Matem�tica Financeira: Fluxo de Caixa by 8VBu4o

VIEWS: 0 PAGES: 28

									                       Matemática Financeira: Fluxo de Caixa

Fluxo de Caixa


Fluxo de caixa é um objeto matemático que pode ser representado graficamente
com o objetivo de facilitar o estudo e os efeitos da análise de uma certa aplicação,
que pode ser um investimento, empréstimo, financiamento, etc. Normalmente, um
fluxo de caixa contém Entradas e Saídas de capital, marcadas na linha de tempo
com início no instante t=0.

Um típico exemplo é o gráfico:

                             Fluxo de Caixa da pessoa
                       Eo


                        0    1     2    3    ...    n-1    n


                             S1   S2    S3   ...    Sn-1   Sn

que representa um empréstimo bancário realizado por uma pessoa de forma que
ela restituirá este empréstimo em n parcelas iguais nos meses seguintes.
Observamos que Eo é o valor que entrou no caixa da pessoa (o caixa ficou positivo)
e S1, S2, ..., Sn serão os valores das parcelas que sairão do caixa da pessoa
(negativas).

No Fluxo de Caixa do banco, as setas têm os sentidos mudados em relação ao
sentidos das setas do Fluxo de Caixa da Pessoa. Assim:

                              Fluxo de Caixa do banco
                             E1   E2    E3 ...     En-1    En


                        0    1     2    3    ...    n-1    n


                       So

O fato de cada seta indicar para cima (positivo) ou para baixo (negativo), é
assumido por convenção, e o Fluxo de Caixa dependerá de quem recebe ou paga
o Capital num certo instante, sendo que:

      1. t=0 indica o dia atual;
      2. Ek é a Entrada de capital num momento k;
      3. Sk é a Saída de capital num momento k.
Observação: Neste trabalho, o ponto principal é a construção de Fluxos de Caixa
na forma gráfica e pouca atenção é dada à resolução dos problemas. Caso você
tenha algum Fluxo de Caixa interessante que valha a pena ser tratado, envie a sua
sugestão.

Exemplos importantes


Na sequência, iremos apresentar uma coleção de situações e construiremos os
Fluxos de Caixa das mesmas (do ponto de vista da pessoa). Tais situações são
muito comuns nas operações financeiras.

Resolveremos apenas alguns exercícios, mas os interessados deverão ver o nosso
curso sobre Matemática Financeira, nesta mesma Home Page, onde encontrarão
muitas informações sobre o assunto.

     1. Uma pessoa emprestou R$10.000,00 hoje e pagará R$11.000,00 daqui há
        um mês.

                                     Fluxo de Caixa 01
                                10.000


                                  0                       1


                                                     11.000

     2. Uma pessoa emprestou R$10.000,00 hoje e pagará em duas parcelas
        iguais e seguidas de R$6.000,00 a partir do próximo mês.

                                      Fluxo de Caixa 02
                       10.000


                         0                     1               2


                                             6.000            6.000

     3. Uma pessoa emprestou R$10.000,00 hoje e pagará R$ 5.500,00 em 30 dias
        e R$6.500,00 em 60 dias.

                                      Fluxo de Caixa 03
                       10.000
                0                             1                         2


                                          5.500                        6.500

4. Uma pessoa emprestou R$10.000,00 hoje e pagará R$ 1.000,00 em 15
   parcelas iguais a partir do mês seguinte.

                                Fluxo de Caixa 04
       10.000


         0              1           2              ...            14           15


                    1.000         1.000           1.000       1.000         1.000

5. Uma pessoa comprou um carro por R$16.000,00 hoje e pagará em 24
   parcelas de R$ 876,54 a partir do mês seguinte.

                                Fluxo de Caixa 05
      16.000


         0          1             2               ...             23           24


                876,54          876,54        876,54         876,54         876,54

6. Uma pessoa comprou um carro por R$16.000,00 hoje e pagará o mesmo
   em 24 parcelas de R$ 840,00 a partir de hoje.

                                Fluxo de Caixa 06
       16.000


         0                  1             2                 ...             23


       840,00       840,00            840,00              840,00         840,00

7. Uma pessoa comprou um carro por R$12.000,00 hoje e pagará em 20
   parcelas variáveis que começam com R$ 500,00 e vão aumentando
  R$100,00 a cada mês, sendo a primeira parcela paga a partir do mês
  seguinte.

                              Fluxo de Caixa 07
         12.000


            0           1           2         ...          19            20


                       500          600       ...         2.300         2.400

8. Uma pessoa comprou um carro por R$12.000,00 hoje e pagará em 20
   parcelas variáveis que começam com R$ 500,00 e vão aumentando
   R$100,00 a cada mês, sendo a primeira parcela paga já no momento inicial.

                              Fluxo de Caixa 08
         12.000


            0           1           2         ...          18            19


           500         600          700       ...         2.300         2.400

9. Uma pessoa financia um objeto em n parcelas iguais e seguidas de R
   unidades monetárias a partir do próximo mês. Se a taxa bancária de juros é
   de i% ao mês, qual é o Valor Presente (VP) deste objeto?

                              Fluxo de Caixa 09
             VP=A


                 0              1         2         ...           n-1         n


                               R          R         R             R           R

10.   Solução matemática:
             11.  A = R/(1+i) + R/(1+i)2 + R/(1+i)3 +...+ R/(1+i)n
12.   que também pode ser escrito na forma


                        13.
14.  Uma pessoa financia um objeto em 5 parcelas iguais e seguidas de
  R$1.000,00 a partir do próximo mês. Se a taxa bancária de juros é de 7%
  ao mês, qual é o Valor Presente (VP) deste objeto?

                            Fluxo de Caixa 10
       VP


        0       1           2           3             4        5


              1.000        1.000       1.000    1.000      1.000

15.  Solução matemática: Como i=7%=0,07; R=1000 e n=5, então pela
  Fórmula do ítem anterior, temos que:


       16.
17.   Uma pessoa financia um objeto em n parcelas iguais e seguidas de R
  unidades monetárias a partir deste mês. Se a taxa bancária de juros é de i%
  ao mês, qual é o Valor Presente (VP) deste objeto?

                            Fluxo de Caixa 11
              VP=A


                 0                 1        2   ...       n-1


                R                  R     R      R          R

18.
19.   Solução matemática:
             20.  A=R+R/(1+i)+R/(1+i)2+R/(1+i)3 +...+ R/(1+i)n-1
21.   que também pode ser escrito na forma


                     22.
23.   Considere o problema do ítem 10 e uma nova alternativa. Refinanciar a
  compra do objeto que custa o Valor Presente (obtido no Fluxo de Caixa 10)
  em 4 parcelas iguais e seguidas a partir do mês inicial. Considere a mesma
  taxa bancária de juros. Qual deverá ser o valor de cada nova parcela R?
  Qual será o percentual de aumento da prestação em relação à prestação
  anterior, com esta nova alternativa?
                                         Fluxo de Caixa 12
                       4.100,20


                           0                             1                  2                  3


                          R?                           R?                  R?                  R?

     24.  Solução matemática: Como i=7%=0,07; VP=4.100,20 e n=4, então pela
       Fórmula do ítem anterior, temos que:


               25.
     26.   que pode ser escrito na forma
                         27.    4.100,20 = R × 3,6243160444
     28.   de onde segue que
                                  29.   R = 1.131,30
     30.   A nova parcela sobre a anterior aumentou 13,20%.
     31.   Observação: Este percentual poderá mudar se a taxa aplicada for
       alterada.


                                    Construída por Ulysses Sodré. Atualizada em 28/abr/2008.




Outro material de pesquisa
                 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA
A Demonstração do Fluxo de Caixa, embora não exigida pela Lei 6.404/76 é de grande utilidade
interna na entidade.

De forma condensada, a Demonstração do Fluxo de Caixa(DFC) indica a origem de todo o dinheiro
que entrou no Caixa, bem como a aplicação de todo o dinheiro que saiu do Caixa em determinado
período, e, ainda o Resultado do Fluxo Financeiro.

Assim como a Demonstração do resultado do exercício , a DFC é uma demonstração dinâmica e
também está contida no Balanço que, por sua vez, é uma demostração estática.

