O CONTROLO DE QUALIDADE DO TRABALHO DE AUDITORIA by murplelake80

VIEWS: 316 PAGES: 3

									                    André David de Vasconcelos Aguiar Soares




        O CONTROLO DE QUALIDADE DO TRABALHO DE

                                     AUDITORIA

        ESTUDO COMPARATIVO DOS PAÍSES DA UNIÃO EUROPEIA




Dissertação apresentada na Universidade do Minho, sob a orientação do Professor Doutor António
      Campos Pires Caiado, a fim de obter o grau de mestre em Contabilidade e Auditoria




                           UNIVERSIDADE DO MINHO

                              Escola de Economia e Gestão
                                 Braga, Fevereiro 2005
                                           RESUMO

       A União Europeia (UE) conta hoje com mais de 447 milhões de pessoas distribuídas por 25
países. A Fédération des Experts Comptables Européens, organização que representa a actividade
de Auditoria e Contabilidade na Europa, reúne cerca de 41 institutos profissionais, espalhados por
29 países, agrupando mais de 500.000 profissionais. No entanto, cabe a cada organismo profissional
identificar as suas especificidades e adaptá-las às regras europeias, desenvolvendo-as
individualmente.
       A auditoria deve constituir uma forma activa de protecção de terceiros interessados numa
melhor credibilidade da informação financeira. Este estudo apresenta o resultado de uma análise e
comparação dos procedimentos de Controlo de Qualidade (CQ) do trabalho do auditor às
demonstrações financeiras dos Países da UE. Baseia-se principalmente nas respostas a uma
pesquisa, materializada num questionário desenvolvido para o efeito sobre a regulamentação
seguida nos Estados Membros (EM). Reflecte o trabalho desenvolvido pelos organismos
profissionais de toda a UE, identificando as exigências nacionais impostas por esse conjunto de
organismos/instituições, no âmbito do CQ, ao profissional responsável pela auditoria.
       As nossas conclusões focam várias áreas. Primeiramente, a maioria dos institutos
profissionais já tem estabelecido sistemas de CQ, apesar de diferentes, reflectindo não só as suas
tradições nacionais e regulamentares, mas também a sua diferente cultura em termos de
contabilidade, gestão e auditoria. Em segundo lugar, têm-se vindo a registar alterações recentes no
que se refere ao CQ assim como manifestações expressas de alterações futuras. Podemos constatar
que os EM respondentes aceitaram a sugestão de criar novos requisitos de CQ para além dos
mínimos definidos. Em terceiro lugar, a caracterização do CQ dos diversos EM respondentes é
extremamente rica em pormenores que de um modo geral e com algumas excepções, não diferem
dos preconizados na bibliografia existente sobre o tema. Apesar das pequenas adaptações a
circunstâncias locais, as normas de auditoria são substancialmente aplicadas nos EM e pudemos
comprovar a existência de um elevado nível de harmonização na UE, por parte dos EM
respondentes. A realidade de cada EM é sempre mais rica do que as hipóteses que possamos
elaborar a seu respeito. Uma observação séria revela frequentemente outros factos além dos
esperados e outras relações que não devemos negligenciar.


Palavras-chave: Controlo de Qualidade, Auditoria, União Europeia, Comparabilidade.
                                           ABSTRACT

       The European Union (EU) today has a population of more than 447 million people in 25
countries. The Fédération des Experts Comptables Européens, which represents people carrying out
Auditing and Accounting in Europe, comprises about 41 professional institutes, in 29 countries,
with more than 500,000 professionals. However, it depends on each professional organisation to
identify their specific characteristic and to adapt them to the European rules, developing them
individually.
       The auditing should constitute an active form of protection of interested third parties to
ensure better credibility of financial information. This study presents the result of an analysis and
comparison of the procedures of Quality Control (QC) of the work of the auditor to the financial
statements of the EU Countries. It is based mainly on the answers to research, conducted through a
specially developed questionnaire, of the Member States (MS) regulation. It reflects the work
developed by the professional organisations of the whole EU, identifying the national demands
imposed by those organisations/institutions, in the extent of QC, to the professional responsible for
the auditing.
       Our conclusions focus on several areas. Firstly, most of the professional institutes have
already established QC systems, albeit different ones, reflecting not only their national regulation
and traditions, but also their different culture in accounting, administration and auditing terms. In
second place, recent alterations have been taking place concerning QC as well as clear indications
of future alterations. We can verify that the MS respondents accepted the suggestion of creating
new requirements of QC besides the defined minimum. In third place, the QC characterization of
the several MS respondents is extremely rich in details that, in general and with some exceptions,
do not differ from those included in the existent bibliography on the theme. In spite of the small
adaptations to local circumstances, the auditing norms are applied substantially in the MS and we
could prove the existence of a high harmonization level in the EU, on the part of the MS
respondents. The reality of each MS is always richer than the hypotheses that we can advance about
it. A serious observation frequently reveals more than expected and other relationships that we
should not neglect.


       Word-key: Quality Control, Auditing, European Union, Comparability.

								
To top