Docstoc

Brincando de Fazer Literatura

Document Sample
Brincando de Fazer Literatura Powered By Docstoc
					APOIO

ERA UMA VEZ... Sala de Leitura
Infanto-Juvenil Rua Industrial, qda 50, Sala 1 Bairro Jupiara Contato p/ doação de livros: 9997-3535 - Amélia Funcionamento: De segunda a sábado: 09h as 11h e 14 as 17h

Elaboração do Projeto: Professora Andréa Albano Turmas: 3º, 4º e 5º ano do Ensino Fundamental do Centro Educacional Paulo Freire

Diretora: Eloir Aguiar
Coordenadora do Ensino Fundamental: Silvia Diamantino

Coordenadora Educação Infantil: Adriana Cadore Librelotto Campo Verde – MT 2008

A FADA ROSINHA Um belo dia na sala de literatura, a professora Andréa disse que ia vim uma visita, ela disse que é do mundo encantado, só que a professora não disse quem era. Ela mandou a gente sentar no tapete, minutos depois ela entrou na casinha de teatro e depois apareceu uma fada que era a Fada Rosinha, ela era toda rosa, com vestidinho rosa, tiara rosa, óculos rosa, sapato rosa, tudo. A fada rosinha contou uma história do Tubão, o tubarão, após terminar a história ela contou que outro dia ela ia trazer os anéis dela, porque ela sempre lava a louça para sua mãe, daí ela tira os seus anéis para não perder. Escritoras e Ilustradoras: Angélica G. Beling e Damiana de S. Gomes– 3º A
BRINCANDO DE FAZER LITERATURA Andréa Luciane Albano Nunes O Projeto Brincando com Literatura acontece no Centro Educacional Paulo Freire, em Campo Verde – MT. O livro Brincando de fazer literatura, foi a realização de uma ação desse projeto e foi escrito e ilustrado pelas crianças do 3º ao 5º ano do Ensino Fundamental, durante as aulas semanais da Oficina de Literatura. A motivação deste trabalho nasceu com o próprio objetivo das aulas que era descobrir a linguagem literária, e como acontece a produção de um livro. As partes que envolvem este processo como ilustração, pesquisa e biografia de alguns autores sempre chamando atenção das crianças para os aspectos literários como a linguagem, coesão, coerência, estrutura textual e as pistas que alguns autores deixam em seus textos. O resultado desse trabalho foi uma coletânea de histórias produzidas pelas crianças e por elas ilustradas, que carregam as marcas da oralidade, criatividade, intertextualidade e o universo infantil com suas dúvidas, medos, alegrias e travessuras.

Maiores informações sobre o projeto BRINCANDO COM LITERATURA Acesse o blogger

www.saladeliteraturainfantil.blogspot.com
69

O RATINHO E OS PASSARINHOS Naquela manhã, o Ratinho resolveu passear bem longe. Ele escutou um barulho. Ele se aproximou e viu um monte de passarinhos cantando, quando acabou a música, ele disse para um passarinho. - Vocês cantam? - Sim O Ratinho disse: - Vocês podem me ensinar? - Claro que sim, então comece a assobiar. O Ratinho disse: - Não sei assobiar. - Então vou te ensinar Ratinho, começando por agora. E o Passarinho disse: - Segure o ar, quando eu falar solta, você solta o ar. – Solta. E o Ratinho soltou o ar e de repente o Ratinho assobiou, e o passarinho disse: - Você conseguiu. E o Ratinho fez muitos shows com seus amigos. - Antes de ir embora vou cantar uma canção. Eu sou um Ratinho, Bem pequenininho, Tenho medo de coruja Quando ela faz U U U Eu fico com medo. Escritora e Ilustradora: Juliana Rute Alves 2ªsérie B
03

O SUPER FAMA Era uma vez, um Super Herói que se chamava Super Fama. Quanto mais ele pegava os ladrões, mais famoso ele ficava. Um dia ele viu uma pessoa roubando e falou: - Ei você ai, pare e espere um minutinho. Ele colocou a sua roupa rápido e falou: - Super Fama!!! O bandido falou: - O que! Você! E ele saiu correndo. O Fama falou: - Eu vou te pegar. - Oh, não vai não. Falou o bandido. O Fama falou: - Você agora é meu Fã! Venha e me dá o dinheiro. A Polícia chegou e o Fama pegou o dinheiro e entregou para a polícia. A Polícia levou o bandido e prendeu. E o dia ficou mais tranqüilo graças ao Super Fama. Escritora: Jhennifer Carolina de Almeida IIustradores: Eduardo Bernard Melo e Jhennifer 2ª série A

68

O CÃO QUE MORDEU A RAINHA

A MOTO MAIS RÁPIDA DO MUNDO Um dia uma moto chamada Hiabusa, estava à venda em uma loja. Um professor de moto comprou a Hiabusa para dar para seu filho ganhar a corrida. O rapaz ficou muito feliz, ele foi correr com a Hiabusa na pista de corrida e ele correu em antes de você contar até 2 a moto já estava em 100 km por hora. Então o dia da corrida chegou e o rapaz com sua moto e o professor de MotoCross falou: - Liguem seus motores que a corrida já vai começar e que vença o melhor. Foi dada a largada e eles começaram a correr com muita velocidade e o pneu da moto do rapaz estourou. Rapidamente os mecânicos dele trocaram o seu pneu, mas quando ele foi começar a correr sua gasolina acabou e seus mecânicos não tinham gasolina, mas perto dali tinha um caminhão com gasolina e seus mecânicos pegaram gasolina no caminhão e encheram o tanque da moto. Ele em último lugar luta para ultrapassar os outros pilotos, poda um e mais cinco e mais vinte, o último ele lutou muito para podar e quando eles estavam perto da linha de chegada, por um pouquinho de distância chega antes com sua moto Hiabusa e se torna o novo campeão. Escritores e Ilustradores: José Jeovani de Souza Machado e Maurício Bento Souza – 4ª Serie A. 04

Um dia o Rei de Roma comprou um cão, e o cão só gostava do Rei. Então a Rainha mandou matar o cão, mas, o guarda não teve coragem e o cão avançou contra a Rainha lhe mordendo a perna. E o Rei falou: - Este cão não gosta de você, porque você não carinha ele. Então no dia seguinte a rainha tentou carinhar, mas não conseguiu. Ela dava ossos, carne e muito mais para o cão, o cão foi se acostumando, até que um dia a Rainha comprou um osso gigante e o cão pulou em cima da Rainha e lambeu o rosto dela. O Rei pensou que o cão fosse matá-la e desde então eles foram uma família.
Escritor e Ilustrador: Keidivan de Freitas Ferreira - 3ª Serie B

67

O MISTÉRIO DO CABELO Era uma vez uma menina chamada Rafaela, ela tinha 8 anos e um dia ela acordou sem os seus lindos cabelos, ela pensou que não era nada, que só tinha caído seus cabelos. No dia seguinte ela foi no quintal para pegar um coco e viu seus cabelos de peruca em um coco, ela chamou sua mãe. Quando sua mãe chegou, o coco não estava mais com os cabelos e sua mãe achou que ela estivesse louca. Rafaela ficou falando sozinha: - Esse cabelo era o meu? Eu acho que era. Outra noite se passou e a Rafaela amanheceu com o seu cabelo e eu não sei como sumiu e apareceu e você sabe?
Escritora e Ilustradora: Gabrielly Antoniolli da Silva – 2ª Serie B 05

O BICHO PAPÃO - Oi meu nome é Bicho Papão, eu pego criança que não quer dormir na hora certa. Eu vou contar uma história que aconteceu comigo. - Eu estava escondido atrás da porta e o menino abriu a porta de uma vez só e bateu no meu nariz e doeu tanto que eu nunca mais fui na casa dele. Escritor e Ilustrador: Wallison Wily Barbosa – 2ª serie B

