Docstoc

REVOLTAS E MOTINS POPULARES

Document Sample
REVOLTAS E MOTINS POPULARES Powered By Docstoc
					                 REVOLTAS E MOTINS POPULARES


A História da ilha regista inúmeros motins populares o que lhes valeu por vezes das
autoridades do continente o epíteto de desordeiros. Na memória de muitos estão
presentes as revoltas que ocorreram no século XX e destas quase sempre refere-se
apenas a da Farinha(1931) e do Leite(1936), ignorando-se todas as outras convulsões,
como a do imposto ad valorem(1924) e as inúmeras de carácter político que
aconteceram durante o momento conturbado no século XIX. Mas, a História regista
outros motins, pautados por reivindicações de ordem económica, por inimizade e
afrontamento da arrogância das autoridades, em pleno fulgor das campanhas eleitorais,
por questões sociais e políticas. Até ao século dezanove foi evidente o braço implacável
dos corregedores enviados em alçada à ilha, enquanto no século XIX a Revolução
liberal trouxe-nos a novidade da presença repressiva de forças militares enviadas de
propósito da metrópole, mas que por vezes acabam por estar na origem de novas
revoltas, como sucedeu com a revolta da Madeira de 1931.

A História da Madeira assinala diversos motins nos primeiros séculos motivados
fundamentalmente por questões económicas. As dificuldades de abastecimento de
cereais a partir da década de setenta do século XV conduziu a inúmeras convulsões
sociais no meio urbano. A situação agravou-se em princípios do século XVII com a
presença de uma força espanhola, conhecida como do presídio. O não pagamento do
soldo a estes soldados levou a diversos motins de que ficou memória o de 1626 contra o
provedor da fazenda. A política especulativa dos mercadores ingleses na distribuição
das farinhas e cerais conduziu a outra convulsão social em 1694 sendo o principal alvo
o mercador inglês William Bolton. Todavia a primeiro motim é de carácter político e
tem por palco a ilha do Porto Santo. Em 1553 Fernão Bravo e Filipa anunciam-se os
habitantes do Porto Santo como profetas, arrastando consigo a maioria da população.

As convulsões com carácter político são inauguradas em 1641 com a restauração da
monarquia portuguesa. Os populares adeptos do novo rei manifestaram-se publicamente
e de forma violenta contra os vereadores e funcionários das instituições régias no activo
que eram fervorosos adeptos da causa castelhana. A 18 de Setembro de 1668 surgiu
outro motim de carácter político tendo com alvo o governador, D. Francisco de
Mascarenhas, preso quando se dirigia para quinta dos jesuítas em Água de Mel e depois
expulso da ilha, colocando em seu lugar o fidalgo Aires de Ornelas e Vasconcelos. Da
sindicância resultou a prisão e degredo de algumas personalidades madeirenses. Mas as
convulsões de carácter político terá o seu lugar predilecto a partir de 1821 com a
Revolução liberal..

Os distúrbios civis ou com a intervenção dos militares são uma constante até finais do
século, surgindo como repercussão das que acontecem no reino. Em 1829 revoltaram-se
os militares e em 1834, 1847, 1868 as revoltas do reino atingiram também a ilha. Os
actos eleitorais eram momentos de verdadeiro combate político, ocorrendo em muitos
destes motins provocados pelos adeptos ou chefes dos vários partidos ao nível regional.
A estes sucederam-se as revoltas em pleno acto eleitoral. A de 1868 ficou conhecida
como a revolta da pedrada e foi resultado dos conflitos entre os partidos Popular e
fusionista. A mesma agitação popular provocou em 1887-88 a criação das Juntas de
Paróquia. Ficou conhecida como a Parreca e agitou as populações em toda a ilha,
obrigando ao envio de batalhões militares dos Açores e Lisboa.

Em São Vicente estão referenciados tumultos da população, tendo dois como origem o
sistema de cobrança de impostos. O mais relevante ocorreu em 12 de Abril de 1868 e
levou à destruição total doa arquivo camarário. Os tumultos confundem-se com a
convulsão política que ocorreu a 8 de Março de 1868, ficando conhecida como a revolta
de pedrada. As eleições acirraram os ânimos entre os defensores dos partidos Popular e
Fusionista e foi esta conjuntura de afrontamento que fez despoletar a revolta popular
tendo como objectivo a aplicação do decreto sobre o sistema métrico decimal e a
abolição do imposto indirecto sobre a eira e o lagar que foi substituído pela contribuição
predial. O resultado disto foi a queima de toda a documentação do Arquivo Municipal,
perdendo-se irremediavelmente tudo o que estava aí depositado e não concretização do
acto eleitoral para as juntas de paróquia em Ponta Delgada e Boaventura. O sentimento
de revolta popular contra os impostos persistiu em 1880, 1897 e 1899.

