; Apostila do curso Alfabetização financeira
Documents
Resources
Learning Center
Upload
Plans & pricing Sign in
Sign Out

Apostila do curso Alfabetização financeira

VIEWS: 490 PAGES: 47

ministrado pelo Prof. Adilson Barroso

More Info
  • pg 1
									O segredo dos ricos
ALFABETIZAÇÃO FINANCEIRA
CAPÍTULO I - VOCÊ E O DINHEIRO
                  DINHEIRO X FELICIDADE
  Dinheiro é
   Sujo!!!!         Quem dá aos           Ricos não vão
                       pobres              para o céu!!
                     empresta a
                       Deus!




 O dinheiro é a
                      Dinheiro é feito
 raiz de todo o                             Dinheiro não
                       para gastar!
      mal!                                     compra
                                             felicidade!
CAPÍTULO I - VOCÊ E O DINHEIRO


                             DINHEIRO X FELICIDADE
   O dinheiro é a moeda de troca para as relações de trabalho e de consumo.

   Felicidade é um estado de espírito.

   É perfeitamente possível ser pobre e feliz, assim como ser rico e feliz.

   E também ser infeliz sendo rico ou pobre.

   Caso você pretenda enriquecer para se tornar poderoso, sexy, interessante,
bonito e cheia de vida, se sentirá desapontado, por que o dinheiro não traz isso.

   Essa transformação deve ocorrer primeiro na sua mente.
             RIQUEZA X FELICIDADE


                    POBRE                  RICO


                 GARI SORRISO          LUCIANO HUCK
FELIZ
          VELHA GUARDA DA MANGUEIRA   ANA MARIA BRAGA




                                      MICHAEL JACKSON
INFELIZ       Vemos todos os dias
                                      ANNIE WINEHOUSE
CAPÍTULO I - VOCÊ E O DINHEIRO

                           DESEJO E IMPULSO
   Desejar fez com que chegássemos até aqui;
   Desejar é próprio do ser humano.;
   Extrapolar o bom senso é que torna tudo perigoso;
   As pessoas compulsivas por consumo não são apenas as que desejam
    coisas, elas compram por impulso;
   Compram o que não precisam com o dinheiro que não têm;
   A necessidade de ostentar e a vaidade excessiva são emoções que
    conduzem aos gastos exagerados na hora errada.
CAPÍTULO I - VOCÊ E O DINHEIRO
                            PREGUIÇA FINANCEIRA
Muitas pessoas querem ser ricas, porém não é o que querem de verdade!

Estas pessoas não estão dispostas a se dedicar a essa meta.

Não estão dispostas a se sacrificar, estudar, trabalhar duro e fazer disso o foco
   de suas vidas.

Não é correto trabalhar duro para ganhar dinheiro? Tudo depende do motivo
   para isso.

A maioria das pessoas querem o dinheiro, mas só se ele vier por acaso.
CAPÍTULO I - VOCÊ E O DINHEIRO

                            PREGUIÇA FINANCEIRA
                                   Enquete:
               A maioria do povo brasileiro é pobre por que?
        (    ) Culpa dos altos impostos e ineficiência do governo.
                  (   ) Muita corrupção e desvios de verba.
    (       ) O governo não dá emprego, cesta básica, casa própria.
        (    ) As ricos não deixam os pobres melhorarem de vida.
                      (   ) A maioria do povo é religioso.
CAPÍTULO I - VOCÊ E O DINHEIRO

                            VALOR E PREÇO
Por quanto você venderia uma caneta esferográfica?
E se essa venda fosse durante um concurso público fácil?
Quanto custa um carro popular com um ano de uso no mês de
   dezembro? E o mesmo carro no mês de janeiro?
Qual o preço de um bom vinho?
Qual o preço de um vinho de supermercado?
Qual o fator diferencial entre eles?
CAPÍTULO I - VOCÊ E O DINHEIRO


                      REPROGRAMAÇÃO MENTAL
   O dinheiro não tem pré-conceitos de cor, raça, nacionalidade, religião,
                                 formação etc.

