Líderes que Deus desela para sua Igreja

Document Sample
Líderes que Deus desela para sua Igreja Powered By Docstoc
					Líderes que Deus deseja para sua
             igreja
            Estudos Bíblicos




               Autor: Pr: Olício Viana
            ADAPTAÇÃO: ANTONIO R. FEITOSA
                                                                   Sumário


Introdução ................................................................................................................................................. 2

Comentário ................................................................................................................................................ 2

1. Definição de ministro ......................................................................................................................... 2

2. Ofícios Ministeriais ............................................................................................................................. 2

3. As características dos ministros da igreja ........................................................................................ 2

Conclusão .................................................................................................................................................. 4




                                                                                                                                         Página 1 de 4
              LÍDERES QUE DEUS DESEJA PARA SUA IGREJA


“Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja”. I Timóteo
3:1

Introdução

Não temos ministros em quantidade suficiente e muitos que estão exercendo algum tipo de
ministério, não possuem vocação Divina nem as qualificações básicas exigidas pela Palavra de
Deus para que possam desempenhar seu ministério. Como colocar o homem certo, no lugar
certo? O que é preciso para ser um líder na igreja? Deus estabeleceu critérios na escolha de
Seus ministros, confiando-lhes a continuidade do trabalho feito por Jesus, requerendo que
cada um se ache digno e apto no cumprimento de seu ministério. (II Tm 2.15)
Como preparar bons ministros na igreja diante das duras críticas e de uma antipatia nacional
que os tem rotulado de oportunistas? É o que veremos neste estudo.


Comentário

1. Definição de ministro

A palavra “ministro” significa “servo dos servos”. Em nossa sociedade, um “ministro” é um
estadista a quem cabe dirigir um conjunto de serviços públicos, ou alguém comissionado para
representar o seu governo no serviço diplomático abaixo do embaixador.
No sentido eclesiástico, é alguém autorizado a pregar, executar várias atribuições cerimoniais
e atividades religiosas de uma igreja. Na igreja primitiva “serviço prestado ao Senhor em prol
do Seu corpo aqui na terra” e o apóstolo Paulo via o ministério como uma “responsabilidade
sarada e um privilégio”. (I Timóteo 3.1)

2. Ofícios Ministeriais

   a) Bispo - Esta palavra em grego, “episkopos” e significa “supervisor”. Os apóstolos
      foram os primeiros que dirigiram territórios e não apenas sobre a igreja local.
   b) Presbítero - Vem do grego “presbúteros”, significando “ancião”, “velho”. Na igreja
      primitiva o título de “presbítero” tinha o mesmo sentido de “bispo”, e “pastor”.
   c) Diácono - Do grego “diákonos” significa “servo”. Essa palavra aponta para todo tipo
      de serviço, secular ou religioso (Mateus 10.7-8; Lucas 12.37; etc.). Os diáconos
      surgiram com um problema social envolvendo viúvas (Atos 6.1-7).

3. As características dos ministros da igreja

Paulo orientou Timóteo e Tito sobre como eles deveriam escolher os que estariam na liderança
da igreja. É o que você confere abaixo:

   a) Ser irrepreensível - (I Timóteo 3:2; Tito 1:6-7). Não se trata de uma pessoa “perfeita”,
      mas de boa reputação. Se houver desonestidade, infidelidade na vida de um “ministro”
      sua liderança perderá influência sobre aqueles que ele está procurando levar a Deus.

                                                                                 Página 2 de 4
     A forma de vida de uma pessoa e suas relações é uma janela aberta para ver seu
     caráter. Considere estas qualidades à medida que você avalia uma pessoa para uma
     posição de liderança. Embora é certo que é importante ter um presbítero ou um pastor
     que possa pregar com efetividade a Palavra de Deus, é ainda muito mais importante
     que este possa viver a Palavra de Deus e ser um exemplo para que outros o possam
     seguir.

b) Ser marido de uma só mulher - (Timóteo 3:2; Tito 1:6). A impureza moral sempre foi
   uma causa para queda de líderes cristãos.
   O ataque à família e ao relacionamento conjugal de um líder sempre é muito intenso.
   O “ministro” não deve ser necessariamente casado, porém se for, deve ter apenas uma
   mulher.
   Na esfera do lar deve governar bem a sua casa (I Timóteo 3:4; Tito 1:6). O “ministro”
   governa a igreja, mas antes de tudo deve ser líder em sua casa (deve pastorear, em
   primeiro lugar, sua família e consequentemente a igreja).

c) Ser sóbrio - (I Timóteo 3:2; Tito 1:8). Não faz julgamentos precipitados, é imparcial
   para tomar decisões e chegar a alguma conclusão, não mistura amizade com as coisas
   ministeriais.

