadual.


                                                                                           Consulte :: Informativo Sinaenco ::   9
        mobilidade urbana




Quem é quem no transporte urbano
As características dos principais modais de transporte                            pacidade, para atendimento a regi-
                                                                                  ões metropolitanas. A diferença com
aplicáveis às cidades de médio e grande porte
                                                                                  os metrôs é a maior distância entre
                                                                                  estações e sua abrangência, que ge-
      Ra
Bus Rapid Transit (BRT)  (BRT)           xo do compartimento de passagei-
                                         ros. Assim, os carros viajam ‘pendu-     ralmente envolve cidades vizinhas.
    Modelo de transporte que utili-
za veículos sobre pneus, articulados     rados’ ou ‘encaixados’ em trilhos de              até 60 mil por hora por sentido
ou biarticulados, que trafegam em        concreto ou aço, que também for-                  30 km/h a 50 km/h
canaletas específicas ou em vias ele-    necem a força motriz, em geral elé-               R$ 60 milhões a R$ 100 milhões
vadas. O sistema prevê a compra          trica. Uma desvantagem é a interfe-               por km construído
de bilhetes nas estações, rampas,        rência provocada pelas estruturas
escadas-rolantes e plataformas para      elevadas em meio à malha urbana.         Outros sistemas
                                                                                  Outros
reduzir o tempo de embarque e de-               4 a 10 mil passageiros por
sembarque. No Brasil, o primeiro                hora por sentido
sistema de corredores de ônibus foi             20 km/h a 30 km/h
implantado em 1979, em Curitiba,                R$ 70 a 130 milhões por km
hoje uma referência mundial.                    construído
        2 a 20 mil passageiros por
        hora por sentido                 Metrô
        20 km/h a 30 km/h                    Linha férrea que circula em tú-
        R$ 17 milhões a R$ 26 milhões    neis elevados ou mesmo sobre a
        por km construído                superfície sem interferência no trân-
                                         sito local. São elétricos, possuem
Veículo Leve sobre
           Lev sobre                     sistemas e controle que permitem a
          (VLT)
Trilhos (VLT)                            circulação dos trens com intervalos
    Sistema de veículos articulados      mínimos de tempo e podem ser in-
que trafegam sobre trilhos metálicos     tegrados a outros sistemas de trans-
instalados nas ruas ou em faixas es-     porte. O metrô mais antigo é o de
pecíficas. Trata-se de uma versão        Londres, iniciado em 1863. Os de
contemporânea dos antigos bondes.        Nova York e Buenos Aires foram
Pode ser alimentado por via elétri-      construídos nos primeiros anos do             Ciclovias, escadas e passarelas
ca ou funcionar com veículos a die-      século 20.                               rodantes, elevadores, funiculares e
sel. No Brasil, o VLT do Cariri, que                                              teleféricos também podem ser inte-
                                                60 mil a 80 mil passageiros
liga Juazeiro a Crato, no Ceará, é o                                              grados às redes de transportes ur-
                                                por hora por sentido
mais novo sistema do país, com 13,6                                               banos. Um exemplo antigo é o Ele-
                                                30 km/h a 40 km/h
km de extensão.                                                                   vador Lacerda, em Salvador. Um
                                                R$ 100 milhões a R$ 300
                                                milhões por km construído
                                                                                  mais moderno é o Elevador do Can-
        10 a 45 mil passageiros por
                                                                                  tagalo no Rio, recentemente inau-
        hora por sentido
                                                                                  gurado. O Rio também inovou ao
        20 km/h a 30 km/h                Trens urbanos
                                                                                  instalar uma linha de teleférico no
        R$ 62 milhões a R$ 79 milhões        Os antigos sistemas de trens de      Complexo do Alemão, para interli-
        por km construído                subúrbio foram modernizados. Re-         gar várias favelas da cidade. A linha
                                         ceberam carros e sistemas de con-        foi inspirada no Metrocable, implan-
Monotrilho                               trole mais eficazes, permitindo inter-   tando em Medelín na Colômbia.
   Sistema de média capacidade           valos menores entre trens. Algumas
que trafega em pista elevada. É su-      capitais de estados brasileiros estão    Fontes: ANTP, Associação Nacional das Empresas de
portado por um trilho único, que         trabalhando para transformar seus        Transportes Urbanos (NTU), Companhia Brasileira de
                                                                                  Trens Urbanos (CBTU), Companhia do Metropolitano
pode estar localizado acima ou abai-     trens urbanos em metrôs de alta ca-      de São Paulo (Metrô), NYC Department of Planning.



