PLANO E RELATÓRIO DE ESTÁGIO by nvb17269

VIEWS: 389 PAGES: 22

									                                                                      1


                  PLANO E RELATÓRIO DE ESTÁGIO


A elaboração do PLANO DE ESTÁGIO e, posteriormente também do
RELATÓRIO DE ESTÁGIO, constituem peças fundamentais para que:

 O aluno desperte sua vocação para uma das áreas de interesse em
informática;
 O professor orientador do estágio disponha de um elemento
substancial de avaliação dos trabalhos práticos e de pesquisa
realizados pelo aluno, durante o período de estágio;
 A Instituição de Ensino, de posse do Relatório de Estágio, tenha em
mãos um dos documentos indispensáveis para a liberação do diploma.

Dada a importância do trabalho de relatar o período de estágio, é
oportuno ressaltar que as pesquisas e a área de estágio sejam definidas
e iniciadas durante o 1º ano do curso.

O aluno assim procedendo, contará com mais tempo para pesquisas,
elaborações, revisões e acompanhamentos, evitando desta forma,
sobrecargas e improvisações no final do curso.

A seguir fornecemos algumas informações adicionais ao material já
disponível em poder do aluno, que se somam às explicações proferidas
em sala de aula.

Quaisquer dúvidas, consultas ou sugestões, deverão ser encaminhadas
ao professor orientador que se coloca à inteira disposição dos alunos
interessados, no mínimo, dois dias por semana, durante o período
letivo.




            NORMAS REGULAMENTADORAS DE ESTÁGIO

O material ora distribuído serve de apoio e orientação aos alunos.
                                                                      2




De acordo com o parecer 2.713/76 - MEC - e resolução artigo segundo,
parágrafo segundo, que determina a realização do estágio
supervisionado por parte dos alunos dos Cursos Superiores de
Tecnologia em Processamento de Dados, Ciência da Computação e
Análise de Sistemas para que possam obter os diplomas e o respectivo
registro. A Coordenação de Informática da UNIb, nos termos que o
Regimento, estabelece:


Art. 1º O estágio para os alunos dos Cursos Superior de Tecnologia em
Informática, Ciência da Computação e Análise de Sistemas, será
realizado em instituições privadas, públicas ,de economia mista ou no
próprio Centro de Informática da UNIb.

Parágrafo Único: Caberá ao aluno escolher onde pretende estagiar,
podendo os professores, eventualmente, auxiliá-lo nesta escolha.


Art. 2º A duração do estágio será no mínimo de 300 horas/aulas, no
decorrer do curso.


Art. 3º Deverão inscrever-se para o estágio os alunos matriculados a
partir do Primeiro Ano.


Art. 4º O estágio deverá ser realizado mantendo o nível de atualização
tecnológica (estágios feitos há mais de 2 anos deverão ser atualizados)
em uma das seguintes áreas de interesse.

   C.I. - Centro de Informações
   Inteligência Artificial
   Administração de CPD
   CASE- Computer Aided Software Engineering - Engenharia de
            Software
   Automação Industrial
   Análise de Sistemas
   Telemática
   Automação de Serviços
   Bancos de Dados
   CBE - Computer Based Education - Educação por Computador
   Computação Gráfica
   Supercomputadores
                                                                      3


Art. 5º Fica Instituída a Coordenação e Supervisão de Estágio, cujos
titulares serão designados pela Coordenação de Informática.


Art. 6º Caberá à Coordenação de Estágio:

   A Coordenação Geral dos Estagiários;
   Orientar os alunos quanto ao desenvolvimento teórico e prático do
    estágio;
   Dar parecer e aprovar o Plano de Estágio e o respectivo Relatório de
    Estágio, ratificando a aprovação inicial da Supervisão de Estágio.


Art. 7º Caberá a Supervisão de Estágio:

 Supervisão dos Estágios;
 Auxílio e assessoramento no desenvolvimento dos estágios;
 Fixar juntamente com a Coordenação de Informática os horários
reservados para o assessoramento.
 Aprovar o Plano de Estágio e o respectivo Relatório de Estágio e
encaminhar para a Coordenação de Estágio para ratificação da
aprovação.


Art. 8º O aluno deverá, inicialmente, elaborar o Plano de Estágio e
aprová-lo antes do início das atividades do Estágio:
Durante as atividades, o aluno deverá elaborar, trimestralmente um
relatório específico e encaminhá-lo á supervisão de estágio, para
aprovação, de acordo com a área sobre a qual desenvolverá o estágio.
O trabalho desenvolvido resultará no "Relatório do Estágio".


