Docstoc

Projeto_Cidade_Escola-FINAL_20CORRIGIDO-2

Document Sample
Projeto_Cidade_Escola-FINAL_20CORRIGIDO-2 Powered By Docstoc
					Projeto Cidade Escola
     Projeto Cidade Escola



   E.M.E.F. NOSSA SENHORA DE FÁTIMA




          PORTO ALEGRE, JULHO DE 2007
Projeto –Cidade Escola
  Cidade Escola E.M.E.F. Nossa Senhora De Fátima

   Coordenação Cidade Escola Nossa Senhora de Fátima:
           Profª. Neusa de Mattos Dariva

   Cidade Escola SMED:
            Profª. Marilú Fontoura de Medeiros – Secretária Municipal de Educação
            Profª. Luci Maciel Comissoli
            Profª. Valeska da Silva Brum

   Equipe de Apoio:
           Profª. Ana Maria Rodrigues – Diretora
           Profª. Clarice Amaral Berger – Supervisora
           Prof. Marco Antônio Lírio de Mello – Coordenador da EJA
           Profª. Maria de Lourdes Morey Pivetta – Pres. do Conselho Escolar
           Mestranda Ana Carina Timm - Coord. Núcleos Agitação Cultural
           Projeto TIM Música nas Escolas - Porto Alegre

   Realização/Organização do Projeto:
            Profª. Neusa de Mattos Dariva

   Período de Execução do Projeto:
            Agosto de 2007 a Dezembro de 2008

   Público Alvo:
            Alunos e Ex-Alunos da E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima.
            Adolescentes de 14 a 21 anos – alunos ou não – do entorno da
            Escola.
Projeto Cidade Escola
 Cidade Escola – E.M.E.F. Nossa Senhora De Fátima

                                               Apresentação
         Por acreditar que os sujeitos aprendem e são educados em diferentes
   espaços sociais que lhes são oportunizados, a E.M.E.F. Nossa Senhora de
   Fátima, no ano de 2007, adere ao Projeto Cidade Escola - uma iniciativa da
   Secretaria Municipal de Educação (SMED) conforme necessidade apontada pelo
   Plano Nacional de Educação (PNE) de ampliação da jornada escolar para o
   contraturno, visando variados enfoques de aprendizagem – numa tentativa de
   redesenhar a paisagem social e diminuir os índices já instalados de violência
   na comunidade local. Neste contexto, a participação neste Projeto se faz
   justificada.
         Parafraseando KANT, que diz que ― o homem não é nada além do que a
   educação faz dele‖, a ampliação e diversificação do tempo e perfil das
   atividades educacionais propostas na escola, bem como a oportunidade de
   criar novas atividades, fizeram a comunidade docente e a equipe diretiva
   visualizar neste Projeto, uma possibilidade de          qualificação do aluno,
   ampliação de interesses por direitos sociais e a construção da paz cotidiana. A
   proposta da transversalidade, do desenvolvimento de atividades artísticas,
   culturais, esportivas e de inclusão digital, bem como a inserção da comunidade
   local nestes processos educacionais de natureza inclusiva, mostraram ao grupo
   uma possibilidade de desenvolvimento do respeito e melhor convivência com a
   alteridade, construindo um ambiente mais harmonioso e democrático, e a
   emancipação dos sujeitos envolvidos.
Projeto Cidade Escola
 Cidade Escola – E.M.E.F. Nossa Senhora De Fátima
                     BOM JESUS - PORTO ALEGRE

                                                  Contextualização
                                                            Prof. Marco Antônio Lírio de Mello
            Caracterizada como uma das regiões com maiores índices de vulnerabilidade
  social, o Bairro Bom Jesus e mais especificamente a Vila Nossa Senhora de Fátima
  freqüenta com regularidade as páginas policiais dos jornais da capital e mais, encabeça
  vários dos indicadores de exclusão da cidade de Porto Alegre.
            A comunidade da Vila
  Fátima originou-se na década de
  1950, com a transferência, feita
  pelo Poder Público Municipal, de
  algumas famílias para uma área
  particular situadas nos então
  subúrbios da cidade, a partir do
  desmembramento do terreno
  original   dos    herdeiros    de
  Francisco Ferreira Porto, o Barão
  de Caí. Embora nas primeiras
  gerações houvesse a presença
  do êxodo rural, a maioria
  esmagadora dos habitantes é
  hoje composta por gerações
  nascidas e crescidas no meio
  urbano,     com     vínculos    e
  identidades     próprias    desta
  condição.
ProjetoCidade Escola
        Cidade Escola – E.M.E.F. Nossa Senhora De Fátima


           O território caracteriza-se pela presença de muitas vilas que ocuparam áreas
verdes, vias projetadas, encostas de morro e margens de arroios. Destacam-se, de outro
lado, a ausência de Praças e Parques, a maior densidade demográfica de crianças e
adolescentes da cidade e a mais baixa renda no município.
           Os dados demográficos desta população (Censo 2000) sugerem riscos para
maior morbidade e mortalidade por todas as causas, em todas as idades, quando
comparados com outras populações. Dos cerca de mil domicílios, 98% são considerados
subnormais e abrigam 4,5 pessoas; 67% das famílias têm renda menor do que dois
salários mínimos e 45% dos chefes de família têm menos de 4 anos de estudo. A coleta
de lixo é realizada indiretamente na maioria das residências; o saneamento é deficiente,
predominando a presença de fossas rudimentares ou valas de esgoto (Campus PUC-RS).
           Sua população é extremamente jovem, 42% têm no máximo 19 anos; com
até 4 anos de idade são 3.363 crianças, tendo a maior densidade de crianças por km²
com relação a outros bairros; 35,2% das crianças em situação de rua em Porto Alegre
têm origem neste bairro, e 24,24% das crianças da região leste estão em situação de
rua (dados da FASC); a predominância de mulheres começa a partir do grupo etário
de 15 a 19 anos, tendo como motivo provável a violência entre os homens.
           Há temas, não nominados explicitamente, que perpassam todas as relações de
poder que são a presença do tráfico de drogas e violência (doméstica, sexual, crimes,
brigas de gangs, etc). Muitas crianças, diariamente, são encontradas catando lixo para
venda, junto com adultos ou mesmo submetidas à exploração sexual infantil nas
proximidades da CEEE e na Intercap.
Projeto Cidade Escol
         Cidade Escola – E.M.E.F. Nossa Senhora De Fátima


     Além disso, a observação empírica constata o que as estatísticas mais recentemente
vêm apontando: o recorte étnico-racial como sendo um componente central da
comunidade. A região leste da cidade compreende o segundo maior percentual de
população negra da capital, 12,4%, só perdendo para o Partenon, com 13,2%. Esse
índice, por si só, evidencia a guetização a que, historicamente, foi sendo submetida a
população afrodescendente, cada vez mais longe do centro financeiro, cultural e
econômico, empurrada para as periferias da cidade.
     Embora reconheçamos a importância de iniciativas do Poder Público, que ao longo
das sucessivas gestões tem qualificado as condições de vida da população, o quadro ainda
permanece em muitos aspectos, desafiador, haja vista os dados que destacamos. Em
especial, os jovens carecem de alternativas, seja em relação ao mundo do trabalho, seja
de permanência no próprio bairro. A superação da estigmatização a que são submetidos -
por serem da ―Bonja”, empobrecidos e majoritariamente negros - passa, na nossa
perspectiva, pelo empoderamento que o protagonismo juvenil pode trazer: criando
condições para construção de projetos de vida emancipatórios e solidários, evidenciando
que a saída para a superação das limitações vividas pode ter na escola pública
um imprescindível locus de afirmação de uma cidadania ativa e libertária.
objetivos Objetivos

Objetivo Geral
        Possibilitar aos jovens da escola e da comunidade o acesso a diferentes modos de
aprendizagem e a atuação na sociedade, utilizando-se, para isso, a criação, diversificação, qualificação e
pontecialização de tempos e espaços na educação infantil, fundamental e EJA.

Objetivos Específicos
-Fortalecer a convivência entre as crianças e adolescentes, aproximando famílias e escola de suas
comunidades.
-Construir o conceito de escola como um espaço democrático e de participação, que oferece qualidade
de ensino.
-Trazer a comunidade para o cotidiano escolar, oportunizando o desenvolvimento do protagonismo
desses indivíduos como autores legítimos do processo, atendendo a necessidade de formação de um
cidadão mais consciente e participativo.
-Estreitar laços de convivência ‗além muros‘ escolares, para que surjam novos pactos sociais com a
comunidade do entorno da escola, potencializando ações de parcerias com associações comunitárias,
ONGs,sindicatos e empresas privadas do entorno, ou não, formando uma rede de contatos e parceiros
que venham a legitimar o processo.
quem participa
Quem participa
O Projeto terá a
E.M.E.F.    Nossa      E.M.E.F. Nossa
Senhora          de   Senhora de Fátima
Fátima        como      (professores,
palco          para     funcionários,              Secretaria Municipal
reforçar e ampliar      pais e alunos)                de Educação
o aproveitamento
escolar,
potencializar     a
rede de proteção
da criança e do
adolescente,
através          da          Cidade Escola
interação       em
rede dos atores                                         Moradores da
sociais
                                                        Comunidade
envolvidos.

                       Associações Comunitárias,
                           ONGs, Sindicatos,
                                Clubes,
                          Poder Público local,
                          Empresas Privadas
estrutura
Estrutura

   1. Núcleos de
  Aprendizagem


     O primeiro pilar do Projeto na E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima é o dos Núcleos
de Aprendizagem, onde serão oferecidas atividades que potencializem nos alunos as
condições para apropriações de ações e espaços artístico-culturais e esportivos.

Núcleo de Artes - Profª. Marília Real Guerra – 10 h - vide anexo I

Núcleo de Música –Profª. Dinah da Silva Santos – 20 h – vide anexo II
- Monitoria de Música: Aristides de Araújo Santos Filho – 10 h

Núcleo de Esportes- Prof. Carlos Eduardo Berwanger – 10 h - vide anexo III
- Monitoria de Esportes: Régis Guimarães - 10 h
  estrutura
      Estrutura
                                                     O segundo pilar do projeto é, na
                                           E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima,       o da
   2.Cooperativa de                        Cooperativa de Comunicação Comunitária que
                                           será estruturada em três eixos: o trabalho
     Comunicação                           educativo, a economia popular e solidária e a
                                           edu-comunicação.
       Comunitária
                                                    Dirigida a adolescentes entre 14 e 21
                                           anos, que estejam freqüentando escola e que
                                           sejam da comunidade, não necessariamente da
Núcleo de Jornal – vide anexo IV           escola.
 Luciano da Silva Amaral – 10 h
                                                      A carga horária será de 10 horas, para
Núcleo de Informática-vide anexo VI        cada professor/monitor, sendo 6 horas-aula
 Luciano da Silva Amaral – 10 h            distribuídas em 2 encontros semanais de 3
                                           horas-aula, no seguinte horário: 17h50min às
Núcleo da Rádio- vide anexo V              20h20min. As 4 horas restantes, serão
Prof. Jesualdo Freitas de Freitas – 10 h   destinadas para planejamento.
                                                     Objetivando     contribuir  para  a
                                           formação crítica dos participantes quanto ao
                                           papel dos Meios de Comunicação Social em
                                           nosso país, apontando para a necessidade de
                                           elaboração e implementação de projetos
                                           criativos, participativos      e atrativos de
                                           Comunicação Comunitária .
estratégias
Envolvimento e Avaliação contínuos

                              1. Formação e Envolvimento
                               dos Educadores, Avaliação

            Visando um ensino de qualidade, para que se tenha o envolvimento
 desejado dos educadores do Projeto Cidade Escola na E.M.E.F Nossa Senhora de
 Fátima, propõe-se, ao longo das atividades do Projeto, que sejam feitas formações
 pedagógicas continuadas, oportunizadas pela Secretaria Municipal de Educação, de
 forma social, descentralizada e participativa. Formações que tragam temas
 interessantes e esclarecedores para o debate, que permitam aos educadores
 constituir-se enquanto grupo de trabalho, como também reiterar-se continuamente
 da proposta, para que mantenham a crença nela.
            Oportunizar encontros de avaliação, discussão entre o grupo sobre
 facilidades e dificuldades, e até encontros periódicos com a comunidade e os
 alunos, transformando este espaço em ferramenta de cidadania e participação.
            Acredita-se que estas ferramentas sejam fundamentais na execução dos
 objetivos já descritos.
estratégia
Estratégia

          Para conquistar o público
alvo e trazê-lo para a escola, no            2. Formação do
contraturno, para participar das
atividades do Cidade Escola, a                   Grupo e
E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima,
através    de    sua   equipe     de       Envolvimento dos
coordenação e cooperação no
Projeto,     pretende    fazer     a            Alunos
divulgação da proposta e realizar
o convite às pessoas, apostando no ferramental humano. A idéia, além de
divulgação nos moldes tradicionais – cartazes, rádio poste escolar, divulgação
direta nas salas de aula, etc, é a de se criar uma comissão que faça, já nos
primeiros dias de agosto, visitas às moradias de alunos e ex-alunos, convidando-
os a integrar-se ao Cidade Escola. Acredita-se que o uso desta metodologia leve
ao sucesso da proposta.
         Esta visitação visa sensibilizar e comprometer os indivíduos, assim
como demonstrar que a adesão e a participação de cada um é fundamental para o
sucesso do Projeto, suas bases e princípios. Configura-se já o primeiro passo de
aproximação comunidade-escola, criando laços.
estratégia
Estratégia

                                                3. Formação da
                                                    Rede de
                                                   Cooperação

            Na possibilidade de firmar parcerias potencializadoras, e atendendo
 às diretrizes do projeto Cidade Escola, a mesma comissão de visitas às
 famílias da comunidade conversará com representantes das entidades sociais
 locais, como associações comunitárias, ONGs, clubes, universidade, poder
 público local e variadas instituições, a fim de propor e firmar parcerias e
 cooperação nestas atividades.
estratégia Metodologia
          Na E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima, o
Projeto Cidade Escola contará com uma equipe de
Coordenação de Projeto, uma equipe de Apoio e a
                                                          4. Metodologia
equipe de Operacionalização das Atividades
propostas. Trabalhando em conjunto, farão com que
os objetivos e metas propostos se concretizem em
modos de ação, fazendo uso, para tanto, dos
equipamentos sociais da escola e da cidade.
          Visando reforçar e maximizar o aproveitamento escolar e ampliar a rede de
proteção da criança e do adolescente, bem como redesenhar a paisagem social e os
graves índices de violência da comunidade em que a escola está inserida, esta rede
de parcerias sociais desenvolverá atividades no turno inverso do aluno, na escola,
ampliará os espaços e tempos de aprendizagem, e apropriar-se-á dos espaços da
cidade, principalmente através de parcerias, geração de renda e promoção de
protagonismos e de abertura a singularidades.
         Para atender a esta necessidade e proposta, o Projeto fará uso de Núcleos
de Aprendizagem – Artes, Música e Esportes; e da Cooperativa de Comunicação
Comunitária – Rádio, Jornal e Informática.
         Serão feitas avaliações das equipes e dos alunos participantes,
constantemente, através de reuniões periódicas, enfatizando sempre a ferramenta
democrática da discussão das dificuldades e prosperidades.
     estratégia
           Infra-estrutura
                                                5. Infra-estrutura Física
CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO CIDADE ESCOLA

            A execução do Projeto e de seus Núcleos de Aprendizagem – Artes,
  Música e Esportes; e da Cooperativa de Comunicação Comunitária – Rádio, Jornal e
  Informática, na E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima, demandará a construção de
  instalações apropriadas para tal.
             Devido às condições atuais de falta de espaço físico na escola, para
  implementação de qualquer outra nova atividade, será necessária a construção de
  um novo prédio no terreno da escola para o funcionamento das oficinas do Projeto
  Cidade Escola. O início das atividades, no espaço físico existente, terá o caráter
  provisório, pois a comunidade escolar e a coordenacão deste Projeto, na escola,
  avaliam que para o bom funcionamento e o real aproveitamento da proposta, a
  construção desse espaço é imprescindível.
             Para tanto, a escola solicita a visita do Departamento de Gestão de Obras
  da Secretaria Municipal de Educação, para avaliações das condições necessárias à
  viabilização de um prédio com salas contendo recursos específicos para as
  atividades mencionadas acima (isolamento acústico para rádio, pias para oficina de
  artes, banheiros, etc.). O orçamento dessa demanda só poderá ser feito após a
  visita dos técnicos competentes, construção da planta, medições, avaliação do
  terreno, projeto arquitetônico, etc.
             A E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima e sua equipe de coordenação do
  Projeto Cidade Escola aguardam os devidos encaminhamentos junto ao
  Departamento de Obras da SMED, para viabilizar o quesito infra-estrutura física aqui
  explicitado.
Cronograma
  Ações
                                                  Cronograma do Projeto


                            Atividades                        Período de Execução


 Entrega de projeto.
 Divulgação, convite aos alunos e comunidade.
 Formação para educadores.
 Recebimento de material.                                     agosto/setembro
 Início dos atendimentos conforme previsto em cada projeto         2007
dos Núcleos.
 Recebimento de material listado e orçado para atividades.

