Docstoc

Entomologia Ordem dos insetos.do

Document Sample
Entomologia Ordem dos insetos.do Powered By Docstoc
					                                                                                                                    1

OS INSETOS
                        Prof. Dr. Luiz Alberto S. Mairesse (eng. Agr.)
                                     Prof. Adj. da UERGS

         Organismos vivos dividem-se em 3 grandes domínios e 8 reinos:

Bacteria   Archaea        Eucarya
Eubactéria Archaebacteria Archezoa Protozoa Chromista Plantae Fungi animais

     Dentro do reino animal, a classe Insecta é uma das mais numerosas em
espécies. Estima-se que atualmente sejam conhecidas em torno de 1.000.000 de
espécies de insetos. Constitui-se este grupamento como o mais importante e
numeroso em relação às pragas agrícolas.
     Para que se compreenda melhor a nomenclatura utilizada na taxonomia,
vejamos abaixo um exemplo de categorias taxonômicas, começando pelo reino
animal até a categoria de subespécie.
     Reino ..........................................................................................Animal
      Filo ............................................................................................Arthropoda
       Classe .....................................................................................Insecta
         Ordem ...................................................................................Hymenoptera
          Subordem ............................................................................Apocrita
            Superfamília .......................................................................Formicoidea
              Família .............................................................................Formicidae
                Subfamília ......................................................................Myrmicinae
                  Tribo .............................................................................Attini
                    Gênero .......................................................................Atta
                      Subgênero ...............................................................Neoatta
                        Espécie ..................................................................sexdens
                          Subespécie ..........................................................rubropilosa


      Identificação dos insetos
      Os insetos podem ser identificados através de chaves de classificação e com
o auxílio de coleções de espécies de insetos, bem como através de descrições
ilustrativas em obras especializadas no assunto.

    CLASSE INSECTA Linneus, 1758
    O termo inseto possui duas origens: do latim insectum e do grego entomon,
em ambos os casos significando “corpo segmentado”.


               Ordens principais de insetos, com ênfase às pragas de
                importância agrícola

    Vale à pena recordar algumas características morfológicas dos insetos,
com importância taxonômica:
                                                                        2




   FIGURA 1. Suturas e áreas da cabeça




   FIGURA 2. Estrutura de uma antena. Sutura antenal (as); antenífero (n);
escapo (Scp); pedicelo (Pdc); flagelo (Fl). (Snodgrass, 1935)
                                                                           3




FIGURA 3. Tipos de antenas.
a) Filiforme: tipo primitivo. Ex.: baratas.
b) Moniliforme: semelhantes a contas de um colar. Ex.: vespa de Uganda e
   alguns coleópteros.
c) Clavada: o flagelo termina em uma dilatação similar a uma clava. Típica de
   borboletas.
d) Capitada: massa apical bastante dilatada. Típica da broca-do-café.
e) Imbricada: artículos em forma de taça. Em besouros do gênero Calosoma.
f) Fusiforme: artículos medianos dilatados, dando à antena aspecto de fuso.
   Comuns em lepidópteros de hábitos crepusculares.
g) Serreada: artículos com dilatações em forma de espinhos. Comuns em
   alguns coleópteros.
h) Estiliforme: apresenta um pequeno estilete na extremidade do flagelo.
   Diversos dípteros e mariposas.
i) Plumosa: flagelo com inúmeros pelos: Típica de machos de pernilongos.
j) Flabelada: expansões laterais em forma de lâminas. Alguns
   microhimenópteros.
k) Setácea: Comuns em gafanhotos.
l) Furcada: antenômeros do flagelo dispostos em dois ramos. Em machos de
   alguns microhimenópteros.
m) Pectinada: artículos com dilatação lateral, assemelhando-se a um pente.
   Comuns em machos de algumas mariposas.
n) Lamelada: Semelhante a lâminas que se sobrepõem. Típicas de
   coleópteros da família Scarabaeidae.
o) Geniculada: artículos dobrados em ângulo com o escapo, lembrando um
   joelho. Em antenas de formigas, abelhas e outros.
p) Aristada: Flagelo globoso, apresentando apenas um pelo, denominado
   arista. Típica da mosca doméstica e outros dípteros.
q) Composta: combinações dos diversos tipos.
                                                                                 4




FIGURA 4. Peças bucais em vista anterior (STORER & USINGER, 1977).




