Docstoc

projetodoutorado _1_

Document Sample
projetodoutorado _1_ Powered By Docstoc
					         Universidade Metodista
Programa de pós graduação em Ciências da
          Religião - Doutorado




         Projeto de pesquisa
 CURA DIVINA NAS IGREJAS CRISTÃS
   PENTECOSTAIS TRADICIONAIS




          Otávio Barduzzi Rodrigues da Costa




                 São Bernardo
                     2012




                                               1
         Universidade Metodista
Programa de pós graduação em Ciências da
          Religião - Doutorado



          Otávio Barduzzi Rodrigues da Costa




         Projeto de pesquisa
 CURA DIVINA NAS IGREJAS CRISTÃS
   PENTECOSTAIS TRADICIONAIS




                              Projeto de Pesquisa para admissão
                              em programa de doutorado da
                              UNIVERSIDADE         METODISTA
                              apresentada à Banca de admissão
                              do programa de pós graduação -
                              nível doutorado.




                 São Bernardo
                     2012




                                                             2
                                  Resumo


Visando pesquisar as contribuições das Ciências da religião, Sociologia e da
Antropologia Cultural para o estudo e compreensão de temas do fenômeno
religioso, nesse trabalho demonstraremos que o fato místico da Cura divina,
afetam os indivíduos de um sistema social religioso, tendo profundas causas
sociais. Ao participar de um grupo social, mais especificamente o das igrejas
pentecostais tradicionais, os fiéis mudam sua visão de mundo. Isso porque as
pessoas procuram formas de cura e explicações religiosas para os reveses do
dia a dia. Pretendemos fazer uma pesquisa de campo sobre este fenômeno
religioso dentro das igrejas pentecostais tradicionais no interior do Brasil, mais
especificamente no interior do Estado de São Paulo a fim de verificar as
relações sociais desses fenômenos. Desenvolveremos estudos críticos dos
paradigmas usualmente empregados no estudo da religião por antropólogos e
sociólogos, objetivando uma visão crítica e objetiva vulgarmente presente na
subjetividade da religião.

Palavras chaves: igrejas pentecostais tradicionais, fenômeno religioso,
antropologia da religião, curas divinas, possessões.




                                                                                3
                                      Resumé
Pour étudier les apports de la sociologie et l'anthropologie culturelle à l'étude et
la compréhension des enjeux du phénomène religieux, dans cette étude
démontrent que le fait de la guérison divine mystiques, touchent les individus
dans un système religieux sociale, avec de profondes causes sociales. Le
participant à un groupe social, en particulier les églises pentecôtistes
traditionnelles, les croyants changer leur vision du monde. C'est parce que les
gens cherchent des moyens de guérison et des explications religieuses pour le
revers de la vie quotidienne. Nous avons l'intention de faire des recherches de
terrain sur ce phénomène religieux dans les églises traditionnelles pentecôtiste
à l'intérieur du Brésil, plus précisément dans l'Etat de Sao Paulo afin d'évaluer
les relations de ces phénomènes sociaux. Réaliser des études de critique des
paradigmes habituellement utilisés dans l'étude de la religion par les
anthropologues et les sociologues, visant à une évaluation critique et objective
couramment présents dans la subjectivité de la religion.

      Mots-clés: traditionnelles églises pentecôtistes, phénomène religieux,
l'anthropologie de la religion, des guérisons divines, possessions.




                                                                                  4
     Introdução e justificativa, com síntese da bibliografia fundamental


        A evolução do capitalismo, sobretudo do aspecto e sua relação de causalidade circular

com as religiões protestantes (FERREIRA, p.11 http://www.monergismo.com/textos/resenhas/

weber_capitalismo.pdf acesso em set/09), trouxe uma nova forma de sistema social: as igrejas

protestantes, dentre as quais, escolhemos para objeto de analise um ramo denominado igrejas

pentecostais tradicionais. Estas criam maior propensão à continuidade comunicativa em face

dos pressupostos ritualísticos para sua constituição. As pessoas admitidas e que comunicam

no seu interior, estabelecem, a priori, um pacto para sua admissão na organização, fazendo-as

especialmente inclinadas a compreenderem e a darem continuidade aos ciclos comunicativos

que coloca ênfase especial na busca de uma experiência direta e pessoal de Deus através do

chamado Batismo no Espírito Santo.

        O fenômeno profundamente ligado a ao pentecostalismo é o fenômeno da possessão

demoníaca, ainda com pouca literatura relacionada especificamente as igrejas pentecostais

tradicionais, havendo mais pesquisas nas religiões afro-brasileiras e neo-pentecostais, na

primeira por fazer parte do seu ritual, na segunda pela evidencia nos meios de comunicação

desde a década de 1980(PRANDI, p.48). Esse fenômeno está profundamente ligado a crença

em estados de saúde física e principalmente mental do individuo pertencente ao grupo

religioso, donde advêm o fenômeno autônomo: a Cura divina.

