S�o derivadas das sulfonamidas by pn641q

VIEWS: 171 PAGES: 71

									 Definição: Diabetes mellitus é uma
  doença metabólica caracterizada
  por um aumento anormal da glicose
  ou açúcar no sangue.[1]
 A glicose é a principal fonte de
  energia do organismo, mas quando
  em excesso, pode trazer várias
  complicações à saúde.
 Definição:” Diabetes mellitus é a
 incapacidade de controlar de forma
 apropriada o metabolismo da glicose(
 intolerância a glicose), devido a
 incapacidade de produzir e secretar
 insulina em conseqüência da destruição
 autoimune das células B pancreáticas (
 tipo1) ou a incapacidade dos tecidos
 periféricos em responder a insulina em
 conseqüência da sinalização diminuída
 ou alterada nos receptores insulínicos .”
 Quando   não tratada
    adequadamente, causa doenças tais
    como:
  infarto do coração,
 derrame cerebral,
 insuficiência renal,
 problemas visuais
   lesões de difícil cicatrização, dentre
    outras complicações.
 A DM tem uma grande importancia
  mundial.
 Atualmente, a OMS estima que cerca de
  240 milhões de pessoas sejam diabéticas
  em todo o mundo, o que significa que 6%
  da população tem diabetes.
 OMS estabeleu o dia 14/11 “o Dia
  internacional do DM “ devido a incidencia
  mundial da doença , constituindo-se um
  sério problema de saude publica.
 Segundo uma projeção internacional, a
  população de doentes diabéticos a nível
  mundial vai aumentar até 2025 em mais de
  50%, para 380 milhões de pessoas a sofrerem
  desta doença crônica
 A DM ocorre em todo o mundo, mas é mais
  comum (especialmente a tipo II) nos países
  mais desenvolvidos
 A diabetes está na lista das 5 doenças de
  maior índice de morte no mundo
 Causas  e Fisiopatologia
 Existem dois mecanismos
  fundamentais:[
 Falta de insulina
 Mau funcionamento ou
  diminuição dos receptores
  das células.
 A descoberta da insulina foi uma das
  maiores descobertas da medicina, pois
  permitiu a sobrevivência de milhares de
  indivíduos com diabetes.
 Esse grande feito foi realizado na
  universidade de Toronto pelos
  pesquisadores Banting, Best, Collip e
  MacLeod, o que rendeu o prêmio Nobel
  em Medicina.
   Em 12 de janeiro de 1922, foi aplicada
    em um paciente humano a primeira
    injeção de insulina com finalidade
    terapêutica e Leonard Thompson foi o
    primeiro paciente a se beneficiar deste
    tratamento.
DM       Tratamento
Diabetes Insulina e dieta
tipo 1

Diabetes Inicialmente com dieta e
tipo 2   fármacos orais e podem
         usar insulina
DM CARACTERISTICAS
Tipo Ocorrem em jovens (30anos -10 a 15 anos ), 90%
  1  doença autoimune ou vírus,
     Sintomatologia aguda: Poliúria, polidipsia , perda de
     peso sem explicação, fraqueza e pele seca.
     Causa de morte: IRA
Tipo Ocorrem após os 40 anos em indivíduos obesos e
  2  (não), resistência a insulina .
     Sintomas : apetite aumentado, vista turva, ITU,
     neuropatia periférica .
     Causa de morte: IAM ,principal causa de
     morbidade é a aterosclerose.
 Grupos   Farmacológicos
   SULFONILURÉIAS
   METIGLINIDAS
   BIGUANIDAS
   INIBIDORES DA alfa-GLICOSIDASE
   GLITAZONAS OU TIAZOLIDINEDIONAS
   INSULINA
 Insulina é o hormônio responsável pela
  redução da glicemia (taxa de glicose no
  sangue), ao promover o ingresso de glicose
  nas células.
 Ela também é essencial no consumo de
  carboidratos, na síntese de proteínas e no
  armazenamento de lipídios (gorduras).
 É produzida nas ilhotas de Langerhans,
  células do pâncreas endócrino.
 Ela age em uma grande parte das células
  do organismo, como as células presentes
  em músculos e no tecido adiposo, apesar
  de não agir em células particulares como
  as células nervosas.
 No  organismo humano , o nível de
 glicemia é controlado , por um
 sistema de retroalimentação entre
 fígado ,músculo e tecido adiposo e as
 ilhotas pancreáticas tendo a
              Insulina