Art. 9º No Encerramento do Estágio:

 O aluno entregará à Central de Atendimento da UNIb o RELATÓRIO
    DE ESTÁGIO e os documentos mencionados no anexo deste livro.

 O Relatório de Estágio será entregue em duas vias, a saber, uma via
    em disquete, editado em programa WORD ou similar, e outra via em
    papel, devidamente encadernado, conforme orientação da supervisão
    de estágio:

O Relatório será recebido pelo responsável da Central de Atendimento,
que encaminhará a via original e o disquete à Coordenação de Estágio.
O professor coordenador de Estágio, por sua vez entregará à Secretaria
o parecer e a avaliação do estágio.
O prazo para a entrega do Relatório de Estágio encerra-se no último dia
de Outubro, do ano em que o aluno concluir o curso.
                                                                        4


A postergação da data de entrega do Relatório de Estágio poderá
implicar em atrasos de avaliação e, consequentemente, na
impossibilidade de expedição de documentos secretariais em tempo
hábil.

Art. 10º O Relatório de Estágio poderá ser defendido oralmente pelo
aluno perante uma Banca Examinadora; a critério da coordenação de
estágio.
Ficará a critério da Coordenação de Informática designar os membros
da Banca Examinadora.
A Banca Examinadora será composta de pelo menos três membros:
O Presidente, obrigatoriamente será sempre um dos professores da
Universidade Ibirapuera.
Os demais membros serão dois professores da área, podendo um
deles ser professor convidado de outra Instituição de Ensino.
A Banca Examinadora avaliará o trabalho mediante sustentação oral de
defesa pelo candidato.


Art. 11º A avaliação poderá considerar o Relatório de Estágio
satisfatório ou não satisfatório. Prevalecendo a última hipótese, o aluno
deverá completá-lo ou realizar novo estágio supervisionado. Em
qualquer caso, o despacho do resultado da avaliação será dado no
próprio Relatório e na Ficha         de Estágio,     sempre apondo as
assinaturas.


Art. 12º Considerando ser o Estágio parte obrigatória dos Cursos, fica
estabelecido que não será cobrada do aluno nenhuma taxa referente ao
desenvolvimento do mesmo.


Art. 13º O aluno que perder o prazo regular para a entrega do Relatório
de Estágio poderá entregá-lo em qualquer data posterior, obedecendo a
validade de seu exame vestibular.




                          PLANO DE ESTÁGIO

               APRESENTAÇÃO DO PLANO DE ESTÁGIO
                                                                        5




O Plano de Estágio é um documento elaborado pelo aluno mediante o
qual manifesta sua disposição em realizar o estágio, definindo a área
de atuação.
Deverá ser feito antes do início do estágio.

Na elaboração do plano o aluno já deverá mostrar uma visão geral do
estágio, bem como, uma previsão das principais tarefas a serem
realizadas. O planejamento das tarefas deverá obedecer um cronograma
de trabalho. (vide item 12)

O aluno deverá solicitar auxílio e orientação junto aos professores para
montar o Plano de Estágio, o qual deverá ser entregue ao professor
supervisor do estágio para aprovação.


O Plano de Estágio deverá contar com pelo menos os seguintes dados:

1 - Capa: sobre página de rosto. Página de Rosto = nome do autor em
cima, centralizado em letras maiúsculas. Plano de Estágio no meio da
página. Local e data do estágio em baixo, centralizado;

2 - Sumário

3 - Paginação: até o sumário será numeração romana minúscula (i. ii, iii,
...) depois do sumário será numeração arábica (1, 2, 3, ...) sendo que os
numerais deverão estar na parte superior (em cima) direita; na folha de
rosto não deve contar a numeração de pagina, porem deve ser contada.


4 - Dados do aluno: Elementos que identifiquem o aluno autor do Plano
de Estágio.

Exemplo:
Nome: Joaquim de Souza Júnior
CPD: 032536
Turma: 13
Sala: 45
Nº chamada: 26
Período: Noturno
Curso: Ciência da Computação
Semestre do Curso = 7º
Ano do estágio = 2003
Ano de término do curso
                                                                    6


5 - ÁREA DO ESTÁGIO

O aluno deverá identificar junto ao Corpo Docente da UNIb os
professores da área determinada para assessorá-lo na realização do
estágio.