A MÚMIA Era uma vez uma múmia que assustava as pessoas, e um dia a mulher estava passando pela a calçada e a múmia estava dentro de uma caixa, e a mulher pensou que era um bebê, quando ela abaixou a múmia saiu correndo atrás dela e a mulher ligou para o policial e quando a policia chegou viu a caixa e não tinha nada e disse que a moça estava vendo coisas. Mas quando o policial olhou para trás ele viu a múmia. O policial chamou reforço e deu um tiro e a múmia morreu, quando a policia saiu de perto a múmia levantou e saiu correndo. Escritor e Ilustrador: Quener Roger de Freitas – 3º A 66

O MISTÉRIO DO ESPELHO Era uma vez três amigas que se juntaram para estudar para a prova, estava ficando de noite e era noite de lua cheia. A Marcela era a mais nova e gostava de ficar assistindo filme de noite, e naquela noite passou um filme de terror que se chamava O espelho assombrado. A Fernanda que era a segunda mais nova foi dormir porque estava cansada, e a Renata também foi dormir porque tinha trabalhado muito na escola e a Marcela ficou só assistindo filme tranqüila, mas quando ela desligou a TV e foi escovar os dentes para dormir, no reflexo do espelho apareceu uma bruxa feia, horrorosa completamente horrível. Só que quando ela olhou para trás não tinha nada e continuou escovando os dentes, mas ela deu um grito, porque a bruxa estava do lado dela. Sabe como é o grito dela? Assim: AH AH AH AH AH. E nesse momento a Renata tirou a máscara que ela estava usando de disfarce e a Marcela ficou brava, mas, depois ela também caiu na risada, junto com suas duas amigas que lhe pregaram um susto. Escritoras: Bruna Vanessa Novaes Ferreira e Gabriela Albano Nunes de Souza Ilustradora: Gabriela – 2ª Serie B 65

CADU O SUPER HERÓI Era uma vez um cachorro chamado Cadu, o super herói. Ele gostava de salvar os animais. Um dia ele estava com fome e foi até a cidade e foi num restaurante e um humano disse que ele era da raça pit bul e ele comeu e foi para casa. Quando chegou na casa dele ouviu um tiro e saiu correndo e viu um caçador matando um bicho preguiça e ele ficou muito bravo e mordeu a bunda do caçador que saiu correndo e o Cadu levou o bicho preguiça para casa e disse: - Não saia de casa, porque tem gente querendo te matar e o Cadu ficou feliz para sempre. Escritores e Ilustradores: Augusto Costa BArros, Jakson Douglas Conceição e Wenderson David Almeida – 2ª Serie B.

06

O AVIÃO CONTROLE REMOTO Era uma vez um avião controle remoto, ele morava numa loja e o Renato comprou o avião, até que um dia o Renato chegou mais cedo da escola e ele abriu a porta e viu seu

O LIVRO MÁGICO Era uma vez um menino que se chamava Mário, ele viu um livro que ninguém triscou nele e teve uma idéia de fazer um livro de terror. E o Mário fez o livro com alegria, ele apagava quando errava, mas nunca desistiu. O Mário tava pensando como terminar esse livro, mas ele estava perto de acabar e ler o livro mais uma vez e conseguiu terminar o livro que ele fez e ele pensou: - Posso mudar uma peça? Qual? Ah! A tristeza.

avião conversando com outros brinquedos e ele ficou emocionado e falou: - Você fala? - Eu falo. Disse o avião. E todos os dias ele brincava, até que um dia o Renato foi brincar com o aviãzinho e estava voando e acabou a pilha e o avião caiu dentro do rio e foi parar numa caverna atrás da cachoeira e o Renato correu lá na caverna e gritou o avião. O avião disse: - Eu estou aqui, siga a minha voz. E o Renato seguiu a voz do avião e encontrou e foram pra casa e viveram felizes para sempre. Escritores: João Cristian de Oliveira e Matheus Pereira Ilustradores: Gabriel Natan da Conceição, João Cristian e Mateus Pereira. 07

Escritores e Ilustradores: Alex Welber Sousa Besso e William de Sousa Pereira 2ª A

64

A BORBOLETA SEM COR Era uma vez uma borboleta que se chamava Gabi, ela gostava de voar no céu e um dia ela voou pelo quintal do seu vizinho. Ela disse: - Boa tarde! E o macaco disse: - Olá Borboleta horrível. - Seu macaco chato, eu vou embora. Disse a borboleta. Um dia a Borboleta Gabi viu um menino dizendo: - Socorro, me ajuda, por favor, Borboleta. - Está bom. Falou a Borboleta. Ela ajudou e o menino disse: - Muito obrigado Borboleta linda. Então ela viu o Macaco caindo no chão e ele estava pedindo ajuda para a Borboleta. Ela pegou o pelo do macaco e levou o macaco na árvore e o macaco disse: - Muito obrigado Borboleta. E eles ficaram amigos.

A BRUXA ASSASSINA O dia das bruxas é o dia do ÓÓÓÓ. Lá na Escola Paulo Freire a bruxa chegou avançando para pegar as crianças da segunda série A, e levar para fazer mingau e pegou duas crianças e colocou pimenta e bastante farinha e tomate e pimentão e sal e catchupe e bastante coisa e fez tanta coisa que você nem pensa.

Escritora e Ilustradora: Estefanny Adrya Costa Costa 2ª série A 63

Quando acabou o dia do ÓÓÓÓ a Bruxa saiu correndo e todos ficaram felizes, porque os dois alunos voltaram com a barriga cheia de balas, porque a bruxa só queria assustar as crianças. Escritoras: Emiliane Souza da Silva, Rayane da Silva Paz e Mara Rita Duarte – 2ª série A Ilustrador: Emiliane e Lucas Matuzael Fernandes – 1ª série A 08

O PINCEL MÁGICO Era uma vez uma fada e em vez de varinha de condão, ela tinha um pincel mágico e com esse pincel a fada coloria mais a cidade e deixava tudo mais colorido. Quando ela passava pelos pés de manga, as mangas ficavam mais amarelinhas, que dava mais gosto de comer. E quando tinha gente que pintava a casa e a fada passava pegava o pincel e parece que ficava mais bonito que era antes. Um dia o pincel caiu em mãos erradas e quem tinha pegado o pincel era um bruxo muito mau e com uma cara feia. E com o pincel mágico esse bruxo passava e deixava a cidade preta e branco. Um dia uma mulher passou um batom vermelho e quando ela viu o bruxo nem deu tempo, porque ele viu ela primeiro e passou um lado de branco e outro de preto. Um dia o bruxo saiu para fazer compra e o pincel esperto fugiu para a dona dele a Fada e ela até chorou de emoção e a cidade voltou a ser colorida. E todos viveram felizes para sempre. Escritora e Ilustradora: Vanessa de Souza Alves – 4ª série A

O SUPER GELO O Super Gelo é forte, ele é grande e é bonito. Ele gosta de comer muitas frutas. Um dia o Super Gelo salvou um prédio em chamas e salvou dois meninos e ficou muito famoso. E todo dia comia verduras. E ficou muito rico e comprou um carro e decidiu comprar uma mansão. Um dia um ladrão assaltou um banco e o Super Gelo pegou o ladrão e o policial deu a chave da cidade e ele ficou muito famoso e feliz. Escritores e Ilustradores: Daniel Arruda Oliveiral e Mateus de Jesus viana – 2ª série A.

09

62

A TARTARUGA MICHELI Um dia uma tartaruga chamada Micheli foi pescada por um pescador, ai o pescador deu a tartaruga para seus filhos, uma menina chamada Carol e um menino chamado Bruno. Eles começaram a brincar e a brincar com a tartaruga Micheli. Ai ligaram a TV e colocaram no SBT e viram um concurso de corrida de tartarugas, ai ele e ela ligaram para o programa e ficaram fazendo o concurso sobre as tartarugas, a Carol ganhou em primeiro lugar e o Bruno ganhou em segundo lugar.

A CASA MONSTRO Há muito tempo atrás numa casa, havia uma história de fantasma. Um dia uma bruxa empurrou os fantasmas da casa para ela morar lá. Um dia ela foi embora porque foi enfeitiçar o príncipe e enfeitiçou o príncipe que virou um dragão vermelho e a casa virou um monstro. E três crianças queriam descobrir o que tinha acontecido com a casa e depois de um bom tempo descobriram a casa e a bruxa. E o príncipe não foi esquecido e um menino achou uma varinha mágica da bruxa e quando viu um dragão vermelho ele tocou nele com a varinha mágica e desenfeitiçou o príncipe.

