Docstoc

A Cura do Hipotireoidismo e a Cura do Hipertireoidismo 1ed - eric campos bastos guedes

Document Sample
A Cura do Hipotireoidismo e a Cura do Hipertireoidismo 1ed - eric campos bastos guedes Powered By Docstoc
					        A Cura do Hipotireoidismo e
       a cura do Hipertireoidismo 1ed
              Eric Campos Bastos Guedes – pesquisador autônomo
                     Santa Maria, Campos dos Goytacazes
                           26 de novembro de 2012


Abstract

This article proposes a cure for hypothyroidism and hyperthyroidism. It is based on my
own experience with these diseases. I managed to get my body to heal hypothyroidism
and hyperthyroidism. The healing came through proper nutrition and regular practice of
physical exercises. This is a significant event because hypothyroidism and
hyperthyroidism are considered as medically incurable diseases. A person may be
considered cured of hypothyroidism if not need more medication hormone (thyroxine)
to live well. A few years ago hypothyroidism was diagnosed in me and took the
hormone T4 for about two months. I ended up stopping the medication and started
weight training and walking on a treadmill. Also went to eat more foods with iodine -
mainly sardines. I succeeded, but I suffer from the opposite problem: hyperthyroidism. I
found that the same strategy applies to healing of hypothyroidism to hyperthyroidism.
Apparently, the reason is that the strategy exercise / nutrition works to regularize
thyroid activity, either excessive or deficient.

Word-keys: hypothyroidism, hyperthyroidism, thyroxine, T4, triiodothyronine, T3,
thyroid, self healing

Resumo

Este artigo propõe uma cura tanto para o hipotireoidismo quanto para o hipertireoidimo.
Ela se baseia em minha própria experiência com essas doenças. Eu consegui fazer com
que meu próprio organismo se curasse tanto do hipotireoidismo quanto do
hipertireoidismo. A cura veio por meio de uma alimentação adequada e da prática
habitual de exercícios físicos. Este é um acontecimento relevante na medida em que o
hipotireoidismo e o hipertireoidismo são consideradas pela medicina como doenças sem
cura. Uma pessoa poderá ser considerada curada do hipotireoidismo caso não necessite
mais da medicação (hormônio tiroxina) para viver bem. Há alguns anos atrás o
hipotireoidismo foi diagnosticado em mim e tomei o hormônio T4 durante cerca de dois
meses. Acabei interrompendo a medicação e passei a praticar musculação e caminhada
em esteira, além de ingerir mais alimentos com iodo (principalmente sardinhas). Tive
êxito, mas passei a sofrer do problema oposto: o hipertireoidismo. Constata-se que a
mesma estratégia de cura do hipotireoidismo se aplica ao hipertireoidismo. O motivo,
aparentemente, é que a estratégia exercícios/alimentação funciona no sentido de
regularizar a atividade tireoidiana, seja ela excessiva ou deficitária.

Palavras-chave: hipotireoidismo, hipertireoidismo, tiroxina, T4, triiodotironina, T3,
tireóide, autocura.

A medicina pode falhar
A medicina, em todos os níveis, é exercida por pessoas. Como os seres humanos são
falhos, a medicina também é. Até uma máquina de tomografia computadorizada ou de
raios-X pode falhar, pois as máquinas foram projetadas por pessoas e a interpretação de
qualquer exame é feito, igualmente, por pessoas que, como já disse, são sujeitas a
cometerem erros.
        Ora, se a medicina é falha, muitos dos procedimentos médicos sugeridos para
tratar ou curar doenças podem se mostrar ineficazes, ou até mesmo completamente
equivocados. Procura-se mostrar nesse trabalho que os tratamentos para o
hipotireoidismo e para o hipertireoidismo apregoados pela medicina convencional estão
completamente equivocados. Mostra-se um tratamento alternativo que pode dar
resultados muito melhores e que prescinde do uso de medicações. Sublinha-se o fato de
que o tratamento convencional para o hipotireoidismo conduz o usuário do hormônio
T4 à perda progressiva da memória de curto prazo. O tratamento convencionalmente
proposto para um problema de saúde que cria problemas tão graves quanto os que ele se
propõe a tratar está muito aquém de poder ser considerado razoável.

