; Apostila do curso de Limpeza e conservacao
Documents
Resources
Learning Center
Upload
Plans & pricing Sign in
Sign Out
Your Federal Quarterly Tax Payments are due April 15th Get Help Now >>

Apostila do curso de Limpeza e conservacao

VIEWS: 54,973 PAGES: 85

Ministrado pelo Prof. Adilson Barroso

More Info
  • pg 1
									          FIEAM
             IEL


       INSTITUTO EUVALDO LODI




                                         Formação em Limpeza e
                                         Conservação Profissional

                                      Módulo I:
Padrão de Qualidade:
                                      Habilidades Básicas

       Sindicato dos Empregados em
               Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas -
                         SEEACEAM
   Orientação Profissional
     Auxiliar de Quem???
           Isso tem futuro?
  Profissional de limpeza (nível I,II e III);
          Encarregado de limpeza;
                Supervisor;
           Gerente Operacional;
          Profissional Autônomo.
Somos importantes para a nação?
          1,3 Milhões de pessoas
      3º Maior Contribuinte do INSS
  Setor que mais gera emprego no Brasil
           + 10.000 em Manaus
            Orientação Profissional
         Organização da Categoria Profissional
  ABRALIMP:       Associação Brasileira do Mercado Institucional de Limpeza.
     – Abrange os fabricantes, distribuidores, prestadores de serviço,
       representantes e usuários finais do setor de Higiene e limpeza.
     – Organiza a HIGIEXPO E HIGICON, feira e congresso internacional do
       setor, em São Paulo anualmente.
     – Publica a revista trimestral HIGIPRESS.
  FEBRAC:      Federação Nacional das empresas prestadoras de serviço de
limpeza e conservação.
     – Organiza o ENEAC, encontro nacional das empresas de asseio e
        conservação, bienalmente,
     – Publica a revista LIMPEZA PLUS.
  SIAC-AM:      Sindicato Patronal das Empresas de Prestadoras de serviço do
Amazonas.
  SEEACEAM:       Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas.
  SESC: Serviço Social do Comércio.
  Representatividade Política: não existem bancadas parlamentares
municipal, estadual ou federal, que representem a categoria.
      Relacionamento Interpessoal
Trabalhar com prazer é melhor!
  O que é sucesso para mim?
  O que é mais importante? Dinheiro, fama, discrição,
simplicidade, fé...?
  O que gosto de fazer?
  O que não gosto?
  E tantas outras perguntas...

Já percebemos que para tantas perguntas será necessário
um auto-conhecimento e, tão importante como, o
conhecimento do próximo. Se nosso conceito de sucesso
não é vivermos isolados, então é necessário auto-
conhecimento     e   praticar algumas    técnicas   de
relacionamento interpessoal:
        Relacionamento Interpessoal
 Técnicas fundamentais para lidar com pessoas
  Não critique, não condene, não se queixe;
  Faça elogios honestos e sinceros;
  Desperte na outra pessoa um ardente desejo (venda suas
idéias a partir das necessidades da outra pessoa);


 Maneiras de fazer as pessoas gostarem de você
  Interesse-se sinceramente pelas outras pessoas;
   Sorria sempre;
   Chame as pessoas pelo nome;
   Seja bom ouvinte, incentive os outros a falarem sobre si;
   Fale sobre assuntos que interessem à outra pessoa;
   Faça a outra pessoa sentir-se importante, mas faça-o
sinceramente.
       Relacionamento Interpessoal
Como conquistar as pessoas para seu modo de pensar
  O melhor meio de vencer uma discussão é evitá-la
  Respeite a opinião alheia. Nunca diga “você está errado”
  Se errar, reconheça o erro imediatamente e com ênfase
  Comece de um modo amigável
  Consiga que a outra pessoa concorde inicialmente em
alguma coisa
  Deixe a outra pessoa falar durante a maior parte da
conversa
  Deixe a outra pessoa pensar que a idéia é dela
  Procure honestamente ver as coisas pelo ponto de vista
alheio
  Mostre-se simpático às idéias e desejos alheios
  Apele para os mais nobres motivos
  Dramatize suas idéias
  Lance um desafio

.
       Relacionamento Interpessoal

Regras fundamentais para controlar as preocupações
  Que profissional é mais importante numa organização?
Viva só o dia de hoje. Não o de ontem, nem o de amanhã.
               Faça frente aos problemas:
    Pergunte a si mesmo: qual é a pior coisa que pode
                      acontecer?
             Prepare-se para aceitar o pior;
      Trate de melhorar a situação partindo do pior;
 Lembre-se do preço exorbitante que deverá pagar com sua
           vida e saúde pelas preocupações.
     Relacionamento Interpessoal

Maneiras de cultivar uma atitude mental positiva
 Enriqueça sua mente com pensamentos positivos de
 paz, coragem, saúde e esperança;
 Não queira vingar-se;
 Espere ingratidão;
 Não irrite os outros;
 Procure tirar proveito dos contratempos;
 Dê felicidade aos demais;
 Ponha entusiasmo em seu trabalho.
     Relacionamento Interpessoal

               Os dez mandamentos
1. FALE com as pessoas.
2. SORRIA para as pessoas.
3. CHAME as pessoas pelo nome.
4. SEJA amigo e prestativo.
5. SEJA cordial.
6. INTERESSE-SE sinceramente pelos outros.
7. SEJA generoso em elogiar, cauteloso em criticar.
8. SAIBA considerar os sentimentos dos outros.
9. PREOCUPE-SE com opinião dos outros.
10. PROCURE apresentar um excelente serviço.
     Relacionamento Interpessoal