   Consolidação dos atendimentos.
   Primeira avaliação do processo.
   Primeira avaliação dos alunos.                            outubro/novembro/
   Formação para educadores.                                   dezembro 2007
   Relatório de atividades realizadas em 2007.
   Prestação de contas.
  Cronograma
                  Atividades - Continuação                      Período de Execução


 Divulgação das atividades.
 Retomada de atividades junto aos alunos.
 Recapitulação dos conteúdos já vistos.                        primeiro semestre de
 Formação de educadores.                                               2008
 Reuniões de avaliação – permanentes.
 Avaliação dos alunos.
 Relatório de atividades referente ao semestre.
 Apresentação dos primeiros objetivos alcançados e dos
resultados obtidos.
 Prestação de contas.


 Continuação dos atendimentos e atividades previstas em cada
projeto.                                                        segundo semestre de
 Reuniões de avaliação – permanentes.                                 2008
 Apresentação dos objetivos alcançados e dos resultados
obtidos.
 Relatório de atividades referente ao semestre.
 Prestação de contas.
Núcleo Artes
Estrutura-anexo I
                                                     Núcleo de Artes
                                                        Profª. Marília Real Guerra

     Oficina de Criatividade com Materiais Recicláveis
      A arte-educação visa oportunizar situações em que o aluno desenvolva
a percepção, a sensibilidade, o autoconhecimento, a estrutura cognitiva e a
reflexão ao realizar e fruir produções artísticas, expressando-se            e
comunicando-se em artes, mantendo uma atitude de busca individual e / ou
coletiva, que o prepare para sua realização pessoal e social, além das
ofertas tradicionais e que contemple o público que tenha interesse pelas
artes, esta é com certeza a grande justificativa deste projeto.
      Este projeto tem como fato gerador a necessidade de atender aos
anseios de expressão que se evidenciam nos jovens da atualidade, conforme
interesse e solicitação de alguns alunos da oficina de criatividade em
expressar-se através do desenho de graffiti.
      Objetivando oportunizar situações em que o aluno possa desenvolver
sua capacidade expressiva, reciclando materiais através de atividades e
técnicas de expressão criadora, visando a preparação e orientação do
mesmo para o aproveitamento criativo do tempo livre, como é o caso onde
se situa a nossa escola. Enfocar a arte mural, relacionando-a com as
manifestações gráficas – graffiti- da atualidade, dando ênfase aos aspectos
históricos e sociais da Pré-história, do Egito e da Grécia, fazendo co-relação
com os muralistas mexicanos, Basquiat na América do Norte e com Portinari
no Brasil.
Núcleo Artes
Oficina de Criatividade
•     Divulgação da oficina em sala de aula.
•     Inscrição espontânea dos alunos.
•     Formação de turma por faixa etária.
•     Debate com os alunos sobre a poluição do meio-ambiente, buscando a conscientização
      da necessidade de preservarmos o nosso planeta, evitando excesso de lixo que
      produzimos.
•     Consideração da importância do reaproveitamento de materiais recicláveis na
      construção de objetos criativos e até mesmo obras de arte, ou artesanato que poderá
      se tornar fonte de renda familiar.
•     Paralelo de suas criações com obras de artistas que se utilizam desse tipo de materiais
      para suas criações artísticas.
•     Sempre que possível fazer visitação a exposições e/ou museus de arte.
•     Seleção e organização dos materiais recolhidos ou recebidos da comunidade escolar.
•     Levantamento de interesses doa alunos; Realização de atividades criadoras.
•     Exposição dos trabalhos realizados.
Graffitti
•     Relação da forma de expressão dos jovens com as manifestações artísticas através da
      história, estudando as variações murais da Pré-história, do Egito e da Grécia, México e
      Brasil (século XX).
•     Promoção ao alunado de sua expressão em grandes espaços, possibilitando um
      trabalho coletivo com vista à construção de identidade, solidariedade e respeito ao
      trabalho do outro.
•     Avaliação do desempenho e atuação da oficina durante os semestres.
Público alvo: pré-adolescentes e adolescentes do 3° ciclo e 3ª série do 2° ciclo.
Horário de atendimento: será dentro do previsto pelo SSE da escola no espaço de 10 horas
      destinadas para o projeto.
  Núcleo Artes
    Ações
Cronograma de Execução das Atividades
Os atendimentos aos alunos do Núcleo de Artes funcionarão por módulos conforme quadro abaixo:

              ATIVIDADES                        TURMAS/NºDE ALUNOS                       PERÍODO
                                                  MANHÃ     TARDE                      DE EXECUÇÃO

MÓDULOS                                           Turma I        Turma II
 Criatitivade com materiais                       12 a 15         12 a 15
                                                                                  Durante todo o projeto
recicláveis                                       alunos          alunos


                                                 Turma III       Turma IV
 Desenho de Grafismo - Pesquisa na
                                                                                Agosto a Outubro de 2007
Internet
 Grafismo em papel ofício                                                       Agosto a Outubro de 2007
                                                  12 a 15         12 a 15
 Graffiti em papel pardo com tinta                                             Novembro/Dezembro 2007
                                                  alunos          alunos
 Graffiti nas portas dos banheiros                                                 1º semestre de 2008
 Graffiti nos muros do pátio                                                       2º semestre de 2008
  Obs.: O atendimento aos alunos do Núcleo de Artes será de um módulo (de 80 min)
  para cada turma, semanalmente.
Núcleo Música
Estrutura-anexo II
                                                  Núcleo de Música

                                                    Profª. Dinah da Silva Santos

      Reconhecida principalmente como arte e lazer, a música pode exercer um
papel importantíssimo na educação, com enormes benefícios para os indivíduos
e para toda a sociedade.Ter contato com a musicalidade é um diferencial
importante para o desenvolvimento de todo ser humano. O estudo de um
instrumento musical ou do canto pode aumentar a produtividade no trabalho,
além de ajudar nas relações pessoais.
      A música tem sido, historicamente, usada como ferramenta pedagógica de
apoio na maioria das escolas, seu papel geralmente está reduzido a facilitar
aprendizagens de outros conteúdos, de outras disciplinas.
      Na E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima há uma especial dedicação e atenção
à oferta da educação musical, objetivando desenvolver as potencialidades do
aluno, promover a integração da comunidade escolar através da música,
proporcionar experiências musicais aos alunos para que busquem sua integração
na escola e na comunidade, oferecer o estudo de instrumentos musicais como:
flauta doce, teclado, violão e outros, promover apresentações musicais na escola
e na comunidade. Têm-se atendido alunos interessados no aprendizado musical
há alguns anos.
      Esta iniciativa tem sua justificativa no fato de que a visão da educação
musical como ferramenta de apoio está cada vez mais obsoleta, sendo dia-a-dia
substituída pela visão de que a música é sim uma ferramenta de mudança social.
Núcleo Música
     Uma linguagem universal, que adentra no ser humano e mexe com o que
tem de mais profundo na sua memória primitiva, é o veículo de acessibilidade a
um mundo de possibilidades, desconhecido para muitos alunos desta
comunidade.
     Com as metas de formar conjuntos musicais, integrar as atividades
musicais da Oficina de Musicalização com a sala de aula, tirar as crianças da rua,
oferecendo-lhes uma forma de aprender diferenciada no contraturno escolar, é a
que este trabalho se propõe, alterando os indicadores de violência e
redesenhando a paisagem local.
     Na busca da viabilização desta proposta, o trabalho se estruturará através
de:
•    Ampliação das horas de estudo dos alunos do Projeto de Música já
     existente na Escola.
•    Gravação de CD em estúdio, pelo grupo de alunos que formam o Núcleo
     de Música.
•    Apresentação dos trabalhos resultantes do Projeto Cidade Escola em
     eventos da Escola, Comunidade e da Secretaria Municipal de Educação da
     Prefeitura Municipal de Porto Alegre.
Núcleo Música       Ações
     Cronograma de Execução das Atividades
     Os atendimentos (aulas) aos alunos da Oficina do Núcleo de Música funcionarão por
NÍVEIS, conforme quadro abaixo:
                  NÚMERO DE   NÚMERO DE
   NÍVEIS          ALUNOS      ALUNOS
                                                 PERÍODO DE EXECUÇÃO
                  MANHÃ       TARDE
   Flauta 1          15          15             Agosto/2007 a Dezembro/2008
   Flauta 2          10          10             Agosto/2007 a Dezembro/2008
   Flauta 3          5           5              Agosto/2007 a Dezembro/2008
   Flauta 4          5           5              Agosto/2007 a Dezembro/2008
   Teclado 1         6           6              Agosto/2007 a Dezembro/2008
   Teclado 2         4           4              Agosto/2007 a Dezembro/2008
   Teclado 3         3           3              Agosto/2007 a Dezembro/2008
   Violão 1          6           6              Agosto/2007 a Dezembro/2008
   Violão 2          4           4              Agosto/2007 a Dezembro/2008


Observação:
1. Será condição obrigatória que os alunos tenham conhecimento do primeiro nível para
então passarem para o segundo, e assim sucessivamente, até vencerem todos os níveis
de cada instrumento objeto da sua aprendizagem.
2. A dinâmica das aulas já existentes terá continuidade com a ampliação da carga horária
e o aproveitamento do estudo dos instrumentos, estudo esse já adquirido pelos alunos.
Núcleo Esportes
Estrutura-anexo III
                                                              Núcleo de Esportes
                                                              Prof. Carlos Eduardo Berwanger

         Esta proposta de trabalho, de desenvolvimento de educação através do esporte, justifica-se
pelo fato desta vertente educacional ser um dos maiores fenômenos sociais da humanidade que
possui forte aceitação e identificação com as camadas populares da sociedade, além de possibilitar
diferentes aprendizagens. No contexto sócio-econômico onde a E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima
está inserida, no qual muitas formas de violência cotidiana são geradas e potencializadas, esta ação
é mais que uma possibilidade, é uma necessidade. Os benefícios que permeiam o ambiente das
atividades físicas e do esporte são gigantescos, permitindo a construção de valores individuais e
coletivos como respeito, compreensão, solidariedade, cooperação, convivência, disciplina,
autoconhecimento, entre outros. Na sociedade do conhecimento e da informação, tão importante
quanto o saber conhecer, está o saber ser, conviver, fazer e aprender. O esporte, por sua natureza
relacional, possibilita o desenvolvimento destas competências atitudinais, conceituais e
procedimentais. Acreditamos que estas aprendizagens perdurarão por toda vida e serão
extremamente significativas na formação de futuras lideranças sociais.
         O objetivo geral deste Núcleo é promover o desenvolvimento da comunidade escolar,
procurando diminuir os índices de violência.
         A metodologia será centrada no jogo esportivo adaptado, nos jogos cooperativos e
recreativos e no jogo formal. As aulas acontecerão duas vezes por semana, sendo uma vez no turno
da tarde( sextas-feiras) e uma vez no turno da manhã(terças-feiras). O s alunos serão divididos por
faixas etárias, em três grupos.
         A avaliação será permanente e acompanhará todas as etapas do mesmo. Será expressa
através de relatórios e pareceres elaborados pelo conjunto de gestores envolvidos no projeto.
Núcleo Esportes
QUADRO DE HORÁRIOS E CLASSIFICAÇÃO DAS TURMAS:

Terça manhã
    HORÁRIO      MODALIDADE           FAIXA ETÁRIA        VAGAS
  9:00 – 10:00     Voleibol       8 aos 12 anos – misto     20
 9:00 – 10:00      Voleibol      13 aos 15 anos – misto    20
10:00 – 11:00    Basquetebol      8 aos 12 anos – misto    20
10:00 – 11:00    Basquetebol     13 aos 15 anos – misto    20
11:00 – 12:00      Futsal         8 aos 12 anos – misto    20
11:00 – 12:00      Futsal        13 aos 15 anos – misto    20


Sexta tarde
   HORÁRIO       MODALIDADE           FAIXA ETÁRIA        VAGAS
 14:00 – 15:00     Voleibol       8 aos 12 anos – misto     20
14:00 – 15:00      Voleibol      13 aos 15 anos – misto    20
15:00 – 16:00    Basquetebol      8 aos 12 anos – misto    20
15:00 – 16:00    Basquetebol     13 aos 15 anos – misto    20
16:00 – 17:00      Futsal         8 aos 12 anos – misto    20
16:00 – 17:00      Futsal        13 aos 15 anos – misto    20
Núcleo Esportes
   Ações
Cronograma de execução das Atividades
            Ações da 1ª fase                                   Período
Divulgação e inscrições.                      De 03 a 17 de agosto de 2007
Elaboração dos critérios de seleção e
                                              De 03 a 17 de agosto de 2007
permanência.
                                              21 de agosto – turmas de 3ª feira
Início das atividades com os alunos.
                                              24 de agosto – turmas de 6ª feira
Oficinas de basquetebol, voleibol e futsal.   De agosto a dezembro de 2008
Torneio de encerramento das atividades.       Dezembro
Encontro de avaliação.                        18 de dezembro

            Ações da 2ª fase                                  Período
Divulgação e inscrições.                      De 03 a 14 de março de 2008
Elaboração dos critérios de seleção e
                                              De 03 a 14 de março de 2008
permanência.
                                              18 de março – turmas de 3ª feira
Início das atividades com os alunos.
                                              28 de março – turmas de 6ª feira
Oficinas de basquetebol, voleibol e futsal.   De março a julho de 2008
Torneio de encerramento das atividades.       Julho

Encontro de avaliação.                        15 de julho
                                                                                   .



 Núcleo Esportes
            Ações da 3ª fase                                   Período

Divulgação e inscrições.                      De 01 a 08 de agosto de 2008

Elaboração dos critérios de seleção e
                                              De 01 a 08 de agosto de 2008
permanência.