Caracterizar as relações do aluno com a área escolhida.
Exemplo: O estágio será realizado na Área de Automação de Serviços,
junto ao Departamento de Organização de Sistemas e Métodos de
Empresas Patric, Eletromecânica S/A.


6 - PERÍODO DE ESTÁGIO E CARGA HORÁRIA

O aluno estagiário deverá indicar neste item qual o período previsto
para efetivação do estágio, bem como, o mínimo de horas estimado a
ser cumprido.

Exemplo: "O estágio será realizado no período compreendido entre 1 de
fevereiro de 2003 e 1 de agosto de 2003, devendo cumprir uma carga
horária de no mínimo 4 horas por dia útil."


7 - EMPRESA

Colocar neste item, resumidamente, os dados que possam oferecer uma
descrição da empresa onde será realizado o estágio. Este tópico tem
como objetivo orientar o estagiário na coleta de informações que
possibilitem o entendimento preliminar do negócio e da organização.

Exemplo:
Nome completo, razão social,...
Endereço inclusive CEP
Resumo do Histórico, fundação, principais fases, crescimento...
Produtos e Serviços, (os mais representativos.)
Alguns fornecedores e clientes
Recursos Humanos, demonstrar o nº de funcionários p/setor.
Exemplo:
Técnicos 205
Administradores 40
Vendas 180
Nomes dos principais concorrentes no mercado.
Organograma da empresa mostrando o seu Departamento
                                                                        7


8 - DECLARAÇÃO DA EMPRESA

Carta ou contrato de estágio da empresa onde o aluno irá estagiar,
mencionando o nome e o cargo do responsável pelo estágio.
Reconhecer firma do responsável.
Há empresas que fornecem uma declaração em papel timbrado,
assinada.
O aluno também poderá preparar o documento e recolher as
assinaturas de ambos no final da folha, e reconhecer a firma.


9 - OBJETIVO DO ESTÁGIO

Ressaltar os motivos principais pelos quais o estágio será realizado.

Exemplos: "O presente estágio faz parte das exigências curriculares
dos Cursos da Universidade Ibirapuera.

Neste período, iremos vivenciar ( o aluno ) através da prática, da
pesquisa e da especialização, um conjunto e problemas relacionados
com a área de ...............", com o objetivo de........."


10 - JUSTIFICATIVA - (o por quê)

Demonstrar as razões que levaram o aluno a escolher a área para o
estágio.
Comprovar suas pretensões naquela área. O POR QUÊ.

Exemplos: "Para habilitar o praticante do estágio no desenvolvimento
dos trabalhos e pesquisas, que possibilitem dentro da área de........., o
melhor desempenho para suas atividades profissionais futuras.

No estágio o aluno desenvolverá, através da constante observação e
análise de materiais coletados, uma visão de conjunto sobre......."
                                                                                   8


  11 - METAS A SEREM ALCANÇADAS DURANTE O ESTÁGIO

  As metas são os alvos a serem alcançados.

  Exemplos:
  Conhecer as principais fases do desenvolvimento dos serviços de ............. na
  organização
  Analisar o sistema de informação existente entre o processo de..............
  Registrar os principais acontecimentos que envolvem tais serviços dentro e fora da
  Organização.
  Documentar todos os fatos relevantes que estejam relacionados com o trabalho ou que
  resultem em alteração, inovação ou substituição de métodos na área de........
  Verificar e comentar os elementos e fases subsequentes de trabalho.
  Medir, através dos números, indicadores comparativos, gráficos, registros
  comprobatórios dos benefícios e custos ocorridos durante as fases de mudança.
  Entrevistar pessoas envolvidas nas áreas de trabalho com a finalidade de obter um
  histórico ou uma avaliação sobre as conseqüências dos trabalhos realizados.


  12 - CRONOGRAMA

  Dividir as metas em itens ou eventos e quantificar o número de
  dias/horas previstas para a sua realização.

  O cronograma é um importante instrumento de trabalho que permite:
  Ao aluno orientar-se nas principais fases do desenvolvimento de seu
  trabalho;
  Ao professor orientador, avaliar a qualidade e a evolução das etapas.