                Os sete conselhos
1.   ADMITO QUE O ERRO FOI MEU.
2.   VOCÊ FEZ UM BOM TRABALHO.
3.   QUAL A SUA OPINIÃO?
4.   FAÇA O FAVOR.
5.   MUITO OBRIGADO.
6.   A palavra mais importante NÓS
7.   A palavra menos importante: EU
    Relacionamento Interpessoal
    O que as empresas esperam de seus
               colaboradores
 Consciência de seus deveres
 Dedicação ao trabalho
 Equilíbrio emocional para bem desempenhares suas
tarefas;
 Que sejam dignos de confiança
 Que saibam delegar tarefas quando necessário
 Que saibam resolver conflitos entre colegas de
trabalho
 Que sejam capazes de trabalhar em grupo
 Que “dêem conta do recado”
 Que sejam fontes de soluções e não de problemas
 Que tenham elevado nível de desempenho
 Que apresentem resultados e não desculpas
 Que estejam “antenados” no crescimento da empresa
          FIEAM
             IEL


       INSTITUTO EUVALDO LODI




                                         Formação em Limpeza e
                                         Conservação Profissional

                                      Módulo II:
Padrão de Qualidade:
                                      Educação Ambiental

       Sindicato dos Empregados em
               Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas -
                         SEEACEAM
         Educação Ambiental
      Desenvolvimento auto-Sustentável
 Ar
– Poluição do ar
– Redução da Camada de Ozônio;
– Efeito Estufa.
Água
– Suprimento
– Qualidade
– Águas do Mar
Florestas
– Recursos Florestais
– Manejo Florestal
– Desenvolvimento Auto-sustentável
          Educação Ambiental
     Desenvolvimento auto-Sustentável
Biodiversidade
–   Informação
–   Distribuição dos Benefícios
–   Conservação
–   Gerenciamento
Resíduos
–   Reduzir
–   Reciclar
–   Reutilizar
–   Resíduos Perigosos
          Educação Ambiental
                  Lixo Seletivo

Separação para reprocessamento
Cores padrão de Coleta Seletiva
 –Azul:          Papel e papelão:
 –Vermelho:      Plástico:
 –Marrom:        Resíduos orgânicos:
 –Amarelo:       Metais:
 –Verde:         Vidro:
 –Branco:        “Não reciclável”: Hospitalares.
 –Preto:         Materiais não recicláveis:
      Educação Ambiental
         Vantagens da coleta seletiva
Diminuição do lixo nos aterros;
Diminuição no consumo de recursos naturais;
Melhoria da limpeza e higiene;
Redução da poluição entre outras.


                  Curiosidades
O lixo produzido pelo Brasil em apenas uma semana,
ocuparia o estádio do Maracanã;
35% do lixo coletado é de material reciclável, ou seja,
dos 52 maracanãs de lixo produzidos por ano, 18 não
precisariam existir;
Cada habitantes do planeta produz, em média, 1 kg de
lixo/dia
  5 S – O Ambiente da Qualidade

O 5S é um conjunto de cinco conceitos simples que são
capazes de modificar seu humor, ambiente de trabalho, a
maneira de conduzir suas atividades rotineiras e as suas
atitudes.
O termo 5S é derivado de cinco palavras japonesas,
iniciadas com S.
No Inglês foi possível traduzir com palavras iniciadas com
“S”;
Em português a melhor forma encontrada para expressar
o significado foi acrescentar o termo "Senso de" antes
das palavras em português
5 S – O Ambiente da Qualidade
  5 S – O Ambiente da Qualidade
              Método e Ação
Deve-se identificar o que provoca a sujeira;
Eliminar as causas da sujeira;
Limpar com a periodicidade determinada;
Programar    a     manutenção        e   correções
necessárias;
Agir previamente contra a sujeira;
Criar o hábito de não sujar;
Providenciar meios específicos para dar fim a
sujeira.
          FIEAM
             IEL


       INSTITUTO EUVALDO LODI




                                         Formação em Limpeza e
                                         Conservação Profissional

                                      Módulo III:
Padrão de Qualidade:
                                      Saúde e Segurança no Trabalho

       Sindicato dos Empregados em
               Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas -
                         SEEACEAM
Saúde e Segurança no Trabalho
                  Legislação
 NR-7 e NR-9
 CLT – Consolidação das Leis do Trabalho
 PCMSO – Programa de Controle Médico e Saúde
 Ocupacional
 PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais
 PPP – Programa profissiográfico profissonal
 Plano de Contingência
 Os Programas e processos internos, Visam:
              ELIMINAR O RISCO
                ISOLAR O RISCO
              SINALIZAR O RISCO
          FIEAM
             IEL


       INSTITUTO EUVALDO LODI




                                         Formação em Limpeza e
                                         Conservação Profissional

                                      Módulo IV:
Padrão de Qualidade:
                                      Limpeza Profissional

       Sindicato dos Empregados em
               Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas -
                         SEEACEAM
    Limpeza Profissional
                 Conceitos
Limpeza: remoção de qualquer corpo indesejável
de    uma     superfície,   sem     alteração   das
características originais do objeto que está sendo
tratado.
Higienização – Remoção de sujidades invisíveis
a olho nu, principalmente a eliminação de
microorganismos.
Sujidade - Tipo ou fonte de sujeira
Sanificação      –   Redução     do    número     de
microorganismos a níveis toleráveis.
Desinfecção       –    Destruição    de    bactérias
patogênicas que causam doenças. (Não destrói
esporos).
Esterilização – Destruição de todas as formas
de microorganismos.
      Limpeza Profissional
    Planejamento de Rotinas de Trabalho
As pessoas não podem parar o que estão fazendo
Definição dos pontos de limpeza (setores)
Definição dos processos de limpeza e equipamentos
(cronograma de operações)
Ensaio do processo para determinação do tempo
padrão
Distribuição dos processos aos colaboradores
(emissão de Instrução de trabalho)
Implantação dos processos, correção de detalhes
Formalização do sistema (emissão definitiva do
cronograma instrução de trabalho)
Monitoração do desempenho (apontamento diário do
Check list)
Limpeza Profissional
Limpeza Profissional
          FIEAM
             IEL