                                              12 de agosto – turmas de 3ª feira
Início das atividades com os alunos.
                                              15 de agosto – turmas de 6ª feira

Oficinas de basquetebol, voleibol e futsal.   De agosto a dezembro de 2008

Torneio de encerramento das atividades.       Dezembro

Encontro de avaliação.                        19 de dezembro


 As vagas estarão abertas enquanto não forem preenchidas. As turmas do Núcleo de
 Esportes serão estruturadas por idade e não por níveis de desempenho.
  Núcleoanexo IV
    Estrutura - Jornal
                               Núcleo de Comunicação Comunitária
                                 Jornal – Cooperativa Educacional
                                                                   Luciano da Silva Amaral
JUSTIFICATIVA
          Conforme a Lei de Diretrizes e bases da Educação - Lei 9.394, de 20 de dezembro
 de 1996:
Art.1º - ―A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na
convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos
sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais.‖
§ 2º - ―A Educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social.‖
Art.2º - ―A Educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos
ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando,
seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.‖
Art.3º - ―O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
II - liberdade de aprender, ensinar pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o
saber;
III – pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas;
IV – respeito à liberdade e apreço à tolerância;
V – coexistência de instituições públicas e privadas de ensino;
    Núcleo Jornal
IX – garantia de padrão de qualidade;
X – valorização da experiência extra-escolar;
XI – vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais.‖
          Os jovens e adultos alfabetizados de localidades de baixa renda e escolaridade,
normalmente são excluídos das novas tecnologias de mídias, bens de consumo, cultura, escola,
assim como também até de uma boa alimentação.
          O objetivo principal de incluir e atualizar esses cidadãos nos itens abordados, vem tentar
amenizar essa desigualdade.
           As inovações e suas constantes atualizações tornam maior as diferenças e as
oportunidades dos indivíduos que têm acesso, com os que não têm acesso, aumentando a
desigualdade social e cultural da população excluída, tornando mais difícil o acesso ao trabalho, à
escola e ao meio cultural de nossa sociedade.
            Criação de um Jornal feito e elaborado pelas crianças e adolescentes a partir de uma
―Oficina‖, onde os mesmos, incentivados por um ―Oficineiro‖ (Educador/Monitor), farão a redação,
coleta das informações, editoração e distribuição dos exemplares na escola.
            O objetivo geral é promover o protagonismo, sensibilizando as pessoas (crianças e
adolescentes) de que são sujeitos ativos das decisões de suas vidas e que isso influenciará no seu
futuro e na sua família, assim como na comunidade, através de ações coletivas e solidárias que
desenvolvam a consciência da vida em sociedade.
Núcleo Jornal
           Os objetivos específicos são: melhorar a escrita e conjugação dos verbos,
plurais e singulares; correção de erros de fala; percepção dos acontecimentos; crítica e
análise das notícias. Proporcionar condições de desenvolvimento das capacidades de:
observação, iniciativa, disciplina e concentração; dominar a informática através de contato
com o computador e periféricos; desenvolver o equilíbrio emocional para resolver situações
adversas; estimular o desenvolvimento do raciocínio lógico.

           A proposta metodológica visa, através do público alvo que são jovens e
adolescentes da escola e comunidade:
• Formação de grupo – adolescentes.
• Escolha e adaptação de uma sala para a redação.
• Escolha das matérias a serem abordadas.
• Coleta de dados.
• Montagem e editoração das informações captadas.
• Distribuição do material impresso (jornal).
   Núcleo Jornal
      Ações
  Cronograma de Execução das Atividades
                                                                   Nº. DE            Nº. DE
                          ATIVIDADES                                      PERIODO
                                                                  TURMAS            ALUNOS
1. Divulgação, cadastro e visitações às moradias dos inscritos
                                                                          Agosto
para avaliação e complementação dos cadastros.
                                                                           2007
2. Montagem das turmas, informação aos selecionados.
1. Reunião de apresentação do projeto, monitores/educadores,
                                                                    A2
alunos/educandos, coordenação específica e geral do projeto.
2. Reconhecimento da sala e demais dependências destinadas               Setembro
ao projeto.                                                                2007
                                                                    B2
3. Histórico breve da imprensa no mundo e sua evolução.
4.Formatação da estrutura de um jornal.

1. Definição de montagem e editoração do jornal, atribuição de      A2
quadros e responsáveis pelos mesmos.
2. Captação dos conteúdos a serem divulgados na 1º edição do              Outubro




                                                                                      20
jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.                              2007
                                                                    B2
3. Criação de uma rede de distribuição do jornal e distribuição
do mesmo.
1. Avaliação e repercussão da 1ª edição do jornal.                  A2
2. Montagem da 2ª edição do jornal.
3. Editoração, avaliando de forma mais didática a gramática
                                                                         Novembro
utilizada, assim como as expressões trabalhadas.
                                                                    B2     2007
4. Captação dos conteúdos a serem divulgados na próxima
edição do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.
5. Distribuição do jornal.
 Núcleo Jornal
1. Avaliação e repercussão da edição do jornal.
2. Montagem da próxima edição do jornal.
3. Editoração, avaliando de forma mais didática a gramática   A2
utilizada, assim como as expressões trabalhadas.
4. Captação dos conteúdos a serem divulgados na edição              Dezembro
seguinte do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.             2007
5. Distribuição do jornal.
6. Criação, gravação e apresentação de um jornal para os
professores, alunos e convidados, num espaço apropriado       B2
na Escola.
1. Reconhecimento da sala e demais dependências
                                                              A3
destinadas ao projeto.                                               Março
2. Histórico breve da imprensa no mundo e sua evolução.               2008
                                                              B3
3. Formatação da estrutura de um jornal.
1. Definição de montagem e editoração do jornal, atribuição
de quadros e responsáveis pelos mesmos.                       A3
2. Captação dos conteúdos a serem divulgados na 1º edição             Abril
do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.                      2008
                                                              B3




                                                                               20
3. Criação de uma rede de distribuição do jornal e
distribuição do mesmo.
1. Avaliação e repercussão da 1ª edição do jornal.
2. Montagem da 2ª edição do jornal.                           A3
3. Editoração, avaliando de forma mais didática a gramática
                                                                      Maio
utilizada, assim como as expressões trabalhadas.            _______
                                                                      2008
4. Captação dos conteúdos a serem divulgados na próxima
edição do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.       B3
5. Distribuição do jornal.
  Núcleo Jornal
1. Avaliação e repercussão da edição do jornal.
2. Montagem da próxima edição do jornal.                      A3
3. Editoração, avaliando de forma mais didática a gramática
                                                                   Junho
utilizada, assim como as expressões trabalhadas.
                                                                   2008
4. Captação dos conteúdos a serem divulgados na edição        B3
seguinte do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.
5. Distribuição do jornal.
1. Avaliação e repercussão da edição do jornal.
2. Montagem da próxima edição do jornal.                      A3
3. Editoração, avaliando de forma mais didática a gramática
                                                                   Julho
utilizada, assim como as expressões trabalhadas.
                                                                   2008
4. Captação dos conteúdos a serem divulgados na edição        B3
seguinte do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.
5. Distribuição do jornal.
1. Avaliação e repercussão da edição do jornal.
2. Montagem da próxima edição do jornal.                      A3
3. Editoração, avaliando de forma mais didática a gramática
utilizada, assim como as expressões trabalhadas.
4. Captação dos conteúdos a serem divulgados na edição             Agosto
seguinte do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.           2008
5. Distribuição do jornal.                                    B3
6. Criação, gravação e apresentação de um jornal para os
professores, alunos e convidados, num espaço apropriado
na Escola.
  Núcleo Jornal
1. Reconhecimento da sala e demais dependências destinadas    A1
ao projeto.                                                        Setembro
2. Histórico breve da imprensa no mundo e sua evolução.       B1     2008
3. Formatação da estrutura de um jornal.
1. Definição de montagem e editoração do jornal, atribuição
de quadros e responsáveis pelos mesmos.                       A1
2. Captação dos conteúdos a serem divulgados na 1º edição          Outubro
do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.                    2008
3. Criação de uma rede de distribuição do jornal e            B1
distribuição do mesmo.
1. Avaliação e repercussão da 1ª edição do jornal.
2. Montagem da 2ª edição do jornal.                           A1
3. Editoração, avaliando de forma mais didática a gramática
                                                                   Novembro




                                                                              20
utilizada, assim como as expressões trabalhadas.
                                                                     2008
4. Captação dos conteúdos a serem divulgados na próxima       B1
edição do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.
5. Distribuição do jornal.
1. Avaliação e repercussão da edição do jornal.
2. Montagem da próxima edição do jornal.                      A1
3. Editoração, avaliando de forma mais didática a gramática
utilizada, assim como as expressões trabalhadas.
4. Captação dos conteúdos a serem divulgados na edição             Dezembro
seguinte do jornal, colunas, textos, fotos e depoimentos.            2008
5. Distribuição do jornal.                                    B1
6. Criação, gravação e apresentação de um jornal para os
professores, alunos e convidados, num espaço apropriado na
Escola.
 Núcleo Jornal
Serão 6 turmas: A1;A2;A3 e B1;B2;B3, sendo que haverá
uma rotação semestral das turmas nos 3 Núcleos - Jornal,
Rádio e Informática:


                    1ª SEMESTRE              2ª SEMESTRE          3ª SEMESTRE


Módulos          Turmas      Turmas      Turmas       Turmas    Turmas   Turmas


Informática        A1          B1           A2          B2       A3        B3


Jornal             A2          B2           A3          B3       A1        B1


Rádio              A3          B3           A1          B1       A2        B2



Totalizando 70 alunos no decorrer do período nas três turmas.
Núcleo Informática
 Estrutura -anexo V
Justificativa

         Este projeto visa atender         Núcleo de Comunicação
jovens         e        adolescentes
alfabetizados da comunidade da                     Comunitária
Escola, com o objetivo principal de
incluir e atualizar cidadãos na área       Informática – Cooperativa
da informação e da informática.
        Espera-se que a partir da                  Educacional
inclusão à nova tecnologia da                              Luciano da Silva Amaral
informação, os indivíduos tornem-
se mais atualizados com relação
às ―coisas‖ que interferem na sua
vida    cotidiana,  assim    como
também da comunidade onde
moram e da sociedade.

       Compreender os mecanismos de tecnologias, aprimoramento e qualificação
para disputa no mercado de trabalho, também é um dos objetivos centrais.
       Inserir o educando no mundo da leitura e assim despertar novos interesses, a
coisas que antes passavam despercebidas ao seu olhar, e com isso, aumentar o seu
senso crítico e aumentar a sua auto-estima perante assuntos antes não dominados, e
ainda tornar os jovens desta comunidade conscientes de seus direitos e deveres.
       Neste projeto serão aplicadas metodologias de trabalho e noções de linguagem
de informática, sempre buscando dentro da realidade da comunidade e suas formas
de expressão, introduzir o conhecimento da matéria.
Núcleo Informática
           Usar-se-á, para tal, muita comparação do cotidiano da comunidade para esclarecer de forma
mais simples, a programática do mundo digital.
           O objetivo geral é promover o protagonismo, sensibilizando os jovens e adolescentes de
que são parte principal das decisões de sua vida e que isso influenciará na sua família e na sua
comunidade através de ações coletivas e solidárias que desenvolvam a consciência da vida em
sociedade.
           Os objetivos específicos são: integrar os jovens e adolescentes ao mundo digital
globalizado; proporcionar condições de desenvolvimento das capacidades de: observação, domínio da
linguagem da informática e da informação; iniciativa, disciplina e concentração; domínio da informática
através de contato com o computador e periféricos; equilíbrio emocional para resolver situações
adversas, raciocínio lógico.
            A Proposta Metodológica:
• Explanação sobre a importância da informática na sociedade atual.
• Contato e familiarização com o computador e periféricos.
• Construção do conhecimento através de exercícios próprios para cada fase.
• Memorização e fixação dos conteúdos através de técnicas apropriadas.
• Realização de Laboratório Informática.
• Desmitificação de que a informática é algo de outro "mundo―.
• Conscientização dos jovens e adolescentes de que a informática é uma ferramenta muito importante
para o avanço profissional e pessoal do ser humano no contexto mundial com uso da Internet, e em sua
comunidade, com a automação de informações e soluções de problemas diários em vários segmentos
da Comunidade.
•Também poderá ser aplicada uma metodologia de construção do conteúdo.
Núcleo Informática
Conteúdo:
IPD (Introdução ao Processamento de Dados, história da informática).
Ambiente Windows XP (familiarização das telas, ícones e acessórios).
WORD (Editor de textos e figuras).
POWER POINT (Apresentação de trabalhos por Slides).
Excel (Planilha de cálculos eletrônicos).
Internet (Acesso a sites, navegação e exploração de conteúdos).


Material Necessário: Para uma turma de 15 participantes.
Uso Coletivo:
15 computadores, 15 mesas, 15 cadeiras, 01 quadro branco, marcadores de texto (diversas cores),
apagadores, 01 ou mais impressoras, 01 scaner.
Para cada aluno:
01 computador, 01 caixa de disquetes, 04 polígrafos, 03 canetas, 03 lápis, 01 borracha, 01
apontador, 01 pasta.
Núcleo Informática
 Avaliação:


 Em dois momentos:
 1ª   Coordenador, Monitor e Educador.
 2ª   Direção, Coordenador e Educador.
 Mensalmente, sendo criada uma ata de reunião informal para que possamos avaliar os
 avanços no final de cada mês.




 Público Alvo:


           Jovens e adolescentes da comunidade que normalmente não têm acesso (ou
 pouco acesso) a computadores, periféricos, internet e outros.
Núcleo Informática
   Ações
Cronograma de Execução das Atividades                                      TUR- PERÍO-
                                                                                                     Nº DE
                                                                                                     ALU-
                             ATIVIDADES                                    MAS    DO
                                                                                                      NOS
1. Divulgação, cadastro e visitações às moradias dos inscritos para




                                                                                to/20
                                                                                Agos

                                                                                  07
   avaliação e complementação do cadastro.
2. Montagem das turmas. Informação aos selecionados.
1. Reunião de apresentação do projeto, monitores/educadores,
   alunos/educandos, coordenação específica e geral do projeto;            A1
2. Reconhecimento da sala/demais dependências destinadas ao projeto.




                                                                                   Setembro/2007
3. Iniciação    ao   Processamento      de     Dados    e   Informações,
   reconhecimento das partes físicas da máquina e equipamentos de
   informática.
4. Sinopse da evolução da informática até os dias de hoje.
5. Familiarização dos Softwares que serão usados no módulo. Iniciação      B1
   ao Sistema de Janelas Windows.
6. Operacionalização de tarefas operacionais do sistema Windows.
7. Utilização de programas e jogos para facilitar a compreensão das




                                                                                                      30
   tarefas de informática.
1. Iniciação ao Editor de textos Word.                                     A1




                                                                                              2007
                                                                                Outu-
                                                                                 bro
2. Digitação e formatação de textos, trabalhando todas as tarefas e
   formatos mais usados atualmente.                                        B1
1. Iniciação ao Editor de Apresentações Power Point.                       A1
2. Digitação de textos e inserção de fotos e figuras para a montagem de




                                                                                Novembro e
                                                                                 Dezembro
   apresentações, utilizando todas as formatações e ferramentas




                                                                                   2007
   disponíveis e mais usadas atualmente.
3. Revisão de todo o conteúdo trabalhado para melhor fixação e rever e     B1
   trabalhar alguns itens que não ficaram bem assimilados ou
   explicados no período.
Núcleo Informática
1. Reconhecimento da sala e demais dependências destinadas ao
   projeto.                                                             A2




                                                                              Março/2008
2. Iniciação   ao   Processamento     de   Dados    e    Informações,
   reconhecimento das partes físicas da máquina e equipamentos de
   informática.
3. Sinopse da evolução da informática até os dias de hoje.              B2
4. Familiarização dos Softwares que serão usados no módulo.




