Docstoc

semana da arte moderna - PowerPoint

Document Sample
semana da arte moderna - PowerPoint Powered By Docstoc
					E.E.E.Fundamental e
        Médio
Prof.º João Bento da
        Costa
Componentes: Alcicléia Patrício
             Carla Vanessa
             Jéssica Kelly
             Patrícia Pantoja
         2º ANO Q
SEMANA DA ARTE MODERNA
       NO BRASIL



Literatura
   Contexto histórico:
  O Brasil no início do século XX, possuía cerca
  de 70% da população que dedicava-se a
  agricultura, porém o processo de urbanização
  avançava composto por imigrantes e pessoas
  que saiam do campo para a cidade.
.              São Paulo liderava o assentamento
               das correntes migratórias, neste
               tempo existiam as oligarquias que
                    defendiam o interesse da
                     elite.
No entanto tinha-se iniciativas para se fundar
um partido nacional. Porém após a
Primeira Guerra Mundial uma aspiração
nacional começou a difundir-se
contra as oligarquias, pleiteando a criação
de uma Justiça eleitoral, devido a guerra
houve instabilidades internas no Brasil
(inflação e greves). Em março de 1922
funda-se o PCdoB, paralelamente a isso
a insatisfação militar crescia eclodindo
no movimento protagonizado por Oficiais de nível
médio, no mesmo ano tenentistas cariocas promovem a
Revolta do Forte de Copacabana, dois anos depois
houve em São Paulo a Revolta de 1924 que objetivava
destituir do governo Artur Bernardes.
    Influencia Francesa na cultura
              Brasileira
Notadamente no Rio de Janeiro e em São Paulo,
 a idéia de que o que era Francês era chic
dominava os sonhos de consumo e de cultura da
burguesia. O domínio desse idiomas dava acesso
aos grandes nomes do parnasianismo Francês
lidos em recitais , bares e festa.
A moda, os perfumes, o champanhe, os hábitos
extravagantes da “belle epoque”eram tardiamente
cultivados pela burguesia brasileira do pós-guerra.
    Precursores da Semana da Arte
              Moderna
 Oswald de Andrade: Filho de alta
burguesia paulista, sai em viagem pela
Europa , onde permanece
até setembro do mesmo ano




Obra: A caipirinha 1923
   Lituano Lasar Segall: Antes do movimento
    modernista de 1922, foi Lasar Segall (1891-
    1957) que proporcionou ao Brasil o primeiro
    contato com a arte européia mais inovadora,
    Segall nasceu na Lituânia e estudou pintura na
    Alemanha, para onde mudou-se em 1906.

                   Obra: Paisagem brasileira 1925
   Ronald de Carvalho: foi um poeta brasileiro
    nascido no Rio de Janeiro em 16 de maio de
    1893 e falecido em 15 de fevereiro de Ronald
    fez o curso secundário no Colégio Abílio.
    Entrou na Faculdade Livre de Ciências
    Jurídicas e Sociais, fazendo bacharelado em
             1912.
   Manuel Bandeira: Foi um poeta, crítico
    literário e de arte, professor de literatura e
    tradutor brasileiro.Considera-se que Bandeira
    faça parte da geração de 22 da literatura
    moderna brasileira, sendo seu poema OS
    SAPOS e o ABRE-ALAS da Semana da Arte
    Moderna de 1922.
   Di Cavalcante: (1897-1976), chamado
    Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque
    Melo, viveu na Europa e conheceu os artistas
    mais notáveis.

Obra: “Sem titulo” 1929
   Anita Mafaltti: Nasceu em São Paulo e aí
    realizou seus primeiros estudo de pintura, teve
    grande importância nos fatos que antecederam
    o movimento Modernista em 1922.

