Docstoc

simulado

Document Sample
simulado Powered By Docstoc
					01 questões de múltipla escolha discursivas, das partes de formação geral e componente específico da área percepção sobre a prova - Você está recebendo o seguinte material: a) este caderno com as e , e das questões relativas à sua , assim distribuídas: b) Caderno de Respostas em cuja capa existe, na parte inferior, um cartão destinado às respostas das questões de múltipla escolha e de percepção sobre a prova. As respostas às questões discursivas deverão ser escritas a caneta esferográfica de tinta preta nos espaços especificados no Caderno de Respostas. 02 03 04 05 06 07 - Verifique se este material está completo e se o seu nome no Cartão-Resposta está correto. Caso contrário, notifique imediatamente a um dos responsáveis pela sala. Após a conferência de seu nome no Cartão-Resposta, você deverá assiná-lo no espaço próprio, utilizando caneta esferográfica de tinta preta. - Observe, no Cartão-Resposta, as instruções sobre a marcação das respostas às questões de múltipla escolha (apenas uma resposta por questão). - Tenha muito cuidado com o Cartão-Resposta, para não dobrar, amassar ou manchar. Esse Cartão somente poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens - área de reconhecimento para leitura ótica. - Esta prova é individual. São vedados o uso de calculadora, qualquer comunicação e troca de material entre os presentes, consultas a material bibliográfico, cadernos ou anotações de qualquer espécie. - Quando terminar, entregue a um dos responsáveis pela sala o Cartão-Resposta grampeado ao Caderno de Respostas e assine a Lista de Presença. Cabe esclarecer que você só poderá sair levando este Caderno de Questões, decorridos 90 (noventa) minutos do início do Exame. - Você terá 04 (quatro) horas para responder as questões de múltipla escolha, discursivas e de percepção sobre a prova.
Consórcio Cesgranrio- FCC CESPE Diretoria de Estatísticas e Avaliação da Educação Superior DEAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP Ministério da Educação

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO
Partes Número das questões Número das páginas neste caderno Peso de cada parte Formação geral/Múltipla escolha Formação geral/Discursivas Componente específico/Múltipla escolha Componente específico/Discursivas Percepção sobre a prova 1 11 a 36 41 a 49 9 e 10 37 a 40 80 % 20 % 60 % 40 %

3 6 9 20 24 a a a a 5 8 19 23 a8

PROVA DE

MEDICINA
Novembro 2007

3
Enade-Medicina-2007

Ao se escolher uma ilustração para esses poemas, qual das obras, abaixo, estaria de acordo com o tema neles dominante?
Di Cavalcanti Tarsila do Amaral Taunay

(A) (B) (C)
Manezinho Araújo Guignard

(D) (E) Cidadezinha qualquer Casas entre bananeiras mulheres entre laranjeiras pomar amor cantar. Um homem vai devagar. Um cachorro vai devagar. Um burro vai devagar. Devagar... as janelas olham. Eta vida besta, meu Deus.
ANDRADE, Carlos Drummond de. Alguma poesia. In: Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002, p. 23.

Cidadezinha cheia de graça... Tão pequenina que até causa dó! Com seus burricos a pastar na praça... Sua igrejinha de uma torre só... Nuvens que venham, nuvens e asas, Não param nunca nem num segundo... E fica a torre, sobre as velhas casas, Fica cismando como é vasto o mundo!... Eu que de longe venho perdido, Sem pouso fixo (a triste sina!) Ah, quem me dera ter lá nascido! Lá toda a vida poder morar! Cidadezinha... Tão pequenina Que toda cabe num só olhar...
QUINTANA, Mário. A rua dos cataventos In: Poesia completa. Org. Tânia Franco Carvalhal. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2006, p. 107.

4
Enade-Medicina-2007

3
Revista Isto É Independente. São Paulo: Ed. Três [s.d.]

O alerta que a gravura acima pretende transmitir refere-se a uma situação que (A) atinge circunstancialmente os habitantes da área rural do

País. (B) atinge, por sua gravidade, principalmente as crianças da área rural. (C) preocupa no presente, com graves conseqüências para o futuro. (D) preocupa no presente, sem possibilidade de ter conseqüências no futuro. (E) preocupa, por sua gravidade, especialmente os que têm filhos. Os ingredientes principais dos fertilizantes agrícolas são nitrogênio, fósforo e potássio (os dois últimos sob a forma dos óxidos P2O5 e K2O, respectivamente). As percentagens das três substâncias estão geralmente presentes nos rótulos dos fertilizantes, sempre na ordem acima. Assim, um fertilizante que tem em seu rótulo a indicação 10 20 possui, em sua 20 composição, 10% de nitrogênio, 20% de óxido de fósforo e 20% de óxido de potássio. Misturando-se 50 kg de um fertilizante 10 10 com 50 kg de um fertilizante 20 10, 20 10 obtém-se um fertilizante cuja composição é (A) 7,5 7,5 (B) 10 10. 5. 10 (C) 15 10. (D) 20 15. 15 20 (E) 30 20. 30 Os países em desenvolvimento fazem grandes esforços para promover a inclusão digital, ou seja, o acesso, por parte de seus cidadãos, às tecnologias da era da informação. Um dos indicadores empregados é o número de hosts, isto é, o número de computadores que estão conectados à Internet. A tabela e o gráfico abaixo mostram a evolução do número de hosts nos três países que lideram o setor na América do Sul.
2003 2004 2005 2006 2007 Brasil 2.237.527 3.163.349 3.934.577 5.094.730 7.422.440 Argentina 495.920 742.358 1.050.639 1.464.719 1.837.050 Colômbia 55.626 115.158 324.889 440.585 721.114 Fonte: IBGE (Network Wizards, 2007)

Dos três países, os que apresentaram, respectivamente, o maior e o menor crescimento percentual no número de hosts, no período 2003 2007, foram (A) Brasil e Colômbia. (B) Brasil e Argentina. (C) Argentina e Brasil. (D) Colômbia e Brasil. (E) Colômbia e Argentina. Leia o esquema abaixo. Com base na análise das informações acima, uma campanha publicitária contra a prática do conjunto de ações apresentadas no esquema poderia utilizar a seguinte chamada: (A) Indústria farmacêutica internacional, fora! (B) Mais respeito às comunidades indígenas! (C) Pagamento de royalties é suficiente! (D) Diga não à biopirataria, já! (E) Biodiversidade, um mau negócio? 1 - Coleta de plantas nativas, animais silvestres, microorganismos e fungos da floresta Amazônica. 2 - Saída da mercadoria do país, por portos e aeroportos, camuflada na bagagem de pessoas que se disfarçam de turistas, pesquisadores ou religiosos. 3 - Venda dos produtos para laboratórios ou colecionadores que patenteiam as substâncias provenientes das plantas e dos animais. 4 - Ausência de patente sobre esses recursos, o que deixa as comunidades indígenas e as populações tradicionais sem os benefícios dos royalties. 5 - Prejuízo para o Brasil!

5
Enade-Medicina-2007

Vamos supor que você recebeu de um amigo de infância e

seu colega de escola um pedido, por escrito, vazado nos seguintes termos: Essa solicitação em tudo se assemelha à atitude de uma pessoa que (A) comparece a um evento solene vestindo smoking completo e cartola. (B) vai a um piquenique engravatado, vestindo terno completo, calçando sapatos de verniz. (C) vai a uma cerimônia de posse usando um terno completo e calçando botas. (D) freqüenta um estádio de futebol usando sandálias de couro e bermudas de algodão. (E) veste terno completo e usa gravata para proferir uma conferência internacional.
“Venho mui respeitosamente solicitar-lhe o empréstimo do seu livro de Redação para Concurso, para fins de consulta escolar.” e Desnutrição entre crianças quilombolas
“Cerca de três mil meninos e meninas com até 5 anos de idade, que vivem em 60 comunidades quilombolas em 22 Estados brasileiros, foram pesados e medidos. O objetivo era conhecer a situação nutricional dessas crianças.(...) De acordo com o estudo,11,6% dos meninos e meninas que vivem nessas comunidades estão mais baixos do que deveriam,considerandose a sua idade, índice que mede a desnutrição. No Brasil, estima-se uma população de 2 milhões de quilombolas. A escolaridade materna influencia diretamente o índice de desnutrição. Segundo a pesquisa, 8,8% dos filhos de mães com mais de quatro anos de estudo estão desnutridos. Esse indicador sobe para 13,7% entre as crianças de mães com escolaridade menor que quatro anos. A condição econômica também é determinante. Entre as crianças que vivem em famílias da classe E (57,5% das avaliadas), a desnutrição chega a 15,6%; e cai para 5,6% no grupo que vive na classe D, na qual estão 33,4% do total das pesquisadas. Os resultados serão incorporados à política de nutrição do País. O Ministério de Desenvolvimento Social prevê ainda um estudo semelhante para as crianças indígenas.”
BAVARESCO, Rafael. UNICEF/BRZ. Boletim, ano 3, n. 8, jun. 2007.

O boletim da UNICEF mostra a relação da desnutrição com o nível de escolaridade materna e a condição econômica da família. Para resolver essa grave questão de subnutrição infantil, algumas iniciativas são propostas: I distribuição de cestas básicas para as famílias com crianças em risco; II  programas de educação que atendam a crianças e também a jovens e adultos; III  hortas comunitárias, que ofereçam não só alimentação de qualidade, mas também renda para as famílias. Das iniciativas propostas, pode-se afirmar que (A) somente I é solução dos problemas a médio e longo prazo. (B) somente II é solução dos problemas a curto prazo. (C) somente III é solução dos problemas a curto prazo. (D) I e II são soluções dos problemas a curto prazo. (E) II e III são soluções dos problemas a médio e longo prazo. Entre 1508 e 1512, Michelangelo pintou o teto da Capela Sistina no Vaticano, um marco da civilização ocidental. Revolucionária, a obra chocou os mais conservadores, pela quantidade de corpos nus, possivelmente, resultado de seus secretos estudos de anatomia, uma vez que, no seu tempo, era necessária a autorização da Igreja para a dissecação de cadáveres. Recentemente, perceberam-se algumas peças anatômicas camufladas entre as cenas que compõem o teto. Alguns pesquisadores conseguiram identificar uma grande quantidade de estruturas internas da anatomia humana, que teria sido a forma velada de como o artista “imortalizou a comunhão da arte com o conhecimento”. Uma das cenas mais conhecidas é “A criação de Adão”. Para

esses pesquisadores ela representaria o cérebro num corte sagital, como se pode observar nas figuras a seguir.
BARRETO, Gilson e OLIVEIRA, Marcelo G. de. A arte secreta de Michelangelo - Uma lição de anatomia na Capela Sistina. ARX.