Se, por exemplo tivermos um Balanço Patrimonial cujo disponível seja:


                            Circulante            31/12/X1                31/12/X2
                            Disponível           1.820.000               2.500.000
Estamos diante de uma situação estática, ou seja, uma fotografia do saldo disponível no início e
outra no final do período. Mas quais foram as razões que contribuiram para o aumento das
disponibilidades em 680.000?

A Demonstração do Fluxo de Caixa(DFC) irá indicar-nos o que ocorreu no período em termos de
saída e entrada de dinheiro no Caixa(demonstração dinâmica) e o resultado desse Fluxo.

A DFC propicia ao gerente financeiro a elaboração de melhor planejamento financeiro, pois numa
economia tipicamente inflacionária não é aconselhável excesso de Caixa, mas o estritamente
necessário para fazer face aos seus compromissos. Através do planejamento financeiro o gerente
saberá o montante certo em que contrairá empréstimos para cobrir a falta(insuficiência) de fundos,
bem como quando aplicar no mercado financeiro o excesso de dinheiro, evitando, assim a corrosão
inflacionária e proporcionando maior rendimento á empresa.

Mas só através do conhecimento do passado(o que ocorreu) se poderá fazer uma boa projeção do
Fluxo de Caixa para o futuro (próxima semana, próximo mês, próximo trimestre, etc.). A
compensação do Fluxo Projetado com o real vem indicar as variações que, quase sempre,
demonstram as deficiências nas projeções. Estas variações são excelentes subsídios para
aperfeiçoamento de novas projeções de Fluxos de Caixa.


ELABORAÇÃO DO FLUXO

A DFC pode ser elaborada sob duas formas distintas:

a) De posse da conta “Caixa”, ordenando as operações de acordo com a sua natureza e
condensando-as, poderámos extrair todos os dados necessários.

b) De posse das Demonstrações Financeiras, uma vez que nem sempre teremos acesso á ficha(ou
livro) da “conta Caixa”, lançaremos mão de uma técnica bastante prática, proporcionando, assim, a
elaboração da DFC para empresas diversas

Ressalta-se que, pelo aspecto prático, mesmo tendo acesso á conta Caixa, alguns contadores
preferem elaborar a DFC pela técnica referida no item b. Por essa razão e pelo fato de propiciar a
elaboração da DFC para qualquer empresa(sem necessidade de acesso á contabilidade),
enfatizaremos esta técnica.


AS PRINCIPAIS TRANSAÇÕES QUE AFETAM O CAIXA

A seguir relacionaremos, em dois grupo, as principais transações que afetam o Caixa.

A) TRANSAÇÕES QUE AUMENTAM O CAIXA (DISPONÍVEL)

      Integralização do capital pelo Sócios ou Acionistas

São os investimentos realizados pelos proprietários. Se a integralização não for em dinheiro, mas
em bens permanentes, estoques, títulos etc., não afetará o Caixa.


      Empréstimos Bancários e Financiamentos

São os recursos financeiros oriundos das instituições Financeiras. Normalmente, os Empréstimos
Bancários são utilizados como Capital de Giro(Circulante) e os Financiamentos, para aquisição de
ativo Permanente (Fixo).


      Venda de Itens do ativo Permanente

Embora não seja comum, a empresa pode vender itens do Ativo Fixo. Neste caso, teremos uma
entrada de recursos financeiros.


      Vendas a Vista e Recebimentos de Duplicatas a Receber

A principal fonte de recursos do caixa, sem dúvida, é aquela resultante de vendas.


      Outras Entradas

Juros recebidos, dividendos recebidos de outras empresas, indenizações de seguros recebidas etc.

B) TRANSAÇÕES QUE DIMINUEM O CAIXA (DISPONÍVEL)

      Pagamentos de Dividendos aos Acionistas;
      Pagamentos de Juros, Correção Monetária da Dívida e Amortização da Dívida;
      Aquisição de itens do Ativo Permanente;
      Compras a vista e Pagamentos de Fornecedores;
      Pagamentos de Despesa/Custo, Contas a Pagar e Outros.

C- TRANSAÇÕES QUE NÃO AFETAM O CAIXA

Através do itens relacionados no grupo A observamos os principais encaixe(entrada de dinheiro no
Caixa). Através dos itens relacionados no grupo B observamos os principais desembolsos(saídas de
dinheiro do Caixa).

Agora observaremos algumas transações que não afetam o Caixa, isto é, não há encaixe e nem
desembolso:

      Depreciação, Amortização e Exaustão. São meras reduções de Ativo, sem afetar o caixa;
      Provisão para devedores Duvidosos. Estimativa de prováveis perdas com clientes que não
       representa o desembolso ou encaixe;
      Acréscimo ( ou Diminuições ) de itens de investimentos pelo método de equivalência
       patrimonial. Assim como Correção Monetária, poderá haver aumentos ou diminuições em
       itens de investimentos sem significar que houve vendas ou novas aquisições.




OUTRO MATERIAL DE PESQUISA
Fluxo de caixa é um instrumento gerencial que controla e informa todas as
movimentações financeiras (entradas e saídas de valores monetários) de um dado
período - pode ser diário, semanal, mensal, etc. O fluxo de caixa é composto dos
dados obtidos dos controles de contas a pagar, contas a receber, de vendas, de
despesas, de saldos de aplicações, e todos os demais que representem as
movimentações de recursos financeiros disponíveis da organização.
De probloggers a músicos, todo profissional que atua de forma autônoma ou
independente precisa saber controlar as entradas e saídas financeiras para poder
maximizar o retorno e evitar problemas por não poder prever as sobras e faltas de
disponibilidades.




O demonstrativo de fluxo de caixa também pode ser um instrumento contábil legal,
contexto em que toma um aspecto mais formal e rígido. Se a sua intenção é
realizar o controle contábil de uma empresa, para propósitos fiscais, societários ou
outros, provavelmente a melhor alternativa é procurar orientação com um
contabilista de sua confiança.

Nossa missão hoje, detalhada abaixo, é conhecer melhor o Fluxo de Caixa
pessoal como instrumento de acompanhamento para apoio à tomada de decisão.
E o foco será a situação específica dos profissionais autônomos, sejam eles
desenvolvedores web, probloggers, artistas, ou qualquer outro profissional que
encare os desafios de administrar seu negócio individual, com várias fontes de
renda variáveis, prestando serviços para múltiplos clientes.

Fluxo de caixa como instrumento gerencial
Antes de prosseguir, um alerta: o mecanismo do fluxo de caixa é bastante simples,
mas nenhum sistema de informações pode funcionar sem que os dados relevantes
sejam constantemente atualizados nele. Da mesma forma, o sistema não tem
qualquer utilidade se os dados não forem analisados periodicamente, e se a
organização não tiver confiança neles. Em outras palavras: se não for haver
compromisso em manter o fluxo de caixa sempre atualizado, pode ser melhor nem
mesmo se dar ao trabalho de tentar implementá-lo.

Outro aspecto a ser levado em conta é o das dependências: o Fluxo de Caixa
precisa de dados que nascem em um bom método de controle de contas a pagar,
contas a receber, acompanhamento de saldos de aplicações bancárias,
faturamento, despesas, etc. Antes de se preocupar com sistemas agregadores,
como o Fluxo de Caixa, você precisa dar atenção a estes outros métodos de coleta
de dados específicos. E isto tem vantagens adicionais, como levar a um melhor
acompanhamento das suas posições em relação a clientes, fornecedores, taxas
públicas, etc. Não há como ter um relatório de fluxo de caixa atualizado se você
não registra regularmente as faturas e nem acompanha se os seus clientes estão
pagando-as em dia, por exemplo.

E aqui quando falo em sistemas, tomo a palavra em sentido amplo. Embora seja
desejável informatizar estes processos, é perfeitamente possível realizar o
acompanhamento de fluxo de caixa da maioria dos autônomos usando papel, lápis
e régua. Mas acredito que a maior parte da audiência deste texto do Efetividade
não tenha dificuldade em ter acesso a um computador, e vá achar vantajoso usar
esta ferramenta tecnológica para o controle de suas atividades. Neste caso, além
de poder escolher entre diversos sistemas contábeis voltados ao uso individual
(alguns até mesmo adaptados a necessidades específicas, como as dos
profissionais liberais), você pode optar por uma boa planilha eletrônica, inclusive
porque as fórmulas usadas em fluxos de caixa pessoais são extremamente
simples. Recomendo a planilha do BrOffice ou a do Google Docs para começar.

