A visita de Shimon Peres ao Brasil e a

Document Sample
A visita de Shimon Peres ao Brasil e a Powered By Docstoc
					A visita de Shimon Peres
     ao Brasil e a relação
 brasileira com o Oriente
                    Médio



                               Análise
                       Desenvolvimento

                 Jéssica Silva Fernandes
                 15 de dezembro de 2009
A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação
brasileira com o Oriente Médio
                                                                                          Análise
                                                                                  Desenvolvimento

                                                                           Jéssica Silva Fernandes
                                                                           15 de dezembro de 2009

 Após muito tempo, o Brasil aprofunda as relações com países do Oriente Médio,
recebendo a visita do presidente de Israel e do líder da Autoridade Nacional Palestina. O
país busca espaço para atuar diplomaticamente como mediador no conflito israelense-
palestino, aumentando, assim, sua relevância em âmbito político e seus laços comerciais
com a região.


              pós 21 anos de uma declaração           israelenses e palestinos. Dessa forma,
                                                      palestinos têm buscado apoio da ONU e


     A
           unilateral de Independência
                                                      dos países do sistema internacional. De
           que    de     fato    não    fora
                                                      acordo com o negociador-chefe palestino,
           implementada1,       autoridades
                                                      Saeb Erekat, o objetivo é pedir ao

     O
palestinas recentemente afirmaram que
pretendem lutar para se tornarem um
Estado independente de Israel. O impasse
                                                      Conselho de Segurança da ONU o
                                                      reconhecimento da Palestina como um
                                                      Estado independente dos israelenses.
é motivado principalmente pelo fato de
israelenses    continuarem      construindo           Porém, existe a possibilidade de veto por
assentamentos      judaicos     em     áreas          parte dos americanos, tradicionais aliados
ocupadas desde a guerra de 1967.[Ver                  dos israelenses, o que impediria a
também: Quarenta anos da Guerra de                    consolidação da independência do
1967]. Essas áreas são de grande interesse            território    palestino.  Diante    disso,
para a população palestina, pois estes                autoridades do Oriente Médio visitam
pretendem construir um futuro Estado o                outros países a fim de buscar apoio
qual seria localizado entre a Cisjordânia,            internacional no impasse caracterizado
Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza. [Ver            por Israel e Palestina.
mapa: Israel e Territórios Palestinos 2004]
                                                      Dessa forma, o Brasil ganha espaço para
A consolidação de tal Estado seria                    agir diplomaticamente no conflito,
considerada um pré-requisito para a                   recebendo visitas de líderes como Shimon
retomada das negociações de paz entre                 Peres e Mahmoud Abbas [Ver também:
                                                      Brasil: Papel de Mediador no Oriente
                                                      Médio?]. De acordo com o embaixador de
1   Em 15 de Novembro de 1988, numa reunião do
     Conselho Nacional Palestino realizada em
                                                      Israel em Brasília, Giora Becher, “o Brasil
     Argel, foi proclamada a Declaração de            teria um importante papel em apoiar as
     Independência da Palestina, que cria um Estado   forças moderadas dentro do mundo
     independente e democrático, com Jerusalém        árabe.”
     como capital, assegurando o direito do povo
     palestino a viver na sua terra como todos os     Ademais, a atuação brasileira na mediação
     outros povos. Fonte: http://www.mppm-            do conflito Israel-palestino pode ser
     palestina.org/index.php/semana-da-
                                                      justificada pelo fato de o Brasil não
     palestina/86-a-existencia-dos-palestinos-
     enquanto-povo-esta-ameacada                      possuir nenhum interesse definido em



