DROGAS E SISTEMA NERVOSO

Document Sample
DROGAS E SISTEMA NERVOSO Powered By Docstoc
					   DROGAS E SISTEMA NERVOSO
Autoras:
Junia Freguglia
Marina Fonseca




                                          (www.cicloceap.com.br acesso em 26/03/09)



Tópico n.º 8 do CBC de Ciências

Habilidades Básicas recomendadas no CBC:
    •    Compreender a estrutura do sistema nervoso;
    •    Explicar a transmissão de impulsos nervosos;
    •    Relacionar o efeito das drogas com a alteração do funcionamento do sistema
         nervoso;
    •    Identificar drogas que alteram o sistema nervoso;
    •    Avaliar as conseqüências do uso das drogas no convívio social.


Organização do texto:
    •    Informação
    •    História
    •    Atividades
    •    Projetos
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

                                                                                                                          1
     I.   Introdução

O que são drogas? Por que as drogas mudam o comportamento das pessoas? Que
mudanças elas provocam no organismo? Por que elas viciam? Há drogas que são
permitidas? Quais são os perigos relacionados ao uso de drogas? Qual a relação
entre drogas e sistema nervoso?

É preciso saber.


Usando drogas: multiplicando os riscos
Procurar informações sobre o que são as drogas e os seus efeitos não significa querer consumi-las.
As perguntas sobre o assunto são freqüentes entre os jovens. O que é maconha? Crack e cocaína
são a mesma coisa? Existem drogas leves e drogas pesadas? O que é dependência? O álcool faz
mal, mesmo consumido moderadamente? Onde procurar tratamento? Com quem falar sobre o
assunto?

Essas e outras dúvidas são comuns entre os jovens e, infelizmente, as respostas muitas vezes são
repletas de desinformação, fantasias, mitos e até preconceitos. As dúvidas chegam a ser mais
freqüentes que o próprio uso de determinadas substâncias. São poucas as pessoas que têm
condições de respondê-las com conhecimento real, seguro e isento. Além disso, em algumas
ocasiões, o jovem tem medo de perguntar a seus pais pelo receio de eles pensarem que está
usando drogas.

A informação nunca deve ser negada. Saber o conceito e os tipos de drogas é o primeiro passo.

Trecho do texto extraído de http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/4412 acesso em 13/03/09




O conhecimento é fundamental em todas as ocasiões da nossa vida. Saber sobre
como as coisas são e como funcionam ajuda bastante no nosso dia-a-dia,
especialmente quando precisamos tomar decisões. Não seria diferente quando se
trata de decidir se queremos uma vida saudável ou não, e isso inclui o uso ou não
de drogas.

As drogas agem especialmente sobre o sistema nervoso alterando o seu
funcionamento. Como veremos, o sistema nervoso é responsável pela coordenação
de todas as funções do corpo. Suas células são permanentes, ou seja, não são
substituídas ao longo da vida como acontece com outros órgãos do corpo humano.
Significa, portanto, que o uso de drogas afeta o organismo de forma agressiva
provocando danos às vezes irreversíveis.


                                                                                                    2
Então, vamos conhecer o sistema nervoso e como os diversos tipos de drogas
afetam o seu funcionamento. Também vamos discutir outros problemas como as
mudanças de comportamento que afetam o convívio social do usuário de drogas.



Projeto 1 – O que você quer saber?



Um estudo realizado por uma pesquisadora da Tanzânia no ano de 2001 revelou o
que jovens e adolescentes com idade entre 11 e 20 anos, de regiões diferentes
daquele país, alunos de escolas primárias e secundárias, gostariam de saber sobre
drogas e seu uso. A partir desse levantamento foi produzido um folheto informativo
com 37 perguntas e respostas. O folheto está disponível no site indicado na
bibliografia desse módulo.



A) Consulte o folheto e identifique as perguntas que você também faria. Identifique
aquelas que são específicas dos estudantes daquela região.



B) Discuta com seus colegas e professor(a): O contato com as drogas pode variar
de um país para outro? De uma região para outra? Por quê?



C) Assim como a pesquisadora, a classe poderá produzir um folheto informativo.
Cada estudante deverá fazer uma pergunta. Todas as perguntas devem ser
colocadas em uma caixa. Depois, essas perguntas deverão ser redistribuídas
aleatoriamente de modo que cada estudante responda uma pergunta depois de
pesquisar sobre ela. De posse de todas as perguntas e respostas, o(a) professor(a)
ou um(a) estudante ficará responsável por produzir o folheto. Ao(à) professor(a)
caberá a revisão das respostas.




                                                                                 3
    I. Sistema nervoso: como é, como funciona

Observe as figuras:




 www.ji.inf.br acesso em          www.orapois.com.br acesso em    souddd.files.wordpress acesso em
 23/03/09                         23/03/09                        23/03/09




As figuras acima provocaram alguma sensação em você? Provavelmente, sim. Se
você sentiu medo, tristeza, alegria ou fome vendo as imagens, então você recebeu
estímulos que provocaram pensamentos, sensações e respostas (lágrimas,
salivação, por exemplo). Tudo isso é coordenado pelo Sistema Nervoso, integrado a
diversos órgãos do seu corpo. Vamos conhecer como é e como funciona esse
sistema.

                                                                 Embora exista apenas um sistema
 ENCÉFALO
                                                                 nervoso,            para            entendermos
                                                                 melhor, ele pode ser separado em
                                                                 várias partes, baseando-se em
                                            MEDULA ESPINHAL      características          funcionais       e   de
                                                                 localização. Assim, para efeito de
                                                                 estudo, o sistema nervoso pode
                                                                 ser dividido em duas partes: O
                                                                 sistema nervoso central (composto
                                                                 pelo encéfalo e medula espinhal) e
                                                                 o    sistema           nervoso         periférico
                                                                 (composto pelo tecido nervoso,
                                                                 localizado fora do sistema nervoso
                                                                 central).
 Figura 1. Representação do sistema nervoso.
 www.oidealista.com acesso em 13/03/09




                                                                                                                4
Sistema Nervoso Central (SNC) = Encéfalo + Medula
Espinhal



É no sistema nervoso central que ocorrem nossos
pensamentos e emoções, e onde ficam nossas memórias
e ocorre todo tipo de estímulo sensitivo.