   FIGURA 5. Tipos de pernas. A. ambulatória; B. saltadora; C. nadadora; D.
preensora; E. raptatória; F. fossorial; G. coletora; H. adesiva. cb: corbícula; pr:
pente; au: aurícula; mts: basitarso; pbr: escova.
                                                                               5




FIGURA 6. Tipos de asas. A. membranosa (Odonata, Libellulidae); B.
          membranosa (Diptera, Tabanidae); C. membranosa, com escamas
          (Lepidoptera, Noctuidae); D. tégmina; E. hemiélitro; F. élitro (el); G.
          balancins (h); H. pseudo-halteres (ph); I. franjada.
                                                                               6




FIGURA 7. Apêndices abdominais. A. Traça: a- estilos; vesículas protráteis; c-
           cerco; d-filamento mediano; e- ovipositor; B. Lagarta de lepidópteros:
           g- pernas abdominais; h- perna anal; C. Larva de coleóptero: i-
           urogonfos (VII-IX-X-XI urômeros); D. Pulgão:          j-sifúnculos ou
           cornículos; E. Barata: k- cercos; l-estilos.




FIGURA 8. Tipos de abdômen. A- séssil; B- livre; C- pedunculado.
                                    7




FIGURA 9. Tipos de aparelho bucal
                                                                                 8



1) ORDEM ODONATA Fabricius, 1792
Odous= dente; gnatha= maxilas

   Compreende aqueles insetos popularmente conhecidos como libélulas. São
anfibióticos predadores de outros insetos. Atacam insetos, sejam úteis ou não.




ODONATA        ANTENA SETÁCEA




Asa membranosa-nua
                                                                                  9

2) ORDEM ORTHOPTERA (Olivier, 1811)
Orthos= reto; ptera= asas

     Nesta ordem estão os grilos, gafanhotos, paquinhas e outros. Possuem um
terceiro par de pernas do tipo saltatório, o que os difere dos demais ortopteróides,
como a barata, o louva-a-deus e o bicho-pau.
     A maioria das espécies apresenta dois pares de asas, sendo um par anterior
tipo tégmina e outro posterior membranoso.
     Aparelho bucal mastigador.
     A reprodução geralmente é sexuada, sendo a maior parte das espécies
ovíparas. O desenvolvimento é por paurometabolia, ou seja: o inseto recém
eclodido se assemelha ao adulto, com a diferença de que não possui asas e os
órgãos genitais são imaturos. Há diversas ecdises e a fase larval é chamada
forma jovem ou ninfa, não ocorrendo pupas. Em geral são de hábitos terrestres e
fitófagos, muitos dos quais são pragas agrícolas de grande importância.
     Foram identificadas, neste ordem, mais de 20.000 espécies, subdivididas em
duas subordens.
                                   10




PERNA SALTATORIAL




ASA PERGAMINOSA OU TÉGMINA




OVIPOSITOR-INCOSPÍCUO (apêndice)
                                                                              11




OVIPOSITOR-ENSIFORME (apêndice)




ORTHOPTERA – GRYLLOTALPIDAE                          PERNA FOSSORIAL



3) ORDEM DERMAPTERA (De Geer, 1776)
Derma= pele; ptera= asas

   São insetos popularmente conhecidos pelo nome vulgar de tesourinhas, pela
presença de dois cercos na extremidade abdominal, com função de defesa e
auxiliar da cópula.
   Aparelho bucal mastigador e antenas filiformes.
   São insetos terrestres, canibais ou predadores, de hábitos noturnos, pequenos,
nunca ultrapassando mais do que 50mm. São conhecidas mais de 1.500 espécies,
subdivididas em três ordens.
                                                                             12




ORDEM DERMÁPTERA CALÍPETEROS (apêndices)


4) ORDEM BLATTODEA Brunner, 1882
Blatta= achatado

     São as conhecidas baratas. Aparelho bucal mastigador, antenas filiformes e
pernas ambulatórias.
     Praticamente não têm importância agrícola, mas são insetos domésticos
muito importantes.
     Existem referências de que sejam transmissores de diversas doenças infecto-
contagiosas e hospedeiras de vários helmintos.
     O principal inimigo natural é o himenóptero Evania appendigaster (L.), que
parasita a ooteca da Periplaneta americana.