  Exemplo:

  Pesquisas (60 horas).
  Estudo e Avaliação (60 horas)
  Levantamento (60 horas)
  Elaboração do Relatório (150 horas)
  Total do Estagio (300 horas)

  À descrição dos itens ou eventos e fases, seguirá um quadro ilustrativo
  do tempo de realização do estágio, isto é, o estagiário deverá fazer um
  gráfico.

  GRÁFICO

Pesquisas                  60
Estudo e Avaliação         60
Levantamento               60
Elaboração do Relatório    150
Total Estágio              300

                          HORAS         50   100   150      200     250      300
                                                                       9




13 - BIBLIOGRAFIA

Mencionar em lista, em ordem alfabética, todo o material referencial que
deverá ser utilizado na realização do estágio bem como a bibliografia
indicada pela Universidade na área pretendida.

Deve-se manter uma forma padronizada (ABNT) na apresentação de
acordo com a seguinte seqüência:

- Último sobrenome do autor com todas as letras maiúsculas, seguido
das letras iniciais dos primeiros nomes; Edição; Nome da obra, título
original; Local em que foi publicada; Nome da editora; Ano da
publicação.

EX:
      CARDOSO, Fernando Henrique. O Brasil tem jeito. 2ª ed. Brasília,
         Editora da Presidência, 1997.

Observar a ordem alfabética do sobrenome do autor, de revistas,
manuais, etc. No caso das revistas, boletins e outros, também deverão
ser colocados em letras maiúsculas.
                                                                                                           10


                              RELATÓRIO DE ESTÁGIO

                     APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO


      O Relatório de Estágio é um documento que ao final do curso,
      consubstancia uma importante etapa na formação universitária e
      profissional do aluno.

      É o principal registro de suas atividades de pesquisa profissional, de
      estudos e de desenvolvimento na área de Informática.

      O valor inestimável do Relatório de Estágio é reconhecido por todos,
      dentro e fora do âmbito universitário.

      O estágio somente deverá ser iniciado após aprovação do PLANO DE
      ESTÁGIO, pela Coordenação de Informática.

      A seguir oferecemos as       partes e principais orientações para a
      elaboração do Relatório de Estágio.


      1 - PÁGINA DE ROSTO

      - em cima (centro): nome do autor em letras maiúsculas
      - no centro: título e subtítulo
      - do lado direito, entre o centro e o final da página: natureza do trabalho,
      seu objetivo acadêmico e Instituição a que se destina
      - em baixo, no centro: cidade e ano

      Exemplo:

                                           JOSÉ DA SILVA                                   Relatório      de      Estágio
                                                                                           apresentado à Universidade
 Nome do autor                                                                             Ibirapuera para a obtenção do
                                                                                           diploma       de      Bacharel
                                                                                           (tecnólogo)    em Análise de
                                    Análise de Sistemas                                    Sistemas (ou outras).
Título e Subtítulo                  Departamento de Engenharia




                                                 Relatório de Estágio apresentado à
                                                 Universidade Ibirapuera para a obtenção
                                                 do diploma de Bacharel (tecnólogo) em
                                                 Análise de Sistemas ( ou outras ).




                                             São Paulo
                                               2003




     Cidade e ano
                                                                         11


2 - DADOS DO ALUNO

Nome: João José de Oliveira Ribeiro
Número: 073185
Turma: 55
Nº de chamada 26
Período: Noturno
Curso: Ciência da Computação
Semestre do Curso 7º
Ano do estágio 2003


3 - FICHA CATALOGRÁFICA

Trata-se de um padrão existente em todas as publicações.
Para o assessoramento quanto a classificação da obra, o estagiário
deverá consultar uma bibliotecária.

O quadro abaixo mostra um exemplo da ficha de classificação, no
formato 7,5cm x 12cm.




              Costa Júnior, Paulo José da, 1953
                Comentários ao Código penal / Paulo José da Costa Jr.-
              São Paulo, UNIb, 2003.

                  Bibliografia.



                1. Direito penal 2. Legislação 3. Brasil. I. Titulo




4 - RESUMO - "ABSTRACT"/ "RESUME"

Resumo. Essência do trabalho. Mostrar ao leitor do que se trata a obra.
Idéia Teórica. Resumo sempre elaborado em duas línguas: português e
inglês ou português e francês.




5 - SUMÁRIO
                                                                  12




Lista indicativa e referencial que indica o que foi desenvolvido no
decorrer da obra.


6 - INTRODUÇÃO

É a "apresentação " do trabalho.