Para que serve o Fluxo de Caixa
O Fluxo de Caixa é um instrumento de controle que auxilia na previsão,
visualização e controle das movimentações financeiras de cada período. A sua
grande utilidade, no contexto que estamos apresentando hoje, é permitir a
identificação (especialmente prévia, mas também posterior) das sobras e faltas no
caixa, possibilitando ao profissional planejar melhor suas ações futuras ou
acompanhar o seu desempenho.

Em uma empresa, o ideal é que o período de acompanhamento seja diário, mas
autônomos que usem o sistema exclusivamente como instrumento gerencial
podem se virar com períodos maiores - semanal ou até mensal - dependendo da
sua liquidez. Períodos menores permitem maior eficiência nos investimentos e
aplicação financeira dos saldos positivos, mas em compensação geram maior
esforço ou custo de acompanhamento, no fenômeno conhecido como overhead. É
importante que você encontre o seu ponto de equilíbrio.

De uma forma ou de outra, um controle de fluxo de caixa bem feito é uma grande
ferramenta para lidar com situações de alto custo de crédito, taxas de juros
elevadas, redução do faturamento e outros fantasmas que rondam os
empreendimentos. Ele permite:
     Avaliar se as vendas presentes serão suficientes para cobrir os desembolsos futuros já identificados.
     Calcular os momentos ideais para reposição de estoque ou materiais de consumo, considerando os
      prazos de pagamento e as disponibilidades.
     Verificar a necessidade de realizar promoções e liquidações, reduzir ou aumentar preços.
     Saber se é ou não possível conceder prazos de pagamentos aos clientes.
     Saber se é ou não possível comprar à vista dos fornecedores, para aproveitar alguma promoção.
     Ter certeza da necessidade ou não de obter um empréstimo de capital de giro.
     Antecipar as decisões sobre como lidar com sobras ou faltas de caixa.

Mas não pense que um empreendimento individual em que haja grande folga entre
as receitas e as despesas (ou seja: em que ocorra saldo positivo com facilidade
todos os meses) não pode se beneficiar deste controle adicional: saber
antecipadamente *quanto* vai sobrar, e *quando* este dinheiro estará disponível,
permite escolher as melhores aplicações financeiras e selecionar o momento ideal
para usar este dinheiro, oferecer condições mais vantajosas (por exemplo: prazo)
para clientes selecionados, e muito mais.

Modelo de Fluxo de Caixa
Como já mencionado acima, para propósitos contábeis, fiscais e societários
existem modelos e métodos bem mais formais e restritivos para a construção do
fluxo de caixa. Para uso como instrumento gerencial, você pode adaptar da forma
como melhor servir aos seus propósitos

A planilha abaixo é um exemplo, com valores completamente “chutados”, de um
fluxo de caixa com periodicidade semanal, e itens bastante simplificados.




Note que para cada um dos períodos há duas colunas: uma dos valores previstos,
e outra dos realizados. A segunda coluna, naturalmente, só pode ser preenchida
quando o período acabar.

As linhas são muito importantes, e estão divididas em blocos. Vamos analisar uma
a uma:
     Saldo inicial: é o valor disponível no início do período, correspondendo ao dinheiro que está “na
      gaveta”, ou no bolso, somado aos saldos das contas correntes disponíveis para saque. No fluxo de caixa,
      não são considerados nos saldos os valores que estejam imobilizados, ou os que estejam em aplicações
      consideradas indisponíveis para saque no período.
     Bloco “Entrada”: nele constam as diversas categorias de entrada de dinheiro em caixa ao longo do
      período. Vendas à vista, cheques pré-datados que se tornem disponíveis ao longo do período, créditos de
      contas a receber (exemplo: depósitos de clientes referentes a transações realizadas anteriormente), ou o
      que for.
     Total entradas: é a soma simples do bloco Entrada, corresponde basicamente ao dinheiro novo que
      entrou em caixa ao longo do período.
     Bloco “Saídas”: aqui vão as diversas categorias nas quais você realiza pagamentos. Energia, telefone,
      manutenção de veículo, equipamentos, material de escritório, aluguel, condomínio, impostos, etc. Um
      aspecto essencial deste bloco é a inclusão do pró-labore, que no caso de um fluxo de caixa individual,
      corresponde ao dinheiro do empreendimento que é retirado para uso pessoal do empreendedor, como se
      fosse o seu salário - idealmente em parcelas fixas e periódicas, e sempre registradas.
     Total Saídas: é a soma simples do bloco Saídas, corresponde basicamente ao dinheiro que saiu do caixa
      ao longo do período.
     Saldo operacional: Corresponde ao Total Entradas menos o Total Saídas. É, portanto, o saldo de caixa
      referente exclusivamente ao período, sem considerar o saldo anterior que estava disponível. Pode
      eventualmente ser negativo - por exemplo, na data do pagamento do IPTU -, mas uma seqüência de
      saldos operacionais negativos sucessivos é sempre um grande sinal de alerta.
     Saldo final: É a soma do Saldo Inicial com o Saldo Operacional, considerando os respectivos sinais,
      caso algum seja negativo. Basicamente, é o dinheiro que restou em caixa ao final do período, e é
      imediatamente transcrito como o saldo inicial do período seguinte.

Certamente você deve ter percebido que não há nada de complicado na
construção desta planilha - embora a obtenção dos dados em si possa ser
trabalhosa, e exija vários controles e acompanhamentos adicionais. Construir a
mesma planilha de cálculo não exige nenhuma função matemática avançada - para
criar a do exemplo, a única função que usei foi a SOMA(); é possível que você
queira acrescentar funções estatísticas para identificar desvios em relação à
média, pontos de máxima e de mínima, ou mesmo colunas adicionais para
comparar o previsto com o realizado, ou até gráficos da evolução - tudo isso é
simples aplicação dos recursos da planilha eletrônica, mas não amplia os conceitos
de fluxo de caixa aqui demonstrados, embora enriqueça a análise.

E estas análises são exatamente o objetivo de se realizar o fluxo de caixa como
descrito acima. Se você tiver um bom método de controle, é possível começar a
preencher as colunas de “Previsto” com grande antecedência, e detectar a
necessidade de realizar liquidações, ou a possibilidade de oferecer maiores prazos
aos clientes, por exemplo, de forma antecipada.

Olhando para os números que chutei no modelo de fluxo de caixa da planilha
acima, rapidamente identifico algumas situações que demandariam correção: na
segunda semana aconteceu uma retirada de pró-labore completamente imprevista,
por exemplo. E os saldos iniciais de caixa são verdadeiramente astronômicos em
um país de taxas de juros tão elevadas como as nossas: este dinheiro deveria ser
aplicado, de forma a render juros, deixando disponível em caixa apenas o
suficiente para realizar o giro das atividades, com uma pequena folga. Mas isso já
é assunto pro Navarro, do Dinheirama.

Claro que a diferença entre previsto e realizado vai acabar demonstrando quanto
você conhece o seu negócio, e quanto o seu mercado é estável ou previsível. Ao
longo do tempo, você certamente vai conseguir aproximar cada vez mais o previsto
e o realizado.
Recomendações adicionais
Organizar e manter o fluxo de caixa dá trabalho, mas é recompensador. Você
precisa ser sistemático, e lembrar de alimentar as planilhas no início de cada novo
período. Especialmente, você precisa estar disposto a manter atualizadas, com a
antecedência que for possível, as colunas de valores previstos, e analisá-las
sempre que necessário, para de fato poder colher o principal fruto desta
ferramenta: a possibilidade de prever com maior precisão quando haverá sobra e
quando haverá falta de dinheiro em caixa.

A análise antecipada também permite tomar as providências necessárias para que
haja disponibilidade de caixa nas datas de vencimento de impostos, taxas,
prestações, financiamentos e outros desembolsos com data certa, que incorrem
em multas e juros caso atrasem.

Se o seu mercado for sazonal, leve isto em conta nas suas previsões, pois
freqüentemente os custos fixos (que ocorrem mesmo na baixa temporada) acabam
sendo um grande vilão, e o faturamento da alta temporada precisa conseguir
sobrepujá-los.

Quem poupa tem, e jamais se deve contar com o ovo antes de o mesmo ser
adequadamente expelido pelo galináceo. Excessos de caixa devem ser aplicados,
como vimos acima, mas é necessário haver uma margem de segurança que
permita garantir o giro da empresa e também algum imprevisto. Não tenha excesso
de caixa, mas também não imobilize demais, ficando à mercê de qualquer cliente
que deixe de pagar uma fatura.