                                                                             www.pucminas.br/conjuntura
                                                                                                            2

termos estratégicos na região; pela                Acerca da visita do líder ao Brasil, estava
tradição do país em tentar solucionar              estabelecida para a agenda a visita ao
conflitos de uma forma pacífica, e pela alta       ministro brasileiro de Defesa Nelson
competência e rigorosa formação dos                Jobim e dentre outros temas políticos,
diplomatas brasileiros.2                           estava previsto um pronunciamento com a
                                                   sessão Conjunta da Câmara do Senado.
Buscando um papel político para o Brasil
na mediação do conflito, o presidente              Ademais, acordos de cunho econômico
Lula, em novembro de 2009, recebeu a               foram realizados. Segundo o embaixador
visita do presidente Shimon Peres. É               de Israel no Brasil, Becher, um dos
importante ressaltar que esta é a primeira         objetivos da visita consiste na ampliação
visita de um chefe de Estado israelense em         de laços econômicos com o Brasil. Dentre
mais de 40 anos, o qual afirmou estar feliz        estes, é possível evidenciar várias aéreas,
pelo apoio político brasileiro no processo         dentre as quais turismo, cinema e
de negociação de paz. Peres, afirmou que           cooperação técnica, além de um tratado de
a maioria dos israelenses apóia a criação          extradição. Além desses novos acordos, o
de um Estado palestino ao lado de Israel, e        presidente israelense visitou a Federação
disse estar consciente das concessões que          das Indústrias do Estado de São Paulo
deverão ser feitas.3 No entanto, tal               (FIESP) no dia 12 de novembro onde
argumentação pode ser vista como uma               realizou uma palestra.
contradição pelo fato do conflito ser
                                                    Nessa ocasião, Peres destacou o potencial
gerado pelas questões territoriais e
                                                   das relações comerciais entre Brasil e
fronteiriças entre israelenses e palestinos.
                                                   Israel. Afirmou ainda que Israel pode ser
No que tange aos assentamentos, vistos             um importante parceiro para oferecer
como principal questão para a resolução            tecnologia ao Brasil. Destacou ainda
do impasse, Peres responde ao ser                  algumas áreas industriais nas quais
questionado que não serão construídos              estima-se a possibilidade de um elevado
novos assentamentos e que haverá uma               potencial de negócios. Dentre essas é
interrupção nos que já existem. O                  interessante mencionar a produção de
presidente israelense, que já fora                 células-tronco, área na qual o país do
premiado com o Nobel da Paz em 1993                Oriente Médio tem grande força; o
pelos esforços que concretizaram o                 segmento de novas energias, indústria em
Tratado de Oslo [Ver também: Palestina e           que o Brasil é líder mundial; o
Israel: Acordos de Oslo, Camp David II e           reaproveitamento      da    água,    setor
Mapa da Paz], se diz preparado para uma            considerado o grande desafio do mundo
“paz imperfeita” para evitar a ocorrência          moderno; a formação de professores e a
de conflitos violentos.                            segurança4. Diante disso, é possível
                                                   perceber que os acordos comerciais e
                                                   econômicos entre Brasil e Israel podem
2   cf. OLIVEIRA& LESSA (orgs.), 2006.
                                                   favorecer a ambas economias.
                                                   Vale ressaltar que as relações do Brasil
3   O primeiro-ministro israelense, Benjamin
                                                   com países do Oriente Médio não são
Netanyahu, propôs ao seu gabinete uma iniciativa
para suspender durante dez meses a construção e
                                                   historicamente muito intensas. Nota-se
concessão de licenças para construção de novas
                                                   que      recentemente     ocorreu     um
casas nas colônias judaicas da Cisjordânia.        aprofundamento das relações entre essas
Netanyahu afirmou a seus assessores que a medida   regiões; sendo assim, quando recorre-se à
serviria de prova de que busca a paz na região.    história, observa-se na política externa
fonte:http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo     brasileira poucos envolvimentos do Brasil
/ult94u657391.shtml