10 :: Informativo Sinaenco :: Consulte
       sinaenco / sp




Evento discute novos eixos de
desenvolvimento na capital paulista
As perspectivas de desenvolvimento da zona leste
paulistana foram o destaque nos debates do 10º Encontro
da Arquitetura e da Engenharia Consultiva, promovido
pelo Sinaenco/SP, em 4 de novembro, no Centro
Brasileiro Britânico.
    Com mais de quatro milhões de              lo, Gilberto Kassab, afirmou que as          Um dos objetivos da Operação Ur-
habitantes, a região mais populosa             ações voltadas a revitalizar a zona          bana Rio Verde-Jacu Pêssego, to-
da capital paulista virou o centro das         leste já estão em curso, como a              cada pela prefeitura, é atrair empre-
atenções após o anúncio da cons-               construção do polo institucional e           sas de tecnologia da informação e
trução da arena do Corinthians no              do polo tecnológico de Itaquera,             logística para a zona leste, amplian-
bairro de Itaquera, indicada pelo Co-          além da Faculdade de Tecnologia              do os empregos na região.
mitê Organizador da Copa para se-              (Fatec), que vem sendo erguida em                O 10º encontro também teve a
diar a abertura da competição.                 terreno anexo ao da arena corinti-           participação de Jurandir Fernandes,
    De acordo com o presidente do              ana. O prefeito aproveitou ainda para        coordenador de transição de gover-
Sinaenco/SP, José Roberto Bernas-              destacar a importância da integração         no Goldman/Alckmin, Frederico Bus-
coni, o novo estádio é uma oportu-             entre as atividades do Sinaenco e da         singer, diretor presidente da Com-
nidade única para repensar a zona              administração pública e destacou a           panhia Docas de São Sebastião e
leste, atualmente relegada à con-              forte atuação do Sindicato na propo-         diretor do Departamento Hidroviá-
dição de “cidade-dormitório”, já               sição de ações para a cidade.                rio de São Paulo, Carlos Roberto
que, apesar de concentrar 27% dos                  Para que os investimentos na             Silvestrin, vice-presidente executivo
paulistanos, a região gera apenas              zona leste tenham o efeito espera-           da Associação da Indústria de Co-
6% da riqueza do município, segun-             do, o essencial, na visão do secretá-        geração de Energia, Pedro Taddei
do o IBGE.                                     rio municipal de Desenvolvimento             Neto, vice-presidente do Sinaenco/
    Bernasconi citou o exemplo de              Urbano, Miguel Luiz Bucalem, é in-           SP, e de Luiz Augusto Contier, co-
Londres, sede da Olimpíada de                  tegrar o polo institucional com o            ordenador do curso de Arquitetura
2012, que executa um amplo pro-                futuro polo industrial de Itaquera.          da Universidade São Judas Tadeu.
cesso de revitaliza-
                         CLÓVIIS FERREIRA




ção em áreas caren-
tes da cidade, por co-
incidência concen-
tradas também na re-
gião leste. “Um lugar
que era cheio de es-
combros da 2ª Guer-
ra e dejetos industri-
ais está se renovan-
do. Podemos fazer
isso em São Paulo.”
    Presente na aber-
tura do 10º Encontro
do Sinaenco/SP, o
                              Viol e ex-dirigentes nacionais do Sinaenco recebem o Secretário de Desenvolvimento
prefeito de São Pau-          Urbano de São Paulo, Miguel Bucalem (ao centro de camisa azul), durante o 10º. encontro.