Considerando essa hipótese, uma ampliação interpretativa dessa obra-prima de Michelangelo expressaria (A) o Criador dando a consciência ao ser humano, manifestada pela função do cérebro. (B) a separação entre o bem e o mal, apresentada em cada seção do cérebro. (C) a evolução do cérebro humano, apoiada na teoria darwinista. (D) a esperança no futuro da humanidade, revelada pelo conhecimento da mente. (E) a diversidade humana, representada pelo cérebro e pela medula.

6
Enade-Medicina-2007

Leia, com atenção, os textos a seguir.
JB Ecológico. Nov. 2005 Revista Veja. 12 out. 2005.

“Amo as árvores, as pedras, os passarinhos. Acho medonho que a gente esteja contribuindo para destruir essas coisas.” “Quando uma árvore é cortada, ela renasce em outro lugar. Quando eu morrer, quero ir para esse lugar, onde as árvores vivem em paz.”
Antônio Carlos Jobim. JB Ecológico. Ano 4, no 41, jun. 2005, p.65.

Desmatamento cai e tem baixa recorde
O governo brasileiro estima que cerca de 9.600 km 2 da floresta amazônica desapareceram entre agosto de 2006 e agosto de 2007, uma área equivalente a cerca de 6,5 cidades de São Paulo. Se confirmada a estimativa, a partir de análise de imagens no ano que vem, será o menor desmatamento registrado em um ano desde o início do monitoramento, em 1998, representando uma redução de cerca de 30% no índice registrado entre 2005 e 2006. (...) Com a redução do desmatamento entre 2004 e 2006, “o Brasil deixou de emitir 410 milhões de toneladas de CO2 (gás do efeito estufa). Também evitou o corte de 600 milhões de árvores e a morte de 20 mil aves e 700 mil primatas. Essa emissão representa quase 15% da redução firmada pelos países desenvolvidos para o período 2008-2012, no Protocolo de Kyoto.” (...) “O Brasil é um dos poucos países do mundo que tem a oportunidade de implementar um plano que protege a biodiversidade e, ao mesmo tempo, reduz muito rapidamente seu processo de aquecimento global.”
SELIGMAN, Felipe. Folha de S. Paulo - Editoria de Ciência, 11 ago. 2007 (Adaptado).

Soja ameaça a tendência de queda, diz ONG Mesmo se dizendo otimista com a queda no desmatamento, Paulo Moutinho, do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), afirma que é preciso esperar a consolidação dessa tendência em 2008 para a “comemoração definitiva”. “Que caiu, caiu. Mas, com a recuperação nítida do preço das commodities, como a soja, é preciso ver se essa queda acentuada vai continuar”, disse o pesquisador à Folha. “O momento é de aprofundar o combate ao

desmatamento”, disse Paulo Adário, coordenador de campanha do Greenpeace. Só a queda dos preços e a ação da União não explicam o bom resultado atual, diz Moutinho. “Estados como Mato Grosso e Amazonas estão fazendo esforços particulares. E parece que a ficha dos produtores caiu. O desmatamento, no médio prazo, acaba encarecendo os produtos deles.”
GERAQUE, Eduardo. Folha de S. Paulo. Editoria de Ciência. 11 ago. 2007 (Adaptado)

7
Enade-Medicina-2007

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 A partir da leitura dos textos motivadores, redija uma proposta, fundamentada em dois argumentos, sobre o seguinte tema: Procure utilizar os conhecimentos adquiridos, ao longo de sua formação, sobre o tema proposto. • Seu texto deve ser dissertativo-argumentativo (não deve, portanto, ser escrito em forma de poema ou de narração). • A sua proposta deve estar apoiada em, pelo menos, dois argumentos. • O texto deve ter entre 8 e 12 linhas. • O texto deve ser redigido na modalidade escrita padrão da Língua Portuguesa. • Os textos motivadores não devem ser copiados.

8
Enade-Medicina-2007

1 2 3 4 5 6 1 2 3 4 5 6 Sobre o papel desempenhado pela mídia nas sociedades de regime democrático, há várias tendências de avaliação com posições distintas. Vejamos duas delas: Posição I – A mídia é encarada como um mecanismo em que grupos ou classes dominantes são capazes de difundir idéias que promovem seus próprios interesses e que servem, assim, para manter o status quo. Desta forma, os contornos ideológicos da ordem hegemônica são fixados, e se reduzem os espaços de circulação de idéias alternativas e contestadoras. Posição II – A mídia vem cumprindo seu papel de guardiã da ética, protetora do decoro e do Estado de Direito. Assim, os órgãos midiáticos vêm prestando um grande serviço às sociedades, com neutralidade ideológica, com fidelidade à verdade factual, com espírito crítico e com fiscalização do poder onde quer que ele se manifeste.

Leia o texto a seguir, sobre o papel da mídia nas sociedades democráticas da atualidade - exemplo do jornalismo.

“Quando os jornalistas são questionados, eles respondem de fato: „nenhuma pressão é feita sobre mim, escrevo o que quero‟. E isso é verdade. Apenas deveríamos acrescentar que, se eles assumissem posições contrárias às normas dominantes, não escreveriam mais seus editoriais. Não se trata de uma regra absoluta, é claro. Eu mesmo sou publicado na mídia norte-americana. Os Estados Unidos não são um país totalitário. (...) Com certo exagero, nos países totalitários, o Estado decide a linha a ser seguida e todos devem-se conformar. As sociedades democráticas funcionam de outra forma: a linha jamais é anunciada como tal; ela é subliminar. Realizamos, de certa forma, uma “lavagem cerebral em liberdade”. Na grande mídia, mesmo os debates mais apaixonados se situam na esfera dos parâmetros implicitamente consentidos – o que mantém na marginalidade muitos pontos de vista contrários.”
Revista Le Monde Diplomatique Brasil, ago. 2007 - texto de entrevista com Noam Chomsky.

Sobre o papel desempenhado pela mídia na atualidade, faça, em no máximo, 6 linhas, o que se pede: a) escolha entre as posições I e II a que apresenta o ponto de vista mais próximo do pensamento de Noam Chomsky e explique a relação entre o texto e a posição escolhida; b) apresente uma argumentação coerente para defender seu posicionamento pessoal quanto ao fato de a mídia ser ou não livre.

9
Enade-Medicina-2007

COMPONENTE ESPECÍFICO
QUESTÃO 11
O médico da Unidade Básica de Saúde é acionado pela enfermeira, por solicitação dos pais, para averiguar uma possível reação pós-vacinal num lactente de 2 meses, do sexo masculino. A mãe relata que, 4 horas após receber as vacinas programadas, a criança passou a apresentar crise de choro inconsolável que já perdurava por 3 horas. Diante do quadro, o médico, acertadamente, notificou o caso como sendo uma provável reação devido à vacina contra (A) tétano. (B) poliomielite. (C) difteria. (D) coqueluche. (E) Haemophilus influenzae.

QUESTÃO 12
Um menino com 1 mês de vida, raça negra, morador de área urbana, com condições de vida adequadas, é levado à Unidade Básica de Saúde para atendimento de rotina e vacinação, pelos pais, que não têm queixas. Não oferecem nenhum medicamento ao seu filho, que recebe aleitamento materno exclusivo. O médico avalia a criança, que tem exame físico normal, com ganho de 40 g/dia desde o nascimento. Pergunta se oferecem vitamina D ao filho e a mãe diz que, apesar de ter sido prescrita pelo médico da maternidade, ela não considera necessária, já que oferece exclusivamente o seio. O médico deverá conversar com os pais e propor uma conduta. Considera-se correto que o médico (A) admita que a suplementação pode ser dispensada enquanto a criança estiver em aleitamento materno exclusivo, mas deverá ser iniciada assim que for introduzido outro alimento ou fórmula láctea. (B) esclareça que morar em área urbana e ser de raça negra são considerados fatores de risco para raquitismo e que a

oferta de vitamina D é segura e evita o aparecimento desta doença. (C) admita que a suplementação é facultativa, desde que programem a coleta de cálcio e fósforo no sexto mês de vida da criança. (D) concorde com a mãe acerca do real efeito protetor do leite materno, mas aponte que a conduta, por ser universal, não pode ser individualizada, independentemente de não haver risco, como neste caso. (E) advirta a mãe sobre o atraso no início da oferta da vitamina D e esclareça que seu filho tem risco de desenvolver raquitismo, que pode levar a deformidades ósseas e predispor ao desenvolvimento de cretinismo.

QUESTÃO 13
Um menino, com 3 anos e meio de idade, morador de zona rural, é levado ao médico pelos pais, que se queixam que a criança está branquinha e se cansa fácil. Nascida em hospital distante 30 km do domicílio, os pais puderam levá-la ao médico apenas 4 vezes, uma vez no primeiro ano de vida. Aleitamento materno exclusivo até 8 meses de vida. Após o exame físico (peso e altura no percentil 50), o médico observa palidez intensa e solicita exames, abaixo descritos (entre parênteses, valores normais). Hemograma: Hb: 7,5 g/dL (11-14,5); Ht: 25% (33-43); VCM: 62 fL (74-89); HCM: 21 pg (24-32); CHCM: 26 g/dL (32-37); RDW (variação do volume eritrocitário): 21% (12-14). Leucócitos: 7.500/mm3 (diferencial dentro dos limites da normalidade). Plaquetas: 475.000/mm3 (150.000-400.000 /mm3). Capacidade total de ligação do ferro: 655 μg/dL (250-425 μg/dL). Ferro sérico e Ferritina: em análise.4 6 8 10 Pode-se afirmar que: (A) a principal hipótese é de anemia ferropriva, uma vez que, além da microcitose e hipocromia, observa-se elevada variação do volume eritrocitário. (B) a presença de microcitose e hipocromia em criança bem nutrida impõe a α-talassemia como principal diagnóstico. (C) o diagnóstico de β-talassemia (traço) é o mais provável, uma vez que há grande variação do volume eritrocitário e a criança é bem nutrida, além de ser a hemoglobinopatia mais freqüentemente diagnosticada nesta faixa etária. (D) o diagnóstico de anemia falciforme deve ser excluído com a realização da prova de falcização, uma vez que a alta capacidade de ligação do ferro e a acentuada anemia caracterizam este diagnóstico nesta idade. (E) a deficiência da atividade da G6PD (glicose-6-fosfato desidrogenase) nas hemácias é a principal hipótese diagnóstica, pois trata-se de um caso de anemia intensa, certamente aguda (criança com peso normal), em criança do sexo masculino.