Exemplo:
Objetivos. Apresentação da temática global ( é a maneira pela qual a
matéria foi tratada e desenvolvida ).
Justificativas ( objetivos ) que levaram ao presente trabalho.
Resumo: apresentação das partes que compõem o trabalho.
"Na primeira parte tratamos de..."



7 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

É a apresentação das idéias, dos fundamentos, dos princípios e das
hipóteses que, tomadas como base, sustentaram o trabalho.
Na fundamentação teórica, as fontes de obras, autores, entidades,
inclusive governamentais, devem ser indicados.
Eventos, Simpósios, Conferências, Cursos, Visitas, Viagens,
Entrevistas....
Notícias veiculadas na mídia escrita, falada e televisada.
Trata-se da citação do suporte teórico para o desenvolvimento do
trabalho; é a montagem da massa crítica em que o trabalho está
fundamentado. Cita-se inclusive a abordagem do Curso.



8 - DESENVOLVIMENTO

É o relato da experiência obtida.
Trata-se do depoimento vivido.
Descrever as principais etapas percorridas.
Contar tudo.
Narrar parte por parte sobre o desenrolar do trabalho.
                                                                    13


9 - DISCUSSÃO E AVALIAÇÃO DAS ETAPAS

Questionar, contestar, analisar e argumentar.
Confrontar as idéias apresentadas no quadro de referências.
Argumentar, através do material recolhido durante o estágio, as
posições definidas.
Na avaliação das etapas o aluno tem a oportunidade de apresentar o
seu ponto de vista, de defendê-lo e de preparar o terreno para as
conclusões.


10 - CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

Fechamento do trabalho. É o momento em que as hipóteses ficam
fixadas.
Ressaltar os pontos fortes e importantes dos trabalhos.
Com base no exposto, apresentar técnicas, abordagens e caminhos que
poderão ser percorridos por outros, tendo em vista um melhor
posicionamento dos fatos estudados.


11 - BIBLIOGRAFIA

Idêntico ao item 12 do Plano de Estágio. Deve-se mencionar os livros e
materiais consultados efetivamente, e que serviram de subsídios para a
elaboração do Relatório de Estágio.
A ordenação alfabética é muito importante para a localização.


12 – ANEXOS: DOCUMENTOS QUE DEVEM SER ANEXADOS AO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO.

Colocar neste espaço todas as tabelas, gráficos, documentos que
serviram ao Relatório de Estágio e que foram mencionados no
desenvolvimento do mesmo, além do Plano de Estágio.

ESTAGIÁRIO

Plano de Estágio
Cópia de Contrato de Estágio ( aprovado )

EMPREGADO

Plano de Estágio ( aprovado )
Xerox da carteira Profissional
Folhas: Dados Pessoais
Fotografia
Contrato de Trabalho
Atestado de Estágio na Empresa
FUNCIONÁRIO PÚBLICO
                                                                                      14


Plano de Estágio ( aprovado )
Xerox da Portaria de Nomeação ( publicada no Diário Oficial )
Declaração da Instituição (no final do estágio : de que continua como funcionário )



APÊNDICES

Notas de esclarecimento.
Qualquer acréscimo ou complemento que venha ilustrar ou elucidar um
idéia, um fato ou um ponto de vista apresentado.
São textos, detalhes específicos subordinados ao tema e que, por
algum motivo, não foi conveniente colocá-los no Relatório de Estágio.
                                                                         15


          CUIDADOS NA APRESENTAÇÃO DOS RELATÓRIOS
             CONFECÇÃO E MATERIAL A SER UTILIZADO


Os Relatórios devem ser editados em "espaço duplo", para separação
das linhas, e "espaço triplo" para separação dos parágrafos;

O papel deve ser branco, do tipo sulfite ou similar tamanho A4;

Os Relatórios devem ser entregues           em    02   (duas) vias:   uma
encadernada, outra em CD ou disquete.

Para os gráficos, fica a critério do aluno utilizar o formato "A-4" ou seus
múltiplos, conforme o Padrão ABNT;

O Relatório deve ser encadernado em material resistente ( capa preta );

No caso de dúvidas consultar NORMAS e bibliografias referentes a
realização de monografias;

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

Cada título deverá ser iniciado em uma nova folha com letras
maiúsculas em negrito e maiores que as do trabalho.
Serão numerados (número arábico) se tiverem subtítulos.