                                                                                                Consulte :: Informativo Sinaenco :: 11
        Copa 2014


Projetando o Brasil do futuro
Fórum em Salvador




                                                                                   KARLO DIAS
                                                                                                São Paulo, Recife e Curitiba ofere-
promove debate sobre os                                                                         ceram um panorama da situação
                                                                                                das obras dos estádios e entornos.
gargalos do Brasil para a                                                                       Segundo Guaracy Klein, do Sina-
Copa e a Olimpíada                                                                              enco/DF, o grande desafio é juntar
                                                                                                todos os aspectos que compõem a
                                                                                                Copa do Mundo. “O mais compli-
    O Brasil tem pela frente grandes
                                                                                                cado é fazer a integração de ações
desafios para garantir a infraestrutu-
                                                                                                de segurança, saúde, infraestrutura,
ra necessária para a Copa do Mun-
                                                                                                sustentabilidade. Esse é o grande
do e a Olimpíada. Entre as princi-        Aeroportos e mobilidade urbana
                                          são preocupação para os
                                                                                                legado. Não é só para 30 dias, é para
pais necessidades, destacam-se a
                                          megaeventos esportivos.                               o futuro”, afirmou.
modernização dos aeroportos e a
                                                                                                    O ponto alto do painel foi a apre-
implantação nas cidades-sede de                Durante o encontro, os arquite-                  sentação de Raquel Verdenacci, do
sistemas de transporte público efi-       tos e engenheiros aprovaram a cria-                   Comitê Executivo de São Paulo.
cientes. Essas e outras demandas          ção de um fórum permanente com                        Verdanacci destacou as obras que
estiveram em pauta no Fórum Pro-          o objetivo de abrir canais de diálo-                  serão necessárias para implantação
jetando o Brasil 2014-2016, realiza-      go entre as empresas contratadas,                     do estádio de Itaquera – definido
do em Salvador, de 10 a 12 novem-         o governo e a Infraero. Para Clau-                    em novembro como a arena da ci-
bro, com promoção do Sinaenco e           demiro Santos, presidente do Sina-                    dade para o Mundial – e apontou
do Portal 2014.                           enco/BA, a discussão é de extrema                     os caminhos que serão seguidos
    O Fórum reuniu representantes         importância. “Sentimos falta de po-                   para facilitar a mobilidade na capi-
do poder público e de órgãos go-          líticas mais amplas, integradas no se-                tal paulista.
vernamentais, da Associação Nacio-        tor. Vamos oferecer ao poder pú-                          O último dia do fórum foi mar-
nal de Transportes Públicos (ANTP),       blico um documento com parâme-                        cado pelas apresentações dos pla-
gestores das cidades-sede da Copa,        tros, indicando os problemas e as                     nos das cidades de Salvador, Belo
além de dirigentes do Sindicato e         soluções”, afirmou.                                   Horizonte, Cuiabá e Recife para me-
executivos de empresas de arquite-             No segundo dia de evento, re-                    lhorar o trânsito e o transporte co-
tura e engenharia consultiva.             presentantes de Brasília, Salvador,                   letivo durante a Copa.
    A infraestrutura logística aeropor-
tuária das cidades-sede foi o desta-
que do primeiro dia de fórum. Su-                                         asileiras
                                                                 arenas brasileir
                                            NY se encanta com as arenas brasileiras
perintendente de Obras da Infraero,
Ricardo Ferreira detalhou o progra-            Com apoio do Sinaenco, foi pro-
                                                                                                                                         KARLO DIAS
ma de investimentos da estatal até          movido em Nova York o 2014 Brazil
2014, que prevê aplicação de R$ 6,1         World Cup Architectural Summit,
bilhões em terminais que servem às          que reuniu profissionais brasileiros
cidades-sede.                               envolvidos nos projetos de onze
    Além da preocupação com o rit-          arenas para o Mundial de futebol no
mo das obras e se estas estarão fi-
                                            Brasil. O encontro, realizado na sede
nalizadas a tempo, os participantes
                                            do AIA (Instituto Americano de Ar-                  um panorama da situação atual do
ressaltaram a necessidade de plane-
jamento de longo prazo no setor.            quitetos) nos dias 18 e 19 de no-                   Brasil e das diversas oportunidades
“O planejamento não deve ser para           vembro, contou com exposição so-                    presentes no país, em áreas como
2014 ou 2016, e sim para 2025,              bre os estádios e debates sobre te-                 transporte, energia, saneamento,
2030 e 2050”, afirmou o consultor           mas como tecnologia, urbanismo e                    educação, entre outras. Aproveitou
do Sinaenco, Jorge Hori, lembran-           sustentabilidade.                                   ainda para destacar a competência
do que a demanda por transporte                À frente da comitiva, o vice-pre-                da engenharia e da arquitetura bra-
aeroportuário vem crescendo de              sidente de Arquitetura do Sinaenco,                 sileiras para participar de projetos
forma acelerada.                            Leon Myssior (na foto), apresentou                  no exterior.