Todo o sistema nervoso central está protegido por ossos e
membranas. O encéfalo está protegido pela caixa
craniana e a medula espinhal pela coluna vertebral.
Ambos estão envolvidos por membranas designadas
meninges e por um líquido cefalorraquidiano.
                                                                                        Figura 2. Sistema nervoso central.
                                                                                        3.bp.blogspot.com acesso em 13/03/09

A figura 3 mostra um corte do crânio e da
membrana que envolve o encéfalo.

O    encéfalo        é        formado       por       partes        que
desempenham funções diferentes como mostra a
figura 4.

Ainda há outras divisões do encéfalo em regiões
responsáveis pelo controle da temperatura corporal,
da sede, da fome; pelo comportamento emocional,
                                                                              Figura 3. Corte de crânio e de meninge.
memória e aprendizado. Ainda, pela visão, audição,                            sistemanervosonow.blogspot.com acesso em 3/03/09

movimento dos olhos e movimento do corpo.

            •    Pensamento
            •    Movimento voluntário
            •    Linguagem
            •    Julgamento
            •    Percepção


                    •    Movimento
                    •    Equilíbrio
                    •    Postura



       PONTE, MEDULA E BULBO
       (TRONCO DO ENCÉFALO):
            •    Respiração
            •    Ritmo dos
                 batimentos cardíacos
            •    Pressão Arterial




      Figura 4. Funções do encéfalo. CD ROM Revista Clipart. Ed Ondas. 2005. (modificado)                                 5
Sistema Nervoso Periférico (SNP)

O sistema nervoso periférico (SNP) está formado por nervos e gânglios localizados
fora do sistema nervoso central. Os nervos conectam as partes do corpo com o
sistema nervoso central e os gânglios (grupos de corpos de células nervosas) são
associados aos nervos.

O sistema nervoso periférico inclui 12 pares de nervos cranianos, que se originam
do cérebro e do tronco do encéfalo e 31 pares de nervos espinhais, que se originam
da medula espinhal.

O Sistema Nervoso Periférico ainda se subdivide em:

•    Sistema Nervoso Somático: Sua função é reagir a estímulos provenientes do
 ambiente externo. É constituído por fibras motoras que conduzem impulsos do
 sistema nervoso central aos músculos esqueléticos. E também pode ser chamado
 de Voluntário, pois podemos controlá-lo segundo a nossa vontade.

•    Sistema Nervoso Autônomo: funciona independentemente de nossa vontade e
 tem função de regular o ambiente interno do corpo, controlando a atividade dos
 sistemas digestório, cardiovascular, excretor e endócrino. Contém fibras nervosas
 que conduzem impulsos do sistema nervoso central aos músculos lisos das
 vísceras e à musculatura do coração. É subdividido em sistema nervoso simpático
 e sistema nervoso parassimpático:

Esses dois sistemas
têm funções
contrárias. Se o
sistema simpático
acelera o trabalho
do estômago e dos
intestinos, o
parassimpático entra
em ação para
diminuir as
contrações desses
órgãos, por
exemplo.                 Figura 5. Representação do sistema nervoso periférico. www.afh.bio.br acesso em 17/03/09




                                                                                                            6
De forma geral, podemos entender que o sistema nervoso desempenha inúmeras
tarefas, e, que, através dos impulsos elétricos que ocorrem entre seus bilhões de
neurônios, ele é capaz de se conectar com todas as partes de nosso corpo. Mas
como essa conexão é feita? Isso é o que veremos a seguir.



Atividade 2 – Compreendendo as funções do sistema nervoso

                                        Em um acidente automobilístico, uma pessoa teve
                                        uma lesão no sistema nervoso, no local indicado
                                        pela seta. Responda SIM ou NÃO para as funções
                                        que ela poderá realizar após o acidente. Explique
                                        suas respostas.



A) Lembrar-se de um compromisso.

B) Ouvir o canto de um pássaro.

C) Resolver, mentalmente, um problema matemático.

D) Retirar a mão de um objeto quente.

E) Realizar um trabalho manual.



    II. Transmissão de impulsos nervosos – o que é como se dá?



Quem é você?

Para responder a essa pergunta, talvez você conte a história da sua vida, suas preferências,
emoções, crenças, enfim, tudo aquilo que lhe faz ver o mundo de uma maneira particular. É uma
espécie de filme autobiográfico. São flashes do último final de semana, do sabor da sobremesa
favorita, lembranças da infância mescladas com sensações de alegria, cansaço, fome. E o mais
importante: no fundo, você sabe que essas imagens e sensações são exclusivas. Ninguém, além de
você, pode entrar na sua mente e assistir ao mesmo filme. Mas como essa superprodução é escrita,
produzida e dirigida no seu cérebro?.

Ou melhor: como um órgão com a consistência de um pudim é capaz de criar pensamentos,
memória, medo, prazer e toda a complexidade que distingue o homem de outras espécies?



                                                                                               7
Como não se conhecia o interior dessa caixa, durante séculos seu estudo ficou restrito às
especulações de teólogos e filósofos. Mas isso está mudando. A moderna neurologia tem revelado
uma visão surpreendente do órgão mais complexo do corpo e promete deixar o século XXI
conhecido como o século em que entendemos o cérebro. "Começamos a decifrar esse mistério", diz
o neurologista português António Damásio, pesquisador da Universidade de Iowa, Estados Unidos,
"Comparada com a era da corrida espacial, estamos a meio caminho de explorar esse universo
chamado cérebro."

A analogia com a astronomia não é gratuita. Há no cérebro uma constelação gigante com mais de
100 bilhões de células nervosas, os conhecidos neurônios. A conexão entre os neurônios - sinapses
- controla desde as batidas do seu coração até a lembrança de um amor antigo. O número dessas
conexões supera o de estrelas nas galáxias e se você resolvesse contar uma delas por segundo,
apenas na região do córtex (camada externa do cérebro), precisaria de 32 milhões de anos.
Enquanto nossos 100 bilhões de neurônios equivalem ao número de árvores na floresta amazônica,
as sinapses seriam cada folhinha de todas essas árvores.