Os subtítulos são do mesmo tamanho e fonte das letras do trabalho,
mas em negrito, com espaço triplo acima e abaixo, sempre numerados
de acordo com o título(n.º arábico).
Ex.: 3.........(título, em pág. nova)
    3.1........( subtítulo de 1ª ordem)
    3.1.1 ......(subtítulo de 2ª ordem), etc...

Na redação deve-se evitar erros de grafia, concordância,          regência
verbal, colocação pronominal, etc.

A digitação deve ser adequadamente revisada para eliminar eventuais
incorreções.

A paginação deverá ser em algarismos romanos até o SUMÁRIO e
começar com o número 1 arábico na INTRODUÇAO. A PÁGINA DE
ROSTO é contada, mas não numerada.

É recomendada a fonte Arial (tamanho12).

O título deverá ser numerado quando houver subtítulos.
                                                                   16




Todas as fases no desenvolvimento do Relatório de Estágio deverão ser
avaliadas e aprovadas pelo professor supervisor.

A encadernação do Relatório de Estágio dar-se-á no final, após todas
as etapas terem sido avaliadas e aprovadas.

O trabalho desenvolvido resultará no RELATÓRIO DE ESTÁGIO



DESCRIÇÃO DAS ÁREAS DE INTERESSE


A seguir apresentamos um resumo das principais áreas para o estágio,
objeto dos Relatórios de Estágio.


1 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

      É uma tecnologia emergente com ampla divulgação cuja
aplicabilidade abrange todas as ciências e áreas.

      É a área da computação preocupada com a criação de Sistemas
Computacionais "Inteligentes", ou seja, sistemas que tenham
características  associadas   normalmente   à    inteligência  no
comportamento humano.


     Enquadram-se no escopo da Inteligência Artificial:
Jogos
Provas de teoremas
Resolução de problemas gerais
Percepção
Visão
Fala
Compreensão de Língua Natural
Sistemas Especialistas: Lógica Simbólica, Diagnóstico Médico, Análise
Química, etc..


2 - ADMINISTRAÇÃO DE C.P.D

      Consiste no planejamento, coordenação, execução, supervisão e
controle de todas as atividades necessárias para dotar a empresa de
sistemas que forneçam informações precisas para a tomada de
decisões. Envolve a administração de recursos de:
                                                                    17


Hardware: cuida dos aspectos de definições, escolha, contratação,
instalação, manutenção e utilização dos programas ( básico, de apoio e
aplicações ).

Software:    cuida dos aspectos de definição, escolha, contratação,
manutenção e utilização dos produtos de software ( básico, de apoio e
de aplicações );

Peopleware: cuida dos aspectos de definição, seleção, contratação,
treinamento, colocação, avaliação e promoção do pessoal da área;

Auxiliares/Acessórios: visa à determinação, escolha, contratação,
instalação, manutenção, utilização e reposição dos materiais e
equipamentos da infra-estrutura operacional e segurança de todo o
conjunto.



3 - "CASE " - ENGENHARIA DE SOFTWARE

Consiste na automação do processo de desenvolvimento e manutenção
de software, através da combinação de metodologias de projetos com
ferramentas de software.

As diversas etapas do ciclo de vida de um software podem ser apoiadas
pelo uso da automação assistida por computador.
Tradicionalmente as fases de programação e teste têm sido
contempladas com software de auxílio.

Nesta lista incluem-se normalmente os compiladores, as linguagens de
geração, etc.
A automação do processo de desenvolvimento de software não pode,
no entanto, restringir-se apenas a essas fases, que cobrem somente
15% do ciclo de vida do software.

"CASE " é o nome genérico associado ao conjunto de ferramentas e
métodos que, cobrindo todas as fases do ciclo de vida, automatizam o
desenvolvimento do software. A ênfase dos sistemas de CASE é dada
mais às fases iniciais do ciclo de vida, onde os ganhos de
produtividades potenciais são maiores. Desse modo, surgiram
recentemente os softwares para auxílio à especificação e projeto de
sistemas, que vêm revolucionando a maneira de se construir software.




4 - AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
                                                                     18


       A automação industrial se define como um sistema de integração
da automação da fábrica para alcançar uma produção flexível e com alta
eficiência, recorrendo à mais moderna tecnologia do Informática e da
eletrônica, desde a contratação, desenho, fabricação, inspeção,
expedição até a entrega.