        Buscaremos analisar, nesse trabalho esse fenômeno: o da cura divina, dentro do grupo

social das igrejas pentecostais tradicionais, buscando relatar cientificamente sua visão de

mundo referente a tal fenômeno.

        Mostraremos através de nossa pesquisa que tal fenômeno tem importante aplicação

terapêutica, não pelos motivos que os fieis crêem, mas por outros fenômenos explicativos,

como por exemplo, a crença de cura de enxaqueca, que pode ter sido curada por que alguém

dentro da comunidade, que ouvindo carinhosamente o paciente, deu-lhe o alivio de modo

terapêutico lhe oferecendo certo conforto com efeito terapêutico.

        Utilizando nossa história de vida, pessoal religiosa e acadêmica, pretendemos fazer um

relato etnológico desses fenômenos através de intensa pesquisa de campo nesse tipo de igreja


                                                                                            5
dentro do interior do estado de São Paulo e acrescer a tal relato nossas contribuições

cientificas que serão muito ricas, visto que Evans-Pritchard já afirmava que grandes

contribuições adviriam do pesquisador seria o que participava com sua historia de vida ao

grupo que pesquisava (EVANS-PRITCHARD Edward, “A religião e os antropólogos” in Religião

e sociedade, p. 45), também será nosso referencial teórico as teorias da complexidade, que

colocavam o pesquisador de volta como participante do sistema analisado em contraproposta

do positivismo que afastava o pesquisador do objeto de estudo.

         O xamanismo e o exorcismo têm exercido nos grupos sociais religiosos extensa

influencia, sobretudo no pentecostalismo, e na sua relação com a saúde e o corpo, o que

decorre que alem de ser um trabalho envolvido com antropologia e sociologia da religião

também é um trabalho que vai ter intrínsecas relações com a antropologia e sociologia da

saúde.

         Nossa análise bibliográfica mostra que o corpo e a saúde tem profundas relações com

o meio social, quando intermediado, com a busca pelo Divino, através de um tipo de religião

especifico torna-se interessante óbito de pesquisa (PRANDI, p. 64)

         O pentecostalismo é um termo amplo que inclui uma vasta gama de diferentes

perspectivas teológicas e organizacionais. Como resultado, não existe nenhuma organização

central ou igreja que dirige o movimento. A maioria dos pentecostais se consideram parte de

mais grupos cristãos, por exemplo, a maioria deles se identificam como pentecostais

protestantes. Muitos abraçam o termo evangélico (MARIANO, p. 11).

         Ao ser admitido (convertido) em um grupo o novo membro começa a utilizar uma nova

linguagem para referenciar o mundo. Exorcismo e libertação, cura e salvação, prosperidade e

sucesso são três aspectos indissolúveis da visão teológica dos lideres das igreja estudadas,

que, de uma maneira bem prática, procuram apresentar ao fiel mais do que uma visão de

mundo, mas um guia para a ação sobre o mundo (WILLAIME, p.62).

         A linguagem humana é um sistema que faz a consciência emergir dinamicamente uma

nova ordem de refletividade em que o sujeito se vê e concebe a si mesmo através da mente,

ou seja, a linguagem é o meio pelo qual o sujeito referencia a si e ao mundo (BODEN p. 158).

A participação em um grupo social religioso muda o modo como o ser humano se relaciona

com o mundo, e da uma nova visão e trás novas explicações ao ser “convertido”.




                                                                                          6
         No caso da relação entre saúde, corpo, mente e possessão, muda o imaginário da

pessoa já exposto na extensa literatura sobre xamanismo, curandeirismo, feitiçarias, êxtases e

exorcismo na religiosidade “primitiva” e “contemporânea”, mudando as relações sociais da

pessoa (FATH, p.14, 2004).

         Alem disso esses fenômenos oferecem explicações míticas e místicas aos membros do

grupo o qual tenta justificar certas realidades e nova compreensão que o sujeito tem com um

mundo invisível ainda que pareça esse mundo ter mais influencia sobre ele do que o mundo

sensível que o cerca. “O movimento que cria o mundo do pensamento é, precisamente, aquele

que abre o pensamento para o mundo” (MORIN, 1987, p. 88).

         É assim que a mente humana ultrapassou além dos horizontes do mero conhecimento

e instinto biológico. É no homem que o motorium e o sensorium podem facilmente se

desconectar; a mente pode, a partir daí, lançar-se no sonho, criar ideias matemáticas, ideais

sem correspondência com o mundo real e, por meio da linguagem, criar ideias, classificar e

referenciar o universo próximo e referenciar a si mesmo. A hominização do conhecimento

passa do meio biológico para o mundo.

