CERIMONIAL UNIVERSITÁRIO

Document Sample
CERIMONIAL UNIVERSITÁRIO Powered By Docstoc
					CERIMONIAL UNIVERSITÁRIO

O surgimento do Cerimonial Universitário

Uma Universidade é uma instituição de âmbito educacional que abrange um conjunto
de escolas superiores, que se destinam à especialização profissional e científica nas
mais diversas carreiras. É, também, um centro cultural e de politização dos indivíduos.

A origem das universidades foi uma instituição localizada em Salermo, Itália, no ano
de 1.080 d.C.

A figura do reitor (ou chanceler), como autoridade máxima das universidades surgiu no
ano de 1.200 d.C. Ao reitor eram concedidos a autoridade e plenos poderes para
representar a instituição nas solenidades.

Em função da figura do reitor, surgiu o Cerimonial Universitário. Seu objetivo era
demonstrar o poder de autoridade máxima do reitor, por meio de suas vestes talares
ou reitoriais e rituais cerimoniosos.

A renomada Universidade de Sorbone (antiga Universidade de Paris) foi a responsável
pela implantação definitiva do Cerimonial rígido e correto, envolvendo todas as
pessoas que trabalhavam na instituição, obrigando o uso das vestes talares e
introduzindo a cadeira em formato de trono, com o brasão entalhado no espaldar.

Na Península Ibérica, destacou-se a Universidade de Coimbra, em Portugal, da qual o
Brasil herdou o Cerimonial Universitário e também toda a orientação em relação à
heráldica, medalhística e brazonário, além da terminologia de láureas, diplomas e
pergaminhos.

Historicamente, a palavra Cerimonial vem do latim “Caerimonialis” e se trata do
conjunto de regras que presidem às cerimônias civis, militares e religiosas.

O Cerimonial Universitário é novo no Brasil, tendo tão-somente dois séculos.


Cerimonial, Protocolo e Etiqueta

Entende-se por etiqueta o conjunto de regras e padrões que são observados para um
adequado comportamento das pessoas na sociedade (etiqueta social), sendo baseada
na hospitalidade e cordialidade.

Já o protocolo codifica as regras (ligadas de forma intrínseca à etiqueta social) que
regem o cerimonial, cujo objetivo é dar a cada um dos participantes de um ato público
as prerrogativas, privilégios e imunidades a que têm direito. O cerimonial é todo o
conjunto destas formalidades específicas de um ato público, que envolve a utilização
de indumentária própria, a ordem de precedência e o cumprimento de um ritual.
O cerimonial e o protocolo fazem parte dos eventos em geral e do dia-a-dia das
pessoas.

Conhecer as normas protocolares é extremamente útil aos organizadores de eventos,
eis que lhes permite adaptar o evento conforme as circunstâncias.

Sua utilização é constante. Assim, protocolo, cerimonial e etiqueta constituem-se,
verdadeiramente, na essência de um evento, com a finalidade principal de aperfeiçoar
o seu resultado, determinando a seqüência e o estabelecimento de precedências,
tratamentos e prerrogativas de cada participante no acontecimento.



O Cerimonial Universitário nos dias de hoje

Hoje, pode-se dizer que o Cerimonial deixou de ser um componente visto por muitos
como supérfluo numa estrutura administrativa para receber a atenção que lhe é
devida, haja vista compreender, geralmente, os grandes momentos da vida da
instituição, e mesmo da comunidade onde se acha inserida.

Já houve quem dissesse, acertadamente, que “elaborar e coordenar uma cerimônia é
uma arte pela qual se expõe a organização interna de uma empresa ou órgão público”.
(Targino Fernandes Valias, in “O Cerimonial no Município”, IBRAP, 2ª ed., 2001/2002,
Ribeirão Preto, SP).

Trata-se de uma missão nada fácil, uma vez que possui uma série de normas,
algumas delas procedentes dos mais longínquos primórdios da humanidade. Na
verdade, há que se respeitar, sempre, os princípios protocolares e de cerimonial.

A base legal no Brasil é o Decreto Federal 70.274, de 9 de março de 1972, que
“Aprova as Normas de Cerimonial Público e a Ordem de Precedência pela Presidência
da República”.

Na medida em que o Cerimonial se preocupa em ordenar e elaborar, de maneira
eficiente, seu trabalho, estará destacando o zelo do órgão ou empresa para com sua
imagem, o que, aliás, sintetiza a própria razão da sua existência.