10
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 14
Um lactente de 2 meses é admitido em uma enfermaria pediátrica com quadro de vômitos repetidos e desidratação. Os pais negam febre ou outros sintomas, mas referem que o filho tem vômitos pós-alimentares há 1 mês. Ao exame físico, a criança apresenta-se desidratada de algum grau, hipoativa e é possível perceber pequena tumoração à palpação abdominal do epigástrio. Diante deste quadro, a hipótese diagnóstica mais provável, o exame complementar mais adequado e o tratamento são, respectivamente: (A) estenose hipertrófica do piloro; endoscopia; jejum e descompressão gástrica. (B) pâncreas anular; colangiopancreatografia; jejum e descompressão gástrica.

(C) estenose hipertrófica do piloro; ultra-sonografia de abdome; tratamento cirúrgico. (D) estenose hipertrófica do piloro; pHmetria; jejum e descompressão gástrica. (E) pâncreas anular; pHmetria e tratamento cirúrgico.

QUESTÃO 15
Mãe leva o seu filho de 5 anos a consulta ambulatorial na Unidade Básica de Saúde, queixando-se que o mesmo estaria muito baixo. Refere que o menino é o menor entre os amiguinhos. A criança não apresenta antecedentes mórbidos significativos. Ao exame físico, observa-se que o menor é clinicamente normal e encontra-se no percentil 10 para a idade. O pai e a mãe têm estaturas de 1,72 m e 1,60 m, respectivamente. A melhor conduta a ser adotada neste momento é (A) encaminhar o caso para um endocrinologista pediátrico, para avaliação e seguimento. (B) iniciar a investigação de baixa estatura com a realização de dosagem de hormônio de crescimento (GH) basal. (C) realizar prova terapêutica com GH por um período de 3 meses e reavaliar a curva de crescimento. (D) realizar exame de idade óssea, para descartar hipopituitarismo. (E) tranquilizar a mãe, pois a criança encontra-se nos limites de normalidade.

QUESTÃO 16
Uma menina saudável, com 9 anos de idade, é levada ao pronto-socorro do hospital de referência de seu domicílio, com queixa de dor e inchaço em articulação de joelho direito há 1 dia e febre hoje. Os pais referiam queda de bicicleta e trauma fechado em perna esquerda há 10 dias, que evoluiu bem após formação de hematoma no local. Ao exame, a criança estava em bom estado, corada, hidratada e não havia envolvimento de outras articulações. O joelho direito apresentava edema, calor e hiperemia e a criança queixava-se de muita dor. O pediatra solicitou a avaliação do ortopedista, que indicou a punção da articulação, após a avaliação física e do Rx, que demonstrava edema de partes moles adjacentes e discreto alargamento da cápsula articular. Os médicos conversaram com os pais acerca da hipótese de artrite séptica e da necessidade de internação para a punção, exames de sangue e tratamento. Os pais da criança solicitam a realização de ultra-sonografia antes da punção, disponível em um hospital a 250 km de distância, em uma situação de difícil locomoção. Os médicos devem (A) explicar aos pais que não há vantagem em se realizar a ultra-sonografia e que as informações obtidas com o Rx são as mesmas que podem ser extraídas da ultra-sonografia e que não poderiam autorizar a saída para outro hospital, exceto com a alta a pedido. (B) transferir a criança para internação em outro hospital, ainda que distante, pois exames de ultra-sonografia ou tomografia realmente se impõem nesta circunstância. (C) solicitar aos pais a assinatura de um termo de responsabilidade e liberá-los para procurarem um hospital que possa oferecer todos os recursos, uma vez que a punção só pode ser realizada sob a visão da ultrasonografia. (D) tranqüilizar os pais acerca da segurança do procedimento para a análise do líquido, especialmente a bacteriologia, e da importância de se iniciar precocemente o tratamento intravenoso com oxacilina. (E) administrar antiinflamatório intravenoso e encaminhar de ambulância para a realização da ultra-sonografia e retorno, para então realizar a punção e iniciar o tratamento com vancomicina, uma vez que a artrite ocorreu após trauma fechado.

11
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 17
Uma adolescente de 16 anos completos, saudável, estudante do ensino médio, procura atendimento na Unidade Básica de Saúde, sem acompanhante. Refere que já iniciou a vida sexual e gostaria de fazer uso da pílula anticoncepcional, apesar de utilizar o preservativo. O médico que a atende diz que só pode prescrever o método pedido após falar com um de seus pais ou responsável legal. A conduta do médico está (A) errada. Tal atitude pode ser considerada infração ética, pois, mesmo sendo menor de idade, a paciente mostra-se capaz de tomar decisões relativas à sua saúde e não há necessidade de comunicar aos responsáveis legais assuntos de sua vida sexual. (B) correta. A paciente é menor de idade, portanto, legalmente incapaz. É importante que seus pais ou o responsável legal saibam que ela tem vida sexual. Com a anuência deles, a pílula pode ser prescrita. (C) errada. Ele poderia prescrever a pílula anticoncepcional, desde que reforçasse a necessidade de continuar usando o preservativo e convocasse os pais ou o responsável legal para deixá-los cientes da situação. (D) errada. Não há obrigação em informar os pais ou o responsável, mas ele não pode prescrever método anticoncepcional para adolescente, devendo encaminhá-la a serviço especializado em adolescência para orientação multiprofissional. (E) correta. Ele deve exigir a presença dos pais ou do responsável, mesmo porque a pílula anticoncepcional está contra-indicada para adolescente, pelo risco de abandono do uso do preservativo.

QUESTÃO 18
Mulher de 25 anos, primigesta, vai para a primeira consulta de acompanhamento pré-natal na Unidade Básica de Saúde (UBS). Sua idade gestacional, pela menstruação, é de 10 semanas. Refere enjôos, por vezes com vômitos, perdeu um pouco de peso desde que soube estar grávida. Tem tido sonolência e tonturas com escurecimento visual com relativa freqüência, melhorando ao se deitar por alguns instantes. Não toma café da manhã, pois está sempre atrasada para o trabalho, fazendo apenas duas refeições: almoço e jantar. Apesar de a gestação ser desejada, ela e o marido têm tido discussões freqüentes e ela acha que em parte por culpa dela, pois está com pouca paciência com o marido, chorando por qualquer motivo, mesmo insignificante. Está com medo de seu casamento acabar em separação. Ao exame físico, peso 61 kg, altura 1,64 m, PA 110 70 mmHg, pulso 80 bpm. O médico explicará à paciente que (A) os enjôos são comuns, mas como ela tem vômitos, com perda de peso e tonturas, será necessária internação por alguns dias para hidratação e medicações intravenosas. No hospital, um nutricionista orientará a dieta. (B) esses sintomas são próprios da gravidez e a orientará quanto à dieta correta e fracionada. Se for necessário, será encaminhada para um nutricionista. As alterações emocionais são comuns na gravidez. Se não houver melhora, necessitará de uma avaliação psicológica. (C) perder peso na gravidez não é normal. Por isso, ela deverá tomar vitaminas e procurar um nutricionista. Concomitantemente, deverá procurar orientação psicológica para “salvar seu casamento”. (D) os sintomas apresentados podem ser considerados próprios da gestação, exceto as tonturas e sonolência

freqüentes. Por isso, a encaminhará a um especialista. Solicitará orientação nutricional e psicológica, se esses serviços forem oferecidos na UBS. (E) os sintomas apresentados são comuns na gravidez, por causa da queda dos níveis de progesterona que ocorre após a implantação embrionária, o que também leva a alterações emocionais.

12
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 19
Paciente de 25 anos procura ambulatório para primeira rotina ginecológica de sua vida. Refere início da vida sexual por volta dos 15 anos e diz que já teve vários parceiros sexuais. Utiliza a pílula anticoncepcional, indicada por uma amiga, pois muitas vezes se esquece do preservativo. Ao exame ginecológico, é encontrada hiperemia no colo uterino e algumas micropapilas no intróito vaginal. Submetida a colposcopia, encontrou-se epitélio acetobranco, que, à biópsia, mostrou tratar-se de neoplasia intraepitelial cervical grau I (NIC I), com positividade para o papilomavírus humano (HPV). Nesse caso, é correto (A) suspender a pílula anticoncepcional, que é fator de risco para NIC I, e retornar em um ano para a colpocitologia oncológica. (B) tratar a paciente e seu parceiro com medicação antiviral, por ser elevada a concomitância de positividade no parceiro sexual. (C) explicar à paciente que ela tem um câncer em fase inicial e encaminhá-la para tratamento especializado, comunicando-se previamente com o colega que irá atendê-la. (D) fazer apenas controle anual e recomendar que o parceiro faça uma avaliação. (E) explicar que ela tem uma lesão que pode progredir para um câncer de colo uterino e deve submeter-se a tratamento da infecção pelo HPV.

QUESTÃO 20
Mulher de 37 anos, um parto há 4 anos com nascimento de criança normal, procura atendimento em pronto-socorro com queixa de sangramento vaginal há cerca de uma hora. Última menstruação normal há 8 semanas, referindo teste de gravidez de urina positivo há 2 semanas. Ao exame físico, paciente afebril, observando-se sangramento vaginal em moderada quantidade, sem se notarem restos ovulares. Ao toque, colo amolecido com dilatação de cerca de 1 cm, útero de volume aumentado, compatível com o tempo de atraso menstrual. Os dados clínicos permitem afirmar: (A) Trata-se de um abortamento completo, em vista de ter ocorrido na fase inicial da gravidez. (B) As chances de ser abortamento por aneuploidia do concepto são pequenas, considerandose que a gestação anterior foi normal. (C) Trata-se, provavelmente, de abortamento inevitável, pois há dilatação cervical e sangramento. (D) O quadro clínico caracteriza ameaça de aborto, podendo a paciente retornar para casa, necessitando apenas de repouso. (E) Ausência de restos ovulares na vagina, durante o exame ginecológico, descarta abortamento incompleto.