                                                                              Abril/2008
1. Iniciação ao Sistema de Janelas Windows.                             A2
2. Operacionalização de tarefas operacionais do sistema Windows.
3. Utilização de programas e jogos para facilitar a compreensão das




                                                                                           30
   tarefas de informática.                                              B2

1. Iniciação ao Editor de textos Word.                                  A2




                                                                             Junho
                                                                             Maio/

                                                                             2008
2. Digitação e formatação de textos, trabalhando todas as tarefas e
   formatos mais usados atualmente.                                     B2
1. Iniciação ao Editor de Apresentações Power Point.
                                                                        A2




                                                                             Julho
2. Digitação de textos e inserção de fotos e figuras para a montagem




                                                                             2008
   de apresentações, utilizando todas as formatações e ferramentas
   disponíveis e mais usadas atualmente.                                B2
1. Revisão de todo o conteúdo trabalhado para melhor fixação e rever
                                                                        A2




                                                                             Agosto
   e trabalhar alguns itens que não ficaram bem assimilados ou




                                                                              2008
   explicados no período.
                                                                        B2
Núcleo Informática
1. Reconhecimento da sala e demais dependências destinadas ao
   projeto.
2. Iniciação ao Processamento de Dados e Informações,                 A3




                                                                             Setembro/2008
   reconhecimento das partes físicas da máquina e equipamentos de
   informática.
3. Sinopse da evolução da informática até os dias de hoje.
4. Familiarização dos Softwares que serão usados no módulo.
5. Iniciação ao Sistema de Janelas Windows.
6. Operacionalização de tarefas operacionais do sistema Windows.      B3
7. Utilização de programas e jogos para facilitar a compreensão das
   tarefas de informática.




                                                                                             30
                                                                      A3




                                                                           Novembro
                                                                            Outubro
1. Iniciação ao Editor de textos Word.




                                                                             2008
2. Digitação e formatação de textos, trabalhando todas as tarefas e
   formatos mais usados atualmente.
                                                                      B3

1. Iniciação ao Editor de Apresentações Power Point.




                                                                             Dezembro/2008
2. Digitação de textos e inserção de fotos e figuras para a           A3
   montagem de apresentações, utilizando todas as formatações e
   ferramentas disponíveis e mais usadas atualmente.
3. Revisão de todo o conteúdo trabalhado para melhor fixação e
   rever e trabalhar alguns itens que não ficaram bem assimilados     B3
   ou explicados no período.
Núcleo Informática
Serão 6 turmas: A1;A2;A3 e B1;B2;B3, sendo que haverá uma rotação semestral das
turmas nos 3 Núcleos - Jornal, Rádio e Informática:



                   1ª SEMESTRE              2ª SEMESTRE           3ª SEMESTRE


Módulos         Turmas      Turmas      Turmas       Turmas     Turmas   Turmas


Informática       A1          B1           A2          B2        A3        B3


Jornal            A2          B2           A3          B3        A1        B1


Rádio             A3          B3           A1          B1        A2        B2


Totalizando 70 alunos no decorrer do período nas três turmas.
Núcleo de Rádio
 Estrutura - anexo VI
       Núcleo de Comunicação Comunitária
                Rádio/TV Escolar
              Rádio/TV Cooperativa
                      Prof. Jesualdo Freitas de Freitas
Núcleo de Rádio
1 - HISTÓRICO
        Em dois âmbitos, o projeto trata de iniciar alunos do ensino fundamental e ex-
alunos do entorno da escola, no uso de mídias eletrônicas: rádio, tv (e outras imagens
em movimento), jornal, fotografia digital. Sendo com direcionamento mais
aprofundado na linguagem para alunos matriculados no Núcleo de Comunicação
Comunitária, visando a inserção ao mundo do trabalho.
        O projeto oferece aos alunos do ensino fundamental, aprendizado da mídia
rádio com oportunidade para desenvolver oralidade - locução, leitura, escrita
(sintética), independentemente de seu talento. A rádio escola propõe atividade ao
aluno, mesmo que este tenha limites em leitura, escrita, visão, etc.
        Não é um prêmio para alguns, mas um exercício de ensino-aprendizagem
acessível.
        Ouvindo diferentes rádios, o aluno tem oportunidade de conhecer rádios
comerciais, e num processo de aprendizagem, desenvolver uma percepção crítica da
mídia.
        A Rádio escolar tem sido uma mídia da escola e para a escola, noticiando e
promovendo seu cotidiano.
        As rádios escolares tiveram seu surgimento em São Paulo, Rio e Paraná e vêm
se proliferando em outros estados do Nordeste e Centro-Oeste – Em algumas destas
regiões, projetos essencialmente educacionais vêm sendo realizados pela ESCOLA DE
COMUNICAÇÃO E ARTES da UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – ECA-USP, com forte e
continuado trabalho, revelado no site www.educomradio.com.br, no qual entre outras
produções, se vê resultados do trabalho sobre a percepção crítica da mídia.
        No Rio Grande do Sul, a presença de rádios escolares ainda é incipiente, mas já
há um movimento local de impulso, em função do grande potencial educacional desta
mídia.
Núcleo de Rádio
         Em Porto Alegre, surgiu um movimento de criação de rádios em escolas na
década de noventa do século anterior. Marcaram existência rádios de escolas da Zona
Norte e Zona Sul, das quais persistem algumas, conforme registro recente no
―CONVERSAÇÕES INTERNACIONAIS:          PAISAGEM      DA    EDUCAÇÃO‖,      seminário
promovido pela Secretaria Municipal de Educação em 2006, contou com a presença
das seguintes rádios e escolas: EMEF Ludovino Fanton, EMEF Chapéu do Sol, EMEF
Pessoa de Brum, EMEF Tristão Sucupira Viana e Rádio DJtalD+ com: EMEF Chico
Mendes,EMEF Ana Íris do Amaral e EMEF Victor Issler.

           Cabe registrar o trabalho do Professor Jesualdo Freitas de Freitas, na criação,
em formato de Oficina Pedagógica, na EMEF Chico Mendes, do Projeto Recreio DJtalD+,
hoje com denominação Rede Rádio DJtalD+. Uma rádio Poste que atua no recreio e em
outros momentos do cotidiano escolar, desde 2004. Em 2006, passaram a constituir a
rádio, mais duas escolas, EMEF ANA ÍRIS DO AMARAL e EMEF VICTOR ISSLER – hoje,
uma rádio integrando três escolas. Outra parceria tratada ao final de 2006 permite-nos,
hoje, rodar programação no Parque Chico Mendes, "em cadeia" com a Rádio Poste A
VOZ DO PARQUE, organizada pelo POETA Sr. Jair da Silva Rodrigues, morador da
comunidade. O Parque tem extensão de 24ha e é bem freqüentado. Objetiva
potencializar aos alunos de periferia, a pesquisa, a capacidade de comunicação através
do exercício contínuo da escrita, da síntese (linguagem do rádio), da oralidade (fala,
leitura e locução, indo sempre pelo desprendimento e criatividade). Os alunos também
manipulam programa digital de edição de áudio. Busca desenvolver a capacidade de
solidariedade. Atua com alunos de diferentes escolas e faixas etárias, na intenção de
que se      percebam     integrantes da mesma comunidade em que vivem. São
rodadas músicas e locução ( vinhetas, notícias, etc. ) ao vivo ou gravadas em cd,
Núcleo de Rádio
animando os sábados letivos nas
escolas    e    as   promoções     das
associações no Parque. Neste item,
ressalta-se um aluno com deficiência
visual, que por sua maturidade, tem
realizado um trabalho maravilhoso na
locução e tem sido exemplo para os
demais da rádio, dedicado e perspicaz,
merece um investimento ampliado...
No caso, converte a limitação em
possibilidades: é o avanço, é o
expoente na locução da rádio. E isto
tem sido impactante aos colegas,
professores e na comunidade que com
ele convive. Atende ao público das três
escolas e deverá ampliar ao público
geral da comunidade que freqüenta o
Parque. Num contexto de periferia no
qual a auto-estima é baixa, a
programação valoriza o local e permite
executar-se o binômio educação/
expressão.
Núcleo de Rádio
           Proposto originalmente para produzir/animar o recreio da Escola Chico
Mendes - tendo este sido ampliado para 30 minutos – a instituição da rádio contribuiu
para que as brigas no recreio conhecessem seu término. Segundo a direção da Escola
Chico Mendes, (Professora Marta S. Cunha), tais brigas eram freqüentes, a bem dizer
diárias e com ferimentos graves, com inúmeros registros no Posto de Saúde local e no
Pronto Socorro Municipal. Antes da presença da rádio, a ausência de produção do
recreio transformou alguns dos professores em ―cuidadores do recreio‖. Preocupava
tanto que estavam sempre ―de olho‖ em determinados alunos potenciais brigões.
Realidade alterada após a Rádio DJtald+. Hoje permanece veiculando temas de
juventude como: DST/AIDS; drogas, redução de danos, preservação do meio-ambiente,
cultura de juventude, etc. Veicula peças radiofônicas produzidas pela ONG CRIANÇA
SEGURA (muitos adolescentes cuidam de crianças, seus irmãos ou sobrinhos, e
conhecimento de ―pequenos cuidados para evitar acidentes‖, mais que bem-vindo, é
urgente).
           A propósito citamos um trecho do relatório de visitas de uma aluna da
UFRGS:
         Existe uma enorme riqueza de espaço no setor de rádio para pessoas que estejam
         dispostas a usar a criatividade e criar novas rádios dos mais variados assuntos e gostos,
         para os mais diversos segmentos (pequenos ou grandes). O que falta são as concessões
         para que estas rádios possam existir de fato. Mais uma vez, perdemos por questões
         comerciais relacionadas ao poder. Seu Poeta, por exemplo, é com certeza um apaixonado por
         rádio, que mesmo sem recurso algum, mantém por sua conta a Rádio do Parque, pela qual transmite
         seus versos e música para o parque onde sua comunidade passa os fins de semana.
         Impressionou-me o fascínio do menino David pela rádio, já que é deficiente visual e, portanto, usa
         este meio para superar suas dificuldades ,sem problema algum.
Núcleo de Rádio
                  Acredito nas rádio-escolas como uma nova forma de transmitir a voz dos próprios alunos
                  no meio em que estão inseridos, de forma a educá-los desde cedo a respeito de questões
                  como mídia, poder, influência, e transmissão de mensagens para grupos. Além disso, a
                  rádio escola torna muito mais divertidos e levados a sério os assuntos transmitidos para
                  os colegas. (FREITAS,2007).

         Podemos observar outros exemplos de uso de mídias eletrônicas com
adolescentes e pelos adolescentes, no trabalho coordenado pelo professor Prof. Dr.
Ismar de Oliveira Soares¹ Educom.radio. Observe-se a descrição a seguir.

                  O objetivo do Educom.rádio, segundo seus idealizadores, é resolver um problema
                  específico: a violência nas escolas. O programa conta com a instalação de um laboratório
                  de rádio em cada escola. No curso, os alunos aprendem técnicas de operação de som,
                  locução, pauta de programação, técnicas de entrevistas e interpretação. No caso, trata-
                  se de uma comunicação dialógica e participativa, vencendo o verticalismo que predomina
                  nas relações de comunicação entre professores e alunos. Para tanto, escolhemos a
                  linguagem radiofônica como um recurso eficaz para aproximar toda a comunidade
                  educativa. Através do diálogo propiciado pelo uso do rádio, esperamos superar a
                  violência.


         ¹ Professor da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo-ECA/USP. Pós-Doutorado: Marquette University Milaukee Wisconsin, MU,
Estados Unidos. Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, Brasil. Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área:Comunicação/Sub-
área: Comunicação e Educação.Grande área: Ciências Humanas / Área:Educação. Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Comunicação.
Núcleo de Rádio
          No final de 2003, um ano e meio depois do início do programa, a Secretária
de Educação do Município informou que, onde o Educom.rádio fora instalado, os índices
de violência registrados nas coordenadorias pedagógicas haviam sofrido uma redução
da ordem de 50%. (...) Fonte: http://www.piratininga.org.br/2006/82-educom.html .

          Do exemplo acima tiramos importantes lições, entre elas, a permanente
avaliação por parte dos envolvidos que ocorrerá pela análise em conjunto da produção
realizada e também por consulta aos ouvintes. Este item dá-se ao natural, pois hoje em
dia é comum o ouvinte manifestar-se. Há muito já não é ouvinte passivo, o ouvinte
propõe, reclama, sugere.

          Aos alunos matriculados no Núcleo de Comunicação Comunitária, a proposta
oferece acesso a utilização de equipamentos para produção de documentários, clipes
musicais, vídeos experimentais e de conteúdos sociais ou antropológicos, registro de
eventos de interesse comunitário para veiculação na Rádio/TV interna da escola (TV 29‖
no pátio), e inserção na web. Os alunos receberão cursos de edição e de produção de
programas (linguagem de rádio e de TV).
Núcleo de Rádio
    2. CARÁTER

