8- Requisitos para liderança de Pequenos Grupos

Document Sample
8- Requisitos para liderança de Pequenos Grupos Powered By Docstoc
					8- Requisitos para liderança de Pequenos Grupos
Um dos grandes segredos para o sucesso dos pequenos grupos é o time de líderes desse ministério. 1. Comprometidos com a visão de Deus A direção de um pequeno grupo não é um favor ou uma força no ministério do pastor, mas uma resposta fiel a um ministério para o qual Deus mesmo os separou.

2. Boa reputação ante o rebanho Os líderes de um pequeno grupo devem ser pessoas de confiança, para que o rebanho possa acatá-los como se fossem o próprio pastor da igreja. Os líderes de pequenos grupos podem ser enquadrados na expressão “pastoresleigos”, e jamais terão respaldo do rebanho caso haja respingos em sua reputação.

3. Disponíveis Liderar um pequeno grupo implica em preparo de cada reunião e para o cuidado pastoral do “pequeno rebanho”. Gente ocupada demais deixa cair o nível das reuniões e dos estudos bíblicos ministrados e não está à disposição das pessoas em suas eventuais necessidades. 4. Ensináveis Exigem-se competência e excelência dos líderes de pequenos grupos, tanto quanto da liderança pastoral da igreja. E ninguém torna-se excelente se não admitir a necessidade de melhorar sempre. 5. Leais ao todo da liderança pastoral da igreja A “síndrome” de Diótrefes” (3João 9) sempre encontra pessoas vulneráveis dentro da igreja, e se algum dos líderes de pequenos grupos tiver essa propensão a ser o primeiro, logo haverá discórdia e conflitos na igreja. A igreja deve caminhar em unidade, pois os pequenos grupos não podem ser um instrumento de desmobilização do rebanho. Os pequenos grupos não são uma igreja, são apenas células de uma igreja. Quando um pequeno grupo decide agir por conta própria à revelia da orientação pastoral da igreja, na verdade deixou de ser uma célula para tornar-se um corpo. Finalmente, Isaías profetiza algo que todos os líderes deveriam admitir: “Uma nação não nasce em apenas um dia” (Is. 66:8). Pastores e líderes que não estão dispostos a “sofrer dores de parto” não chegarão a ver filhos.