Escritoras e ilustradoras: Ana Luiza Roversi e Mara Rita Duarte – 2ª série A. Escritores e Ilustradores: Rane Gonçalves Pamplonas e Cassiel Ferreiar Suhre – 2ª A 10

61

A TARTARUGA LILICA

O DRAGÃO E HOMEM ELÁSTICO

Uma vez meu padrasto pescou uma tartaruga, nós brincamos com ela no fim de semana, na segunda-feira, minha mãe ficou com dó dela e perguntou pra mim: - Lá na sua escola tem cerradinho? E eu falei pra ela assim: - Tem mãe. - Eu queria doar a tartaruga. E ela deu a tartaruga. Mas no outro dia aconteceu uma tragédia e pegou fogo no cerrado e a tartaruga morreu, todo mundo ficou de cara. - Como pegou fogo na mata? E a diretora Eloir queria entrar no fogo, mas a Vanda e o seu Airton impediu ela, mas a diretora não desistiu e ligou para o bombeiro, eles apagaram o fogo, entraram e tiraram a tartaruga e ela morreu e assim foi a história da tartaruga. Escritoras: Ana Beatriz Santos e Thais Cristina . – 2ª A Ilustradora: Ana Beatriz 11

Era uma vez um homem que sempre queria ter super poder, ele sempre tentava e tentava e sempre tentava. Um dia ele tentou o super poder do homem elástico e conseguiu o super poder e detendo o mal. De repente o céu escureceu, saindo uma luz lá do céu e um dragão apareceu e o homem elástico usou o seu super poder e deteu o dragão e o homem virou o super herói da cidade. E a cidade ficou agradecida pelo super herói. Escritores e Ilustradores: Luan Barros Novaes e Alejandro Vargas Trinanes – 2ª série A. 60

O BEIJA-FLOR Era uma vez um beija-flor todo dia ia cheirar, ele era feliz com seus amigos. Um dia o rei do beija–flor chamou para fazer uma reunião e o rei falou: - Não vá ao outro lado do mundo. Mas ele não obedeceu, quando chegou lá, ele ficou muito triste sem seus amigos, coitado dele, ficou só. De repente apareceu um terrível monstro e falou: - Por que está aqui? Você era para estar lá com seus amigos, porque está só. - Porque eu desobedeci, os meus amigos, por isso. - Ó coitado, é melhor você voltar para sua terra. E o beija-flor falou: - É melhor eu ficar aqui se não eles brigam comigo. - Mas eu te levo e falo para eles. Disso o monstro. Ai eles chegaram na terra das flores e o monstro falou: - Ele desobedeceu vocês, mas não se preocupem ele não se machucou nada. Mas eles ficaram bravos e ele pediu desculpas assim eles ficaram felizes. Escritora e Ilustradora: Naiara Costa de Jesus – 3º B

A INVASÃO DA PAULO FREIRE Era uma vez na Escola Paulo Freire, três alunos que invadiram a Escola Paulo Freire, mas só que tinham três anjinhas que iam proteger. Os três alunos do mal se chamavam Tico, Teco e Tuco. Eles iam acabar com a escola, porque eles não gostam de coisa do bem. Mas as anjas Sindy, Kátia e Tati descobriram que eles queriam acabar com a sala de literatura, porque eles odiavam escrever e ler. As anjas resolveram salvar tudo sozinhas enquanto isso os três do mal resolveram fazer um plano para detonar a sala inteira em primeiro lugar os livros. Mas a anjinha Sindy foi correndo para saber os planos deles, ela descobriu e avisou Tati e Kátia, e juntas salvaram os livros e deram uma lição nos meninos lendo pra eles uma porção de livros para eles verem como é gostoso ouvir histórias e todos ficaram felizes. Escritora: Sindy Viviane Santana – 4º A Ilustrador: Leonardo Henrique Bressan – 3º B

59

12

O SUMIÇO DO PROFESSOR BÓRIS O grupo de teatro da Escola Paulo Freire, ensaiou uma apresentação de teatro que é o Feitiço do Sapo. No dia da grande apresentação deu um problema, um dos atores sumiu. O professor Boris entrou na máquina de sumir pessoas e dormiu lá dentro, todos ficaram preocupados, mas depois de duas horas ele saiu de lá se espreguiçando e todos quiseram pegar ele. Escritor: Carlos Vinícius Oliveira – 3ª A
(História referente ao espetáculo “O Feitiço do Sapo”, apresentada no festival municipal de Campo Verde, em 2007).

DOIS SUPER HERÓIS Era uma vez um gato que morava na sua casa, ele era muito bom e gostava de salvar as pessoas. Mas chegou um super herói, e o gato ficou com muito ciúme do novo super herói. Sempre quando ele salvava uma vida o velho super herói ficava com mais ciúmes. Mas um dia chegou na cidade um bandido muito forte e os dois super heróis juntaram todas as suas forças e ficaram muito fortes e derrotaram o bandido e não tiveram mais ciúmes um do outro. Escritor: Lucas de Souza – 2º A Ilustradora: Taynara Cristina Ribeiro – 3º A

BESOURO Eu gosto do Besouro E ele está sempre comigo O nome dele é Dudu E ele é meu bicho de estimação Ele anda comigo para cima e para baixo Um dia aconteceu um acidente com ele Quebrou uma perna E agora só tem cinco pernas Mas eu gosto dele assim mesmo E o Dudu está feliz pra sempre. Escritora: Isabela Mariany Auler – 3º B (a foto é do besouro da história) 13

58

PINGO DE OURO Ao alto de uma caverna bem distante da cidade havia um baú cheio de jóias, de pérolas e diamantes. Lá dentro havia um pequeno pingo de ouro, mas só tinha um pequeno problema é que Pingo era um belo e pequeno pingo triste porque queria virar jóia, só de pensar nisso Pingo começava a chorar. Num belo dia Pingo ao acordar ouviu barulho estranho enquanto ele estava pensando no que fazer sentiu o baú a se mexer. Pingo pensou que era um fantasma, mas ao baú se mexer muito, começou a parar, passou alguns minutos e o baú começou a abrir e o baú se abriu. Era mais um estranho para Pingo, mas na verdade era um homem chamado Francisco, ele vendia ouro para damas, ao passar horas Pingo virou um lindo e formoso anel e foi parar nos dedos de uma linda dama e viveu feliz para sempre. Escritores: Nathan Phellipe Jesus e Cleiton Gonçalves – 3º série A

A GATINHA CARINHOSA - Olá eu sou a Gatinha e quero contar para vocês a minha história. Eu já vivi muitas aventuras até de perigo, e eu quero contar para vocês! Eu já cai de 10 andares e não morri, eu já entrei na frente de vários carros e não morri e muitos outros perigos. Mas eu também já vivi muitas aventuras de alegria, como já fui em muitos parques de diversão com minha mãe. Eu já contei algumas partes da minha vida, mas minha historia não acaba por aqui, quem sabe eu possa contar em outro livro também de aventuras e outras coisas que eu já vivi. Escritora: Jaqueline Tavares de Deus – 3º série B Ilustradora: Ana Cláudia Bressan – 3º B

57

14

O TOMBO Era sexta-feira e estávamos esperando a Professora Andréa. Um amigo meu era muito bagunceiro e estava escorregando e levou um tombo e a turma toda riu e ele não se machucou. Escritor: Wender Batista e Bruno M. da Silva – 2º série B Ilustrador: Lucas Silva Barbosa – 3º série A

A BORBOLETA QUE SONHAVA Era uma vez a borboletinha que sonhava muito. Um dia ela conheceu uma borboletinha igual ela e o nome dela era é Lila, as duas ficaram amigas. Mas um dia a borboleta tinha sonhado uma coisa muito ruim, ela tinha sonhado que ela nunca mais ia ver sua amiguinha Lila. E quando ela acordou ela não viu sua amiguinha no jardim, ela caçou, caçou e avistou de longe uma borboletinha no pomar, chegou perto e viu que era a Lila elas se abraçaram e a borboletinha que sonhava ficou feliz porque nunca mais sonhou coisa ruim e viveram felizes para sempre. Escritoras e Ilustradoras: Carla da Costa Nogueira e Nayara Oliveira Souza – 4 A