Agora é com você! Adapte o que aprendemos hoje sobre Fluxo de Caixa à sua
realidade, e tenha um controle muito mais apurado sobre as suas finanças
pessoais. Se desejar saber mais, consulte este excelente guia do SEBRAE SP.

E que seus saldos finais sejam sempre positivos!

Atualização: o Alex Souza avisou que recentemente o Boombust publicou um
artigo sobre o mesmo tema. Confira: Orçamento de Receitas, Despesas e Fluxo de
Caixa para Blogs.




OUTRO MATERIAL DE PESQUISA
XLS]
FLUXO DE CAIXA - DIÁRIO
Formato do arquivo: Microsoft Excel - Ver em HTML
1, FLUXO DE CAIXA MENSAL PREVISTO x REALIZADO. 2, ANO:200X. 3, JAN/200x,
FEV/200x, MAR/200x, ABR/200x, MAI/200x, JUN/200x, JUL/200x, AGO/200x, SET/200x ...
www.yangi.com.br/fluxo_de_caixa_planilhas_diario_e_mensal.xls - Páginas Semelhantes
OUTRO MATERIAL DE PESQUISA
1
FLUXO DE CAIXA
É muito freqüente, no ambiente do SEBRAE, o empresário chegar com
muitas dúvidas sobre as finanças da empresa. E finanças, como sabemos, é
fundamental para a sustentação de um negócio, tanto para a sua sobrevivência
como para sua evolução, competitividade e perenidade.
Geralmente as dúvidas mais comuns são sobre COMO FAZER para uma
gestão financeira tornar-se eficiente e servir de instrumento básico nas tomadas
de decisões no dia-a-dia do empresário.
Uma ferramenta que facilita esse trabalho é conhecida como Fluxo de
Caixa. Trata-se de um controle que auxilia na visualização e compreensão
das movimentações financeiras num período preestabelecido.
Sua grande utilidade é permitir a visualização de sobras ou faltas de
caixa antes mesmo que ocorram, possibilitando ao empresário planejar
melhor suas ações.
Na vrdade, toda ação realizada por uma empresa resume-se a entrada
ou saída de dinheiro! É nesse jogo de entra-e-sai que o Fluxo de Caixa
mostra sua importância, pois nos ajuda a perceber bem antes quando vai
faltar ou sobrar recurso.
Os momentos de escassez de crédito, altas taxas de juros, queda do
faturamento, entre outros, exigem do empresário uma gestão financeira
cada vez mais eficiente. Sendo assim torna-se necessário utilizar
controles financeiros que permitam conhecer com mais eficiência os
recursos de caixa.


2
Então o que vem a ser Fluxo de Caixa?
É um instrumento de controle que tem por objetivo auxiliar o empresário
a tomar decisões sobre a situação financeira da empresa. Consiste
em um relatório gerencial que informa toda a movimentação de dinheiro
(entradas e saídas), sempre considerando um período determinado,
que pode ser uma semana, um mês etc.


3
Para que serve o relatório de Fluxo de Caixa?
• Planejar e controlar as entradas e saídas de caixa num período de tempo
determinado.
• Auxiliar o empresário a tomar decisões antecipadas sobre a falta ou
sobra de dinheiro na empresa.
• Verificar se a empresa está trabalhando com aperto ou folga financeira
no período avaliado.
• Verificar se os recursos financeiros são suficientes para tocar o negócio
em determinado período ou se há necessidade de obtenção de
capital de giro.
• Planejar melhores políticas de prazos de pagamentos e recebimentos.
• Avaliar a capacidade de pagamentos antes de assumir compromissos
• Conhecer previamente (planejamento estratégico) os grandes números
do negócio e sua real importância no período considerado.
• Avaliar se o recebimento das vendas é suficiente para cobrir os gastos
assumidos e previstos no período considerado.
• Avaliar o melhor momento
para efetuar as reposições
de estoque em função
dos prazos de pagamento
e da disponibilidade
de caixa.
• Avaliar o momento mais
favorável para realizar
promoções de vendas visando
melhorar o caixa
do negócio.


5
No relatório anterior foi adotado como modelo o período semanal, apenas
como demonstração, sendo usual e recomendado o período diário!
Saldo Inicial: é o valor constante no caixa no início do período considerado
para a elaboração do Fluxo. É composto pelo dinheiro na “gaveta”
mais os saldos bancários disponíveis para saque.
Entradas de Caixa: correspondem às vendas realizadas à vista, bem
como a outros recebimentos, tais como duplicatas, cheques pré-datados,
faturas de cartão de crédito etc., disponíveis como “dinheiro” na respectiva
data.
Saídas de Caixa: correspondem a pagamentos de fornecedores, prólabore
(retiradas dos sócios), aluguéis, impostos, folha de pagamento, água,
luz, telefone e outros, entre eles alguns descritos em nosso modelo.
Saldo Operacional: representa o valor obtido de entradas menos as
saídas de caixa na respectiva data.
Possibilita avaliar como se comportam seus recebimentos e gastos periodicamente,
sem a influência dos saldos de caixa anteriores.
Saldo Final de Caixa: representa o valor obtido da soma do Saldo Inicial
com o Saldo Operacional.
Permite constatar a real sobra ou falta de dinheiro em seu negócio no
período considerado e passa a ser o Saldo Inicial do próximo período.


6
Como posso interpretar esse relatório?
Suponhamos que no primeiro dia de trabalho do mês tenhamos como
entradas recebimentos no valor de R$ 1.000,00 em dinheiro, R$ 500,00
em cheques pré-datados com vencimentos para o dia 2, mais R$ 500,00
em cartão de crédito também para o dia 2. Nessa situação temos como
total de entradas no dia considerado apenas R$ 1.000,00 referentes ao
valor de dinheiro registrado pelas vendas. As outras quantias devem ser
colocadas como entradas nas datas em que se transformam em dinheiro,
ou seja, na data de compensação dos cheques pré-datados e de
disponibilização da operadora de cartão de crédito.
Suponhamos que as saídas desse mesmo dia perfaçam um total de R$
500,00 e que nosso saldo disponível inicial seja de R$ - 500,00 na conta
corrente de uma agência bancária.
Nosso saldo operacional é de R$ 1000,00 referentes a entradas, menos
R$ 500,00 referentes a pagamentos ou saídas, totalizando R$ 500,00, isto
é, recebemos mais do que pagamos! Entretanto o nosso saldo total (disponível
em caixa) é de R$ -500,00 (rombo na conta bancária) mais R$ 500,00
referentes ao Saldo operacional, o que totalizaria R$ 0,00, isto é, começaremos
o próximo dia de trabalho sem saldo inicial nenhum, passando a
depender exclusivamente do movimento de vendas em dinheiro nesse dia
para quitar as saídas com fornecedores que já irão ocorrer!
Você já percebe que a última linha desse relatório, numa empresa bem
administrada financeiramente, deve sempre apresentar resultados positivos,
indicando que há disponibilidade de caixa.
O relatório de Fluxo de Caixa nesse dia teria este aspecto:

Por que há colunas de Previsto e Realizado?
Um dos fatores mais importantes para o sucesso na gestão de uma empresa
é o adequado PLANEJAMENTO. Portanto, a gestão financeira deve
ser cuidadosamente planejada, executada, acompanhada e avaliada.
Isso só é possível se estabelecermos metas (objetivos, previsões) que
nos orientem a fim de evitar “surpresas inesperadas”.
Se passarmos a projetar recebimentos e pagamentos com base em nossos
conhecimentos anteriores e expectativas futuras quanto ao que esperamos
do mercado, poderemos nos preparar para enfrentar dificuldades antes
que elas ocorram.
Assim, trabalhar com valores previstos e compará-los com o realizado
(acontecido na data), além de mostrar futuras faltas ou sobras de
caixa, permite tomar decisões antecipadas sobre aumento de compras,
liquidações, racionalizações de custos, hora certa para fazer investimentos
e até mesmo sobre a possibilidade de retirar mais pró-labore sem
“sangrar” a empresa.
Como começar a montar e gerenciar o relatório de
Fluxo de Caixa?
• Seja sistemático! Crie o hábito de registrar todo e qualquer movimento
financeiro ocorrido e a ocorrer em sua empresa em determinada data.
A informática pode auxiliá-lo muito, entretanto, a falta de informatização
não deve ser desculpa para não registrar manualmente tais movimentos.
• Na primeira hora de seu dia de trabalho, verifique, analise e registre
saldo em dinheiro no caixa bem como saldos bancários. Muita atenção
deve ser dispensada aos saldos bancários, pois é o seu dinheiro administrado
por terceiros; além de incidir taxas, tarifas e encargos financeiros,
pode haver algum cheque devolvido que você considerava como
dinheiro em conta!
• Todos os valores lançados no Fluxo de Caixa devem ser realistas. Para
isso é necessário manter as entradas e saídas sempre atualizadas.
• Ao lançar saídas, lembre-se que as despesas com energia elétrica, água


e esgoto, impostos municipais, estaduais e federais, assim como alugu   9
éis, salários, prestação de serviços continuados por terceiros, têm data
certa para ser pagas. Caso contrário haverá incidência de multas e juros
de mora. Assim, lance essas despesas como previsões e compare-as com
as realizadas na data de ocorrência.
• Analise as disponibilidades de caixa, que a data mais oportuna para
efetuar retiradas pessoais (pró-labore).
• A coluna de totalização sempre demonstra o grau de acerto nas previsões.
Quanto mais apurado for seu conhecimento do negócio, mais o
previsto se aproximará do realizado.
• Caso seu negócio sofra influências de temporadas (alta e baixa
sazonalidade), tenha muita atenção com o planejamento de suas despesas
a fim de evitar problemas de insuficiência de caixa.
• Quando o Fluxo de Caixa se torna negativo por longo período consecutivo,
indica que seu capital de giro está comprometido! Neste caso é
bom pensar em promover vendas à vista com descontos, dando ênfase
aos produtos mais parados em seu estoque.
• A previsão do Fluxo de Caixa permite saber antecipadamente de quanto
recurso financeiro você precisará e se pode ser gerado pelas vendas e
recebimentos. Caso não seja suficiente, permitirá que você negocie alternativas
de obtenção de financiamentos com mais critério e segurança
e maiores chances de negociação de taxas.
• Lembre-se que um caixa em nível adequado
evita surpresas quando ocorrem
inadimplências em sua empresa.
Percebeu quanta utilidade
uma ferramenta simples e
prática pode oferecer ao seu
negócio?
Agora, mãos à obra!
Faça você mesmo o Fluxo
de Caixa e veja no dia-a-dia
das finanças da sua empresa
o caminho correto para
a tomada de decisões.




OUTRO MATERIAL PARA PESQUISA

Gerenciador Financeiro
Módulo Fluxo de Caixa
2
SUMÁRIO
Objetivo deste Manual ................................................................................................. 03
Bem vindo ao módulo Fluxo de Caixa ................................................................. 04
Como aderir ao módulo Fluxo de Caixa ............................................................. 05
Como autorizar acesso ao módulo Fluxo de Caixa ....................................... 06
Como acessar o módulo Fluxo de Caixa ........................................................... 10
Como criar grupo de contas ............................................................................................... 12
1. Previsão de caixa para dd/mm/aaaa ............................................................. 14
2. Projeção do fluxo de caixa até dd/mm/aaaa ..............................................
19
�� Fluxo futuro ..............................................................................................................................
21
�� Fluxo passado ..........................................................................................................................
21

3. Negócios não registrados no BB ....................................................................
22
�� Incluir .....................................................................................................................................
23
�� Alterar .....................................................................................................................................
24
�� Excluir ..................................................................................................................................... 25
�� Consultar duplicidades ............................................................................................................ 25
4. Produtos .............................................................................................                                            26

Apêndices
1. Perguntas mais freqüentes ......................................................................................... ...........
27
3
OBJETIVO DESTE MANUAL
Para que os usuários da empresa se familiarizem com todas as funcionalidades do
módulo Fluxo de Caixa do Gerenciador Financeiro.
Para mais informações, acesse a opção Ajuda on-line no próprio módulo ou solicite
auxílio à central de atendimento 0800 729 0500 ou entre em contato com sua
agência Banco do Brasil de relacionamento.
No Apêndice 1 deste manual você encontra uma relação das Perguntas mais
freqüentes sobre o módulo Fluxo de Caixa.
Central de atendimento 0800-729-0500
4
BEM VINDO AO MÓDULO FLUXO DE CAIXA
Agora a sua empresa pode contar com uma nova solução para o gerenciamento do
fluxo de caixa, de forma amigável e segura.
Através da opção Fluxo de Caixa do Gerenciador Financeiro, a sua empresa
poderá:
• Visualizar a situação de caixa da empresa para qualquer data;
• Projetar a situação do fluxo de caixa para um determinado período;
• Simular alternativas de melhor adequação do fluxo de caixa (resultados
simulados);
• Efetivar, no próprio módulo, as transações programadas nas simulações;
• Incluir eventos não registrados no Banco do Brasil, para maior precisão do
fluxo de caixa projetado;
• Formar grupos de contas de acordo com os controles internos da empresa.
A quem se destina o módulo Fluxo de Caixa
�� Para todas empresas que necessitam de instrumento facilitador na
administração do seu fluxo de caixa, com baixo custo e grande valor
agregado;
�� Gerentes financeiros que procuram ferramenta auxiliar na gestão do fluxo de
caixa da empresa;
�� Administradores que desejam visualizar, proativamente, a situação do caixa
da empresa, facilitando a tomada de decisão para sua adequação.
Quem pode acessar pelo cliente
Todos os usuários autorizados pelo Administrador de Segurança do Gerenciador
Financeiro e que detenham poder de conta corrente na empresa (acesso a extratos,
saldos, pagamentos diversos ou movimentação financeira).

