Documents
Resources
Learning Center
Upload
Plans & pricing Sign in
Sign Out

Entrevista

VIEWS: 158 PAGES: 5

									ENTREVISTA KARINA AIKO KAWASAKI “SEMPRE TEREI APARÊNCIA, VIVÊNCIA E DESCENDÊNCIA JAPONESA, MAS EU SEMPRE SEREI BRASILEIRA” Vivian Renata Magalhães

Karina Aiko Kawasaki é uma japonesa abrasileirada. De sangue japonês e coração brasileiro. Para ela, o orgulho brasileiro precisa ser levado em todos os lugares e países. Ela nos conta um pouco sobre a história do Japão, suas experiências, pensamentos e opiniões sobre o país do sol nascente e o Brasil. Por e-mail e Messenger, Kawasaki deu a seguinte entrevista ao Pensar me faz louca, não pensar me faz besta. Vivian Renata Magalhães - NOS CONTE UM POUCO SOBRE A SUA HISTÓRIA Karina Aiko Kawasaki - Meu nome é Karina Aiko Kawasaki, tenho 17 anos, nasci aqui no Japão, na cidade de Isesaki-shi, na província de Gunma. Cheguei no Brasil com apenas 2 anos de idade. Tenho uma irmã, Renata, 15 anos. Meus pais são brasileiros. Minha família se mudou para o Brasil em 1994 onde vivi a maior parte da minha vida, na pacata cidade de Jaú (interior de São Paulo). Fui educada à maneira brasileira, mas sempre aprendendo algumas coisinhas do Japão. Meus avós e meus pais falam ou entendem a língua japonesa, mas decidiram não nos ensinar porque nos atrapalharíamos na língua portuguesa quando crianças. Depois, em 2004 meus pais resolvem retornar ao Japão. Minha irmã e eu ficamos no Brasil. Em 2006, eles retornam para nos buscar e em 2007 viajamos pra cá (Japão). Meus pais já conheciam este país, eu só estou conhecendo agora. Hoje faz 1 ano, 7 meses e 14 dias que estou no Japão. COMO É A SUA CIDADE NO JAPÃO? Bom, a cidade que moro, em Iwata -shi, é uma das cidades da região que mais se

concentra brasileiros, porque ela é aquelas "cidades dormitórios", como se diz no Brasil, que as pessoas moram em uma, mas trabalham em outras cidades, devido ao aluguel, contas de apartamentos e maior segurança do que cidades mais movimentadas. Tem brasileiros que vão e voltam sempre, do Brasil para o Japão e vice-e-versa. Tem uns que estão aqui temporariamente e outros que vieram no começo do movimento dekassegui e ainda estão aqui. Muitos estão construindo casas para morar definitivamente, com o visto permanente. QUAIS FATOS MARCARAM O JAPÃO? O Movimento Dekassegui e a história no século 20. Esse movimento começou mais ou menos na década de 80, tendo relação com a história da imigração, quando o Brasil estava em situações ruins e o Japão passando por um avanço tecnológico e financeiro muito grande (os EUA começaram a ajudar os japoneses, mas essa ajuda é camuflada), então os brasileiros descendentes resolveram retornar ao país de origem para tentar a vida, trabalhar. Nessa época, meus pais disseram que não havia quase como viver aqui, pois além das dificuldades de idioma e costumes, havia certa rejeição dos japoneses, em relação aos que vinham. Aqueles que se negaram a embarcar ficaram por orgulho e disseram que se morressem na guerra, era por honrar a sua pátria. Ficaram enfurecidos com aqueles seus parentes e amigos que pensaram em fugir. Na guerra perdida e naquelas bombas atômicas, morreu muita gente, pouquíssimos sobreviveram, se os navios não tivessem levado metade do povo, nem haveria mais esse país. Honrar a pátria seria proteger a vida de todos ou pedir que fiquem e morram pelo país? Os que fizeram história mundialmente foram os que fugiram e não os que morreram. Há uns 5 anos atrás aproximadamente, eles eram tão mesquinhos que nem aceitavam essas coisas, nas escolas e nos livros essa parte da história foi escondida, não foi estudada pelos alunos. Só atualmente essa rejeição vem mudando. QUAL É A VISÃO DOS JAPONESES EM RELAÇÃO AOS BRASILEIROS E ESTRANGEIROS EM GERAL? Hoje os brasileiros são a maior colônia de estrangeiros no Japão. Além de brasileiros, temos deksseguis chineses, filipinos e peruanos. Eu penso em viver no Brasil porque muita gente não sabe, mas mesmo eu sendo nascida aqui, nem assim o povo japonês me vê como japonesa. Para o pensamento japonês é assim: só uma pessoa que os pais são japoneses e que educam da maneira japonesa e aqui no Japão para que ela seja considerada dessa nacionalidade. Então, mesmo que eu tenha nascido aqui, tenha aparência de japonesa, aprenda a falar fluentemente o japonês, não valho para eles, sou estrangeira. A rejeição ainda existe, mas camuflada. O brasileiro já conquistou muitas coisas aqui, criaram lojas, hoje lojas japonesas têm uma seção só com produtos do Brasil, existem pessoas tradutoras nos hospitais, prefeitura, fábricas, algumas placas nas ruas, nas lojas, existem tradução para o português ou espanhol, as coisas ficam bem mais fáceis. escolas brasileiras, muitos brasileiros hoje comandam fábricas e grandes empresas japonesas (O presidente da Nissan é um brasileiro), tem altos cargos e melhores