           Busca valorizar a comunidade com a intenção de legitimar o protagonismo
estudantil. Intencionamos oferecer, aos alunos inseridos em sua comunidade, o caráter
sócio-cultural contínuo e permanente deste Projeto, promovendo e superando fronteiras,
construindo solidariedade com ações, além de oficina de curto prazo, para também
construir apropriação de espaços tão distantes – raramente pequenas comunidades têm
espaço na grande mídia, não se vêem nela refletidos ou incluídos.
           A densidade estrutural do Projeto compreende uma composição híbrida em
público alvo e em quem produz; híbrida linguagem desenvolvida; e híbrida no destino de
seus produtos. Numa simbiose em primeira ação, a articulação política na comunidade,
para numa segunda ação, um arranjo técnico que propõe a um só tempo: Rádio-
TV/Escola (ou escolar) e Rádio-TV voltada para inserção de alunos no mundo do trabalho.
           Para proceder esta proposta, concebemos um conceito de RÁDIO-TV/WEB-
POSTE. Simbiose técnica e de linguagem, com produção propositiva da comunidade.
Desafio para a comunidade organizar sua comunicação, desenvolvendo e apropriando-se
de linguagens, e com projeção de enriquecimento por via de mão dupla nesta interação
escola/comunidade/escola.
           Ação, articulando instituições como a Creche ALAN, o Posto de Saúde Bom
JESUS, O Posto de Saúde Aproximado Campus da PUC, a FASE, E.M.E.F. Mariano Becker
e lideranças da comunidade, que produzirão peças midiáticas para veiculação na web e
no pátio da escola. Tais diferentes instituições conectarão microcomputadores a um
amplificador de som, ―sintonizando‖ a RÁDIO-TV/WEB-POSTE (ouvida em caixas de som
nas referidas instituições – lembramos da facilidade e praticidade de conectar qualquer
simples aparelho de som com entrada de áudio, até mesmo os antigos 3 em 1,
viabilizando baixo custo para as diversas instituições, e ainda com circulação livre pela
internet).
Núcleo de Rádio
           A RÁDIO-TV/WEB-POSTE veiculará peças de interesse da comunidade e
também produzidas pela própria comunidade – Creche ALAN, pelos profissionais do
Posto de Saúde BOM JESUS, Posto de Saúde Aproximado Campus da PUC, (poderemos
construir parceria com a FAMECUS, tanto para formação aos integrantes da comunidade
quanto para a produção de peças sobre saúde); da FASE e de lideranças. Este grau de
articulação tornará a ESCOLA FÁTIMA um centro irradiador, via web, dessas produções.
           Este desenho induz a ESCOLA FÁTIMA a tornar-se um Pólo Cultural.
Lembramos aqui, a importância do estúdio no qual os alunos da Cooperativa de
Comunicação Comunitária, integrados às instituições da comunidade referidas,
utilizarão o equipamento da escola para permanente alimentação da programação a ser
veiculada.
           Também a ESCOLA FÁTIMA, um centro fomentador de tais produções, e
através de alunos tanto da Cooperativa quanto do Ensino fundamental, dar-se-á efeito
ao Núcleo de Comunicação Comunitária, contribuindo no fazer de tais produções,
incluindo nisto a ida às entidades referidas com gravador de punho e pequena filmadora
para captar material para edição e veiculação na RÁDIO-TV/WEB-POSTE.
           Excelente espaço para veicular notícias da comunidade para a comunidade,
incluindo a divulgação de ações das diversas secretarias da Prefeitura Municipal e do
Governo do Estado, contando ainda com o potencial interativo da internet.
           Há um diferencial no conceito de Rádio/TV-Escolar, que constitui-se sem
limites, quando leva em conta o binômio educação/expressão. Não há limitador
técnico de linguagem ou de acabamento. Não requer o profissionalismo, requer o
exercício, a oportunidade de expressão.
           A Rádio/TV-Cooperativa leva em conta o específico para inserção no mundo
do trabalho. Considera, criteriosamente, determinado grau técnico de linguagem e/ou
acabamento do produto com vistas ao profissionalismo.
Núcleo de Rádio
           Com certeza, tais espaços e expectadores permanentes podem permitir
contínuo exercício, tanto para a produção da mídia em linguagem escolar,como
também como exercício para produção de mídia voltada para o mercado de trabalho
(algo como a Hora do Conto, em linguagem de rádio ou de imagem em movimento). A
Escola reúne campo e público para o exercício do futuro profissional em comunicação –
possibilita uma espécie de estágio permanente. Fornecendo a avaliação dos professores
e a objetividade e espontaneidade do senso crítico das crianças, que chega ser cruel.
           Dentro da exclusão evidente, inclui-se a exclusão da comunicação. Hoje a
comunicação é vista como direito humano.
           A necessidade de falar tem feito produzirem-se inúmeras rádios locais,
comunitárias e escolares, em que é possível falar aos pares de forma criativa e crítica. E
poder falar, já que na grande mídia é impossível.
           Por esses motivos, se faz necessário o investimento qualificado do espaço e
dos tempos dos ditos ‖marginalizados‖, constantemente em longo prazo, construindo a
História local e, ainda, utilizando recursos eletrônicos, hoje disponíveis para possibilitar
a inserção no meio mais amplo, através da publicação de um site da Rádio Escola. O
site será composto pela produção radiofônica dos alunos das turmas, seus textos, suas
pequenas biografias, fragmentos da história da comunidade, fotografias dos alunos,
pesquisando e atuando nos espaços de recreio e celebrações da escola, etc. Tais
produções deverão compor, de forma mais ampla, registros e necessidades da
comunidade, dentro de seu processo de exercício de cidadania.
Núcleo de Rádio
         3 - JUSTIFICATIVA

           Diz-se tanto que o aluno precisa da escola, mas o aluno deseja a escola?
           Nunca se considerou tanto a importância de a criança pertencer à escola em
sua formação, pelo menos em tão grande escala como na atualidade, a escola necessita
ser atrativa para receber o alunado.

           Nunca se falou tanto na importância da escola como espaço de criação e
socialização da cultura produzida pela História e pelo próprio aluno como nas últimas
décadas. Em um mundo cada vez mais infestado pela imagem televisiva, ou mesmo pela
Internet, em que o agente ―navega passivamente‖, nada mais profícuo na valorização do
sujeito do que a oportunidade de ser ele próprio, o valor em si - o autor - e utilizar a
oportunidade de expressar-se. O Projeto pretende produzir um site que contenha peças
radiofônicas dos alunos.

          A inventividade humana presente em muitas áreas da produção histórica,
parece potencializar-se infinitamente no campo da comunicação, já no presente e em
acelerado futuro próximo e seqüencial. A escola quer criar vínculos com estas tão
fascinantes linguagens e seus meios no processo integrador da pessoa em sua
contemporaneidade.

          As vinhetas da Rádio        veiculam seu potencial em relação ao ensino-
aprendizagem em seus múltiplos aspectos:
    - seja na produção do conhecimento;
    - seja na sua expressão pela existência de um veículo midiático;
    - seja no próprio manuseio deste veículo;
    - seja no quanto é gratificante aos alunos se ouvirem e se falarem como autores;
Núcleo de Rádio
     - seja na quebra do mito do conhecimento como privilégio de seres de um mundo
distante do mundo da criança e do adolescente;
     - seja na evidência do possível e alcançável, concretamente gravado e testado no
ato;
     - seja na interdisciplinaridade intrínseca na abordagem de um tema, na amplitude
em que crianças e adolescentes sempre indagam, embora sem a perspectiva da
complexidade que pode advir de tais indagações...

           Qual local, se não a escola, com profissionais de tantas áreas para ricas
possibilidades pedagógicas e com um complexo funcionamento infra-estrutural que
reproduz a nível micro uma cidade, palco, a escola em si, para observações e estudos
em que os alunos possam transformá-los em peças radiofônicas. A rádio é uma mídia
da escola para a escola.

           Se a existência é complexa, a criatividade humana parece não ver limites
para expandir-se, portanto longe de empecilho à diversidade e à pluralidade,
acrescentam ao propósito criador, um enriquecimento por parte dos alunos - numa fase
da vida em que a criatividade é aguçada pela própria verve - nada mais justo que a
utilização de meios, inclusive eletrônicos, a uma promoção que viabilize a produção
através de veículos contemporâneos de comunicação. Nada mais justo que a escola
atualizar-se.
Núcleo de Rádio
         4 – OBJETIVOS GERAIS

           Promover meios de incluir efetivamente crianças e adolescentes na
manipulação de equipamentos e no trato de mídias tão usuais, tão necessárias, tão
contemporâneas e, crivelmente, tão distantes do cotidiano escolar. Tendo por base
viabilizar a compreensão da comunicação como fator essencial de promoção do ser, de
forma ampla – hoje se reconhece a comunicação como direito humano – e de forma de
conquista de sua cidadania.

          Construir a E.M.E.F. FÁTIMA como um pólo cultural numa comunidade tão
carente de tudo, na qual inexiste qualquer espaço público para cultura e lazer. Visa
engendrar o caráter interdisciplinar inerente à comunicação, com o esforço das teorias
atuais que buscam desconstruir a concepção de ―engavetamento‖ ou isolamento que
formataram a escola ocidental nos últimos séculos. A mídia, exuberante fator capaz de
transformar, na práxis, a desenvoltura pessoal do aluno, transformando-o em ator-autor,
com impulso, com ludicidade e sem traumas. Que experiência traz este veículo!
Núcleo de Rádio
4.1 – OBJETIVOS ESPECÍFICOS - RÁDIO/TV ESCOLAR

• Operacionalizar propostas de trabalho interdisciplinar.
• Ter contato mais aproximado e freqüente com diversos tipos de meios de comunicação.
• Desenvolver uma atividade de integração dentro da sala de aula, tendo o aluno como
público privilegiado, bem como, proporcionar a expressão de seu produto no âmbito de
toda a escola, com proposta de atingir/afetar a comunidade mais ampla.
• Incrementar e discutir a produção cultural no universo escolar.
• Ratificar a escola como centro vital para desenvolver e aperfeiçoar o ser para além da
cidadania.

4.2 – OBJETIVOS ESPECÍFICOS - RÁDIO/TV – NÚCLEO DE COMUNICAÇÃO
COOPERATIVA – INSERÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO
• Habilitar o estudante para Anunciador, Noticiarista, Entrevistador, Apresentador.
• Habilitar o estudante para a produção em linguagem de tv e vídeo.
• Familiarizar o aluno com as técnicas de rádio e televisão e de exposição e utilização da
mídia eletrônica.
• Levar o aluno a prestar serviço de comunicação à comunidade. ao vivo ou não,
envolvendo produção em áudio e vídeo.
Núcleo de Rádio
5 – METODOLOGIA

5.1 – RÁDIO/TV ESCOLAR
         Produção de peças de rádio e vídeo a partir de sala de aula. Podendo ser
gravadas na própria sala de aula, em outros espaços e posteriormente em estúdio.

          Prática da linguagem de rádio, através dos programas de rádio ao vivo e do
ensaio e gravação das locuções.

          Durante o processo será oportunizado ao aluno operacionalizar o trabalho com
recursos didáticos específicos: mídia eletrônica.

          Na produção do primeiro ciclo, sensibilizar e despertar a criança para o uso e
fruição do rádio.

          Os alunos, ao produzirem programas, estarão manuseando equipamentos para
edição. São ainda muito usados, na maioria das rádios comerciais, equipamentos
analógicos com uso de fita K7. De simples manuseio e de custo baixo. Importantíssimo
para o aprendizado inicial. A escola já possui equipamento analógico (gravador cassete
duplo). Na seqüência do processo, os alunos deverão manusear também equipamento
digital.
          Nas oficinas e na sala de aula haverá ações para desenvolver a sensibilidade
para o universo do rádio, com discussões sobre a História do Rádio e da linguagem
(mídia) à qual estamos submetidos e que também é educativa.

          Os alunos realizarão pesquisa para apropriação de efeitos sonoros, conhecendo
e praticando a linguagem do rádio.
Núcleo de Rádio
          Caráter nitidamente pedagógico potencializa o estímulo à valorização da
pesquisa e da expressão do conteúdo adquirido, binômio intrínseco na atividade
educacional, materializando-se através do uso de um veículo de comunicação em que o
aluno, apropriando-se dessa linguagem, estará alterando sua postura nos campos da
observação e expressão, para melhor viabilizar-se em vários níveis da existência.

           Como toda pesquisa produz perguntas a diversos campos do conhecimento
para um só tema, a interdisciplinaridade surgirá no projeto como pressuposto, e assim
vai se consubstanciando no advir das questões e indagações do aluno, que terá a quem
recorrer através das diferentes disciplinas que compõem o currículo escolar, portanto,
algo que vai acontecendo como decorrência do processo em que os alunos envolvem-se
e solicitam apoio aos mestres para dar conta das temáticas eleitas.

           Este projeto prevê articulação com a comunidade, veiculando seu cotidiano no
interior da escola, incentivando a solidariedade e o entendimento de que as práticas de
isolamento, tão vigentes em nossa cultura, precisam ser desconstruídas.

           E de que o processo de uma nova sociedade só ocorre mediante a elaboração
de produtos qualificados para ocupar espaços ou para produzi-los em espaços e tempos
culturais no interior de nossas comunidades, contrapondo-se a uma mídia paralela e
ilegal, executada pela pirataria, de conteúdo pobre, apelativo, com forte potencial na
baixa auto-estima e muito acessível aos alunos nesta comunidade. Desenvolveremos um
diálogo de produções efetivado na comparação de objetos concretos, contribuindo na
realização da crítica e por conseqüência no desenvolvimento da percepção crítica.
Núcleo de Rádio
5.2 - RÁDIO/TV – NÚCLEO DE COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA                     – INSERÇÃO NO
        MUNDO DO TRABALHO

     Previsão de disciplinas teóricas e práticas tais como:

• Prática em estúdio, permanente ao longo do curso. Nos encontros das disciplinas teóricas
com gravações de locuções para audição e comentários do professor.

• Nas disciplinas finais, aulas ministradas por profissionais de entidades que
atuam no mercado como a PMPA - jornalistas da Assessoria de Comunicação de
Secretarias do Poder Público, empresas produtoras de publicidade, agências de
notícias, etc.

• Cursos de operação de câmera , captura de imagens (planos, movimentos, composição e
enquadramento), gravação, postura diante da câmera e do microfone, entonação vocal
roteirização e edição.

• Cursos de Teoria da Comunicação.

• História da comunicação em Rádio, Vídeo TV e Cinema.

• Fonética e dicção.
Núcleo de Rádio
6 - PLANO DE TRABALHO

6.1- RÁDIO/TV ESCOLAR

• Utilização de trabalho de sala de aula - produção de conhecimento – temático – em
sala de aula.
• Gravações em sala de aula.
• Gravações em estúdio.
• Veicular produção nos recreios.
• Organizar a veiculação aos fins-de-semana (sábados letivos).
• Organizar a presença de alunos em programas ao vivo.

6.2- RÁDIO/TV – NÚCLEO DE COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA – INSERÇÃO NO
MUNDO DO TRABALHO

• Dois encontros semanais de 3 horas.
• Veiculação de produção em recreios, sábados letivos e outros espaços da escola e da
comunidade.
• Aproveitar público alvo da escola como fator de avaliação das produções.
• Aproveitar os professores como público alvo, como fator de avaliação crítica e
qualificada das produções.
• Aproveitar público infantil e adolescente para ensaios e experiências de produções
qualificadas pela análise de professores.
Núcleo de Rádio
7 – RESULTADOS

         Durante o ano os alunos deverão falar entre si e ouvir uns aos outros.

          Com alunos dos diferentes ciclos do ensino fundamental, gravar peças
radiofônicas e televisivas de conteúdo escolar a serem veiculadas no recreio e em
eventos nas escolas.

         Ao final do ano, as peças radiofônicas integrarão um CD da rádio com a
produção do ano de 2007, pelo menos parte dela.

          Elaboração de um site da rádio/tv que contenha: suas produções escritas de
sala de aula e da rádio/tv, documentando imagens durante o trabalho e de
apresentações da rádio/tv na escola, interagindo na comunidade através de acesso aos
Telecentros ou de equipamentos públicos como posto de saúde e entidades filantrópicas
situadas na comunidade.

          Interação entre parceiros do projeto, promovendo interações na comunidade,
validando a função da comunicação.

          Construção de web site inovador RÁDIO-TV/WEB-POSTE (vide CARÁTER -
resultados de articulação da comunidade pela via da comunicação). Participação de um
maior número possível de alunos, interagindo através de aulas, em Sala de Educação/
Informática.
Núcleo de Rádio
8 - RECURSOS HUMANOS

•   Professores do Projeto.
•   Professores de turmas envolvidas.
•   Alunos da escola na produção e no Público alvo.
•   Comunidade escolar e comunidade em geral ouvindo e propondo conteúdo.
•   Contratação de oficineiros para diversos cursos.


8.1 – LINGUAGEM

Contratação de oficineiros para os cursos:

• Operação de câmera, captura de imagens (planos, movimentos, composição e
enquadramento) .
• Postura diante da câmera e do microfone, entonação vocal.
• Roteirização e edição.
• Teoria da Comunicação.
• Histórira da comunicação em Rádio, Vídeo TV e Cinema.
• Fonética e dicção.
Núcleo de Rádio
    9 - RECUSOS MATERIAIS

         Local para oficinas: sala de ―transmissão‖ (rádio poste/web) compartilhada
com o Projeto Escola Aberta, já existente.