A automação industrial tem como finalidades:

  - Elevação do rendimento de produção, mediante a adaptação do
sistema de fabricação do prazo de entrada e diminuição dos produtos
em processo, mediante a sincronização total do fluxo dos materiais e
das informações.
 - Elevação da produtividade e qualidade da fábrica.

Para a implantação da automação, é necessário realizar a melhoria na
eficiência do projeto, no sistema flexível de produção, automação do
processo de montagem, automação do processo de inspeção, na
sistematização de corrente de materiais e produtos e integralização das
informações de produção, etc. Estas abordagens serão objeto de
estudo dos Grupos de Pesquisas.



5 - CENTRO DE INFORMAÇÕES - C.I

O Centro de Informações é um órgão de apoio a Coordenação de
Informática, indispensável ao atendimento do usuário no sentido de
tornar ágeis as informações.

a) Finalidades e atribuições

Centro de Informações tem como principais atribuições:
Fornecer suporte ao usuário final
Ministrar treinamento e orientação
Padronizar e racionalizar serviços
Suprir as necessidades do usuário
Pesquisar software




b ) Porque C.I?
                                                                       19


O CPD tradicional é moroso no atendimento às pequenas solicitações
do usuário, decorrendo disso necessidade crescente de desafogar o
CPD.

A agilização das informações na organização hoje é tão importante
quanto o capital, os bens, os recursos humanos e as instalações.

6 - ANÁLISE DE SISTEMAS

A profissão de analista de sistemas é fruto direto da alta tecnologia e
uma das mais recentes e bem sucedidas profissões em nosso mercado
de trabalho.

Objetivos:
obter informações dentro e fora da organização
tornar as informações disponíveis a outros órgãos
apresentar as informações para fora da organização.
Enfoques:
Hoje, a Análise de Sistemas é organizada para atingir as atividades afins
( Sistema Operacional ) da empresa, de onde decorrem os fatores
críticos de sucesso para se conseguir a vantagem competitiva.

Funções:
Novas funções, como administrar dados, desenvolver sistemas,
comunicações de dados, técnicas e ferramentas para gerenciamento de
sistemas, fazem com que o profissional de informática veja a sua
missão dentro da organização.



7 - TELEMÁTICA

Podemos definir TELEMÁTICA como sendo o ramo da área de
Informática responsável por todos os aspectos de comunicação de
dados.
É sabido que a comunicação de dados hoje desempenha papel
fundamental na estrutura de nossa sociedade, viabilizando, por
exemplo, o funcionamento de todo sistema bancário atual.

Certamente existem muitas outras aplicações, abrangendo desde
ligações de terminais e videotexto até complexas ligações com Base de
Dados estrangeiras via Satélite.
Desta forma, tentaremos explorar e esclarecer todos os aspectos
pertinentes ao processo de comunicação de dados e suas
necessidades de HARDWARE e SOFTWARE.


8 - AUTOMAÇÃO DE SERVIÇOS
                                                                        20


Organização é um ambiente onde se trabalha a informação para a
tomada de decisões em seus mais diversos níveis de competência.
Automação de serviços consiste na utilização de recursos de
comunicação e de informática para apoiar a execução dos processos e
atividades dentro da organização.

Nos últimos anos, as indústrias de aparelhos eletrônicos invadiram o
mercado com uma série de produtos destinados a facilitar a vida dos
usuários no ambiente de trabalho.
A "A.S " procura racionalizar e automatizar as tarefas que envolvam a
prestação de serviços com o objetivo de obter eficácia e eficiência nos
resultados.


9 - BANCO DE DADOS

O tratamento adequado da informação, bem como a qualificação,
armazenamento e garantia à sua integridade e veracidade, são os
assuntos principais desta importante área de atuação e informática.


Proposta:

No tocante à Tecnologia de Informática, acompanhamos, na medida do
possível, o avanço extraordinário, tanto em "Hardware" quanto em
"Software".
Qualificar, classificar, armazenar e garantir a integridade e a veracidade
da Informação é proposta do Grupo de Pesquisa de Banco de Dados.