O GIRASSOL Gira, girassol O Girassol gira com o sol, Ele enjoa do sol E vai para a lua Ai meu Deus que Loucura. Escritora: Maria Eduarda Santos – 3º A

FORMANDO UM POETA Não há rio sem chover. Não há noite sem o dia. Não há circo sem alegria. Sem rima não há poesia. Escritor: Daniedson Bezerra Neves– 3ª B Ilustrador: Alex Soares Leite– 3º B 15 56

A CENTOPÉIA METIDA

DIGIMON Um dia na Ilha Arquivo Uagumon estava passeando e ele encontrou Gabumon. - Eu quero lutar com você. Disse Uagumon. - Então vamos, eu quero dominar a Ilha Arquivo. Disse Gabumon. E Uagumon disse: - BAFO DE PIMENTA. Gabumon: - RAJADA AZUL. Ah! Não, fui derrotado, você é muito forte, agora você não vai ganhar. Uagumon disse: - Megaligivolve para Metal Garurumon. - Força Terra, Míssel congelante – Disse Gabumon. - Furacão Bravo – Disse Uagumon. - Rajada Minguante. – Disse Gabumon. Ahhhh! Fui derrotado. Você é muito forte. Escritores e Ilustradores: João Gabriel CostaCurta e Bruno Barros Novais – 3 B

Um dia a centopéia ia ao shopping, então ela preparou a cama e fez bolinhos e chá, que sua vó Dorinha tinha ensinado. Quando a centopéia chegou no shopping ela comprou botas coloridas para ir ao rodeio. Quando ela foi ao rodeio as botas descolaram. Ela tinha um irmão. Muito sem graça ela pediu sapatinhos simples para ela ir no outro dia no rodeio, ai o irmão dela disse: - Eu não tenho dinheiro. Ela ficou muito triste, mas a vizinha da centopéia ficou com dó. A vizinha falou para ela: - Eu te dou uns sapatinhos por uma condição, você tem que não ser metida, porque isso é muito feio. Então a centopéia parou de ser metida, e a vizinha ficou besta de ver tantas pernas dela para ela comprar os sapatinhos e teve um desmaio. Escritor e Ilustrador: Vinícius Gabriel do Nascimento – 3º B

55

16

POKEMÓN Vou contar uma aventura Pokémon que eu vi na TV. Lichu e seus amigos estavam passeando em uma cidade que tinha muitos Pokemons que era de folha como o Selebi, mas o Pirolho não sabia que tinha um caçador, mas o caçador queria o Selebi, estava em sua frente para matá-lo, mas o Picachu estava machucado e ele estava evoluindo para raiochu, e o seu dono falou: - Jogue o Trovão e o balão estourou e ele voou para longe do centro Pokémon.

O BEZERRINHO TATÁ Era uma vez um homem que morava numa fazenda e um bezerrinho que nasceu lá era muito alegre e uma vez os humanos separaram ele da mãe e ele não viu mais os pais, e ele escutou os homens falando que ia prendê-lo e o bezerrinho saiu correndo e pulou a cerca e se perdeu e caiu num buraco e torceu a pata e foi mancando. Ele ficou uns dias na floresta e viu um cavalinho e eles se conheceram e ficaram amigos e ele estava com muita sede e o cavalinho levou ele até um rio e depois foi embora e levou até na casa dele. E a mãe do cavalinho perguntou quem ele era. E o cavalinho falou: - Ele estava perdido na floresta e eu levei ele até o rio. E a mãe do cavalinho falou que ele podia ser amigo dele e o cavalinho pediu se ele podia mostrar os amigos. E a mãe dele perguntou como era o nome do cavalinho. E ele respondeu: - Meu nome é Tatá. E ele foi para o rio com o cavalinho conhecer os amigos e encontrou a mãe dele e o pai e eles viveram felizes para sempre. Escritores e Ilustradores: Igor Alfredo Zanetti e Danilo da S. Senger – 3º B

E o caçador ainda queria pegar o Selebi, e o dono do Selebi viu que ele estava quase morrendo, mas o Selebi que estava viajando no futuro deu uma outra vida ao Selebi e o astro Pokémon queria pegar o caçador, mas só que os Pokemóns queriam matar o caçador. O Pokémon Aranha soltou uma teia e pegou o caçador, só que o selebi estava falando que queria ir embora para o outro futuro só que daquele lugar. Escritor e Ilustrador: Lucas P. dos Santos – 3º B

17

54

A FORMIGA

SONHO EM SER REI Existia um leão na selva, ele era Príncipe e queria ser rei da selva, ele era bom, mas tinha um elefante que também queria ser rei então o leão sabia que a princesa que era uma leoa estava presa por humanos, ele pegou o cipó maior da selva e foi correndo para lá e viu que os homens estavam juntos e jogou o cipó e amarrou eles e pegou a princesa. E se casou com ela e virou rei e ela rainha e o elefante aprendeu que ele não era leão, mas era um servo que devia ser fiel com ele, porque ele já era forte mas o leão era mais e os animais viveram felizes para sempre. Escritora e Ilustradora: Vitória P. Pereira– 2º B

A formiga Lili, o problema dela é que não gosta de trabalhar e nem ajuda a mãe dela. Ela é muito preguiçosa, não obedecia a mãe dela e nem o pai, ela é muito teimosa. Ela é enjoada e muito manhosa. Um dia caiu uma grande tempestade na floresta, e a mãe chamou ela para ajudar pegar folhas, mas ela de preguiça se separou da mãe na floresta, mas ela se perdeu e chorou muito e ficou triste. De repente veio um leão e parou em cima dela e ela ficou amassada e a mãe dela ficou muito triste e levou ela para o hospital e depois daquele dia ela ficou boa e aprendeu a lição de nunca mais ficar sem trabalhar e viveram felizes para sempre. Escritora e Ilustradora: Michaelly Freitas dos Santos – 3 B

53

18

RELÂMPAGO MACUIM

Era uma vez um carro que se chamava Relâmpago e um dia ele foi para a corrida, mas uma hora tinha um dos carros que era mais rápido, parecendo um jato e Relâmpago ficou com, a boca caída e quis ganhar a corrida, mas o carro azul ganhou em primeiro lugar e o Relâmpago ganhou em segundo lugar. Tinha um carro que se chamava Tigui, um trapaceiro e perdeu em terceiro lugar, mas um dia na corrida relâmpago empatou com o carro azul e Tigui perdeu e não saiu da sombra do rei, mas o Relâmpago ficou feliz por empatar com o rei. Escritor e Ilustrador: João Pedro Antunes– 2º A

SUPER ÁGUA Era uma vez um super herói chamado Super Água, ele se chamava assim porque ele soltava jatos fortes de água. Um dia pegou fogo na fazenda e ele foi apagar o incêndio, só que na mesma hora pegou fogo no cerradinho da escola e o super água teve que vir muito rápido para apagar, mas quando ele chegou o cerradinho já tinha queimado. E agora vamos ter que esperar nascer tudo de novo e até nascer a escola vai ficar sem cerradinho. Escritor: Lucas Paula da Silva – 2º A Ilustradores: Luiz H. Costa e Haniel Costa – 2º A

O DENTE Era uma vez uma menina chamada Luciana, ela estava comendo pão e o dente de Luciana estava mole e ele caiu. Ela colocou o dente debaixo do travesseiro e foi dormir. A fada apareceu e colocou um real, de manhã ela acordou e viu o dinheiro e quando caem seus dentes ela coloca embaixo do travesseiro. Escritoras e Ilustradoras: Cristiane Senger e Evelim Senger– 2º B 52

