Trabalho de recupera��o final 2� ano 2011 by B5GpUf6N

VIEWS: 159 PAGES: 5

									                        Disciplina:         Tipo:                                        Turma:
                             PORTUGUÊS         TRABALHO DE RECUPERAÇÃO                              2º ANO
                        Professor:                         Visto Supervisor              Data:
                            ARIANE MACHADO QUINTANILHA                                              / / 2011
                        Aluno(a):                                Nº      Bim.              Valor      Média    Nota
                                                                                          60 pts.    36 pts.



As questões 01 e 02 são a respeito do texto abaixo:
“Conheci que Madalena era boa em demasia, mas não conheci tudo de uma vez. Ela revelou pouco a pouco, e nunca se
revelou inteiramente. A culpa foi minha, ou antes a culpa foi desta vida agreste, que me deu uma alma agreste. E
falando assim, compreendo que perco o tempo. Com efeito, se me escapa o retrato moral de minha mulher, para que
serve esta narrativa? Para nada, mas sou forçado a escrever. Quando os grilos cantam, sento-me aqui à mesa da sala
de jantar, bebo café, acendo o cachimbo. Às vezes as idéias não vêm, ou vêm muito numerosas- e a folha permanece
meio escrita, como estava na véspera. Releio algumas linhas, que me desagradam. Não vale a pena tentar corrigi-las.
Afasto o papel. Emoções indefiníveis me agitam – inquietação terrível, desejo doido de voltar, de tagarelar novamente
com Madalena, como fazíamos todos os dias, a esta hora. Saudade? Não, não é isto: é desespero, raiva, um peso
enorme no coração. Procuro recordar o que dizíamos. Impossível. As minhas palavras eram apenas palavras,
reprodução imperfeita de fatos exteriores, e as dela tinham alguma coisa que não consigo exprimir. Para senti-las
melhor, eu apagava as luzes, deixava que a sombra nos envolvesse até ficarmos dois vultos indistintos na escuridão.”
(Graciliano Ramos – São Bernardo – São Paulo, Liv.Martins Editora)

1- (FGV) Segundo o texto, o narrador não pôde conhecer totalmente sua esposa, Madalena, sobretudo:
a)porque ela nunca se revelou inteiramente.
b)Por causa “desta vida agreste”
c)Por ser sempre agitado por indefiníveis emoções.
d)Porque as palavras são reproduções imperfeitas das inquietações.

2- (FGV) A narrativa é inútil, porque o narrador:
a)não conseguiu compor um retrato moral de sua esposa.
b)Foi forçado a escrever.
c)Tem uma alma agreste.
d)Não gosta do que escreve.

3-Unicastelo-SP
Aponte a alternativa em que haja a correta classificação das orações destacadas.
I. Ninguém sabe dizer quantas pessoas há na reunião.
II. Desejava realizar um grande sonho: conhecer o Caribe.
III. Não está esperando ninguém, é evidente que não tem serviço nenhum a fazer. (F. Sabino)

a) objetiva direta, apositiva, subjetiva.
b) subjetiva direta, apositiva, predicativa.
c) objetiva direta, apositiva, predicativa.
d) subjetiva, completiva nominal, apositiva.
e) objetiva direta, explicativa, subjetiva.

4- Nos trechos “... não é impossível que a notícia da morte me deixasse alguma tranqüilidade, alívio, e um ou dois
minutos de prazer” e “Digo-vos que as lágrimas eram verdadeiras”, a palavra que está introduzindo, respectivamente,
orações:
   a) subordinada substantiva subjetiva, subordinada substantiva objetiva direta.
   b) subordinada substantiva objetiva direta, subordinada substantiva objetiva direta.
   c) subordinada substantiva subjetiva, subordinada substantiva subjetiva.
   d) subordinada substantiva completiva nominal, subordinada adjetiva explicativa.
   e) subordinada adjetiva explicativa, subordinada substantiva predicativa.
5- Vunesp
Quando voltei, a minha casa de solteiro tinha sofrido uma alteração completa. Os vidros que em quinze dias já tinham
adquirido uma crosta espessa dessa poeira clássica do Rio de Janeiro, como é clássica a lama de Paris; os vidros que
brilhavam na sua límpida transparência entre as bambinelas de cassa que um armador acaba de pregar. Os móveis
espanejados tinham mudado de lugar, tomando a posição melhor, e formado esse quadro harmônico, que o olhar de
uma mulher esboça com a rapidez do pensamento; porque ela tem em si o instinto da forma, como a luz encerra a
diversidade de cores que reflete sobre os objetos. Do recosto do sofá e das cadeiras pendiam lindas cobertas a
crochê; nos vasos dos consolos se expandiam ramos de flores que embalsamavam a sala.
No meu gabinete de estudo, a desordem desaparecera ao toque mágico do condão de uma fada hospitaleira: os livros
arrumados na estante, e em seu devido lugar; os manuscritos reunidos sob o peso de cristal; as cartas emaçadas em
ganchos de metal pregados junto à mesa e ao alcance da mão; ao lado da cadeira de braços uma cesta de palha para
receber as tiras de papel, e na frente um pequeno tapete felpudo para aquecer os pés nas noites frias. Igual à revolução
no meu quarto de vestir. Sobre o toucador uma profusão de perfumarias e pequenos objetos de fantasia. Na cômoda a
roupa estava arranjada como no tempo em que minha mãe se incumbia desse trabalho. Um dedal de ouro, um papel de
botões, e preparos de costura, que se viam sobre a cadeira numa caixinha de tartaruga, indicavam que antes da
arrumação, a mãozinha ágil e habilidosa da costureira reparara os estragos do uso. Mas eu tinha corrido toda a casa
notando essa transformação repentina, sem descobrir a autora; já estava inquieto, quando pela janela da sala de jantar,
a vi na cozinha, e num estado que só tanta beleza e graça podia salvar do ridículo. Figure uma moça vestida de ricas
sedas, com as mangas enroladas e a saia arregaçada e atada em nó sobre o meio da crinolina; com uma toalha
passada pelo pescoço à guisa do avental, vermelha pelo calor e reflexo do fogo, batendo gemas de ovos para fazer não
sei que doce. Repito, era preciso ter a faceirice e gentileza daquela mulher para, nessa posição e no meio da moldura de
paredes enfumaçadas, obrigar que a admirassem ainda.
                      ALENCAR, José de., Lucíola. 7. ed. Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora/INL, 1977, p. 70.