As atividades previstas são:
- estudo/pesquisa ( professor e alunos )
- aulas/diretrizes ( professor )
- trabalho/estágio supervisionado ( aluno )



Assunto
- Informação: dados e sistemas
- Arquivos e Banco de Dados: conceitos
- Sistema Gerenciador ( SGBD ): conceitos
- Dados: estrutura, métodos de acesso e modelos
- Dicionário de Dados: conceitos
- SGBD: pesquisa e estudo do mercado de BD


10 - "CBE - COMPUTER BASIC EDUCATION" - EDUCAÇÃO POR
COMPUTADOR

Educação baseada no computador inclui outras áreas, tais como:
                                                                    21


CBT - Computer Based Training
CAI - Computer Aided Instruction
CMI - Computer Management Instruction
CBT - Compreende a formulação, a execução bem como a avaliação de
treinamento baseado em computadores
CAI - Compreende a ajuda que o computador pode proporcionar para o
desenvolvimento instrucional através de cursos tutorais diretamente
com o uso do computador.
CMI - Compreende o gerenciamento dos recursos instrucionais,
provendo um controle, ajuda e guia na alocação dos recursos para as
diversas classes.

Um dos projetos que alcançou repercussão mundial foi o PROJETO
PLATO DA CONTROLDATA CORP, que procura atuar na área da
educação.

Há um projeto sendo desenvolvido pelo MIT,PROJETO ATHENA, com a
colaboração da Digital e IBM.

11 - COMPUTAÇÃO GRÁFICA

Os recursos tecnológicos da Computação Gráfica encontram no
mercado nacional um grupo de usuários ávidos pelas facilidades que
ela proporciona.

As áreas de aplicação da Computação Gráfica abrangem:
processamento de imagem, editoração eletrônica, business graphics,
CAD e AEC ( Arquitetura e Construção Assistidas por Computador ).
Esta tecnologia está presente, quando se fala em TV de alta definição,
realidade virtual, visualização de fenômenos da natureza e cirurgias
médicas com raio laser.

A tendência do mercado é expandir-se.
No Brasil, há poucos locais formando pessoal voltado para o uso da
Computação Gráfica.
Para o desenvolvimento de algoritmos, é necessário ter uma excelente
formação física e matemática, bem como em linguagens de
programação.

O grupo de Pesquisa de Computação Gráfica se propõe a treinar o
aluno e torná-lo auto-suficiente nos conceitos e manuseios de pacotes
gráficos para a utilização profissional.

12 - SUPERCOMPUTADORES

As grandes corporações, bem como os governos e suas empresas, têm
hoje uma acentuada responsabilidade          sobre a captação,
processamento e distribuição de dados e informações, e somente
                                                                        22


equipamentos de grande porte podem fornecer suficiente subsídios
para tal.
É com esse enfoque que o Grupo de Pesquisas de Supercomputadores
pretende analisar os aspectos de Hardware, Software e Peopleware que
envolvem as grandes operações de Informática. Os componentes do
grupo têm a oportunidade de pesquisar inclusive em material
proveniente do exterior( livros, revistas, filmes, slides e ilustrações ).

13. PRODUTIVIDADE EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES.

14. O MODELO CLIENTE/SERVIDOR E REDES DE COMPUTADORES.

15. O MUNDO DA ORIENTAÇÃO POR OBJETOS.

16. APLICABILIDADE DE "SISTEMAS ESPECIALISTAS".

17. A EVOLUÇÃO DOS AMBIENTES DAS INTERFACES HOMEM-
MÁQUINA.

18. AMBIENTES DE SUPORTE À DECISÃO COM BUSSINES
INTELIGENCE.

19. O USO DA INFORMÁTICA NAS ATIVIDADES - FIM DAS EMPRESAS.

20. "RECONHECIMENTO DE VOZ" - COMO PODE MUDAR A NOSSA
VIDA.

21. O "ESCRITÓRIO VIRTUAL" - COMO VIABILIZÁ-LO.

22. COMO SERIA A CASA "TOTALMENTE" "INFORMATIZADA"?

23. PODE A INFORMATIZAÇÃO IMPACTAR NA PERSONALIDADE DE
SEUS USUÁRIOS, SEUS IMPLEMENTADORES, SEUS
PESQUISADORES?

24. O MUNDO WWW, APLICABILIDADES, BARREIRAS - O QUE
PODEMOS VISLUMBRAR?

25. MULTIMIDIA, IMPLEMETAÇÕES E USOS - SOLUÇÕES.
26. NA ERA DAS PODEROSAS "WORKSTATIONS", DAS COMPLEXAS
REDES DE COMPUTADORES - "O QUE FAZEMOS COM O LEGADO?".

27. TELECOMUNICAÇÃO, SUAS TECNICAS, EVOLUÇÃO.

								
To top