  “Somente você e seus mitos podem impedí-lo de prosperar” (Richard Templar)

          A riqueza é uma conseqüência e não uma recompensa.

  Se você se dedica a ganhar dinheiro, tem maior chance que os outros.

 Entenda que o dinheiro é o pagamento por seu trabalho duro e dedicação.
CAPÍTULO I - VOCÊ E O DINHEIRO


                      REPROGRAMAÇÃO MENTAL
 Entenda que o dinheiro é algo benéfico e necessário para facilitar sua vida.

 Aprenda a não lutar contra o dinheiro e quando o tiver não tenha vergonha
                                     disso.

    A conquista da riqueza não diminuirá sua virtudes espirituais ou sua
                                 personalidade.

   Decida para que você quer dinheiro. Qual o grau de riqueza esperada.
CAPÍTULO I - VOCÊ E O DINHEIRO

                      REPROGRAMAÇÃO MENTAL
                         Guarde segredo sobre isso.

 As pessoas não estão interessadas nos seus desejos, sonhos, dificuldades.

                     Elas têm seus próprios interesses.

 Acreditar que o dinheiro é a solução faz dele um problema. “o dinheiro pode
   pagar por uma assistência médica, mas não o protege das doenças” (Richard
                                     Templar)


                         Não enriqueça sendo mau.

             Não inveje as coisas dos outros. Aprenda com eles.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                        A ORIGEM DO DINHEIRO
Troca direta – com a fixação do homem às terras, estes passaram a permutar
                           o excedente da produção.

Moeda-Mercadoria - Aceitas por todos, circulavam como elemento trocado por
    outros produtos e servindo para definir o valor. Por exemplo: o sal, gado,
                          pau-brasil, pimenta-do-reino.

Com o passar do tempo, se tornaram inconvenientes às transações comerciais,
      devido à oscilação de seu valor, por não serem fracionáveis e serem
               perecíveis, não permitindo o acúmulo de riquezas.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                         A ORIGEM DO DINHEIRO
MOEDA – Surgiu na Lídia (atual Turquia) no século VII a.c., consistia na
cunhagem (a martelo) de peças de metal (ouro, prata e bronze), que
representavam seu exato valor. Assim, uma moeda com vinte gramas de ouro,
era trocada por mercadorias neste mesmo valor.

MOEDA-PAPEL - Na Idade Média, surgiu o costume de se guardarem os
valores com um ourives, que, como garantia, entregava um recibo. Com o
tempo, esses recibos passaram a ser utilizados para efetuar pagamentos,
circulando de mão em mão e dando origem às cédulas.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO
                          A ORIGEM DO DINHEIRO
Com o tempo, os governos passaram a conduzir a emissão de cédulas,
controlando as falsificações e garantindo o poder de pagamento.

SISTEMA MONETÁRIO - Conjunto de cédulas e moedas de um país forma o
seu sistema monetário. Este sistema, regulado por legislação própria, é
organizado a partir de um valor base e que é sua unidade monetária.

CHEQUE- Com a supressão da conversibilidade das cédulas e moedas em
metal precioso, o dinheiro cada vez mais se desmaterializa, assumindo formas
abstratas.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO


                           A ORIGEM DO DINHEIRO
O Cartão de Crédito – considerado o “Dinheiro de Plástico”, é um dinheiro
virtual que é disponibilizado um valor, sem que haja uma contra-partida inicial
(trabalho, venda, serviço etc.), com prazo de 30 dias para pagamento, ou
parcelamento mediante cobrança de juros (altos).

Hoje é a principal causa do desequilíbrio financeiro das pessoas, por não
entenderem a finalidade desta modalidade.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                                  O TRABALHO
Revolução agrícola – Há 10.000 anos o homem aprendeu a cultivar o solo e colher
os frutos;

O homem trabalhava apenas para sobreviver, comia o que plantava, usava o que
produzia, praticamente não havia possibilidade de mudança de condição social;

Revolução industrial – há 200 anos o homem passa a utilizar a força mecânica
para produção de alta escala;

Utilização do dinheiro como forma de pilhagem, a força de trabalho é vendida ao
empregador. Surge a oportunidade de mudança de nível social.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                                  O TRABALHO

Revolução da Comunicações – Estamos vivendo esta revolução.