Reza a tradição que as pessoas que difundem e respeitam suas cerimônias
aperfeiçoam suas regras de convivência e fortalecem sua cultura.

A Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – em seu “Manual de
Eventos”, andou muito bem quando destacou, “litteris”:“Uma empresa comunica-se e
relaciona-se de diferentes maneiras com seus públicos. A realização de eventos é uma dessas formas”.
Com efeito, os Eventos constituem os instrumentos capazes de estabelecer uma
comunicação efetiva de potencialização da instituição nos seus ambientes internos e
externos. Possibilitam promover o conhecimento de ações, avanços, premiações,
convênios e outras situações favoráveis, ou promover a compreensão e aceitação de
políticas e decisões tomadas pela direção, construindo uma imagem positiva e de
prestígio da mesma a partir de procedimentos bem finalizados, organizados de forma
a otimizar os momentos de destaque.
O Cerimonial Universitário, especificamente, compreende uma precedência, uma
indumentária e um conjunto de rituais.

Os atos solenes envolvem ritual próprio de conformidade com sua importância para o
Cerimonial Universitário.

As normas protocolares quanto ao critério de precedência são regidas pelo já
mencionado Decreto nº 70.274, de 09 de março de 1972.


O Cerimonial do Centro Universitário de Sete Lagoas – UNIFEMM

I- POSIÇÃO DAS BANDEIRAS

A Bandeira Nacional, em todas as apresentações no território nacional, ocupa lugar de
honra. Assim, quando usa-se a Bandeira Nacional, do Estado, do Município e do
Centro Universitário, a posição destas deve ser a seguinte:

   •   Bandeira Nacional: no centro-direito, à direita da tribuna e mesa de honra;
   •   Bandeira do Estado: no centro-esquerdo, ao lado central da bandeira
       Nacional;
   •   Bandeira do Município: no canto-direito, ao lado da bandeira Nacional;
   •   Bandeira do centro Universitário: no canto-esquerdo, ao lado da bandeira do
       Estado.

Importante: considera-se à direita de um dispositivo de bandeiras, à direita de uma
pessoa posicionada junto a ele e voltada para a rua, para a platéia ou, de modo geral,
para o público que observa o dispositivo.


I I – ATOS SOLENES

Certos atos solenes são mais comuns em uma Faculdade, ou em um Centro
Universitário ou em uma Universidade, tais como:

    1- Aula Magna
    2- Colação de Grau
    3- Inaugurações (busto, placas, portrait)
    4- Posse de Diretor de Unidade de Ensino, Centros ou Institutos.
    5- Posse do Reitor
    6- Posse de Membros de Colegiados
    7- Entrega de Títulos e Condecorações
    8- Congressos, Simpósios, Seminários, Palestras
    9- Fóruns, Mesa-redonda, Painel
   10- Cerimônia “In Memoriam”
   11- Semanas Acadêmicas
   12- Lançamento de Livros, Revistas
   13- Visitas Oficiais
Para cada uma destas solenidades deve-se respeitar o Protocolo Oficial para que a
cerimônia transcorra de acordo com os parâmetros estabelecidos pela própria
Instituição.

Seguem, abaixo, recomendações para o procedimento de cada solenidade. Todas as
realizações destes eventos devem ser comunicadas com um prazo mínimo de 30 dias
à Assessoria de Comunicação e Marketing (comunicacao@unifemm.edu.br), que
auxiliará na elaboração da solenidade.

Para elaboração de mesa oficial, é importante salientar que todos os componentes
devem ter um papel a cumprir para justificarem sua presença na mesa. Assim, os
componentes da mesa devem ter oportunidade para discursar ou prestarem
homenagem a alguém.

A presença do Reitor não implica na obrigatoriedade de composição de mesa oficial
em um evento, mas nos eventos acadêmicos nos quais o Reitor estiver presente, este
presidirá a sessão.

Para a composição de mesa oficial em um evento deve-se obedecer a seguinte ordem
hierárquica, devendo-se respeitar o ato cívico quando a solenidade tiver caráter oficial:

(Magnífico) Reitor
(Excelentíssimo Senhor) Presidente da FEMM
(Excelentíssima Senhora) Pró-Reitora Acadêmica
(Excelentíssimo Senhor) Pró-Reitor Adminstrativo e Financeiro
(Senhor (a) Professor (a)) Diretor(a) de Unidade de Ensino
(Senhor (a) Professor (a)) Coordenador(a) de Licenciaturas (quando houver)
(Senhor (a) Professor (a)) Coordenador(a) de Curso
(Senhor (a) Palestrante ou Conferencista convidado

Observar a utilização correta das formas de tratamento dos cargos.

