Docstoc

REALISMO ATIVIDADE

Document Sample
REALISMO ATIVIDADE Powered By Docstoc
					REALISMO

01 - (PUC SP/2007) No romance Dom Casmurro, o narrador declara: ―O meu fim evidente era atar as duas pontas da vida, e restaurar na velhice a adolescência‖. Entre as duas pontas, desenvolve-se o enredo da obra. Assim, indique abaixo a alternativa cujo conteúdo não condiz com o enredo machadiano. a) A história envolve três personagens, Bentinho, Capitu e Escobar, e três projetos, todos cortados quando pareciam atingir a realização. b) O enredo revela um romance da dúvida, da solidão e da incomunicabilidade, na busca do conhecimento da verdade interior de cada personagem. c) A narrativa estrutura-se ao redor do sentimento de ciúme, numa linha de ascensão de construção de felicidade e de dispersão, com a felicidade destruída. d) A narrativa se marca por digressões que chamam a atenção para a inevitabilidade do que vai narrar, como o que ocorre na analogia da vida com a ópera e em que o narrador afirma ―cantei um duo terníssimo, depois um trio, depois um quattuor...‖ e) O enredo envolve um triângulo amoroso após o casamento e todas as ações levam a crer na existência clara de um adultério. Gab: E 02 - (Unioeste PR/2007) Com base na leitura do romance Dom Casmurro, de Machado de Assis, assinale a alternativa INCORRETA. a) O título da obra é uma auto-ironia do narrador Bento Santiago que, ao chegar à velhice, pretende, através da narrativa, ―atar as duas pontas da vida‖. b) A desconfiança de Bento Santiago, em relação à possível traição de Capitu, é reforçada pela semelhança que ele acredita haver entre seu filho Ezequiel e seu amigo Escobar. c) José Dias tipifica a condição de agregado que, por não ter um papel social definido na família que o acolhe, sente-se na obrigação de agradá-la, sempre, como forma de garantir sua sobrevivência. d) Capitu morre no exílio, na Suíça, sem jamais ter voltado ao Brasil e Ezequiel morre nas imediações de Jerusalém. e) Ao reencontrar Ezequiel adulto, já formado em arqueologia, Bento Santiago arrepende-se de ter desconfiado de Capitu e de ter renegado o filho. Gab: E 03 - (UFSC SC/2007) TEXTO 4 ―Capitu deu-me as costas, voltando-se para o espelhinho. Peguei-lhe dos cabelos, colhi-os todos e entrei a alisá-los com o pente, desde a testa até as últimas pontas, que lhe desciam à cintura. Em pé não dava jeito: não esquecestes que ela era um nadinha mais alta que eu, mas ainda que fosse da mesma altura. Pedi-lhe que 5se sentasse‖. [...] ―Agora, por que é que nenhuma dessas caprichosas me fez esquecer a primeira amada do meu coração? [...] 10 E bem, qualquer que seja a solução, uma coisa fica, e é a suma das sumas, ou o resto dos restos, a saber, que a minha primeira amiga e o meu maior amigo, tão extremosos ambos e tão
1

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com

queridos também, quis o destino que acabassem juntando-se e enganando-me... A terra lhes seja leve!‖ ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: FTD, 1991, p. 65, 208 e 209. A respeito do TEXTO 4 e da obra Dom Casmurro, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S). 01. Em ―Peguei-lhe dos cabelos...‖ (linhas 1-3), ―...que lhe desciam‖ (linha 3) e ―Pedi-lhe que se sentasse‖ (linhas 4-5), a palavra destacada, embora sendo um pronome pessoal oblíquo, tem valor possessivo. 02. Os pronomes destacados em ―Capitu deu-me as costas‖ (linha 1), ―voltando-se para o espelhinho‖ (linha 1) e ―... que se sentasse‖ (linhas 4-5) são todos reflexivos, pois o mesmo indivíduo ao mesmo tempo que exerce a ação expressa pelo verbo, recebe os efeitos dessa ação. 04. Em ―Em pé não dava jeito‖ (linha 3), a elipse do sujeito nos remete a Capitu, que não conseguia pentear seus cabelos sem o auxílio do narrador. 08. Dom Casmurro é um romance com fortes tendências realistas, em que Machado exercita com maestria os longos textos descritivos e explicativos, prolongando a história e protelando o desfecho. 16. A narrativa gira em torno do triângulo Bentinho, Capitu e Escobar. Bentinho é o narrador que está vivo e relatando o triste desfecho da história de sua vida, cujos pilares foram Capitu e Escobar, que já estão mortos. 32. Bentinho tem certeza de que foi traído, e o romance oferece pistas para sua comprovação, como, por exemplo, a semelhança de Ezequiel com Escobar e uma carta reveladora deixada por Capitu. 64. Com a frase ―A terra lhes seja leve!‖ (linha 13), Bentinho revela acreditar que os dois possíveis amantes não merecem punição. Gab: 24

