palestra_ulma by xiaoyounan

VIEWS: 3 PAGES: 70

									Escoramentos e Formas metálicos
   Tecnologia e Aplicação

ULMA Andaimes, Formas e Escoramentos LTDA




                              28 de junho, 2005
    Apresentação Técnica
Eng. Marcus Ramos
Engenheiro Civil - ULMA - SP




Eng. Marcelo Fram Zóboli
Engenheiro Civil - ULMA - SP
        GRUPO ULMA

        ULMA EMBALAGEM
        

       ULMA AUTOMAÇÃO

        ULMA AGRÍCOLA

      ULMA EMPILHADEIRA

          ULMA FORJA

   ULMA CONCRETO POLÍMERO
       ULMA CONSTRUÇÃO
      ULMA CONSTRUÇÃO

   Presente em mais de 10 países.
   Está entre as 3 maiores empresas do
    setor no mundo.
   Presente no Brasil desde 1.997.
ULMA CONSTRUÇÃO - BRASIL




 Sede Própria em Itapevi – SP – 25mil m2
    ULMA CONSTRUÇÃO - BRASIL

   Atua no Mercado de Edificações, Grandes
    Edificações e Obras Pesadas.
   Locação e Venda de Equipamentos,
    Sistemas e Serviços de Engenharia.
   Forma Metálica.
   Escoramento Metálico.
   Andaime de acesso.
   Sistema para Laje Nervurada e Plana.
ULMA CONSTRUÇÃO - BRASIL

  Matriz em Itapevi / SP
  Polos de Atendimento
     Brasília / DF - Centro Oeste

     Porto Alegre / RS – Sul

     Rio de Janeiro / RJ

     ATENDE TODO O BRASIL
O que é um sistema de
       forma e
    escoramento?
             Ontem x Hoje
   Aço em barras          Armação cortada e
   Forma moldada “in       dobrada
    loco”                  Forma pronta de
   Escoramento em          madeira ou
    madeira                 metálica
   Concreto lançado       Escoramento
    por girica              metálico
                           Concreto
                            bombeável
             Ontem x Hoje
   Equipes numerosas      Equipes reduzidas
   Canteiros grandes      Canteiros
   Menores                 pequenos
    aproveitamentos        Aproveitamento
    de material             total
   Desperdícios           Menores sobras
Madeira x Metálico
 Madeira x Metálico

     Produtividade homem hora / m²
  1,2 a 1,5                          1,0 a 0,7
              Controle de Material
   Baixo                               Alto
               Sobra de Material
Muito Grande                         Pequena
Madeira x Metálico

              Equipe
Grande                        Reduzida
         Velocidade de Obra
Lenta                         Rápida
                R$
Compra                        Locação
  FORMA             Batida na
                    Obra
                                   Forma Pronta Forma
                                                Metálica
Velocidade da       Variável       Variável     Rápida
Obra
Reaproveitamento    Variável       Variável     Alto

Mão-de-obra         Fabricação e   Montagem     Montagem
                    Montagem
Entulho/Perdas      Muito          Pouco        Pouco

Custo Direto        Menor          Maior        Maior

Aquisição           Compra         Compra       Locação ou
                                                Compra
Canteiro            Maior          Menor        Menor

Risco de Acidente   Maior          Menor        Menor
      Forma Batida em Obra

   Projeto estrutural/arquitetônico
    despadronizado;
   MDO de carpintaria e equipamentos
    de fabricação em obra;
   Fácil adequação ao número de
    reutilizações necessárias;
   Integração entre quem fabrica e
    quem monta.
             Forma Pronta
   Menos MDO de carpintaria na obra;
   Projetos estruturais/arquitetônico mais
    padronizados;
   Adequação ao número de
    reaproveitamentos podem reduzir
    custos;
   Canteiros com espaço reduzido para
    fabricação;
   Serviços incluem Projetos e
    reaproveitamentos pré-definidos, além
    de supervisão;
   Necessidade de menor gerenciamento.
           Forma Metálica
   Obras com ciclos rápidos;
   Projetos arquitetônicos/estruturais
    padronizados;
   Pouca MDO de carpintaria na obra;
   Podem ser locadas, menor custo inicial;
   Canteiro pequeno;
   Vem com projetos e reaproveitamento
    pré-definidos, além de supervisão;
   Necessidade de menor gerenciamento;
   Geração de pouco entulho;
   Equipamentos disponíveis na obra - Grua.
      Valores Médios para Estruturas
          Convencionais (ABCP)
60