salários (ganham mais do que o próprio japonês porque o brasileiro é quem aceita trabalhar a qualquer horário, aceitam qualquer tipo de serviço, mesmo os mais pesados que os japoneses nem aguentam). QUAL É A VISÃO DOS BRASILEIROS EM RELAÇÃO AOS JAPONESES? Imagine como deve ter sido para os japoneses, ir para um país totalmente diferente, não sabendo a língua, nem costumes, nem alimentação, nada, ainda mais pelo fato de que deixaram pessoas queridas no Japão, pois nem todos vieram com a família junto no mesmo navio e alguns deles não quiseram embarcar. O Brasil foi o país que mais recebeu gente do Japão. Com as duas Grandes Guerras Mundiais, a Guerra Fria, as bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, e tudo o mais, os japoneses se adaptaram ao Brasil e conseguiram conquistar o povo brasileiro. Hoje, no Brasil, existem muitos japoneses, tem até a Liberdade em São Paulo - um bairro revestido com a cultura japonesa. Os japoneses e seus descendentes são muito bem vistos no Brasil, vistos como inteligentes e educados. Sempre fui muito elogiada quando criança, até hoje, porque nasci aqui (Japão), porque tenho aparência de japonesa, mas sempre achei que eu fosse uma pessoa normal, não uma pessoa mais inteligente que outras. Quando reencontrei minha mãe e ela disse que ela voltaria conosco pro Japão, no começo eu não queria de jeito nenhum, nem minha irmã, pela nossa adaptação ao Brasil, aos amigos... só depois aceitamos, daquele jeito, mas aceitamos. Vi que não era aquilo que todo mundo dizia, que a tecnologia é avançadíssima, que os japoneses são educadíssimos, achei que não houvesse mensalão entre os governantes do país, que não tivesse injustiça, burocracia. Quando a gente começa a morar em outro país, se torna mais nacionalista. O QUE VOCÊ ABSORVE AÍ NO JAPÃO? Durante esse um ano e meio que vivo aqui, aprendi muito da vida, muito mesmo. Vim para cá com 15 anos. Já era uma pessoa que desconfiava um pouco de que esse país fosse aquele paraíso que todos os brasileiros idealizam. O que me enriquece aqui é a experiência de conhecer o outro lado do mundo, conhecer o pensamento de outras pessoas. Falo com tanta gente do Brasil depois que vim pra cá e por mais que achem legal, ninguém vai adquirir o mesmo pensamento que eu, de ter morado aqui. É muito importante para mim estar aqui, conhecer uma outra forma de viver, diferente do que se chama viver no Brasil. Também tomei consciência ampla de países, de lugares. A gente percebe o quanto desconhece do Brasil, da grandiosidade, concluindo que - falta tanto para conhecer. Enquanto isso, o Japão é minúsculo e vivido da mesma maneira milenarmente. Falo sempre que aqui você aprende valores sentimentais e morais, mas sempre vai ter um espaço em branco na sua vida, porque é o tempo que você deixou de viver o Brasil. Pelo menos você consegue afirmar com clareza a sua nacionalidade. Acho que eu adquiri um pensamento mais crítico das coisas, mais do que se tivesse ficado no Brasil. COMO ESTA O JAPÃO COM A CRISE MUNDIAL? Hoje, com a crise mundial financeira (no Brasil não está atingindo tanto) aqui as coisas vão péssimas. Se assemelhando não de longe, a crise de 29, com a falência de m uitas