19

A ÁRVORE BATERFLAY Era uma vez uma árvore que chamava Barterflay, onde a Baterflay vivia era muito grande. Um homem rico queria fazer um prédio e onde dava pra fazer o prédio era bem na casa da Baterflay e aí teve que arrancar a Baterflay e aí ela foi jogada no lixão. Um dia um homem precisava de fazer uma mesa e ele estava passando do lado do lixão e ele viu uma boa de uma madeira, e aí ele pegou a madeira e levou para casa e fez uma bela de uma mesa e uma prateleira. E agora a Baterflay não era mais aquela árvore podre que vivia apodrecendo no lixão. Escritora e Ilustradora: Julia Horrana Costa– 3º B

O MOSQUITO Um dia o mosquito passava em cima de um jardim, então viu um exterminador de insetos, o mosquito tentou voar mais rápido, mas o exterminador soltou um veneno no ar e acertou o mosquito, então o mosquito caiu em uma direção de um hospital. E o doutor falou: Tem que tomar antibiótico. Mas o doutor se confundiu e deu antibiótico de pessoa. Então o mosquito voltou para sua casa, bem em um buraco no chão. E o mosquito ficou muito forte e o corpo dele parecia de pedra, quando dava umas chineladas nele não acontecia nada, então o mosquito ficou mais forte que os outros insetos, por causa do antibiótico de gente. O mosquito virou um super herói, o poder dele era voar na velocidade da luz. E também ele namorou com uma mosquita e tiveram filhos, e os mosquitinhos também tinham super poderes. E o mosquito fez uma nova era de mosquitos. Escritores: Robson N. Vieira e Matheus dos Santos– 3º B Ilustradores: Luana Zanetti 3º B e José Augusto 2º B 20

51

A MENINA E SEU URSINHO Era uma vez, um urso que morava numa loja. Ele sempre esperava para que alguém o comprasse para ele ter uma família. Todo dia aparecia alguém na loja querendo comprar um urso. Ele ficava sempre com a esperança de ter uma família, mas sempre escolhiam outros ursos e ele ficava triste. Até que chegou o natal e a esperança dele aumentou, três dias antes do natal uma mulher apareceu na loja e o urso escutando o que ela dizia: - Quero comprar um urso. O coração dele bateu mais forte, a mulher passou perto dele uma vez, depois passou de novo e olhou o urso do seu lado, até que ela soltou o outro urso e olhou para ele e falou: - É esse aqui que eu quero. Ele começou chorar de tanta alegria, foi colocado dentro de um embrulho. Passaram-se três dias até que o embrulho foi aberto. Ele logo deu de cara com uma menina e pensou “ela é minha família agora”. Os dois brincavam muito, passaram-se um mês, dois meses e eles conversando, chorando, rindo e se divertindo, mas um dia o urso e a menina ficaram sozinhos em casa e começou a chover muito forte e a cair raios. A menina começou a chorar e o urso com seu olhar triste olhando pra ela, a menina estava tentando ligar do celular 21

LICA A TARTARUGA Era uma vez uma tartaruga que se chamava Lica, ela era muito alegre e ela gostava muito de passear com sua amiguinha Lili. Mas um dia o dono de Lica abandonou ela porque ela desobedeceu ele. Lica ficou muito triste e falou para Lili: - Lili o meu dono me abandonou, e agora que eu vou fazer? - Já sei! Venha morar comigo. Disse Lili. E Lica foi morar com Lili. Lica ficou muitos dias com Lili, elas brincavam, pulavam, gritavam, só que Lica triste falou: - Eu quero voltar para minha casa. De repente bateram na porta e Lica foi atender, era o dono dela na porta e ele disse: - Lica eu estava procurando você, venha para casa. Lica ficou muito feliz, foi para casa e viveram felizes. Escritora e Ilustradora: Deborah Kamila Caldeira – 4º A

50

O VOVÔ BRAVO O Vovô de tão bravo que ele era não queria dar pão para nós, então pensamos em pegar escondido e nós conseguimos pegar o pão. Um dia minha mãe foi fazer compras e deixou nós com o vovô, ai tentamos pegar uma maçã e meu vovô viu e pensamos que ele ia brigar mas ele não brigou e vivemos felizes para sempre. Escritores e Ilustradores: Matheus da Silva. e Weslei Silva – 4º A O SUPER RÁPIDO Era uma vez um menino que tinha um super poder de correr mais rápido do que um trem. Ele usava esse poder para o mal, ele roubava bancos. E um, dia ele tava indo embora de um roubo e ele viu um carrinho de bebe descontrolado e naquele momento ele se arrependeu e então correu atrás do carrinho de bebe e conseguiu e fim. Escritores e Ilustradores: Mateus Tavares e Luan Bispo da Silva– 2º B 49

para sua mãe que estava trabalhando, mas não conseguia. A energia de repente acabou e um raio no céu se formou. O vento soprava mais forte e a menina e o urso com medo, ela segurava o celular firme na mão até que um raio na casa caiu. Ela não percebeu que o celular tinha puxado o raio. A casa de madeira pegou fogo em tudo, ela saiu andando pela casa gritando. O fogo tinha queimado a porta, assim ela agarrou seu urso e pulou os paus que estavam caídos no chão e conseguiu sair da casa, sua mãe a esperava na porta. A menina pediu a mãe que levasse seu urso e na correria a menina sem ver que quando ela deu o urso a sua mãe, a mulher deixou ele um pouco mais longe que a sua casa. A menina lá de fora na rua, vendo a casa pegar fogo perguntou à mãe: - Mãe cadê meu urso? A mulher ficou quieta. A menina olhou e viu o olhar de seu amigo urso, olhando triste para ela. A menina soltou dos braços da mãe e correndo mais do que ela agüentava, catou nos braços do urso e quando ela já estava quase perto da saída tudo explodiu. A menina foi levada para o hospital, ela teve que ficar internada, ela só dormia no hospital, não queria fazer nada porque seu amigo urso não veio vê-la, seu pai tinha dito que o urso já tinha se recuperado. Então no outro dia ela acordou com uma voz fina chamando por ela. Ela abriu os olhos e viu seu amigo, o seu coração acelerou, ela deu um forte abraço no seu amigo e eles viveram felizes para sempre, chorando, rindo e se divertindo. Escritora e Ilustradora: Jheneffer Samsel – 4º A 22

O URSO Era uma vez uma abelha que queria ser urso, um dia ela estava voando na floresta quando ela viu um urso triste e perguntou o que ele tinha. Ele disse que o caçador matou a sua mãe e que ele estava com saudades dela. A abelha disse para ele que também perdeu sua mãe na festa de abelhas. Uma noite de lua cheia havia muitos lobos e o ursinho correu para a caverna. Passou lá a noite toda de lua cheia. De manhã ele apareceu um caçador com uma metralhadora bem grande e queria matar um urso para mostrar ao seu chefe que era forte. Mas a abelha viu que o urso estava sendo atacado e foi ajudar a abelha deu uma picada na b... do caçador e ele saiu correndo com a mão na b... a abelha ficou satisfeita porque ela tinha muita força como os ursos. Escritora e Ilustradora: Nayara G. Pimenta e Nádia O. Neves – 2º B

O PASSEIO PARA JUSCIMEIRA Quando eu fui para Juscimeira ficar uns dias na casa da minha tia, eu brinquei muito com a amiga Vitória e com o irmão dela o Vítor, que foram com os pais deles e estava lá com nós também. Nós todos fomos ao balneário que tem lá em Juscimeira eu, a Vitória, o Vítor e o meu irmão brincamos muito. O meu pai e a minha madrasta estavam com a gente lá banhando no balneário, mas chegou a hora de ir para casa da minha tia Euvira, mas nós não queria ir, eu fiquei triste, mas meu pai prometeu que voltaríamos no balneário antes de voltar para Campo Verde. O dia que voltamos lá eu estava banhando e o meu pai estava conversando com o pai do Vítor e da Vitória, daí eu cheguei por trás do meu pai e joguei água nele e sai correndo e me escondi do lado do banheiro, como tinha muita gente nadando, meu pai achou que foi alguém que bateu o pé muito forte na água. E o meu pai não descobriu que foi eu, então eu a Vitória e o Vítor rimos muito da brincadeira. Escritora: Lorena Ferreira de Souza– 2º B Ilustradores: Lorena e Eris De Jesus – 2º B

