Apostila curso PDCA/MASP by adilsonbarroso

VIEWS: 11,054 PAGES: 42

More Info
									PDCA/MASP


Facilitador: Adilson Barroso

      Manaus,   abril de 2007
Evolução da Qualidade

                                                          Século
                                                           XXI
                                             Década
                                             De 80       SGI – ISO
                                  Década                9000/14000
                                   de 60       SGQ        /18000
                       Final 2ª
                       Guerra                ISO 9000
            Décadas              Qualidade
                        Sistema    Total
Virada do de 20 e 30
                       Garantia
Séc. XVIII
           Controle da Qualidade
           Qualidade
Inspeção
em Massa
    Aspectos da Qualidade Total
   Qualidade: Características específicas do
    produtos ou serviço que produzem a satisfação
    do Cliente;
   Custo: custo operacional para fabricação do
    produto ou serviço, exemplo: custo do
    material, custo de venda, custo da produção;
   Entrega: diz respeito a quantidade, na data,
    horário e local certos;
   Moral: satisfação das pessoas que trabalham
    na empresa e da sociedade em geral
   Segurança: segurança das pessoas que
    trabalham na empresa e das pessoas que
    utilizam o produto e serviço.
Conceitos da Qualidade
O que é Qualidade???
A qualidade é a capacidade de satisfazer as
 necessidades das pessoas, tanto na hora
 da compra, quanto durante a utilização, ao
   melhor custo possível, minimizando as
 perdas, e melhor do que os concorrentes.
  Conceitos da Qualidade
              Processo produtivo
       É a utilização de diversos recursos
         produtivos na transformação de
       materiais, insumos e informações em
               um produto ou serviço.

Máquinas
Material
                Processamento de   Produto ou
Mão-de-Obra
                   materiais e       Serviço
Meio ambiente
                     insumos
Método
Medida

Entrada         Atividade           Saída
Conceitos da Qualidade
                Problema
É todo resultado ou situação não
   desejado ou não esperado.
 Um problema pode ser:
      Um resultado indesejado
      Uma situação adversa
      Um desconforto
      Um custo alto
      Um desperdício
      Uma anomalia etc...
Conceitos da Qualidade
               Meta
É um objetivo planejado a ser
  alcançado no futuro.
 Uma meta é composta por:
     Objetivo
     Valor numérico
     Tempo determinado
Conceitos da Qualidade
Problema X Meta

                         Nível
                         Desejado



                         Nível
                         Alcançado
      Conceitos da Qualidade
    Um Problema pode se apresentar:
    Na Qualidade: reprocesso, conserto, refugo e falha
     no campo;
    No Custo: Desperdício (material, tempo, recursos
     etc)
    Na Segurança: atos e condições inseguras que
     expõem o ser humano ao risco de acidentes
    No ambiente de trabalho: desde o acesso aos
     materiais e localização de ferramentas e
     equipamentos, até a postura de trabalho,
     comprometem o moral das pessoas e a qualidade.
    Na Entrega: atrasos de produção, paradas de linha
     e entrega de lotes incompletos entre clientes
     internos, informação, bloqueio de produtos
     (colaboradores e áreas de interface)
    Conceitos da Qualidade
Causa
   “São os motivos que levam o
    surgimento do resultado indesejado ou
    seja, do PROBLEMA”

Efeito
   “É o resultado físico ou emocional de
    um ato, ação, processo realizado, que
    nem sempre é esperado”

   O efeito da queima de gás é a chama
   Os efeitos da chama num ambiente são
    Calor e Luz
Conceitos da Qualidade
                         Solução
      Evitar, isolar ou eliminar as causas de problemas.
      Para resolver um problema deve-se “enjaular” a
       causa, montar uma ação para que a anomalia não
       ocorra mais.
                 Ação de Disposição
      “É uma ação temporária que minimiza as causas
       do problema, porém não as elimina”.
                  Ação de Corretiva
      Ação de tratamento das causas reais.
                   Ação Preventiva.
      É a eliminação definitiva das causas do problema
   Metodologia PDCA
O ciclo PDCA é um método
gerencial de controle que pode
ser utilizado por toda a
empresa. É um caminho para
que o controle de processos
possa ser exercido de forma
sistemática e padronizada.