O fiasco do hormônio T4 exógeno exposto no Orkut

A vida acontece em grupos. E é nas comunidades e nos grupos das redes sociais que
podemos observar, paradoxalmente, as pessoas como elas realmente são. O motivo é
que uma mensagem no Orkut pode ficar disponível para leitura por muitos anos, de
modo a atingir as pessoas que realmente precisam lê-la. Outro motivo é que as pessoas
são mais sinceras nas comunidades do Orkut e nas comunidades e grupos das redes
sociais de um modo geral. Acessando o Orkut entramos em contato com um valioso
repositório de material que pode servir para estudos específicos em diversas áreas do
conhecimento.
    Quando tive diagnosticado o hipotireoidismo, passei a freqüentar comunidades no
Orkut de pessoas que também sofriam de hipotireoidismo. Examinando as postagens de
textos nessas comunidades logo ficou claro para mim que:

   (1) Pessoas que utilizavam a tiroxina (hormônio T4) há muitos anos apresentavam
       considerável redução da memória de curto prazo;
   (2) A perda da memória de curto prazo parecia ser tanto maior quanto maior o
       tempo de uso do T4;
   (3) O uso do hormônio T4 não parecia surtir efeito sobre a redução da memória de
       curto prazo propiciada pelo hipotireoidismo – o uso do T4 parecia, na verdade,
       agravar os problemas com a memória;
   (4) Com o passar do tempo os pacientes “necessitavam” de doses cada vez maiores
       de tiroxina;
   (5) Utilizar o T4 para tratar o hipotireoidismo era uma grande bobagem;
   (6) Os médicos sabiam dos itens de (1) à (5), mas faziam “corpo mole” e não se
       empenhavam em propor um outro tratamento para o hipotireoidismo porque
       não queriam arriscar sua reputação e porque os pacientes continuavam a encher
       seus consultórios para pegar receitas de T4 e “ajustar” a dose que tomariam
       desse hormônio;
   (7) A medicina é um campo de trabalho em que atua grande número de virtuais
       estelionatários, que agem como se fizessem parte de uma máfia na qual um
       acoberta os maus atos do outro e onde todos concordam que o tratamento
        convencional é o melhor possível até aquele momento, ainda que isso não seja
        verdade.


A cura do hipotireoidismo e do hipertireoidismo

Em primeiro lugar devo esclarecer que esse processo de curar o hipotireoidismo só deve
ser aplicado em maiores de 18 anos. O motivo é que o próprio paciente deve se
responsabilizar por sua cura e um menor de idade não pode ter essa responsabilidade.
Outro motivo é que a cura virá, entre outras coisas, com a prática de musculação, o que
é contra indicado para pessoas muito jovens.
       A cura consiste em praticar exercícios e ingerir alimentos que regularizem a
atividade da tireóide e também da hipófise, que é a glândula que secreta o TSH – o
hormônio estimulante da tireóide. Ao mesmo tempo, vamos reduzindo aos poucos o uso
do T4 exógeno, permitindo ao organismo que volte a fabricar seu próprio hormônio T4.
Ocorre que quando ingerimos a tiroxina em comprimidos, a glândula que produz nossa
própria tiroxina acaba ficando preguiçosa e produz cada vez menos tiroxina e de modo
cada vez menos eficaz. Por isso é importante o consumo de frutos do mar durante o
processo de cura. Pode-se consumir sardinhas ou atum, por exemplo, já que ambos são
ricos em iodo. Outros peixes do mar também são ricos em iodo. As atividades que
proponho para regularizar a tireóide e a hipófise são a musculação e a caminhada.
Pode-se optar por entrar para uma academia e fazer a caminhada em esteira eletrônica,
praticando os exercícios nas máquinas. Isto seria o ideal. Mas se você não quer ou não
pode entrar para uma academia, sugiro que pratique a musculação em casa e faça a
caminhada na rua. Seguem-se algumas dicas de como realizar os exercícios propostos.