         Estes desenvolvimentos levam o pensamento mais distante do que poderia ter ido

sozinho. Finalmente, transforma e ultrapassa a mente nessa mesma transformação em que

emergem correlativamente uma nova linguagem, pensamento e nova consciência (MORIN,

1993, p. 142). Constituiu-se verdadeiramente na visão espiritual, criando e transformando em

arte, sonhos, devaneios e tudo aquilo que é verdadeiramente surpreendente da humanidade.

          Devemos concordar com Morin quando diz que não somos apenas Homo sapiens
                                                                                 1
sapiens, mas, sim, Homo sapiens sapiens demens, pois é o demens que nos diferencia como

seres particulares e únicos; é no demens que criamos poesia, amor, sentimentos, risos,

religião, êxtase, todos os elementos que nos fazem humanos(MORIN, 1993, p. 138).

         Sabe-se que a relação entre homem e religião tem influência em seu processo

cognitivo. A demonstração de criatividade ocorre na relação entre mente e matéria: o

hominídeo observa a natureza e a modifica, para suprir suas necessidades agora cada vez

mais crescentes (MITHEN, 2003, p. 121).


1
    “Homo sapiens é ao mesmo tempo homo demens. O ser humano é de natureza multidimensional.
Há uma mescla inextrincável, um pensamento duplo: um pensamento que chamaria racional(sapiens), empírico,
técnico, que existe desde a pré-história e é anterior à humanidade que o homem desenvolveu. Também temos um
pensamento simbólico, mitológico, mágico (demens). Vivemos permanentemente em ambos os registros. Não se pode
suprimir a parte dos mitos, as aspirações, os sonhos, a fantasia. Os sonhos, os fantasmas, as loucuras são partes
integrantes do ser humano (MORIN 1973 p.206)”.

                                                                                                               7
        É assim que nasce um conhecimento em que o homem não só pode desligar-se do seu

pensamento como pode pôr a ação a serviço do seu pensamento, do seu mito, da sua ideia, do

seu sonho, construindo sua relação com o mundo, afetando seu cotidiano, sobretudo suas

relações de saúde e de corpo (BATISTA, 1989, p. 15).

        Sem dúvida, vários aspectos complexos cooperaram para que o homem tivesse

adquirido religião e busca de explicações diferenciadas: vida social, cultura, desenvolvimento

da mão, tecnologia, complexificação da linguagem e vários outros aspectos. Neste trabalho,

tentara-se enfatizar um deles: a religião e sua busca de explicações para certas circunstâncias,

no caso a maneira como os pentecostais tradicionais tratam a doença e o corpo, na situações

de doença (sickness, willness, disease).

        A síntese bibliográfica consiste em vários trabalhos, sobretudo da antropologia, filosofia

da mente e da ciências da Religião, Com base nos trabalhos de Mariano e antes, de Laplatine

(1999, p. 418), que procuram construir, na perspectiva da antropologia da saúde e da doença,

conceitos adequados à compreensão do fenômeno mórbido, tais como doença-sujeito (a illness

ou a experiência subjetiva da doença), doença-sociedade (a sickness, que designa os

comportamentos socioculturais conectados com a doença em uma dada sociedade) e doença-

objeto (tal como apreendida pelo saber biomédico), Laplantine propôs, para esclarecer a

questão, a utilização 1) do termo illness para designar a experiência vital do indivíduo que sofre

uma afecção mórbida; 2) do termo disease para referir-se à doença tal como definida pela

biomedicina; e 3) do termo sickness para designar o processo de socialização tanto da disease

quanto da illness*. Nessa mesma linha conceitual, situam-se autores como BIRMAN,

percebendo-se, porém, uma tênue diferença relativamente à socialização da disease e da

illness. Enquanto que na perspectiva de Laplantine essa socialização engloba os aspectos

socioculturais, assim como essa socialização envolve o “entendimento de uma desordem em

seu senso genérico através de uma população em relação a forças macrossociais

(econômicas, políticas, institucionais)” (Laplantine , p.201, 1999, tradução livre nossa).

        Assim, desde um ponto de vista antropológico, é possível reconhecer que as doenças,

no que concerne a sinais e sintomas particulares, são atravessadas pela cultura em diferentes

épocas e sociedades. Com efeito, os significados culturais marcam tanto a pessoa doente,

imprimindo-lhe sentidos existenciais, quanto os seus cuidadores, particularmente os pastores,

ou curandeiros(BASTIDE, 2006, p.41), os quais constituem sua prática com base em redes


                                                                                                8
semânticas culturais centradas na dimensão ritual. Na perspectiva dos pacientes, os

significados culturais subscrevem os sentidos existenciais das pessoas enfermas, e estão

inscritos na fala através de idiomas e metáforas culturalmente determinados que articulam a

experiência da doença e consequentemente espiritual (DESROCHE, p.62,1986).

       Com efeito, é na comunicação verbal que podemos reconhecer um discurso que pode

ser tratado no jogo de sua instância, que se caracteriza não por uma continuidade, mas por

rupturas e descontinuidades, sendo, então, possível considerar a existência de múltiplas

formações discursivas referentes a doença, que tomam corpo nas narrativas sobre a doença.