QUESTÃO 21
Mulher de 23 anos procura pronto-socorro com queixa de dor em todo o abdome inferior, que iniciou há uma semana e vem piorando progressivamente. Última menstruação, há 10 dias. Nega febre, náuseas ou vômitos e refere hábito intestinal e micções normais. Relata ainda que vinha apresentando corrimento vaginal há 2 meses e estava para marcar consulta

ginecológica, quando o quadro atual se iniciou. Como método anticoncepcional, refere “tabelinha” e, eventualmente, preservativo. Ao exame físico, temperatura de 37,8 C, abdome levemente distendido, com ruídos presentes. Dor à palpação de abdome inferior, pouco mais doloroso à descompressão brusca. Ao exame ginecológico, presença de secreção purulenta no colo uterino, que se encontra hiperemiado. Ao toque vaginal, útero de tamanho normal, dor à palpação pélvica, inclusive em regiões anexiais e à mobilização cervical. É correto afirmar: (A) É um quadro infeccioso genital alto, provavelmente decorrente de uma vaginite prévia, recomendando-se cultura de secreção vaginal e tratamento com antibiótico após antibiograma. (B) Trata-se de abdome agudo infeccioso com sinais de irritação peritoneal, recomendando-se a realização de laparotomia exploradora. (C) Deve-se realizar, inicialmente, hemograma e radiografia de abdome e, havendo leucocitose ou leucopenia e sinais de íleo paralítico, indicar laparotomia de urgência. (D) Trata-se de infecção genital superior polimicrobiana por contaminação ascendente, com provável participação inicial de clamídia ou gonococo. Deve ser iniciado tratamento com esquema antibiótico de amplo espectro. (E) O diagnóstico é doença inflamatória pélvica grave com irritação peritoneal. A melhor abordagem terapêutica é a antibioticoterapia de amplo espectro seguida, em 12 horas, pela exploração cirúrgica.

13
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 22
Mulher de 58 anos procura serviço médico ambulatorial queixando-se de urgência miccional com perdas urinárias e noctúria, com piora progressiva há alguns anos. Questionada, refere alguma perda urinária desencadeada com o ato de tossir ou espirrar. Menopausa aos 51 anos, sem terapêutica hormonal. Refere 4 gestações, com 3 partos vaginais hospitalares e 1 abortamento espontâneo. Durante o exame ginecológico, observou-se cistocele leve, sem perda de urina à manobra de Valsalva. A melhor opção de exame subsidiário e provável tratamento são: (A) ultra-sonografia perineal e fármaco parassimpatomimético. (B) teste urodinâmico e fármaco anticolinérgico. (C) teste do cotonete e tratamento cirúrgico. (D) teste urodinâmico e fármaco bloqueador alfa-adrenérgico. (E) ultra-sonografia perineal e tratamento cirúrgico.

QUESTÃO 23
Mulher de 66 anos, do lar, procura atendimento ambulatorial para acompanhamento médico de rotina. Foi submetida recentemente a cirurgia por fratura no fêmur direito, após queda por escorregamento em casa. Relata menopausa aos 51 anos e diz que nunca fez uso da terapêutica hormonal da pós-menopausa, apesar das fortes ondas de calor na época. Atualmente ainda sente alguns calores. Queixa-se de desânimo para as atividades diárias e não tem vontade de sair de casa, por vezes sentindo-se triste sem motivo aparente, acreditando que isso seja devido à saída do filho de casa, porque se casou, embora o veja quase diariamente. Refere que era muito alegre e disposta antes da menopausa. Nega problemas no relacionamento conjugal, mas o desejo sexual está muito diminuído. Nesse caso, (A) é esperado que o hormônio folículo estimulante (FSH) esteja baixo, estimulando pouco o ovário. Assim, há menor produção de androgênios, levando a redução da libido.

(B) se a paciente tivesse feito uso da terapêutica hormonal da pós-menopausa, a chance de fratura seria similar, já que ela teve uma fratura do tipo traumático. (C) os calores que a paciente sente agora não têm relação com a deficiência estrogênica, pois a menopausa ocorreu há 15 anos. Assim, a terapêutica hormonal não a aliviaria. (D) o estado depressivo da paciente decorre do desequilíbrio entre o hormônio folículo estimulante (FSH) e o luteinizante (LH), que altera os níveis de serotonina. (E) a fratura deve ter sido decorrente de osteoporose, possivelmente conseqüente ao hipoestrogenismo prolongado.

14
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 24
Uma mulher de 60 anos, diabética, hipertensa grave de longa data, portadora de angina estável, procura o pronto-socorro com náusea e intensa dor precordial, com irradiação para o braço esquerdo, há 1 hora. Ela afirma que costuma ter dor semelhante, de menor intensidade, provocada por esforços físicos, que cede com o uso de nitrato sublingual e repouso, em 15 a 20 minutos. Estava repousando após o almoço, quando se iniciou a dor atual. Está calma, pálida, hemodinamicamente estável, pulso rítmico, com ausculta cardíaca e pulmonar normais. O eletrocardiograma mostra: O hospital não dispõe de Serviço de Hemodinâmica e não há vaga na unidade de tratamento intensivo. O diagnóstico mais provável e as medidas que devem ser implementadas na sala de emergência, após acesso venoso, repouso e monitorização cardíaca e de pressão, são: (A) angina instável; iniciar analgesia com morfina ou nitroglicerina, aspirina, clopidogrel e betabloqueador e anticoagulação profilática com heparina de baixo peso molecular. (B) angina prolongada em paciente já portadora de insuficiência coronária crônica; iniciar analgesia com nitroglicerina, oxigênio por cateter, aspirina e betabloqueador. (C) angina instável ou infarto agudo do miocárdio  sem elevação de ST; iniciar analgesia com morfina ou nitroglicerina, oxigênio por cateter, aspirina e betabloqueador e anticoagulação plena com heparina; iniciar coleta seriada de enzimas cardíacas. (D) angina instável ou infarto agudo do miocárdio  sem elevação de ST; iniciar analgesia com morfina, oxigênio por cateter e fibrinólise, com estreptoquinase ou alteplase, seguida de aspirina e betabloqueador e anticoagulação plena com heparina; iniciar coleta de enzimas somente depois de 2 horas do início dos sintomas. (E) infarto agudo do miocárdio  sem elevação de ST; iniciar fibrinólise com estreptoquinase ou alteplase, analgesia com nitroglicerina, betabloqueador e anticoagulação plena com heparina; iniciar coleta seriada de enzimas cardíacas.

15
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 25
Uma senhora de 56 anos, com peso de cerca de 60 kg, foi atropelada. É levada pelo SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) ao pronto-socorro, onde chega 1 hora depois do atropelamento. Está consciente, embora queixosa e

agitada. Tem fratura exposta de perna esquerda, com extensa laceração de partes moles. O sangramento foi controlado com um torniquete, aplicado logo acima do joelho. O socorrista que atendeu a vítima no local explica que o sangramento era, inicialmente, muito intenso e difuso. Tentou controlá-lo com enfaixamento compressivo, mas não conseguiu. Optou então por usar o torniquete, aplicado há cerca de 30 minutos. Não há outras lesões aparentes. Sinais vitais: pulso: 120 batimentos por minuto, regular; freqüência respiratória: 32 ventilações por minuto, sendo a expansão torácica simétrica e superficial; pressão arterial: 80 60 mmHg. O tratamento do choque desta paciente (A) deve ser feito com a administração precoce de drogas vasoativas, além da reposição volêmica adequada. O objetivo é garantir a normalização da pressão arterial, para manter a perfusão cerebral. (B) deveria ter sido iniciado já no local do atropelamento, antes do transporte, com a administração rápida de 2 litros de Ringer lactato ou de soro fisiológico, para normalizar a pressão arterial. (C) fica muito prejudicado pelo uso do torniquete, que piora a perfusão distal da perna. Sua retirada pode levar às complicações da síndrome de reperfusão. O socorrista deve ser orientado a não adotar mais tal estratégia para controlar a hemorragia. (D) deve ser feito pelo controle da hemorragia, em centro cirúrgico, e pela reposição de volume (solução salina e sangue). O controle da adequação da reanimação volêmica é feito pelo débito urinário, que deve ser de, pelo menos, 30 mL/hora. (E) deve ser iniciado logo depois de excluída lesão cerebral e abdominal, de preferência por tomografia computadorizada. O tratamento de tais lesões pode ser mais urgente.

QUESTÃO 26
Um homem de 40 anos, assintomático, procura o ambulatório médico para controle de hepatite B. Afirma que há 6 meses procurou a Unidade Básica de Saúde de sua cidade com náusea e vômitos. Na ocasião, o médico solicitou exames, confirmou o diagnóstico de hepatite B e encaminhou-o para seguimento ambulatorial. Como mudou de cidade, só agora está procurando seguimento médico. Quer saber se pode retomar o uso de bebidas alcoólicas e deixar de usar preservativo nas relações sexuais com sua esposa. Não trouxe os exames iniciais. O exame físico é normal e os exames laboratoriais mostram: ALT 90 U/L, AST 70 U/L, bilirrubinas normais, HBsAg: (), anti-HBc: (), anti-HBs: ( ), HBeAg: ( anti-HBe: (), anti-HCV: ( e anti-HAV IgG: (). A orientação correta é ), ) (A) explicar que o uso de preservativo não será determinado pelo risco de transmissão de hepatite A ou B e a restrição ao álcool deve ser mantida até a normalização das transaminases; solicitar sorologia de vírus B para a esposa e os filhos. (B) manter o uso de preservativo, não liberar álcool e solicitar sorologia de vírus B para a esposa e para os contactantes domiciliares. (C) manter a restrição alcoólica; o uso de preservativo segue a mesma orientação da população em geral; a esposa e os filhos devem receber imunização passiva para hepatite A e B. (D) dizer que o uso de preservativo e a restrição ao álcool seguem a mesma orientação da população em geral; a esposa e os filhos devem receber imunização ativa para hepatite B. (E) manter o uso de preservativo e a restrição ao álcool até a normalização das transaminases; indicar imunização ativa

para a esposa e contactantes domiciliares.

16
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 27
Un hombre de 52 años procura la emergencia de un hospital, quejándose de orina oscura hace dos días y de dolor intenso en la región lombar derecha, con irradiación para el vientre, hace una hora. No tiene histórico médico relevante. Dice que el dolor en la espalda es muy fuerte y no hay posición que le mejore. Ha tomado 2 pastillas de paracetamol, pero no ha mejorado. Esta muy mareado, pero no ha vomitado. Se sospecha de cólico nefrético, siendo el paciente medicado por via intravenosa, con mejoría de todos los sintomas. El examen de orina revela hematuria (> 1.000.000 hemacias/mL) y la ultrasonografía muestra un cálculo de 0,4 cm en el uréter derecho, a 1,5 cm de la yuncción ureterovesical, con ureterohidronefrosis muy discreta. Para dar seguimiento al tratamiento de este paciente, debe considerarse que (A) la mayor parte de los cálculos ureterales con menos de 0,5 cm de diámetro es eliminada espontáneamente. (B) el riesgo de infección y de pérdida de la función renal es muy grande, porque el cálculo es obstructivo. (C) lo ideal es que el paciente sea sometido tan pronto sea posible a la retirada o la fragmentación del cálculo, para evitar nuevas crisis de dolor. (D) aunque muy frecuentemente recomendada, la ingestión de grandes cantidades de líquido no disminuye el riesgo de formación de nuevos cálculos. (E) diuréticos tiazídicos deben ser evitados, porque aumentan la calciuria; debe prescribirse vitamina D, para prevenir la formación de nuevos cálculos de oxalato de calcio.