Consulte :: Informativo Sinaenco :: 12
12 :: Informativo Sinaenco :: Consulte
                          Sinaenco Brasil



                   Ber nasconi é eleito
                   Bernasconi                                                                        arquitetura e engenharia consultiva. As discussões
                   Engenheiro do Ano
                       enheiro
                   Engenheir                                                                         abordaram temas como caracterização do vínculo
                                                                                                     empregatício, remuneração do empregado e do prestador
                                       Em cerimônia realizada em 13 de                               de serviços, cases sobre fiscalização e autuações,
                                       dezembro, o presidente do Sinaenco/SP,                        formação do passivo trabalhista e soluções de conflitos.
                                       José Roberto Bernasconi, foi agraciado                        O ciclo de debates contou ainda com palestra do
                   com o título de Eminente Engenheiro do Ano. Concedida                             advogado especializado em Direito Trabalhista, Marco
                   pelo Instituto de Engenharia, a premiação visa ao                                 Antonio Oliva, sobre os riscos da terceirização.
                   reconhecimento dos profissionais de destacada atuação
                   na área e/ou de carreira marcada por contínuas
                   contribuições para o aprimoramento da engenharia.
                                                                                                     Transferência de acer vo
                                                                                                       ansferência    acerv
                   Formado pela Escola Politécnica da USP, Bernasconi foi
                   presidente nacional do Sinaenco entre 2006 e 2009 e do                            técnico é tema de palestra
                                                                                                                       palestra
                                                      Instituto de Engenharia                                            O Sinaenco/MG realizou, em 8 de
ARQUIVO SINAENCO




                                                      entre os anos 1985/                                                outubro, palestra sobre transferência
                                                      1987 e 1987/1989.                                                  de acervos técnicos entre empresas,
                                                      Foi também professor                           com o advogado e doutor em Direito Comercial,
                                                      da Poli-USP entre 1970                         Alexandre Cateb, sócio da Salomão Catei Advogados. Em
                                                      e 1975. Atualmente                             sua apresentação, Cateb explicitou as formas legais de
                                                      dirige a Maubertec                             transferência de acervos entre escritórios e profissionais.
                                                      Engenharia e Projetos,                         Segundo o advogado, a transferência de acervos técnicos
                                                      integra o Comitê da                            sempre foi realizada pelas empresas de engenharia e
                                                      Cadeia de Produção da                          arquitetura do país. O modelo também é utilizado nos
                                                      Indústria da Construção                        Estados Unidos e na Europa. “O engenheiro reúne seus
                                                      (Concic/Fiesp) e a                             atestados técnicos e expertises e leva para as empresas
                                                      União Pan-Americana                            contratantes”, disse.
                                                      de Associações de
                                                      Engenheiros (Upadi).
                                                                                                     Fórum Brasil 2014
                                                                                                      órum Brasil
                        omov cursos
                      promo                Brasil
                   IQ promove cur sos pelo Brasil                                                                        Em 10, 11 e 12 de novembro, o
                                                                                                                         Sinaenco/BA recebeu o Fórum
                                        O Sinaenco/PE, por meio de seu                                                   Projetando o Brasil 2014. Além do
                                        Instituto de Qualificação, realizou em                       presidente da regional, Claudemiro Santos Júnior, o
                                        novembro cursos sobre avaliação                              evento contou com a participação do presidente nacional,
                   judicial de bens e imóveis, em São Paulo, montagem de                             João Alberto Viol, dos dirigentes de PE e MG,
                   plano de projeto utilizando a metodologia do PMI, em                              respectivamente, Abel Oliveira Filho e Maurício de Lana, e
                   Alagoas, e técnicas de negociação, na sub-regional de                             do diretor-executivo do Sindicato, Antonio Rolim.
                   João Pessoa. Além dos cursos, o Sinaenco/PE promoveu,
                                                                                  ARQUIVO SINAENCO