Mesmo que a medicina possa um dia transplantar qualquer órgão do corpo, não faria sentido receber
o cérebro de outra pessoa. Ainda que isso fosse possível, seria mais correto afirmar que foi o
cérebro transplantado que recebeu um novo corpo. Confuso? É que para os neurologistas, o cérebro
guarda o que você é. Incluindo aí a sua personalidade.

A primeira grande prova, na medicina, de que até a personalidade pode mudar após uma mudança
física no cérebro surgiu com um bizarro acidente ocorrido em 1848, no Estado de Vermont, EUA.
Phineas Gage, um capataz de 25 anos que trabalhava na construção de ferrovias, foi vítima de um
acidente. Após uma explosão, uma barra de ferro em forma de lança entrou pelo lado esquerdo da
sua face, atravessou a base do crânio e saiu como um projétil pelo topo da cabeça. Gage caiu no
chão, sofreu convulsões e, logo depois, ocorreu o inesperado: recobrou a consciência e voltou a
falar normalmente. Alguns meses após o acidente, os médicos e os amigos de Gage notaram que
ele não era o mesmo. Segundo o relato da época, ele sofrera uma mudança abrupta no caráter.

Conhecido até então como uma pessoa amigável e trabalhadora, Gage se transformara numa
pessoa insuportável, arrogante e indiferente aos outros - para alguns, ele tinha se transformado num
cafajeste.

Hoje os pesquisadores sabem o suficiente para afirmar que a área afetada no cérebro de Gage, o
córtex pré-frontal (camada externa do cérebro logo abaixo da testa), tem um papel importante em
nossa capacidade de sentir emoções. As imagens computadorizadas do crânio de Gage e a análise
de pacientes que sofreram danos na mesma região mostraram que, quando essa área é afetada, os
pacientes parecem incapazes de sentir emoções como antes. Com a perda dessa capacidade,
tornam-se geralmente indiferentes e passam a ter dificuldades para tomar decisões em suas vidas.

Apesar dos novos modelos da mente, os cientistas reconhecem que ainda falta muito para o
entendimento de como essas conexões se articulam para produzir nossa capacidade de refletir
sobre a própria existência. Resta saber se, um dia, essa exploração poderá responder à pergunta


                                                                                                   8
que aflige os homens desde que o cérebro se tornou capaz de desvendar o cérebro: existe alguma
forma de consciência após a nossa morte?

Até mesmo René Descartes, o filósofo francês que, no século XVI, provou que existimos pela
consciência "penso, logo existo", o cérebro era uma máquina pilotada pela alma. Descartes chegou a
propor que a alma estava alojada na glândula pineal, que hoje os cientistas atribuem ao sono.
"Gostaria de acreditar numa vida eterna, mas não tenho nenhuma evidência de que a consciência
existe fora do corpo", diz o neurologista António Damásio.

                                  Cavalcante, Rodrigo. “Cabeça Aberta”. Superinteressante, dezembro de 2001. (Texto adaptado)




Atividade 3 – Retomando a leitura

Releia o texto “Quem é você?” e responda:

A) Pesquise sobre a atividade dos teólogos e filósofos e discuta com seus colegas:
Por que durante séculos o estudo do cérebro ficou restrito às especulações dessas
pessoas?

B) O que são neurônios? Qual a sua importância?

C) Uma lesão no cérebro ou na medula espinhal pode comprometer a capacidade
de locomoção, da fala, entre outras funções. Como isso se explica?



Neurônios e sinapses - A transmissão de impulsos

Todas as sensações descritas no texto “Cabeça Aberta” são coordenadas pelo
sistema nervoso.

O sistema nervoso funciona como uma grande rede de comunicações, em que as
mensagens têm a forma de sinais químicos e
elétricos.

O tecido que forma o sistema nervoso é constituído
especialmente por neurônios. O neurônio é uma
célula de forma estrelada, capaz de receber,
conduzir e interpretar os sinais elétricos e químicos.
                                                                              Figura 6. Ilustração de neurônios.
                                                                              www.lncc.br acesso em 17/03/09
Simplificadamente, a condução do impulso nervoso
ocorre da seguinte maneira (acompanhe a figura 7): os dendritos ou o corpo celular
recebem um estímulo que é transmitido ao axônio. Ao final da transmissão do

                                                                                                                            9
estímulo,     o     axônio      libera     uma
substância que estimula os dendritos
do neurônio seguinte. O estímulo é
passado desse modo pelos neurônios
ao longo da fibra nervosa até chegar
ao órgão determinado, provocando
uma resposta.
                                                    Figura 7. Esquema das partes de um neurônio.
O estímulo pode ser o frio, o calor, a              www.filosofiaadistancia.com.br acesso em 17/03/09


pressão de um objeto, por exemplo. A resposta poderá ser o movimento dos
músculos para aproximar ou afastar o corpo dessas sensações. O sistema nervoso
também é estimulado por sensações de medo, prazer, alegria, fome, raiva, enfim,
por necessidades do corpo ou pelo contato do corpo com o ambiente.




  Figura 8. Diagrama de um nervo mostrando a sinapse, as membranas pré e pós sinápticas e a ação dos
  neurotransmissores. http://clarindasousa.no.sapo.pt/images/sinapse.jpg acesso em 16/03/09.

O lugar onde os axônios de um neurônio e os dendritos do outro se comunicam é
denominado sinapse (figura 8). Na sinapse são liberadas as substâncias que fazem
a comunicação entre os neurônios. Essas substâncias são denominadas
neurotransmissores. Os neurotransmissores são liberados por um neurônio e
captados pelo neurônio seguinte, passando assim a informação necessária. A
adrenalina é um exemplo de neurotransmissor.
                                                                                                        10
Atividade 4 – Efeitos da adrenalina e outros neurotransmissores

Por que corremos riscos
Levadas pelos amigos, pela vontade
de fugir do tédio e pelo puro prazer,
as pessoas voam, saltam e mergulham
em busca do frio na barriga



Bel Moherdaui


A boca seca, as pupilas dilatam-se, a pele empalidece, o coração dispara, os pêlos se
eriçam, o estômago vira. Em seguida vêm o alívio, a satisfação, o intenso prazer. A
seqüência de emoções é típica das situações de alto risco que encantam e atraem um
número cada vez maior de adeptos no Brasil e no resto do mundo. Alguns mergulham
no meio de tubarões. Outros preferem andar em montanha-russa, vencer corredeiras
em um bote inflável ou subir e descer paredões de montanhas. Por que tanta gente
corre atrás de aventuras? Por que colocar a vida em risco?