O      entendimento      dos
problemas é fundamental para
uma atuação precisa.
 O que é PDCA?
PDCA é um método utilizado para se resolver os
      problemas e promover melhorias

               Padronização Identificação



                                   Análise do Fenômeno
            Ação Corretiva
              Verificação         Análise do Processo


                       Ação
                              Plano de Ação
      Fases do PDCA
PLAN   - Planejar
                          Padronização Identificação
DO     - Executar
                                              Análise do Fenômeno
CHECK   - Verificar   Ação Corretiva

                         Verificação         Análise do Processo

ACTION-    Ação
                                  Ação
                                         Plano de Ação
(padronizar)
    Fases do PDCA
O PDCA possui 4 fases:

   PLAN    - Planejar

   DO      - Executar

   CHECK   - Verificar

   ACTION - Ação (padronizar)
Identificação do Problema
   É o momento de escolha do problema
    que será trabalhado demonstrando sua
    importância para a empresa.
   Essa demonstração poderá vir através
    dos indicadores de desempenho da
    empresa utilizando-se ferramentas da
    qualidade (como por exemplo o
    Diagrama de Pareto)
    Análise do Fenômeno
   É conhecer profundamente o
    problema, é saber onde ele está
    localizado.
   Nessa fase procuramos entender
    onde o problema ocorre (ao longo
    do tempo, onde ocorre com maior
    freqüência) etc.
   É importante também que se faça
    uma investigação do problema no
    local da ocorrência do mesmo.
Análise do Fenômeno
   Utilize dados e pesquise junto aos
    operadores, são eles quem realmente
    conhecem os problemas.
   Anote tudo o que for observado para a
    elaboração de uma conclusão.
       Para resolver um problema, precisamos
        saber onde ele está localizado.
       Necessitamos de informação para localizar
        o problema, então devemos fazer coleta
        de dados
    Coleta de Dados
   Dado: é um elemento ou quantidade conhecido que
    serve de base para resolução de problemas;
   Elemento que irá formar um julgamento (informação)
   Elemento da informação
   Exemplo de dado:
       Qtd. De scrap / refugo / reprocesso de campo
       Qtd. De horas de parada de linha
       Qtd. De turnos de ocorrência
       Qtd. Ou número de ferramenta
       Qtd. De equipamentos fora de padrão
       Número de ocorrências de acidentes
   Informação: é o conhecimento extraído dos dados
    coletados
   Ferramentas da Qualidade
                           Folha de
          DO FENÔMENO       Verificação
                           Estratificação
ANÁLISE
                           Pareto

          DO PROCESSO      Brainstorming
                           Causa e Efeito

            SOLUÇÃO        5W1H
Folha de Verificação
   Definição:
   São formulários elaborados para
    facilitar o registro e análise de dados
    obtidos numa coleta. Também
    conhecidos por check-list.
   Objetivo: sistematizar a forma de fazer
    observações, visando obter um quadro
    claro e preciso dos fatos.
   Quando Usar? Em qualquer processo
    que necessite coleta de dados.
Folha de Verificação
                  PRECAUÇÕES
   Na elaboração da Folha de Verificação
    devemos:
      Elaborar um formulário que além de tudo
       seja claro, adequado à situação e de fácil
       manuseio;
      Assegurar que todas as pessoas
       envolvidas na coleta de dados,
       interpretem-na da mesma maneira,
       usando os critérios estabelecidos, ou
       seja, todos devem estar observando a
       mesma coisa.
      Certificar que as medidas sejam
       confiáveis.
    Estratificação
                      Definição:
    Técnica usada para separar criteriosamente um
       conjunto de dados em grupos ou categorias.
   Objetivos:
     Facilitar a identificação e análise de dados,
       possibilitando o estudo pormenorizado dos
       seus efeitos.
   Quando usar?
     Para detectar um problema, quando os dados
       provém de fontes distintas deixando claro
       onde ele ocorre e onde não ocorre;
     Para separar os dados conforme
       características distintas pré-definidas.
Estratificação
      Erros comuns que devem ser
                evitados
   Deixar de selecionar as variáveis
    vitais do processo
   Deixar de estabelecer as
    categorias pertinentes
   Estratificar em demasia.
    Gráfico de Pareto
   São gráficos utilizados para classificar causas que
    atuam em um dado processo de acordo com seu grau
    de importância.
   A técnica é baseada no Princípio de Vilfredo Pareto, o
    qual estabelece que poucas causas são responsáveis
    pela maior parte dos efeitos.
   É uma das ferramentas mais eficientes para encontrar
    problemas e estimar a magnitude dos possíveis
    benefícios.
   É um gráfico de barras dispostas em ordem
    decrescente, com a categoria de maior freqüência de
    ocorrência à esquerda, na qual cada barra representa
    uma causa.
Gráfico de Pareto
                Análise de Pareto
   É possível identificar quais causas são responsáveis
    pelos maiores efeitos e dessa forma, conseguir
    priorizar as ações.
   "Um diagrama de Pareto separa os ‘poucos e
    significantes’ problemas de um processo ou produto
    dos ‘triviais e muitos’ problemas." [GITLOW,
    1993:71]
Gráfico de Pareto
                 Quando usar?
   Sempre    que    for   preciso ressaltar a
    importância relativa entre problemas ou
    condições no sentido de :
       Escolher o ponto de     partida   para   a
        solução de problemas
       Avaliar o progresso de um processo
       Identificar a causa básica de um problema
 Gráfico de Pareto
                  Como Fazer?
1.   Defina o objeto de análise
2.   Estratifique o objeto a analisar;
3.   Colete os dados utilizando uma Folha de
     Verificação
4.   Construa o gráfico, após determinar       as
     escalas do eixo horizontal e vertical
5.   Construa a curva da % acumulada. Ela
     oferece uma visão mais clara da relação entre
     as contribuições individuais de cada um dos
     fatores.
      Exemplo de Folha de
      Verificação                                                                                                        %
                                                                                                           %
                                                                                           Reclassifica                      Acu
      Tipo de Defeito                       Tabulação                       Qtd por item
                                                                                                  ção
                                                                                                               Indivi
                                                                                                                             mula
                                                                                                                dual
                                                                                                                              do