1- Aula Magna

Deve acontecer no primeiro mês do primeiro semestre letivo do curso, sendo que o
objetivo principal é apresentar as autoridades da Instituição para os alunos (Presidente
da FEMM, Reitor, Pró-reitor Adminstrativo e Financeiro, Pró-Reitora Acadêmica,
Diretor da Unidade de Ensino) de modo que possam ser oferecidas as boas vindas
aos alunos iniciantes ao Centro Universitário.

A aula magna deverá ser conduzida pelo Mestre de Cerimônias e presidida pelo Reitor
ou pela Pró-reitora Acadêmica.

A aula deverá ter um convidado especial que ministrará palestra com um tema
relevante a educação e/ou ao curso em que pertencem os alunos. A aula poderá ter
no encerramento algum tipo de show artísitco.

2- Colação de Grau

Tanto na Colação de Grau Festiva quanto na Colação de Grau Oficial, é obrigatório a
presença das bandeiras seguindo a ordem de hasteamento da constituição brasileira.
É também indispensável a execução do Hino Nacional que terá início depois que as
autoridades houverem ocupado os lugares a elas destinados. O Hino Nacional poderá
ser executado com reprodução gravada e poderá ser acompamnhado por coro ou
cantado pelas pessoas presentes.

A Lei no 5.700 em seu parágrafo único do artigo 30, determina: “É vedada qualquer
outra forma de saudação ao Hino Nacional que não seja: Atitude de respeito, de pé, e
em silêncio, sendo os civis, com a cabeça descoberta e os militares em continência,
segundo os regulamentos das respectivas corporações”.

IMPORTANTE: As antigas Faculdades FEMM receberam novas nomenclaturas a
partir do credenciamento da Instituição como Centro Universitário de Sete Lagoas –
UNIFEMM, em 26 de Junho de 2006. Passando a serem reconhecidas como Unidade
de Ensino.

        até 2006                                        a partir de 2007

FADI – Faculdade de Direito                              Unidade Acadêmica de
                                                         Ensino de Direito (UEDI)

FAGE – Faculdade de Ciências Gerenciais                  Unidade Acadêmica de
                                                         Ensino     de    Ciências
                                                         Gerenciais (UEGE)

FAFI – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras         Unidade Acadêmica de
                                                         Ensino     de     Filosofia,
                                                         Ciências e Letras (UEFI)

2.1- Colação de grau oficial

A Colação de Grau Oficial exige presença do aluno formando e a realização do
cerimonial é de responsabilidade do Centro Universitário.

I – INDUMENTÁRIA

No que tange à indumentária da Colação de Grau Oficial, respeitar-se-á o seguinte:

       As partes são desobrigadas ao uso da beca, porém é obrigatório o traje
       esporte fino.

II – MESA OFICIAL

Deverão fazer parte da mesa oficial as seguintes autoridades:
Presidente da FEMM
Reitor
Pró-Reitora Acadêmica
Pró-Reitor Administrativo e Financeiro
Diretor da Unidade de Ensino
Coordenador de Licenciaturas (quando houver)
Coordenador de Curso
Caso haja alguma autoridade do poder público presente, deverá ser reverenciada pelo
Mestre de Cerimônias mas não há obrigatoriedade de compor a mesa.




III – SOLENIDADE

Deverá seguir os seguintes procedimentos:

1- Composição de mesa oficial
2- Ato cívico
3- A abertura da solenidade será feita pelo Reitor ou Diretor de Unidade de Ensino
4- O Reitor/Diretor convidará um aluno para fazer o juramento
5- A secretária ou o mestre de cerimônias fará a chamada dos formandos
6- O Reitor/Diretor fará a aposição do capelo em cada aluno e o cumprimentará
7- O aluno assinará a ata de colação de grau supervisionado por membro da
   secretaria da Unidade de Ensino em que pertence
8- O Reitor fará o encerramento da solenidade

A data de colação de grau realizar-se-á na última reunião da congregação do
semestre letivo de cada ano. Caso o aluno necessite colar grau antes dessa data,
deverá fazer um requerimento solicitando uma colação de grau extemporânea e
justificar a necessidade.