"Nada se compara ao prazer de ver as janelas passando, a queda livre acelerando você
e o chão crescendo na sua frente. É a adrenalina, a emoção, o vento, tudo isso
misturado", tenta explicar o paulista Luiz Henrique Tapajós, o Sabiá, 30 anos, que já fez
cerca de 700 saltos de base jump, um dos esportes com mais risco de morte do mundo.
Quem experimenta um esporte arriscado em geral adora, mas depois volta para casa e
para o emprego de sempre, contentando-se com um ou outro bis de vez em quando.
Uns poucos são fisgados pela adrenalina e mergulham no perigo.




                                    Luiz Henrique Tapajós, o Sabiá, 30, praticante de
                                    base jump, um dos esportes mais arriscados
                                    "Para viver do jeito que eu quero, preciso correr
                                    riscos. Não é que eu corra atrás do perigo. Ele é uma
                                    conseqüência da emoção, do prazer, da aventura."




A descarga de emoção que Sabiá e seus colegas radicais perseguem é, fisicamente
falando, uma reação bioquímica que envolve a liberação no cérebro de três substâncias:

                                                                                            11
a conhecida adrenalina, a endorfina e a dopamina. Quando a pessoa começa a se
aprontar para a aventura, ela recebe uma descarga de adrenalina, o mediador químico
que, desde que o mundo é mundo, prepara o corpo para duas reações primordiais à
vida: a fuga e a luta. É dessa descarga que vêm a boca seca, o aumento da freqüência
cardíaca, a dilatação das pupilas e a redistribuição do fluxo sanguíneo. Durante a prática
da atividade, entra em ação a endorfina, outro mediador químico, que tem a capacidade
de amortecer a dor e o desconforto provocados por eventuais lesões – daí que muita
gente só venha a perceber que quebrou o pé ou cortou o braço depois que a atividade
acaba e o corpo "esfria". Por fim, entra em cena a dopamina, que atua no centro de
prazer do sistema nervoso e é responsável pela sensação de satisfação ao final da
prova. "Algumas pessoas têm uma regulagem diferenciada de dopamina. Quanto maior
a quantidade liberada, mais o indivíduo precisa dela. Se ficar sem sua dose de
dopamina, ele pode até entrar em depressão ou se tornar agressivo", alerta o professor
do departamento de psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo Marco Tulio de
Mello. Segundo ele, ainda não se sabe por que algumas pessoas precisam estimular
mais as áreas do prazer do que outras, mas é fato comprovado que algumas
desenvolvem um quadro parecido com o da dependência de drogas quando se privam
dessas emoções. "Se fico muito tempo sem surfar, eu me sinto mal, deprimido,
estressado", concorda o surfista Carlos Burle, de 33 anos, do Recife, especialista em
ondas gigantes. Burle enfrenta "monstros" marinhos de até 15 metros de altura há
muitos anos, mas confessa que dorme mal na véspera e se sente intranqüilo. "Antes de
entrar, o coração dispara e a boca fica seca, é aquele nervosismo. Nem gosto de ficar
olhando muito o mar", descreve. "Na hora em que estou na onda, fico tão compenetrado
que nem sinto tanto prazer. Bom mesmo é quando acaba", diz.
                 Christian Gaul         Kai Konragan




                                        Carlos Burle, 33, surfista de ondas
                                        gigantes
                                        "Pegar uma onda gigante é uma
                                        sensação muito boa, dá um prazer
                                        muito grande. É muito arriscado, mas
                                        se fizer com consciência e preparo
                                        físico você não vai morrer."


Nem é preciso onda gigante – por muito menos, o trio adrenalina-endorfina-dopamina
se faz presente. Descer na montanha-russa dá um frio na barriga? Culpa da adrenalina,
que tira o sangue de áreas prescindíveis, como estômago, e o redireciona para os


                                                                                        12
músculos, preparando o corpo para, mais uma vez, fugir ou lutar. "É justamente por
causa da diminuição do fluxo sanguíneo no sistema digestivo que as pessoas têm enjôos
em situações de risco", explica o fisiologista Turíbio Leite de Barros.

A viagem de férias ideal da funcionária pública Cibele Tolentino, 39 anos, de São José do
Rio Preto, interior de São Paulo, é exemplo típico do que é visto como pura maluquice.
Fã de mergulho, ela aproveitou uma temporada na ilha de Nassau, nas Bahamas, para
confraternizar com tubarões. "De cima do barco se vê um monte deles. Daí, todo mundo
pula na água. Lá embaixo, tem de ficar com os braços junto ao corpo, fazendo o mínimo
possível de movimento. O instrutor leva uma caixa de isca e vai alimentando os
tubarões com um arpão. Eles ficam passando em volta da gente. Às vezes esbarram,
mas não fazem nada", ensina ela, que morreu de medo, adorou e repetiu a experiência.
O medo, nessa hora, funciona como um alarme do corpo para dizer que o limite está
sendo atingido, e tem de ser controlado, para atuar como uma forma de equilíbrio.
                                      Trecho de reportagem da Revista Veja Edição 1 725 - 7 de novembro de 2001




Gostou da reportagem? Então vamos conversar sobre o que acabamos de ler.

Após a leitura, responda as questões:

A) Você já passou por alguma situação em que você experimentou as sensações
descritas na reportagem? Provavelmente, sim. Comente com os colegas.

B) A partir dos comentários dos colegas, faça uma relação das emoções e
sensações envolvidas em cada situação descrita (medo, euforia, liberdade, etc)

C)   A    reportagem      cita   3   mediadores           químicos          também          denominados
neurotransmissores. Transcreva os nomes desses neurotransmissores, descrevendo
as reações que cada um deles provoca no organismo.