                       Obra: A boba (1915-1916)
A Semana da arte Moderna de 1922
A Semana da Arte Moderna foi possível graças á
 arrecadação de fundos promovida pelo
Jornalista René Thiollier. O acontecimento teve
 também o apoio do presidente do estado e do prefeito.
O teatro municipal de São Paulo, fundado em 1913
 com o projeto domiciano Rossi e construção de
 Ramos de Azevedo foi alugado para a ocasião.
A semana concentrou-se em três sessões, nos dias 13,
 15 e 17 de fevereiro de 1922. em cada um desses dias
 houve a predominância de um tema.
          Dia 13 ( segunda-feira)
   A inauguração do evento, marcada para as oito horas
    da noite, foi aberta com uma exposição de artes
    plásticas no saguão do teatro e uma conferencia de
    Graça Aranha “A emoção estética na Arte Moderna”.
    Sua reputação de membro da academia brasileira de
    letras e seus 54 anos não o pouparam das vaias do
    público por seu ataques academicismo. Graça
    apresentou a exposição de artes plásticas e discorreu
    sobre o espírito da “Nova Arte” afirmando que: “Os
    que assimilaram a arte ao belo são retardatários” no
    saguão estavam espostas pinturas dos artistas. na
    segunda parte do evento houve uma conferencia de
    Ronaldo de Carvalho sobre “ A pintura e a escultura
    moderna no Brasil”.
            Dia 15 (quarta-feira)
   Nesse dia, Guiomar Novaes, conhecida virtuose de
    piano, mandou para a redação do jornal O Estado de
    São Paulo uma carta em que se manifestava contra a
    sátira de Eric Satie “A marcha fúnebre de Chopin”,
    executada no primeiro dia da semana. Ainda assim
    participou do evento e aproveitou um intervalo para
    contra a vontade dos demais participantes do
    espetáculo, tocar alguns clássicos consagrados. Um
    dos pontos mais conturbados desse dia foi a leitura
    feita por Ronald de carvalho do poema “Os sapos” de
    Manoel Bandeira.
             Dia 17 (sexta-feira)
   Nesse último dia houve um longo recital de Villa-
    lobos, com a participação de Ernani Braga, Alfredo
    Gomes, Paulina d’ Ambrósio, Lima Viana. Maria
    Emma, Lucília Villa Lobos, Pedro Viana e Antão
    Soares. Foi um dos dias tranqüilo, com menos da
    metade da lotação do teatro. O único momento de
    constrangimento e vaias se deu com a entrada do
    maestro Villa Lobos que apresentou de casaca, mas
    com um pé calçado e o outro com um chinelo.
    Os três objetivos fundamentais da
        Semana Da Arte Moderna
   1º Reivindicar o direito permanente a pesquisa
    estética, a atualização da arte brasileira, a
    estabilização de uma consciência criadora nacional.

   2º Reagir contra o “helenismo” de Coelho Neto,
    contra o purismo de Rui Barbosa, contra o
    academicismo de maneira geral.

   3º Substituir o psiquismo literário de métrica rígida e
    sentimentos catalogados, pela linguagem coloquial,
    pela livre expressão, pela valorização da realidade
    nacional, pela exaltação da psique moderna.
    Repercussões da Semana da Arte
              Moderna
A “ Seção livre” registrou muitos comentários:
“São uns pândegos, filhos de famílias ricas, que
  decidiram ser modernos apenas porque não sabem
  rimar”.

   “Homessa! A cacofonia do Sr. Heitor Vilas lobos só
    engana quem não entende de música. Tal gual o Sr.
    Igor Atrawinsky: um confuso!”

   O jornal A Gazeta menciona o evento varias vezes.

   A folha da noite publicou em 16 de fevereiro de 1922
    um comentário.
    Revistas e manifestos Pós-Semana
            da Arte Moderna
 Além de varias revistas vinculadas ao movimento
  como: Klaxon, criada em São Paulo (1922, resistiu
  nove números) Estética (1924, Rio de Janeiro) A
  }Revista (1925) responsável pela divulgação do
  modernismo em Minas Gerais, Terra roxa e outras
  terras (1926, São Paulo) Revista Verde (1927, Minas
  Gerais) entre outras, surgiram ainda no Brasil
  algumas correntes literárias a ele vinculadas
A seguir, algumas das mais expressivas.
• Pau -Brasil;

• Verde-Amarelismo;
• Antropologia.
                  Conclusão
   Contudo a Semana da Arte Moderna deve ser
    vista não só como um movimento político
    social, mas como uma expressão artística que
    movimentou o Brasil do Pós-Guerra gerando
    grandes repercussões não só naquela época
    mas ainda hoje figura na imaginação de muitas
    pessoas e traduz uma cultura diferente e muito
    rica em conhecimento.

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:405
posted:3/28/2009
language:Portuguese
pages:19