          Local para programas ao vivo: sala de ―transmissão‖ e pátio da escola (nos
recreios culturais e nos diversos eventos e festividades, incluindo sábados letivos).


    9.1 –CONSTRUÇÃO DE PRÉDIO PARA ESTÚDIOS

        Para localização do estúdio de rádio e TV e captações internas de
áudio/vídeo, sala de redação e produção do jornal.


    9.1.1 – BANHEIROS COM CHUVEIROS

          No prédio, banheiros masculino e feminino, com chuveiros, justifica-se pela
condição hermética do estúdio e pela carência na infra-estrutura dos moradores,
especificamente os matriculados no projeto de Comunicação Comunitária.
Núcleo de Rádio
9.1.2 - STUDIO “A” - RÁDIO




                             Figura 2
Figura 1
Núcleo de Rádio
As figuras 01, 02 e 03, referem a exemplos e não a
definição estabelecida. (Na figura 01 dispensa-se as
cortinas e o gesso em volta do vidro, na figura 03 as
medidas também não são definitivas).




                                       Figura 03
      (http://www.oitava.mus.br/isolamento.htm )
                                  (planta ao lado)
Núcleo de Rádio
9.1.3 - STUDIO “B” - TV/VÍDEO (sala de “transmissão)

• 1 aparelho de ar condicionado.
• Mobiliário.
• Equipamentos para captação e edição de imagem em movimento.




9.1.4 - STUDIO “C” – JORNAL

• 1 aparelho de ar condicionado.
• Microcomputadores.
Núcleo de Rádio
  9.1.5 – INFRA-ESTRUTURA NOS PÁTIOS

  9.1.5.1 – CONSTRUÇÃO DE PALCO NO PÁTIO CENTRAL

            Construção de palco de madeira para inúmeras apresentações de danças, de
música e da rádio ao vivo, ao longo do ano - todas com notícias da comunidade;
programas dos postos de saúde; veiculação de spots da ONG Criança Segura -
Formatura, como a festa popular da auto-estima na comunidade, etc.
• Iluminação para palco e mesa de luz.
• Construção de cobertura para o palco – muito importante; a escola já teve um palco,
foi deteriorado com o uso sob sol e chuva. Faz muita falta.
           O palco localizar-se-á na área central do pátio, espaço do recreio dos
alunos. Será suporte nos recreios e eventos freqüentes (dia do estudante, dia da criança,
tradicionais festas da família - ―dia dos pais e das mães‖, dia dos namorados, dias
alusivos à etnia – abril, índio, novembro, negro, etc - festa junina (ou Joanina – dia de
São João), semana farroupilha, todas com notícias da comunidade, programas dos
postos de saúde, veiculação de spots da ONG Criança Segura, etc.)
1. 04 CXS de som amplificadas. Duas no pátio, dentro da área coberta e duas em área
não coberta.
2. 2 caixas de ferro – para proteção do sol e chuva, em área sem cobertura, e
gradeada na frente para proteção do furto.
3. Iluminação no palco.
Núcleo de Rádio
           Ações
4.mesa de luz – construir uma cx com resistência para cada refletor (apenas 02).
5. 01 TV 29 polegadas no pátio.
6. 01 Caixa de ferro dupla porta (porta de ferro para proteção de vandalismo e porta em grade
     frontal para proteção de furto, para TV 29‖ instalada no pátio).
7. cabos ligando todas as caixas – cabos para duas caixas já constam no orçamento do palco.


Cronograma de Execução das Atividades
CRONOGRAMA DE AÇÕES DO NÚCLEO DE RÁDIO/TV - RÁDIO/TV ESCOLAR AGOSTO/20O7

    Objetivos                        Ações                             Público alvo

  Operacionalizar propostas          Propor aos professores o          Professores de I, II e
  de trabalho interdisciplinar.      trabalho com mídia.               III Ciclos e EJA.



  Ter     contato      mais
  aproximado e freqüente             Rodar o DVD ―Uma onda             Alunos de I, II e III
  com diversos tipos de              no ar‖, seguido de debate.        Ciclos e EJA.
  meios de comunicação.
Núcleo de Rádio
SETEMBRO a DEZEMBRO/2007           -     JANEIRO a DEZEMBRO/2008

                                                                              Professores
                                                                              de I, II e III
                                           Rodar diferentes mídias.
  Incrementar e discutir a produção                                           Ciclos e EJA.
                                           Assistir a produção de alunos da
  cultural no universo escolar.                                               Alunos de I,
                                           Cooperativa.
                                                                              II e III Ciclos
                                                                              e EJA.
  Desenvolver uma atividade de
  integração dentro da sala-de-aula        Produção em sala de aula -
  tendo o aluno como público               peças radiofônicas para rodar
  privilegiado,     bem        como,       no recreio – gravação em aula.     Alunos de I,
  proporcionar a expressão de seu          Rodar gravações nos recreios.      II e III Ciclos
  produto no âmbito de toda a escola,      Rodar nos recreios a produção      e EJA.
  com proposta de atingir/afetar a         de parceiros.
  comunidade mais ampla.
                                           Organizar um Recreio Cultural
                                           ao     vivo   com     Rádio  e
                                           participação    de   alunos  -
                                           radialistas apresentando a sua
  Ratificar a escola como centro vital     produção bimestralmente.
                                                                              Alunos, pais,
  para desenvolver e aperfeiçoar o         Uma apresentação da produção
                                                                              familiares.
  ser para além da cidadania.              de alunos da Cooperativa no
                                           interturno para a comunidade
                                           escolar – trimestralmente.
                                           Rodar produções de parceiros
                                           da comunidade.
Núcleo de Rádio                     Propor aos professores o
                                    trabalho com mídia.
 Operacionalizar propostas     de   Coordenar produção de          Professores de I, II
 trabalho interdisciplinar.         alunos com manuseio de         e III Ciclos e EJA.
                                    equipamento    digital ou
                                    analógico.

                                                                   Professores de I, II
 Ter contato mais aproximado e      Assistir, analisar e dabater
                                                                   e III Ciclos e EJA.
 freqüente com diversos tipos de    peças de mídia do circuito
                                                                   Alunos de I, II e III
 meios de comunicação.              comercial ao longo do ano.
                                                                   Ciclos e EJA.
                                    Produção      de      peça
                                    midiática.
                                                                   Professores de I, II
 Incrementar   e   discutir  a      Exibição     de      peças
                                                                   e III Ciclos e EJA.
 produção cultural no universo      midiáticas dos alunos da
                                                                   Alunos de I, II e III
 escolar.                           Cooperativa, nos recreios,
                                                                   Ciclos e EJA.
                                    sábados     letivos,    10
                                    sábados por ano.
          Os recreios são cotidianos, a programação da rádio e da TV poderá rolar ao
vivo ou rodar através de gravação – mídia cd. É importante que haja permanência e
freqüência de três vezes por semana se não puder ser o ideal, todos os dias. A rádio/tv-
escola poderá tornar-se educativa.
          Há também um calendário de sábados letivos organizado pela escola.
          Lembramos, ainda, o uso do palco para qualquer categoria ou modalidade de
expressão, desnecessário abordar aqui o fascínio de um palco e seu alto grau de
incentivo ao estudantado.
 Núcleo de Rádio
CRONOGRAMA DE AÇÕES DO NÚCLEO DE RÁDIO/TV – COOPERATIVA 2007
                                                                    Nº. DE   PERIOD            Nº. DE
                           ATIVIDADE                               TURMAS      O              ALUNOS




                                                                             Agosto/
1.   Divulgação, cadastro e visitações às moradias dos inscritos




                                                                              2007
     para avaliação e complementação do cadastro.
2.   Montagem das turmas, informação aos selecionados.

1. Reconhecimento da sala e demais dependências alocadas
   para o projeto.
2. Prática em estúdio e comentários do professor.




                                                                              Setembro/2007
3. História do Rádio no Brasil.                                      A3

4. Locução de anúncios. Locução de notícias.
5. Orientação sobre busca de notícias da comunidade e redação
   e locução.
6. Elaboração de propaganda de interesse da comunidade e sua




                                                                                                20
   redação e locução.                                                B3
7. Apresentação de notícias e propagandas em evento na
   escola.
     Prática em estúdio e comentários do professor.




                                                                              Outubro/2007
1.
                                                                     A3
2.   História do Vídeo, TV e Cinema.
3.   Operação de câmera.
4.   Captura de imagens (planos, movimentos, composição e            B3
     enquadramento)
 Núcleo de Rádio
1.   Prática em estúdio e comentários do professor.




                                                                     Dezembro/2007
2.   Postura diante da câmera e do microfone, entonação




                                                                      Novembro e
     vocal.                                                  A3
                                                           _______
3.   Busca e gravação na comunidade.
4.   Roteirização e edição.                                  B3
5.   Apresentação de notícias e propagandas em evento na
     escola.
1. História do Rádio no Brasil.




                                                                     Março/
                                                             A1




                                                                      2008
2. Locução de anúncios.
3. Locução de notícias.                                      B1
1. Orientação sobre busca de notícias da comunidade e
                                                             A1




                                                                        Abril/2008
   redação e locução.
2. Elaboração de propaganda de interesse da comunidade e
   sua redação e locução.
3. Apresentação de notícias e propagandas em evento na       B1
   escola.




                                                                                     20
1. Prática em estúdio e comentários do professor.            A1




                                                                     Maio e
                                                                     Junho
                                                                     2008
2. História do Vídeo, TV e Cinema.
3. Operação de câmera.                                       B1
1. Captura de imagens (planos, movimentos, composição e      A1
   enquadramento) .




                                                                     Julho
                                                                     2008
2. Prática em estúdio e comentários do professor.
                                                             B1
3. Postura diante da câmera e do microfone, entonação
   vocal.
Núcleo de Rádio
                                                                 A1




                                                                       Agosto
                                                                        2008
1. Busca e gravação na comunidade.
2. Roteirização e edição.
                                                                 B1
3. Apresentação de notícias e propagandas em evento na escola.




                                                                       Setembro/
1. Prática em estúdio e comentários do professor.                A2




                                                                         2008
2. História do Vídeo, TV e Cinema.
3. Operação de câmera.                                           B2

                                                                 A2




                                                                      Novembro
1. Captura de imagens (planos, movimentos, composição e




                                                                       Outubro

                                                                        2008
   enquadramento).
2. Prática em estúdio e comentários do professor.




                                                                                         20
                                                                 B2
3. Postura diante da câmera e do microfone, entonação vocal.




                                                                         Dezembro/2008
1. Busca e gravação na comunidade.                               A2
2. Roteirização e edição.
3. Apresentação de notícias e propagandas em evento na escola.
                                                                 B2
Núcleo de Rádio
Serão 6 turmas: A1;A2;A3 e B1;B2;B3, sendo que haverá uma rotação semestral das turmas
nos 3 Núcleos - Jornal, Rádio e Informática:



                     1ª SEMESTRE             2ª SEMESTRE           3ª SEMESTRE


 Módulos          Turmas      Turmas      Turmas      Turmas     Turmas   Turmas



 Informática        A1          B1          A2           B2       A3         B3



 Jornal             A2          B2          A3           B3       A1         B1


 Rádio              A3          B3          A1           B1       A2         B2



 Totalizando 70 alunos no decorrer do período nas três turmas.
  Núcleo de Rádio
11 – BIBLIOGRAFIA

 DAYRELL, Juarez. O JOVEM COMO SUJEITO SOCIAL. www.anped.org.br/rbe24/anped-n24-
art03.pdf, Set /Out /Nov /Dez 2003 N o 24

 ______________. A ESCOLA COMO ESPAÇO SÓCIO-CULTURAL Cadernos de pesquisa. São
Paulo, n;97, p. 47-63, maio 1996. DAYRELL, Juarez. A escola como espaço sócio-cultural.

 SOARES, I. O. ; SILVA, M. A. . A Comunicação a Serviço da Cidadania. Possível - Cultura,
Projetos Sociais e Atitude Positiva, São Paulo, p. 26 - 27, 01 jan. 2004.

SOARES, I. O. . Comunicação e Criatividade na Escola. São Paulo: Edições Paulinas, 1990.

 SOARES, I. O. . Educomunicação, uma revolução em sala de aula. Folha Dirigida Caderno de
Educação, São Paulo, p. 4 - 4, 12 dez. 2005.

SOARES, I. O. (Org.) . O Jovem e a Comunicação. São Paulo: Editora Loyola, 1992. v. 01.
 Núcleo Artes
  Investimento
                                              Núcleo de Artes
ORÇAMENTO
                                               Profª. Marília Real Guerra

                                                     Valor
                               Material                        Valor total
                                                    Unitário
 50    lápis 6B                                         1,35       67,50
 50    borrachas macias p/ desenho                      2,22      111,00
 30    apontadores metálicos                            4,00      120,00
 300   canetas Pillot                                   2,20      660,00
 10    caixas de cotonetes                              3,50       35,00
  4    tamb. de tinta látex branca (parede)          170,00       680,00
  1    galão de tinta esmalte acetinada               60,00        60,00
 40    corantes em várias cores                         2,00       80,00
  5    latas de solvente                                6,00       30,00
  5    garrafas de álcool                               8,40       42,00
 170   pincéis variados                                 2,91      494,70
 50    lixas variadas                                   1,60       80,00
 20    rolos de espuma 5 cm                             2,50       50,00
 20    rolos de espuma 9 cm                             3,00       60,00
 20    rolos de espuma 15 cm                            4,50       90,00
 20    esponjas sintéticas                              1,50       30,00
Núcleo Artes                                       Valor
                             Material                        Valor total
                                                  Unitário
4    bandejas p/ pintura                             3,00       12,00
2    bandejas quadradas de plástico grandes         20,00       40,00
4    jarras medidoras                                2,00        8,00
2    tesouras grandes de uso comum                   5,00       10,00
20   tesouras para recorte                           1,50       30,00
10   tesourinhas de picotar                          3,50       35,00
10   rolos de fita crepe                             6,50       65,00
5    rolos de fita adesiva (durex)                   1,30        6,50
50   folhas de cartolina branca                      0,80       40,00
1    rolo de papel pardo 30kg c/ 120cm de larg.    150,00      150,00
30   folhas de papel manteiga                        1,55       46,50
10   blocos de papel canson (20 fol.) A3            16,00      160,00
10   blocos de papel canson (20 fol) A4              8,00       80,00
3    rolos de papel filme                            4,10       12,30
10   Papel toalha (pacote)                           2,00       20,00
50   pratos de papelão tam. Médio                    0,21       10,50
3    escovas duras de nylon                          2,20        6,60
50   Luvas de borracha                               1,00       50,00
Núcleo Artes
                                             Valor
                             Material                  Valor total
                                            Unitário
2    latas de massa corrida                   15,00       30,00
3    espátulas de plástico s/ cabo              5,00      15,00
4    espátulas de metal (tam. diferentes)     11,00       44,00
15   espátulas p/ pintura                       4,50      67,50
4    Estiletes de tamanhos diferentes           2,50      10,00
3    Lâminas p/ estiletes (conjuntos)           1,00       3,00
5    godês                                      6,50      32,50
5    panos de limpeza sem felpa                 3,00      15,00
3    baldes plásticos                           5,00      15,00
1    galão de verniz marinho                  45,00       45,00
20   spray de cores variadas                  18,00      360,00
1    lata de tinta dourada                    17,90       17,90
1    lata de tinta prateada                   13,00       13,00
30   tintas artesanato cores variadas           5,00     150,00
30   tintas de tecido cores variadas            4,67     140,10
20   tintas de vidro                            2,65      53,00
1    removedor de tinta                       21,50       21,50
10   pastas relevo                              7,00      70,00
Núcleo Artes
                                         Valor
                             Material              Valor total
                                        Unitário
10   goma laca (100ml)                      3,15       31,50
5    pasta p/ dourar                      15,52        77,60
3    conjuntos de cola gliter             22,20        66,60
1    alvejante                              2,60        2,60
3    detergentes                            2,00        6,00
2    colas biscuit (1 litro)              13,00        26,00
3    colas cascorez (litro)               21,50        64,50
2    colas de madeira                       6,00       12,00
3    colas super bond                       4,50       13,50
5    colas durepox                        11,00        55,00
1    martelo                              35,00        35,00
1    serrote                              20,00        20,00
3    chaves de fenda diferentes             5,00       15,00
3    alicates diferentes                  16,67        50,01
50   Parafusos, pregos,...                  0,40       20,00
3    rolos de barbante                      6,00       18,00
1    régua de metal                         8,55        8,55
1    trena                                19,00        19,00
Núcleo Artes
                                                    Valor
                                Material                      Valor total
                                                   Unitário
1    grampeador                                      31,50        31,50
1    caixa de grampos                                 2,00         2,00
20   máscaras protetoras                              1,00        20,00
5    caixas de percevejos                             2,40        12,00
2    caixas de alfinetes                              2,35         4,70
4    caixas de clips (2 tamanhos)                    12,25        49,00
50   colheres de plástico                             0,17         8,50
10   pacotes de esponja de aço                        2,00        20,00
3    pacotes de lixas d’água                         10,00        30,00
2    pacotes de algodão                               3,00         6,00
5    telas p/ pintura 30x40CA                         6,30        31,50
5    telas p/ pintura 40x50CA                        10,37        51,85
                                           TOTAL                5.383,01
Núcleo Artes
    Material Permanente