Como principal hormônio regulador .
 Receptor de insulina- uma glicoproteinas
  transmenbrana tirosina quimase
 A ativação do receptor por insulina resulta
  em numerosas alterações metabólicas,
  incluindo a captação aumentada de glucose
  para o fígado, MÚSCULO e tecido
adiposo.
 Hemácia 40 receptores
 Hepatocito e adipocito tem 300.000
  receptores.
 Diminui a gicogenólise e a gliconeogênese. È
 Insulina-
    As diferenças nas
    formulações de insulina é
    farmacocinética.
 Tipo de insulina :
 Bovina
 Suina
 Humana produzida através da alteração
  genética de uma cepa especial de
  Escherichia coli com o gene da insulina
  humana (tecnologia de DNA recombinante)
 Em relação a estrutura química, a insulina
  suína é a mais próxima da humana, com
  diferença de apenas um aminoácido
 Insulina-Reação adversa
 Hipoglicemia -pode causar lesão
  cerebral.
 Insulina
 FA- U100 contendo 100 unidades/ml
  Atualmente, temos três tipos de
  preparações de insulina:
 1 – Preparações de insulina de ação curta
  ou rápida;
 2 - Preparações de insulina de ação
  intermediária;
 3 - Preparações de insulina de ação
  prolongada.
   Insulina Regular: É uma insulina de ação
    rápida, que age controlando a glicemia
    após a refeição.
  Insulina:
 R-regular ou insulina-zinco cristalina
   solúvel ou insulina cristalina.
 Insulina de demanda
 Tem sido a insulina preferida no DM
   descompensado em que esteja
   associado a situações como
infecções, choque e trauma cirúrgico.
   A insulina: em qualquer forma de
    apresentação, não deve ser
    administrada por via oral devido
     tratar-se de uma proteína, e,
    conseqüentemente, degradada pelas
    enzimas digestivas.
    Insulina A via de administração: de
    todas as preparações de insulina deve
    ser sempre a via subcutânea, com
    exceção apenas em caso de
    emergência hiperglicêmica, em que
    pode ser usada a via venosa IV e IM,
    neste caso, utilizando a insulina tipo
    regular.
 Insulina Regular-:
 Por via SC, deve ser administrada 30 min.
antes da refeição, pois, seu inicio de ação
  se faz em 30 minutos, e, atinge o pico
  máximo em 2 a 4 horas, e, termina seu
  efeito em 6 a 8 horas.
 A dosagem é individualizada e
ajustada de acordo com a glicemia e/ou
  a glicosúria.
 Insulina :Existem três tipos de insulina de
  ação intermediaria, que são:
 Insulina semilenta
 NPH, também chamada de insulina
  isófana ou isófane
 Insulina lenta.
   Insulina NPH: É uma insulina de ação
    basal. Começa a agir horas após a
    aplicação.
 É usada para controlar a glicemia nos
    períodos em que não estamos nos
    alimentando (basal), como durante a
    madrugada. Por isso pode ser utilizada
    antes de dormir em uma dose única e,
    freqüentemente, são necessárias mais de
    uma dose, principalmente no diabetes
    tipo1.
Insulina NPH
 Insulina NPH ou isófana ou isófane –
  consiste na associação da insulina com
  a protamina zinco
 A protamina é uma proteína extraída do
  esperma do salmão, que tem a
  capacidade de retardar a absorção da
  insulina pelo tecido subcutâneo.
 InsulinaNPH :A abreviatura NPH
 corresponde às palavras:
 N = pH neutro,
 P = protamina,
 H = Hagedorn, nome do
 laboratório onde foi preparada
 esta formulação.
   A insulina semilenta que consiste na
    associação da insulina com íons zinco
    em tampão acetato, com inicio de
    ação rápido, assim como do pico do
    efeito, porém, superiores à insulina
    regular.
   Insulina lenta – consiste em uma mistura
    da insulina semilenta (30%), com 70% da
    insulina de ação prolongada,
    entretanto, na prática, com a cinética
    semelhante à da insulina NPH.
Preparações de insulina de ação
  prolongada ou insulina ultralenta
 Esta preparação consiste na suspensão
  de cristais de insulina-zinco (suína ou
  humana) com mais protamina e zinco
  do que a isófane, portanto, com
  partículas grandes, destinadas a lenta
 dissolução, o que retarda o seu inicio de