Estas, por seu turno, correspondem à experiência da doença, através da qual se constituem os

sentidos a ela referentes, a pessoa pensa que seus atos socais (pecados ou provas) causaram

certa doença e isso modifica seu contato social e ela sai em busca de purificação mudando sua

relação com o mundo ou discursando mudá-la.

        Esse ponto de vista mostra no cânon ocidental, remontam aos tempos da Bíblia.

Citemos como exemplo no Livro de Jô pode-se ler uma passagem que dá a medida da

atmosfera alegórica que envolve as narrativas em torno da lepra: “E Satanás saiu da presença

do Senhor. Ele feriu Jó com a lepra maligna desde a planta dos pés até o alto da cabeça”

(Bíblia Sagrada - Jó 2,1). A lepra, nessa concepção, não é uma simples enfermidade, mas uma

abominação religiosa, uma impureza ritual. Os capítulos treze e catorze do Livro do Levítico

trazem prescrições minuciosas sobre como se conduzir frente a um caso suspeito. As

narrativas neotestamentárias, por outro lado, acrescentam à prescrição levítica a noção de que

a purificação ritual é dom gratuito de Deus, que deve ser buscado pelo homem impuro que se

prostra diante do poder divino buscando a cura (ALVES. PC & RABELO 1998, p11).

       Como     percepção   psicossocial   estruturante   de   comportamentos   socioculturais

(sickness), ainda presente na memória ancestral da humanidade, a doença e a religião,

demonstra os trabalhos de Laplaltine apresenta distintas caracterizações a partir das

construções culturais do contexto social onde ela emerge como problema de saúde

(LAPLANTINE, 2004, p. 125).

       Uma vez tendo trabalhado sobre esses importantes conceitos aplicaremos esse

estudos ao conceito de Cura divina, verificando a aplicabilidade e manifestando sugestões de

como esse conceito tem ou não funções terapêuticas. A Antropologia, em que pese o

exorcismo que vem realizando desde Boas, ainda não conseguiu, de todo, livrar-se do


                                                                                            9
fantasma de Levy-Bruhl. Substituir o conceito de "mito", com suas ressonâncias semânticas

negativas, pelo de "narrativa religiosa", pode representar um passo à frente lembramos , que

segundo Prandi(p. 149), Levy-Bruhl acreditava na infantilidade e, portanto, na inferioridade da

mentalidade primitiva. Franz Boas teve um importante papel na formulação do relativismo em

pesquisar religiões.

        Para tanto iremos imergir na religião e na vida religiosa a fim de buscar explicações

inclusive se utilizando do livro principal desse grupo, a Bilbia sagrada. A Bíblia é um livro de

Doutrina Religiosa. Não é um livro de psicologia, Medicina, Psiquiatria ou Parapsicologia, nem

de qualquer outro ramo da ciência relacionado com os fenômenos ou fatos atribuídos

tradicionalmente ao demônio. Nem de antropologia, biologia, zoologia, evolução ou qualquer

outro ramo da ciência relacionado com a origem do homem. Nem sequer diretamente de

história. Dados que existem na Bíblia podem confirmar, alguma verdade histórica.

        Mas, simplesmente, não se deve procurar na Bíblia argumentos contra ou a favor de

quaisquer dados científicos. Religião é uma coisa, ciência é outra. A religião é de âmbito

sobrenatural, a Ciência, de âmbito natural. Nem a religião pode afirmar ou negar a existência

no campo natural, nem a ciência pode afirmar ou negar fatos no campo sobrenatural, mas

ambos podem ser vistos um pelo outro sobretudo em aspectos sociais de um ou outro.

        Quanto a Justificativa, a escolha de se trabalhar na perspectiva da religião se deu

através de um interesse particular de evidenciar que vários aspectos da realidade humana vêm

da nossa base religiosa.

        O fenômeno de cura divina, em que pese o largo estudo nas religiões animistas e

neopentecostais, é um tema pouco estudado, pois estas religiões estão longe do interesse da

mídia (ao contrario das neopentecostais) cabendo ai um anátema, um buraco intelectual que

deve ser preenchido. Esperamos contribuir para preenchê-lo. É um tema deveras interessante,

não devendo ficar, portanto, na obscuridade.

        Este projeto se justifica, ainda, por não haver uma completa aceitação para as

explicações que os paradigmas filosóficos da Escola Cartesiana – Newtoniana (o grande

paradigma do ocidente), e principalmente o Positivismo, tradicional no nosso estudo da religião

fornecem para a vida pratica sendo fracassados nesses intentos, não explicam os fenômenos

ora estudados.




                                                                                             10
        Apenas através das abordagens Emergentistas e Ciências da Complexidade

(autopoiese, auto-organização), inseridas nas novas concepções da sociologia, produziram–se

argumentos suficientes para várias explicações que faltavam para a emergência da

consciência do sagrado homem.

