HOSPEDEIROS Prof. Francisco Baptista São hospedeiros todos os by klutzfu58

VIEWS: 285 PAGES: 2

									HOSPEDEIROS                                     organismo hospedeiro podem acontecer e,
                                                nesses casos, diz-se que há doença. Tudo
Prof. Francisco Baptista
                                                depende da resultante da ação das forças
                                                que procuram manter e levar os parâmetros
                                                fisiológicos para a normalidade e da ação
                                                daquelas forças que, provocando danos nos
                                                hospedeiros, alteram esses parâmetros.
                                                         A capacidade de resposta do
                                                organismo      (resistência)     pode   ser
                                                sobrepujada       e,      conseqüentemente,
                                                estabelecer-se um estado de incapacidade
                                                transitório ou definitivo. Em casos
                                                extremos, essa incapacidade pode significar
                                                o desaparecimento (morte) do organismo
        São     hospedeiros      todos     os   como unidade biológica independente. Sob
vertebrados, cuja integridade estrutural e      este ponto de vista, a vida pode ser
funcional é constantemente ameaçada pela        entendida como a capacidade de resposta do
ação de fatores físicos, químicos, biológicos   organismo      e     restabelecimento    da
ou sociais conhecidos como agentes de           homeostasia o que, progressivamente, desde
doença.                                         a concepção, se vai esgotando e orientando
        A filogenia dos hospedeiros             para a desagregação da unidade biológica.
determina     neles    um     estado     de     A Epidemiologia, ao cuidar dos
susceptibilidade ou de insusceptibilidade       hospedeiros,     procura       compreender
à ação de agentes de doença. Os                 melhor essas unidades biológicas e as
hospedeiros susceptíveis      permanecem        respectivas forças defensivas, como
saudáveis quando, através de suas forças        premissa para ações de defesa,
defensivas, conseguem neutralizar a ação        manutenção e promoção da saúde nas
dos agentes de doença. Um hospedeiro é          populações.
insusceptível (refratário) a determinado                As      forças    defensivas    dos
agente de doença quando a sua integridade       hospedeiros podem ser classificadas como
não é afetada por este. Assim, os eqüinos,      inespecíficas ou específicas. São forças
apesar de serem susceptíveis a vários           defensivas inespecíficas as de natureza
agentes de doença, são refratários ao vírus     química ou celular que o organismo tem e
da febre aftosa, ao qual são susceptíveis       mobiliza para combater qualquer substância
animais bi ungulados como bovinos, suínos,      estranha à sua composição ou, mesmo não
ovinos e caprinos. A temperatura corporal       sendo estranha, exista em quantidade ou
das aves, maior que a dos mamíferos, torna-     situação não condizente, funcional ou
as refratárias à infecção pelo Bacillus         estruturalmente, com a normalidade. Podem
anthracis.                                      ser citadas como forças defensivas
        Os hospedeiros apresentam vários        inespecíficas as células com capacidade
graus de resistência, determinados pela         fagocitária, certas enzimas como a lisozima
capacidade das suas forças defensivas se        das lágrimas, os sais biliares vertidos no
contraporem à ação deletéria dos agentes de     tubo digestivo, os movimentos peristálticos
doença. Dessa forma as variações de             do tubo digestivo, reflexos como o espirro e
susceptibilidade e, conseqüentemente, de        a tosse. No seu conjunto, tais forças
resistência, podem ser encontradas entre        defensivas influenciam e são influenciadas
indivíduos da mesma espécie ou entre            pelo funcionamento de tecidos, órgãos e
indivíduos de espécies diferentes. A            sistemas. Incluem-se nessas forças a
contraposição suficiente da resistência         integridade da pele e das mucosas, que se
dos hospedeiros à capacidade agressiva          constituem em verdadeiras fortalezas
dos agentes define um estado de                 mecânicas e químicas.
equilíbrio dinâmico denominado saúde.                 As forças defensivas específicas