O   homem trabalha menos, ganha mais e consome mais;

Marketing   de rede, internet e formação de opinião serão as ferramentas;

Os   produtos tem vida curta, são renovados e inovados constantemente;

O   conhecimento muda constantemente, a educação não vale mais para a
vida toda;

Maior   possibilidade de mudança de nível social.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO


                                   O EMPREGO

Redução    drástica do emprego,

Evolução   para economia de serviços;

   O homem deixará de ter emprego para prestar serviços remunerados;

   O conhecimento e o talento serão melhor remunerados que a força de
    trabalho;

   Possibilidade de ganhos ilimitados;
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                          A “ARMADILHA” DOS JUROS

O   Mercado financeiro gira em torno de juros.

O   dinheiro passou a ser um produto de aluguel;

O   capital é valorizado conforme o risco e cobrado conforme o tempo de uso;

A   inadimplência aumenta o percentual de juros e acrescenta multa;

Quando    há renegociação, o montante (capital + Juros + multa) passam a ser
capital e começa uma nova dívida.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                                      O LEASING
Basicamente    o leasing é um aluguel de bens de produção;
Ao   final do plano, o cliente adquire o bem ou refinancia outro
                                    O CONSÓRCIO
O   valor do produto é rateado entre um grupo de pessoas.
Apuradas    uma mensalidade de cada, compra-se uma unidade e sortea-se um
“ganhador” por mês.
A   taxa de administração é sobre o valor do bem (+/- 10%).
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                        O CARTÃO DE CRÉDITO

O Cartão de Crédito é uma modalidade de crédito pré-aprovado, onde o
consumidor pode acumular gastos para pagamento mensal em data
fixa.

A fatura mensal pode ser refinanciada mediante pagamento de, no
mínimo, 10% do valor, a juros de mercado.

Algumas lojas parcelam o valor da compra mediante juros.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                             O CARTÃO DE CRÉDITO

Os cartões de crédito podem ser os seus maiores inimigos ou trabalharem em
seu benefício e devolverem até algum dinheiro no final do ano.
Existem dois tipos de utilizadores de cartões de crédito:
 Os que pagam toda a fatura e assim não pagam juros sobre o dinheiro que
   gastaram antecipadamente. Estes são os utilizadores satisfeitos com a
   utilização do cartão de crédito e é para eles que os benefícios são maiores.
 Os que pagam o parte da fatura e começam a acumular dívida a juros
   elevados. Neste caso, preocupe-se em equilibrar o seu saldo antes de
   pensar em receber os benefícios. Para estes casos, procure um cartão de
   crédito com uma taxa de juros baixa ou sem anuidades.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                     O CARTÃO DE CRÉDITO
Alguns cartões de crédito oferecem benefícios como:
 Devolução de uma percentagem da fatura em dinheiro;

 Milhas de viagem;

 Diárias em hotéis;

 Descontos em lojas;

 Troca por mercadorias;

 Seguros;

 Sorteio de prêmios.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                        O CARTÃO DE CRÉDITO

As 3 regras de ouro:
1.   Pagar sempre 100% do saldo do Cartão.
2.   Não pagar anuidade do Cartão de Crédito.
3.     Não comprar nada que não comprássemos noutras
circunstâncias.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                   POUPANÇA X INVESTIMENTO X RISCO

Poupança - Do ponto de vista econômico, é o acumulo de capital para
investimento. todos os bancos oferecem contas-poupança que
oferecem baixo risco e baixo rendimento. Baixo risco de perda do
dinheiro, seja por roubo, por falência do Banco (o governo garante o
resgate do dinheiro até R$60.000,00) e até mesmo risco de nós
mesmos gastarmos por estar em casa. Baixo rendimento por que o
retorno mensal é de menor que 0,7%. o Banco nos paga TR (Taxa
Referencial) + atualização.
CAPÍTULO II - O “JOGO” FINANCEIRO

                    POUPANÇA X INVESTIMENTO X RISCO

Investimento - é a aplicação de algum tipo de recurso (dinheiro, bens ou
títulos) com a expectativa de receber algum retorno futuro superior ao
aplicado.