                                                       Valor
                          Material                                  Valor total
                                                      Unitário

1   Bastidor c/ telinha para papel reciclado               120,00      120,00
1   Pirógrafo                                               85,00       85,00
1   Guilhotina                                             150,00      150,00
1   Apontador mecânico PR03EA                               56,93        56,93
1   Furadeira elétrica                                      85,00        85,00
1   Serra automática tico-tico                             125,00      125,00
3   Cavaletes p/ pintor                                     66,49      199,47
1   Manequim articulado                                     33,63        33,63
1   Rolo TNT 50m branco                                     44,50        44,50
1   Espiriteira ou fogãozinho elétrico com uma boca         70,00        70,00
4   Verba para passeio e visitas a exposições              200,00      800,00
                                                            TOTAL    1.769,53
    Total material de consumo                                        5.383,01
    Total material permanente                                        1.769,53
    TOTAL DO NÚCLEO DE ARTES                                         7.152,54
  Núcleo Música
       Investimento
                                                   Núcleo de Música
ORÇAMENTO
                                                           Profª. Dinah da Silva Santos

     Material                                       Valor Unitário      Valor total

20   Estantes para partitura.                                 48,90             978,00

50   Flautas doces soprano germânica Yamaha                   18,90             945,00
20   Flautas doces contralto germânica Yamaha.                51,90           1.038,00
 1   Violão di Giorgio clássi elétrico com capa              459,00             459,00
 2   Violões para estudo                                      99,00             198,00
 2   Xilofones de madeira – 13 teclas – soprano              239,00             478,00
 2   Xilofone de madeira – 13 teclas – contralto             329,00             658,00
 2   Xilofones de madeira – 13 teclas – baixo.               579,00           1.158,00
 2   Metalofone – 13 teclas – soprano.                       199,00             398,00
 2   Metalofone – 13 teclas – contralto.                     395,00             790,00
 2   Metalofone – 13 teclas – baixo.                         579,00           1.158,00
 1   Teclado Yamaha PSRE 403                                 989,00             989,00
Núcleo Música                Material                      Valor     Valor total
                                                          Unitário
    Teclado (mais simples) para estudo Yamaha PSRE 203
2                                                           498,00       996,00
4   Jogos de cordas para violão.                              7,50        30,00
2   Triângulos 20 cm cromados                                13,90        27,80
2   Ganzás médios                                            17,90        35,80
1   Amplificador oneal 700 WRMS 40 HMS                      859,00       859,00
    Mesa de som – 12 canais Misturador oneal 12 canais      395,00       395,00
1
4   Caixas acústicas B e Iluc 12" 250 W                     575,00     2.300,00
    Suportes para caixas acústicas pedestal ask p/caixa
                                                             98,00       392,00
4   acústica

3   Capa para teclado 5/8.                                   59,90       179,70

3   Capas para violão.                                       14,90        44,70
3   Suportes de ferro para teclado                           48,90       146,70
4   Microfones.                                             119,00       476,00
 Núcleo Música
      Material                                      Valor          Valor total
                                                   Unitário
4     Cabos para ligação dos instrumentos.              12,90                  51,60
1     TNT coloridos                                     50,00                  50,00
1     Extensão (fio)                                    50,00                  50,00
1     Benjamin (conector elétrico)                        5,00                   5,00
30    Cadeiras Universitárias (com braço móvel)        140,00              4.200,00

1     Gravação (aluguel de estúdio)                    600,00                 600,00

1     Mixagem                                          600,00                 600,00
      Cabos p/ligação caixas acústicas na mesa(8                              132,00
4     m)                                                33,00
4     Suportes para microfones                          34,00                 136,00
      Quadro Pautado                                                     Não orçado por
                                                                 necessitar de dados de
                                                                           mão-de-obra
1                                                                          especializada


100   Cadernos de Música                                  1,50                150,00
      Aparelho de som com caixas amplificadas,
                                                       499,00                 499,00
 1    com CD PHILIPS 350 Watts – SPANIUM
 Núcleo Música
      Material                                    Valor Unitário   Valor total

      CDs para cópia de músicas para os alunos              1,50         150,00
100
      Lápis                                                                20,00
100                                                         0,20
      Borrachas
                                                                           20,00
100                                                         0,20
      Camisetas (Característica da Oficina –
      Projeto) – para divulgação                           17,30        1.730,00
100

2     Fotolito (2 cores)                                    8,00           16,00

      Abrigos (colegial) para uniforme do                               1.160,00
40    conjunto                                             29,00

4     Verba para visitas artísticas e culturais           200,00         800,00

      TOTAL DO NÚCLEO DE MÚSICA                                       25.499,30
Núcleo de Esportes
 Investimento
                                                  Núcleo de Esportes
ORÇAMENTO
                                                       Prof. Carlos Eduardo Berwanger

                                                             Valor
 Unid                       Material                                    Valor Total
                                                            Unitário
  15    Bolas de Futsal Penalty MAX 500                          54,00       810,00
  10    Bolas de Basqauete NIKE                                  38,00       380,00
  10    Bolas de Voleibol Penalty                                52,00       520,00
  8     Postes móveis para rede de voleibol e basquetebol        60,00       480,00
  5     Redes de voleibol                                        50,00       250,00
  1     Conjunto de peças de EVA para tatame de lutas         4.500,00     4.500,00
  40    Coletes                                                  10,00       400,00
  15    Cones de Sinalização                                     20,00       300,00
  40    Metros de Corda                                            2,00       80,00
        Tela de proteção das quadra                                        2.600,00
        Pintura das linhas da quadra                            250,00       250,00
        Conserto das tabelas de basquetebol                     800,00       800,00
  3     Verba para atividades esportivas fora da escola         200,00       600,00
        TOTAL DO NÚCLEO DE ESPORTES                                       11.970,00
Núcleo Informática
 Investimento
                                                     Núcleo de Informática
ORÇAMENTO                                                       Luciano da Silva Amaral
                                                          Valor       Valor Total
Unid                       Material                      Unitário
 100    CD Rom                                                5,00             500,00
 50     CD-RW                                                10,00             500,00
 30     Disquete Caixa                                       10,00             300,00
 50     Pcte 500 Folhas A4                                   20,00           1.000,00
  1     Quadro                                              350,00             350,00
        Marcadores de quadro preto,azul, verde e
 40    vermelho (10 de cada cor)                             20,00              800,00

        Cartucho Impressora Pretos e coloridos (20
 40    pretos e 20 coloridos)                               100,00            4.000,00

 20 Pasta Sanfonada                                          20,00             400,00
 100 Caneta esferográfica                                     3,00             300,00
 100 Lápis                                                    1,00             100,00
 100 Borracha                                                 0,90              90,00
 40 Caderno                                                  12,00             480,00
 20 Confecção de Polígrafos                                  50,00           1.000,00
 04 Verba para Atividades Culturais - fora da Escola        200,00             800,00
     TOTAL DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA                                         10.620,00
Núcleo Jornal
  Investimento
                                                               Núcleo Jornal
ORÇAMENTO
                                                                 Luciano da Silva Amaral

                                                                                  Valor
Unid                          Material                         valor unitário     Total
  1    Mesa grande para 20 pessoas                                     500,00      500,00
 20    1 Cadeira por educando, somando mais 04 cadeiras.                 90,00   1.800,00
  1    Quadro branco para marcador 90x120                              200,00      200,00
  1    Painel de Metal Furado para Recados                             100,00      100,00
       Computador equipamento com sistema operacional
 2     WindowsXp e pacote Office 2003                                1.400,00    2.800,00
 1     Multifuncional HP                                               500,00      500,00
 2     Mesa de computador                                              150,00      300,00
 1     Mesa para impressora                                            200,00      200,00
 2     Cadeiras com rodas                                               87,00      174,00
       Máquina fotográfica digital que grave voz e vídeo com
 2     no mínimo de 1Gb de memória                                     800,00    1.600,00
       02 – 01 preto e 01 colorido para a multifuncional HP,
 40    sendo uma compra por mês.                                       100,00    4.000,00
       Uma verba mensal destinada à revelação de no
 20    mínimo 20 fotos                                                  20,00     400,00
        Agenda 01 para cada educando, mais 01 para o
 20                                                                     16,00
        monitor.                                                                 320,00
 60    Folhas A4 - 03 pacotes de 500 folhas                             20,00    1.200,00
Núcleo Jornal
Unid                              Material                       valor      Valor Total
                                                                unitário
       Caixa de Canetas Esferográficas cores azul, preta e
100                                                                  1,90       190,00
       vermelha
30     Lapiseira Grafite nº. 07                                                 300,00
                                                                   10,00
100    Grafite nº 7 - Recarga para a lapiseira                       5,00       500,00

30     Borracha                                                      1,50        45,00

20     Pastas                                                        5,00       100,00

 2     Armário com 04 gavetas com chave.                          500,00      1.000,00

 1     Armário sem gavetas com chave                                            500,00
                                                                  500,00
40     Arquivo morto - Caixa de papelão                              6,00       240,00
       Tela de Projeção C/tripé acoplado com área de 2,40 x
 1                                                                500,00        500,00
       1,80
100    CD RW - Mídia para gravar arquivos                            9,00       900,00

20     Linha Telefônica - mensalidade                              90,00      1.800,00
20     Acesso a Internet - acesso Banda Larga, mensalidade        100,00      2.000,00
       Verba para Atividades Artísticas e Culturais – fora da
04                                                                200,00        800,00
       Escola
       TOTAL DO NÚCLEO DE JORNAL                                            22.969,00
Núcleo de Rádio
   Investimento
ORÇAMENTO
                                                     Núcleo de Rádio
                                                            Prof. Jesualdo Freitas de Freitas
ESTÚDIO RÁDIO

 Equipamento                                              Uni-    Preço          Preço
                                                          dade    unitário       total
                                                               04   3.193,00    12.772,00
   Microcomputadores-áudio-RÁDIO/estúdio             e
   alunos
    Monitor LCD , resolução 12
    Processador ASSUS-Intel Pentium D-64 bits-925-
   freqüência
    Placa mãe intel 64bits-BOXD946GZISSL-Socket LGA
   775
    Memória DDR2 1.o GigaByte 240 pinos-freqüência PC2
    HD SATA 250.0 gIGAbYTES-7200RPM-Maxtor-modelo
   MaxL
    Drive DVD+-RW Interno Preto 18x-LG-Leitor e grav
    Placa Vídeo PCI Express 128MB-nVidia-7100GS-Point
    Drive 3 1/2HD-Preto-1.44 Mega Bytes-OEM—Interno-
   Mouse
    Gabinete KIT Barebone Torre-500W-Prata-Mouse
    Windows XP HOME Edition-Full-CD
Núcleo de Rádio
 CDs para backup – rádio e TV                         500       1,00     500,00
 Impressora Epson Multifuncional CX5600-USB-
 5750X14                                               02     389,00     778,00
 Misturador YAMAHA DIGITAL01V96V2
  contém amplificador e compressor                    01               7.998,00
  conexão usb
  Microfones BEHRINGER STUDIO                          02     788,00    1.576,00
Pedestais p/microfone BEHRINGER STUDIO                 02      42,00       84,00
 10 microfones (stúdio e gravações musicais das
 oficinas de música – diferentes instrumentos)         10     479,00    4.790,00
 Kit - 2 microfones sem fio
 KIT 02 MICROFONES SEM FIO Korsed 302 Uhf
 Martel,                                                02    499,00     998,00
Cabo Santo Ângelo p/microfone nas conexões de        100m       2,70     270,00
estúdio
 02 gravadores digitais – rádio e jornal               02     472,00     944,00
 04 CAIXA MONITOR PHONIC AMPLIF. P6A para
 retorno – 02 dentro do aquário e duas para edição     04     979,00    3.916,00
 CD SK PRO DUPLO                                       02    1.490,00   2.980,00
 gravadores de punho k7 – rádio e jornal               04     120,00     480,00

 conexão banda larga                                   17     150,00    2.550,00
Núcleo de Rádio
CAIXA ONEAL 300WRMS ATIVA 2 VIAS (PARA O
PÁTIO CENTRAL )                                           04       1.549,00      6.196,00
PLUG XLR S. ANGELO MACHO                                  10          11.90        119,00
PLUG XLR S. ANGELO FEMEA                                  06          12,50         75,00
PEDESTAL RMV E.LOCK PLUS                                  10          47,90        479,00
PEDESTAL CSR DE MESA                                      05          28,90        144,50
FONE OUVIDO BEHRINGER                                     02         189,00        378,00
AQUÁRIO STUDIO ÁUDIO/RÁDIO -
Aquário, revestimento das paredes para ambiente
hermético e vidro TEMPERADO (fragmenta-se ao
quebrar-segurança)duplo.Figuras, 01,02.                                          3.200,00
Aparelhos de ar condicionado                        02+01
                                                   jornal/r
                                                     ad./tv         600,00       1.800,00
                                                                    TOTAL       53.027,50

      MOBILIÁRIO ESTÚDIOS

Mesa grande tipo bancada para misturador, retorno e 01
microcom-putador ou construir em MDF-1 espaço rádio e 1
espaço TV.                                                     2       400,00      800,00
Mesa para outro microcomputador                                4       150,00      600,00
Mesa para locutores – notícias na TV                           1       200,00      200,00
Núcleo de Rádio
 Suporte p/tv                                                        1       60,00       60,00
 Mesa redonda para interior do aquário – locutores rádio             1      250,00     250,00
 Cadeiras – rádio e tv – giratórias e com rodas                    15        80,00    1.200,00
                                                           TOTAL                      3.110,00