23

48

BICICROSS

O TATU E O CAÇADOR Era uma vez um tatu muito magro e muito medroso. Ele nunca saiu de casa até que um dia ele não ficou com medo de nada e saiu de sua casa para passear. O tatu viu um caçador, muito sujo de lama, pingando lama. O tatu ficou com muito medo e saiu correndo para sua casa e ficou com tanto medo que trancou no cadeado. O caçador tentou matar o tatu com sua arma, mas não percebeu que a arma estava virada para ele mesmo, e atirou nele mesmo e morreu, quando o tatu saiu para ver se o caçador já tinha ido embora, ele viu o caçador morto e ficou com muita dó do homem.. O tatu cavou um buraco e enterrou o homem debaixo da terra. Escritor e Ilustrador: Soulemar P. da Costa– 2ªB

Numa viagem, estava um guri chamado Fernando. Ele corria Bicicross na categoria 10-11. Ele era campeão, já correu o Brasileiro. Nessa viagem todo mundo brincava, contava piada, ria tudo muito legal. Nós chegamos na cidade São José do Rio Claro, no sábado nós treinamos e no domingo nós corremos, foi muito difícil correr, esse menino Fernando, ganhou uma bateria. Correu outra bateria, ganhou também e na terceira Fernando tinha um amigo chamado Rafael, ele corria na categoria 15-16 anos, eles estavam liderando. Mas nessa corrida Rafael ficou em segundo lugar e esse menino o Fernando ficou em primeiro lugar Matogrossense e ele ficou muito feliz de ser campeão Matogrossesne de Bicicross. Escritores e Ilustradores: Fernando C. Gonçalves e Bruno Siqueira– 3º A

47

24

O TESOURO ESCONDIDO Era uma vez um pirata muito mal que queria achar o tesouro escondido, até que um dia ele achou o mapa do tesouro, assim ele chamou seus ajudantes e falou: - Nós temos que achar o tesouro para nós voltar para casa ricos e alimentar nossos filhos, por isso trabalhem, para nós sair do mar sem a baleia nos engolir. No segundo dia de viagem, ele acordou seus ajudantes com um grito tão alto assim: - Acordem, acordem a baleia branca esta aqui, vamos tentar fazer ela ir para sua casa, não matem ela. Assim os ajudantes acordaram e começaram cutucar a baleia branca com uma vara grande. E a baleia abriu a boca tão grande e o tesouro saiu lá de dentro dela, assim a baleia foi embora, eles pegaram o tesouro e voltaram para suas casas. Escritor: Yan Michel Ribeiro– 3º A Ilustradores: Nathan Phelipe e Cleiton G. de Jesus– 3º A

A ARARA DA MINHA AVÓ Na casa da minha avó, tem uma arara chamada Papagaio Louro. A minha avó viu um homem que queria matar a arara, daí minha avó não deixou e agora a arara vive na casa da minha avó. Ela é muito feliz, minha família ri muito quando ela fala coisas besteirentas, ela bica meu dedo, mas quando ela fala essas coisas minha avó coloca ela no pé de goiaba, lá ela fica sozinha. Mas minha avó tem muito ciúme dela e dá muita comida, é divertido a arara da minha avó. Escritora e Ilustradora: Dayele Bezerra Neves– 3º

25

46

O BATICÃO Era uma vez um cachorro que se chamava Baticão, ele ajudava as pessoas quando estavam em perigo. Ele usava a sua corda para pegar as pessoas que queria pegar as outras pessoas. O Baticão ia lá pegava as pessoas e levava na cadeia. De noite o Baticão assistia TV e ia dormir. No outro dia ele vestia sua roupa e ia fazer a cidade melhor. Escritores e Ilustradores: Bruno H. da Silva , Adriano C. Toledo e João Paulo da S. Brandão – 2º B

O BICHO PAPÃO AMIGO Numa cidade que vivia bichos papões, vivia um deles que se chamava Leonardo, ninguém era amigo dele, a única amiga era a professora, Claudia. Ele um dia falou para a mãe dele que queria mudar de escola, de casa ou de estado. E a mãe perguntou no motivo. Leonardo então disse: - Em primeiro lugar ninguém é meu amigo, em segundo lugar todos me amarram na cadeira da escola, em terceiro lugar eles escondem meu tênis e jogam no lixeiro, até eu chorar. - Filho você não tem um amigo? Disse a mamãe de Leonardo. - Eu tenho, mas só a professora. Falou Leonardo. - Mas você não pode largar um amigo, só porque os outros não querem ser seu amigo. Disse a mãe de Leonardo.. - Você tem razão mãe, não devo abandonar um amigo. Te amo mãe. No dia seguinte Leonardo levou um buquê de flores para a professora e então todos zombaram dele e falaram coisas feias para ele. Leonardo ficou aborrecido, entrou na sala de aula e disse: - Toma professora, feliz dia dos professores. Aí os alunos ficaram calados vendo aquilo e se arrependeram das coisas que tinham feito para Leonardo, pediram desculpas e ficaram amigos para sempre. Escritoras e Ilustradora: Leidmara, Alves, Letícia Gaudencio, Kelle Cristina, Rhadassa Vieira – 3ª A 26

O BONÉ Era uma vez um boné que sempre via um monte de piolho na cabeça do menino, mas um dia o menino mudou. A mãe dele pegou muito no pé dele e ele falou para a mãe dele: - Mãe passa remédio que eu nunca mais quero ter piolho. E o boné ficou muito satisfeito e sempre quis ficar na cabeça do menino. Escritor: Alex de Oliveira Lima Ilustrador: Marllon Alfredo Carvalho – 4º 45

A BONECA ENFEITIÇADA Essa é a história de um filme que assistimos. Era uma vez uma menina que chamava Sandra, e ela estava fazendo aniversário hoje e sua Mãe que chamava Paula, ela comprou uma boneca enfeitiçada e Paula não sabia que a boneca era enfeitiçada. O celular de Paula tocou, ela tinha uma emergência no hospital. Paula foi para o hospital e deixou Sandra sozinha em casa e a boneca falou: - Quer brincar comigo. E a menina correu e tentou ligar para sua mãe, mas não conseguiu, passou uma hora e Paula chegou ai Sandra contou a sua mãe, mas Paula disse: - Não tem nada disso filha, vamos dormir. Escritoras e Ilustradoras: Samara. de Jesus e Marina Sena de Souza – 2º B

POESIA Eu tenho um amigo, Ele é muito bonitinho Por isso ele é meu melhor amiguinho. O nome dele é Vinicius de Moraes, Ele fez muitas poesias E alegria me traz. Escritora: Maria Eduarda S. de Souza– 3º A

UM CAMPO DO BRASIL O lugar onde vivo É muito colorido, Cheiro de flores nos jardins Cheiro de abacaxis. O rio é verde, o sol é amarelinho, o céu é azulzinho, com a cor do céu o rio é mais azul. O lugar onde vivo, Tem muitas frutas nas casas, As crianças sobem no pé de manga, para pegar manga. O lugar onde vivo, Tem pessoas que tem Animal de estimação e outros para criação. Escritora: Cristiele de Oliveira – 4º série A 44

27

O TIO DA LUA Era uma vez um menino que tinha um cenário, e lá tinha uma lua muito linda. Ela tinha um tio que era Plutão e que deixou de ser planeta. Ele era muito malvado e queria tomar o lugar da lua para governar a galáxia e fazer o dia virar noite. Ele tinha um plano para destruir a lua e quando ele pensava nisso ele dava um berro que era assim: ah! Ah! Ah! Ah!... A lua ficou sabendo dos planos de destruir ela e foi atrás do seu tio para prestar contas. Eles tiveram uma discussão terrível e a briga durou muito tempo para acabar. Depois da briga, o tio da lua, o Plutão, chamou sua tropa, que era uma galáxia de estrelas que queriam virar planetas. A lua chamou um de seus amigos para lhe ajudar, o nome dele era saturno. Quando saturno apareceu derrubando as estralas menores. Os aliados de plutão se renderam para a lua. E todos os amigos da lua viveram felizes para sempre. Plutão continuou em seu lugar, por causa da sua maldade, ele ficou sozinho sem seus amigos de infância e sem sua namorada Xena, um planeta que ele também pensou em tomar o lugar. Escritor e Ilustrador: Pedro Guilherme Pamplona– 4º A