Parafuso solto          IIIII IIIII II                                          12             6º         6%            92%

Sujeira                 IIIII IIIII IIIII IIIII I                               21             4º         10%           78%
                        IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII
Riscos                              IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII III           68             1º         33%           33%


Solda                   IIIII IIIII IIIII                                       15             5º         7%            86%

Junção                  IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII I       41             2º         20%           54%

Alinhamento             IIIII IIIII IIIII IIIII IIIII IIII                      29             3º         14%           68%

Trinca                  IIIII IIIII                                             10             7º         5%            97%

Rebarba                 IIIII I                                                  6             8º         3%            100%

Bolha                   I                                                        1             9º         0%            100%
Total =                                                                        203
                                                                  GRÁFICO DE PARETO

                 200
                 180
                            Exemplo de Gráfico de Pareto                                           92%
                                                                                                                97%
                                                                                                                                 100%        100% 100%
                                                                                                                                                 90%
                                                                                    86%
                 160                                                  78%                                                                        80%

                 140                                                                                                                             70%
QTD DEFEITOS




                                                           68%




                                                                                                                                                         % DEFEITOS
                 120                                                                                                                             60%
                                               54%
                 100                                                                                                                             50%
                  80                                                                                                                             40%
                                  33%
                  60                                                                                                                             30%
                  40                                                                                                                             20%
                             68
                  20                      41                                                                                                     10%
                                                      29           21         15              12           10                6           1
                    0                                                                                                                            0%
                                                                                             to
                           o




                                                                                                                         a
                                                                 da




                                                                                                                                    ha
                                                     os




                                                                                                           a
                                        a




                                                                             ão
                            lt




                                                                                                                      rb
                                     eir




                                                                                           en



                                                                                                       inc
                         so




                                                   sc



                                                               l




                                                                                                                                     l
                                                                          nç




                                                                                                                   ba
                                                            So




                                                                                                                                  Bo
                                      j




                                                                                         am



                                                                                                    Tr
                                   Su



                                                Ri
                      o




                                                                        Ju




                                                                                                                Re
                   us




                                                                                     inh
                     f
                  ra




                                                                                  Al
               Pa




                                                                          DEFEITOS
Análise do Processo
   Conhecer profundamente o
    processo gerador do problema

   Descobrir os possíveis fatores que
    estão causando o problema, ou
    seja, descobrir as causas do
    problema.
Brainstorming - Tempestade De Idéias
Como se faz?
1.   Reúna no máximo dez pessoas que tenham
     conhecimento sobre o problema e possam
     contribuir para a solução.
2.   Distribua “Post it” aos participantes
3.   Estes, terão 5 minutos para escrever o maior
     número possível de causas de ocorrência do
     problema.
4.   O Líder do grupo deverá, juntamente com o
     grupo, agrupar as possíveis causas semelhantes
5.   Categorizar todas as possíveis causas no
     diagrama
6.   Priorizar as causas conforme suas importâncias
     Diagrama de Hishikawa
Este diagrama introduzido em 1943, também é conhecido como
diagrama espinha-de-peixe ou diagrama de Causa e Efeito - recebe
este nome em homenagem ao seu criador, Kaoru Ishikawa. Sua forma
é semelhante à espinha de peixe, onde o eixo principal mostra um fluxo
de informações e as espinhas, que para ele se dirigem, representam
contribuições secundárias ao processo sob análise.