04 - (Unioeste PR/2007) Tendo em vista o romance Dom Casmurro, de Machado de Assis, assinale a alternativa INCORRETA. a) Bento não consegue atar as duas pontas da vida e recompor o passado, porque este só existe em sua memória e é da sua perspectiva que se constrói todo o romance. b) Uma vez que a narrativa é em flashback, a sombra de Escobar paira sobre a vida do narrador como uma maldição a corroer sua alma. c) Capitu e Ezequiel são proscritos, pois Bento não admite a hipótese de estar enganado e não permite que os fatos sejam relativizados. d) Na primeira parte do romance, dominada por Capitu, o amor, a inteligência e a confiança recíproca do casal Capitu/Bento triunfam sobre a promessa materna e a prevenção de classe. e) A perversidade de Bento Santiago, que tentara dar ao menino o café envenenado que preparara para si próprio, desaparece quando fica sabendo que Ezequiel morrera em viagem de estudos a Jerusalém. Gab: E 05 - (PUC SP/2007) A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas... As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela; Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou de carícias para a amiga, e quis levá-la; mas o cadáver parece que a tinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem o pranto nem palavras desta, mas grandes e abertos, como a vaga do mar lá fora, como se quisesse tragar também o nadador da manhã.

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com

O trecho acima, do romance de Dom Casmurro Machado de Assis, autoriza o narrador a caracterizar os olhos da personagem, do ponto de vista metafórico, como a) olhos de viúva oblíqua e dissimulada, apaixonados pelo nadador da manhã. b) olhos de ressaca, pela força que arrasta para dentro. c) olhos de bacante fria, pela irrecusável sensualidade e sedução que provocam. d) olhos de primavera, pela cor que emanam e doçura que exalam. e) olhos oceânicos, pelo fluido misterioso e enérgico que envolvem. Gab: B 06 - (UFRR RR/2007) O livro ―Dom Casmurro‖, de Machado de Assis, é comumente apontado como expressão de uma literatura: a) simbolista, de efeito estético que a aproxima do discurso filosófico. b) modernista, preocupada com as rupturas formais e com a crítica política. c) romântica, que contrapõe a moral dos padrões clássicos à ousadia dos novos-ricos. d) modernista-regionalista, de cunho social, preocupada com as representações políticas. e) realista, que se aprofunda nas relações humanas e nas representações dos personagens. Gab: E

07 - (UFAC AC/2007) Podemos afirmar que na Escola Realista: O Realismo e o Naturalismo são introduzidos em 1881 com as obras Memórias Póstumas de Brás Cubas e O Mulato. II. No Realismo há predomínio da vida concreta e exterior sobre a vida interior e abstrata. III. O melhor da produção realista está na poesia. a) b) c) d) e) Gab: D São corretas as afirmações II e III. Apenas a afirmação II é correta. As três afirmações são corretas. São corretas as afirmações I e II. São corretas as afirmações I e III. I.

