Em Portugal, um salário baixo é mais persistente do by nig11470

VIEWS: 0 PAGES: 3

									                                                                    .info
                                     Os avanços da semana na Teoria Económica                       edição 87| 25 MAI0 09




[Paper] “Low Pay Persistence in European Countries”
                                                                                                                Ken
[Autores] Ken Clark e Nikolaos C. Kanellopoulos                                                                Clark
[Publicação] IZA, Maio 2009                                                                           Professor na Universidade
                                                                                                      de Manchester, ensina
[Classificação JEL] C23, C25, J31, J69                                                                econometria, métodos de
[Palavras Chave] low pay, low pay persistence, state dependence, initial conditions, dynamic ran-     investigação económica e
dom effects probit models                                                                             economia do trabalho. Os
                                                                                                      seus trabalhos focam-se

Em Portugal, um salário baixo é mais persistente
                                                                                                      sobretudo em questões
                                                                                                      relacionadas com a econo-

do que no resto da Europa                                                                             mia do trabalho aplicado,
                                                                                                      estando a investigar a as-
                                                                                                      similação de imigrantes no
Portugal é, entre doze países europeus analisados, aquele que regista uma maior                       Reino Unido, as dinâmicas
persistência de salários baixos, confirmando a muito baixa mobilidade que se                          do emprego nas minorias
                                                                                                      e o empreendedorismo dos
verifica no mercado de trabalho. Um trabalhador com um salário baixo tem, num                         imigrantes.
futuro emprego, uma probabilidade próxima de 60 por cento de voltar a ter um
emprego com rendimentos muito reduzidos.

[Artigo] Nem só os desempregados são pobres. Cada vez mais, um pouco por
toda a Europa, se assiste ao fenómeno de trabalhadores com salários que não os
conseguem tirar da situação de pobreza. Mas será este apenas um estado pas-
sageiro que acaba por se resolver ou, para um trabalhador, será um salário baixo
uma condição que se tende a repetir ao longo do tempo?

[Abordagem] Os autores utilisam dados referentes a doze países europeus
durante o período que vai de 1994 a 2001 e procuram encontrar os factores e
características dos trabalhadores que estão mais frequentemente associadas a
um salário baixo.

[Conclusões] Os países europeus registam uma elevada persistência de sa-
lários baixos, isto é, um trabalhador com baixos rendimentos tende, ao longo
do tempo, a manter essa característica. E Portugal é, entre os doze países euro-
peus analisados, não só aquele em que um trabalhador tem mais probabilidade
de ter um salário baixo, como também aquele onde um trabalhador que caia
nesta situação menos possibilidades tem de voltar a sair. Os autores do estudo
dizem que isso acontece devido a um “mercado de trabalho altamente regulado
caracterizado por uma elevada rigidez da legislação da protecção do emprego
que funciona como uma garantia para aqueles que já estão empregados”. Um
nível educativo superior é o factor que mais reduz a probabilidade de uma pes-
soa ficar com um salário baixo, sendo Portugal o país onde essa característica
é mais forte. Também a realização de acções de formação adicionais e a idade
constituem uma ajuda na maior parte dos países.

[Comentário] Portugal é, em vários indicadores, um dos países em que a mo-
bilidade social é mais reduzida. Principalmente por causa das características do
sistema educativo, uma pessoa que caia em situação de pobreza fica, logo à par-
tida, com poucas probabilidades de inverter a situação. Este estudo mostra que,
também ao nível dos salários, se verifica este fenómeno.
  [Paper] “Financial Spillovers to Emerging Markets during the Global Financial Crisis”

  [Autores] Nathaniel Frank e Heiko Hesse

  [Publicação] FMI, Maio 2009                                                                    Perceber a Crise para
  [Classificação JEL] C3, E44, G12                                                               Encontrar o Caminho
  [Palavras Chave] Emerging markets, subprime crisis, liquidity, solvency, GARCH