        Um tema científico que, indiretamente se relacione com a religião, não autoriza ao

exegeta ou teólogo a considerá-lo exclusivamente tema religioso. Não é o religioso a máxima

autoridade nesse tema, mas a mínima. Religião e ciência, sim, em temas fronteiriços, podem e

devem cooperar, mas dentro de seus campos específicos. Nos temas que não lhe pertencem

diretamente, o cientista e o teólogo devem dar primordial importância ao especialista a quem

de direito lhe corresponde o tema.

        Procuraremos então facilitar esse dificultoso estudo facilitando-o a vida acadêmica.

        Procuraremos analisar os seguintes temas;

       Diferença   de   denominações      entre    as   igrejas    protestantes   destacando    e

    individualizando o grupo das igrejas pentecostais tradicionais no interior do estado de São

    Paulo.

       Verificar e destacar a compreensão do grupo do que seja o fenômeno estudado – A

    cura divina.

       Teorizar a luz da ciências sociais e definir o que seja a cura,

       Fazer um levantamento etnográfico e etnológico desse fenômeno e desse grupo.

       Comprovar a eficiência ou ineficiência terapêutica desses fenômenos.

             Procuraremos responder propomos pesquisar algumas dessas questões:

       Quem é o grupo social das igrejas pentecostais tradicionais no interior do estado de

    São Paulo - um levantamento sócio-histórico)?

       Qual suas características?

       Qual o seu imaginário sobre os fenômenos estudados?

       Qual o papel do pastor?

       Qual as explicações e crenças desse grupo para as doenças?

       Existe papel terapêutico real frente a essas explicações?

       Qual a visão de mundo dos fieis frente a esses fenômenos?

       Qual a visão e utilidade da linguagem bíblica para a ciência social?

       Qual o significado e se existe Cura Divina?


                                                                                                11
       Qual o significado e se existe possessão?



                                             Objetivos


        O objetivo principal deste projeto é o de explicitar a importância do fenômenos

estudados para o grupo religiosos, explicar seus impactos sociais para também mais tarde

poder contribuir para se pesquisar o que seria sua aplicação desses conceitos como unificador

dos conceitos de linguagem e imaginário, procuraremos nesse trabalho estudar e unir

modernos conceitos filosóficos e científicos, para tentar, ao menos dar nossa opinião de uma

explicação desses fenômenos.

        Nosso objetivo então seria contribuir para o estudo do religiosidade protestante no

Brasil principalmente contribuir para os fundamento filosóficos que envolvem tal ciência.

        Longe de esgotar o assunto o objetivo é abrir uma discussão em cima de uma opinião

a ser dada fazendo algo novo, utilizar de um diálogo recém aberto com novas perspectivas

filosófico – científicas, para expressar um conceito que no mínimo causará controvérsia.

        Após expressar tal definição faremos uma análise critica da aplicação de conceitos

tradicionalmente pertencentes à filosofia e aplicaremos analise do fenômenos ora estudados

verificando suas realidades e aplicações terapêuticas.


                                   Material e metodologia


        A pesquisa partirá de extensa análise bibliográfica de obras de filósofos, antropólogos

e outros cientistas. Vamos nos utilizar da abordagem da religião em sociólogos e antropólogos

contemporâneos (segunda metade do século XX): tais como Roger Bastide, Claude Levy-

Strauss, Pierre Bourdieu, Cliford Geertz, Daniele Hervieu-Leger, Luhmann, Morin, bem como os

tradicionais, clássicos da Sociologia e da Antropologia (Século XIX e primeira metade do

Século XX) ex: Alex de Tocqueville, Edward Tylor, Herbert Spencer, Karl Marx, Emile

Durkheim, Marcel Mauss, Max Weber, Troeltsch, James Frazer, Bronislaw Malinovski,

Radcliffe-Brown, Evans-Pritchard, Lévy-Bruhl, Gabriel Le Bras, S. Freud e Jung, e outros. Afora

isso pretendo buscar informações úteis na rede mundial de informações, e em periódicos,

dicionários enciclopédias e outras fontes.




                                                                                            12
        Alem disso pretendemos fazer extensa coleta de dados “in loco” participando de cultos

entrevistando os participantes, fiéis e pastores dentro das igrejas nos utilizando da aceitação

clássica que temos dentro desse grupo devido a meus laços familiares, o que torna uma

facilidade de existir uma pesquisa participante.

        Escolhemos algumas igrejas para pesquisa que se enquadra no conceito de

Pentecostais tradicionais que será melhor desenvolvido no trabalho, a qual ventilamos apenas

algumas característica : presença marcantes de roupas diferenciadas (ternos e saiões mesmo

no calor), ausência ou diminuição do discurso da teologia da prosperidade, regras morais

rígidas de convivência, linguagem particular, sentimento de separação das grandes igreja e

neopentecostais, e outras a serem desenvolvidas no trabalho.