Investimentos podem ser de curto (< 1 ano) ou longo prazo (> 1 ano);

Aplicações financeiras podem ser pré ou pós-fixadas;

Tipos de investimentos: mercado financeiro, imóveis, empresas, patentes,
previdência, obras de arte.
CAPÍTULO III - SUAS FINANÇAS

                          FONTES DE RENDA
Salário:                        Pró-labore:

Honorários    :                 Cachê   :
Comissões:                      Aposentadoria:

Aluguéis                        Indenização:

Juros   e Dividendos :          Benefício   público
Lucro:                          Mesada:
CAPÍTULO III - SUAS FINANÇAS

                        DESPESAS
Alimentação;                  Impostos;

Transporte;                   Vestuário;

Educação;
                               Saúde;

Lazer;
                               Moradia;
Despesas   pessoais;
                               Investimento;
Comunicação;
CAPÍTULO IV - SUAS FINANÇAS

             Ativo                     Passivo
Dinheiro;           Limite   de crédito;
Cheques;            Cartão   de crédito;
Ações;              Prestações;

Móveis;             Cheques    pré-datados;
Veículos;           Financiamentos;

Imóveis;            Hipoteca;
CAPÍTULO V - FERRAMENTAS FINANCEIRAS


                                 Orçamento



É o planejamento das finanças de curto prazo, prevendo todos os
movimentos financeiros.

A partir do orçamento podemos ponderar sobre nossas atitudes
financeiras e atingir o objetivo traçado.
CAPÍTULO V - FERRAMENTAS FINANCEIRAS
              Os dez mandamentos de um orçamento equilibrado
1) Planeje seus gastos para conhecer seus limites de consumo
2) Controle seus impulsos de consumo
3) Não tenha um padrão de vida maior do que suas posses
4) Não pague juros maiores do que os que recebe de seus investimentos
5) Poupe para garantir aquisições futuras
6) Jamais despreze a inflação
7) Resista à tentação de gastar a poupança que garantirá sua velhice
8) Informe-se bem antes de investir
9) Jamais despreze pequenos valores
10) Jamais despreze uma boa negociação de preços

                                           Gustavo Cerbasi, disponível no site: http://www.maisdinheiro.com.br/dicas/orcamento
CAPÍTULO V - FERRAMENTAS FINANCEIRAS

                          Fluxo de Caixa
“... a Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) indica a origem de todo
o dinheiro que entrou no Caixa, bem como a aplicação de todo o
dinheiro que saiu do Caixa em determinado período, e, ainda o
Resultado do Fluxo Financeiro”. Marion (1998, 380)

A demonstração de fluxo de caixa propicia uma fonte segura para
melhor elaborar seus planejamentos financeiros, como também
serve para registrar a forma com que a empresa gerou o caixa, ou
até mesmo como utilizou os recursos recebidos.
EXEMPLO DE FLUXO DE CAIXA
CAPÍTULO V - FERRAMENTAS FINANCEIRAS
                            Balanço Patrimonial
O Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar,
quantitativa e qualitativamente, numa determinada data, a posição
patrimonial e financeira da Entidade.
Ativos: bens e direitos que você tem.
Passivos: são suas dívidas e obrigações.