                                                                                                 O economista Vítor Bento,
Ligação entre economias emergentes e avançadas cresceu durante a actual crise                    presidente da SIBS e
                                                                                                 ex-presidente do IGCP,
A proximidade financeira entre as economias emergentes e as avançadas aumentou durante           apresenta neste livro a
                     Os avanços da semana na Teoria Económica
a actual crise. É a conclusão deste estudo publicado pelo Fundo Monetário Internacional          sua visão sobre a actual
que analisa o comportamento de diversas variáveis e mercados financeiros nos dois ‘blocos’       crise e as implicações
económicos do mundo. Esta relação financeira força também a uma relação mais forte em            que tem para Portugal.
termos de economia real-                                                                         Mostra preocupação com
                                                                                                 o elevado endividamento
                                                                                                 português e avança
[Artigo] Nathaniel Frank e Heiko Hesse avaliam as potenciais ligações financeiras existentes
                                                                                                 com a ideia de reduzir
entre a liquidez e as medidas de solvabilidade nas economias avançadas e os mercados ac-         salários para estimular a
                      Os avanços da emergentes Teoria Económica
cionista e obrigacionista nas economias semana nano contexto da actual crise.                    competitividade nacional.
                                                                                                 Uma solução que já não
[Abordagem] A análise é realizada com base num modelo GARCH multivariado para estimar            é original mas que, ainda
os co-movimentos das diversas variáveis nos vários mercados.                                     assim, continua a suscitar
                                                                                                 enorme polémica.
[Conclusões] Os resultados mostram que a ideia de desligamento nos mercados financeiros          Editora: Bnomics; €18.9
emergentes e avançados, já referida por alguns especialistas, não tem suporte nos dados.         (fnac.pt)
Segundo os autores, os problemas de financiamento e as bolsas das economias avançadas e
os factores financeiros das emergentes mantiveram-se altamente correlacionados e até au-
mentaram rapidamente durante a actual crise.

[Comentário] Se alguma dúvida houvesse, e este artigo vem desfazê-las, sobre as ligações
entre os mercados financeiros das economias avançadas e das emergentes, bastaria ver as
dificuldades que as últimas têm enfrentado nos últimos meses. Os problemas cambiais e a
necessidade de intervenção do FMI em vários países já tinham mostrado, há muito, que os
dois ‘blocos’ (economias avançadas e emergentes) têm estado no mesmo barco nesta crise.
Depois de alguma resistência inicial, decorrente de uma menor exposição directa a activos
tóxicos, as economias emergentes estão agora a sentir em força o impacto da crise. A Eu-
ropa encontra-se numa situação particularmente sensível pois tem entre os seus membros
um número significativo de países em dificuldades. Os problemas nas economias de Leste
pro- metem muitas dores de cabeça nos próximos meses, não só porque são um destino
importante de exportações, como muitos bancos europeus têm interesses nesses países. No
resto do mundo, as grandes economias emergentes também já acusam a crise com fortes

                                                                                                   #
contracções da economia, excepção feita à China.

  [Paper] “Brazilian Football League Technical Efficiency: A Bootstrap Approach”