Fluxo de Caixa
5
COMO ADERIR AO MÓDULO FLUXO DE CAIXA
A adesão é realizada via Gerenciador Financeiro: “Outras Opções” – “Fluxo de
Caixa” – “Adesão”.
Passo a passo
1º Na tela de acesso do Gerenciador Financeiro, selecione “Outras opções”;
2º Adesão;
6
3º Aderir;
4º Confirmar;
COMO AUTORIZAR ACESSO PARA O MÓDULO FLUXO DE CAIXA
Após a adesão no Gerenciador Financeiro, a autorização de acesso ao módulo
Fluxo de Caixa na empresa pode ser iniciada pelo Administrador de Segurança do
Gerenciador Financeiro, através da opção do menu principal “Gerenciamento de
usuários/Usuário/Autorização de transações”.
7
Obs: Além de receber autorização para a transação, o usuário deverá possuir
poder, outorgado pela empresa, para consultar saldos e extratos (conta
corrente, investimentos, poupança etc.) ou para realizar movimentação
financeira.
Passo a passo (transação realizada pelo Administrador de Segurança)
1º Digite a chave e senha de acesso ao Gerenciador Financeiro;
2º Selecione “Gerenciamento de Usuários”;
3º Selecione “Autorização de transações”;
8
3º Selecione “Autorização de transação”;
4º Insira a chave e senha do usuário;
9
5º Confirme a transação clicando em OK;
6º Habilite as opções “Fluxo de Caixa, Fluxo de caixa-Inclusão de grupo e
Fluxo de caixa-Simulador de Investimentos e confirme a transação”
7º Após a confirmação, o usuário está apto a utilizar o módulo Fluxo de
Caixa.
Obs: Além do acesso, o Administrador de Segurança pode autorizar o usuário
também para a opção de criação de grupos de contas (incluir, alterar e excluir
10
grupos), através da marcação da transação Fluxo de Caixa-Inclusão de grupo.
COMO ACESSAR O MÓDULO FLUXO DE CAIXA
Após autorizado seu acesso pelo Administrador de Segurança, o usuário já pode
executar o módulo Fluxo de Caixa.
Passo a passo
1º Digite a chave e senha de acesso ao Gerenciador Financeiro;
2º Acesse o Banner Fluxo de Caixa;
11
3º Abrirá a tela principal do módulo Fluxo de Caixa, para utilização do usuário
previamente cadastrado.
Opções
• Previsão de saldo para dd/mm/aaaa - aponta o saldo projetado das contas
marcadas, para um dia definido.
• Saldo projetado = saldo conta corrente + registros nos sistemas do BB + registros
impostados pela empresa
• Previsão de caixa para dd/mm/aa - indica a previsão de saldo de caixa para a
data definida, de acordo com os registros (opção Negócios com o BB) mais os
que foram impostados (opção Negócios não registrados no BB). Esta opção
apresenta um Simulador que permite projetar outras alternativas para a melhor
adequação do saldo de caixa de sua empresa.
• Projeção do fluxo de caixa até dd/mm/aaaa - disponibiliza relatório e gráfico
com a projeção do fluxo de caixa da empresa até a data definida, de acordo com
os registros existentes nos sistemas do BB (opção Negócios com o BB) mais os
que foram impostados (opção Negócios não registrado no BB). Fornece,
ainda, a projeção do fluxo passado para um período definido.
• Negócios não registrados no BB - possibilita impostar, no Fluxo de Caixa, os
créditos e débitos que não estão registrados nos sistemas do BB (cheques prédatados,
DOC, depósitos etc.) e que irão impactar o fluxo de caixa. O efetivo
registro de todos os lançamentos irão possibilitar uma melhor gestão de seu fluxo
de caixa.
• Produtos - informa os produtos do Banco do Brasil que estão contemplados no
Fluxo de Caixa, e os ainda não contemplados.
• Incluir grupo – permite que a empresa distribua as suas contas correntes em
grupos personalizados.
12
COMO CRIAR GRUPO DE CONTAS
Só ao usuário que foi autorizado pelo Administrador de Segurança na transação
Fluxo de Caixa - Inclusão de grupo, é possível efetivar a criação de grupos de
contas correntes, de forma personalizada (limitado a 30 contas por grupo).
Obs: Caso a empresa possua mais de 30 contas e não cadastrou grupos,
automaticamente serão criados pelo sistema grupos com múltiplos de 30
contas.
Passo a passo
1º Na tela principal do módulo Fluxo de Caixa, selecione incluir grupo;
2º Informe o nome do grupo a ser criado e clique em OK;
13
3º Serão relacionadas todas as contas correntes da empresa, marque as
contas que irão compor o grupo que foi criado e clique em OK;
Obs: Uma mesma conta corrente pode constar em mais de um grupo.
4º Clique em Salvar. Nos acessos futuros ao módulo Fluxo de Caixa, será
mostrada uma tela de seleção, com os grupos criados pela empresa;
14
1. PREVISÃO DE CAIXA PARA DD/MM/AAAA
Esta opção indica a previsão de saldo de caixa da sua empresa para a data definida,
de acordo com os registros existentes nos sistemas do BB (opção Negócios com o
BB) e os que foram impostados pela empresa (opção Negócios não registrados
no BB).
Oferece, também, um Simulador que permite a sua empresa apurar diversas
adequações do saldo de caixa.
Passo a passo
1º Na opção Previsão de caixa para dd/mm/aaaa, informe a data futura
desejada e clique em OK;
2º Clique sobre um dos valores sublinhados na coluna Saldo e será aberta a
opção do Gerenciador Financeiro para emissão de extrato on-line da
respectiva conta corrente;
15
Obs.: Para detalhar os lançamentos nas contas, clique sobre os valores
sublinhados nas colunas Crédito ou Débito;
PROJEÇÃO DO FLUXO DE CAIXA PARA DD/MM/AAAA
1º Na opção Projeção do Fluxo de Caixa até, informe a data futura desejada e
clique em OK;
2º Será exibida a Projeção para a data desejada;
16
SIMULADOR
Ao selecionar simulador, será apresentada uma projeção de como ficará o Saldo
final das contas correntes, considerando a Projeção de saldo (saldo de conta
corrente + registros nos sistemas do BB + registros impostados pela empresa) e os
Resgates automáticos de aplicações existentes e as linhas de crédito automáticas
(Cheque Ouro Empresarial).
Situação prevista ao final do dia
Saldo final caso nenhuma medida seja adotada pela empresa.
Opções de simulação
Projeção de outras alternativas para melhor compor o saldo final. As simulações
efetuadas são apresentadas na tabela Resultado.
-Aplicações -Adiamento de Compromissos -
Transferência -Linhas de crédito
Resultado
Apresenta uma projeção do saldo final com todas as simulações realizadas. As
simulações são impressas para posterior efetivação das transações.
17
APLICAÇÕES
Permite escolher a melhor alternativa de resgate de aplicações financeiras.
1. Escolha a aplicação que será resgatada e imposte o valor desejado no campo
Valor a resgatar. O valor aparecerá automaticamente na tabela Resultado.
2. Clicando no linkResgatar será aberta a tela para resgate efetivo da aplicação
(registro on-line).
3. Imposte a senha e clique em OK para efetivar a transação.
ADIAMENTO DE COMPROMISSOS
Esta opção apresenta os compromissos (pagamentos) que foram agendados para o
dia.
1. Escolha o compromisso que será adiado e imposte o seu valor no campo Valor a
Cancelar. Automaticamente o valor aparecerá na tabela Resultado.
2. Para os agendamentos registrados nos sistemas do BB, será apresentada tela
contendo todos lançamentos ainda não liquidados no período. Clique no
linkCancelar para efetivamente adiar estes compromissos (registro on-line).
3. Imposte a senha e clique em OK para abrir tela com a relação de todos os
lançamentos agendados e ainda não liquidados no período.
4. Clique sobre o lançamento a ser adiado e será aberta tela contendo os seus
respectivos dados.
5. Clique em Confirmar para cancelar o lançamento.
6. Para os lançamentos impostados manualmente (Negócios não registrados no
BB) ao clicar em Cancelar será apresentada tela com as orientações de como
proceder o cancelamento.
TRANSFERÊNCIA
Esta opção oferece a alternativa de simular a transferência de saldo entre as contas
correntes selecionadas.
1. Escolha as agências/contas (origem e destino) e imposte o valor desejado no
campo valor a transferir. O valor automaticamente aparecerá na tabela
Resultado.
2. Clicando no linkTransferir será possível efetivar (registro on-line) a transferência
entre as contas.
3. Imposte a senha e clique em Assinar para efetuar a transferência.
18
LINHAS DE CRÉDITO
Esta opção apresenta as linhas de crédito que a empresa tem com o BB e que
poderão ser utilizadas para adequar o fluxo de caixa.
1. Escolha a linha de crédito desejada, imposte o valor no campo Valor a solicitar.
O valor automaticamente aparecerá na tabela Resultado.
2. Clique no linkSolicitar, referente a linha de crédito BB Giro Rápido, e será
aberta a opção para utilização efetiva (registro on-line) dos recursos.
3. Imposte a senha e clique OK para ter acesso à utilização dos recursos da linha
de crédito.
4. Clique no campo Operação (número sublinhado) para realizar a utilização da
linha de crédito.
5. Imposte o valor a ser utilizado e confirme a transação com a senha de conta
corrente.
6. Conclua a operação clicando em Confirmar.
7. Para as demais linhas de crédito, clique no link Consultar e será aberta tela
informando as providências que deverão ser adotadas para utilização dos seus
recursos.
Obs: Para o Cheque Ouro Empresarial, por se tratar de linha de crédito
automática, não estará disponível a impostação de valores na coluna Valor a
solicitar.
8. Clique em Retornar para voltar à transação anterior.
RESULTADO
Esta opção apresenta o saldo projetado com todas as alterações realizadas na
simulação.
1. Clique sobre os saldos credores e será aberta a opção Simulador de
investimentos, possibilitando simular um comparativo dos fundos de
investimentos do Banco do Brasil.
Obs: Imprima as projeções simuladas para posterior comparação e escolha
da melhor alternativa a ser empregada, se for o caso.
RELATÓRIO DA SIMULAÇÃO
Apresenta relatório contendo a situação prevista ao final do dia e o resultado de
todas as simulações realizadas.
19
Após definida a melhor opção, as operações (transferências, agendamentos,
resgates e aplicações etc.) poderão ser realizadas diretamente no Gerenciador
Financeiro.
2. PROJEÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ATÉ DD/MM/AAAA
O módulo Fluxo de Caixa disponibiliza, em forma de relatório ou gráfico, a projeção
do fluxo de caixa para um período definido.
Nesta projeção serão contabilizados todos os dados impostados pela empresa
(opção Negócios não registrado no BB) e os registrados nos sistemas do BB
(opção Negócios com o BB).
1º Na opção Projeção do fluxo de caixa até, informe uma data futura para
projeção de caixa e clique em OK;
20
2º Clique em uma das datas apresentadas no relatório e será apresentada a
opção Previsão de caixa (item 1 deste manual);
3º A projeção de saldo também pode ser visualizada de forma gráfica,
selecionando Fluxo futuro ou Fluxo passado.
21
FLUXO FUTURO
Clicando no botão Fluxo futuro, é apresentado o gráfico correspondente ao
período, com a alternativa de selecioná-lo pelo tipo de lançamento e nos formatos de
barras, linhas ou pizza.
FLUXO PASSADO
Clicando no botão Fluxo passado será oferecida a opção de visualizar o fluxo de
acordo com o período desejado .
Obs: Esta opção apresenta o histórico do fluxo de caixa a partir da ativação
22
do Contrato de Prestação de Serviços. Dados anteriores a ativação
não serão considerados.
3. NEGÓCIOS NÃO REGISTRADOS NO BB
Esta opção possibilita incluir no módulo Fluxo de Caixa todos os créditos e débitos
que irão impactar as contas de sua empresa e não estão registrados nos sistemas
do BB (cheques pré-datados, DOC, depósitos etc.).
O efetivo registro de todos os lançamentos previstos para a empresa irão possibilitar
uma melhor gestão de seu fluxo de caixa.
Obs: Os lançamentos registrados nessa opção não sensibilizarão as
contas. São meramente informativos e serão utilizados unicamente
para que sua empresa tenha uma melhor visão do seu fluxo de caixa.
Passo a passo
1º Clique na opção Negócios não registrados no BB;
2º Selecione uma das alternativas:
• Incluir
• Alterar
• Excluir
• Verificar duplicidades
23
INCLUIR
1. Clique no botão Incluir para registrar manualmente lançamentos no módulo
Fluxo de Caixa.
Obs: Caso já existam lançamentos registrados pelo cliente, o sistema irá
apresentar a relação de todos esses registros.
2. Preencha os dados nos campos solicitados e clique em OK (não é obrigatório o
preenchimento dos campos Número documento e Informações
complementares).
Campos obrigatórios -agência/conta destino dos registros, o tipo de
movimentação, a data prevista e valor. Campos não obrigatórios - número do
documento e informações complementares.
24
ALTERAR
Permite alterar o valor do lançamento e os campos Número do documento e
Informações complementares.
Obs: Caso seja necessário alterar os campos Agência/Conta, Data ou Tipo de
movimentação, exclua o lançamento (botão Excluir) e inclua novamente
o lançamento, com os novos dados.
1. Marque o lançamento que será alterado e clique em Alterar.
2. Altere os dados do lançamento e clique em OK.
25
EXCLUIR
1. Marque o lançamento que será excluído e clique em Excluir.
2. Clique em Confirmar para excluir o lançamento ou Cancelar para não efetivar a
transação.
CONSULTAR DUPLICIDADES
Apresenta grupos de lançamentos, incluídos pela empresa ou registrados no BB,
que apresentam duplicidade de informações (mesma agência, conta corrente, data e
tipo de lançamento) e com o valor aproximado (grau de diferença = 10%).
A finalidade dessa transação é identificar possíveis duplicidades de lançamento e
permitir que a empresa exclua o lançamento indevido, para que a projeção do fluxo
de caixa represente mais fielmente a realidade.
Obs: Os lançamentos incluídos pelo Banco serão destacado com a cor
cinza e não poderão ser excluídos nesta opção.
26
4. PRODUTOS
1. Informa os produtos do Banco do Brasil que já estão contemplados no Fluxo de
Caixa.
Com a lista de produtos não atualizados, é possível acompanhar a situação
dos produtos utilizados, verificando quais produtos foram contemplados e a
data de sua última atualização.
27
Apêndice 1 - Perguntas mais freqüentes.
1. Como é acessado o módulo Fluxo de Caixa?
Fluxo de Caixa é uma opção disponível no Gerenciador Financeiro, e o acesso se dará através
desse canal.
2. Como aderir ao módulo Fluxo de Caixa?
A adesão é realizada no Gerenciador Financeiro, menu OUTRAS OPÇÕES > FLUXO DE CAIXA
> ADESÃO.
3. Quem na empresa pode acessar o Fluxo de Caixa?
O acesso ao Fluxo de Caixa é autorizado pelo Administrador de Segurança do Gerenciador
Financeiro, através da transação Gerenciamento de Usuários-Autorização de transação-Fluxo de
Caixa-Acesso. Além de receber autorização para a transação, o usuário deverá possuir poder,
outorgado pela empresa, para consultar saldos e extratos (conta corrente, investimentos,
poupança etc.) ou para realizar movimentação financeira.
4. Será cobrada tarifa pela utilização do módulo Fluxo de Caixa?
Não. A cobrança de tarifa pela utilização do módulo está suspensa temporariamente. Conforme a
CLÁUSULA QUARTA do Contrato de Prestação de Serviço, o Banco se reserva o direito, a
qualquer tempo, de cobrar tarifa pelo direito de uso do módulo Fluxo de Caixa, mediante
divulgação antecipada ao cliente de no mínimo trinta (30) dias.
5. Qual a configuração do equipamento para o funcionamento do Fluxo de Caixa?
Sendo o módulo Fluxo de Caixa uma das funcionalidades do Gerenciador Financeiro, os
requisitos mínimos para funcionamento são os mesmos necessários para a utilização do
Gerenciador Financeiro.
�� Sistema Operacional: Windows 95/98/2000, ME e NT.
�� Microprocessador: compatível com o padrão Pentium 300.
�� Memória RAM: 32 Mb.
�� Monitor: resolução ideal de 800 X 600.
�� Espaço livre em disco: 1 Mb.
�� Modem: com velocidade mínima de 28.800 bps.
�� Navegadores   (browser): Microsoft Internet Explorer. 6.0 (Ou superior) ou Firefox/1.0 ou
                                     ®

