Recomenda se coletar subamostras de 10 a 25 pontos by 370fZ5i

VIEWS: 4 PAGES: 4

									                                                                          54


      14. COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO PARA ANÁLISE DE
                        FERTILIDADE



      Vários são os objetivos de uma coleta de solo:

       a) análise de amostras de perfil para estudos de gêneses e
classificação.
       b) análise de propriedades químicas e físicas para estudos
específicos.
       c) análise de fertilidade do solo visando a recomendação de adubação,
etc.
       Tratando-se de amostras que tenham como objetivo a análise para
recomendação de adubação, os seguintes fatores devem ser levados em
consideração.
       1 - Representatividade da amostra - A amostra deve representar
satisfatoriamente a área a ser mostrada e, por isso, deve ser coletada de
vários pontos abrangendo toda área. Recomenda-se coletar subamostras de
10 a 25 pontos, dependendo do tamanho da área, e após misturar estas
subamostras, formando uma amostra composta homogênea, da qual se toma
300 a 500 g para enviar ao laboratório.
       2 - Homogeneidade da área a ser mostrada - Áreas heterogêneas
devem ser divididas, coletando-se mais de uma amostra para análise. Na
divisão leva-se em consideração: topografia, vegetação, drenagem, adubação
anterior, culturas anteriores, etc. Cada um destes fatores poderá influir na
fertilidade do solo e determinar a separação da área, conforme se observa
no plano de amostragem. Não é indicado coletar-se apenas uma amostra de
uma área heterogênea, mesmo que seja pequena. Manchas, muito pequenas e
inespressíveis, modificadas pela deposição de resíduos orgânicos, queima,
beiras de estradas, etc. Não devem homogeneidade do local. Não é
recomendável que uma amostra represente mais de 50 ha. Em lavouras.

14.1 Plano de amostragem

      O primeiro passo para a amostragem consiste em dividir a área em
glebas de solo homogêneas, considerando-se o tipo de solo, a topografia, a
vegetação e o histórico de atualização da lavoura. Os solos podem ser
diferenciados pela cor, textura, pela profundidade do perfil, pela topografia
e por outros fatores. Se todos esses fatores forem homogêneos numa
lavoura, existindo, no entanto, uma parte já utilizada ou adubada (ou
corrigida com calcário), então esta última deve ser amostrada em separado.
                                                                        55


Na figura 1, é apresentado o plano de amostragem de quatro áreas, em que
há necessidade de se coletar 10 amostras compostas coletando-se as
amostras simples (subamostras) por caminhamento em zigue-zague.
      A área que cada amostra de solo (amostra composta) representa pode
variar desde o equivalente a um vaso de flores (100cm2) até muitos
hectares. A homogeneidade é o principal fator que determina a área
abrangida pela amostra.
      Como regra geral, sugere-se coletar 20 amostras simples por amostra
composta, independente do tamanho da área ser de 10 m2 ou vários
hectares. Este critério fundamenta-se no fato de as propriedades químicas
dos solos variarem até mesmo em pequenas distâncias. No entanto, acima
desse número de subamostras diminuiu-se muito pouco o erro de
amostragem.




14.2 Época de amostragem

      As amostras de solo podem ser coletadas em qualquer época do ano,
mas, considerando eu o envio para o laboratório exige 4 a 5 dias ou mais, e
que três semanas são necessárias para o processamento das amostras no
laboratório e para o recebimento dos resultados, aconselha-se amostrar o
solo dois meses antes de se pretender efetuar a adubação Em pastagens já
estabelecidas, sugere-se amostrar de dois a três meses antes do máximo
crescimento vegetativo. Em culturas perenes, recomenda-se, em geral,
amostrar o solo após a colheita.
                                                                        56


14.3 Profundidade de amostragem

      Para culturas anuais como milho, trigo, arroz, soja, pastagem, etc.,
recomenda-se amostrar o solo na camada arável, ou seja, até 20 cm. No caso
de adubação superficial em culturas já estabelecidas, coletar amostras de
até 10 cm de profundidade. Para espécies perenes (essências florestais ou
frutíferas) coletar amostras de 0 a 20 e de 20 a 40 cm de profundidade,
antes da implantação da cultura. Após o plantio, para reavaliações da
profundidade do solo, coletar amostras de 0 a 20 cm de profundidade.
Informações complementares sobre a sistemática para a amostragem de
solo para algumas culturas específicas, como é o caso de frutíferas,
constam nas recomendações dessas culturas.

14.4 Equipamentos para a amostragem de solo

       Os equipamentos comumente utilizados para coleta de amostras de
solo são apresentados na Figura 2. A pá-de-corte representa uma boa opção,
mas requer mais tempo. A amostragem com trado holandês, em relação ao
trado de rosca ou calador, é menos afetada pela textura e pelo teor de
umidade do solo.




14.5 Amostragem de solo no sistema plantio direto

       No sistema de plantio direto, com o passar dos anos, ocorre acúmulo
de nutrientes (P e K) e a acidificação na camada superficial do solo (0 a 5
cm). Uma amostra de solo coletada em toda a camada arável poderá não
detectar as diferenças havidas, resultando em dados que não representam a
média da lavoura. Nessas condições, para melhor avaliação da fertilidade do
solo, sugere-se que a amostragem seja feita na camada de 0 a 5 cm de
                                                                       57


profundidade e de 6 a 20 cm, podendo, também, serem coletadas amostras
na camada intermediária.

14.6 Manuseio e armazenagem das amostras de solo

       Alguns cuidados são importantes no manuseio das, após a coleta,
visando a preservação qualitativa do material. Contaminações do solo
amostrado são possíveis de ocorrer, tanto na coleta como no manuseio.
Ferramentas enferrujadas e ou embalagens sujas, principalmente com
adubo, podem afetar os resultados analíticos, especialmente na
determinação de micronutrientes. Recomenda-se não expor o solo ao sol,
especialmente se embalados em sacos de plástico fechados. Sempre que
possível a amostra deve ser secada antes de enviada ao laboratório. Neste
caso, recomenda-se espalhar a amostra ainda úmida sobre uma lona plástica,
deixando-a secar a sombra em local ventilado. Desta maneira, a amostra
estará em condições, se não enviada imediatamente ao laboratório, de
suportar períodos maiores de armazenagem, sem que alterações venham a
ocorrer no solo e afetem o resultado da análise.

								
To top