Docstoc

Mudan_a Econ_mica X Mudan_a Legal_ as novas fontes do

Document Sample
Mudan_a Econ_mica X Mudan_a Legal_ as novas fontes do Powered By Docstoc
					Pluralismo Jurídico

Anna Karina Keller
Felipe Novais
Helena Serpejante
Jéssika Caparroz
Nathália Saad.
               Definição

Duas ou mais normas válidas, provenientes
de centros de poder distintos, que podem ser
aplicadas ao um mesmo caso concreto.
Apenas uma delas alcança a eficácia, não por
força de uma regra determinante, mas por
escolha do aplicador ou do individuo que
sofrerá a aplicação do direito.
               Concepções atuais
   Interlegalidade: ordenamentos que se interagem,
    criando formas de soluções internas de conflitos;

   Multiculturalismo: reconhecimento das mudanças
    sociais e culturais;

   Internacionalização: influencia do direito
    internacional nas decisões internas, criando um
    ordenamento paralelo;

   “Direito do povo”: ordenamentos que se criam
    dentro da sociedade com os quais a população mais
    se identifica.
                Causas de surgimento
   Conduta omissa do Estado

   Corrupção e aplicação do direito estatal de forma
    violenta
                      Conseqüências
→   Surgimento das regiões de direito próprio
    Ex: Máfia Italiana, sociedades esquimós, Guerrilha colombiana,
    favelas dominadas por traficantes, presídios.


→   Crise de credibilidade e eficácia do Poder Judiciário

→   Pressão para a alteração do direito estatal
                     Soluções

    O Estado deve sempre buscar a efetividade de
    suas normas, diminuindo o distanciamento entre o
    direito estatal e a realidade social da população

   Reconhecimento do pluralismo jurídico

   Resposta ao apelo popular
Pluralismo Jurídico na Idade Média
   A Idade Média é o período que retrata com maior
    clareza o pluralismo jurídico.

   O direito era consuetudinário (baseado em
    costumes).

   O indivíduo carregava consigo as regras de sua tribo.

   Várias leis vigoravam na mesma região.

   Direito descentralizado devido à sociedade feudal.

   Relação Estado versus Igreja: Concordata de Worms
    e Paz de Westphalia.
Coronelismo
   O coronelismo também é um tipo de pluralismo
    jurídico.

   Os “coronéis” manipulavam as eleições em razão do
    seu poder econômico e social sobre a população mais
    pobre do interior do país.
   Essa prática perdura até os dias atuais nas regiões Norte,
    Nordeste e Centro-Oeste do Brasil.

   O coronelismo é fundado em um poder paralelo ao do
    Estado.

   Voto aberto: facilitou a manipulação (“voto de cabresto”).
Pluralismo Jurídico nas favelas
     A força do Direito Paralelo
Direito Paralelo atua na Escala do Estado?

   Eficácia

   Validade
Motivos para a infiltração dos bandidos na
                   favela

   Coação pelas armas

   Melhorias para a comunidade

   Vácuo do Estado

   Morador não se vê refletido no Estado de
    Direito
      Leis que emanam do poder paralelo

   Sem os princípios do Estado de Direito

   Rápida execução

   Nenhuma garantia dos direitos básicos

   Não há limitações

   Enlaça a todos
       Estado de Direito x População

   Abandono

   Polícia corrupta

   Justiça Ausente

   Conclusão = aumento da força do poder dos
    bandidos
Pluralismo Jurídico nos presídios
               Estado Paralelo

   Ausência do Estado na resolução dos
    problemas sociais

   Identificação do preso com os outros que
    vivenciam a mesma realidade que a sua

   Existência de organizações criminosas

   Subordinação ao “Poder Paralelo”
          Organizações criminosas

   Primeiro Comando da Capital (PCC)

   Comando Vermelho
Hinduísmo
   Sistema de Castas: divisão social

   Sociedade composta por diversos
    ordenamentos jurídicos menores

   Direito Hindu: normas de cunho religioso

   Párias: regulados por um sistema jurídico
    paralelo
O Direito Mulçumano
   Definição



   Aplicação, sanção e conduta humana
Quatro fontes:

  →O  Alcorão, livro sagrado do Islão, palavra de
    Deus;

  →A   Sunna, ou tradição relativa a Maomé;

  →O   Idjimâ, o acordo unânime da sociedade;

  →O   Qiyâs, ou raciocínio por analogia.
   Alcorão não é código de leis

   Diferenças entre normas religiosas comuns e a
    norma religiosa mulçumana

   Solução para os casos
   O império mulçumano

   A importância da Charî’a

   O direito mulçumano como forma de
    pluralismo jurídico
Mudança Econômica X Mudança Legal
    as novas fontes do pluralismo jurídico
   Cinco conseqüências da “reestruturação do
    capitalismo”

   Desenvolvimento econômico por ondas

   Processo de distribuição criadora
            Primeira Conseqüência

   Crescente risco trazido pelas inovações

   Aumento da transnacionalidade das empresas

   Dificuldade de proteção contra abusos das
    empresas

   Modernização das legislações nacionais
           Segunda Conseqüência

   Redução da autonomia das economias
    nacionais

   Vulnerabilidade dos países em
    desenvolvimento

   Dolarização da economia

   Autonomia dos Bancos Centrais nacionais
             Terceira Conseqüência

   Aumento da formação de diferentes esferas e níveis
    de ação

   Subdivisão do sistema administrativo

   Dificuldade em hierarquizar o sistema

   Efetividade do direito positivo comprometida
            Quarta Conseqüência

   Fragmentação da produção na nova Divisão
    Internacional do Trabalho

   Aumento da concorrência

   Busca das empresas por locais mais
    vantajosos para se instalar

   Sobreposição dos interesses empresariais
             Quinta Conseqüência

   Enfraquecimento da idéia de “nação”

   Alcance e velocidade dos processos
    migratórios

   Diversidade de culturas se integrando

   Dificuldade de um direito “multi-étnico”

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:55
posted:8/3/2012
language:Portuguese
pages:32