08 - (UFPE PE/2007) Durante o século XIX, crescia no Brasil o número de leitores e verificava-se o surgimento de uma vida cultural na Corte brasileira. Esses acontecimentos eram resultado do gradual desenvolvimento das cidades, em especial a do Rio de Janeiro. Com o surgimento do Realismo, a sujeição do escritor ao público burguês é substituída pela crítica social. Assim, embora tenha publicado seu romance Memórias Póstuma de Brás Cubas como um folhetim, Machado de Assis já não se comporta como os escritores românticos, daí a necessidade do prólogo dedicado ―Ao Leitor‖. A esse propósito, analise as afirmações seguintes. Obra de finado. Escrevi-a com a pena da galhofa e a tinta da melancolia. Acresce que a gente grave achará no livro umas aparências de puro romance, ao passo que a gente frívola não achará nele o seu romance usual: ei-lo aí fica privado da estima dos graves e do amor dos frívolos, que são as duas colunas máximas da opinião. Mas eu ainda espero angariar as simpatias da opinião, e o primeiro remédio é fugir a um prólogo explícito e longo. Conseguintemente, evito contar o processo extraordinário que empreguei na composição destas Memórias, trabalhadas cá no outro mundo. A obra em si mesma é tudo: se te agradar, fino leitor, pago-me da tarefa; se te não agradar, pago-te com um piparote, e adeus.

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com

00. Machado de Assis antecipa-se ao julgamento da crítica, revelando, através deste prólogo, uma expectativa pouco favorável à recepção de seu romance. 01. Em seu prólogo, Machado de Assis mostra ter plena consciência de que a sua obra inauguraria uma nova etapa na literatura brasileira, contrariando o público leitor de então, acostumado ao sentimentalismo piegas dos folhetins românticos. 02. Dizendo-se um ―finado‖, o narrador desmerece o público, e confessa o seu total desinteresse pela recepção da obra, uma vez que ele mesmo já não faz parte deste mundo. 03. O narrador admite fazer uma concessão ao público leitor, visando conquistá-lo. 04. Como o Pe. Vieira, que menciona o ―rústico‖ e o ―matemático‖ em seu Sermão, o narrador deste romance também pressupõe a existência de dois tipos de público – ― o ―frívolo‖ e o ―grave‖ -; mas ao contrário de Vieira, já não considera essencial agradar a todos. Gab: VVFVV 09 - (Fuvest SP/2007) Leia o último capítulo de Dom Casmurro e responda às questões a ele relacionadas. CAPÍTULO CXLVIII / E BEM, E O RESTO? Agora, por que é que nenhuma dessas caprichosas me fez esquecer a primeira amada do meu coração? Talvez porque nenhuma tinha os olhos de ressaca, nem os de cigana oblíqua e dissimulada. Mas não é este propriamente o resto do livro. O resto é saber se a Capitu da praia da Glória já estava dentro da de Matacavalos, ou se esta foi mudada naquela por efeito de algum caso incidente. Jesus, filho de Sirach, se soubesse dos meus primeiros ciúmes, dir-me-ia, como no seu cap. IX, vers. 1: ―Não tenhas ciúmes de tua mulher para que ela não se meta a enganar-te com a malícia que aprender de ti‖. Mas eu creio que não, e tu concordarás comigo; se te lembras bem da Capitu menina, hás de reconhecer que uma estava dentro da outra, como a fruta dentro da casca. E bem, qualquer que seja a solução, uma cousa fica, e é a suma das sumas, ou o resto dos restos, a saber, que a minha primeira amiga e o meu maior amigo, tão extremosos ambos e tão queridos também, quis o destino que acabassem juntando-se e enganando-me... A terra lhes seja leve! Vamos à ―História dos Subúrbios‖. Machado de Assis, Dom Casmurro. Costuma-se reconhecer que o discurso do narrador de Dom Casmurro apresenta características que remetem às duas formações escolares pelas quais ele passou: a de seminarista e a de bacharel em Direito. No texto, a) você identifica algum aspecto que se possa atribuir ao ex-seminarista? Explique sucintamente. b) o modo pelo qual o narrador conduz a argumentação revela o bacharel em Direito? Explique resumidamente. Gab: a) Como um ex-seminarista, ele revela sua formação religiosa pelo conhecimento profundo de passagens de textos sagrados: ―Jesus, filho de Sirach, se soubesse dos meus primeiros ciúmes...‖. b) Como bom advogado, o narrador inicia o trecho com uma pergunta retórica. A partir daí, utiliza-se de uma linguagem persuasiva: levanta hipóteses e procura, por meio de argumentos convincentes, transformá-las em certeza, para convencer o júri, ou seja, os leitores. 10 - (Unicamp SP/2007) Leia a passagem abaixo de Dom Casmurro:

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com

―Se eu não olhasse para Ezequiel, é provável que não estivesse aqui escrevendo este livro, porque o meu primeiro ímpeto foi correr ao café e bebê-lo. Cheguei a pegar na xícara, mas o pequeno beijava-me a mão, como de costume, e a vista dele, como o gesto, deu-me outro impulso que me custa dizer aqui; mas vá lá, diga-se tudo. Chamem-me embora assassino; não serei eu que os desdiga ou contradiga; o meu segundo impulso foi criminoso. Inclinei-me e perguntei a Ezequiel se já tomara café.‖ (Machado de Assis, Dom Casmurro, em Obra Completa. Vol 1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1979, p.936.) a) Explique o ―primeiro ímpeto‖ mencionado pelo narrador. b) Por que o narrador admite que seu ―segundo impulso‖ foi criminoso? c) O episódio da xícara de café está diretamente relacionado com a redação do livro de memórias de Bento Santiago. Por quê? Gab: a) O ―primeiro ímpeto‖ mencionado pelo narrador diz respeito ao seu desejo de beber o café envenenado, cometendo assim um suicídio. A vontade de pôr fim à vida é motivada pela suspeita que Bento Santiago alimentava sobre a traição de sua esposa Capitu. b) O ―segundo impulso‖ mencionado refere-se à intenção de matar Ezequiel, oferecendo-lhe o café envenenado. O ato é tido como criminoso pelo próprio narrador, que indica ter desistido do suicídio ao considerar a possibilidade de assassinar o menino, movido pela suspeita de que não fosse seu filho e sim filho do falecido amigo, Escobar. c) No início do trecho citado, o narrador sugere que aquele encontro com Ezequiel alterou sua determinação de cometer o suicídio e, em certa medida, motivou, mais tarde, a redação do livro de memórias, com o qual pretendia ―atar as duas pontas da vida‖. Nesse sentido, o episódio da xícara de café, como um flagrante da hesitação da personagem, mobilizada pelo impulso de cometer um suicídio ou um homicídio, concentra os elementos constitutivos do conflito central das memórias de D. Casmurro. Em seu livro, Bento Santiago, um homem já maduro e fechado em si mesmo, debruça-se sobre os momentos decisivos de sua vida amorosa e familiar na tentativa de recuperar e explicar o tempo passado. No horizonte da cena narrada está o sentimento de felicidade perdida, a suspeita da traição, a desconfiança em relação à paternidade de Ezequiel, o ciúme incontido e a oscilação característica do narrador protagonista. 11 - (UFAM AM/2007) Leia as afirmativas abaixo, feitas a respeito de Machado de Assis: I. Em seus livros não há mais heróis a cumprir grandes missões. Neles, há apenas destinos. E destinos sem grandeza. II. O enredo de seus romances ultrapassa os indivíduos e acaba fixando-se em níveis impessoais: a sociedade e as forças do inconsciente. III. Sua análise psicológica mostra que o ser humano usa máscaras e as afivela tão firmemente à consciência que acaba por identificar-se com elas. IV. As acusações explícitas à fútil burguesia carioca engrandecem a sua obra, dotando-a de postura política avançada para a época. Estão corretas ou são admissíveis: a) I, II e III b) I, III e IV c) apenas II e IV d) apenas I e III e) II, III e IV Gab: A