D) Qual é a função dos mediadores químicos citados no item anterior?

E) O professor do departamento de psicobiologia da Universidade Federal de São
Paulo Marco Tulio de Mello diz, na reportagem, que “algumas pessoas desenvolvem
um quadro parecido com o da dependência de drogas quando se privam dessas
emoções”. Qual seria a explicação para a comparação com o efeito das drogas? Por
que somente algumas pessoas apresentam essa reação?

F) Pesquise: Por que as pessoas que buscam atividades que provocam emoções
como os esportes radicais são, na maioria, jovens?


                                                                                                            13
Arco-reflexo – sem a participação do cérebro

A transmissão de impulsos também pode se dar em
resposta a um estímulo de dor, calor, ou outro que
requeira uma resposta rápida. Nesse caso, a
resposta não depende de uma ordem do cérebro,
sendo necessários apenas neurônios sensitivos (que
recebem o estímulo) e neurônios motores (que                      (a)
promovem     a      ação).     Quando     isso   acontece
chamamos de arco-reflexo o processo de receber e
dar a resposta.

Veja a ilustração da figura 9 (a): É o reflexo patelar.
1.   Uma   batida     no     joelho   estimula   neurônios
sensitivos, gerando um sinal nervoso.

2. O sinal percorre ao longo de uma via de nervos
até a medula espinhal.                                            (b)

3. Na medula espinhal, o sinal é transmitido do nervo        Figura 9. Representação de arco-
                                                             reflexo.
                                                             www.msd-brazil.com / www.ms-
sensorial ao nervo motor.                                    gateway.com.pt acesso em 20/03/09


4. O nervo motor envia o sinal de volta a um músculo da coxa.

5. O músculo contrai, fazendo com que a perna se desloque para frente. Todo
reflexo ocorre sem envolvimento do cérebro. O mesmo ocorre quando recebemos
estímulo de dor ou calor como ocorre na figura 9 (b).



Atividade 5 – Testando o arco-reflexo

                                       A figura à esquerda representa uma situação
                                       cotidiana. Ao receber um estímulo externo, o
                                       corpo reage.

                                       A) Qual é o estímulo que está sendo recebido
                                       pela pessoa representada na figura?

                                       B) Após receber o estímulo, qual deverá ser a
                                       reação da pessoa?


                                                                                                 14
 C) Explique o que ocorre desde o estímulo até a resposta (reação).

 D) Como é denominado esse processo?

 E) Identifique as estruturas representadas pelos números 1, 2 e 3.

 F) Agora, teste seu arco-reflexo executando o passo n.º 1 da descrição da figura 9(a)



      III. Efeitos das drogas sobre o sistema nervoso

                                               Como descrito no quadro ao lado, “droga é qualquer
Droga: O que é isso?                           substância    que,     não    sendo    produzida     pelo
Ao longo dos séculos, o termo para
descrever a palavra droga sofreu               organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou
grandes variações. Na Grécia
Antiga a droga era denominada                  mais de seus sistemas, produzindo alterações em
“pharmakon” e possuía dupla
significação: remédio e veneno. Já             seu funcionamento.” Mas, há uma definição para as
o termo “droga” teve origem na
palavra “droog” (holandês antigo)              drogas que atuam diretamente sobre o Sistema
que significa folha seca, isto
porque antigamente, quase todos                Nervoso Central (SNC), chamadas psicotrópicas.
os medicamentos eram
sintetizados à base de vegetais.
                                               De forma resumida, as drogas psicotrópicas podem
    Segundo a definição da
Organização Mundial de Saúde –                 ser classificadas em três grupos, de acordo com a
OMS, de 1981, que é utilizada até
os dias atuais, droga é qualquer               atividade que exercem junto ao nosso cérebro:
substância que, não sendo
produzida pelo organismo, tem a                drogas depressoras, estimulantes e perturbadoras ou
propriedade de atuar sobre um ou
mais de seus sistemas, produzindo              alucinógenas. No quadro 1 estão os efeitos e
alterações em seu funcionamento.
                                               exemplos de drogas de cada um desses grupos.
   Atualmente, outra definição
bastante utilizada nos meios
acadêmicos, refere-se a drogas                 Por que as drogas provocam esses efeitos?
psicotrópicas ou psicoativas, que
se define como qualquer                        Nós estudamos que as nossas sensações são
substancia capaz de afetar os
processos mentais (pensamento,                 coordenadas pelo sistema nervoso central. Nele, há
memória e percepção).
                                               neurônios     que    se      comunicam    através     de
    O termo psicotrópico significa
atração pelo psiquismo, e drogas               neurotransmissores liberados nas sinapses.
psicotrópicas, são aquelas que
atuam sobre nosso cérebro,
alterando de alguma maneira
                                               As   drogas   psicotrópicas     são   substâncias    não
nosso psiquismo.
                                               produzidas    pelo corpo,     mas     capazes     de agir

Fonte:
                                               exatamente       nos         mesmos      locais       dos
http://www.obid.senad.gov.br/portais/mundojo
vem (texto adaptado) Acesso em 18/03/09        neurotransmissores, ou seja, nas sinapses.