        BLATTODEA                                   PERNA AMBULATORIAL
                                                                          13



5) ORDEM MANTODEA Burmeister, 1838
Mantis= profeta

     Compreende os insetos conhecidos como louva-a-deus. Apresentam o corpo
alongado e achatado, com tamanho variando de 10 a 100 mm. Aparelho bucal
mastigador. Antenas inseridas na fronte, setáceas ou filiformes, multi-
segmentadas.
     São insetos predadores, tendo preferência por dípteros. Apresentam
comportamento canibal. Inclusive a fêmea costuma devorar o macho, logo após a
cópula. São conhecidas cerca de 2.000 espécies nesta ordem.




PERNA RAPTORIAL ou PREENSORA           ANTENA FILIFORME
                                                                         14




6) ORDEM ISOPTERA (Brulllé, 1832)
Isos= igual; ptera=asas

     Compreende principalmente os insetos conhecidos como cupins. São
espécies sociais, formando classes de indivíduos ápteros ou alados. Quando
alados, apresentam dois pares de asas membranosas semelhantes, presentes
apenas nos cupins reprodutores. O desenvolvimento é por paurometabolia.
     Aparelho bucal mastigador e antenas moniliformes, com 9 a 32 artículos.
Pernas ambulatórias, com aparelho auditivo na parte anterior da tíbia.
     Há espécies que podem atacar madeira seca, madeira morta e mesmo
plantas cultivadas, inclusive espécies florestais.
     Conta, esta ordem, com mais de duas mil espécies já descritas.




isoptera ANTENA MONILIFORME
                                                                                15




7) ORDEM THYSANOPTERA Haliday, 1836
Thysanos= franja; ptera= asas

      Compreende, esta ordem, os pequenos insetos (0,5 a 13 mm) denominados
vulgarmente de tripes ou trips, de cor escura na fase adulta.
      Antenas filiformes ou moniliformes, com 6 a 10 segmentos. Aparelho bucal
tipo sugador labial triqueta, ou seja, com três estiletes que se deslocam dentro de
um conjunto formado pelo lábio e clípeo, chamado de cone bucal.
      De uma maneira geral se reproduzem sexualmente, mas há espécies
partenogenéticas. Desenvolvimento por paurometabolia.
      Os trips sugam a seiva das plantas, mas há aquelas que se alimentam de
esporos de fungos e células de algas. Algumas espécies formam galhas nas
plantas.
      Além das espécies fitófagas, em sua maioria, há as espécies predadoras que
se alimentam de ácaros, pulgões, cochonilas e outros tripes.
      Atacam principalmente as partes aéreas das plantas, localizando-se quase
sempre na face inferior das folhas. Provocam pontos escuros nas partes atacadas,
necrosando os tecidos. Em ataques muito fortes, as folhas ficam como se
estivessem queimadas, com brilho prateado e depois caem. Nas flores podem
causar esterilidade.
      O ataque aos frutos, impede o seu desenvolvimento.
      Além dos danos diretos, podem ser transmissores de moléstias,
principalmente viroses, como no caso do vira-cabeça do tomateiro.
      São conhecidas mais de 4 mil espécies, subdivididas em 2 sub-ordens.




ORDEM THYSANOPTERA                   ASA MEMBRANOSA FRANJADA
                                                                             16




CERCOS (apêndices)




8) ORDEM HEMIPTERA (Linnaeus, 1758)
Hemi= metade; ptera= asas

    Os insetos desta ordem apresentam aparelho bucal do tipo sugador labial
tetraqueta; canal de sucção e de saliva formados pela justaposição dos estiletes
maxilares; normalmente dois pares de asas, o asnterior, em geral, totalmente ou
parcialmente mais duro do que o par posterior; cercos ausentes. Dividem-se em
duas sub ordens importantes:
    Subordem HETEROPTERA- Asas anteriores, quando presentes, do tipo
hemiélitro; inserção do lábio afastada do proesterno.
    Subordem HOMOPTERA- Asas anteriores, quando presentes, membranosas
ou tégminas; inserção do lábio aproximada do proesterno.