50

40

30
                                              Custo (%)
20

10

0
     Conc.   Aço   Esc.   Forma Equip.   MO
Sistemas de escoramento
        ULMA
C
i
m
b
r
e
             T-60
(escoramento para obras pesadas)
    RAPID
(lajes planas)
        LAJE NERVURADA
ONDE, QUANDO E PORQUE UTILIZAR
       LAJES NERVURADAS?

              Grandes vãos.
          Poucos pilares e vigas.

   Poucas interferências na estrutura.
      Consumo de concreto e aço.

       Redução do peso próprio da
                 estrutura.
               Entre outros.
COMO FAZER A LAJE
  NERVURADA?
   ELEMENTOS INERTES
EPS – Blocos concreto celular – Bloco
             Cerâmico
FORMAS PLÁSTICAS
  RECUPERÁVEIS
  Cubetas - Cabaças
COMO ESCORAR UMA
 LAJE NERVURADA?
ESCORAMENTO COM
    ASSOALHO
ESCORAMENTO SEM
   ASSOALHO
ESCORAMENTO COM
SISTEMA INTEGRADO
Sistema ULMA RECUB
        Componentes

   Escoras ou torres
   metálicos
   Complementos Cimbre
   Cubetas
        Cubetas

 Formas plásticas para
execução das lajes
nervuradas
 Sua altura atende
determinação do projeto
estrutural (20, 25, 30,
35, 40 cm)
Compatibilização com o projeto
Acessórios de segurança
       REESCORAMENTO
     PORQUE É TÃO IMPORTANTE?

   Suportar sobrecargas e peso próprio
    durante a cura total do concreto.
   Suportar sobrecargas maiores que as
    de projeto.
   Limitar deformações.
   Evitar fissuração prematura, que
    causa deformações futuras
    maiores.(durabilidade)
    ESQUEMA ESTRUTURAL
                 LAJE




                                    ESCORAS
     PILAR                        Rigidez Baixa
  Rigidez Alta          IGUAL




                                  MOLAS
ESTRUTURA MULTI-APOIADA         Rigidez = K
Sistema de fôrmas
     ULMA
       COMAIN
(formas manoportáveis)




     Caixas d’água
Pilares
Vigas
Circulares
     ORMA
(formas pesadas)
  ESTRUTURA DE
    CONCRETO

COMPOSIÇÃO DE CUSTOS
 COMPOSIÇÃO DE
    CUSTOS
Forma e Escoramento
     Importância dos Sistemas
45
40
35
30
25
20                                                                 Custo (%)
15
10
5
0
     Conc.      Aço      Esc.   Forma Equip.       MO
             Valores Médios para Estruturas Convencionais (ABCP)
            COMO SE DIVIDE A
             MÃO-DE-OBRA?

50
45
40
35
30
25
                                              MO (%)
20
15
10
5
0
     Concreto   Aço   Esc.   Forma   Equip.
    VARIÁVEIS IMPORTANTES

   Valor da locação / compra
    Valor por metro quadrado executado.
   Fretes / Transporte X Peso
   Manutenção / Indenização /
    Limpeza
   MÃO DE OBRA
Planejamento integrado

   Projeto
   Orçamento
   Execução
        CONTATOS

Eng. Marcus Ramos
mramos@ulma.com.br

Eng. Marcelo Zóboli
mzoboli@ulma.com.br

         Tel: (11) 4619 - 1300
         Site: www.ulma.com.br

								
To top