Há no trecho transcrito várias orações iniciadas com que. Assinale a alternativa em que o que desempenha função de
objeto direto.
a) “que a admirassem ainda.”
b) “que reflete sobre os objetos.”
c) “que se viam sobre a cadeira numa caixinha de tartaruga.”
d) “que embalsamavam a sala.”
    e) “que um armador acabava de pregar.

6- “Tudo aconteceu como eles haviam previsto”.
No período acima, a conjunção como estabelece uma relação de:

a) causa.
b) comparação.
c) conformidade.
d) conseqüência
e) finalidade.
7-PUCCamp-SP
Nunca chegará ao fim, por mais depressa que ande. A oração destacada é:

a) subordinada adverbial causal.
b) subordinada adverbial concessiva.
c) subordinada adverbial condicional.
d) subordinada adverbial consecutiva.
e) subordinada adverbial comparativa.

8- Classifique as orações subordinadas adverbiais abaixo.
    a) “(...) resolveu não dormir porque valia a pena esperar de pé.”
        _____________________________________________________________________________________
    b) “”O povo não gosta de assassinos, embora inveje os valentes.” (Carlos Drummond de Andrade)
        _____________________________________________________________________________________
    c) “Um amigo pintor trouxe um cavalete e tintas para que os pintores amigos possam pintar.” (Rubem Braga)
        _____________________________________________________________________________________
    d) Se queres a paz, prepara a guerra.
        _____________________________________________________________________________________
    e) “Quanto mais eu gritava, mais os prejuízos brotavam de todos os lados.” (José Cândido de Carvalho)
        _____________________________________________________________________________________
    f) “Quando chegou domingo, chegou também a preguiça (...)” (Carlos Drummond de Andrade)
        _____________________________________________________________________________________
    g) “(...) o mistério explica mais que a claridade (...)” (Clarice Lispector)
        ______________________________________________________________________________________
    h) “Como ele próprio diz com certa melancolia, Levou uma vida medíocre.” (Folha de S. Paulo)
        ______________________________________________________________________________________
    i) “ Como ainda possuíam um pouco de charque, começaram a comê-lo, mesmo cru.” (Dionelio Machado)
        ______________________________________________________________________________________
    j) “A felicidade morava tão vizinha que, de tolo, até pensei que fosse minha.” (Chico Buarque)
        ______________________________________________________________________________________
9- Reescreva os períodos de acordo com o modelo, e depois classifique os termos destacados e as orações obtidas.

Modelo: É fundamental a nossa contribuição.
I. É fundamental que (nós) contribuamos.
II. Sujeito e oração subordinada substantiva subjetiva.

    a) Querem a nossa contribuição.
       _________________________________________________________________________________________
    b) Ansiavam pela nossa contribuição.
       _________________________________________________________________________________________
    c) Tinham necessidade da nossa contribuição.
       _________________________________________________________________________________________
    d) Urge a nossa contribuição.
       _________________________________________________________________________________________
    e) A esperança dele era a nossa contribuição.
       _________________________________________________________________________________________
    f) A esperança dele era esta: a nossa contribuição.
       _________________________________________________________________________________________
    g) Ele é um bicho falante.
       _________________________________________________________________________________________
    h) É ótima cantora, estreante nos palcos do Rio.

        _________________________________________________________________________________________

10- Na frase: “Maria do Carmo tinha a certeza de que estava para ser mãe”, a oração destacada é:

   a) subordinada substantiva objetiva indireta.
   b) subordinada substantiva completiva nominal.
   c) subordinada substantiva predicativa.
   d) coordenada sindética conclusiva.
   e) coordenada sindética explicativa.