  [Autores] Carlos Pestana Barros , Albert Assaf e Fabio Sá-Earp

  [Publicação] ISEG, Maio 2009

  [Classificação JEL]
                                                                                                 $1,4
                                                                                                 Valor atingido pelo euro
  [Palavras Chave] Football, Brazil, Bootstrap, DEA, Technical Efficiency                        na semana passada face
                                                                                                 ao dólar, o mais alto dos
Eficiência técnica explica bons resultados desportivos dos clubes de futebol                     últimos quatro meses.
                                                                                                 A valorização da moeda
Numa análise aos clubes de futebol da primeira liga do campeonato brasileiro, entre 2006 e       europeia foi animada
2007, Carlos Pestana Barros , Albert Assaf e Fabio Sá-Earp verificaram que os mais eficientes,   pela possibilidade de
ou seja, aqueles que têm uma melhor relação entre inputs utilizados e outputs conseguidos,       a dívida soberana dos
apresentam melhores resultados desportivos.                                                      EUA perder o rating AAA
                                                                                                 pela Standard & Poor´s,
                                                                                                 com investidores como
[Artigo] Este artigo publicado pelo Instituto Superior de Economia e Gestão avalia a eficiên-    Bill Gross, a considerem
cia técnica dos clubes de futebol da primeira liga do campeonato brasileiro.                     esse cenário como
                                                                                                 possível. A Administração
[Abordagem] Os autores utilizam um modelo DEA (data envolopment analisys) bootstraped            apressou-se a afirmar que
a dois passos com base nos inputs (salários, activos ou custos operacionais) e outputs (pontos   pretende, até final do seu
obtidos na liga ou número de espectadores no estádios) dos clubes no período 2006-2007.          mandato, trazer o défice
                                                                                                 orçamental dos actuais
                                                                                                 12% para a casa dos 3%.
[Conclusões] Conclui-se que alguns clubes com características semelhantes tem perfor-            A S&P colocou na semana
mances diferentes em termos de resultados e que resultados desportivos estão normalmente         passada o Reino Unido,
associados a maior eficiência técnica.                                                           que também tem notação
                                                                                                 máxima, em vigilância
[Comentário] A componente emocional inerente ao desporto, e em particular ao futebol,            negativa. Por seu lado a
                                                                                                 Moody’s cortou o rating do
não deve fazer esquecer a análise mais fria. Este artigo mostra que eficiência, medida pela
                                                                                                 Japão de AAA para Aa2,
relação entre custos e proveitos, anda de mãos dadas com os resultados desportivos. Fica-se      a mesma notação que
a aguardar a análise para o campenat português.                                                  atribuia Portugal.
       %
                                      Zona
                           Período               UE         Bel.    Din.   Alem.        Irl.       Gré.    Esp.     Fra.          Ita.    Lux.     Hol.         Áus.    Por.    Esl.     Fin.     Sué.        R.U.       EUA       Jap.
                                      Euro

 Variação mensal (%)       Abr-      3,9       5,8      1,9        9,0     1,1      :          7,7        6,0      1,4       9,5         2,4      7,3       -0,5       -7,7    -14,4    3,0      -1,8     9,1        :         :
 sentimento económico      09

 Inflação homóloga         Abr-      0.6 (p)   1.2      0.7        1.1     0.8      -0.7       1.1        -0.2     0.1       1.2         -0.3     1.8 (p)   0.5 (p)    -0.6    1.1      2.1      1.8      :          :         :
                           09                  (ep)

 Taxa de desemprego        Mar-      8.9       8.3      7.3        5.7     7.6      10.6       :          17.4     8.8       :           6.1      2.9       4.5        8.5     5.0      7.4      8.0      :          8.5       :
                           09

 Variação homóloga         Mar-      -20.20    -18.85   :                  -21.69   :          -5.79      -24.74   -15.86    -23.79      -29.56    -10.26   :          -7.94   -18.49   -16.65   -20.03   -14.85     :         :
 produção industrial       09        (s)       (s)                                             (p)                                       (p)      (p)                          (p)

 Variação real do PIB



                  anual    T4-08     -1.6      -1.6     -1.0       -3.7    -1.7     -7.5       2.2        -0.8     -1.7      -3.0        -5.2     -0.6      0.0        -1.7    -0.8     -2.4     -4.9     -1.6       :         -4.3


              trimestral   T4-08     -1.6      -1.5     -1.7       -1.9    -2.2     -7.1       0.3        -1.0     -1.5      -2.1        -4.5     -1.2      -0.4       -1.6    -4.1     -1.3     -2.4     -1.6       -1.6      -3.2


 Variação homóloga         T4-08     -0.7      -0.5     -0.2       -4.8    -0.6     -4.0       1.7        -2.7     -0.1      -1.5        2.1      0.7       -0.0       1.0     1.0      -1.1     -3.3     -0.7       :         -0.3
 consumo privado