O Diretor só convocará uma reunião de congregação em caráter de urgência caso o
aluno comprove ter passado em algum concurso, exame da OAB ou similar, e
necessite disso para tomar posse ou inscrição de classe profissional.

O Centro Universitário limitará os convites de acordo com o número de formandos dos
cursos.

2.2- Colação de grau festiva

A Colação de Grau Festiva não exige presença do aluno formando e a contratação de
cerimonial para condução da cerimônia é de responsabilidade de cada turma.

I – INDUMENTÁRIA

No que tange à indumentária da Colação de Grau Festiva, respeitar-se-á o seguinte:

       Os alunos deverão usar beca com faixa na cor respectiva do curso em
       conclusão.
       Os componentes da mesa oficial (representante do Conselho Curador –
       quando possível - , Reitor – quando possível -, Diretor de Unidade de Ensino –
       quando possível -, Coordenador de Licenciaturas – quando houver –,
       Coordenador de Curso, Patrono, Paraninfo e demais homenageados) ficam
       liberados do uso de indumentária mas com obrigatoriedade do uso de traje
       esporte fino.

II – MESA OFICIAL
Deverão fazer parte obrigatoriamente da mesa oficial as seguintes autoridades:
      Coordenador de Licenciaturas (quando houver)
      Coordenador de Curso
      Patrono*
      Paraninfo**
      Professor(es) homenageado(s)
      Funcionário homenageado

* O professor PATRONO não faz discurso na cerimônia de colação de grau. Cada
turma de formandos terá apenas um Patrono.
O que é PATRONO e como se escolhe?
O PATRONO é um professor que se destaca do corpo científico da área do Curso (de
matérias do Curso), de reconhecida competência e padrão de referência na área
específica de conhecimento. Sendo do sexo feminino a denominação é Patronesse
** padrinho da turma. Pessoa a quem se presta homenagem e, em geral, a retribui e
agradece proferindo discurso. Sendo do sexo feminino a denominação é Paraninfa.

III – SOLENIDADE

As solenidades festivas seguirão o calendário aprovado pelos representantes de todas
as comissões de formatura.

O roteiro sugerido é o seguinte:

1- Abertura com Mestre de Cerimônias
2- Composição de Mesa
3- Entrada dos Professores
4- Entrada dos Formandos
5- Ato Cívico (execução do Hino Nacional)
6- Abertura da Sessão pelo Presidente da Mesa
7- Juramento
8- Entrega de Diplomas
9- Pronunciamentos
10- Homenagens
11- Encerramento

IMPORTANTE: toda a primeira fileira do auditório em que será realizado o evento
deverá ser reservada para os homenageados e corpo docente da Instituição pelo
menos nos trinta primeiros minutos da cerimônia.

IV- CONVITE

Antes da arte-finalização dos convites, é obrigatória a revisão pela Assessoria de
Comunicação e Marketing, com um prazo mínimo de antecedência de três dias, dos
seguintes aspectos:

1- O quadro de autoridades da Instituição

Centro Universitário de Sete Lagoas – UNIFEMM
   - nome do Reitor (Doutor Antônio Fernandino de Castro Bahia Filho)
   - nome da Pró-Reitora Acadêmica (professora Vanessa Padrão de Vasconcelos
       Paiva)
   -   nome do Pró-Reitor Administrativo e Financeiro (professor Erasmo Bruno
       Gonçalves)
   -   nome do Diretor de Unidade de Ensino (UEDI – professora Viviane Tompe
       Souza Mayrink / UEGE – professor Jaime Borato / UEFI – professora Jakeline
       França Dutra)
   -   nome do Coordenador das Licenciaturas (quando houver – professora Patrícia
       Lins Vieira)
   -   nome do Coordenador do Curso*

*Coordenadores de Curso:
Administração – professor José Augusto Vasconcelos Marques
Administração Pública – professora Élida Graziane Pinto
Ciências Biológicas – professora Camila Palhares Teixeira
Ciências Contábeis – professora Myrtes Buenos Aires Garcia Veloso
Ciências Econômicas – professora Cynara Magalhães Pinto Godói Quintão
Direito – professor Carlos Eduardo Araújo
Educação Física – professor Admir Soares de Almeida Júnior
Engenharia Ambiental – professor Gonçalo Evangelista França
Engenharia de Produção-Mecânica – professora Adriana Ferreira Soares Noce
Geografia – professora Maria Ângela Ribeiro Soares
História – professora Luiza Maria Duarte Eschenazi
Letras – professor Paulo Henrique Caetano
Matemática – professor Frederico Reis Marques de Brito
Pedagogia – professora Simone Farias Pereira