     Máquina       Mão-de-Obra        Método




                                                         EFEITO

                           CAUSAS


 Meio Ambiente   Medida          Matéria-Prima
Diagrama de Hishikawa
   Os 6Ms – Grupos de Fatores
   Matéria-Prima: São todas                  as causas
    referentes à problemas de                 material e
    insumos e fornecedores.
       Está de acordo com a especificação?
       Houve troca de fornecedor?
   Mão-de-Obra: São causas ligadas às pessoas,
    por     aspectos,     culturais, psicológicos,
    educacionais,     treinamento,   motivacional,
    disciplina etc.
   Máquina: Causas referentes a máquinas,
    equipamentos, utensílios, aparelhos etc.
       Há manutenção preventiva adequada?
       Houveram modificações recentes?
       Há desgaste excessivo?
    Diagrama de Hishikawa
   Medida: causas referentes aos instrumentos de
    medição: Trena, Paquímetro, balança, Jig’s etc.
   Método: referente aos procedimentos
    operacionais ligados ao problema: FITs, Lay out,
    de armazenamento, práticas usadas, receitas etc.
       O método é lógico?
       Está dentro dos padrões e normas?
       Houveram modificações recentes?
   Meio Ambiente: compreende todas as causas
    referentes ao meio ambiente: Sujeira, poluição,
    luminosidade, umidade, temperatura etc.
     Análise do Processo
    Máquina       Mão-de-Obra        Método



                                                     META
                                                    PRODUTO
                                                   RESULTADO



Meio Ambiente   Medida          Matéria-Prima




   Causas => Processos                          Efeito => Produto
  (Fato Gerador do Problema)                        (Problema)
     Plano de Ação – 5W1H
 É composto de cinco elementos
 chamados 5W1H
 WHAT         WHY           HOW           WHERE          WHO           WHEN
 O QUE       POR QUE        COMO          ONDE           QUEM         QUANDO
Definas as     Defina o     Defina a        Defina o      Defina o      Defina o
 ações que     motivo      forma pela    local onde a   responsável    prazo de
devem ser    pelo qual a   qual a ação     ação será        pela      implantaçã
executadas    ação será       será        implantada    implantação    o da ação
             implantada     realizada




  Todos os envolvidos na implantação devem ter
     concordado com as ações propostas, suas
               datas e responsáveis.
Verificação
  Verificar a efetividade das ações
 de bloqueio
  Utilizar dados antes e depois das
 ações corretivas


      Caso a meta não seja atingida,
       volte a fase de planejamento,
       corrigindo o que não deu certo.
        Padronização
 Formalize as mudanças
promovidas pelo estudo realizado:
       Alteração de FITs, receitas,
        especificações, manual do produto etc
       Alteração de fichas de manutenção de
        equipamentos
       Comunicação aos interessados:
        Colaboradores, Clientes, Usuários,
        Parceiros, Fornecedores etc.
       Treinamento de operadores e técnicos
Ações Preventivas
    Ações que visam melhorar as
   atividades que realizamos hoje a
 fim de evitar problemas futuros ou
             reocorrência.


“FREIO DE RETROCESSO”
   Conclusão
Na utilização do método PDCA, é
 importante enfatizar que este é
  apenas o meio ou a forma de
pensar que devemos seguir, para
resolução definitiva das causa do
            problema.

  Quando falamos de problemas
oriundos de processos produtivos,
      é indispensável o uso de
   ferramentas da qualidade em
  conjunto com o método PDCA
 para uma análise estruturada e
    planos de ação consistentes.
   Obrigado a todos!
“Não corrigir nossas falhas, é o
mesmo que cometer novos erros”.
        Confúcio, Filósofo Chinês, 551 – 478 a.C.



                     Adilson Barroso
                               9163-9182
        anbarroso@bol.com.br
   http://abarroso.spaceblog.com.br

								
To top