QUESTÃO 28
Num plantão noturno de pronto-socorro, são admitidos três pacientes com quadro súbito de diminuição da consciência.  Paciente 1: homem de 65 anos, hipertenso com tratamento irregular. A família relata quadro agudo de cefaléia, náusea, vômito e provavelmente um episódio de convulsão tônico-clônica. Está comatoso, com hemiplegia esquerda e pressão arterial de 190 160 mmHg.  Paciente 2: mulher de 30 anos, sem antecedentes mórbidos, com quadro súbito de cefaléia holocraniana de forte intensidade, acompanhada de náusea. Está sonolenta, sem déficit motor, com sinais de irritação meníngea e pressão arterial de 140 90 mmHg.  Paciente 3: homem de 50 anos, diabético, tabagista, com antecedente de febre reumática e com fibrilação atrial há pelo menos 12 meses. Está sonolento, com hemiparesia esquerda e pressão arterial de 150 100 mmHg. São realizadas tomografias computadorizadas dos 3 pacientes, expostas abaixo:
I II III

É mais provável que as imagens I, II e III correspondam, respectivamente, aos pacientes (A) 3, 2 e 1 (B) 3, 1 e 2 (C) 2, 3 e 1 (D) 2, 1 e 3 (E) 1, 2 e 3 DE

17
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 29
Uma mulher de 24 anos, portadora de anemia falciforme, é levada à Unidade Básica de Saúde (UBS) por apresentar febre e tosse há 8 horas. A mãe diz que trouxe a filha, porque constatou temperatura de 40 graus, há 2 horas. A jovem está sonolenta – o que a mãe atribui à dipirona que tomou – sem dor, com T 38,8 ºC, pressão arterial 112 74 mmHg, pulso 126 bat/min e freqüência respiratória 32 mov/min; há estertores subcrepitantes em base pulmonar esquerda e sopro sistólico 3+/6+ em área mitral, sem irradiação. O médico suspeita de pneumonia e sugere removê-la para um hospital onde possa fazer avaliação radiológica e laboratorial e, provavelmente, permanecer internada. A mãe reluta em aceitar. A enfermeira da UBS argumenta que conhece bem a paciente e os familiares e que concorda que a jovem poderia tentar fazer tratamento domiciliar sob observação do agente de saúde. O médico deve (A) insistir na remoção, porque se sabe que as infecções pulmonares em portadores de anemia falciforme têm como principal agente etiológico Pseudomonas sp, necessitando antibioticoterapia intravenosa. (B) concordar com o tratamento domiciliar, desde que haja acompanhamento diário do agente de saúde, e iniciar tratamento com levofloxacina ou claritromicina por via oral. (C) insistir na remoção, porque os dados de que dispõe, pela anamnese e exame da paciente, indicam uma infecção com repercussão clínica de moderada a grave. (D) insistir na remoção, porque esta paciente necessita de transfusão de glóbulos vermelhos para aumentar o transporte de oxigênio. (E) concordar com o tratamento domiciliar, desde que seja possível trazer a paciente diariamente à UBS para avaliação médica, e iniciar levofloxacina ou ciprofloxacina por via oral.

QUESTÃO 30
Um homem de 75 anos, com quadro demencial avançado e câncer de próstata com metástases vertebrais, é trazido ao ambulatório médico. Os familiares relatam que há 5 dias diminuiu muito a ingesta alimentar, tem apresentado febre e notaram urina turva e de odor fétido. Foi orquiectomizado há 6 anos, recebe analgésicos comuns eventualmente, além de medicação anti-hipertensiva e haloperidol quando tem agitação. Dosagens recentes de PSA e cálcio são normais. O exame mostra um paciente que não contactua nem reconhece as pessoas, está emagrecido e levemente edemaciado, desidratado, taquicárdico, febril, com pressão arterial de 89 60 mmHg. Os familiares queixamse das dificuldades que têm para mantê-lo bem cuidado e solicitam internação definitiva em um hospital de cuidados paliativos. Não há previsão de vaga nesse tipo de hospital. A conduta médica mais adequada é (A) explicar que se trata de uma intercorrência infecciosa, mas que, diante do quadro demencial avançado, não há sentido em iniciar antibiótico; indicar uma internação rápida apenas para hidratação parenteral e, em seguida, encaminhar o paciente para casa. (B) concordar com a internação definitiva, esclarecer que, diante do quadro neoplásico avançado, não há sentido em introduzir qualquer cuidado adicional e encaminhá-lo para espera da vaga hospitalar em casa. (C) concordar com a internação definitiva, providenciar sonda nasoenteral para hidratação e alimentação e deixar o paciente aguardar a vaga hospitalar em casa.

(D) concordar com a internação definitiva, providenciar sonda nasoenteral para hidratação, alimentação e administração de antibiótico e deixar o paciente aguardar a vaga hospitalar em casa. (E) explicar que se trata de uma intercorrência infecciosa de gravidade relativa que requer internação, provavelmente breve, para hidratação e antibioticoterapia parenterais, e que, após esse período, deverá voltar para casa com os cuidados habituais.

18
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 31
Homem de 55 anos está em acompanhamento no Programa de Saúde da Família. É diabético há vários anos e como viveu em diversas cidades fez até agora tratamento irregular. Nega etilismo e tabagismo, é sedentário e tem 2 irmãos diabéticos. Tem antecedentes de cirurgia de catarata e revascularização miocárdica. Interconsultas recentes com neurologista e oftalmologista revelaram neuropatia periférica em “bota e luva” e microaneurismas retinianos. O exame físico mostra índice de massa corpórea de 33 kg/m 2, PA de 160 100 mmHg, circunferência abdominal de 110 cm e diminuição de pulsos pediosos. Laboratorialmente, detecta-se glicemia de jejum de 155 mg/dL, hemoglobina glicada de 8,5%, triglicérides de 320 mg/dL e microalbuminúria de 200 mg/dia. Ao discutir o caso com alunos de graduação de uma faculdade de medicina que têm estágio didático nesta unidade, o médico explicou que na fisiopatologia das inúmeras complicações apresentadas por este paciente é provável o encontro de HDL-colesterol (em mg/dL) (A) superior a 40 e apoptose de células beta do pâncreas. (B) inferior a 40 e aumento da conversão de sorbitol em glicose. (C) inferior a 40 e resistência à ação da insulina nos tecidos muscular, adiposo e hepático. (D) superior a 40 e aumento do nível sérico de insulina. (E) inferior a 40 e bloqueio da via de aldose redutase.

QUESTÃO 32
Um homem de 74 anos, com índice de massa corporal de 27,8 kg/m 2, é acompanhado na Unidade da Saúde da Família para tratamento de hipertensão arterial com enalapril, 10 mg por dia. Estava bem controlado há anos, mas passou a apresentar PA 160 90 mmHg repetidas vezes. O médico solicita acompanhamento com nutricionista e atenção do agente de saúde, visando diminuição do peso e de sal na dieta. No período de 60 dias, perdeu 2 quilos e houve necessidade de aumento progressivo da medicação. Está tomando enalapril 20 mg, hidroclorotiazida 25 mg e atenolol 50 mg, com pulso de 54 bpm e PA 168 94 mmHg. A avaliação laboratorial de rotina é normal. O médico deve (A) dosar catecolaminas e metanefrinas urinárias. (B) dosar renina plasmática. (C) manter a mesma orientação, a menos que a pressão sistólica atinja 180 mmHg ou a diastólica 100 mmHg. (D) solicitar Doppler de artérias renais. (E) aumentar a dose de atenolol.

QUESTÃO 33
A 70 year old man has diabetes, cardiopathy and Parkinson´s disease and has been treated with enalapril, metformin, aspirin, amiodarone, and levodopa. Due to symptoms of malaise, cognitive impairment, and depression, he seeks the advice of a family physician. Blood tests revealed his TSH levels were over 40 mU/mL. At this point, medical

management of this patient should include the withdrawal of a medication the patient has been taking, a blood test for an antibody and the prescription of a new drug. The drug that should be withdrawn, the antibody that he should be tested for and the new drug that should be prescribed are, respectively: (A) amiodarone, antithyroid peroxidase (anti-TPO) and levothyroxine. (B) levodopa, antithyrotrophin receptor (TRAb) and liothyronine. (C) amiodarone, antithyrotrophin receptor (TRAb) and levothyroxine. (D) levodopa, antithyroid peroxidase (anti-TPO) and levothyroxine. (E) amiodarone, antithyroid peroxidase (anti-TPO) and liothyronine.

19
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 34
Mulher de 53 anos procura Unidade de Saúde da Família. Vem acompanhada por uma vizinha, já que é viúva sem filhos e mora sozinha. Relatou ao clínico que a atendeu que, há cerca de um ano, apresenta quase todos os dias sensação de tristeza e melancolia, perda de apetite, com emagrecimento de 5 kg, e insônia. O médico solicitou avaliação da psicóloga da unidade, que detectou que a paciente já teve ataques de pânico e, nos últimos 6 meses, surgiu falta de interesse em realizar suas atividades habituais, além de fadiga, déficit de concentração e sentimento de menos-valia. A vizinha relatou confidencialmente que a paciente abusa do consumo de álcool, atualmente fala frases como: "viver assim é melhor morrer", “eu não agüento mais” e teve um irmão que cometeu suicídio. O exame físico e os testes laboratoriais (hemograma, glicemia e TSH) foram normais. O médico deve considerar, nessa paciente, como fatores de risco de suicídio, (A) o sexo feminino e a história de alcoolismo e perguntar abertamente à paciente sobre a intenção e os meios de se matar. (B) a história de alcoolismo e a viuvez sem filhos e explicar-lhe que a ideação de terminar com a vida é manifestação da depressão e não uma aberração. (C) a idade inferior a 55 anos e o antecedente de ataques de pânico e indicar eletroconvulsoterapia. (D) a viuvez sem filhos e a idade inferior a 55 anos e indicar farmacoterapia e psicoterapia. (E) o antecedente familiar de suicídio e o fato de morar sozinha e não conversar abertamente sobre a ideação de morte.