                                                                                                      15
Quadro 1. Grupos de drogas. Classificação de acordo com o efeito sobre a atividade do Sistema Nervoso
Central.

 Depressoras da atividade do         Estimulantes da atividade do             Perturbadoras da atividade do
              SNC                                  SNC                                      SNC
Diminuem a atividade do nosso       Aumentam a atividade do nosso             Modificam qualitativamente a
cérebro. A pessoa que faz uso       cérebro. A pessoa que se utiliza          atividade do nosso cérebro; não
desse tipo de droga fica            dessas drogas fica "ligada",              aumentam nem diminuem a
"desligada", "devagar",             "elétrica", sem sono.                     atividade cerebral. Aqui a
desinteressada pelas coisas.                                                  mudança é de qualidade. O
                                                                              cérebro passa a funcionar fora
                                                                              do seu normal, e a pessoa fica
                                                                              com a mente perturbada.
Álcool, soníferos (barbitúricos),   Anorexígenos (anfetaminas),               Origem vegetal: Mescalina,
ansiolíticos, opiáceos ou           cocaína                                   THC (maconha), psilocibina
narcóticos (morfina, heroína),                                                (cogumelos), lírio
inalantes ou solventes
                                                                              Sintéticos: LSD, ecstasy,
                                                                              anticolinérgicos



O exemplo da cocaína, um
                                                        NEURÔNIO ELIMINANDO DOPAMINA
estimulante

Quando estimulados, os
neurônios eliminam
                                                                                                  DOPAMINA
dopamina. Como você leu na
reportagem da atividade 4, a
dopamina é um
neurotransmissor que produz
prazer em resposta a                                       NEURÔNIO RECEBENDO DOPAMINA


acontecimentos positivos na
vida do indivíduo.

Quando a dopamina é
eliminada na sinapse por um
                                                                                                  COCAÍNA
neurônio, o neurônio
seguinte é capaz de
reconhecê-la através de
receptores especiais. Após o
reconhecimento, a dopamina
                                        Figura 10. Ação da cocaína na sinapse.
                                        www.cerebromente.org.br acesso em 18/03/09
é recapturada pelo neurônio
que a eliminou.

                                                                                                            16
A cocaína entra nesse sistema impedindo que a dopamina retorne ao neurônio que
a eliminou. Esse neurotransmissor, portanto, permanece na sinapse “passando a
informação” de prazer e euforia, sem cessar.

O uso prolongado da cocaína pode fazer com que o cérebro se adapte a ela, de
forma que ele começa a depender desta substância para funcionar normalmente
diminuindo os níveis de dopamina no neurônio. Se o indivíduo parar de usar
cocaína, já não existe dopamina suficiente nas sinapses e então ele experimenta o
oposto do prazer - fadiga, depressão e humor alterado.

As drogas depressoras e perturbadoras do SNC também atuam ao nível das
sinapses, de diversas formas. Conforme a droga utilizada, haverá diminuição,
aumento ou impedimento da ação dos neurotransmissores.

O quadro a seguir descreve a ação das drogas sobre o organismo através dos
efeitos que elas podem provocar nos usuários.

 QUADRO 2. CARACTERIZAÇÃO DAS DROGAS SEGUNDO OS EFEITOS IMEDIATOS (POSITIVOS E NEGATIVOS) E
                                               EFEITOS TARDIOS DO CONSUMO CONTÍNUO

                                              EFEITOS IMEDIATOS

                                      POSITIVOS                   NEGATIVOS                EFEITOS TARDIOS DO
                                     são os que o              mais frequentes na          CONSUMO CONTÍNUO
DROGA
                              toxicodependente procura        sobredosagem e em
                                                                 fases tardias do
                                                              consumo continuado

                                                              Cólicas abdominais,
                                                              confusão mental,          Anorexia, emagrecimento e
           (ex.: heroína)




                                                              convulsões, paragem       desnutrição, impotência ou
OPIÁCEOS




                            Elimina a ansiedade e             respiratória por          frigidez sexual, esterilidade,
                            depressão, promove a confiança,   inibição dos Centros      demência, confusão e
                            euforia e extremo bem-estar       Respiratórios e, se       infecções várias (hepatites,
                                                              não houver                Sida, endocardites quando a
                                                              assistência terapêutica   administração é endovenosa)
                                                              rápida, a morte




                                                                                                                         17
             BENZODIAZEPINAS
                                                                                      Diminuição da             Emagrecimento, ansiedade,
                                                  Elimina a ansiedade e a tensão
                                                                                      coordenação motora,       irritabilidade e agressividade,
                                                  muscular. Promove a desinibição
                                                                                      do equilíbrio,            grande labilidade emocional,
                                                  psicológica e o sono "para dormir
                                                                                      hipotensão,               depressão com risco de
                                                  e esquecer"
                                                                                      bradicárdia, paragem      suicídio
                                                                                      respiratória e morte

                                                                                                                Polineurite, impotência ou
                                                                                                                frigidez sexual, amnésia,
                                                                                                                diplopia (visão dupla), cirrose
            ÁLCOOL




                                                                                                                hepática, labilidade
                                                                                      Igual às
                                                  Igual às benzodiazepinas                                      emocional, agressividade
                                                                                      benzodiazepinas
                                                                                                                extrema e demência
                                                                                                                irreversível (devido à
                                                                                                                destruição irreversível de
                                                                                                                células cerebrais)

                                                                                      Embriaguez,
                               solventes, etc.)
             (tintas, colas,
INALANTES




                                                                                      alucinações, diplopia     Doenças graves do fígado, rim
                                                  Igual às benzodiazepinas            (visão dupla),            e sangue (leucemias), e
                                                                                      paragem respiratória,     demência irreversível
                                                                                      coma e morte

                                                                                      Secura da boca,
                                                                                      suores, febre,
                                                                                      hipertensão e arritmias
                                                                                      cardíacas,
                                                                                      irritabilidade,
                                                                                                                Emagrecimento, irritabilidade,
                                                                                      agressividade,
                                                  Estado de grande auto-                                        delírios paranóides (sensação
                                                                                      tremores e
                                                  confiança, euforia e energia.                                 de ser perseguido por
   ANFETAMINAS




                                                                                      convulsões, delírios
                                                  Aumento efêmero da capacidade                                 organizações secretas, etc.)
     Cocaína
      Ecstasy




                                                                                      paranóides
                                                  de concentração, memorização,                                 A perfuração do septo nasal é
                                                                                      A exaustão contínua
                                                  rapidez de associação de ideias,                              uma complicação típica do
                                                                                      pode provocar
                                                  maior força muscular e                                        consumo inalado de cocaína
                                                                                      desidratação,
                                                  diminuição da fadiga, sono,                                   O ecstasy está raramente
                                                                                      problemas cardíacos,
                                                  fome, sede ou frio                                            associado a crises de
                                                                                      renais e morte
                                                                                                                flashback
                                                                                      A cocaína está
                                                                                      frequentemente
                                                                                      associada à
                                                                                      perfuração do septo
                                                                                      nasal