O MAIOR FOFOQUEIRO DA CIDADE Na verdade o maior fofoqueiro da cidade era um jornal. Ele sabia de todas as noticias boas e ruins, só que todos os dias ele ficava triste, porque ele ia para o lixo. Um dia um menino chamado Cris leu uma noticia e estava escrito assim: “Com a poluição podemos morrer”. Cris ficou desesperado, então Cris pensou numa solução. E a solução que ele encontrou foi reciclar todos os jornais. Com essa solução o Maior Fofoqueiro ficou tão feliz por ser reciclado que a partir desse dia só contava coisa boa. Escritores e ilustradores: Altemar Júnior e Jean C. Martins– 4º A

43

28

O TESOURO ENTERRADO Em belo dia, um menino que se chama Wender, brincava tanto de tesouro enterrado que um dia achou de verdade um tesouro enterrado no quintal de sua casa. Bom a casa era alugada, ele procurava, procurava, mas não achava um comprador de tesouro. Falou para seu pai e sua mãe e seus pais ajudaram a procurar e felizmente achou um. O comprador disse: - O tesouro vale uma fortuna meu caro! E então o menino disse para seus pais: - Mãe, pai eu vendo ou não vendo? O pai disse: - Eu topo vender o tesouro. Então o menino que era pobre virou o riquinho e ele e seus pais viveram felizes para sempre. Escritores e Ilustradores: Bruno Andrade Lopes e Weverton Senger– 3º A 29

A LUA NO NATAL Na noite de natal o Papai Noel já estava arrumando o saco de presentes e colocando as renas no trenó. Mamãe Noel já estava se despedindo dele quando Papai Noel olhou para o céu e viu um monte de maravilhosas estrelas, mas faltava uma coisa, faltava a lua. Papai Noel mandou uma rena para ver o que estava acontecendo, chegando lá viu a lua, tão, mas, tão triste que falou: - Porque não foi se apresentar no céu nesta noite de natal? E a lua respondeu: - Porque não tenho nenhum enfeite de natal. E a rena do Papai Noel disse para a lua: - Mas que bobagem, quando você está cheia, é a bola de natal mais linda que eu já vi. Ouvindo isso lá foi a lua. E assim Papai Noel pode entregar todos os presentes de natal. Escritora e Ilustradora: Natália Borges de Miranda– 4º A

42

A GATA FORMOSA Era uma vez uma gata que era conhecida como a gata formosa, ela era uma cantora e seu nome Claudia Ivete, ela era a rainha do palco. Certo dia estava cantando sua música no palco, mas aconteceu uma tragédia, ela escorregou no palco e caiu, passou o maior mico, todos riram dela e todos pensaram que ela ia desistir, mas ela mostrou que tinha muita coragem e continuou cantando e todos aplaudiram. Escritora e Ilustradora: Indiamayra Lorany Faria– 3º A

A GATINHA LILI

Era uma vez uma gatinha, ela se chamava Lili, ela morava na praia, daí ela viu uma coisa de longe, era um barco, ela saiu correndo e foi lá na praia e pulou em cima do barco e viu um negocio estranho e pensou, é peixe, mas que tipo de peixe que é. Era o tipo ouriço do mar, ela foi falar com a mãe dela: - Mãe o barco chegou com os peixes. Daí a mãe dela foi lá e subiu no barco e falou: - É peixe ouriço é grande, mas dá para comer. A mãe dela foi fazer comida, ela comeu e a mãe dela estava lá fora, e repente ela se engasgou com um espinho do ouriço e a mãe dela ficou desesperada. Lili foi levada para no veterinário, chegou no veterinário ele não estava, daí a mãe dela foi caçar um trem para tirar a espinha, a mãe dela tava conseguindo tirar quando a Lili acordou e colocou a espinha para fora. Escritora e Ilustradora: Kelvilly Gabriely Rodrigues – 2º A 41 30

A PLANTA QUE NÃO CRESCIA Um dia um menino chamado João quis plantar uma planta e ele caçou e caçou um lugar perfeito e achou e era um lugar cheio de plantas e árvores. João falou para seu amigo Marcos que estava preocupado, porque tinha plantado uma planta e ela não crescia, ai seu amigo falou: - Você tem que esperar meu amigo. E João esperou oito dias, depois disso Marcos voltou e perguntou ao João se tinha dado certo. João disse que sim, a planta tinha crescido, mas só um pouco. Então marcos disse para João esperar mais um pouco. Depois de mais oito dias, João resolveu descobrir o que estava acontecendo. João tirou a planta da terra e viu algumas minhocas penduradas nas raízes, tirou todas elas, mas tinha um pequeno problema, que o João não sabia, era que as minhocas eram mágicas e elas tinham um saquinho cheio de pó mágico e quando João plantou de novo as minhocas jogaram o pó mágico e a planta virou mágica e cresceu até as nuvens. João subiu pela planta gigante e viu um castelo bem grande e lá morava um gigante malvado e ele tinha uma galinha dos ovos de ouro e uma mulher que se chamava Rapunzel, mas a mulher do gigante morreu e ele tinha se casado com uma bruxa. O gigante tinha uma filha, antes de se casar com a bruxa e ela se chamava Branca de Neve e João viu Branca de Neve trabalhando como uma escrava. O menino foi espiar na janela e a Branca de Neve encostou a sua mão no ombro do João daí ele se assustou e falou para a Branca de Neve - Você quer me matar de susto Branca? E Branca de Neve respondeu:

A LULUZINHA Luluzinha é uma gatinha muito vaidosa. Todo dia ela acorda se arruma e vai para a escola, ela chega da escola faz a tarefa e vai para o sofá comer pipoca, quando sua mãe chega fala: - Luluzinha você ainda não tomou banho? Com muita raiva Luluzinha foi para o quarto tomou banho e deixou sua mãe chorando no sofá, dormiu fora e não foi para a escola. Quando chegou em casa Luluzinha chorou e chorou e pediu desculpas para a sua mãe e nunca mais fez isso e agora ela obedece a sua mãe com muita felicidade. Sua mãe ficou admirada e Luluzinha decidiu contar o que aconteceu. E tinha acontecido que ela viu a amiga dela tratando a sua mãe bem e se envergonhou e perguntou a sua amiga porque ela tratava a sua mãe bem, e ela respondeu, porque ela me colocou no mundo e por isso eu cuido bem dela. Escritora e ilustradora: Gabriely Pereira da Silva –2º A

31

40

O SUMIÇO DA PROFESSORA DE LITERATURA Num belo dia dois amigos vieram para a escola e quando chegaram lá os outros alunos estavam falando que a professora de literatura tinha desaparecido. Ninguém sabia onde ela estava, nem o marido, nem a filha, nem a diretora, a coordenadora, e nem a polícia. No outro dia os alunos da quarta série, tinham aula de literatura e como a professora de literatura não estava lá os alunos começaram a ler livros e dois alunos chamados Ricardo e Lucas acharam a professora dentro de um livro e eles dois ficaram desesperados. A professora estava dentro do livro da Bela Adormecida. Os dois meninos foram chamar a diretora, quando chegaram na sala de literatura, os dois meninos abriram o livro que a professora estava, passou algum tempo e saiu uma fadinha que era da história e um dos meninos pediu à fada para tirar a professora de dentro do livro e a fada assim fez. A professora saiu do livro assustada, passado alguns dias os alunos da quarta série tinham aula de literatura, e na hora da aula a professora contou tudo que tinha acontecido. Ela contou que estava lendo o livro da Bela Adormecida e de repente ela teve um sono profundo e acordou dentro do livro. Ela viu a Bela Adormecida, o rei, a rainha, o cachorro e os guardas todos estavam dormindo. A professora encontrou umas fadinhas e de repente num passe de mágica a professora saiu do livro e todos ficaram felizes para sempre, mas quem seria o próximo a ler aquele livro? Escritores e Ilustradores: Ricardo Rodrigues e Lucas Djhan Bressan– 4º A 39