A centúria oitocentista termina sob o espectro da morte face ao avanço da cólera-
morbus. Assim em 1894 a fúria popular aconteceu à entrada da cidade face à chegada
dos passageiros do vapor Funchal, vindo de Lisboa onde se dizia já grassava a doença.
Mesmo assim a doença alastrou a partir de Novembro de 1905 obrigando as autoridades
a isolar os doentes no Lazareto, considerado as masmorras da morte. Correram nas
cidades vários boatos sobre este isolamento que acenderam a revolta dos populares.
Assaltaram o isolamento, libertando os presos, e perseguiram o seu principal
responsável, o Dr. Balbino Rego. Episódio semelhante só em 1846 com o Dr. Robert
Reid Kaley, perseguido pela populaça por propagandear o calvinismo.

Os primeiros trinta anos do século podem ser considerados o momento de redobrada
agitação social. Primeiro foi a agitação resultante da ordem governamental que
determinou em Abril de 1911 que determinou o encerramento das fábricas de
aguardente. Em S. Vicente a câmara a 20 de Março apelou às autoridades para a
necessidade de o revogar face aos receios da ira popular mas a resposta do governo foi o
envio em segredo de uma força militar que não impediu que a revolta acontecesse. Em
1924 as câmaras decidiram lançar o imposto "ad-valorem" com o intuito de custear as
suas despesas e garantir o necessário equilíbrio orçamental. Note-se que esta faculdade
fora concedida pela lei nº.999 de 15 de Julho de 1920, regulamentada pelo decreto
nº.1956 de 31 de Dezembro de 1921. O imposto de 3% incidia sobre todos os produtos
exportados do concelho: vimes, cana, carne, coiros, peles, cereais, vinho aguardente,
aves, batata, lenha, madeira, nata e manteiga, bordados. De novo fez-se notar a ira
popular em S. Vicente, Câmara de Lobos e Ribeira Brava, obrigando as vereações a
acabarem com este imposto, enquanto o governador civil em circular explicava que
havia decidido aplicar o mesmo que se fazia nos Açores, isto é, a cobrança na alfândega.

As convulsões terminam na década de trinta com as mais celebrizadas revoltas
madeirenses que marcaram a época contemporânea. Os problemas económicos
decorrentes das dificuldades de abastecimento cerealífero estão na origem da convulsão.
Em 1921 foi o aumento do preço da farinha e já em 1931 foi o decreto que estabelecia o
monopólio da moagem que despoletou a revolta popular em Fevereiro e provocou a dos
militares a 4 de Abril. De novo em 1936 um decreto regulador dos lacticínios viria a
lançar o alvoroço em muitas das freguesias rurais, encerrando esta página tormentosa
das revoltas e motins. As peias do Estado Novo fizeram esmorecer o espírito
reivindicativo do madeirense.


BIBLIOGRAFIA: Henrique F.F. Valle, A Revolta da Madeira e a Comissão de
Inquérito. Breves Considerações e Apontamentos, Funchal, 1888. Fernando Augusto da
Silva, Elucidário Madeirense, III volumes, Funchal, 1965(entradas: motins populares,
peste bubónica, domínio castelhano, Rego, Dr. António de Balbino, Profetas). Pedro M.
Ferreira, Tumultos Populares na Madeira: A Parreca (1886-1887), Islenha, 4, 1989, 64-
70. IDEM, As eleições de 1887. Um Teste aos Republicanos da Madeira, Atlântico, 12,
1987,,295-302. João Adriano Ribeiro, Os Tumultos no Concelho de S. Vicente da
Madeira em 1868, Islenha, 17, 1995, 113-122. Alberto Vieira. S. Vicente Um século de
Vida Municipal, Funchal, 1997. António Pedro Gomes, A Peste bubonica na Madeira e
as suas consequencias, apontamentos, Lisboa, 1906, Dr. Antonio Balbino do Rego, Um
Ano Depois, Porto, 1907, IDEM, na Ilha da Madeira, Porto, 1907. João José Abreu de
sousa, a Patuleia na Madeira 847, Islenha, 14, 1994, 5-21.

Folhetos de poesia popular sobre o Dr. Rego: Farça do Lazareto, 13 pp., Sonho dum
Machiqueiro, 9 pp., Auto da Peste, 16 pp., O dr. Rego no Inferno, 8 pp., O Dedo da
Providencia, 8 pp., A Peste no Funchal (versos do Feiticeiro), 7 pp., A Peste Balbinica,
A Peste no Funchal, A Panelinha da Peste e um medroso, Os Primos do dr. Rego, O dr.
Rego enforcado, Confissões do dr. Rego, Os Pestilenciais no Funchal, A Despedida,
Canção da Peste, Má Peste dê nos Pestes, Farças e Farçantes, 1.ª 2.ª 3.ª e 4.ª partes, O
Bicho desapareceu, Viva o dia 7 de Janeiro de 1906, O Ultimo Suspiro, Assalto ao
Lazareto, A Peste no Funchal no dia 7 de Janeiro de 1906, Partida.