       INSTITUTO EUVALDO LODI




                                         Formação em Limpeza e
                                         Conservação Profissional

                                      Módulo V:
Padrão de Qualidade:
                                      Manuseio e diluição de produtos
                                      químicos
       Sindicato dos Empregados em
               Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas -
                         SEEACEAM
      Manuseio e diluição de produtos
                químicos
Bem utilizados - Minimizam o esforço, facilitam a
limpeza, protegem as superfícies e evitam nova sujidade.
Mal utilizados - Podem manchar, estragar ou destruir a
superfície, e causar intoxicação, queimaduras, cegueira às
pessoas e até a morte.
Diluição – Produto industrial, são concentrados.      Isso
permite transportar e armazenar com pouco espaço e
peso. Diluir conforme especificado pelo fabricante.
Identificação – Nunca pelo olfato.
Variedade – Reduza ao máximo os produtos a utilizar
        Manuseio e diluição de produtos
               Cuidados a serem seguidos:
 Não retirar rótulos de embalagens
  Se impossível identificar o produto, solicitá-la da chefia ou do
fabricante, em último caso devolver o produto
  Exigir os Doc. Técnicos e aprovações ANVISA/MIN. SAÚDE
  Antes de usar, ler atentamente as instruções de uso;
  Sempre que usar um produto novo, ou em uma superfície
nova, testar em uma pequena área;
  Utilizar sempre Equipamento de Proteção Individual – EPI,
  Respeitar a diluição recomendada pelo fabricante;
  Nunca misturar produtos
  Guardar produtos em local ventilado, fresco e trancado;
  Utilizar devidamente os equipamento de limpeza;
          FIEAM
             IEL


       INSTITUTO EUVALDO LODI




                                         Formação em Limpeza e
                                         Conservação Profissional

                                      Módulo VI:
Padrão de Qualidade:
                                      Manuseio de Máquinas e
                                      Equipamentos de Limpeza
       Sindicato dos Empregados em
               Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas -
                         SEEACEAM
   Manuseio de Máquinas e Equipamentos
  Sistema Balde/Espremedor com MOP Úmido
    Vantagens do Sistema:
      –Mais de 60% na produtividade;
      –Evita contato direto das mãos com a sujeira;
      –Melhora a postura do operador, evitado dores nas
      costas.
   Modo de Utilização
1. Preencha ¾ do balde com solução de detergente;
2. Mergulhe MOP no balde e retire o excesso com
   espremedor;
3. Limpe o piso com movimentos em forma de “8”;

Obs.: Para uma maior vida útil do produto, faça
  semanalmente uma limpeza e lubrificação nos rodízios.
  Ao final de cada utilização, lave o balde e o MOP, e
  deixe o MOP secar fora do balde.
      Manuseio de Máquinas e Equipamentos
     Sistema Balde/Espremedor com Divisória e
                     MOP Úmido
      Modo de Utilização
1.     Preencha metade o balde dianteiro com solução de
      detergente. No balde traseiro coloque metade da
      capacidade com água limpa;
2.    Mergulhe MOP na solução e retire o excesso com
      espremedor;
3.    Limpe o piso com movimentos em forma de “8”;

Obs.: Para uma maior vida útil do produto, faça
     semanalmente uma limpeza e lubrificação nos
     rodízios. Ao final de cada utilização, lave os balde e
     o MOP, e deixe o MOP secar fora do balde.
Manuseio de Máquinas e Equipamentos
     Como escolher o MOP Correto

   Algodão: Fios produzidos com fibras
   virgens e recicladas, opção de baixo
   custo inicial, boa absorção e retenção

   de líquidos.

   Sintético (Misto): fio com mistura de
   fibras sintéticas, proporcionando um
   equilíbrio ideal em termos de custo,
   performance e aparência. Apresenta
   boa absorção de líquidos.
   Rayon: fio produzido com fibras de
   viscose, possui capacidade de absorver
   de 6 a 7 vezes o seu peso em líquido,
   não tem capacidade de retenção, sendo
   desta maneira um excelente MOP para
   aplicação de cera.
  Manuseio de Máquinas e Equipamentos
               Modelo de construção

    Ponta cortada: Opção de menor custo inicial. Tendência de
soltar fiapos, reduzindo a vida útil do produto. Não possui cinta
de amarração, menor área de cobertura.
Ponta dobrada: Não desfia nem solta fiapos, podendo ser
lavado a máquina diversas vezes. Possui cinta de amarração,
proporciona maior área de cobertura.
Manuseio de Máquinas e Equipamentos
Manuseio de Máquinas e Equipamentos

  Como aumentar a vida útil do MOP
              úmido
Antes de utilizar um MOP a primeira vez, coloque-o
no balde com água morna e detergente neutro por
20 minutos.
Evite esfregar o piso com a parte superior do MOP.
 Evite utilizar o MOP com soluções agressivas (ácido,
alvejantes etc.)
 Ao limpar piso abrasivo, direcione o no sentido de
diminuir ao o atrito. Se possível reserve um MOP
para esta tarefa.
Ao terminar a limpeza, lave e seque o MOP.
Manuseio de Máquinas e Equipamentos

 Cuidados para a lavagem à máquina
Utilize uma bolsa de lavagem.

A temperatura da água não deverá passa de 60ºC.

Utilize baixa velocidade.

Use detergente neutro.

Centrifugação,    Velocidade máxima por 1 a 2
minutos.