SUBORDEM HETEROPTERA- Nesta ordem estão os insetos conhecidos pelo
nome popular de percevejos. São de tamanho variado, desde 1 mm até 100 mm.
    Antenas, em geral, setáceas com 3 a 5 segmentos, bem visíveis em insetos
terrestres, mas podem ficar escondidas em fossetas em aquáticos. Aparelho bucal
sugador labial.
    A maioria possui glândulas secretoras de fluído repugnante.
    Reproduzem-se sexualmente, sedo a maioria das espécies ovíparas. Mas
existem espécies vivíparas. O desenvolvimento é paurometabólico.
    A maioria das espécies terrestres é fitófaga, enquanto que as aquáticas são,
em geral, predadoras.
    A importância econômica desta subordem é muito grande, pois são inúmeros
os percevejos que causam danos de alto grau em plantas cultivadas.
    Esta subordem compreende mais de 25.000 espécies.
17
18
                                               19




Aracnídeo predando ninfas de Nezara e Edessa
                                         20




HEMIPTERA- HETEROPTERA (PYRRHOCORIDAE)




HEMIPTERA-HETEROPTERA (PENTATOMIDAE)
                                                        21




HEMIPTERA-HETEROPTERA – BELOSTOMATIDAE   PERNA NATATORIAL




HEMIPTERA - BELOSTOMATIDAE
PERNA RAPTORIAL ou PREENSORA
                                                                           22




ORDEM HEMIPTERA-HETEROPTERA                ASA Hemiélitro:


SUBORDEM HOMOPTERA- Pertencem a esta subordem insetos terrestres
sugadores de seiva, como as cigarras, cigarrinhas, pulgões e cochonilhas.
    Apresentam antenas curtas e setáceas. O rostro é formado por um lábio
trissegmentado, onde no interior se alojam quatro estiletes. Apresentam asas
membranosas. A maioria das espécies é alada, mas existem espécies
polimórficas. As pernas geralmente são ambulatórias, mas há espécies com
pernas saltatórias.
    A reprodução é em geral sexuada e por oviparidade, mas é nesta subordem
que ocorre partenogênese com maior freqüência, como no caso dos pulgões. O
desenvolvimento é paurometabólico.
    Sendo insetos terrestres, sugam a seiva das plantas nas partes aéreas e
raízes, sendo economicamente muito importantes como pragas agrícolas. Além
dos danos diretos, são geralmente vetores de vírus das plantas. Nesta subordem
já foram identificadas mais de 15 mil espécies.
                                         23




HEMIPTERA-HOMOPTERA ASA MAMBRANOSA NUA
(cigarra)




HEMIPTERA-HOMOPTERA - CERCOPIDAE
(cigarrinha)
                                     24




ORDEM HEMIPTERA SUBORDEM HOMOPTERA
                                                                     25



9) ORDEM NEUROPTERA (Linnaeus, 1758)
neuron = nervura; pteron = asa
   • Peças bucais mastigadoras;
   • Dois pares de asas membranosas, com intensa nervação e abdome
     sem cercos;
   • Antenas longas;
   • Larvas predadoras e ovos pedunculados;
   • Importância agrícola: controle biológico
26
                                                                              27

10) ORDEM LEPIDOPTERA Linnaeus, 1758
Lepidon= escama; ptera= asas

      São os insetos adultos conhecidos como borboletas e mariposas.
Apresentam asas cobertas por escamas e aparelho bucal em forma de
espirotromba. Destacam-se facilmente dos demais insetos, com exceção dos
tricópteros e alguns neurópteros, com os quais guardam algumas semelhanças.
      Na forma jovem apresentam-se na forma de lagartas, quando então causam
imensos danos aos cultivos agrícolas.
      Apresentam caracteres sexuais secundários, que permitem a sexagem. A
fêmea, em geral, é maior do que o macho, e apresentam cores menos vistosas
que estes, além de outras características menos notáveis, porém, igualmente
importantes.
      A reprodução geralmente é por gametogênese, mas há casos de
partenogênese. O desenvolvimento é por holometabolia (metamorfose completa).
      Os lepidópteros se constituem na ordem de maior importância na agricultura,
atacando todas as partes das plantas e causando enormes prejuízos.
      Esta ordem apresenta mais de 150.000 espécies já descritas.