Dicas gerais para a prática de caminhada

   Caminhe diariamente. Não caminhe só 3 ou 4 vezes por semana, pois ficar um dia
    sem caminhar pode reduzir drasticamente as chances de se criar o hábito de
    caminhar. A criação do hábito de caminhar é o mais importante. Se você estiver
    caminhando na esteira eletrônica da academia e não for dia de praticar musculação
    (a prática de musculação não deve ser diária, mas só de 3 a 5 vezes por semana), vá
    a academia só para fazer a caminhada em esteira.
   Calce meias e tênis adequados. Caso contrário, o desconforto causado por não se
    estar devidamente calçado pode tornar a caminhada algo desagradável evitando,
    assim, a necessária criação do hábito de caminhar.
   Caminhe em superfícies planas, por exemplo, sobre o asfalto e outras superfícies
    isentas de irregularidades que possam causar desconforto ou quedas e tropeções.
    Isso evitará que o ato de caminhar diariamente cause lesões em suas articulações.
   Use uma roupa leve e apropriada para a caminhada, por exemplo, jamais
    caminhe de calça jeans ou bermuda jeans.
   Caminhe perto de casa. Dê voltas no quarteirão. Alterne o sentido em que você
    caminha em torno do quarteirão. Nos dias pares você pode caminhar no sentido
    horário e nos dias ímpares você pode caminhar no sentido anti-horário, por
    exemplo. Assim, no dia 18 do mês (dia par, já que 18 é par) você pode caminhar no
    sentido horário, enquanto no dia 19 (dia ímpar, já que 19 é ímpar) você pode
    caminhar no sentido anti-horário. Se você morar num lugar onde não há quarteirões,
    pode escolher um trecho com chão plano próximo a sua residência e caminhar indo
    e voltando nesse trecho. Evite ter que atravessar ruas repetidamente durante a
    caminhada, pois enfrentar o trânsito pode ser um fator de estresse completamente
    desnecessário. Se você caminha em esteira de academia, procure inscrever-se numa
    academia próxima a sua residência.
   Beba bastante água e tome um banho logo após a caminhada.
   Regra de ouro do hábito: Jamais caminhe além do que você poderia considerar
    divertido no momento. Se sentir que a caminhada começou a ficar penosa, volte
    para casa. Se sentir vontade de voltar e ficar aborrecido com a caminhada, retorne.
    Lembre-se que não é o tempo ou a distância que você caminha em um dia que
    determinará seu êxito, mas sim a criação do hábito. E se não gostamos do que
    fazemos num dia, nossa tendência é detestarmos aquela atividade no dia seguinte, o
    que não contribui em nada para a criação e manutenção do hábito de caminhar.

Dicas gerais para a prática da musculação

   Na academia ou em casa. A musculação pode ser feita em casa ou numa academia.
    O ideal seria ir a academia, mas se isso não for possível, pode-se praticar
    musculação em casa.
   Comece devagar. Um bom começo não significa que você terá êxito no final e um
    mau começo não significa que você fracassará em seu intento.
   Regra de ouro do hábito. Não pratique mais musculação do que você poderia
    achar divertido no momento. Se ficar aborrecido com a seção de musculação, volte
    para casa. Quando terminar sua seção de exercícios do dia, diga para você mesmo:
    “fiz e fiz bem feito”. Tenha em mente que seu êxito está na criação do hábito de fazer
    musculação e não numa única seção de musculação. Você deve se sentir bem
    fazendo musculação pois só assim poderá estabelecer o hábito de praticá-la. Fazer
    musculação numa academia é mais motivador que fazer em casa.
   Consulte o Youtube. Se você faz musculação em casa, consulte o youtube (
    www.youtube.com ) para ver vídeos com pessoas fazendo diversos exercícios de
    musculação. Você pode procurar no youtube por “exercícios para o glúteo” ou
    “flexões de braços” ou “agachamento” ou “abdominais”, por exemplo.
   A freqüência de dias dedicados à musculação deve estar entre 3 e 5 dias por
    semana. Fazer menos que isso tornará você um atleta de fim de semana, o que não é
    bom. Fazer mais que isso pode levar a um quadro de overtraining, o que também
    não é bom.
   Beba bastante água e tome um banho após a seção de musculação.