QUESTÃO 35
Uma cidade de médio porte sofre uma epidemia de dengue. O médico chefe de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) reúne os profissionais da unidade e líderes da comunidade com o propósito de implementar o enfrentamento da epidemia. São definidas duas áreas de atuação: uma dirigida à coletividade e outra junto aos médicos. Além de divulgar entre a clientela da UBS a necessidade de evitar água parada nas residências, onde estão mais de 90% dos focos do mosquito transmissor, e a facilitação da visita dos agentes da Vigilância Sanitária para identificar esses focos, deve-se também (A) orientar os médicos a iniciar o tratamento empírico com aciclovir nos casos suspeitos e a encaminhar aos hospitais os mais graves ou impossibilitados de receber medicação por via oral. (B) divulgar a necessidade da vacinação contra a doença, principalmente para aqueles que a tenham adquirido uma vez. (C) instruir os agentes de saúde a encaminhar à UBS todos os casos suspeitos, com exceção daqueles mais graves, que devem ser encaminhados diretamente aos hospitais.

(D) orientar os médicos para encaminhar aos hospitais todos os casos que apresentem sinais de gravidade, tais como febre alta, cefaléia intensa ou refratária, e todos que já tenham contraído a doença uma vez. (E) orientar os médicos para encaminhar aos hospitais os casos suspeitos que apresentem sinais de gravidade, tais como manifestações gastrointestinais intensas, derrame pleural ou ascite.

QUESTÃO 36
Mulher de 74 anos procura assistência em Unidade de Saúde da Família. Vem acompanhada da filha, de 50 anos, que responde grande parte da anamnese, devido ao déficit auditivo da mãe. Há o relato de duas quedas nos últimos 6 meses, sem perda da consciência ou trauma craniano. A paciente sofre de insuficiência cardíaca, osteoartrose, depressão leve e insônia, fazendo uso de fluoxetina, furosemida, captopril, atenolol e diazepam. Seus problemas crônicos parecem estáveis. Usa óculos bifocais e fez avaliação oftalmológica recente que mostrou catarata bilateral. A assistente social realiza um questionário sobre as características do sobrado onde mora. Ao examiná-la, nota-se dificuldade em sentar e levantar da cadeira sem usar os braços. O exame neurológico não mostra sinais focais. A pressão arterial deitada é de 130 80 mmHg e em pé de 108 70 mmHg e o pulso é de 60 bpm. Eletrocardiograma, hemograma, glicemia e creatinina são normais e a densitometria óssea mostra osteoporose. Das alternativas abaixo, assinale a que contém apenas medidas corretas para prevenir futuras quedas. (A) Fisioterapia para melhorar força muscular, diminuição da dose dos anti-hipertensivos e dosar eletrólitos e TSH. (B) Diminuir gradualmente o antidepressivo e o benzodiazepínico, indicar meia elástica e realizar ressonância magnética de crânio. (C) Operar a catarata, instalar corrimão no banheiro e realizar eletroencefalograma. (D) Evitar óculos bifocais enquanto caminha, levantar sempre lentamente e realizar ecodopplercardiograma. (E) Tomar cálcio e alendronato, retirar tapetes dos cômodos da casa e realizar Doppler das carótidas.

20
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 37  DISCURSIVA
Homem de 70 anos, com seqüela motora de acidente vascular cerebral isquêmico, desenvolve câncer de pulmão associado a tabagismo crônico. O estadiamento revela metástases ósseas e, após várias sessões de quimioterapia e radioterapia, os oncologistas definem que a neoplasia está fora de possibilidade de cura e que a sobrevida estimada é inferior a 6 meses. O paciente retorna à sua residência e a equipe multiprofissional da qual você é o clínico geral conduzirá o caso. O paciente apresenta dor óssea e dispnéia, mesmo com saturação de O 2 de 91% em ar ambiente. Apresenta períodos de anorexia com dificuldade de engolir alguns tipos de alimento, chegando a engasgar e piorar a dispnéia. a) O filho do paciente pergunta a você: “Doutor, não há nada mais que se possa fazer?” Qual sua resposta? (valor: 2,0 pontos) b) Que profissional da sua equipe pode definir com precisão o tipo de alimento que o paciente pode deglutir? (valor: 2,0 pontos) c) Foi decidido jejum por via oral e contra-indicada sonda nasoenteral devido à ocorrência de sinusites durante seu

uso no período hospitalar. O doente apresenta veias periféricas de difícil acesso. Qual a sua proposta mais racional? (valor: 2,0 pontos) d) O paciente apresenta dor de intensidade 9 numa escala de 0 a 10, em uso de paracetamol, diclofenaco e codeína. Qual sua proposta? (valor: 2,0 pontos) e) Depois de 5 meses, o paciente falece em casa. Qual é a conduta a ser tomada em relação ao atestado de óbito? (valor: 2,0 pontos)

RASCUNHO
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

21
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 38  DISCURSIVA
Um adolescente com 14 anos de idade realiza seguimento irregular para controle de asma, diagnóstico que tem desde os 2 anos e meio de idade. Estava bem até há 3 anos, quando voltou a freqüentar o prontosocorro, devido ao aumento na freqüência dos sintomas. Fazia inalação e tomava corticoesteróide por via oral, durante 3 ou 4 dias, com melhora. Procura o médico para saber o que pode ser feito, uma vez que, nos últimos meses, tem perdido aulas com freqüência e passado várias noites dormindo muito mal, devido à exacerbação dos sintomas. O médico solicita provas de função pulmonar e, com a história e os exames, classifica o quadro como persistente leve. Perguntase: a) Qual o medicamento de escolha para o controle da asma neste paciente? Defina a via de administração e o período. (valor: 4,0 pontos) b) Cite duas comorbidades que devem ser investigadas e tratadas e que, além de mimetizarem, pioram a sintomatologia da asma. (valor: 4,0 pontos) c) Além dos cuidados ambientais, que medida profilática deve ser indicada para este adolescente? (valor: 2,0 pontos)

RASCUNHO
1 2 3 4

5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

22
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 39  DISCURSIVA
Mulher de 66 anos, enfermeira aposentada, com menopausa aos 55 anos, fazendo uso da terapêutica de reposição hormonal da pós-menopausa desde então, procura ambulatório médico por ter detectado nódulo na mama esquerda durante auto-exame. Demonstra bastante preocupação, pois uma amiga faleceu recentemente por câncer mamário, mesmo após cirurgia de “retirada da mama”, realizada anos antes. Refere menarca aos 10 anos e diz que seus ciclos menstruais sempre foram relativamente regulares, teve uma única gestação que culminou com um parto normal há 30 anos, sem amamentação. Ao exame clínico das mamas, notou-se nódulo de aproximadamente 2 cm de diâmetro no quadrante súpero-lateral da mama esquerda, móvel, bem delimitado, de consistência fibroelástica e indolor. Além disso, o tecido glandular mostrou-se bastante denso para a idade. Também foram notados linfonodos móveis, de consistência fibroelástica, em ambas as axilas. a) Quais são os fatores de risco para câncer de mama que esta paciente apresenta? (valor: 5,0 pontos) b) Segundo diretrizes internacionais, qual é o exame mais apropriado para rastreamento do câncer mamário? (valor: 2,0 pontos) c) Um outro médico recomendara interromper imediatamente a terapêutica hormonal, por ser grande a chance de o nódulo ser um câncer, e quis fazer biópsia por agulha fina durante o exame físico, antes de qualquer outro exame, mas ela se recusou. Qual sua opinião sobre a conduta desse médico? Explique sucintamente. (valor: 3,0 pontos)

RASCUNHO
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

23

Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 40  DISCURSIVA
P.J.B., um homem de 62 anos, pedreiro, procura o pronto-socorro com queixa de dor abdominal há 2 dias. Diz que a dor é "no meio da barriga" e vem aumentando. No começo, melhorou com analgésico que a esposa lhe deu, mas agora não passa e dói "a barriga toda". Vomitou duas vezes ontem e três hoje. Evacuou muito pouco hoje cedo. Diz que não elimina gases desde o início da dor. Passou no pronto-socorro perto de sua casa, onde fez a radiografia mostrada a seguir, tomou medicação na veia, que aliviou um pouco a dor e as náuseas, e foi orientado a procurar um hospital maior, se a dor voltasse. Está sem fome, embora sinta muita sede. Diz que desde ontem "não pára nada no estômago". O exame físico revela que o paciente está em bom estado geral, mas bastante desidratado. O abdome é globoso, está bastante distendido e é difusamente doloroso. Na região inguinal direita, nota-se um abaulamento de cerca de 5 cm de diâmetro. É doloroso e tenso. Não está hiperemiado. O paciente diz que não se queixou "desse caroço", porque faz mais de 2 anos que ele "aparece e recolhe" e só dói quando é palpado. Há 2 dias apareceu e não saiu mais. Radiografia de abdome de PJB Tendo em mente o diagnóstico e o tratamento deste paciente, responda: a) Qual é o diagnóstico sindrômico? E o diagnóstico etiológico? (valor: 3,0 pontos) b) Indique 2 informações que não estão muito claras na história clínica e que, se adequadamente pesquisadas, ajudariam a suspeitar mais precocemente do diagnóstico sindrômico e, mesmo, do diagnóstico etiológico. (valor: 3,0 pontos) c) No exame deste paciente, como é esperado que sejam os ruídos hidroaéreos? (valor: 1,0 ponto) d) Qual deve ser o plano de tratamento deste paciente nas próximas duas horas? (valor: 3,0 pontos)

RASCUNHO
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

24
Enade-Medicina-2007

QUESTÃO 41 Qual o grau de dificuldade desta prova na parte de Formação Geral? (A) Muito fácil. (B) Fácil. (C) Médio.

(D) Difícil. (E) Muito difícil. QUESTÃO 42 Qual o grau de dificuldade desta prova na parte de Componente Específico? (A) Muito fácil. (B) Fácil. (C) Médio. (D) Difícil. (E) Muito difícil. QUESTÃO 43 Considerando a extensão da prova, em relação ao tempo total, você considera que a prova foi: (A) muito longa. (B) longa. (C) adequada. (D) curta. (E) muito curta. QUESTÃO 44 Os enunciados das questões da prova na parte de Formação Geral estavam claros e objetivos? (A) Sim, todos. (B) Sim, a maioria. (C) Apenas cerca da metade. (D) Poucos. (E) Não, nenhum. QUESTÃO 45 Os enunciados das questões da prova na parte de Componente Específico estavam claros e objetivos? (A) Sim, todos. (B) Sim, a maioria. (C) Apenas cerca da metade. (D) Poucos. (E) Não, nenhum. QUESTÃO 46 As informações/instruções fornecidas para a resolução das questões foram suficientes para resolvê-las? (A) Sim, até excessivas. (B) Sim, em todas elas. (C) Sim, na maioria delas. (D) Sim, somente em algumas. (E) Não, em nenhuma delas. QUESTÃO 47 Você se deparou com alguma dificuldade ao responder à prova. Qual? (A) Desconhecimento do conteúdo. (B) Forma diferente de abordagem do conteúdo. (C) Espaço insuficiente para responder às questões. (D) Falta de motivação para fazer a prova. (E) Não tive qualquer tipo de dificuldade para responder à prova. QUESTÃO 48 Considerando apenas as questões objetivas da prova, você percebeu que: (A) não estudou ainda a maioria desses conteúdos. (B) estudou alguns desses conteúdos, mas não os aprendeu. (C) estudou a maioria desses conteúdos, mas não os aprendeu. (D) estudou e aprendeu muitos desses conteúdos.