MOBILIÁRIO ESTÚDIO TV

  TV 29 polegadas – para o pátio.                                     01     899,00      899,00
  TV 21 polegadas - para o Estúdio.                                   01     599,00      599,00
  Microcomputadores-TV/estúdio e alunos-edição de imagem:             04   3.131,00   12.524,00
  Processador Intel Pentium D-64 bits-925-freqüência               estú-
  Placa mãe intel 64bits-BOXD946GZISSL-Socket LGA 7750              dios
  Memória DDR2 1.o GigaByte 240 pinos-frequencia PC2 HD
  Placa Vídeo PCI Express 512MB-Radeon-X1550-PowerC
  Drive DVD+-RW Interno Preto 18x-LG-Leitor e grav
  Drive 3 1/2HD-Preto-1.44 Mega Bytes-OEM—Interno-Mouse
  Gabinete KIT Barebone Torre-500W-Prata-Mouse
  Windows XP HOME Edition-Full-CD
  Monitor LCD , resolução 12
  Impressora Epson Multifuncional CX5600-USB-5750X14
  Adaptador USB 2.0 Wireless-D-Link DWL-G122-802.11g
  Placa de captura (PINACLE) – AV-DV-
   Núcleo de Rádio
DVD Philips Dvp 3040 K Karaoque Divx 3040k                                                                 01    179,00      179.00
ILUMINADOR- UN800A- 1000W                                                                                  02    133,00      266,00
Gelatina – folha 50x60                                                                                     06     17,00      102,00
 DIFUSOR – UN801A – C/TECIDO – INITE                                                                       02     44,00       88,00
Tripé UNO 82 – 2,70M CADETE I para            câmera filmadora                                             02    135,00      270,00
 Tripé 6307 – 6307 - FANLIEVpara câmera filmadora para dentro do
estúdio                                                                                                    01    375,00      375,00
 LAMPADA – 64579 – 121,7MM – OSRAM                                                                         04     35,00      140,00
 CABEÇA – 701 – MANFROTTO (importada – única que não dá
solavancos – anexada no tripé nacional de menor custo)                                                     01    580,00       580,00
 DOLLY – WT600 – WF (carrinho p câmera dentro do estúdio)                                                  01    210,00       210,00
 Projetor Lg Ds125-Jd 2500 Lúmens Home Theater/Data Show                                                   01               2.030,00
 Câmeras filmadoras pequenas para tomadas externas – VOLANTES -
FILMADORA DIGITAL PV-GS81 PANASONIC –Uso pela TV e Jornal                                                  02   1.500,00    3.000,00
 Câmera filmadora fixa no estúdio (tv)Panasonic AG-DVC20 3CCD DV
Filmadora.Descrição: Com zoom ótico de 10X e zoom digital de 500X, a AG-DVC20 é a nova
filmadora profissional da Panasonic de 3 CCDs que oferece cores reais, operação fácil e alta qualidade
de imagem! Seu design e facilidade no manuseio fazem dessa filmadora uma ótima escolha para
gravações de casamentos, esportes e eventos em geral, onde a agilidade é necessária. Entre as novas
características estão a função Power LCD, que permite que a tela LCD seja vista na luz solar brilhante e
a Zero Lux Night View que transforma o LCD em uma fonte clara para captar imagem na escuridão total.
                                                                                                           01   2.604,71    2.604,71
O novo design de fácil controle facilita a reprodução e traz diversos ajustes a mais.



  TOTAL                                                                                                                    23.866,71
   Núcleo de Rádio
CONSTRUÇÃO DE PALCO
 Iluminação-spotes – refletores abertos- para o pátio.
 Os refletores abertos são utilizados em shows, teatro e danças
 por serem baratos e eficientes. Têm grande variações de potência (1000W a
 5000W)e não levam lentes daí seu nome: aberto. São utilizados para aumentar a
 qualidade de cor em palcos com gelatinas verdes, azuis, amarelas (âmbar) e vermelhas.
 1.Canhão Par64 - Meyerman - Modelo Bipartido – Alumínio. Canhão para lâmpada tipo
 PAR64, de até 1000w. Voltagem do aparelho totalmente dependente da lâmpada. Aceita
 lâmpadas PAR64 de 1000w - 110v ou 220v. Não Acompanha a Lâmpada.                        02   53,81      107,62

 Lâmpadas                                                                                04   91,50      366,00
 Chaves em resistência numa cx fixa tipo mesa simples para dois
 refletores no pátio                                                                     02   80,00      160,00
  TOTAL                                                                                                  633,62

SERVIÇOS
  Instalação de equipamento no estúdio – contratar técnico –
  Instalação de montagem do aquário (hermética dentro do
                                                                                                       3.000,00
  estúdio)
   Palco, madeira Ipê, de encaixe e mão-de-obra                                                       10.000,00
   Teto sobre Palco e mão-de-obra                                                                      4.000,00
   Eletroduto (estúdio até pátio central) cada barra c/3 m,
                                                                                         10   3,90       39,00
   totalizando 10 barras (enterradas).
   Mão-de-obra para enterrar eletroduto.                                                                150,00
Núcleo de Rádio
Eletroduto – conexões, joelhos, emendas, etc.                                40,00
Fio elétrico – cabo 6mm, PP 2.6.0 (p/2 spots-500w-
                                                         60      6,70       402,00
fonte para amplificador, etc.) – metros
Tomadas                                                   3      7,00        21,00
Fio coaxial – TV e Estúdio/Pátio – malha 90 (melhor
                                                        150      2,40       360,00
p/longa distância) – metros
Fio para 6 caixas de som, do estúdio até a área
central, (incluindo 2 da Escola), cabo santo ângelo –   1000     2,40     2.400,00
metros
Caixa de ferro para caixa de som – instaladas             4    250,00     1.000,00
Caixa de ferro para TV 29‖ – no pátio – instalada         1    580,00       580,00

Atividades Artísticas e Culturais – fora da Escola       06    200,00     1.200,00
                                                                TOTAL    23.192,00
RESUMO DO ORÇAMENTO DO NÚCLEO DE RÁDIO
ESTÚDIO                                                                  53.027,50
MOBILIÁRIO ESTÚDIO                                                        3.110,00
ESTÚDIO TV                                                               23.866,71
CONSTRUÇÃO DO PALCO                                                        633,62
SERVIÇOS                                                                 23.192,00
TOTAL GERAL DO NÚCLEO RÁDIO                                             103.829,83
Núcleo de Rádio
JUSTIFICATIVA PARA EQUIPAMENTOS
      A escola precisa acompanhar a contemporaneidade. As escolas são construídas sem
previsão de espaço lúdico fora de sala de aula. Não há bancos para conversar no recreio,
não há sombra de árvores, não há espaço para apresentações artísticas, e, ainda se
anota a grande agitação e até violência nos recreios.
      De grande necessidade a introdução da mídia na escola. Mídia também é um dos
veículos de ensino, precisa ser conhecida e manipulada pelos alunos. Uma escola com
1.100 alunos não possui equipamentos para veicular boa música, incentivar produções
dos alunos para seus colegas; para potencializar alfabetização e para produção de
conhecimento através de tão maravilhosos equipamentos modernos.
      Sabemos que nossos filhos ficam horas assistindo filmagens de seus aniversários,
reprisando-os, se auto-observando. Um pequeno número de equipamentos, como: três
filmadoras, quatro caixas de som, dois amplificadores (a escola já possui um), dois
televisões, um datashow, atendendo a 1.100 alunos, durante o recreio em sábados
letivos, em festas do calendário cultural (junina, farroupilha, família – antes, dia das
mães e dos pais, etc) nas quais a comunidade lota a escola e vive momentos festivos e
acessíveis, sem gastos ao deslocar-se, entre outros.
      Propomos 01 tv no pátio, 02 caixas de som num pátio coberto e 02 na área sem
cobertura, para uso direto do estúdio ou ao vivo – nos recreios toda área de pátio,
somada é pequena – não é o caso aqui, mas ainda faltarão árvores, bancos (tipo de
praça), o espaço do recreio (e a recreação?) é apenas o solo, um chão acimentado e uma
pequena área coberta. Estamos tentando humanizar estes espaços com inclusão da mídia
e seu potencial, informativo, cultural, lúdico, etc. ―As crianças correm       tanto no
recreio...!...”
Núcleo de Rádio
      Propomos a construção de um palco na área coberta. A escola já teve um e
deteriorou-se. Um palco com toda sua magia, seu fascínio, seu encanto e atração, num
ambiente cheio de crianças e adolescentes que amam o expressar-se – ―está na idade‖ -
e nisso vivem emoções, e com isso convivem bem ou mal, sem uma canalização
direcionada para seu prazer e auto-educação, e educação orientada por seus mestres.
Alguém já viu um palco numa escola? É tão raro. Alguém já viu um palco numa escola
com crianças se apresentando ou ―brincando de se apresentar‖? A escola ressente-se
do palco que teve.
      Propomos quatro spots de luz, num ambiente externo, que pode ter sua ação
potencializada no interturno com apresentações dos alunos e da comunidade. Com
conteúdo de saúde, prevenção, paz, cultura jovem – conteúdo escolar – proveniente de
sala de aula, da comunidade...
      Propomos a possibilidade de rodar, neste local, a programação da rádio, e em
determinados momentos, exibição de vídeos produzidos pelos alunos tanto da escola
quanto da Cooperativa de Comunicação, através do DATAHSOW.
      Propomos a compra de CDs para acervo em backup e para descarregar memória
dos microcomputadores.
      Um DATASHOW, maravilha da tecnologia, hoje tão utilizado em diversos locais. A
escola não possui um sequer para seus 1.100 alunos - aparelho portátil tão aproveitado
em vários ambientes, auditórios e repartições.
       Numa escola qualquer, pequena reunião de turmas soma 100 ou 150 alunos, no
mínimo. Os pais poderiam aproveitar uma entrega de avaliações ou outros espaços para
ver, sim, ver!, seus filhos em momentos de aula; na festa da família, enfim, há inúmeras
situações do cotidiano escolar propícias para filmar as crianças e apresentar aos pais,
junto com as mesmas.
Núcleo de Rádio
      Como se construirá a fraternidade? Como se construirá a paz? Para tanto, seria
possível desprezar o cotidiano?
      Que força tem a imagem, que fascínio a imagem nos provoca, que imenso mercado
de máquinas filmadoras e fotográficas, cds, dvds movimentam milhares de dólares no
mundo, diariamente!?
      Solicitamos duas televisões para a escola e pretendemos conexão com a TV no
pátio e o DATASHOW (este em múltiplos locais). E que reforço de estima pela escola
produzir-se-á com o conjunto de tais equipamentos?! E a auto-estima dos alunos?! E a
importância da festa?! E a conexão da festa e do lúdico com a educação, com o ensino,
com o aprendizado, com a expressão no âmbito escolar, com a expressão em âmbito
maior via web?! Seria demais um estúdio de rádio com boa qualificação de áudio??!!
       Seria demais um simplificado estúdio de imagem com apenas uma câmera, dois
refletores, uma mesa para um locutor noticiarista??!! Seria possível medir o impacto na
auto-estima de um adolescente de um local tão desgraçadamente periférico, ao
familiarizar-se com tais equipamentos??!! Elaborando pequenos vídeos sobre a história e
as vivências de sua comunidade e, ainda, veiculando-os na web! Como se ―ensina‖ a
construção da auto-estima no outro??!!
       Equipamentos tão emblemáticos na sociedade moderna! Que ferramentas para a
valorização do ser! Que ferramentas para o desenvolvimento e a construção da
cidadania! Que outra oportunidade terão estes adolescentes?? Onde?? Quando?? E
através de quem??
Considerações Finais
                                              Considerações Finais

         O entendimento de que o Projeto Cidade Escola tem, em seus princípios e
diretrizes, as premissas       básicas para uma ação coletiva e integrada, que
possibilitará redesenhar a realidade social vivida hoje na comunidade em que a Escola
está inserida, é o alimento que encoraja esta Instituição de Ensino e este grupo de
profissionais a implementar e desenvolver este trabalho.

        Buscando maior aproximação, congregação e interação entre os atores
sociais envolvidos no contexto instalado atualmente, a E.M.E.F. Nossa Senhora de
Fátima visa, através do Projeto Cidade Escola, potencializar, ampliar e qualificar ainda
mais o ensino, aproximar o aluno da escola, formalmente, em espaços e situações
destinados e planejados para isso; e trazer a comunidade para dentro dos espaços
escolares, proporcionando momentos de crescimento participativo e democrático, que
fortaleçam a identidade e a auto-estima de cada um dos atores envolvidos, e criem ou
ampliem oportunidades de inserção social a todos, cumprindo um dos papéis sociais da
escola, que é fazer com que os direitos civis sejam assegurados.

      Portanto, faz-se importante ressaltar que todos os objetivos pretendidos somente
serão possíveis com a parceria incondicional da Prefeitura Municipal de Porto Alegre,
através de sua Secretaria Municipal de Educação, tornando realidade o Projeto Cidade
Escola da E.M.E.F. Nossa Senhora de Fátima.
Bibliografia
 Bibliografia
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, Projeto Cidade Escola, PORTO ALEGRE , 2007.
UNESC0, Projeto de Cooperação Técnica Internacional Porto Alegre: Cidade Escola, Cidade Rede. Representação
da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura- UNESCO- no Brasil, Escritório Antena do RS.
Março de 2007.SILVA, Alexandro Fernando e outros. Formação de Educadores Sociais – Projeto JovemPAZ –
Construção Intercultural da Paz e da Sustentabilidade – IPF-Instituto Paulo Freire – Cortez Editora – 2004.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues, A educação como cultura. São Paulo: Brasiliense, 1986.
FRANCO, Sérgio da Costa. Porto Alegre. Guia Histórico. Porto Alegre: UFRGS, 2006.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 12 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1984
__________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.
GIROUX, Henry. Escola Crítica e Política Cultural. São Paulo, Cortez, 1988.
GRAMSCI, Antônio. Os intelectuais e a organização da cultura. 4 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989
MELLO, Marco et alii. Análise dos indicadores sócio–econômicos e demográficos do Bairro Bom Jesus, na Região
Leste da cidade de Porto Alegre-RS. UFRGS/IFCH, 2003. reprogr.
MELLO, Marco. Pesquisa Participante e Educação Popular: da intenção ao gesto. Porto Alegre: Ed; Ísis; Diálogo;
IPPOA, 2005.
MELLO, Marco. (Org.) Pesquisa-Ação Participante: Indicadores Sociais, Serviços Públicos e Movimentos Sociais. Vila Fátima – Bom
Jesus. Porto Alegre: Educação de Jovens e Adultos; Projeto Abrindo Espaços na Cidade que Aprende. Escola Municipal de Ensino
Fundamental Nossa Senhora de Fátima, 2006.
PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Memória dos bairros. Bom Jesus. Secretaria Municipal de Cultura.1999.
__________. Mapas da inclusão e exclusão social de Porto Alegre. Porto Alegre: Gabinete do Prefeito. Secretaria do Planejamento
Municipal. 2004. (Ed. Revista 2005)
SMED. Caderno Pedagógico. no. 8; Em busca da unidade perdida: Totalidades de Conhecimento. Porto Alegre: Jun/1996.
SMED. Caderno Pedagógico n.º 9. Ciclos de Formação. Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã. Porto Alegre, Dez/1996.
VASCONCELLOS, Celso. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem e projeto educativo. São Paulo: Libertad, 1995.
www.observapoa.com.br, acesso em abril de 2006. www.portoalegre.rs.gov.br, acesso em mar e abril de 2006.

				
DOCUMENT INFO