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com

12 - (ITA SP/2007) Alguns estudiosos consideram que a publicação, em 1881, do romance Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, marca o início do Realismo na literatura brasileira. Contudo, não é difícil perceber que esse livro já apresenta algumas características que serão desenvolvidas pela ficção moderna do século XX, principalmente a) a ironia com que o narrador-personagem descreve a hipocrisia dos costumes da burguesia brasileira, que constitui aquilo que se pode chamar de ―moral de fachada‖. b) o caráter reflexivo da narrativa, que sempre procura entender o comportamento humano, mesmo naquilo que aparentemente ele tem de mais banal. c) o recurso a um tipo de ficção que questiona os limites entre o real e o irreal, já que o narrador do livro de Machado é um homem morto. d) o humor, que pode ser tanto mais explícito, gerando narrativas próximas da comédia, quanto mais sutil, marcando um distanciamento crítico do autor diante das personagens. e) o uso da metalinguagem, ou seja, o fato de o texto chamar a atenção para a sua própria construção, fazendo comentários acerca de si mesmo. Gab: E

TEXTO: 3 - Comum às questões: 13, 14, 15, 16, 17, 18.

Havia cinco semanas que ali morava, e a vida era sempre a mesma, sair de manhã com o Borges, andar por audiências e cartórios, correndo, levando papéis ao selo, ao distribuidor, aos escrivães, aos oficiais de justiça. (...) Cinco semanas de solidão, de trabalho sem gosto, longe da mãe e das irmãs; cinco semanas de silêncio, porque ele só falava uma ou outra vez na rua; em casa, nada. ―Deixe estar, — pensou ele um dia — fujo daqui e não volto mais.‖ Não foi; sentiu-se agarrado e acorrentado pelos braços de D. Severina. Nunca vira outros tão bonitos e tão frescos. A educação que tivera não lhe permitira encará-los logo abertamente, parece até que a princípio afastava os olhos, vexado. Encarou-os pouco a pouco, ao ver que eles não tinham outras mangas, e assim os foi descobrindo, mirando e amando. No fim de três semanas eram eles, moralmente falando, as suas tendas de repouso. Agüentava toda a trabalheira de fora, toda a melancolia da solidão e do silêncio, toda a grosseria do patrão, pela única paga de ver, três vezes por dia, o famoso par de braços. Naquele dia, enquanto a noite ia caindo e Inácio estirava-se na rede (não tinha ali outra cama), D. Severina, na sala da frente, recapitulava o episódio do jantar e, pela primeira vez, desconfiou alguma cousa. Rejeitou a idéia logo, uma criança! Mas há idéias que são da família das moscas teimosas: por mais que a gente as sacuda, elas tornam e pousam. Criança? Tinha quinze anos; e ela advertiu que entre o nariz e a boca do rapaz havia um princípio de rascunho de buço. Que admira que começasse a amar? E não era ela bonita? Esta outra idéia não foi rejeitada, antes afagada e beijada. E recordou então os modos dele, os esquecimentos, as distrações, e mais um incidente, e mais outro, tudo eram sintomas, e concluiu que sim. Uns braços, de Machado de Assis

13 - (Unifesp SP/2007) Ao conceber-se bonita, D. Severina entendeu que a) era possível Inácio estar apaixonado por ela. b) sua beleza não era para ser desfrutada por uma criança. c) a traição a Borges seria um grande equívoco. d) Inácio, de fato, desejava vingar-se de Borges. e) o marido não a via assim, ao contrário de Inácio. Gab: A

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com

14 - (Unifesp SP/2007) A expressão — um princípio de rascunho de buço — indica que o buço de Inácio a) mostrava-o homem formado. b) não podia ser visto. c) já estava bem evidente. d) era ainda incipiente. e) chamava muito a atenção. Gab: D 15 - (Unifesp SP/2007) Quando se diz, ao final do texto, que D. Severina concluiu que sim, significa que ela reconheceu que a) deveria contar tudo a Borges. b) Inácio era um desastrado, de fato. c) estava enganada sobre o amor de Inácio. d) Inácio deveria ser advertido. e) Inácio começava a amá-la. Gab: E 16 - (Unifesp SP/2007) Uma das características do Realismo é a introspecção psicológica. No conto, ela se manifesta, sobretudo, a) no comportamento grosseiro de Borges, que impõe medo a D. Severina e desperta ódio em Inácio. b) nas vivências interiores de Inácio e de D. Severina, que revelam seus sentimentos e conflitos. c) na forma solitária como Inácio se submete no trabalho com Borges, sem que pudesse estar com sua mãe e irmãs. d) nas reflexões de D. Severina, que vê Inácio como uma criança que merece carinho e não o silêncio e a reclusão. e) na forma como o contato é estabelecido entre as personagens, já que a falta de diálogo é uma constante em suas vidas. Gab: B 17 - (Unifesp SP/2007) De início, morar na casa de Borges era solitário e tedioso, o que levou Inácio a pensar em ir embora. Todavia, isso não aconteceu, sobretudo porque o rapaz a) passou a ser mais bem tratado pelo casal após três semanas. b) teve uma educação que não lhe permitiria tal rebeldia. c) se pegou atraído por D. Severina, com o passar do tempo. d) gostava, na realidade, do trabalho que realizava com Borges. e) sentia que D. Severina se mostrava mais atenciosa com ele. Gab: C 18 - (Unifesp SP/2007) Analise as duas ocorrências: ... uma criança! Criança? Essas duas passagens mostram que a) tanto os sentimentos de D. Severina como a sua razão mostravam-lhe que Inácio era ainda muito jovem para se dar às questões do amor.

