Docstoc

malária chagas

Document Sample
malária chagas Powered By Docstoc
					Malária e Doença de Chagas



Estagiária: Antonieta Profª FÉLIX





Agente etiológico: São parasitas pertencentes à Família Plasmodiidae, Gênero Plasmodium. As espécies de plasmódio que afetam o ser humano são: - Plasmodium vivax (Grassi & Feletti, 1890) - Plasmodium falciparum (Welch,1897) - Plasmodium malariae (Laveran, 1881) - Plasmodium ovale (Stephens,1922)

Gênero Plasmodium

Malária


Definição: É uma doença infecciosa, causada por um protozoário unicelular, do gênero Plasmodium e transmitida de uma pessoa para outra, por meio da picada de um mosquito do gênero Anopheles.



Transmissor: Também conhecido como pernilongo, carapanã e mosquito-prego, o inseto transmissor da malária é do gênero Anopheles. Existem cerca de 400 espécies de mosquitos do gênero Anopheles no mundo, mas somente em torno de 60 delas são vetoras sob condições naturais.

Anopheles infectados com Plasmodium

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS


Distribuição Geográfica: A malária está presente nas regiões tropicais e subtropicais do planeta. A malária é endêmica 53 países na África , em 21 países nas Américas, 4 países na Europa e 14 na região leste do Mediterrâneo, e no sudeste Asiático.

Área endêmica de Malária



No Brasil, a área endêmica é conhecida como Amazônia Legal. Esta área é composta pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Malária no Brasil

Ciclo do parasita


O plasmodium desenvolve um ciclo sexuado dentro do organismo do mosquito e um assexuado no organismo humano. Depois de 30 minutos que entrou na circulação sangüínea do homem, alcança o fígado e vai-se multiplicando dentro das células hepáticas até que elas arrebentam. Então, eles se espalham no sangue e invadem as hemácias, onde se reproduzem a tal ponto que elas se rompem também.

Diagnóstico e período de incubação
Para confirmar o diagnóstico, existe um exame de lâmina, também chamado de gota espessa ou esfregaço, que consiste em puncionar a ponta de um dedo para obter uma gota de sangue e analisá-lo.

O período de incubação depende do tipo de malária, mas varia de 7 a 28 dias a partir do momento da picada.

Sintomas


Os sintomas mais comuns são febre alta, calafrios intensos que se alternam com ondas de calor e sudorese abundante, dor de cabeça e no corpo, falta de apetite, pele amarelada e cansaço. Dependendo do tipo de malária, esses sintomas se repetem a cada dois ou três dias

TRATAMENTO


A malária quando detectada correta e precocemente é uma doença de tratamento bastante simples. Para cada espécie do plasmódio é utilizado medicamento ou associações de medicamentos específicos em dosagens adequadas à situação particular de cada doente.

Recomendações


Use repelente no corpo todo, camisa de mangas compridas e mosquiteiro, quando estiver em zonas endêmicas; Evite banhos em igarapés e lagoas ou expor-se a águas paradas ao anoitecer e ao amanhecer, horários em que os mosquitos mais atacam, se estiver numa região endêmica;





Procure um serviço especializado se for viajar para regiões onde a transmissão da doença é alta, para tomar medicamentos antes, durante e depois da viagem;



Não faça prevenção por conta própria e, mesmo que tenha feito a quimioprofilaxia, se tiver febre, procure atendimento médico; Nunca se automedique.



Doença de Chagas


Definição: E uma doença transmissível, causado por um protozoário do gênero Trypanosoma e transmitida principalmente através do "barbeiro".

Agente etiológico


A doença de Chagas é causada por um protozoário da família Trypanosomatidae e gênero Trypanosoma. Foi descrito por Carlos Chagas em 1909 como Trypanosoma cruzi.

Transmissor


O "barbeiro", é um inseto da sub-família Triatominae que se alimenta exclusivamente de vertebrados, sendo chamados hematófagos. A principal espécie propagadora da Doença de Chagas no Estado de São Paulo, foi o Triatoma infestans, hoje eliminado do nosso meio. Persistem ainda as espécies de menor importância como Panstrongylus megistus e o Triatoma sordida amplamente distribuídos.

Distribuição geográfica do protozoário

Ciclo da doença de Chagas



Penetração no interior das células, macrófagos e fibroblastos, onde logo se transforma em amastigota e se reproduz.



Após 3 a 5 dias, os amastigotas saem dos seus “ninhos”, caem na corrente sanguínea e transformam-se em tripomastigotas, passando por um estágio intermediário de epimastigota.
Começam a surgir os mecanismos de defesa do hospedeiro que passam a controlar o número de parasitas.



Alguns parasitas conseguem escapar desse mec. de defesa, invadem a linfa e o sangue periférico e vão alcançar e parasitar células de outros órgãos.  A reação inflamatória gerada pela presença do parasita, desencadeia um processo de tentativa de regeneração – fibrose, mais freqüentes no miocárdio e no sistema nervoso.  Desenvolve-se a resposta imune do hospedeiro. Os pacientes que sobrevivem à fase aguda da doença (90% dos casos) têm seus sintomas atenuados e entram em um período de latência após um tempo médio de 2 a 4 meses


sintomas


Febre, mal-estar, inflamação e dor nos gânglios, vermelhidão, inchaço nos olhos (sinal de Romanã), aumento do fígado e do baço são os principais sintomas. Como nem sempre os sintomas são perceptíveis, o indivíduo pode saber que tem a doença, 20, 30 anos depois de ter sido infectado, ao fazer um exame de sangue de rotina. Meningite e encefalite são complicações graves da doença de Chagas na fase aguda, mas são raros os casos de morte.







Sinal de Romanã



Aumento de órgãos

Diagnóstico e período de incubação


O período de incubação vai de cinco a 14 dias após a picada e o diagnóstico é feito através de um exame de sangue, que deve ser prescrito, principalmente, quando um indivíduo vem de zonas endêmicas e apresenta os sintomas relacionados.

Tratamento


A medicação é dada sob acompanhamento médico nos hospitais devido aos efeitos colaterais que provoca, e deve ser mantida, no mínimo, por um mês.

Recomendações


Como não existe vacina para a doença de Chagas, os cuidados devem ser redobrados nas regiões onde o barbeiro ainda existe, como o vale do Jequitinhonha, no norte de Minas Gerais, e em algumas áreas do nordeste da Bahia; Pessoa que esteve numa região de transmissão natural do parasita deve procurar assistência médica se apresentar febre ou qualquer outro sintoma característico da doença de Chagas





Portadores do parasita, mesmo que sejam assintomáticos, não podem doar sangue;
A cana-de-açúcar deve ser cuidadosamente lavada antes da moagem e a mesma precaução deve ser tomada antes de o açaí ser preparado para consumo; Eliminar o inseto transmissor da doença ou mantê-lo afastado do convívio humano é a única forma de erradicar a doença de Chagas.







Controle da Transmissão Vetorial Melhoria ou Substituição de Habitações

e p r e o c u p a r

Mantenham a mente aberta, assim como a capacidade de se preocupar com a humanidade e a consciência de fazer parte dela" (Dalai-Lama)
c o m
a h u m a n i d a d e

e
a c o n s


				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:872
posted:2/12/2009
language:Portuguese
pages:33