        As igrejas escolhidas prioritariamente são igrejas encontradas nas cidades de Marília,

Bauru e Garça, todas consideradas igrejas pequenas (de 20 a 100 membros), a saber, já com

prévia anuência dos lideres (podem ser mudadas para igrejas da região de São Carlos):

   Igreja Pentecostal Assembléia de Deus – M. Madureira, R. Francisco José de Oliveira 227

    Parque das Nações Marília -SP

   Igreja Cristã Pentecostal Maravilhas de Jesus, Av. Gildo Bonatto       10   Jardim Planalto

    Marília -SP

   Igreja Pentecostal Jesus é Vida e Cura - Alameda 72 s/n Vila Lácio Marília-SP

   Igreja Assembléia de Deus Missionária – Av. Pedro de Toledo 1-10 Bauru-SP

   Igreja pentecostal Guerreiros da Fé, r. João Pinto, Vl São Paulo, 1-44 Bauru-SP

   Igreja Evangélica Assembléia de Deus Nossa Justiça R. Barão de Itapetininga 14-07

    Presidente Geisel Bauru SP 0 (14)3281-1594

   Igreja Evangélica Assembléia de Deus ministério Belém -R André Bonachella Palliareci 2-

    61, N. Jose Regino Bauru -SP

        Utilizar-se-á, a dissertação, dos cânones da metodologia científica moderna e será

moldada segundo as regras da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

        Prentendemos fazer visitação e analise de cultos de cura “in loco”, entrevistar o fieis e

pastores com questionário direto em pesquisa quantitativa (pelo menos 20 membros de cada

igreja, totalizando 140 entrevistas - questionários) a ser elaborado junto com o orientador(a),

com resumo e gravações dos relatos de cura porem com as seguintes perguntas básicas, alem

de várias outras:

                                                                                              13
            Você já foi curado? (você tem testemunho de cura?).

            Alguém de sua família ou comunidade já foi curado?

            A que você atribui essa cura?

            O que é cura?

           Como observado será uma pesquisa por amostragem, após a pesquisa por

amostragem localizada, será selecionado os testemunhos em numero de 6 a 10 relatos para

uma pesquisa qualitativa com mais detalhes, e um ou dois casos de estudo de caso, como

histórico de vida hiperdetalhado.

           A pesquisa quantitativa por amostragem poderá ser ampliada em caso de recebimento

de recurso ou bolsa, bem como poderá ser utilizado recursos da universidade (treinamento do

curso de metodologia de pesquisa dos alunos de graduação por exemplo se autorizado pela

diretoria do curso).

           Seguir-se-á uma metodologia analítica dos textos lidos que procurará identificar

categorias de análise, fazer comparações entre os autores, relacionar o tema proposto pelos

mesmos: a religião e seu papel no desenvolvimento da cognição e saúde humana e verificar se

as explicações oferecidas são satisfatórias.



                  Plano de trabalho e cronograma de sua execução:

tempo fev mar abr maio jun Jul Ago Set Out Nov Dez                          A = Pesquisa metodológica -
                                                                            bibliografica.
2013       A    BA BA BA            BA BA CA CA CA CA CA
                                                                            A = inicio do curso.
                                                                            B = Fase de pesquisa de campo
2014       C    C      E     D      E   C      C   C    C     C    F
                                                                            por amostragem.
2015                                                                        C = Fase de elaboração-adaptação
                                                                            da tese.
2016                                                                        D = exame de qualificação.
                                                                            Preto = Entrega para orientador
                                                                            para fase de revisão, Revisão pelo
                                                                            orientador,      e   autoridades   no
                                                                            assunto.
                                                                            F=         entrega    para     Banca
                                                                            examinadora e defesa.



           Embora seja analítica, a metodologia vai ao encontro com uma pretensão de

desenvolver uma nova ciência do homem proposta por Morin (1993). Trata – se de entender o


                                                                                                 14
pensamento que distingue e une. Não se trata de abandonar o conhecimento das partes pelo

conhecimento do todo, nem da análise pela síntese; é preciso conjugá-las. Existem desafios da

complexidade com os quais desenvolvimentos próprios da atualidade científica que confrontam

inelutavelmente os antigos paradigmas.


                             Forma de análise dos resultados

        Nesse item da forma de análise dos resultados, a linha do projeto é a de procurar

compreender o modo como os objetos simbólicos produzem sentidos, não a partir de um mero

gesto de decodificação, mas como um procedimento que desvenda a historicidade contida na

linguagem em seus mecanismos imaginários. Isto será feito em algumas etapas:

        A pesquisa de campo procurará identificar individualmente cada membro que se

envolve no processo de identificação de identidade pentecostal em processos de curas divinas,

bem como sua atuação sobre estes fenômenos, e sua própria análise destes.