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com

b) havia duas vozes na consciência de D. Severina: uma lhe proibia o desejo; outra o mostrava como possibilidade. c) D. Severina via Inácio como uma criança apenas, o que a perturbava muito, por sentir-se atraída por ele. d) D. Severina rejeitava qualquer possibilidade de uma relação com Inácio, já que não nutria nenhum sentimento pelo rapaz. e) havia um embate entre a consciência e a educação de D. Severina, o qual a impedia de aceitar o amor do rapaz. Gab: B TEXTO: 4 - Comum às questões: 19, 20, 21, 22

OLHOS DE RESSACA Enfim, chegou a hora da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos. Muitos homens choravam também, as mulheres todas. Só Capitu, amparando a viúva, parecia vencer-se a si mesma. Consolava a outra, queria arrancá-la dali. A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas... As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela; Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou de carícias para a amiga, e quis levá-la; mas o cadáver parece que a retinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem o pranto, nem palavras desta, mas grandes e abertos, como a vaga do mar lá fora, como se quisesse tragar também o nadador da manhã. Fonte: ASSIS, J. Maria Machado de. Obra Completa. V.1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997. p. 927. 19 - (UEL PR/2007) De acordo com o texto, é correto afirmar: a) Diante do trecho acima transcrito, compete ao leitor acreditar ou não nas palavras do narrador uma vez que apenas suas palavras fazem-se presentes. b) Capitu, embora seja vista apenas pelo narrador, apresenta um comportamento ambíguo, pois não quer que as pessoas notem seu amor por Escobar. c) O comportamento dissimulado caracteriza Capitu, como deixam claras as palavras do narrador, seu marido, efetivadas logo após o enterro do amigo. d) Diante das palavras seguras do narrador, exseminarista e advogado, resta ao leitor a segurança de que Capitu era uma mulher adúltera. e) As palavras do ex-seminarista e advogado competente são a garantia da veracidade da cena descrita na qual Capitu fixa apaixonadamente o cadáver do amigo. Gab: A 20 - (UEL PR/2007) A denominação do capítulo, ―Olhos de ressaca‖, é resultante da leitura que o narrador faz: a) Do mal-estar de Sancha diante do corpo inerte do marido. b) Da agressividade incontida do olhar de Bentinho em direção a Capitu. c) Do desejo detectado no olhar de Capitu de apossar-se de Escobar. d) Da força e do ímpeto presentes nos olhos de Capitu dirigidos ao marido. e) Do mal-estar de Capitu provocado pela noite passada em claro. Gab: C 21 - (UEL PR/2007)