                   em outubro, a palestra Obras de terra em solos moles,
                   sobre os principais aspectos de projeto, execução e controle
                   de obras. A palestra foi apresentada pelo engenheiro
                   Alexandre Gusmão, professor da Escola Politécnica de
                   Pernambuco e diretor da Gusmão Engenharia.



                   Ciclo      bates
                            deba
                   Ciclo de debates
                   foca na terceirização
                           terceirização
                                      Em 2 de dezembro, o Sinaenco/RS
                                      organizou ciclo de debates para
                                      representantes de empresas de


                                                                                                                                Consulte :: Informativo Sinaenco :: 13
                    projetos brasileiros




             Biblioteca Mário de Andrade
             Biblioteca          Andrade
             Projeto: José Armênio de Brito Cruz e Renata Semin
             Marco da arquitetura art déco de São Paulo, a
             Biblioteca Mário de Andrade é um projeto de 1935 do
             arquiteto francês Jacques Pilon. O prédio central,
             tombado pelo patrimônio histórico, está sendo
             reformado com projeto do escritório Piratininga
             Arquitetos Associados. A reabertura do conjunto está




                                                                       MAÍRA ACAYABA / DIVULGAÇÃO
             prometida, como anunciou o prefeito Kassab, para o
             aniversário da cidade, em 25 de janeiro de 2011.
             A primeira etapa da obra, a Biblioteca Circulante, foi
             inaugurada em julho. Resta a conclusão do edifício
             maior, onde ficam as salas de pesquisa e a seção de
             obras raras. Além disso, um prédio ao lado foi
             incorporado à biblioteca, para abrigar o acervo de                                     Gaspar, assume o caráter de uma cenografia noturna e
             milhões de itens documentais da Mário de Andrade.                                      urbana, com sua iluminação (ou autoiluminação) vinda de
             A proposta da Circulante, explica a arquiteta Renata                                   dentro, ‘como um abajur aceso’. A nova estrutura,
             Semin, foi a de fazer “intervenções pontuais, que não                                  acoplada à fachada, tem caráter ‘reversível’, permite
             descaracterizassem o volume original de Pilon, já                                      distinguir os elementos introduzidos dos originais.
             dotado de boas práticas de arquitetura, como o                                         Internamente, estantes metálicas funcionam como um
             aproveitamento de luz natural”. O que se fez foi                                       sistema só (de viga, laje e pilar). Parafusada à bancada, a
             requalificar espaços e usos, criando pontos de                                         estante e o conjunto todo suportam o piso do mezanino.
             iluminação dirigida, para maior conforto dos leitores.                                 Elementos decorativos e o mobiliário encontrado
             A biblioteca foi concebida como um elemento da                                         (especialmente projetado) foram restaurados, assim como
             paisagem, sem definição do que seria frente ou fundo.                                  os pisos de madeira. Outros foram substituídos por pisos
             O prédio, integrado ao paisagismo da Praça Dom José                                    de granilite industrial, de cor clara e alta resistência.