Secagem: Temperatura máxima 40 ºC até o MOP
estar seco
 Manuseio de Máquinas e Equipamentos
                Sistema MOP PÓ
                 Vantagens do MOP pó:
  Maior produtividade
  Evita suspensão da poeira no ar
  Acessa facilmente em baixo dos móveis
  Maior eficiência na remoção de pó e grãos numa única
passada
  Melhora a postura do operador, evitado dores nas
costas.
   Manuseio de Máquinas e Equipamentos
                   Modo de Utilização


1 – utilizar o MOP pó paralelamente a
uma das paredes até o final da
mesma;


               2 – Utilizá-lo em forma de “zig-zag”;

               3 – Quando o MOP estiver saturado de grãos

               e pó, limpar o MOP pó coma escova a fim de

               remover a sujeira.

Não levantar ou fazer movimentos para trás
com o MOP pó. Utilize a articulação para que
o MOP fique sempre junto ao piso.
Manuseio de Máquinas e Equipamentos
    Como escolher o MOP pó correto
          Algodão: As fibras de algodão são
          extremamente eficientes na coleta e
          retenção do pó e outras partículas. A
          utilização de tratamento no MOP pó de
          algodão aumenta drasticamente esta
          capacidade de retenção.


          Acrílico: As fibras de acrílico atraem o pó

          por eletrostática, eliminando a necessidade

          tratamento.
               Manuseio de Máquinas e Equipamentos
                      Sistema Aplicador de Cera
Maior produtividade
Evita contato direto das mãos com o produto;
Evita desperdício de produto;
Melhora a postura do operador, evitado dores nas costas.

                 1 – Abastecer o carro aplicador até
                 aproximadamente       metade     de  sua
                 capacidade;
                 2 – Mergulhe o aplicador no produto;


                 3 – Retire o excesso no espremedor;


                 4 – Aplicar com movimentos perpendiculares ao operador;

                 Ao terminar, lave a luva do aplicador em água corrente. Para
                 melhor resultado, repita sempre o movimento de aplicação
                 em sentido contrário à primeira aplicação.
 Manuseio de Máquinas e Equipamentos
            Sistema Rodo Limpa-Vidro
• Maior produtividade;
• Não é necessário utilização de escadas e andaimes;
• Reduz risco de acidentes;
• Não há necessidade de remoção dos móveis próximos às
vidraças.

O Rodo Limpa Vidro é um 4 em 1, podendo ser utilizado de
várias maneiras, com ou sem os cabos prolongadores:
• lavador;
•Rodo em separado;
•Lavador e rodo no sistema vice-versa;
• Lavando e secando na mesma passada.
• O cinto permite que o operador possa fazer
 as trocas entre o lavador e o secador
 de maneira rápida e prática.
Manuseio de Máquinas e Equipamentos

                Rodo para Piso
Os rodos para Piso da Tomki são disponíveis em duas
versões:
Borracha simples: perfil de borracha substituível,
para utilização em pisos abrasivos.
Borracha dupla:     Perfil duplo de borracha porosa,
especial para pisos irregulares ou com rejuntes.
Os rodos para piso da Tomki possuem um design
exclusivo que evita que a água passe por cima do
rodo, aumentando assim sua eficiência.
      Manuseio de Máquinas e Equipamentos

                            Carro Funcional
          É a estação de trabalho do operador, permitindo que
         todos os equipamentos sejam levados de uma vez só.
          A   utilização   do       Carro   Funcional    evita   esforços
         desnecessários         e     reduz     a       quantidade    de
         deslocamentos.



                Vantagens
• Maior produtividade;
• Menor desgaste físico do trabalhador;
• Melhor apresentação
          FIEAM
             IEL


       INSTITUTO EUVALDO LODI




                                         Formação em Limpeza e
                                         Conservação Profissional

                                      Módulo VII:
Padrão de Qualidade:
                                      Limpeza Técnica

       Sindicato dos Empregados em
               Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas -
                         SEEACEAM
                    Limpeza Técnica

                  Sanitários
Procedimentos Iniciais
  Preparar o material, diluir o detergente, desinfetante e demais
 produtos
 Equipar o carro funcional, com tudo que será necessário
 Analisar o desinfetante para que o bactericida seja adequado
 Sinalizar entrada do wc com placa de área em manutenção
 Abrir as janelas
 Dar descarga nos vasos sanitários, com as tampas abaixadas
 Dar descarga nos mictórios
 Sempre ao executar as atividades, utilizar os seguintes EPI’s :
   – a) Luva;
   – b) Calçado hidrofugado;
   – c) Máscara e Óculos de segurança.
                  Limpeza Técnica
                  Sanitários e Mictórios

Procedimento Seqüencial:
  Acionar a descarga dos vasos sanitários (com as tampas
 abaixadas) e mictórios.
  Borrifar o detergente germicida Desinfet Floral na parte interna
 do vaso, no assento, na tampa, abaixo da borda interna, borda
 externa, laterais e botão descarga.
  Deixar o produto agir pelo tempo recomendado pelos fabricantes.
  Esfregar a parte interna com escova e as demais partes com
 esponja com suporte manual não abrasiva.
  Acionar a descarga e adicionar o produto
  Enxaguar, secar a tampa e parte externa com pano limpo e seco
  A limpeza inclui os suportes do assento e parafusos da tampa e
 do vaso.
 Observações: Para mictórios o processo de limpeza é o mesmo.
                Limpeza Técnica