Como deixar de utilizar o hormônio tiroxina (T4)

A tiroxina exógena, isto é, aquela que não é naturalmente fabricada por nosso
organismo, mas entra em nosso corpo de fora para dentro, por exemplo, na forma de
comprimidos, atua como uma droga que torna nosso corpo dependente dela. Nossa
tireóide vai ficando “preguiçosa” e perde aos poucos a capacidade de produzir sua
própria tiroxina. Afinal, com o T4 exógeno, a tireóide passa a fabricar cada vez menos
tiroxina, pois deixa de haver tanta necessidade do próprio organismo fabricar o T4, já
que está recebendo esse hormônio de fora. Assim, nosso corpo precisa re-aprender aos
poucos a viver sem a tiroxina exógena. A estratégia é retirar os comprimidos de T4 aos
poucos, de modo que em 7 semanas não se necessite mais dos comprimidos de tiroxina.
Especificamente:

Primeira semana: Não tome a tiroxina na segunda-feira.
Segunda semana: Não tome a tiroxina nem na segunda nem na quarta-feira.
Terceira semana: Não tome a tiroxina na segunda, na quarta, nem na sexta-feira.
Quarta semana: Não tome a tiroxina na segunda, na quarta, na sexta, nem no domingo.
Quinta semana: Não tome a tiroxina na segunda, na quarta, na sexta, no domingo nem
na terça-feira
Sexta semana: Não tome a tiroxina na segunda, na quarta, na sexta, no domingo, na
terça nem na quinta-feira
Sétima semana: Não tome mais a tiroxina... você não precisa mais dela!

       semana            Seg      Ter      Qua      Qui     Sex      Sab     Dom
Primeira semana           X
Segunda semana            X                 X
Terceira semana           X                 X                X
Quarta semana             X                 X                X                 X
Quinta semana             X        X        X                X                 X
Sexta semana              X        X        X        X       X                 X
Sétima semana             X        X        X        X       X        X        X
   Tabela esquemática – o “X” em cada posição indica quando não tomar a tiroxina

É bom lembrar que ao mesmo tempo em que se reduz o uso da tiroxina deve-se praticar
os exercícios físicos propostos, principalmente a musculação.

Conclusão

Eu me curei tanto do hipotireoidismo quanto do hipertireoidismo subseqüente um
método semelhante ao acima descrito. A medida que as pessoas forem se curando do
hipotireoidismo do modo como o proposto aqui esse processo poderá ser aperfeiçoado e
passará a ser um meio comum de autocurar o hipotireoidismo.

Outros trabalhos do mesmo autor

“A Cura da Esquizofrenia”
“O Povo Cego e as Farsas do Poder 3ed”
“(Neuro)Cisticercose por contaminação criminosa”
“Sífilis por contaminação criminosa”
“Sexo Seguro sem Culpa”
“Fórmulas para Números Primos”
“Fórmulas que Geram Números Primos”

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Stats:
views:137
posted:11/29/2012
language:Portuguese
pages:5
Description: Este artigo propõe uma cura tanto para o hipotireoidismo quanto para o hipertireoidimo. Ela se baseia em minha própria experiência com essas doenças. Eu consegui fazer com que meu próprio organismo se curasse tanto do hipotireoidismo quanto do hipertireoidismo. A cura veio por meio de uma alimentação adequada e da prática habitual de exercícios físicos. Este é um acontecimento relevante na medida em que o hipotireoidismo e o hipertireoidismo são consideradas pela medicina como doenças sem cura. Uma pessoa poderá ser considerada curada do hipotireoidismo caso não necessite mais da medicação (hormônio tiroxina) para viver bem. Há alguns anos atrás o hipotireoidismo foi diagnosticado em mim e tomei o hormônio T4 durante cerca de dois meses. Acabei interrompendo a medicação e passei a praticar musculação e caminhada em esteira, além de ingerir mais alimentos com iodo (principalmente sardinhas). Tive êxito, mas passei a sofrer do problema oposto: o hipertireoidismo. Constata-se que a mesma estratégia de cura do hipotireoidismo se aplica ao hipertireoidismo. O motivo, aparentemente, é que a estratégia exercícios/alimentação funciona no sentido de regularizar a atividade tireoidiana, seja ela excessiva ou deficitária. Autor: Eric Campos Bastos Guedes