Mozilla/5 (compatível), com os seguintes componentes:
• Maquina Virtual Java Sun – versão 1.4.2_04 ou superior;
• Máquina Virtual Java Microsoft – versão 3810 ou superior.
6. Qual a abrangência das projeção do Fluxo de Caixa?
Os registros impostados manualmente pelo cliente são visualizados para qualquer período.
Determinados produtos registrados nos sistemas corporativos do Banco não são identificados
além de seis meses. O período ideal de abrangência das projeções são de 3 meses, visto que
contemplam efetivamente todos os produtos registrados no Banco.
7. Quais as contas correntes que são gerenciadas no Fluxo de Caixa?
Todas as contas correntes da empresa cadastradas no Banco do Brasil vinculadas a um mesmo
CNPJ/MF.
8. O módulo Fluxo de Caixa funciona off-line?
Não. Todo o funcionamento do módulo Fluxo de Caixa é realizado de forma on-line, conectado ao
Gerenciador Financeiro.
28
9. O Fluxo de Caixa fica instalado no equipamento da empresa?
Não. Sendo realizado somente de forma on-line, o módulo Fluxo de Caixa não é instalado no
equipamento da empresa, ficando residente no sistema do Banco.
10. O Fluxo de Caixa é um aplicativo seguro?
Sim. O módulo Fluxo de Caixa utiliza as mesmas prerrogativas de segurança adotadas para o
Gerenciador Financeiro, com isso, somente os usuários autorizados pelo Administrador de
Segurança da empresa e com poderes constituídos pela empresa para consultar saldos e
extratos e realizar movimentação financeira poderão cessar as informações do Fluxo de Caixa.
11. Como cancelar a adesão ao módulo fluxo de caixa?
O cancelamento é realizado via Gerenciador Financeiro: “Outras Opções” – “Fluxo de Caixa” –
“Cancelamento”.
12. As simulações efetuadas no Fluxo de Caixa sensibilizarão as contas da empresa?
Não. As simulações são apenas indicadores de projeção da situação dos saldos, servindo
apenas como balizador de ações a serem realizadas para melhor compor o fluxo de caixa. Como
diferencial, o módulo Fluxo de Caixa disponibiliza link para que a empresa efetivamente realize as
transações simuladas através do Gerenciador Financeiro.
13. É possível saber quais produtos do Banco estão compondo meu saldo?
Sim. O módulo Fluxo de Caixa possui uma opção que identifica quais os produtos do Banco
estão disponíveis ou não, identificando, entre os disponíveis, aqueles que estão com o
processamento atualizado ou não.