Fundação Educacional Monsenhor Messias:
   - nome do Presidente do Conselho Curador (Adélio Araújo de Faria)

2- Revisão ortográfica e gramatical


V –INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS DE CADA CURSO

Curso: Administração
Faixa: Azul
Juramento: “Prometo honrar em toda e qualquer circunstância o grau de
Administrador, exercendo a profissão por mim escolhida, com verdade e justiça,
segundo os princípios da ética profissional e da formação cristã, para a grandeza
moral e desenvolvimento da Nação”.

Curso: Administração Pública
Faixa: Azul

Curso: Ciências Biológicas
Faixa: Lilás
Juramento: “Prometo, perante Deus, no exercício de minha profissão, cumprir
fielmente, os deveres da Honra, da Ciência, da Caridade e do Magistério, e tudo fazer,
quanto permitam as minhas forças, pela Educação Nacional e pela grandeza do
Brasil”.
Curso: Ciências Contábeis
Faixa: Azul
Juramento: “Ao receber o grau de Bacharel em Ciências Contábeis, juro, perante Deus
e a sociedade, exercer a minha profissão com dedicação, responsabilidade e
competência, respeitando as normas profissionais e éticas. Juro pautar minha conduta
profissional observando sempre os meus deveres de cidadania, independentemente
de crenças, raças ou ideologias, concorrendo para que meu trabalho possa ser um
instrumento de controle e orientação útil e eficaz para o desenvolvimento da sociedade
e o progresso do país. Comprometo-me, ainda, a lutar pela permanenteunião da
classe contábil, o aprimoramento da ciência contábil e a evolução da profissão”.

Curso: Ciências Econômicas
Faixa: Azul
Juramento: Perante Deus eu juro, fazer de minha profissão de Economista, um
instrumento não de valorização pessoal, mas sim, utilização para a promoção do bem
estar e progresso social e econômico do meu povo e minha Nação, procurando
sempre tentar solucionar, de forma racional e humana, nossos problemas neste setor”.

Curso: Direito
Faixa: Vermelha
Juramento: “Prometo, no exercício das funções de meu grau, acreditar no Direito como
melhor forma para convivência humana, fazendo da justiça o meio de combater a
violência e de socorrer os que dela precisarem, servindo a todo ser humano, sem
distinção de classe social ou poder aquisitivo, buscando a paz como resultado final. E,
acima de tudo, prometo defender a liberdade, pois, sem ela, não há Direito que
sobreviva, Justiça que se fortaleça e nem Paz que se concretize”.

Curso: Educação Física
Faixa: Lilás
Juramento: “Prometo, perante Deus, no exercício de minha profissão, cumprir
fielmente, os deveres da Honra, da Ciência, da Caridade e do Magistério, e tudo fazer,
quanto permitam as minhas forças, pela Educação Nacional e pela grandeza do
Brasil”.

Curso: Engenharia Ambiental
Faixa: Azul

Curso: Geografia
Faixa: Lilás
Juramento: “Prometo, perante Deus, no exercício de minha profissão, cumprir
fielmente, os deveres da Honra, da Ciência, da Caridade e do Magistério, e tudo fazer,
quanto permitam as minhas forças, pela Educação Nacional e pela grandeza do
Brasil”.

Curso: História
Faixa: Lilás
Juramento: “Prometo, perante Deus, no exercício de minha profissão, cumprir
fielmente, os deveres da Honra, da Ciência, da Caridade e do Magistério, e tudo fazer,
quanto permitam as minhas forças, pela Educação Nacional e pela grandeza do
Brasil”.
Curso: Letras (Português/Inglês) (Português/Espanhol)
Faixa: Roxo/Lilás
Juramento: “Prometo, perante Deus, no exercício de minha profissão, cumprir
fielmente, os deveres da Honra, da Ciência, da Caridade e do Magistério, e tudo fazer,
quanto permitam as minhas forças, pela Educação Nacional e pela grandeza do
Brasil”.