                                                                                                                                                  18
                                                                Secura da boca,
                                                                reações de ansiedade         Pode desencadear uma
CANABINOIDES                 Elimina a ansiedade e promove
                                                                e pânico                     doença mental (psicose) nos
                (MACONHA)
                             sensação de bem-estar,
                                                                (paradoxalmente mais         raros indivíduos predispostos
                             desinibição, maior capacidade de
                                                                comuns em fumadores          Síndrome "amotivacional"
                             imaginação, visualização da
                                                                experientes),                (provavelmente apenas em
                             realidade com mais intensidade
                                                                agressividade e,             grandes consumidores
                             (cores e sons mais distintos)
                                                                excepcionalmente,            predispostos)
                                                                alucinações

                                                                Má viagem ou "bad
                             Forte exaltação das percepções     trip" em que o
                             sensoriais (cores e sons mais      consumidor tem
                                                                                             Crises psicóticas com delírios
                             intensos), sinestesias             sensação intensa de
ALUCINÓGENOS




                                                                                             e alucinações
                             (transferências das impressões     pânico e delírios
                                                                                             Flash-backs ou períodos
                (ex.: LSD)




                             de um sentido para outro:          paranóides que
                                                                                             efêmeros nos quais o ex-
                             ouvem-se cores e vêem-se           podem durar até cerca
                                                                                             consumidor volta a sentir os
                             sons). Sensação de levitação,      de 2 dias
                                                                                             efeitos do consumo até um
                             despersonalização mística em       Estas reações
                                                                                             ano depois de deixar de
                             que o indivíduo se sente unido     descontroladas
                                                                                             consumir
                             ao Universo deixando de ser        provocam
                             uma unidade individualizada        ocasionalmente
                                                                acidentes mortais

                                                                Aumento do ritmo             Doenças pulmonares e
                                                                cardíaco e                   cancros
           TABACO




                                                                hipertensão, tosse e         Doenças vasculares (enfarte
                             Relaxamento psicológico,
                                                                problemas cardíacos e        do miocárdio, acidentes
                             facilitador da concentração
                                                                vasculares graves em         vasculares cerebrais,
                                                                indivíduos                   gangrena dos membros e
                                                                predispostos                 impotência sexual)

Fonte:http://www.saudepublica.web.pt/05-PromocaoSaude/055-Toxicodependencia/Dependencias/Efeitosdroga.htm Acessp em 17/03/09




Atividade 6 – Neurotransmissores e drogas

A) Releia o quadro 2 e identifique:

a) Os efeitos das drogas semelhantes àqueles descritos na reportagem da atividade
4;

b) Em que coluna do quadro 2 está o maior número dos efeitos que você identificou?

O que isso pode significar?



                                                                                                                               19
     IV. Drogas e o convívio social
Quadro 3. Usos das drogas e as conseqüências sociais.
Breve histórico das drogas perturbadoras                                         Manchetes de jornais
                                                                                 brasileiros:
Grande parte das drogas alucinógenas são provenientes de
plantas. Estas plantas foram descobertas, em sua maioria, por
culturas primitivas, no passado, que ao sentirem os efeitos
mentais das mesmas, passaram a considerá-las como "plantas
                                                                                 Ação contra cartéis de
divinas", isto é, que faziam com que, quem as ingerisse,                         droga marca agenda de
recebesse mensagens divinas, dos deuses, pois elevavam o                         Hillary no México
homem a uma dimensão não material, provocando alucinações.
Dessa maneira, esses povos e culturas, em seus rituais,                          (Estadão, 25/03/2009)
acreditavam estar em contato com forças da natureza e suas
divindades.
                                                                                 Polícia promete 'quebrar a
Assim, até hoje, em culturas indígenas de vários países, o uso de                firma' do tráfico de drogas
plantas alucinógenas tem este significado religioso. Seu uso é                   na Rocinha
basicamente ritual ou de cura. No entanto, também são utilizadas
para fins ritualísticos, fora do contexto cultural de origem, com a              (g1.globo.com., 25/03/2009)
finalidade apenas de provocar alucinações.

No Brasil, drogas alucinógenas são até hoje muito usadas nos                     Robinho põe fim a
rituais de tribos indígenas. A serviço da comunidade, o xamã, ao
                                                                                 polêmica com Pelé sobre
consumir alucinógenos, entra em contato com os espíritos que o
ajudarão a curar doenças, proteger a comunidade contra ataques
                                                                                 acusação de usar drogas
mágicos e propiciar bem-estar, boas caçadas etc. A droga é                       (O globo, 25/03/2009)
propriedade coletiva e não individual, e seu uso deve propiciar
harmonia ao invés de desavença, paz ao invés de contestação.

                                                                                 Usuário de drogas é
As drogas perturbadoras tiveram seu uso popularizado na
década de 60, com o movimento hippie. Este fenomeno sócio-                       fuzilado no Sítio Cercado
cultural tratava-se de uma revolta contra os valores                             (parana-online.com.br,
exclusivamente, competitivos e materialistas, incorporados ao
modo de vida das sociedades industriais que colocavam, em
                                                                                 31/03/2009)
segundo plano, os sentimentos mais íntimos e as necessidades
místico-religiosas. Nesta época, cresceu o número de pessoas
que passaram a fazer uso de drogas alucinógenas como                             EUA: filha de vice teria
manifestação simbólica dos seus ideais.                                          usado drogas

Hoje, os adolescentes são o maior alvo dos programas de                          (jbonline.terra.com.br,
prevenção e combate ao uso de drogas. Entre os fatores que                       30/03/2009)
desencadeiam o uso de drogas pelos adolescentes, os mais
importantes são as emoções e os sentimentos associados a
intenso sofrimento psíquico, como depressão, culpa, ansiedade                    Três são presos por
exagerada e baixa auto-estima. O uso de drogas está                              tráfico de drogas após
intimamente relacionado à delinqüência. Os dados de pesquisas
mostram que o uso de drogas aumentou muito nos últimos anos
                                                                                 acidente em Rondônia
e que a primeira experiência está cada vez mais precoce.                         (g1.globo.com, 30/03/2009)
Texto adaptado de:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462000000600009
http://www.imesc.sp.gov.br/infodrogas/brevehist.htm


                                                                                                            20
Atividade 7 – Debatendo sobre as conseqüências do uso de drogas

Releia o quadro 3. Nele, você encontrou histórias, notícias e informações
relacionadas ao uso de drogas por pessoas de diferentes formas de sociedade e de
países diferentes também.