empresas, lojas fechando e o desemprego em alta. Se hoje os Estados Unidos entra em crise, seu braço-direito - o Japão, também afunda. E olha que a gente percebe em tudo, qualquer aspecto hoje é copiado dos EUA ou vindo de lá, os japoneses amam demais. O Japão exporta mais da metade de suas mercadorias para lá. Os EUA ajudaram a reconstruir o país e hoje, em razão de ser a maior potência do mundo. A dependência do Japão com os Estados Unidos é muito grande. Se o Japão é tão grandioso assim, é porque alguém ajudou. QUAIS AS DIFERENÇAS CULTURAIS ENTRE BRASIL E JAPÃO QUE VOCÊ PÔDE IDENTIFICAR? O Japão é um país onde tudo é muito extremo. As coisas são ou não são, é sim ou não. Não tem como dar aquele jeitinho brasileiro. Por exemplo, aqui na loja não tem descontinho. Em tudo tem regras. O vestuário japonês pode ser sóbrio, mas também o mais exótico. A comida é maravilhosa, mas também tem aquelas que a gente não gosta. Geralmente eu como comida brasileira, mas sempre misturo com a comida brasileira. Tem lugares muito bonitos e importantes para se visitar, mas quase nem dá para ir, porque não se tem muito tempo nem dinheiro. Tem escolas brasileiras que estudam o conteúdo brasileiro e não o japonês. Eu estudo numa escola brasileira, tudo é igual na medida do possível. Uma coisa que me chama a atenção em relação à cultura japonesa é de como os velhinhos tem disposição para as coisas, pois muitos idosos já aposentados, ainda dirigem, andam de moto, bicicleta, alguns trabalham em outras coisas, mas não ficam em casa. Já os jovens não fazem tanta coisa assim. Não tem muita coisa do que gosto daqui. Acho que o Brasil, em alguns aspectos, atualmente é igual ou até melhor que aqui. Falam sobre a tecnologia, mas o problema é o seguinte: você trabalha para comprar aquilo, porque é maravilhoso aquele aparelho que faz tudo, mas de repente você compra e perde a graça, quer outro mais moderno e deixa aquele de lado. Os produtos no Japão são praticamente tudo descartável. Isso aumenta muito o lixo não reciclável (lixo tecnológico). Penso que os japoneses são pessoas que se complicam em coisas simples da vida, vivem em torno de muitas regras e acabam se enrolando nelas. O QUE VOCÊ DIRIA PARA AQUELES QUE PENSAM EM MORAR NO JAPÃO? O Japão para morar, só se você for uma pessoa que gosta de aceitar e cumprir regras. (Se eu for embora, eu não volto nunca mais). Recomendo vir a passeio, este país, estes costumes são muito interessantes para se conhecer, esse povo, seus modos, seus lugares... Vale a pena conhecer. SUA MENSAGEM PARA O BRASIL? Aconselho explorar ao máximo o Brasil, porque se você viajar para outros países é importante saber defender o seu país. Para quem acha que o Brasil é pouco: ele está bem no meio de uma placa tectônica, sem perigo de terremotos (no Japão todo cuidado é pouco para esses tremores); o Brasil tem terras férteis e grande espaço geográfico; tem uma das maiores reservas de

água do mundo; tem pessoas com força de vontade; brasileiros são hospitaleiros, alegres sempre, um povo que tem tudo para c rescer... Ah e o mais importante - o Brasil tem muita mistura de raças e isso ajuda na diminuição das diferenças. A única coisa que atrapalha é a má distribuição de renda = desigualdade social. Sempre terei aparência, vivência e descendência japonesa, mas eu sempre serei brasileira. SAIBA MAIS Blog: Viaticusmentis - Karina Aiko Kawasaki http://viaticusmentis.blogspot.com/2008/04/diferenas-e-semelhanas-do-brasil-e-do.html


								
To top