             Divisórias, paredes e portas
Procedimento Seqüencial:
 Pulverizar o detergente germicida Desinfet Floral nas
 paredes,    divisórias   e   portas,   em   pequenas   áreas,
 iniciando sempre pela parte mais alta, deixando o
 produto agir por alguns instantes e enxaguar.
 Passar o pano nas partes previamente pulverizadas, não
 esquecendo a limpeza de batentes, dobradiças, trincos,
 cabideiros e parte superior das portas e divisórias,
 secando-os.
 Observação: Não utilizar nenhum tipo de esponja
 abrasiva.
                Limpeza Técnica
          Remoção de riscos e pichações
Procedimento Seqüencial:
 Se o procedimento de limpeza normal de divisórias,
 paredes e portas não removeu os riscos e pichações,
 providenciar limpeza com Limpador Geral K9000.
  Aplicar o produto com esponja macia, friccionando-a e
 deixando o produto agir por alguns instantes.
  Remover com o pano, o máximo de resíduos do produto.
 Com a esponja com suporte manual úmida (apenas
 água), providenciar enxágüe do local, retirando
 completamente resíduos do produto.
  Secagem completa do local com pano de limpeza.
Observação:
  Tomar todo o cuidado para que o produto não entre em contato
 com outros produtos utilizados na limpeza sanitária.
               Limpeza Técnica

      Limpeza de pias, cubas e bancadas
Procedimento Seqüencial:
  Borrifar o detergente germicida K9000 na bancada,
 torneiras, cubas e registros.
 Deixar o produto agir.
 Esfregar com esponja com suporte não abrasiva.
 Enxaguar com água
 Secar com pano limpo e seco
  Não esquecer a limpeza dos encanamentos e parte
 inferior das pias.
               Limpeza Técnica

       Limpeza de toalheiros, papeleiras e
                     saboneteiras
Procedimento Seqüencial:
 Borrifar o K9000 no pano ou esponja e passar nos locais
 a serem limpos.
 Deixar o produto agir.
 Se necessário, esfregar com esponja não abrasiva.
  Secar com pano de limpeza de cor amarelo, limpo e
 seco.
  Observações: Na limpeza dos toalheiros e papeleiras
 atenção para não molhar as folhas.
             Limpeza Técnica

           Limpeza de espelhos
Procedimento Seqüencial:
 Borrifar limpa vidro na luva do Rodo limpa-vidros.
 Passar a cabeleira umedecida nos espelhos/vidros.
 Em seguida secar com o rodo, enxugando a
 borracha após cada passada;
 Efetuar sempre a limpeza da parte mais alta para
 a mais baixa e sempre em um só sentido atingindo
 dessa forma todas as partes a serem limpas.
               Limpeza Técnica

                 Limpeza de piso
Limpeza seca
Procedimento Seqüencial:



 Mopear o piso com MOP pó algodão ou acrílico para
 remover partículas sólidas e pó;
 Coletar os resíduos com a pá coletora de lixo e
 descartar no cesto de lixo.
 Nunca utilizar os ralos para descarte de resíduos
 sólidos.
                  Limpeza Técnica
                       Limpeza de piso
Limpeza Úmida
Procedimento Seqüencial:
  Sinalizar a área com a placa de sinalização de piso molhado.
  Imergir a cabeleira do MOP úmido na solução detergente
  Tire o excesso com o espremedor, até que a cabeleira fique
 apenas úmida
  Inicialmente   mopear   as   laterais   (paralelo   às   paredes   e
 divisórias, a fim de evitar respingos)
 Mopear as áreas centrais em formato de oito;
  Mopear todo o piso, conforme procedimento específico
  Ao final, seque o ambiente com rodo e pano de chão
 Enxaguar o piso com água limpa utilizando o MOP úmido
  Secar com MOP bem torcido para retirar o produto do piso.
                  Limpeza Técnica
                     Limpeza Comercial
Procedimento:
 Tire a poeira dos móveis com pano seco e depois limpe o chão.
 Aspire tapetes e carpetes, evite arrastar móveis sobre eles.
  Em pisos de madeira ou similares, use MOP úmido bem torcido.
 Semanalmente, limpe os vidros.
 Passe pano úmido com detergente neutro RICEL, em portas,
 esquadrias e persianas.
 Aplique lustra-móveis nas peças que requerem o produto.
 Aspire sofás. Computador, TV a parte de cima de janelas e
 portas, depois limpe com pano úmido e K9000 (1:50);
 A cada 15 dias, higienize o carpete, Mensalmente, lave paredes
 pintadas e Semestralmente, lave cortinas e tapetes.
               Limpeza Técnica
                 Limpeza Industrial



Conceito:    Limpeza     de   máquinas,     equipamentos,
acessórios, ferramentas, utensílios industriais;
Não faz parte da limpeza domissanitária;
Requer conhecimento de materiais e seus respectivos
detergente/solventes;
Grande risco de acidentes de trabalho;
Cronograma de trabalho rígido;
Mão-de-obra especializada e atualizada;
Uso de EPI específico;
                Limpeza Técnica
                 Limpeza Industrial
Procedimento:
 Isolar a área e sinalizar com placa “Equipamento em
 Manutenção”;
 Desligar o equipamento e aguardar esfriar;
 Isolar materiais sensíveis aos produtos a serem usados;
 Retirar excesso de pó com escova úmida;
 Limpar externamente com detergente neutro;
 Limpar manchas de óleo com desengraxante;
 Limpar vidros e monitores com limpa-vidros;
 Limpar piso com desengraxante
 Retirar o isolamento e a placa.
                 Limpeza Técnica

                     Abastecimento Geral
Procedimento Seqüencial:

  O   Profissional   de   limpeza   deverá   estar   atento   ao
 abastecimento de Papel Toalha, Papeis Higiênicos e
 Sabonete líquido
  Para os sanitários pouca circulação, manter no depósito
 local (no próprio sanitário), pelo menos um Rolo de Papel
 Higiênico e um Rolo de Papel Toalha sobressalente.
 Para sanitários de grande circulação, no mínimo 2 rolos
 de cada um dos produtos.
 O Neutralizador de Odores, deverá ser substituído a cada
 30 dias.
                Limpeza Técnica
      Procedimentos e Observações Gerais
Ao final, limpar o material e guardar no local pré-definido
 Nunca utilizar a rede hidráulica para armazenamento
equipamentos, acessórios e produtos.
 Nunca deixar os materiais e acessórios esparramados pelo
sanitário, ou dependurados em portas, janelas, etc.
 Na execução das atividades, tomar todo o cuidado com os
usuários que encontram-se em circulação no sanitário.
 O material necessário deve estar disponível no Carro
Funcional para evitar deslocamentos
 No acionamento da descarga são lançadas no ar bactérias,
como ocorre quando se tosse ou espirra.
Informar sobre reparos necessários
Nunca utilizar os vasos sanitários para limpeza de panos.
                   Limpeza Técnica
          Limpeza de Cozinhas Industriais
Varrer, com vassoura de pêlos todo o ambiente, removendo restos
de alimentos e produtos
Retirar lixo das lixeiras, removendo para o local determinado, e
higienizar as lixeiras, com detergente desinfetante RICEL Z4;
Começar a limpeza pelas paredes com suporte e fibra macia, de
cima para baixo, não molhar as tomadas, limpando-se os rejuntes.
Desengordurar com EFICAZ DX bancadas, coifas, exaustores,
pias, mesas, etc, com o auxílio de fibras de limpeza.
As portas e janelas pelo lado de dentro, devem ser limpas quando
da limpeza das paredes.
Lavar os pisos com detergente concentrado EFICAZ DX com
Enceradeira e disco Verde ou Preto.
                    Limpeza Técnica

      Limpeza e higienização de bebedouros
Materiais e acessórios
 K9000 diluído a 1:50.
 Detergente Neutro RICEL, Diluído de acordo com as instruções
 do fabricante.
 Esponja macia.
 Polidor de metais.
 Pano de Algodão, na cor Verde Claro.
 Luva de látex
 2 Frascos pulverizadores, contendo Detergente Neutro e K9000
 respectivamente.
 Placa de Sinalização de “Equipamento em Manutenção”
                  Limpeza Técnica
      Limpeza e higienização de bebedouros
Procedimento seqüencial
 Sinalizar o local com a placa de “Equipamento em Manutenção”.
 Desligar o bebedouro
 Iniciar pela parte de cima, pulverizar detergente neutro limpando
 com esponja macia, utilizando a própria água do bebedouro.
 Secar com pano de limpeza.
 Aplicar K9000, priorizando os bicos, com esponja.
 Enxágüe com a própria água do bebedouro e NÃO SECAR.
 Limpar a parte de baixo com detergente neutro.
 Secar com pano e aplicar polidor de metais para concluir.
 Ligar o Bebedouro na tomada e liberar a área
                    Limpeza Técnica
                    Limpeza de carpetes
Dicas de Manutenção e Limpeza
 Aspiração diária
 Remoção imediata de substâncias derramadas
  Se for líquido: absorva imediatamente com papel;
 Se for sólido: rape, não esfregue.
 Nos dois casos, sempre limpe das bordas para o centro das
 manchas.
 Não use tira-manchas antes de limpar bem os resíduos.
  Manchas novas: água mineral, deixe alguns segundos e
 seque
  Manchas antigas: 2 colh. de detergente, 3 de vinagre em 1
 L d’água morna. Vá passando e tirando em pano limpo, até
 que fique bem seco.
 Limpeza profunda pelo menos a cada trimestre;
                Limpeza Técnica
                Limpeza de carpetes
Dicas de Manutenção e Limpeza
 Vinho tinto: Pode achar estranho: limpe com vinho
 branco!
 Um bom removedor instantâneo é a espuma de barbear. Depois,
 lave com água e seque com papel absorvente.
 Se grudar goma de mascar, passe um cubo de gelo até
 que fique duro e quebre. Depois um removedor de
 manchas para dar o acabamento.
 Se cair cola, experimente amolecê-la colocando no lugar
 um pano embebido no vinagre.
 Manchas esferográficas: coloque spray de cabelo na
 mancha e deixe secar e depois escove lentamente com
 uma solução de água e vinagre.
          FIEAM
             IEL


       INSTITUTO EUVALDO LODI




                                         Formação em Limpeza e
                                         Conservação Profissional

                                      Módulo VIII:
Padrão de Qualidade:
                                      Tratamento de Pisos

       Sindicato dos Empregados em
               Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas -
                         SEEACEAM
         Tratamento de Pisos
        Os pisos dividem-se em:

• Quentes: Retém por algum tempo as calorias. São os

 carpetes de fibras, os pisos de madeira em geral.

• Frios: São os pisos de pedras, vinílicos, emborrachados, e

 até os de madeira com tratamento (Sinteko ou Cascolac).

 Os pisos quando tratados, ficam com
aparência excelente, protegem contra o
desgaste excessivo nas áreas de grande
tráfego, aumentam a segurança pois
tornam-se    antiderrapantes,   além   de
facilitarem a limpeza e desinfecção.
         Tratamento de Pisos
         Granitos, Mármores polidos e Vitrificados
Os granitos e mármores com polimento, bem como os
vitrificados de alta resistência, são pisos "selados", ou seja
não são porosos, não devem ser tratados com sistemas de
acabamentos acrílicos. A limpeza diária deve ser realizada
com um detergente neutro RICEL diluído e polir com
enceradeira e disco branco para realçar o brilho.
                  Antes de tudo, analise a superfície a ser
                  tratada:
                   Identifique o tipo de piso a ser tratado;
                   Qual o melhor produto a ser utilizado;
                   Como utilizar esse produto;
                   Ter certeza que o produto não afetará a
                  qualidade do piso;
        Tratamento de Pisos