- Não, como é o seu nome? - Nossa, eu me esqueci de me apresentar, eu sou o João e porque você está trabalhando como uma escrava? Perguntou João. Mas Branca de Neve disse: - Mas espere um pouquinho, como você sabe que o meu nome é Branca de Neve? - Por que você é uma personagem das histórias infantis. João respondeu. - A bom, mas você tem que sair daqui urgente, porque se o meu pai achar você aqui ele te mata. - Ta bem Branca, mas não precisa brigar assim comigo, eu só vou pegar meia dúzia de ovos de ouro. E João pegou os ovos e desceu da planta e ficou feliz para sempre e aquele dia foi o dia mais feliz da vida dele. Escritor: Giovani Carvalho Soares – 3º A Ilustradores: Giovani, Fernando Cesar e João Antônio – 3º A

32

A GATINHA RICA Era uma vez uma gatinha que se chamava Rosinha, ela era muito rica, mas o que ela queria mesmo era arrumar um namorado. Quando ela ia para festa, ela via cada gato lindo, mas eles eram casados e ela foi para casa triste. A gatinha Rosinha resolveu passear no jardim e ela viu um gatinho lindo o olho dela ficou assim: Ela perguntou para ele se tinha namorada e ele disse que não, ela perguntou como era o nome dele, ele respondeu que era Felipe, então ela pediu ele em casamento, ele falou que queria. Os dois casaram e viveram felizes, então ela comprava tudo o que ele e ela queria e assim foi indo, eles viveram felizes para sempre. Escritora: Kézia Lorraine da Silva– 2º A Ilustrador: Eduardo Bernard Melo – 2º A

O FANTASMA Num castelo mal-assombrado, vivia uma família de fantasmas: o pai fantasma se chamava Ventão, a mãe fantasma se chamava Ventania e seus filhos Ventinho e Brisa. Os fantasmas gostavam de passear no castelo e também na cidade. Um dia Ventinho e Brisa resolveram assustar uma velhinha que sempre passa perto de uma ferrovia de trem, os dois viram ela vindo e se esconderam rapidamente atrás da pedra. A velhinha tomou um susto quando saiu dois fantasmas de trás da pedra. E ela começou gritar – Socorro! Socorro! Ventinho tinha mania de puxar cabelos de velhinhas, quando ele passou na velocidade e puxou o cabelo da velha, mas ele não sabia que ela usava peruca e ficou com o cabelo da velha na mão e ele se assustou com isso e foi dando de cara com o trem fantasma e desmaiou. Brisa levou logo seu irmão para o castelo e seus pais ligaram logo para o doutor Furacão, quando o doutor disse que Ventinho estava desmaiado, ele estava acordando e o doutor furacão perguntou: - Como você desmaiou? - Bati a cabeça no trem fantasma, mas a partir de hoje não quero mais saber de assustar velhinhas porque elas me assustam se tiver de peruca. Todos riram. Escritores e Ilustradores: Marcus Antônio da Silva e Marllon Alfredo Carvalho – 4º A 38

33

UM URSINHO NA VIDA REAL Era uma vez um ursinho na sala de literatura da escola, ele era muito trapalhão, que gostava de brincar quando as crianças saiam da sala de literatura, ele lia livros e dormia um pouco no tapete e ouvia uma musiquinha bem baixinha no som, brincava com os brinquedos subia no ventilador e brincava de roda-roda nele e quando as crianças chegam ele vai para o seu cantinho ficar paradinho igual uma ursinho de pelúcia normal e quando saiam começava o divertimento de novo mas ele não era sempre feliz porque não tinha uma mãe, mas perto de sua amiginha era feliz. Ele brincava com os outros ursinhos porque na sala de literatura tinha muitos ursinhos que a professora usava e ele gostava mais de brincar com sua amiguinha Lelita e um dia sua amiguinha falou eu consigo subir no ventilador e as outras falaram, duvido se você não conseguir vai pagar o maior mico e ela não conseguiu e pagou o maior mico. E todos riam dela Escritores e Ilustradores: CezarAugusto e CleonyJunior da Silva 3º

AS FORMIGUINHAS Era uma vez uma formiguinha que trabalhava o dia inteiro. Um dia o homem fez uma horta na sua casa. Lá tinha cebola alface e varias coisas. As formiguinhas começaram a comer a horta quando o homem chegou do trabalho, ele foi molhar a sua horta, o homem viu a sua horta tudo mordida e o homem ligou a torneira e começou a molhar as formiguinhas. Elas conseguiram escapar. O homem resolveu passar veneno no quintal, as formiguinhas viram ele passando veneno e nesse dia comeram na casa delas. Começou a chuva e a água tirou o veneno e no outro dia elas foram comer na horta. Quando o homem chegou ele viu a sua horta tudo mordida e ele ficou louco e teve uma idéia, passou tinta vermelha na horta as formiguinhas foram comer a horta e ficaram coloridas e o homem enxergou elas e foi seguindo elas ate o formigueiro, aí quando chegou lá o homem disse para elas, que não era para comer a horta dele senão ele ia colocar a mangueira de água no formigueiro e ia fazer virar um piscina. Elas nunca mais foram caçar encrenca com o dono da casa e começaram a pegar comida no vizinho. E viveram de bem com o dono da casa Escritor: José Augusto Ilustradores: José Augusto e Gabriel Natan da Conceição – 2º B 34

37

A CENTOPEIA PERDIDA NA FLORESTA Uma centopéia morava na sua casinha na cidade, então ela preparou uma mala e foi viajar para a floresta, porque ela queria conhecer onde morava os seus bisavós. Quando ela chegou na floresta a centopéia foi tranquilamente andando na mata, de repente a centopéia sem olhar caiu num buraco na terra molhada, mas não numa terra comum era uma pegada de onça, lá passavam muitas onças pintadas para caçar animais. Então a centopéia foi correndo, correndo e correndo e decidiu entrar num oco de pau de árvore e foi seguindo num caminho escuro, tão escuro que a centopéia foi parar num ninho de passarinho. Então a centopéia assustada que estava, perdida, foi tentar correr, mas o passarinho avançou e a centopéia falou: - Socorro, socorro, socooooorro. Mas ninguém ouviu. Então a centopéia pegou sua sobrinha e pulou da árvore com a sombrinha aberta, quando ela aterrissou no chão fechou a sombrinha e foi correndo. Ela pulou num cipó, atravessou o rio, pulou num outro cipó e desceu, mas lá andavam muito jacarés então ela continuou correndo, e entrou um jacaré na frente da centopéia ela foi para trás correndo, mas entrou outro jacaré atrás dela. Os jacarés estavam muito com fome, e avançaram contra a centopéia, mas a centopéia desviou e os jacarés bateram de frente e a centopéia continuou a correr. E os jacarés tontos correram atrás da centopéia, mas não conseguiram e desistiram. 35

A centopéia decidiu entrar num buraco, mas ela não percebeu que era um buraco de cobra de duas cabeças, ela tentou correr, mas a cobra de duas cabeças estava entrando e a centopéia foi pro fim do túnel, mas chegando lá viu uma cobra vindo e começou a cavar e cavou rápido com os seus cem pés e por pouco a cobra não conseguiu pegar ela. A centopéia decidiu ir para a sua casa na cidade, porque era mais seguro, na floresta era muito perigoso. Então a centopéia pensou que seus bisavós eram heróis por passar por esses perigos. Escritores e ilustradores: Gabriel Mascarello e Wisllen Guimarães – 3º B

36


				
DOCUMENT INFO
Categories:
Stats:
views:3831
posted:3/9/2009
language:Portuguese
pages:36
Description: Livro de contos escrito e ilustrado por crian�as de 8, 9 e 10 anos, alunos do Centro de Educa��o Integral Paulo Freire que fica em Campo Verde, Mato Grosso. Essa colet�nea de contos foi escrita e ilustrada durante as oficinas de Literatura. A organiza��o e montagem do livro foi de responsabilidade da professora Andr�a Albano, ministrante desta oficina. Foi muito divertido todo o processo de produ��o do livro, as crian�as se divertiram e o melhor aprenderam sobre produ��o textual e as ferramentas necess�rias para tal atividade.