                      Arte Moderna
             Museu de Ar te Moder na de Santos
DIVULGAÇÃO




                                                                                                                Integrado à Pinacoteca Benedito Calixto, o
                                                                                                                MAM de Santos ainda não tem previsão para
                                                                                                                início das obras. O projeto é um cubo fechado,
                                                                                                                cindido ao meio por um rasgo horizontal.
                                                                                                                O desenho de linhas modernistas define um
                                                                                                                volume suspenso e suportado por vigas
                                                                                                                metálicas, e em parte apoiado sobre uma
                                                                                                                plataforma vermelha. No vão formado sob essa
                                                                                                                estrutura, serão instalados um café e área de
                                                                                                                convivência. Internamente, o edifício tem três
                                                                                                                pavimentos, e no nível térreo é possível avistar
                                                                                                                os jardins e a Pinacoteca. Implantado em um
                                                                                                                terreno de 2.800m², o museu compreende
             Projeto: Paulo Mendes da Rocha, Martin Corullon,                                       8.180m² de área construída. É uma obra em estrutura
             Anna Ferrari e Gustavo Cedroni                                                         metálica, com fachada revestida de placas pré-moldadas
             O Museu de Arte Moderna de Santos, no litoral de São                                   de concreto. No pavimento térreo, encontra-se a maior
             Paulo, é um projeto do renomado arquiteto Paulo Mendes                                 sala de exposições, de 1.135 m² de área. No segundo e
             da Rocha, em parceria com Martin Corullon, Anna Ferrari                                terceiro pisos, mais duas salas de exposição, e no último
             e Gustavo Cedroni, do escritório Metro Arquitetos.                                     andar local para o arquivo técnico.


             14 :: Informativo Sinaenco :: Consulte
             Novo Ter minal Rodoviário de Belo Horizonte
             Nov             odoviário
                   erminal Rodo                Horizonte
                                                                                                                    tanto à estação de
DIVULGAÇÃO




                                                                                                                    metrô do bairro,
                                                                                                                    como às estações de
                                                                                                                    ônibus urbanos.
                                                                                                                    Além da proximidade
                                                                                                                    com o anel
                                                                                                                    rodoviário, o terminal
                                                                                                                    está próximo da
                                                                                                                    avenida Cristiano
                                                                                                                    Machado e da Linha
                                                                                                                    Verde, importantes
             Projeto: Eduardo Carlos Guerra e Alexei Rabelo                   vias de acesso da capital mineira. O equipamento se
             Com previsão de início de obras em 2011, e conclusão em          desenvolve em dois pavimentos, tem 56 plataformas de
             2012, o projeto do novo terminal de Belo Horizonte, o            embarque e desembarque e cerca de 500 vagas de
             Terminal Rodoviário São Gabriel, na região nordeste da           estacionamento. São 35,5 mil m² de área construída e
             capital mineira, inclui dois setores distintos. Um destinado à   ligação por passarelas à Estação BHBus, assim como
             rodoviária e outro voltado a atividades comerciais e de          ao complexo comercial a ser implantado.
             serviços. O edital para escolha da empresa encarregada da        Este empreendimento comercial tem o propósito de
             construção e operação do terminal foi publicado pela             promover a valorização da região. Além de um hotel com
             prefeitura em novembro. A nova rodoviária, orçada em             14 pavimentos e 240 apartamentos, conta com lojas e um
             aproximadamente R$ 150 milhões, ficará localizada entre a        supermercado, voltados para uma praça de alimentação.
             estação de ônibus metropolitanos (BHBus) de São Gabriel e        Para revitalizar a região, devem ser criados no entorno
             o Anel Rodoviário. Será um sistema moderno, integrado            centros de lazer e compras.



             Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região da Bahia
              ribunal Re                         Re
                                                                                             (IBTH), o desafio aqui foi promover a mínima
DIVULGAÇÃO




                                                                                             intervenção no lote, com uma solução
                                                                                             arquitetônica pontual, composta por
                                                                                             edificações, circulares e estanques, apoiadas
                                                                                             sobre núcleos de circulação vertical.
                                                                                             Os edifícios são interligados por um caminho
                                                                                             suspenso (a 30m do solo), na forma de
                                                                                             passarelas fechadas e envidraçadas que
                                                                                             totalizam 200m de vias lineanes.
                                                                                             Ainda em favor da sustentabilidade da obra
                                                                                             adotou-se o sistema industrializado, com
                                                                                             estruturas metálicas. No mesmo sentido, a
                                                                                             passarela foi projetada com número
                                                                                             reduzido de pilares metálicos, em
                                                                                             comprimentos variáveis de acordo com a
                                                                                             topografia local. A maior intervenção será
             Projeto: João Filgueiras Lima (Lelé)                             nas bordas do lote, onde um corte escalonado de 13m
             O projeto do TRT da 5ª Região da Bahia, em Salvador, é           de altura permitirá a execução de quatro pavimentos de
             um complexo de oito edificações, implantado quase sem            garagem e estacionamento descoberto. A equipe do
             contato com o chão, para deixar preservada a rica e densa        projeto do TRT inclui ainda Beatriz Secco (paisagismo),
             vegetação do terreno de 122 mil m2 de área. Primeiro             Audium (acústica e sonorização), Roberto Vitorino
             projeto do arquiteto baiano João Filgueiras Lima (Lelé) à        (estrutura), Porthos Moreira Gontijo (elétrica), Kouzo
             frente do Instituto Brasileiro de Tecnologia do Hábitat          Nishiguti (hidráulica) e George Raulino (ar-condicionado).


                                                                                                         Consulte :: Informativo Sinaenco :: 15
                     obr as exemplar es
DIVULGAÇÃO




             Sustentável, ecoeficiente, moderno
                 Assinado pelo arquiteto Siegbert Zanettini, em             Maior centro de pesquisa do hemisfério Sul, o
             coautoria com José Wagner Garcia, o projeto de am-         Cenpes priorizou conceitos de ecoeficiência, como o
             pliação do Cenpes - Centro de Pesquisas e Desenvol-        aproveitamento máximo de áreas de sombra e ventila-
             vimento da Petrobras, localizado na Ilha do Fundão,        ção, para minimizar o consumo de energia elétrica e
             Rio de Janeiro, define-se por uma arquitetura contem-      ar-condicionado. Também o paisagismo, concebido
             porânea, ecoeficiente e sustentável. A obra foi execu-     pelo arquiteto Benedito Abbud, valorizou áreas ver-
             tada em quatro anos e inaugurada no dia 7 de outu-         des entre edificações, laboratórios e jardins internos;
             bro passado.                                               externamente, recompôs áreas de mata nativa do en-
                 Com esta ampliação, o Cenpes passou de 122 mil         torno. Os estudos de desempenho ambiental foram
             m2 para 305 mil m2 de área construída. O novo con-         desenvolvidos pelo Laboratório de Conforto Ambiental
             junto compreende 227 laboratórios, espaço adequa-          e Eficiência Energética (Labaut), da FAU-USP.
             do para trabalharem ao mesmo tempo 3.500 pesqui-               A racionalidade do projeto inclui ainda a escolha
             sadores. Destacam-se, entre suas instalações, um cen-      do sistema estrutural – estruturas metálicas desmontá-
             tro de realidade virtual (CRV), biblioteca, restaurante,   veis e modulares, com possibilidade de serem
             orquidário, centro de convenções e edificações de          reaproveitadas na própria obra. Completam o sistema
             apoio, além do centro integrado de processamento de        painéis pré-moldados de concreto, lajes em steel deck,
             dados da Petrobras.                                        telhas e coberturas metálicas.

             16 :: Informativo Sinaenco :: Consulte
                                           Consulte

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:29
posted:1/26/2011
language:Portuguese
pages:16