(E) estudou e aprendeu todos esses conteúdos. QUESTÃO 49 Qual foi o tempo gasto por você para concluir a prova? (A) Menos de uma hora. (B) Entre uma e duas horas. (C) Entre duas e três horas. (D) Entre três e quatro horas. (E) Quatro horas e não consegui terminar.

QUESTIONÁRIO DE PERCEPÇÃO SOBRE A PROVA
As questões abaixo visam a levantar sua opinião sobre a qualidade e a adequação da prova que você acabou de realizar. Assinale as alternativas correspondentes à sua opinião, nos espaços próprios (parte inferior) do Cartão-Resposta. Agradecemos sua colaboração. GABARITO DAS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA COMPONENTE ESPECÍFICO

MEDICINA
11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 D B A C E D A B E C D B E C D B A B C E C D A B E A DISC DISC DISC DISC

As questões de 21 a 31 referem-se ao texto seguinte. Questão 21. Observe o emprego da partícula se, em destaque, nos excertos abaixo:
I. Se no poema é assim, imagina numa partida de futebol, que envolve 22 jogadores se movendo num campo de amplas dimensões. (linhas 8 e 9) II. Se é verdade que eles jogam conforme esquemas de marcação e ataque, seguindo a orientação do técnico, deve-se no entanto levar em conta que cada jogador tem sua percepção da jogada e decide deslocar-se nesta ou naquela direção, ou manter-se parado, certo de que a bola chegará a seus pés. (linhas 9 a 12) III. De fato, se o jogador não estiver psicologicamente preparado para vencer, não dará o melhor de si. (linhas 42 e 43) A partícula se estabelece uma relação de implicação em A ( ) apenas I. B ( ) apenas II. C ( ) apenas III. D ( ) apenas I e II. E ( ) apenas II e III. Com um pouco de exagero, costumo dizer que todo jogo é de azar. Falo assim referindo-me ao futebol que, ao contrário da roleta ou da loteria, implica tática e estratégia, sem falar no principal, que é o talento e a habilidade dos jogadores. Apesar disso, não consegue eliminar o azar, isto é, o acaso. E já que falamos em acaso, vale lembrar que, em francês, “acaso” escreve-se “hasard”, como no célebre verso de Mallarmé, que diz: “um lance de dados jamais eliminará o acaso”. Ele está, no fundo, referindo-se ao fazer do poema que, emque pese a mestria e lucidez do poeta, está ainda assim sujeito ao azar, ou seja, ao acaso. Se no poema é assim, imagina numa partida de futebol, que envolve 22 jogadores se movendo num campo de amplas dimensões. Se é verdade que eles jogam conforme esquemas de marcação e ataque, seguindo a orientação do técnico, deve-se no entanto levar em conta que cada jogador tem sua percepção da jogada e decide deslocar-se nesta ou naquela direção, ou manter-se parado, certo de que a bola chegará a seus pés. Nada disso se pode prever, daí resultando um alto índice de probabilidades, ou seja, de ocorrências imprevisíveis e que, portanto, escapam ao controle. Tomemos, como exemplo, um lance que quase sempre implica perigo de gol: o tiro de canto. Não é à toa que, quando se cria essa situação, os jogadores da defesa se afligem em anular as possibilidades que têm os adversários de fazerem o gol. Sentem-se ao sabor do acaso, da imprevisibilidade. O time adversário desloca para a área do que sofre o tiro de canto seus jogadores mais altos e, por isso mesmo, treinados para cabecear para dentro do gol. Isto reduz o grau de imprevisibilidade por aumentar as possibilidades do time atacante de aproveitar em seu favor o tiro de canto e fazer o gol. Nessa mesma medida, crescem, para a defesa, as dificuldades de evitar o pior. Mas nada disso consegue eliminar o acaso, uma vez que o batedor do escanteio, por mais exímio que seja, não pode com precisão absoluta lançar a bola na cabeça de determinado jogador. Além do mais, a inquietação ali na área é grande, todos os jogadores se movimentam, uns tentando escapar à marcação, outros procurando marcá-los. Essa movimentação, multiplicada pelo número de jogadores que se movem, aumenta fantasticamente o grau de imprevisibilidade do que ocorrerá quando a bola for lançada. A que altura chegará ali? Qual jogador estará, naquele instante, em posição propícia para cabeceá-la, seja para dentro do gol, seja para longe dele? Não existe treinamento tático, posição privilegiada, nada que torne previsível o desfecho do tiro de canto. A bola pode cair ao alcance deste ou daquele jogador e, dependendo da sorte, será gol ou não. Não quero dizer com isso que o resultado das partidas de futebol seja apenas fruto do acaso, mas a verdade é que, sem um pouco de sorte, neste campo, como em outros, não se vai muito longe; jogadores, técnicos e torcedores sabem disso, tanto que todos querem se livrar do chamado “pé frio”. Como não pretendo passar por supersticioso, evito aderir abertamente a essa tese, mas quando vejo, durante uma partida, meu time perder “gols feitos”, nasce-me o desagradável temor de que aquele não é um bom dia para nós e de que a derrota é certa. Que eu, mero torcedor, pense assim, é compreensível, mas que dizer de técnicos de futebol que vivem de terço na mão e medalhas de santos sob a camisa e que, em face de cada lance

decisivo, as puxam para fora, as beijam e murmuram orações? Isso para não falar nos que consultam pais-de-santo e pagam promessas a Iemanjá. É como se dissessem: treino os jogadores, traço o esquema de jogo, armo jogadas, mas, independentemente disso, existem forças imponderáveis que só obedecem aos santos e pais-de-santo; são as forças do acaso. Mas não se pode descartar o fator psicológico que, como se sabe, atua sobre os jogadores de qualquer esporte; tanto isso é certo que, hoje, entre os preparadores das equipes há sempre um psicólogo. De fato, se o jogador não estiver psicologicamente preparado para vencer, não dará o melhor de si. Exemplifico essa crença na psicologia com a história de um técnico inglês que, num jogo decisivo da Copa da Europa, teve um de seus jogadores machucado. Não era um craque, mas sua perda desfalcaria o time. O médico da equipe, depois de atender o jogador, disse ao técnico: “Ele já voltou a si do desmaio, mas não sabe quem é”. E o técnico: “Ótimo! Diga que ele é o Pelé e que volte para o campo imediatamente”.
(Ferreira Gullar. Jogos de azar. Em: Folha de S. Paulo, 24/06/2007.)

1 5 10 15 20 30 25 35 40 45

Questão 22. Segundo o texto, NÃO se pode afirmar que nos jogos de futebol
A ( ) os resultados são determinados pelo acaso, apesar do talento e técnica dos jogadores. B ( ) não se pode prever os resultados, pois são influenciados pelo acaso. C ( ) todos os lances e resultados são fruto do acaso. D ( ) até os técnicos sabem que as forças do acaso colaboram com os resultados. E ( ) o azar ou a sorte nos resultados dependem do acaso. Questão 23. No penúltimo parágrafo, a conjunção mas (linha 41) estabelece com os demais argumentos do texto uma relação de A ( ) restrição. B ( ) adversidade. C ( ) atenuação. D ( ) adição. E ( ) retificação. Questão 24. Da frase iniciada na linha 42, “De fato, se o jogador...”, pode-se concluir que o autor A ( ) acredita que o preparo psicológico dos jogadores pode controlar as forças do acaso. B ( ) confere ao preparo psicológico dos jogadores o poder de produzir bons resultados. C ( ) ironiza o preparo psicológico dos jogadores, pois ele não é capaz de subjugar o acaso. D ( ) vincula o preparo psicológico dos jogadores à confiança que devem ter, a fim de tentar vencer o acaso. E ( ) faz crer que o preparo psicológico dos jogadores torna-os imunes ao acaso e capazes de vencer. Questão 25. Considere as seguintes afirmações sobre a expressão “perigo de gol” (linha 14): I. É exemplo de uso de linguagem denotativa, já que foi usada em sentido dicionarizado. II. É exemplo de uso de linguagem técnica, uma vez que configura uma terminologia específica do futebol. III. É exemplo de uso de linguagem popular, visto que é utilizada por leigos em relação a lances, dos quais desconhecem os nomes. Está(ao) correta(s): A ( ) apenas I. B ( ) apenas II. C ( ) apenas III. D ( ) apenas I e II. E ( ) todas. Questão 26. Na frase, “Apesar disso, não consegue eliminar o azar, isto é, o acaso.” (linha 3), podemos entender que o azar é A ( ) conseqüência do acaso. B ( ) sinônimo de acaso. C ( ) causa do acaso. D ( ) justificação para o acaso. E ( ) o contrário de acaso. Questão 27. Um outro título para o texto poderia ser: A ( ) Agilidade. B ( ) Possibilidade. C ( ) Imprevisibilidade. D ( ) Improbabilidade. E ( ) Credulidade. Questão 28. Assinale a opção em que a palavra em destaque permite duplo sentido. A ( ) Se no poema é assim, imagina numa partida de futebol, que envolve 22 jogadores se movendo num campo de amplas dimensões. (linhas 8 e 9) B ( ) [...] o batedor do escanteio, por mais exímio que seja, não pode com precisão absoluta lançar a bola na cabeça de determinado jogador. (linhas 20 a 22) C ( ) A bola pode cair ao alcance deste ou daquele jogador e, dependendo da sorte, será gol ou não. (linhas 27 e 28) D ( ) [...] a verdade é que, sem um pouco de sorte, neste campo, como em outros, não se vai muito longe [...] (linhas 29 e 30) E ( ) De fato, se o jogador não estiver psicologicamente preparado para vencer, não dará o melhor de si. (linhas 42 e 43) Questão 29. Qual dos advérbios terminados em -mente incide sobre o conteúdo de toda a frase? A ( ) fantasticamente (linha 24). B ( ) abertamente (linha 32). C ( ) independentemente (linha 39). D ( ) psicologicamente (linha 43). E ( ) imediatamente (linha 47). Questão 30. O autor defende a tese de que A ( ) os técnicos de futebol são supersticiosos. B ( ) o fator psicológico atua sobre os jogadores. C ( ) o tiro de canto é uma jogada que aflige os jogadores do time que o sofre. D ( ) o jogo de futebol está sujeito ao acaso, apesar da preparação dos jogadores. E ( ) os resultados dos jogos de futebol são somente fruto do acaso.