Adultos LEPIDOPTERA ANTENA CLAVADA ASAS MEMB E ESCAMOSAS
                                              28




LEPIDOPTERA – HESPERIDAE   ANTENA FUSIFORME




ANTENA PECTINADA
                                 29




ANTENA BIPECTINADA




APARELHO BUCAL SUGADOR-MAXILAR
                                                                  30




Larva de Spodoptera frugiperda




Larva de Helicoverpa gelotopoeon   Larva de Spilosoma virginica
                                   31




Lagarta de Anticarsia gemmatalis
                                                      32




Lagarta de Epinotia aporema




Lagarta da maçã-do-algodoeiro (Heliothis virescens)
                                                 33




Lagarta-do-algodoeiro (Alabama argillacea)




Broca-da-cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)
             34




Borboletas
             35




Mariposas




Maranduvás
                   36




Crisálida (pupa)
                                                                             37



11) ORDEM DIPTERA Linnaeus,1758
Di= dois; ptera= asas

    Compreende os insetos que possuem apenas um par anterior de asas
funcional, com o par posterior transformado em balancins ou halteres. A esta
ordem pertencem as moscas, mutucas, pernilongos, borrachudos e outros.
    As antenas apresentam forma variada (filiforme, plumosa, aristada,
estiliforme...). Aparelho bucal sugador labial, com o lábio alongado e sulcado,
formando a chamada probóscida ou tromba. Pernas ambulatórias.
    O dimorfismo sexual é comum entre os dípteros. Exemplos: nos pernilongos as
antenas das fêmeas são filiformes e nos machos é plumosa; o aparelho bucal das
fêmeas tem mandíbulas normais para sugar sangue, enquanto que nos machos
são atrofiadas. De uma geral os machos são holópticos (olhos compostos muito
próximos) e as fêmeas, pelo contrário, são dicópticas.
    Em geral os dípteros apresentam reprodução sexuada e são ovíparos, com
algumas famílias com espécies vivíparas. O desenvolvimento é por holometabolia.
    Dentre os dípteros encontram-se tanto pragas de culturas, quanto inimigos
naturais de outros insetos-praga ou parasitas, inclusive de animais e do próprio
homem.
    Têm importância econômica na agricultura a mosca-das-frutas; a mosca-da-
madeira, cujas larvas abrem galerias nos troncos das árvores; e as espécies
cecidógenas, que formam galhas em diversas plantas cultivadas.
    Entre as de interesse veterinário estão o berne, as bicheiras e as mutucas
transmissoras do mal-das-cadeiras dos eqüinos.
    Há também diversas espécies úteis nesta ordem, como as necrófagas,
saprófagas, polinizadoras e inimigos naturais de pragas das lavouras.
    São mais de 100 mil espécies, distribuídas em 100 famílias.




DIPTERA – ASILIDAE      ANTENA ESTILADA
                                     38




DIPTERA – CULICIDAE ANTENA PLUMOSA




DIPTERA - CYCLORRHAPHA
                          39




ANTENA ARISTADA




APARELHO SUGADOR LABIAL
                                               40




ASAS BALANCINS OU ALTERES




                            mosca-das-frutas
                                                                               41



12) ORDEM SIPHONAPTERA
siphon= tubo; áptera= sem asas
   Compreende os insetos conhecidos como pulgas e bicho-do-pé.
   Aparelho bucal sugador labial. Terceiro par de pernas tipo saltatório.
   Uma pulga vive até 500 dias e mesmo sem alimentar-se, pode durar até 125
dias.