Se essa contraposição for insuficiente,         podem ser do tipo humoral (anticorpos) ou
vários graus de desequilíbrio nas funções do
celular (linfócitos T). A particularidade       hospedeiro permanece vulnerável, isto é,
destas forças é que elas só atuam contra as     sem proteção específica.
substâncias estranhas ao organismo que
                                                Quadro 1- Classificação         das   forças
induzem a sua formação, complementando
                                                defensivas específicas.
e reforçando a ação das forças defensivas
inespecíficas anteriormente referidas. As           TIPOS DE           CIRCUNSTÂNCIA
substâncias estranhas ao organismo                 IMUNIDADE
chamam-se        antígenos     e    a     as
                                                Natural      Ativa     Doença
imunoglobulinas capazes de com eles se
combinarem de forma específica são                           Passiva   Tomada de colostro
chamadas      de     anticorpos.    Existem
                                                                       Através da placenta
diferentes classes de imunoglobulinas como
IgA, IgG, IgM, IgE. Em cada classe, com         Artificial   Ativa     Vacinação
base em características físico-químicas e
                                                             Passiva   Por soro imune
estruturais, são conhecidas subclasses. A
distribuição e a concentração das diferentes                           Transferência de
imunoglobulinas nos tecidos não são                                    células
uniformes; variam na dependência do tipo
de imunoglobulina e da reação imunológica
que origina a sua formação (estímulo            Bibliografia
antigênico – natureza, intensidade e
                                                    1. CÔRTES, JOSÉ DE ANGELIS.
duração). Assim, a IgA é conhecida como
                                                       Epidemiologia – Conceitos e
protetora das mucosas, a IgG e a IgM
                                                       princípios fundamentais. São Paulo:
encontram-se principalmente na corrente
sanguínea e a IgE é tida como a                        Livraria Varela, 1993.
                                                    2. FORATTINI, Oswaldo Paulo.
imunoglobulina dos fenômenos alérgicos e
parasitoses gastrintestinais.                          Epidemiologia Geral. 2ª Ed. Depto
                                                       de Epidemiologia: Faculdade de
         A Imunidade, estado conferido                 Saúde Pública – USP. Editora Artes
pelas forças defensivas específicas, pode ser          Médicas, 1996.
classificada como apresentado no Quadro 1.          3. JEKEL, James F. et al.
Na imunidade ativa é o próprio organismo               Epidemiologia, Bioestatística e
que produz os fatores protetores (anticorpos           Medicina Preventiva. 1ª Ed. Porto
e células imunocompetentes); já na                     Alegre: Editora Artmed S.A., 2002
imunidade passiva o organismo recebe                4. LESER, Walter. et al. Elementos de
esses fatores de outro organismo                       Epidemiologia Geral. São Paulo –
previamente imunizado. A imunidade                     Rio de Janeiro – Belo Horizonte:
passiva é imediata, mas de duração menor               Editora Atheneu, 1997.
que a imunidade ativa.                              5. PEREIRA, Mauricío Gomes.
        Na imunidade ativa o organismo                 Epidemiologia: Teoria e Prática.
conserva     a      chamada     memória                Rio de Janeiro: Editora Guanabara
imunológica, fazendo com que em um                     Koogan S.A.,2001.
segundo contato com a substância                    6. ROUQUAYROL, Maria Zélia. et
antigênica a resposta (produção de                     al. Epidemiologia e Saúde. 5ª Ed.
anticorpos       ou       de      células              Rio de Janeiro: Editora Medsi,
imunocompetentes) seja maior e mais                    1999.
rápida. Este aspecto é utilizado na                 7. SAÚDE, Ministério da. Estudos
imunização ativa através de vacinação,                 Epidemiológicos. Ed. Única.
repetindo a inoculação da vacina para se               Fundação Nacional da Saúde –
obter uma proteção mais sólida.                        Vigilância Epidemiológica.
                                                       Agosto/2000
        A imunidade ativa, ao contrário da          8. Thrusfield, M. V. Epidemiologia
passiva, só se estabelece algum tempo após             Veterinária. 2ª Ed. São Paulo:
o estímulo antigênico. Entretanto, o                   Roca, 2004

								
To top