OUTRO MATERIAL DE PESQUISA

                                           O FLUXO DE CAIXA
       I – TEORICAMENTE

        Instrumento gerencial com a finalidade de auxiliar no processo decisório de uma organização,
cuja finalidade é atingir objetivos pré-determinados. Envolve todas as entradas e saídas de recursos
que efetivamente transitam na empresa. Pelo entendimento contábil, considera a data da realização
dos pagamentos e dos recebimentos e não a data do fato gerador e da despesa e da receita, como
no regime de competência.
        Prévia fixação das entradas e saídas financeiras, previstas e programadas, de maneira a
informar com antecedência o comportamento estático dos números e a viabilização de atos que
poderão evitar fatos geradores de despesas desnecessárias a empresa, evitando custos,
administrando prazos, antecipando receitas, proporcionando a saúde financeira da instituição.
        O caixa é o objetivo final dos investidores ao optarem por uma alternativa de alocação de
recursos. O ativo mais líquido disponível na empresa, em espécie de valor moeda, encontrada nos
bancos e no mercado financeiro de curto prazo.
       Toda é qualquer organização tem a sua preocupação no fluxo de caixa. A sua análise informa
o que efetivamente fez aumentar e o que diminuiu, identificando o processo da origem e aplicação
do dinheiro.
       A modernidade parece desviar-se da nomenclatura “Fluxo de Caixa”, pois que os
recebimentos e pagamentos nem sempre são feitos via “cash”, mas envolvem transferências
bancárias, cheques, cartões de crédito, internet entre outras opções, que formam o sistema que
movimenta a moeda.
       Em síntese o fluxo de caixa, é o instrumento que permite ao administrador, planejar, dirigir e
controlar os recursos financeiros de sua empresa em determinado período. Inevitavelmente todo o
conjunto de ingressos e desembolsos passarão a compor este instrumento que oferecerá uma visão
das atividades desenvolvidas, bem como as operações financeiras que são realizadas diariamente,
no grupo do ativo circulante, dentro das disponibilidades e no passivo circulante, que representam o
grau de liquidez da empresa.

      II – FINALIDADES

      Alguns objetivos podemos enumerar, quanto à finalidade:
      a) Prover ao administrador levantar recursos financeiros necessários para operações
         econômico-financeiro da azienda.
      b) A visualização d
      c) os números provocam uma demanda ou aplicação dos recursos ali dispostos, estudando
         antecipadamente a busca ou investimento, evitando a ociosidade ou falta dos mesmos, em
         tempo e com segurança.
      d) Conhecer as fontes de financiamento menos onerosos, para uma eventual busca de
         recursos para suprir necessidades da empresa.
      e) Promove o conhecimento antecipado das obrigações da empresa bem como o vencimento
         das mesmas.
      f) Determina os saldos do caixa e dos créditos que a empresa tem a receber e sua data de
         entrada.
      g) Determina os pontos de estrangulamento entre a receita com a despesa.
      h) Busca equalização dos ingressos e desembolsos de caixa da empresa.

      III - VANTAGENS

       Algumas vantagens de usarmos o fluxo de caixa, como instrumento de informação financeira:
       1. Quantificação de valores: este instrumento de informação fornece a todos os membros da
empresa, a visualização do montante dos valores e datas de vencimento, possibilitando a cada um
avaliar e buscar a otimização do caixa, aumentando a entrada e reduzindo saídas.
       2. Alerta para a competitividade e desempenho: Projetando o fluxo de caixa, parâmetros de
desempenho são definidos, podendo ser quantificados indicadores de desempenho que indicam a
empresa às metas e objetivos a serem perseguidos.
       3. Resultado positivo: Permite que sejam visualizados os pontos de equilíbrio com relação ao
caixa, determinando o volume de capital em movimento, os dias críticos em que a empresa
necessita de maior volume de valores para pagar seus compromissos. Este procedimento evita que
a empresa em dado momento se ache desprovida de recursos, tendo que buscar solução em
créditos com financiamento a custo elevado. Outrossim, permite ao administrador direcionar os
recursos excedentes, para uma operação rentável em curto prazo.
       4. Mais um controle? Quando desejamos implantar um sistema de otimização de resultados,
somos recebidos com esta pergunta, e não é de imaginar como se sentem os envolvidos na
aglutinação dos dados em Ter mais uma tarefa a executar somadas as tantas que já envolvem o dia
a dia das operações. O fato de arregimentar os dados que envolvem dispêndios de recursos para
manter a empresa em movimento constante, é uma fonte de segurança para o Financeiro e também
para os empreendedores do negócio, pois terão de captar recursos e diretamente envolver-se nas
operações de financiamentos das entradas e não relegarem a outros esta tarefa, ficando somente
na cobrança de bons resultados.
      IV – VISÃO FUTURISTA.

       Por mais simplório que seja este mecanismo, promoverá a interação dos que detém poder de
decisão, anulando o separatismo pragmático de inculcar culpas e arrebanhar glórias individuais.
Uma visão ainda que estática em determinado momento, pelos números poderão ser buscados os
recursos que financiam as operações da empresa. Uma análise mais apurada ver-se-ão as
deficiências que deverão ser sanadas, tomando-se iniciativas imediatas, evitando a postergação que
fatalmente prejudicam os resultados finais do empreendimento.
       É uma norma sem exceção que tendo receitas estarão as despesas fluindo normalmente, e
que se os recebimentos forem maiores que as saídas, teremos uma sobra para nova aplicação e
conseqüente aumento de rotação positiva conduzindo ao expoente denominado lucro.
       Assim como o esforço do trabalho nos leva a uma recompensa, que nos fará investir
novamente a fim de continuarmos a poder mantê-la em um fluxo normal e poder apreciar o valor
quantificado em benefícios para nosso salutar bem estar, assim também qualquer empreendimento
deseja o progresso e o reconhecimento destes dispêndios na forma de retorno, “a sobra”.
INTRODUÇÃO


       Antes de nascer, alguém desejou que isto acontecesse e em uma sociedade, envolveram
seus esforços a fim de que o fato viesse a existir e num ato seguinte estava projetado o futuro,
sendo aguardando com uma certa ansiedade.
       Ao nascermos as parturientes proveram-se de cuidados a fim de não atrapalhar a
normalidade do desenvolvimento, com idéias próprias somadas com experiências de outros,
questionada por alguns, sofrendo intrometimento de alguém mais e por conseguinte os pais tendo
que arcar com o compromisso braçal de dar continuidade ao processo de formação desta pequenina
peça que se somou as já existentes.
       Registro de nascimento, saúde, educação, sociedade, trabalho, patrimônio, casamento, etc.,
são as fases de crescimento de um ser humano.
       Todo empreendimento deve possuir mecanismos que o conduzam a superação de qualquer
imprevisto, através dos dados pré-existentes e dos previsíveis, desarmando as armadilhas que são
detectadas pela visualização destes controles.
       O fluxo de caixa é uma peça que compõe junto com as demais, promovendo organização e
ordenamento dos investimentos em qualquer empresa que se diga organizada. Os valores
dependem do empenho do corpo ativamente ligado a empresa e cada engrenagem bem ajustada,
dará menos dispêndio e fará menos barulho. Assim será toda e qualquer instituição que optar por
dedicar-se ao controle do “fluxo de caixa”, evitando sobressalto desnecessários e envolvimento na
busca de recursos não previsíveis e nem sempre com taxas acessíveis.
       Desejando poder contribuir com um comentário sucinto, desejo boa leitura.
CONCLUSÃO



        Após dissertar sobre as evidências que permeiam os bons resultados que produz este
mecanismo de controle somado aos demais, que compõem a organização de uma empresa ou
azienda. Pondero positivamente para o auxílio indispensável deste relatório que evidencia a saúde
de uma empresa, quanto ao movimento dos recursos financeiros que transitam.
        Trata de valores com os quais a empresa subsiste, fazendo frente as suas necessidades na
transação comercial na qual está inserida. Nada mais prático, que termos disponível a visão dos
números que nos darão subsídios para a tomada de decisão imediata, a fim de não incorrermos na
realimentação a base de encargos financeiros dispendiosos protelatórios e nem sempre eficientes.
        Há de se esperar que com uma visão mais apurada na avaliação deste instrumento de
controle, a grande maioria que ainda hoje não o utilizam, possam tomar uma decisão assertiva em
incluí-lo em sua empresa.



ISTO É DEMAIS

								
To top