357 Magnum - Armeria P醙ina Prin

Document Sample
357 Magnum - Armeria  P醙ina Prin Powered By Docstoc
					.357 Magnum




Cartucho de 357
O calibre 357 Magnum não se refere a uma arma especificamente. Alguns
costumam nominar erroneamente “Revólver Magnum”, quando se trata do
“calibre magnum”, quando se fabrica uma munição especial em
determinado calibre. Desenvolvido pela Smith Wesson em 1935, tornou-se
tradição em defesa pessoal para o usuário civil. A especificação adequada
para esse calibre é .357 S&W Magnum.
O 357 Magnum é sempre um calibre tomado por referência no
desenvolvimento dos demais calibres, quando se faz menção de Stopping
Power.
Por se tratar de um calibre desenvolvido e utilizado em revólveres, tentou-se
buscar suas características em uma pistola. A Sig Sauer desenvolveu a
.357 SIG, tentando copiar as características desse calibre magnum em uma
pistola, entretanto o .357 SIG é conhecido por muitos poucos, visto que não
vingou. Até mesmo porque, nesse segmento, o .40 S&W tem preferência no
mercado. Assim foi o 357 Magnum que reinou como arma de defesa
pessoal até a década de 90, quando foram criadas tais pistolas.
O .357 SIG é quase um cartucho de .40 S&W com pontas de 9mm, que
conseguem grande velocidade devido às altas cargas do cartucho mais
largo. Vale ressalvar que o .357 SIG foi assim denominado por questões de
marketing no mercado norte-americano: lá o 9mm não é muito bem visto,
colocar o nome como 9mm SIG poderia acabar com todo o negócio. Estojos
de 40S&W não devem ser reaproveitados para recarga de .357 SIG visto
que estes últimos trabalham em pressões bem superiores, podendo romper
na detonação da pólvora e causar sérios ferimentos, ou mesmo morte ao
atirador e pessoas próximas.
Alguns afirmam que por terem o recuo diminuído ao longo do tempo, as
pistolas teriam superado o domínio absoluto do 357 Magnum, mas a
tradição Norte Americana tem mostrado que não. No Brasil ainda é um
calibre proibido para população civil, e até pouco tempo até para os policiais
federais.
Mesmo com o recuo maior que o do calibre para pistola o .357 SIG, é
apresentado a favor do 357 Magnum a realidade dos confrontos. Para
população civil, que tem arma somente para defesa pessoal não policial, os
confrontos se dão a no máximo 10m de distância, mas em sua maioria o
agressor está a meros 5m. O recuo, nessa distância, não fará muita
diferença, pois um segundo disparo possivelmente não será necessário.
Caso haja necessidade do segundo disparo, com a movimentação do
agressor, será efetuado a aproximadamente dois metros, e com certeza não
importará o recuo nem a precisão dos disparo, pois, a essa distância, o
agressor atingido certamente parará.
Apesar do Poder de Parada (Stopping Power) apresentado por esse calibre,
o poder de perfuração não fica atrás. Por isso nesse calibre é usado
predominantemente o projétil ponta oca, que tanto aumenta o Poder de
Parada como evita que agressor seja transfixado e uma segunda pessoa
por detrás do mesmo seja atingida.
O 357 Magnum pode não apresentar mesma eficiência de uma pistola, pelo
número de balas que comporta um pente, ou pela facilidade de re-municiar,
mas para o usuário não policial, que necessitaria tão somente de uma arma
cano curto com apenas cinco balas, do mesmo tamanho de um revólver 38,
portanto bem compacta, o 357 ainda é considerado por muitos especialistas
a arma ideal para defesa pessoal.
Para um usuário comum, uma arma de fogo tem que pôr o agressor fora de
combate com apenas um disparo, e se possível sem as complicações de
um óbito. O 357 Magnum pode oferecer essa parada mesmo que o
agressor não tenha sido atingido em região vital. Um disparo de 357
Magnum na altura da cintura, pode promover esse resultado não letal de
parada tão esperado. Ou mesmo um disparo na perna pode quebrar um
osso sem promover o óbito, mas sim a parada do agressor.
Alguns estudiosos das ciências exatas chegaram a promover que seu irmão
mais velho, o calibre 44 Magnum, sendo disparado na superfície dura (não
deformável) de um veículo em determinada velocidade e sob um ângulo
específico de colisão, poderia promover o capotamento do mesmo. Assim o
357 Magnum só deixou de ser imperador entre os revólveres quando surgiu
em 1955 o calibre 44 Magnum, mas no segmento de defesa pessoal o 357
não perdeu a majestade.
Assim, o 357 Magnum ainda é considerado por muitos especialistas a arma
ideal para defesa pessoal.



Desenvolvimento
O calibre .357 Magnum foi desenvolvido entre o início e meados da década
de 30 por Elmer Keith, Phillip Sharpe e a empresa Smith & Wesson numa
resposta direta ao .38 Super Automatic da fábrica Colt, sendo introduzido no
mercado em 1934.
Naquele tempo , o .38 Super Automatic era o único cartucho de pistola
capaz de atravessar a lataria de automóveis e os primeiros coletes
balísticos que estavam começando a surgir na época pós Primeira Guerra
Mundial. Testes da época revelaram que esses primeiros coletes resistiam a
qualquer cartucho de arma curta com velocidade inferior a 1000 pé/s. O .38
Super Automatic da Colt ultrapassava levemente esta velocidade, e era
capaz de perfurar as portas dos carros e os primeiros coletes balísticos.
Para mudar a situação, e reafirmar-se como a líder em fornecimento de
armamento para forças policiais, a Smith and Wesson desenvolveu o .357
Magnum.
O novo cartucho foi desenvolvido a partir do .38 Special, adicionando-se
mais pólvora e por fim estendendo o comprimento do estojo em 1/8 de
polegada (3,175 mm). Esta extensão do estojo foi mais por questões de
segurança do que por necessidade de espaço, pois como o .38 Special e o
novo .357 Magnum seriam idênticos externamente, se não houvesse o
alongamento do cartucho, seria possível carregar um cartucho .357
Magnum em um revólver .38 Special, com resultados potencialmente
desastrosos. Estendendo-se o estojo ligeiramente, tornou-se impossível o
uso do cartucho Magnum em armas com o tambor menor do .38 Special.
O .357 Magnum inspirou a criação de outros calibres como o .357
Maximum, que foi introduzido em 1983, e o .357 SIG.

Dados Balísticos
      Winchester projétil de 125 grains (8.1 g) jaquetado ponta oca = 1450
   pés/s (440 m/s), 583 libras.pé (790 J)
      Winchester projétil de 158 grains (10.2 g) jaquetado ponta oca = 1235
   pés/s (375 m/s), 535 libras.pé (725 J)

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:87
posted:10/14/2010
language:Portuguese
pages:3