        A pesquisa será feita na forma de um questionário, distribuída a alguns membros, o

qual será preenchido quando era localizado um fenômeno de cura. As análises dos dados

procuraram caracterizar fenômenos ocorridos e identificados, em função de características das

atividades de culto e dos indivíduos.

        Pretendemos fazer visitação e analise de cultos de cura “in loco”, entrevistar o fieis e

pastores com questionário direto em pesquisa quantitativa (pelo menos 20 membros de cada

igreja, totalizando 140 entrevistas - questionários) a ser elaborado junto com o orientador(a),

com resumo e gravações dos relatos de cura porem com as sobreditas perguntas básicas,

alem de várias outras proposta em acordo com o orientador:

        A pesquisa quantitativa por amostragem poderá ser ampliada em caso de recebimento

de recurso ou bolsa, bem como poderá ser utilizado recursos da universidade (treinamento do

curso de metodologia de pesquisa dos alunos de graduação, por exemplo, se autorizado pela

diretoria do curso).




                                                                                             15
                                       Referencias

ALVES. PC & Rabelo MCM (org.) Antropologia e saúde. Traçando identidade e explorando
fronteira. Fiocruz, Rio de Janeiro1998.

AZEBEDO Thales de. Ensaios de antropologia social, Salvador, Universidade de Bahia,
1959

BASTIDE Roger. Elementos de sociologia religiosa. São Paulo, Instituto Ecumênico de Pós-
Graduação em Ciências da Religião, 1990

BASTIDE Roger. O Sagrado selvagem e outros ensaios, São Paulo, Cia das Letras, 2006

BATISTA, Selma - Glossolalia: O sentido da desordem. A simbologia do som na
constituição do discurso pentecostal. Unicamp, tese de mestrado, 1989.

BIRMAN, Patrícia (org), Religião e espaço púbico, São Paulo, Attar editorial, 2003 (*)

BRANDÃO, Carlos Rodrigues - O número dos eleitos. Religião e sociedade, 3, 1978

CAZENEUVE Jean. Sociologie du rite (tabou, magie, sacré). Paris, PUF, 1971

COMBLIN, J. - O espírito santo e a libertação. Vozes, 1987

DESROCHE Henri. Dicionário de messianismos e milenarismos. São Paulo, UMESP, 2000.

DESROCHE Henri. O homem e suas religiões. Ciências humanas e experiências
religiosas. São Paulo, Paulinas, 1986

DESROCHE Henri. Sociologia da esperança. São Paulo, Paulinas, 1985

DURKHEIM Émile. As formas elementares de vida religiosa. São Paulo, Paulinas, 1989
(1912)

EVANS-PRITCHARD Edward, “A religião e os antropólogos” in Religião e sociedade, 13/1,
ISER/CER, março de 1986

EVANS-PRITCHARD Edward, Teorías de la religión primitiva, Madrid, Siglo XXI, 1973 (1965)

FERREIRA, p.11, introdução à ética protestante e ao espírito do capitalismo. Disponível
em http://www.monergismo.com/textos /resenhas/weber_capitalismo.pdf acesso em set/09

FATH Sébastien (Sous la direction de), Le protestantisme évangélique. Un christianisme de
conversion, Belgium, Brepols, 2004.

FERNANDES, Rubem Cesar, “O debate entre sociólogos a propósito dos pentecostais”. In:
Cadernos do ISER, n. 6, março de 1977.

FRESTON, Paul, “Breve história do pentecostalismo brasileiro”. In: ANTONIAZZI, Alberto
et al, Nem anjos, nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo, Petrópolis,
Vozes, 1994.

FRAZER James, o ramo de ouro, magia e religião, disponível em www.e-booksgratis.com.br,
acesso em dez/08

GARMA Carlos, Buscando el espíritu. Pentecostalismo en Iztapala y la ciudad de México,
México,Plaza y Valdés, 2004

GARRARD-BURNETT Virginia, Living in the New Jerusalem. Protestantism in Guatemala,
Austin, University of Texas, 1998



                                                                                         16
GEERTZ Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Ed. Guanabara Koogan, 1989

GEERTZ Clifford. Nova luz sobre a antropologia, Rio de Janeiro, Zahar, 2001

GEERTZ Clifford. O saber local. Novos ensaios em antropologia interpretativa, Petrópolis,
Vozes, 1998

HERVIEU-LÉGER Danièle. La religión en miettes ou la question des sectes. S/l, Calmann-
Lévy, 2001.

HERVIEU-LÉGER Danièle. Peregrino e o Convertido: a Religião em Movimento,
vozes,1999.

HERVIEU-LÉGER, Danièle. Vers un nouveau christianisme? Introduction à la sociologie
du christianisme occidental. Paris: Cerf, 1987

HERVIEU-LÉGER, Danièle.. “A transmissão religiosa na modernidade: elementos para a
construção de um objeto de estudo”. In Estudos de religião. Por uma sociologia do
protestantismo, Ano XV, N. 18, São Bernardo do Campo, UMESP, junho de 2000.