                                                   4   Fonte: Gazeta do Povo



                                                                               www.pucminas.br/conjuntura
                                                                                                3

com o Oriente Médio,          quando se      a ampliação dos assentamentos israelenses
estabelece como padrão comparativo as        na Cisjordânia. Após a visita do líder
relações do Brasil com os Estados Unidos,    palestino ao Brasil, este prosseguiu sua
a União Européia e os países do Mercosul.    viagem pela América Latina a fim de
                                             buscar apoio para a criação dos Estados
Dentre os períodos nos quais registrou-se
                                             palestinos.
uma relação do Brasil com o Mundo
Árabe, é possível mencionar o governo        Diante de tal contexto e, das visitas
Geisel, período no qual ocorreu um           israelense e palestina ao Brasil, nota-se
fortalecimento dos laços econômicos,         uma busca do governo Lula por uma
políticos e comerciais com países do         participação brasileira na mediação do
Oriente Médio. No entanto, nas décadas       conflito. Como afirmou o presidente Lula
posteriores evidenciou-se um afastamento     “não é possível construir a paz necessária
do Brasil nas relações com tais países.      no Oriente Médio se não conversar com
                                             todas as forças políticas e religiosas que
Nesse contexto, embaixadas brasileiras no
                                             querem paz e que se opõem à paz.” Neste
Oriente Médio foram fechadas, e ocorreu
                                             processo, o Brasil aumenta suas relações
uma diminuição nos laços comerciais
                                             bilaterais com países do Oriente Médio, o
entre essas duas áreas. Porém, ao final do
                                             que a princípio estaria refletindo de forma
governo de Fernado Henrique Cardoso,
                                             positiva nos acordos econômicos do país.
evidenciou-se um aumento nos fluxos
comerciais motivado pela dificuldade das
negociações no continente sul-americano
devido à Crise do Mercosul. Diante da
necessidade de novos mercados e da
existência    de     oportunidades      de
                                             Referência
investimentos no Oriente Médio, as
relações entre essas duas regiões
                                             Artigo:
começaram a ser refeitas.
Em seqüência, no governo Lula, observou-
se um aumento do interesse do Brasil com     JARDIM, Denise Fagundes. “Palestinos: as
o Oriente Médio. O governo Lula              redefinições de fronteiras e cidadania”.
continuou a estratégia iniciada pelo         Horizontes Antropológicos vol.9, nº19
governo anterior nas áreas econômicas e      Porto Alegre Julho 2003.
comerciais, expandindo também para a
área política, o que pode ser ratificado
pelos fatos que ocorreram recentemente.      Livro:

Além da visita do presidente israelense ao
Brasil, comprovando o aumento nas            OLIVEIRA, Henrique Altemani de;
relações brasileiras com o mundo árabe, o    LESSA, Antônio Carlos (Orgs.). Relações
presidente brasileiro recebeu o presidente   internacionais do Brasil: temas e agendas.
da Autoridade Nacional Palestina (ANP)       São Paulo: Saraiva, 2006 p.243-263
Mahmoud Abbas. De acordo com este, o
presidente Lula conquistou admiração
internacional e, em função disso foi
convidado a mediar as negociações de paz
                                             Sites:
no conflito motivado pela independência
do território palestino.
                                             BBC Brasil
Durante a visita, Lula afirmou que “todos
                                             http://www.bbc.co.uk/portuguese
os governos devem colocar esse tema
entre suas prioridades” e, condenou ainda


                                                                   www.pucminas.br/conjuntura
                                                                            4

Folha On line
http://www.1folhauol.com.br


Gazeta do Povo
http://portal.com.br/gazetadopovo/mun
do/


O Estadão
http://www.estadao.com.br


Movimento       pelos   direitos   do   Povo
Palestino
www.mppm-palestina.org


Yahoo Notícias
http://br.noticias.yahoo.com


Ver também :

          -
17/11/2004-Palestina e Israel: Acordos
de Oslo, Camp David II e Mapa da Paz
20/06/2007-Quarenta anos da Guerra de
1967
30/11/2009-Brasil: papel de mediador no
Oriente Médio?


Palavras Chave: Israel-Palestina, Brasil,
Lula, Shimon Peres, Negociações pela paz,
Acordos Comerciais




                                               www.pucminas.br/conjuntura