1.0 Processo de Implantação de Tratamento de
    Piso:
   1.1 Identificar o Piso;
   1.2 Avaliar as condições físicas;
   1.3 Identificar as situações que poderão interferir no
       bom andamento operacional;
   1.4 Organizar e instruir a equipe que será responsável
       pela qualidade do serviço;
   1.5 Dimensionar a qualidade dos produtos;
   1.6 Definir o Cronograma de Implantação;
   1.7 Efetuar o pedido dos produtos;
           Tratamento de Pisos
   Tratamento de pisos Granelite, Mármore Branco,
Travertino e Pedras Ornamentais (Impermeabilização)
Jamais deve-se lavar piso com produtos como: ácido, cloro,
água sanitária ou "limpa pedra".
Isolar outros materiais próximos (apliques de madeira,
tomadas elétricas, batentes de granito ou mármore)
Remover todas as partículas sólidas com MOP PÓ;
 Remover toda encrustração de ceras antigas com Removedor
ATYVE e Enceradeira com Disco Preto;
Neutralizar o piso com detergente neutro RICEL
Aplicar 2 demãos de Base Seladora RICEL;
Aplicar 3 demãos de acabamento acrílico RICEL.
 *Obs.: Em Pedras Mineira, Luminária, Goiás Amarela, Arenito ou
outra muito porosa, a aplicação de demãos de base selante acrílica
ou Cera Acrílica poderá aumentar conforme a necessidade,
            Tratamento de Pisos
             Manutenção de Pisos Tratados
Manutenção Diária
 Remover os resíduos sólidos com MOP Pó;
 Lavar o piso com limpador K9000 diluído em água até (1:300);
 Utilizar   Lavadora   Automática   ou   Enceradeira   com   disco
 Vermelho;
Manutenção Periódica:
 Remover os resíduos sólidos com MOP Pó;
 Lavar o piso com limpador K9000 diluído em água até (1:100);
 Utilizar Lavadora Automática ou Enceradeira com disco Verde
         Tratamento de Pisos
         Manutenção de Pisos Tratados
Restauração:
 Para obter o brilho inicial, utilizar lustradora HI-SPEED,
 com disco “Pêlo de Porco”, ou Enceradeira com disco
 Vermelho à seco;
 Em áreas críticas de alto tráfego, Restaurar a cada dois
 dias;
 Em áreas semi-críticas de médio tráfego, restaurar a cada
 sete dias;
 Em áreas não-críticas de baixo tráfego, restaurar a cada
 quinze dias. Após a quinta restauração aplicar 2 demãos
 de HS RICEL;
        Tratamento de Pisos
                Tapete de Contenção
 Uma das principais funções do tapete é criar uma
barreira de contenção de sujeiras para proteger o piso
contra desgaste prematuro causado pelo atrito
proveniente do tráfego de pessoas.
Se considerarmos que uma lixa nada mais é que grãos
abrasivos colocados numa folha de papel, e que o seu
uso com o simples peso das mãos consegue desbastar
até aço, não é difícil imaginar o desgaste provocado
sobre um piso, por pessoas pesando em média 70 kgs,
transportando poeira abrasiva em seus calçados. Por
mais duro que seja o revestimento precisa ser de
alguma maneira preservado para que tenha uma vida
mais longa, como também se mantenha mais limpo e
bonito valorizando o ambiente.
        Tratamento de Pisos
           Comprometimento com o Cronograma


Para o êxito do projeto, o comprometimento deverá
 ser todos, portanto, é crucial o envolvimento das
 áreas da Organização responsáveis pela manutenção
 dos pisos. Para a garantia de que os ensinamentos
 serão cumpridos ao longo do tempo, podemos
 desenvolver multiplicadores dentre os próprios
 profissionais   do    grupo,   capacitando-os    na
 metodologia     do    programa    de     tratamento
 (impermeabilização) de pisos. Assim, eles poderão
 estar apoiando todo o trabalho a ser desenvolvido e
 treinando os novos colaboradores.
          FIEAM
             IEL


       INSTITUTO EUVALDO LODI




                                         Formação em Limpeza e
                                         Conservação Profissional

                                      Módulo VIII:
Padrão de Qualidade:
                                      Higiene e Limpeza em
                                      Instituição de Saúde
       Sindicato dos Empregados em
               Empresas de Asseio e
Conservação do Estado do Amazonas -
                         SEEACEAM
              Limpeza Hospitalar

 Exige mais cuidados, por ser, além de estética,
também esterilizadora
 Processo    desinfetante    que     visa   eliminar
microrganismos     patogênicos   que    podem    ser
transmitidos através da contaminação do ambiente.
 todos os hospitais são obrigados, por lei, a ter um
programa permanente de controle e prevenção da
infecção hospitalar (C.C.I.H. - Comissão de Controle
de Infecção Hospitalar)
A C.C.I.H. deve indicar, o tratamento de limpeza e o
sanificante a ser adotado, considerando a patologia
do paciente que ocupou o ambiente a ser higienizado.
                  Limpeza Hospitalar
Produtos para limpeza e desinfetantes para superfícies fixas
  Hipoclorito de sódio: A concentração para piso e parede é 1%,
 sua ação germicida é garantida até 24 horas em recipiente com
 tampa. É usado para desinfecção por 10 min.
 Álcool Etílico a 70%: Usado para desinfecção de vidro e metais
 (janelas/bancadas). Exige diluição sob supervisão do farmacêutico,
 visto que o produto é comercializado a 90º GI (grau centesimal de
 álcool absoluto em volume), para desengordurar vidraças, 96º GI.
 Detergente líquido: usado com água para lavar ou Mopear em
 todas as superfícies hospitalares.
 Cera    anti-derrapante        HS    RICEL:   protege    o    piso
 evitando acúmulo de microrganismos. As orgânicas (à base
 de Carnaúba e outras) são proibidas pelo MS, e fiscalizadas
 pela ANVISA, pois, favorecem a infecção hospitalar.
              Limpeza Hospitalar
               Procedimentos de limpeza
1 Classificação das áreas hospitalares
Áreas críticas: risco maior de transmissão de infecção
     Centro Cirúrgico;
     CTI;
     Isolamento;
     Banco de Sangue;
     Laboratório de anatomia patológica;
     Centro de material;
     Laboratório de análises clínicas e microbiologia;
     Pronto socorro;
     Cozinha;
     Lavanderia;
     Necrotério;
            Limpeza Hospitalar