 Variação homóloga         T4-08     -5.2      -5.1     2.1        -9.2    -0.3     -30.6      -4.8       -11.2    -3.9      -9.0        10.0     -1.1      -0.2       -8.7    -5.3     -2.1     -1.2     -7.9       :         -6.9
 investimento

 Variação homóloga         T4-08     -0.0      0.1      1.2        0.1     1.0      -3.9       1.0        -3.0     -0.1      -0.2        3.7      1.2       1.4        -0.1    2.2      0.8      -0.0     -0.2       :         :
 emprego




 Taxa de juro de longo     Abr-      3.83      4.14     3.93       3.50    3.13     5.34       5.50       4.01     3.66      4.36        4.54     3.77      3.90       4.53    4.77     3.78     3.18     3.16       :         :
 (Estado a 10 anos)        09                                                                                                            (i)

 Défice/PIB                2008      -1.9      -2.3     -1.2       3.6     -0.1     -7.1       -5.0       -3.8     -3.4      -2.7        2.6      1.0       -0.4       -2.6    -0.9     4.2      2.5      -5.5       :         :


 Dívida/PIB                2008      69.6      61.5     89.6       33.3    65.9     43.2       97.6       39.5     68.0      105.8       14.7     58.2      62.5       66.4    22.8     33.4     38.0     52.0       :         :



p = provisional : = não disponível c: confidencial *: estimado pelo Estado Membro                                                                                                                                    Fonte: Eurostat




 Call for Papers                                                                                                             Conferências
25 MAI 2009 | Lisboa, Portugal | International Workshop on the Socio-Eco-                                                 29 MAI 2009 | Paris, França | 7th Meeting on Pension, Insurance and Saving
nomics of Ageing | ISEG                                                                                                   | IFD

25 MAI 2009 | Londres, Reino Unido | Financial Econometrics and Realized                                                  01 e 02 JUN 2009 | Istambul, Turquia | The Eurasia Business and Economics
Volatility/Vast Data | QASS                                                                                               Society (EBES) 2009 Conference | EBES

31 MAI 2009 | Barcelona, Espanha | Banking Summer School – Barcelona                                                      04 JUN 2009 | Madrid, Espanha | 2009 Applied Economics Meeting | ALDE
GSE | Barcelona GSE
                                                                                                                          04 e 05 JUN 2009 | Tilburg, Holanda | Competition Policy and Regulation in
08 JUN 2009 | Londres, Reino Unido | Annual London Conference on                                                          the Media: Bridging Law and Economics | Tilburg University
Money,Economy & Management | ALC
                                                                                                                          04 e 05 JUN 2009 | Vallendar/Koblenz, Alemanha | CEUS Workshop 2009 “Ten
10 JUN 2009 | Londres, Reino Unido | Macroeconomics: Theory and Applica-                                                  Years of European Monetary Union” | CEUS
tions | QASS
                                                                                                                          04 e 05 JUN 2009 | Barcelona, Espanha | 7th Third INSIDE (Insights on Im-
12 JUN 2009 | Paris, França | 2nd Workshop on Trade Marks and Trade Mark                                                  migration and Development Economics) Workshop | INSIDE
Data | LMU
                                                                                                                          08 a 10 JUN 2009 | Nápoles, Itália | Inequality and the Process of Develop-
30 JUN 2009 | Lisboa, Portugal | Desenvolvimento Económico Português no                                                   ment | CICSE
Espaço Europeu | Banco de Portugal
                                                                                                                          08 a 10 JUN 2009 | Praga, Republica Checa | European Applied Business
15 JUL 2009 | Lisboa, Portugal | The 1st Annual                                                                           Research Conference | Clute
UECE LISBON MEETINGS GAME THEORY AND APPLICATIONS | ISEG




  Ficha técnica

  Rui Peres Jorge (rui@e.conomia.info); João Silvestre (joao@e.conomia.info); Sérgio Aníbal (sergio@e.conomia.info).

  Design Gráfico: Artlusa, Design e Publicidade Lda (artlusa@artlusa.com)

								
To top