Curso: Matemática
Faixa: Lilás
Juramento: “Prometo, perante Deus, no exercício de minha profissão, cumprir
fielmente, os deveres da Honra, da Ciência, da Caridade e do Magistério, e tudo fazer,
quanto permitam as minhas forças, pela Educação Nacional e pela grandeza do
Brasil”.

Curso: Pedagogia
Faixa: Lilás
Juramento: “Prometo, perante Deus, no exercício de minha profissão, cumprir
fielmente, os deveres da Honra, da Ciência, da Caridade e do Magistério, e tudo fazer,
quanto permitam as minhas forças, pela Educação Nacional e pela grandeza do
Brasil”.

É responsabilidade do Centro Universitário de Sete Lagoas - UNIFEMM:
   •   Disponibilizar o auditório Dr. Marcelo Vianna para o evento sem ônus para os
       formandos;
   •   Bandeiras;
   •   Tribuna;
   •   Águas e copos para a mesa de honra.
   •   O UNIFEMM se reserva o direito de também fotografar a missa, colação de
       grau e baile, para fins de registro e publicação do evento sem Ter que
       disponibilizar as imagens aos formandos.


É responsabilidade dos formandos:

   •   Envio dos convites ao Patrono, Paraninfo, Professor e Funcionário
       Homenageado e professores do Curso;
   •   Decoração do auditório onde será realizada a colação de grau, incluindo a
       toalha e o arranjo de flores da mesa de honra;
   •   Mestre de Cerimônias;
   •   Cerimonial;
   •   Realização da missa de formatura/culto ecumênico (se houver interesse da
       turma);
   •   Baile de formatura (se houver interesse da turma);
   •   Fornecer convites de formatura para: Presidente da FEMM, Reitor, Pró-Reitora
       Acadêmica, Pró-Reitor Administrativo e Financeiro e Coordenadoria de
       Comunicação;
3- Inaugurações (busto, placas, portrait)

As inaugurações podem ter um caráter público, contemplando a presença de
autoridades dos três poderes (judiciário, legislativo e executivo) e da comunidade
externa. É dispensada a composição de mesa oficial.

Podem ser seguidas de coquetel ou recepção após as inaugurações ou terem suas
sessões findadas após os discursos.

A imprensa receberá press release e material informativo específico, bem como
convite para cobertura da solenidade.


4- Posse de Diretor de Unidade de Ensino, Centros ou Institutos

Prevê-se para essas solenidades a presença da comunidade interna.

É obrigatória a publicação no Diário Oficial.

A imprensa receberá release e material informativo específico, bem como
agendamento de entrevista e sessão fotográfica com o empossado.

5- Posse de Reitor

A posse deve ter um caráter público, contemplando a presença de autoridades dos
três poderes (judiciário, legislativo e executivo) e representantes das comunidades
interna e externa.

Podem ser seguidas de coquetel ou recepção após a posse ou terem suas sessões
findadas após os discursos.

É imprescindível a formação de mesa oficial e ato cívico.

A imprensa receberá press release e material informativo específico, bem como
convite para cobertura da solenidade.

É obrigatória a publicação no Diário Oficial.

6- Posse de Membros de Colegiados

Prevê-se para essas solenidades a presença da comunidade interna. O membro a ser
empossado deve receber comunicado por escrito contendo informação do dia, do
horário e do local da reunião de posse.

É obrigatória a presença na reunião do Diretor da Unidade de Ensino.

7- Entrega de Títulos e Condecorações

As homenagens podem contar com a presença da comunidade externa além da
interna. Podem ter um caráter não oficial, dispensando a formação de mesa oficial e
ato cívico.
Podem ser seguidas de coquetel ou recepção após a entrega das homenagens ou
terem suas sessões findadas após os discursos.

A imprensa poderá receber press release e material informativo específico, bem como
convite para cobertura da solenidade.

8- Congressos, Simpósios, Seminários, Palestras

8.1- Congressos, simpósios e seminários– prevê-se mesa oficial para o 1o dia dos
eventos e ato cívico. Não é obrigatória a presença do Reitor para início ou fechamento
da solenidade, mas caso ele esteja presente, deve fazer parte da mesa oficial além
dos palestrantes e/ou debatedores.