        Procedimentos de limpeza
1 Classificação das áreas hospitalares
Áreas Semi-Críticas
•·     Enfermarias em geral;
•·     Ambulatórios.
Áreas Não-Críticas
•·     Administração;
•·     Salas de aulas;
•·     Farmácia.
               Limpeza Hospitalar

              Procedimentos de limpeza
2 Tipos de Limpeza

 Limpeza TERMINAL          - Após a alta, transferência ou
 óbito do paciente;

 Limpeza CONCORRENTE - Diária;

 Limpeza IMEDIATA      -   No momento da ocorrência;

 Limpeza PERIÓDICA     -   Programada;

 Limpeza PREPARATÓRIA - Remoção de poeira na sala de
 cirurgias.
                    Limpeza Hospitalar
                    Procedimentos de limpeza
Limpeza terminal:
 Devem ser limpos o piso, teto, parede e seus anexos, como portas,
 vidros, janelas etc.
 Equipamentos a serem utilizados: Rodo limpa vidros, MOP Pó, MOP
 Úmido e Balde com Espremedor.
 Descontaminação ou desinfecção de superfícies com desinfetante,
 em áreas que tiveram contato com matéria orgânica (sangue, pus ou
 fluídos corpóreos).      Em caso de surto, é recomendado o uso de
 desinfetantes em toda a extensão da superfície da área onde está
 ocorrendo o surto e na unidade do paciente.
 Obs.: As paredes devem ser limpas de cima para baixo e o teto em
 sentido unidirecional.
                 Limpeza Hospitalar
                 Procedimento de Limpeza
Limpeza Concorrente de quartos ou enfermarias
 Reunir todo o material necessário no Carro Funcional;
 Colocar o carro ao lado da porta de entrada do quarto ou
enfermaria, sempre do lado de fora;
 Cumprimentar o paciente e explicar o que será feito;
Colocar os EPI necessários para a realização da limpeza;
Recolher os sacos de lixo, fecha-los adequadamente e deposita-los
no saco do Carro Funcional;
Repor novos sacos nas lixeiras;
Remover as partículas sólidas com MOP Pó;
Limpar o piso com MOP úmido e solução de RICEL Z4, em formato
de oito, do fundo para a porta de entrada;
Iniciar a limpeza do banheiro;
                 Limpeza Hospitalar
                 Procedimento de Limpeza
 Recomendações:
 Não abrir ou fechar portas com as mãos enluvadas;
 Não deixar materiais de limpeza nos quartos ou banheiros, devem
 ser guardados após lavados e secos (na lavanderia), na sala de
 materiais de limpeza da unidade;
 Não deixar panos e Refis de MOPs de molho, evitando assim a
 proliferação de microorganismos.
Lembre-se:
 Após a utilização do MOP úmido no piso de um quarto ou
 enfermaria, deve-se lavar e enxágua-lo com água e detergente e
 trocar a água do balde com espremedor, antes de prosseguir com a
 limpeza em outro piso;
 Após o término do uso diário do MOP, deve-se encaminha-lo à
 lavanderia para ser processado;
              Limpeza Hospitalar
Precauções padrão:
Em pacientes portadores de diarréias, herpes, impetigo,
furúnculos, escabiose e queimados:
Utilizar luvas;
Lavar as mãos;
Desinfetar áreas ao redor do paciente, cama, criado-
mudo, mesa de refeição, suporte de soro, etc.;
Desinfetar áreas utilizadas pelos pacientes contaminados:
assento de vasos sanitários, pias, comadres, chão etc.
Lixo administrativo: deve ser acondicionado em sacos
pretos e o destino final é a lixeira pública;
Lixo hospitalar: deve ser acondicionado em sacos brancos,
com espessura de 6 mm, e o destino final é o incinerador.
               Limpeza Hospitalar
Limpeza de piso de corredores com Máquina Extratora

  Reunir todo material necessário no Carro Funcional;
  Colocar os EPIs necessários para a realização da limpeza;
  Dividir o corredor ao meio utilizando fitas indicativas,
  cones ou placas de sinalização impedindo, assim a, o fluxo
  de pessoas na metade do corredor a ser limpo;
  Utilizar máquina de lavar pisos com disco Vermelho
  (Diária) ou Verde (Periódica);
  Passar máquina sobre o piso em sentido unidirecional;
  Liberar a metade      do   corredor   para   o   fluxo   dos
  transeuntes;
  Repetir a operação no outro lado do corredor.
               Limpeza Hospitalar
Limpeza de piso de corredores com Enceradeira
  Reunir todo material necessário no Carro Funcional;
  Colocar os EPIs necessários para a realização da limpeza;
  Dividir o corredor ao meio utilizando fitas, cones ou placas
  impedindo o fluxo de pessoas na metade do corredor;
  Utilizar Enceradeira com disco Vermelho (Diária) ou Verde
  (Periódica);
  Passar Enceradeira sobre o piso em sentido “Zig Zag”;
  Retirar o resíduo do piso, com pá coletora e Balde;
  Utilizar MOP úmido e Balde Espremedor para enxugar o
  piso;
  Liberar a metade      do   corredor   para   o   fluxo   dos
  transeuntes;
  Repetir a operação no outro lado do corredor.

								
To top