HASELAGER, W.F.G. (1997), Cognitive science and folk psychology: the right frame of
mind. London: Sage.

LANTERNARI Vittorio. As religiões dos oprimidos. Um estudo dos modernos cultos
messiânicos. São Paulo, Perspectiva, 1974

LAPLANTINE F. Antropología de la enfermedad: estúdio etnológico de los sistemas de
representaciones etiológicas y terapéuticas en la sociedad occidental contemporánea.
Buenos Aires: Ediciones del Sol; 1999.

LAPLANTINE, François. “Modelo maléfico e modelo benéfico”. In Antropologia da doença.
São Paulo: Martins Fontes, 2004, pp. 101-145..

LÉVI-STRAUSS Claude. Antropología estrutural. Mito, sociedade, humanidades, EDUSP,
1991

LÉVI-STRAUSS Claude. Mito e significado. EDUSP, 1990.

LEWIS Ioan, Êxtase religioso. Um estudo antropológico da possessão por espírito e do
xamanismo, São Paulo, Perspectiva, 1971

MATURANA, H, Man and Society, in: Frank Benseler, Peter M. Hejl, Wolfram K. Köck (Org.),
Autopoiesis, Communication and Society: The Theorie of Autopoietic System in the Social
Sciences, 1980 Frankfurt Ge.

MATURANA H. R. e VARELA F. J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da
compreensão humana. 2001 Ed. Palas Athena.

MARIANO, Ricardo, Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil, São
Paulo, Loyola, 1999.

MALINOWSKI Bronislaw Magia, ciência e religião, Lisboa, Ed. 70, 1984 (1948)

MARX Karl e ENGELS Friedrich (Ed. Preparada por H. Asmann e R. Mate). Sobre a Religião I.
www.comunismoestudante.org.br acesso em mar/09.

MAUSS Marcel. Insitución y culto: representaciones coletivas y diversidade de
civilizaciones: obras, Barcelona, Barras, 1971

MITHEN, S. Pré-história da mente, uma busca das origens da arte, da religião e da
ciência, UNESP, 2005


                                                                                      17
MORIN, Edgar, O paradigma perdido, Publicações Europa – América 1989 Lisboa/ Portugal.

MORIN, Edgar. O método lV, Publicações Europa – América 1997 Lisboa/Portugal.

NOVAES, Regina Reyes Novaes - Os escolhidos de Deus. Cadernos ISER 19, 1985

PEREIRA Jr. Alfredo.- Questões epistemológicas de neurociência cognitiva. 2001 Tese de
Livre Docência UNESP –Botucatu.

PRANDI, C.; GIOVANNI Filoramo – As ciências das religiões, Paulus 1999

POLIA Mario. La sangre del cóndor. Chamanes de los Andes, Lima, Fondo Editorial del
Congreso del Perú, 2001

ROLIM, Francisco Cartaxo, Pentecostais no Brasil: uma interpretação sócio-religiosa,
Petrópolis, Vozes, 1985.

SOUZA, Beatriz Muniz, A experiência da salvação: pentecostais em São Paulo, São Paulo,
Duas Cidades, 1969.

TEIXEIRA, Faustino Luiz Couto, Ciências da Religião no Brasil, São Paulo, Paulinas ,2002

TURNER Victor, El proceso ritual. Estructura y antiestructura, Madrid, Taurus, 1988 (1969)

TYLOR Edward. Cultura primitiva I e II, Madrid, 1977 e 1981 (1871) Vozes

VÁSQUEZ, Manuel; MAQUARDT, Marie Friedmann, Globalizaing the Sacred. Religions
across the Americas, New Brunswick, New Jersey and London, Rutgers University Press,
2003

WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo - Martin Claret, 2008

WILLAIME Jean-Paul, La Précarité protestante.                  Sociologie     du    protestantisme
contemporaine, Paris, Labor et Fides, 1992 ()

WILLEMS Emílio, Assimilação e populações marginais no Brasil. Estudo sociológico dos
migrantes germânicos e seus descendentes. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1940.

ZALUAR Alba e ALVITO Marcos (orgs), Um século de favela, Rio de Janeiro, FGV, 1998 (*)

Revistas especializadas e publicações eletrónicas:

Religião e sociedade, Rio de Janeiro, ISER-CER Estudos de Religião, São Bernardo do
Campo, Pós-Graduação em Ciências da Religião, UMESP

Numen, Juiz de Fora, Pós-Graduação em Ciência da Religião, UFJF

Ciencias Sociales y Religión, Porto Alegre, Asociación de Cientistas Sociales de la Religión en
el Mercosur.

Journal for the Scientific Study of Religion, Society for the Scientific Study of Religion




                                                                                               18

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Tags:
Stats:
views:14
posted:1/5/2013
language:
pages:18