8.2- Palestras: não deve haver formação de mesa oficial, é dispensado o ato cívico. A
cerimônia pode ser conduzida por um mestre de cerimônias e, caso haja espaço para
perguntas, o mestre de cerimônias deverá ser o intermediador ou ser oferecido
microfone para a platéia.

9- Fóruns, Mesa-redonda, Painel

Neste tipo de evento deve compor a mesa somente a autoridade que for debater o
assunto em pauta. As demais autoridades devem ser somente citadas no cumprimento
pelo mestre de cerimônias.

Ao final da exposição do convidado principal, poderá ser chamado à mesa no máximo
mais três debadetores com pontos de vista diferentes / discordantes da temática
desenvolvida para fazerem perguntas ou levantarem questionamentos. Deve-se
observar que não são mais três discursos ou palestras, mas sim, considerações e
análises do mesmo tema com pontos de vista diferentes.

O mestre de cerimônias poderá ser também o intermediador das perguntas da platéia
ou ainda ser oferecido o microfone para o público quando houver tempo para esse tipo
de interação.

É dispensável o ato cívico, salvo os eventos onde estejam presentes autoridades dos
poderes executivo, legislativo e/ou judiciário.

A imprensa poderá receber press release e material informativo específico, bem como
convite para cobertura da solenidade.

9- Cerimônia “In Memoriam”

Ocorre quando a homenagem é feita a uma personalidade já falecida e poderá ter
como representante familiares e/ou membros da Instituição a que pertencia.

Poderá ocorrer em data específica de aniversário de morte ou de feito relevante
realizado em vida.

10- Semanas Acadêmicas e datas comemorativas dos cursos

Considerando o grande número de cursos do Centro Universitário, é aconselhável que
as semanas acadêmicas sejam realizadas na mesma data para os cursos
pertencentes às mesmas Unidades de Ensino. Assim, deve ser programada a Semana
Acadêmica do Curso de Direito; a Semana Acadêmica dos Cursos de Ciências
Biológicas, Educação Física, Geografia, História, Letras, Matemática e Pedagogia; e a
Semana Acadêmica dos Cursos de Administração, Administração Pública, Ciências
Contábeis, Ciências Econômicas, Engenharia Ambiental e Engenharia de Produção-
Mecânica.

Caso seja necessário produção de material impresso via Assessoria de Comunicação
e Marketing com a programação da semana, é preciso agendamento com, no mínimo,
45 dias de antecedência.

No dia de cada profissional, poderá ser feito um cartão ou programada uma palestra
em comemoração à data. Em virtude do crescente número de cursos do Centro
Universitário, é importante que os Coordenadores de Curso programem atividades em
conjunto viabilizando o investimento em recursos técnicos e infra-estrutura.


11- Lançamento de Livros, Revistas

Com o objetivo de ampliar e valorizar a produção acadêmica, o lançamento de livros,
revistas e demais edições especiais são eventos importantes para o Centro
Universitário.

Contando com a possibilidade de realizar a produção off set destes materiais no
próprio UNIFEMM, os alunos e professores têm na Instituição um grande apoio na
produção literária de obras e artigos.

O evento de lançamento poderá ter, além da comunidade interna, um público-alvo
específico e definido de acordo com o(s) tema(s) abordado(s) na edição especial. Uma
sessão de autógrafos poderá acompanhar a solenidade, estreitando o contato entre o
público e o(s) autor(es).

A imprensa receberá press release e convite para cobrir o evento.


12- Visitas Oficiais

Deverão ser agendadas na Assessoria de Comunicação e Marketing que
acompanhará a visita juntamente com as autoridades do Centro Universitário e da
Fundação Monsenhor Messias.

O programa da visita será desenvolvido de acordo com as necessidades e interesses
apresentados pelo(s) visitante(s).


Texto elaborado pela Assessoria de Comunicação e Marketing do Centro Universitário
de Sete Lagoas - UNIFEMM
Colaboração e revisão: Professor Marcos Antônio Barbosa Lima
REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO:

HOYLE, Jr., Leonard H. Marketing de eventos: como promover com sucesso eventos, festivais,
convenções e exposições. São Paulo: Atlas, 2003
LUKOWER, Ana. Cerimonial e Protocolo. São Paulo: Contexto, 2006.3.ed – (Coleção turismo
passo a passo)
OLIVEIRA, J.B. Como promover eventos. Cerimonial e Protocolo na Prática. São Paulo:
Madras, 2005. 2.ed.