  ação, porém, com efeito, hipoglicêmico
  de longa duração.
 Insulina glargina (Lantus)
 Consiste em uma insulina humana
análoga produzida por tecnologia de
  DNA recombinante utilizando a
  Escherichia coli (cepaK12) com
  duração de ação prolongada que
  pode permitir a administração única
  diária. ´´É uma insulina Basal “
   Bomba de insulina- conhecida como
    Bomba de Infusão em Insulina ou Sistema de
    Infusão Contínua de Insulina consiste em
    uma pequena bomba implantada no corpo
    para liberar insulina de maneira contínua ao
    longo do dia.
 Bomba de insulina
 A liberação de insulina é comandada
   pelo usuário da bomba através de um
  controle remoto. Podem ser liberados
  bolus de insulina (várias unidades ao
  mesmo tempo) nas refeições ou quando
  os níveis de glicose estão altos,
   Insulina Inalatória -EXUBERA®, , é uma
    insulina inalatória de ação rápida, cuja
    formulação à base de insulina
    pulverizada . Por meio de um dispositivo
    próprio de inalação, é inalada para os
    pulmões.
   EXUBERA®Simula de maneira muito
    próxima a resposta fisiológica normal da
    insulina às refeições, por meio de sua
    rápida penetração na circulação
    sanguínea e redução dos picos de
    glicose no sangue que ocorrem após as
    refeições, em pessoas diabéticas.
   Valor R 470,00
 Fármacos Orais para Diabetes tipo II – O tratamento
  farmacológico baseia-se:
 Aumentando a secreção pancreática de insulina por
  meio de sulfoniluréias ou meglitinidas
 Diminuindo a gliconeogênese hepática por meio
  das biguanidas
 Melhorando a sensibilidade à insulina nos tecidos
  periféricos por meio de tiazolidinas
 Impedindo a decomposição de carboidratos
  complexos a açúcares simples por meio de
  inibidores da A-glicosidase.
   Hipoglicemiantes Orais :
A     administração de hipoglicemiantes
    orais tem sido associado com
    mortalidade cardiovascular
    aumentada em comparação com
    tratamento apenas com dieta ou
    dieta mais insulina.
 HipoglicemiantesOrais :
 Pertencem aos seguintes
  subgrupos :
 Sulfoniluréias
 Biguanidas
 Acarbose
   Sulfoniluréias
 São   derivadas das sulfonamidas,
    mas, não apresentam atividade
    antibacteriana.
   As sulfoniluréias possuem um radical
    sulfona ligado a um grupo uréia, com
    potência hipoglicemiante oral variável.
Sulfoniluréias
 Mecanismo de ação: agem principalmente
  nos receptores da membrana plasmática das
  células beta do pâncreas, sobre os canais de
  K+, reduzindo a permeabilidade destas células
  ao potássio, causando a despolarização e a
  entrada de Ca+ ionizado, e, portanto,
  aumentando a secreção da insulina.
 Portanto, são eficazes somente se as células
  beta estiverem funcionantes.
Sulfoniluréias
Primeira       clorpropamida (Diabinese),
geração        tolazamida (Tolinase) e a
               tolbutamida (Rastinon
Segunda        glibenclamida (Daonil),
geração         glipizida(Minidiab),
               gliclazida (Diamicron),
               glimepirida (Amaryl) (Glimepil),
               fenformina (Debei).
Sulfoniluréias
 As sulfoniluréias de segunda geração
  apresentam menos efeitos adversos, e,
  com meia-vida menor facilitam a
  dosagem a cada 24 horas.
Sulfoniluréias
 Contra-indicação: em pacientes gestantes,
  pois, estes fármacos atravessam a placenta
  e estimula a liberação de insulina pelas
  células beta fetais.
 As pacientes gestantes, mesmo portadoras
  de diabetes não insulino-dependente
  (DMNID), devem ser tratadas com insulina e
  dieta suplementada.
 Metformina –( Dimefor- Glifage)
 È a biguanidina mais segura,
  considerada um dos fármacos de 1
  escolha :
 rara a acidose lática,
 Reduz peso, diminui apetite,
 Diminui LDL e VLDL e aumenta HDL
 Metformina ( contra-indicação)
 Nefropatas
 Pneumopatas
 Cardiopata
 Gestantes
Interações med. com álcool
Ao realizar ex. de bioimagem deve ser
  suspensa 02 dias antes e voltar a usar 02
  dias depois.
Glucobay
(Prandin)   (Starlix)
 (Avandia)
(Actos)

								
To top