                    ATIVO                            PASSIVO
    CIRCULANTE                         CIRCULANTE
    NÃO CIRCULANTE                     NÃO CIRCULANTE
         REALIZÁVEL A LONGO PRAZO      PATRIMÔNIO LÍQUIDO
         INVESTIMENTOS
         IMOBILIZADO
         INTANGÍVEL
CAPÍTULO V - FERRAMENTAS FINANCEIRAS
        Demonstrações de Renda                     RENDA
Saber o que se passa no fluxo de caixa
                                                   O que você ganha
de uma pessoa é fundamental para
avaliarmos se estamos acumulando                   DESPESA
patrimônio ou se estamos à caminho                 O que você gasta
da insolvência.
              Perfil financeiro            ATIVO           PASSIVO
Perfil Ativo: Gasta pouco, compra ativos
                                           Ativo Bom       Ativo Ruim
bons e acumula patrimônio.                 (Gera           (Gera
Perfil Passivo:                            Renda)          gasto)
Perfil Destrutivo:
CAPÍTULO V - FERRAMENTAS FINANCEIRAS
        Demonstrações financeiras                   RENDA
Fluxo financeiro de uma pessoa que tem o
Perfil Destrutivo:                                  O que você ganha

                                                    DESPESA
    Gasta muito e compra ativos ruins;              O que você gasta


Ex: roupas caras, luxo, imóveis de lazer,   ATIVO           PASSIVO
carros de alto luxo, hábitos caros etc.     Ativo Bom       Ativo Ruim
                                            (Gera           (Gera
                                            Renda)          gasto)
CAPÍTULO V - FERRAMENTAS FINANCEIRAS
        Demonstrações financeiras                      RENDA
Fluxo financeiro de uma pessoa que tem o
Perfil Passivo:                                        O que você ganha

                                                       DESPESA
  Gasta tudo que ganha e não aumenta                   O que você gasta
              patrimônio;

                                               ATIVO           PASSIVO
Ex.: Bebida e fumo exagerado, compras por
impulso, descontrole financeiro, vida social   Ativo Bom       Ativo Ruim
intensa, padrão de vida maior que o real.      (Gera           (Gera
                                               Renda)          gasto)
CAPÍTULO V - FERRAMENTAS FINANCEIRAS
        Demonstrações financeiras                  RENDA
Fluxo financeiro de uma pessoa que tem o
Perfil Ativo:                                      O que você ganha

                                                   DESPESA
  Gasta menos que o que ganha, compra              O que você gasta
    ativos bons e aumenta patrimônio.
                                           ATIVO           PASSIVO
Ex.: Imóveis para aluguel, patentes,       Ativo Bom       Ativo Ruim
empresas, mercado financeiro etc.          (Gera           (Gera
                                           Renda)          gasto)
CAPÍTULO VI - SAINDO DA CRISE
                          Entenda sua situação atual
Apure   todos os detalhes de cada dívida, cartão de crédito, financiamento,
fiado na mercearia etc.
Levante   suas fontes de renda e benefícios/facilidades disponíveis.
Faça   uma comparação entre o que você ganha e o que você gasta.
Corte   os supérfluos;
Reduza    o consumo de água, luz, telefone, internet, gás, etc.
Encaixe   seus gastos dentro de 50% da renda (ou menos);
reserve   35% para pagamento de dívidas;
Reserve   15% para poupança.
CAPÍTULO VI - SAINDO DA CRISE

                       Decida onde quer chegar
Decidir onde quer chegar financeiramente, dará uma visão clara do que
será preciso fazer para alcançar a meta, e facilitará nas decisões quanto à
urgência, importância e o grau de sacrifício que será empregado nas
ações.

O que você deseja?:

Sustentabilidade;

Conforto;

Riqueza.
CAPÍTULO VI - SAINDO DA CRISE
                                Tenha um plano
CAPÍTULO VI - SAINDO DA CRISE

                                               Tenha um plano
       O Que                      Por que                                Como                  Quando         Quanto
                                                          • Reduzir consumo;
Potencializar Renda   Gastar menos que a Renda            • Eliminar supérfluos;                 Hoje           50%
                                                          • Usar recursos de terceiros.
                      • Pagar dívidas + rápido;           • Ocupar o tempo ocioso;
Aumentar a Renda      • + renda após fim dívidas;         • Valorizar-se;                        Hoje         Quanto +
                      • Melhorar qualidade de vida,       • Negociar bens supérfluos que                       melhor
                      após fim dívidas.                   geram despesas
                                                          • Pesquisar taxas menores;
Renegociar dívidas    Parar de pagar juros                • Usar parte da economia mensal        Hoje           35%