d) Ser honesto - Outra versão traduz como “modesto” (I Timóteo 3:2). É o “ministro” que
   sabe entrar e sabe sair, sabe ganhar e sabe perder. Jesus não garantiu sucesso total
   para o serviço ministerial. (Lucas 10:10-11)

e) Ser hospitaleiro - (I Timóteo 3:2; Tito 1:8): Ele precisa ter sensibilidade às necessidades
   alheias, porém precisa ter cuidado em quem hospedar.

f) Ser apto para ensinar - (I Timóteo 3:2; Tito 1:9). O “ministro” deve conhecer bem as
   Escrituras para exortar (encorajar, estimular) e para convencer (reprovar, repreender)
   sem passar “açúcar” nos mandamentos de Deus por que eles já são doces. (Salmos
   19:10)

g) Não ser dado ao vinho - (I Timóteo 3:3; Tito 1:7). É o “ministro” que não se deixa levar
   pelo hábito de tomar qualquer tipo de bebida alcoólica.

h) Não ser violento, mas inimigo de contendas - (I Timóteo 3:3; Tito 1:7). Não deve
   espancar os filhos e a esposa. Não é ansioso por entrar em brigas e discussões, mas
   exerce autocontrole.
   O líder da igreja deve ser pronto a ceder, dotado de espírito tolerante não se
   apegando aos seus títulos. Deve ser pacífico não dividindo igrejas nem fazendo delas
   um campo de batalha. Por isso, ele precisa ser temperante (Tito 1:8), tendo “domínio
   de suas paixões”.

i)   Não ser ganancioso ou avarento - (I Timóteo 3:3; Tito 1:7). Não deve amar o dinheiro
     e ser precavido com a ambição pelo poder. Sua vocação não deve estar à venda (I
     Pedro 5:1-3).
     Ele tem direito de receber uma “prebenda” razoável, por trabalhar no evangelho, mas
     nunca enriquecer (Mateus 10: 9-10). Ele sabe viver alegre tendo muito ou pouco
     (Filipenses 4:10-12).

j)   Não ser neófito - (I Timóteo 3:6). Não pode ser “recém-convertido” para que não se
     orgulhe de seu cargo, isso tem sido um dos grandes problemas das igrejas, por que
     muitos são escolhidos apenas por seus “aleluias”, “pulos”, etc.

                                                                                 Página 3 de 4
   k) Ser bem conceituado na sociedade - (I Timóteo 3:7). O líder da igreja de Deus deve ter
      a simpatia dos que são de fora da igreja. Assim, a sociedade é o segundo agenciador
      de confirmação da chamada de Deus (o primeiro é a igreja).

   l)   Ele procura viver como sangue - (Tito 1:8). É o “ministro” que vive para agradar a Deus
        e ao próximo, não tem nenhuma dificuldade em se relacionar com a multidão
        aprendendo a valorizar a “pessoa”. Seu viver é bem ajustado.

   m) Não ter língua dobre - (I Timóteo 3:8). Ele tem uma só palavra. Ao agir como
      mediador entre pessoas em conflitos manterá total franqueza sem qualquer
      favoritismo, ao lado sempre da verdade.

   n) Não ser arrogante - (Tito 1:7). O ministro não pode depreciar as pessoas, fazer
      ameaças, manipular, criar sentimento de culpa, vergonha ou ignorância, mas analisar
      ideias dos outros. É humilde e reconhece quando erra, tendo coragem de pedir
      perdão. Se for preciso cede o primeiro lugar a alguém, como Barnabé cedeu para
      Paulo (Atos 14:12).

   o) Não ser iracundo - (Tito 1:7). Cabe ao obreiro dominar o seu gênio explosivo,
      conhecendo muito bem as suas reações, esse é o primeiro passo para lidar com a ira.
      Não deve expor sua instabilidade, cinismo, vingança, egoísmo, nem tampouco ser um
      vulcão humano sujeito a explosões de iras muitas das vezes usando o próprio público
      para isso.


Conclusão

O conhecimento teológico é muito útil, mas não consegue produzir os ministros que Deus
deseja para sua igreja.
O que faz a diferença no ministro antes de tudo é ser “nascido de novo”; ter a “chamada
específica” confirmada pela igreja que funciona como agência confirmadora; “amor” ao
rebanho de Deus.
Os ministros são escolhidos e equipados por Deus; temos apenas que descobrí-los e
desenvolvê-los.




Autor – Pr: Olício Viana

Adaptação: Antonio R. Feitosa




www.apostiblia.tk



                                                                                  Página 4 de 4

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Stats:
views:4
posted:10/18/2012
language:Portuguese
pages:5
Description: Como colocar o homem certo, no lugar certo? O que é preciso para ser um líder na igreja? Deus estabeleceu critérios na escolha de Seus ministros, confiando-lhes a continuidade do trabalho feito por Jesus, requerendo que cada um se ache digno e apto no cumprimento de seu ministério. (II Tm 2.15) Como preparar bons ministros na igreja diante das duras críticas e de uma antipatia nacional que os tem rotulado de oportunistas? É o que veremos neste estudo.