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com

A morte de Escobar ocorreu em março de 1871, data, na História do Brasil, da formação do Ministério Rio Branco. A partir desse momento, a história de vida Bentinho/Capitu, assim como a história do Império Brasileiro, iniciam um período no qual: a) Os negócios prosperam, uma vez que a banca de advogado de Bentinho é buscada pelos republicanos; o Império, prestes a ruir, substitui o ouro pelos títulos da dívida imperial. b) A dúvida de Bentinho, entre acreditar ou não em Capitu, é também a dúvida da classe dominante entre acreditar ou não no Império e na continuidade dos lucros gerados pela cafeicultura. c) A crise se instaura, pois Bentinho começa a temer pela saúde do filho; o Império, buscando pela conciliação entre o partido Liberal e o partido Conservador, surpreende-se com o surgimento do partido Republicano. d) A segurança domina tanto a vida privada quanto a pública, uma vez que a substituição do ouro pelos títulos da dívida imperial traz novo alento para o comércio, liberando, dessa forma, um maior capital de giro. e) A crise é a realidade dominante uma vez que Bentinho e Capitu caminham para a separação; o Escravagismo e o Império caminham para a Abolição da Escravatura e a Proclamação da República. Gab: E 22 - (UEL PR/2007) A narração do momento em que Capitu fixa o olhar no cadáver de Escobar efetiva-se: a) Muitos anos após a morte de Escobar, tendo por objetivo mostrar ao leitor a percepção do narrador da dissimulação de sua esposa, Capitu. b) Logo após o enterro de Escobar, mostrando-se o narrador solidário com a dor da viúva, Sancha, personagem caracterizada pela dissimulação. c) Através das palavras de Bento Santiago, melhor amigo de Escobar, tendo por objetivo registrar a dor dos amigos no momento do enterro. d) Logo após o enterro de Escobar, tendo por objetivo registrar o forte vínculo que unia sua família à do negociante e ex-seminarista. e) Muitos anos após o enterro de Escobar, tendo por objetivo ressaltar o transtorno ocasionado pela imprudência do ex-seminarista. Gab: A TEXTO: 5 - Comum às questões: 23, 24

Monsenhor Caldas interrompeu a narração do desconhecido: — Dá licença? é só um instante. Levantou-se, foi ao interior da casa, chamou o preto velho que o servia, e disse-lhe em voz baixa: — João, vai ali à estação de urbanos, fala da minha parte ao comandante, e pede-lhe que venha cá com um ou dois homens, para livrar-me de um sujeito doido. Anda, vai depressa. E, voltando à sala: — Pronto, disse ele; podemos continuar. — Como ia dizendo a Vossa Reverendíssima, morri no dia vinte de março de 1860, às cinco horas e quarenta e três minutos da manhã. Tinha então sessenta e oito anos de idade. Minha alma voou pelo espaço, até perder a terra de vista, deixando muito abaixo a lua, as estrelas e o Sol; penetrou finalmente num espaço em que não havia mais nada, e era clareado tão-somente por uma luz difusa. Continuei a subir, e comecei a ver um pontinho mais luminoso ao longe, muito longe. O ponto cresceu, fez-se sol. Fui por ali dentro, sem arder, porque as almas são incombustíveis. A sua pegou fogo alguma vez? — Não, senhor.

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com

— São incombustíveis. Fui subindo, subindo; na distância de quarenta mil léguas, ouvi uma deliciosa música, e logo que cheguei a cinco mil léguas, desceu um enxame de almas, que me levaram num palanquim feito de éter e plumas. (Machado de Assis, A segunda vida. Obras Completas, vol. II, p. 440-441.) 23 - (UFSCar SP/2007) A temática desse conto também é encontrada a) nos capítulos iniciais de Memórias póstumas de Brás Cubas. b) em alguns dos capítulos do romance Ressurreição. c) no capítulo Olhos de ressaca do romance Dom Casmurro. d) no romance Dom Casmurro, na caracterização de José Dias. e) na caracterização de Escobar, no romance Dom Casmurro. Gab: A 24 - (UFSCar SP/2007) Pode-se afirmar, a respeito desse conto de Machado de Assis, que a) reflete o cotidiano carioca na primeira metade do século XIX. b) utiliza uma temática bastante rara em toda a sua obra. c) utiliza uma temática comum a autores como Hoffmann e Edgar Allan Poe. d) tem relação com os temas medievais do romance histórico português. e) trata de um assunto semelhante ao do romance O ateneu. Gab: C

www.clemildasouza.blogspot.com

ilda_dias@hotmail.com


				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:8186
posted:12/13/2008
language:English
pages:10