                      Formar capital para investimento;   Estipular percentual fixo para
Poupar Sempre                                             poupar                              Este mês          15%

                                                          •   Aplicar em curto prazo;
Investir em ativos    Potencializar o Capital com         •   Aplicar em previdência;         Assim que     À cada
diversos              segurança                           •   Aplicar em papéis do Governo;   formar o 1º   R$5.000,00
                                                          •   Aplicar em produção;            Capital
CAPÍTULO VI - SAINDO DA CRISE
                      Dicas para redução do Custo de vida
   Descubra o fator Cafezinho;
   Pesquise preços antes de comprar;
   Não compre por impulso;
   Valorize pequenas quantias;
   Use os produtos financeiros a seu favor;
   Livre-se de ativos “podres”;
   Substitua produtos caros por alternativos;
   Compre produtos de de maior consumo no atacado;
   Unifique datas de pagamento de contas;
   Regule adequadamente os equipamentos elétricos;
   Utilize recursos de terceiros e públicos disponíveis.
CAPÍTULO VI - SAINDO DA CRISE


                      Dicas para aumento de renda
   Emprenhe-se mais no trabalho;
   Sempre que possível faça horas extras;
   Aproveite incentivos oferecidos pela empresa (caso haja);
   Participar de treinamentos custeados pela empresa;
   Busque um negócio informal para realizar nas horas vagas;
   Alugue bens que não precise utilizar;
   Valorize-se, cobre pelos seus serviços;
   Pague-se primeiro;
CAPÍTULO VI - SAINDO DA CRISE
                         Dicas de mentes milionárias:
Criar os próprios caminhos - Pessoas de mentalidade rica criam e conduzem
suas próprias vidas. As de mentalidade pobre acreditam que na vida delas
nada acontece.
Jogar para ganhar – As pessoas de mentalidade rica entram no jogo do
dinheiro para ganhar.
Assumir compromisso - As pessoas de mentalidade rica pensam grande.
Focalizar nas oportunidades - As pessoas de mentalidade rica focalizam
oportunidades, não obstáculos.
Admirar os semelhantes - As pessoas de mentalidade rica admiram outras
pessoas ricas e bem-sucedidas, sem nutrir sentimentos como a inveja.
Foco no networking - As pessoas de mentalidade rica buscam a companhia
de indivíduos positivos e bem-sucedidos.
Agir grande - As pessoas de mentalidade rica são maiores que seus
problemas.
       Estes conceitos foram obtidos a partir da obra de T.Harv Eker, Os segredos da mente milionária, editado no Brasil pela editora Sextante.
CAPÍTULO VI - SAINDO DA CRISE
                         Dicas de mentes milionárias:
Criar os próprios caminhos - Pessoas de mentalidade rica criam e conduzem
suas próprias vidas. As de mentalidade pobre acreditam que na vida delas
nada acontece.
Jogar para ganhar – As pessoas de mentalidade rica entram no jogo do
dinheiro para ganhar.
Assumir compromisso - As pessoas de mentalidade rica pensam grande.
Focalizar nas oportunidades - As pessoas de mentalidade rica focalizam
oportunidades, não obstáculos.
Admirar os semelhantes - As pessoas de mentalidade rica admiram outras
pessoas ricas e bem-sucedidas, sem nutrir sentimentos como a inveja.
Foco no networking - As pessoas de mentalidade rica buscam a companhia
de indivíduos positivos e bem-sucedidos.
Agir grande - As pessoas de mentalidade rica são maiores que seus
problemas.
       Estes conceitos foram obtidos a partir da obra de T.Harv Eker, Os segredos da mente milionária, editado no Brasil pela editora Sextante.
OBRIGADO A TODOS!


                    “Enriqueceré uma questão
                      de escolha” Gustavo Cerbasi



                       Abarroso.spaceblog.com.br
                      Adilson.barroso@hotmail.com

								
To top
;