Questão 31. Considere as seguintes afirmações sobre a argumentação no texto:
I. A comparação entre a criação de um poema e um jogo de futebol funciona como argumento para a tese do autor. II. O comentário do autor sobre o fato de ele não ser supersticioso tem a função de introduzir o argumento de que os técnicos de futebol também têm suas crenças. III. O exemplo iniciado na linha 14 (“Tomemos, como exemplo...”) é um contra-argumento para a afirmação de que o resultado seja apenas fruto do acaso, parágrafo iniciado na linha 29 (“Não quero dizer com isso...”). Está(ão) correta(s) A ( ) apenas I. B ( ) apenas II. C ( ) apenas III. D ( ) apenas I e II. E ( ) apenas II e III. Questão 32. Os excertos abaixo foram extraídos de uma etiqueta de roupa. Assinale a opção que NÃO apresenta erro quanto ao emprego da vírgula. A ( ) Para a secagem, as peças confeccionadas com cores claras e escuras, devem ser estendidas sempre com a cor clara para cima para evitar manchas. B ( ) Cuidado com produtos como esmalte, acetona, água oxigenada, tintura para cabelo, produtos para o rosto entre outros, pois, podem manchar as peças. C ( ) Produtos à base de cloro como água sanitária e água de lavadeira, atacam o corante desbotando o tecido. D ( ) Peças 100% algodão, não devem ser lavadas com peças que contém poliéster, pois podem soltar bolinhas e estas se depositam sobre as fibras naturais. E ( ) Na lavagem, não misturar peças de cor clara com as de cor escura. Questão 33. A frase abaixo foi dita por uma atriz como um lamento à insistência dos jornalistas em vasculharem sua vida pessoal: Da forma como a frase foi registrada, o sentido produzido é o contrário ao supostamente pretendido pela atriz. Assinale a opção em que há a identificação do(s) elemento(s) que causa(m) tal mal-entendido. A ( ) adjetivo (triste) B ( ) preposições (para; com; por) C ( ) advérbio de intensidade (muito) D ( ) locuções verbais (poder sair; ser perseguida) E ( ) negação (não; sem; ninguém) Questão 34. Assinale a opção em que a frase apresenta figura de linguagem semelhante ao da fala de Helga no primeiro quadrinho.

(Em: Folha de S. Paulo, 21/03/2005.) A ( ) O país está coalhado de pobreza. B ( ) Pobre homem rico! C ( ) Tudo, para ele, é nada! D ( ) O curso destina-se a pessoas com poucos recursos financeiros. E ( ) Não tenho tudo que amo, mas amo tudo que tenho.

Questão 35. O romance Dom Casmurro, de Machado de Assis, é comumente lido como uma obra que
apresenta um problema a ser resolvido: Capitu traiu ou não Bentinho? Sobre esse problema, de difícil solução, considere as seguintes afirmações: I. Capitu acusa Bentinho de “ter ciúmes até dos mortos”, o que é uma forma de ela se defender da acusação do marido, já que ele não acredita ser o pai de Ezequiel. II. A semelhança física de Ezequiel com Escobar é relativizada no romance, uma vez que Capitu também é muito parecida com a mãe de Sancha e não há, aqui, nenhum laço de parentesco. III. Em momento algum do livro, Capitu e Escobar aparecem em situações comprometedoras. IV. Bentinho, o narrador da história, relata parcialmente os fatos e com muito rancor por Capitu e Escobar, os quais, segundo ele, foram amantes.

É muito triste você não poder sair para jantar com um amigo sem ser perseguida por ninguém.

Estão corretas as afirmações: A ( ) I, II e III. B ( ) I e III. C ( ) II, III e IV. D ( ) III e IV. E ( ) todas. Questão 36. O romance Menino de engenho, de José Lins do Rego, é uma das obras mais importantes surgidas no Modernismo dos anos 30, que, como se sabe, foi marcado por uma ficção de forte cunho social. Sobre esse livro, é INCORRETO afirmar que: A ( ) Ele mostra a dura vida do menino Carlos no pobre e árido interior nordestino. B ( ) Ele registra a vida do menino Carlos, que passa a morar na fazenda do avô após ficar órfão de mãe. C ( ) A vida de Carlos na fazenda do avô o coloca em contato direto com a natureza e com a desigualdade social. D ( ) Ele descreve em detalhes a vida de um engenho na Paraíba, onde se produzem derivados de cana-deaçúcar. E ( ) O tom das memórias de Carlos revela certo saudosismo, o que não impede a referência às injustiças sociais. Questão 37. O poema abaixo é um dos mais conhecidos de Carlos Drummond de Andrade. É INCORRETO dizer que o poema A ( ) é herdeiro da vertente social do Modernismo de 30. B ( ) ironiza a idealização da vida rural, tão cantada pelos românticos do século XIX. C ( ) substitui a idealização romântica da vida rural por uma visão mais crítica. D ( ) se vale de vocabulário e sintaxe simples, de acordo com a proposta do Modernismo. E ( ) mostra na primeira estrofe um quadro romântico da natureza, que é desfeito nas estrofes seguintes. Questão 38. O poema ao lado, do poeta contemporâneo José Paulo Paes, se reporta à “Canção do exílio”, de Gonçalves Dias. O texto de José Paulo Paes A ( ) faz uma severa crítica ao nacionalismo romântico, exacerbado na “Canção do exílio”. B ( ) mostra que cantar a pátria, tal como é idealizada na “Canção do exílio”, é algo alienante. C ( ) reduz de forma humorística a “Canção do exílio” a seus traços essenciais. D ( ) reproduz todo o conteúdo da “Canção do exílio”. E ( ) mostra que é impossível fazer novas versões da “Canção do exílio”. Cidadezinha qualquer Casas entre bananeiras mulheres entre laranjeiras pomar amor cantar. Um homem vai devagar. Um cachorro vai devagar. Um burro vai devagar. Devagar... as janelas olham. Eta vida besta, meu Deus. Canção do exílio facilitada lá? ah! sabiá... papá... maná... sofá... sinhá... cá? bah! (Em: Um por todos. São Paulo: Brasiliense, 1986.)

As questões 39 e 40 referem-se ao poema de Manuel Bandeira abaixo. Questão 39. Apesar de ser um poema modernista, esse texto de Bandeira apresenta alguns traços
herdados do Romantismo. Sobre tais traços, considere as seguintes afirmações: I. O poema é marcadamente autobiográfico, já que apresenta referências à família do escritor. II. No poema, há a rememoração um tanto saudosista da infância do poeta, vista como um período de grande felicidade. III. No poema, há a presença de elementos da cultura popular – festa de São João –, que são valorizados no texto. Está(ão) correta(s): A ( ) apenas I. B ( ) I e II. C ( ) I e III. D ( ) apenas III. E ( ) todas. Questão 40. Esse poema, contudo, não é propriamente romântico, não só porque o autor não pertence historicamente ao Romantismo, mas, sobretudo, porque A ( ) o poema faz uma menção ao universo urbano (“o ruído de um bonde”), o que o afasta da preferência dos românticos pela natureza. B ( ) as pessoas de que o poeta se lembra estão mortas (“Dormindo / Profundamente”). C ( ) não há no poema o chamado “escapismo” romântico, nem a idealização do passado, mas sim a consciência de que este não volta mais. D ( ) o poema não possui nenhum traço emotivo explícito, o que o afasta da poesia romântica, que é marcadamente emotiva e sentimental. E ( ) não há, no poema de Bandeira, a presença do amor, que é um tema recorrente na poesia romântica. Profundamente Quando ontem adormeci Na noite de São João Havia alegria e rumor Estrondos de bombas luzes de Bengala Vozes cantigas e risos Ao pé das fogueiras acesas. No meio da noite despertei Não ouvi mais vozes nem risos Apenas balões Passavam errantes Silenciosamente Apenas de vez em quando O ruído de um bonde Cortava o silêncio Como um túnel. Onde estavam todos os que há pouco Dançavam Cantavam E riam Ao pé das fogueiras acesas? Estavam todos dormindo Estavam todos deitados Dormindo Profundamente **** Quando eu tinha seis anos Não pude ver o fim da festa de São João Porque adormeci Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo Minha avó Meu avô Totônio Rodrigues

Tomásia Rosa Onde estão todos eles? Estão todos dormindo Estão todos deitados Dormindo Profundamente.

INSTRUÇÕES PARA REDAÇÃO
Considere os quadrinhos reproduzidos ao lado. Identifique seu tema e, sobre ele, redija uma dissertação em prosa, na folha a ela destinada, argumentando em favor de um ponto de vista sobre o tema. A redação deve ser feita com caneta azul ou preta. (Em: Folha de S. Paulo, 15/08/2004.) Na avaliação de sua redação, serão considerados: a) clareza e consistência dos argumentos em defesa de um ponto de vista sobre o tema; b) coesão e coerência do texto; c) domínio do português padrão. Atenção: A Banca Examinadora aceitará qualquer posicionamento ideológico do candidato

GABARITO
Física Inglês Português Matemática Química 1E 1A 21 C 1 A 1 E 2D2B 22 C 2 B 2 B 3B3C 23 D 3 A 3 B 4C4D 24 B 4 D 4 E 5A5C 25 * 5 B 5 C 6D6D 26 B 6 E 6 B 7E7D 27 C 7 D 7 C 8A8D 28 D 8 A 8 B 9C9* 29 C 9 C 9 E 10 B 10 A 30 D 10 E 10 D 11 E 11 B 31 A 11 B 11 D 12 B 12 E 32 E 12 E 12 C 13 D 13 D 33 E 13 C 13 C 14 C 14 A 34 D 14 D 14 A 15 A 15 E 35 E 15 C 15 A 16 A 16 E 36 A 16 E 16 A 17 D 17 E 37 A 17 A 17 D 18 B 18 B 38 C 18 D 18 E 19 A 19 D 39 E 19 C 19 D 20 C 20 A 40 C 20 B 20 A
Obs: a questões 9 da prova de Inglês e 25 da prova de Português foram consideradas corretas para todos os candidatos.


				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:10442
posted:2/13/2009
language:English
pages:34