Questões polêmicas envolvem o cultivo, a fabricação e o uso de drogas. As
informações do quadro devem auxiliar você a debater com seus colegas sobre as
seguintes questões:

A) Analise a coluna das “Manchetes de jornais brasileiros”. Por que os casos
relatados tornaram-se manchetes de jornal?

B) As drogas têm o mesmo uso e significado em todas as sociedades?

C) O uso de drogas é um crime?

D) Quais os problemas sociais relacionados ao uso de drogas?



Além dos efeitos sobre a saúde física e mental, o uso de drogas afeta o convívio
familiar e social. Vejamos porque isso acontece.

Geralmente, as pessoas que usam drogas modificam seu comportamento. Por afetar
o sistema nervoso, provocando sensações como aquelas que já vimos descritas
anteriormente (euforia, ansiedade, grande auto-confiança, despersonalização,
relaxamento, alucinações, entre outras), o usuário comporta-se de maneira
inadequada, às vezes inconveniente ou até de modo perigoso. Dessa forma, as
pessoas que se encontram sob efeito de drogas são discriminadas por aqueles que
não participam das suas “viagens”.

Por isso, os usuários de drogas tendem a agrupar-se e a ignorar a importância da
convivência com familiares e outros grupos sociais. Seus valores passam a ser
outros e eles podem ser levados a atitudes erradas, tanto pela sensação de
“coragem” que a droga lhe oferece quanto pela necessidade de consumi-la.

É comum o usuário de droga perder a motivação e a capacidade para o estudo, para
o trabalho e outras atividades cotidianas, até mesmo para o lazer, o que o afasta
ainda mais da convivência em sociedade.




                                                                              21
O afastamento do convívio social das pessoas envolvidas com drogas ainda tem
como causa o fato da comercialização e do consumo de drogas serem ilegais.
Porém, é preciso lembrar que existem drogas lícitas como o álcool e o tabaco que
de modo semelhante a alguns tipos de drogas ilícitas levam os usuários a
experimentarem as mesmas conseqüências.



Há drogas cujo uso é permitido?

As drogas podem ser agrupadas conforme suas características, quanto à
capacidade de causar dependência, quanto ao grau de periculosidade e os efeitos
que provocam no organismo.

Há também dois grandes grupos de drogas, segundo as convenções e exigências
sociais. São eles o grupo das drogas lícitas e o grupo das drogas ilícitas.

As drogas lícitas são aquelas permitidas por lei; são substâncias que podem ser
produzidas, comercializadas e consumidas. Apesar de trazerem prejuízos aos
usuários são liberadas legalmente e aceitas pela sociedade. É considerada droga
lícita qualquer substância que contenha álcool, nicotina, cafeína, medicamentos,
anorexígenos, anabolizantes e outros.

As drogas ilícitas são aquelas proibidas de serem produzidas, comercializadas e
consumida como maconha, cocaína, crack, ecstasy, LSD, inalantes, heroína,
anfetaminas, clorofórmio, ópio e outras. Por serem proibidas, as drogas ilícitas
entram no país de forma ilegal através do tráfico que promove a comercialização
feita sem a autorização das autoridades. Dentre as conseqüências que as drogas
ilícitas trazem pode-se dar ênfase à violência gerada por elas em todas as fases de
produção até o consumidor final.



Atividade 8 – E agora?

Finalizando nosso estudo elabore uma carta endereçada a um(a) jovem. Nessa
carta você deverá expor a sua opinião sobre “O uso e o usuário de drogas”.

As cartas poderão ser trocadas entre os colegas de modo que as opiniões ainda
sejam debatidas em torno das questões estudadas.


                                                                                22
Bibliografia:

BARROS, Carlos; PAULINO, Wilson Roberto. O Corpo Humano. 7ª série. São Paulo.
Ed. Ática. 2002. Corpo Humano e Saúde. 7ª série. Ediouro. São Paulo. 2002.



Sites consultados:

http://www.saudepublica.web.pt/05-PromocaoSaude/055-
Toxicodependencia/Dependencias/Efeitosdroga.htm

http://www.obid.senad.gov.br/portais/mundojovem/conteudo/index.php?id_conteudo=
11221&rastro=O+que+%C3%A9+a+Droga

http://www.unifesp.br/dpsicobio/cebrid/folhetos/tranquilizantes_.htm

http://www.senad.gov.br

http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/4412

http://www.simbiotica.org/nervoso.htm

http://www.todabiologia.com/anatomia/sistema_nervoso.htm

http://br.geocities.com/neurokidsbr/Divisoes_do_SN.html

http://www.brasilescola.com/drogas/drogas-licitas.htm

http://www.infoescola.com/drogas/drogas-licitas-e-ilicitas/

http://www.cerebromente.org.br

http://www.imesc.sp.gov.br/infodrog.htm#1

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462000000600009

Sites indicados

http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/corpo-humano-sistema-
nervoso/imagens/circuito-de-recompensa-cerebral.swf (animação sobre o sistema
nervoso)

www.sistemanervoso.com

http://www.virtual.epm.br/material/depquim/animacoes.htm# (animações    sobre    o
efeito de diversas drogas sobre o sistema nervoso)

O que os jovens querem saber
                                                                                23
http://74.125.47.132/search?q=cache:LReqtP9s92UJ:www.hiv-prg.org/en/document-
download/doc_download/205-
Volume%25207doc+perguntas+adolescentes+sobre+drogas&hl=pt-
BR&ct=clnk&cd=6&gl=br

www.hiv-prg.org/en/document-download/doc_download/205-Volume%207doc -

http://www.antidrogas.com.br/mostraartigo.php?c=293




                                                                           24