13) ORDEM COLEOPTERA (Linnaeus, 1758)
Coleus= estojo; ptera= asas

    Pertencem a esta ordem os insetos conhecidos como besouros ou cascudos,
facilmente diferenciáveis de outros insetos, pela presença dos élitros. Apresentam
regime alimentar variado, tanto na forma larval, quanto adulta. É uma das mais
importantes ordens de interesse do ponto de vista da agricultura.
    Um grande número é fitófago e podem ser pragas de plantas cultivadas, mas
há também os coleópteros úteis, como as joaninhas, que são predadoras de
outros insetos, como os pulgões.
    A aparelho bucal é do tipo mastigador, com todas as peças bem
desenvolvidas.
    Geralmente possuem pernas ambulatórias, mas também ocorrem espécies
com pernas natatórias e fossoriais.
    O primeiro par de asas é modificado em élitro, com consistência coriácea ou
córnea, protegendo o segundo par de asas membranosas, que ficam dobradas,
quando em repouso.
    Em algumas espécies, como os vagalumes e os pirilampos é encontrado o
fenômeno da luminescência, que é obtida por uma reação química de oxidação da
luciferina com água, sob a ação da enzima luciferase, resultando em oxiluciferina
e raios luminosos, com aproveitamento de mais de 92% em energia radiante.
    Apresentam desenvolvimento holometabólico e reprodução sexuada em geral.
    Cerca de 300.000 espécies já foram descritas nesta ordem.




                                                Aparelho bucal mastigador
                          42




ANTENA CAPITATA




ANTENA GENÍCULO-CLAVADA
                                                        43




COLEOPTERA –CARABIDAE ANTENA INBRICADA




COLEOPTERA – SCARABAEIDAE     COLEOPTERA – PASSALIDAE
ANTENAS LAMELADAS




                      ASA CORIÁCEA OU ÉLITRO
                                             44




COLEOPTERA – BUPRESTIDAE   ANTENA SERREADA




ANTENA FLABELADA
                                                                           45



14) ORDEM HYMENOPTERA Lineu, 1758
Hymen= membrana; ptera= asas

   Estão nesta ordem as abelhas, as vespas e as formigas, principalmente.
Depois dos coleópteros e lepidópteros, é a ordem mais numerosa, com mais de
120.000 espécies conhecidas.
   São insetos que podem alcançar de 70 mm (gênero Pepsis), até mesmo
0,25mm, como alguns microhimenópteros da superfamília Chalcidoidea.
   Com exceção das formigas cortadeiras, que são pragas importantes na
agricultura, a maioria dos himenópteros não causa danos às plantas ou animais.
Há inclusive aqueles insetos úteis, como as abelhas melíferas e os
microhimenópteros parasitas de outros insetos. Há ainda as vespas predadoras.
   Os himenópteros são considerados os insetos mais evoluídos da natureza.
   O aparelho bucal é do tipo mastigador com mandíbulas bem desenvolvidas e
lambedor como na superfamília Apoidea.
   É freqüente o polimorfismo, isto é, várias formas na mesma espécie, como no
caso das abelhas e formigas, onde existem diferentes castas.
                                         46




HYMENOPTERA –FORMICIDAE




ANTENA GENICULADA   A.BUCAL MASTIGADOR




ABDOME PECIOLADO
                                 47




HYMENOPTERA ASA MEMBRANOSA-NUA




APARELHO BUCAL LAMBEDOR
                    48




PERNA COLETORA




FERRÃO (apêndice)
           49




Formigas
                                                    50

•   CUPINS
      – Corpo mole e de cor clara;
      – Asas I e II iguais;
      – Abdome séssil;
      – Antenas moniliformes;
      – Operários e soldados são do mesmo sexo;

 FORMIGAS
    – Corpo duro e geralmente de cor escura;
    – Asas II menores que asas I;
    – Abdome livre;
    – Antenas geniculadas;
    – Operários e soldados são indivíduos fêmeas.
                                51




Vespas e o controle biológico

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:3347
posted:7/22/2010
language:Portuguese
pages:51