11- Qual o período em que há oração subordinada substantiva predicativa?
   a) Meu desejo é que você passe nos exames vestibulares.
   b) Sou favorável a que o aprovem.
   c) Desejo-te isto: que sejas feliz.
   d) O aluno que estuda consegue superar as dificuldades do vestibular.
   e) Lembre-se de que tudo passa neste mundo.



12.Coloque o acento indicador de crase quando necessário.

a)Já fiz minha solicitação a diretoria da empresa.
b)Envie o restante a alguma instituição.
c)Ele será submetido a uma biópsia.
d) A homenagem será dedicada as mães.
e)A homenagem será dedicada a mães.
f)Diga o mesmo a ela.
e)Dei ouvido a vozes não amigáveis.

   Para responder às questões de 13 a 15, leia o texto que segue, fragmento do romance Dom Casmurro, de Machado
de Assis, no qual Bentinho explica o porquê desse seu apelido (essa alcunha), que acabou tornando-se o título do livro.

Uma noite dessas, vindo da cidade para o Engenho Novo, encontrei no trem da Central um rapaz aqui do bairro, que eu
conheço de vista e de chapéu. Cumprimentou-me, sentou-se ao pé de mim, falou da lua e dos ministros e acabou
recitando-me versos. A viagem era curta, e os versos podem ser que não fossem inteiramente maus. Sucedeu, porém,
que, como eu estava cansado, fechei os olhos três ou quatro vezes; tanto bastou para que ele interrompesse a leitura e
metesse os versos no bolso.
(...) No dia seguinte entrou a dizer de mim nomes feios, e acabou alcunhando-me Dom Casmurro. Os vizinhos, que não
gostam dos meus hábitos reclusos e calados, deram curso à alcunha, que afinal pegou.

13.No enunciado “No dia seguinte entrou a dizer de mim nomes feios”, por que o “a” não recebe acento indicador de
crase?
________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________


14.Leia a expressão “deram curso à alcunha” (que significa que os vizinhos levaram o apelido adiante, prosseguiram
chamando-o de D. Casmurro) e faça o que se pede.

a)Justifique o uso da crase;
________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

b) Reescreva a expressão, considerando que o acento grave não deve ser usado.
________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________


15. No primeiro parágrafo, encontre:

a) uma expressão que seria um caso típico para ocorrência de crase, porém como o substantivo presente é masculino,
obviamente não há crase;
________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

b) um exemplo qualquer em que o “a” é simples artigo.
________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________

16. Coloque o acento grave indicador de crase quando necessário.

a)Esses mantimentos devem ser entregues a pessoas que realmente necessitem.
b)Vamos deixar tudo as claras para não haver mal-enten didos.
c)Faremos um brinde a nossa vitória.
d)A noite está muito agradável.
e)A noite vamos a uma festa.
f)Apague a luz quando sair.
g)A beira do rio está escorregadia.
h)Passei o dia todo, a beira do rio, pescando.
i) Não suporto as moscas em volta de nós.
j)Eles deixaram essa casa as moscas.

17.Assinale a alternativa em que pode haver acento grave, indicador da crase.

a)Simão Bacamarte preferiu a ciência ao conforto dos amigos.
b)Os amigos pediram a ele que reconsiderasse.
c)Simão Bacamarte obedeceu a voz da razão.
d)Ele respondeu a tudo com muita convicção.
e)Dirigiu-se logo para a Casa Verde.


18- Por que um país que tem um sistema bancário hígido, com alavancagem razoável e controlada e economia
relativamente fechada, assistiu à queda do seu recém-redescoberto desenvolvimento?
                                                                   Antonio Delfim Neto. Folha de S.Paulo, 18/03/2009.

a)De acordo com a ideia transmitida pelo texto, qual o significado do termo “hígido”?
   I) Fraco
   II) Sadio
   III) Engraçado
   IV) Decadente
   V) Desorganizado

b)Qual seria o significado da passagem, caso não houvesse a crase em destaque?
________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________
19- Leia o texto abaixo e responda ao que se pede.

                                                Inferno à vista?
O mundo deu ontem mais alguns passos à beira do abismo a partir do instante em que o primeiro-ministro tcheco, Mirek
Topolanek, presidente de turno da União Europeia, disse que os planos de salvamento da economia lançados pelos
Estados Unidos são “o caminho para o inferno”.
                                                                         Clóvis Rossi. Folha de S.Paulo, 26/03/2009.

a)No título, “à vista” leva acento grave por se tratar de uma expressão adverbial feminina. Crie uma frase em que a
mesma expressão possua outra função e, portanto, não receba o acento grave.
________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________

b)No trecho: “O mundo deu ontem mais alguns passos à beira do abismo a partir do instante em que o primeiro- -
ministro...”, existe algum desvio gramatical quanto ao uso da crase? Justifique.
________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________

c)A expressão “o caminho para o inferno” equivale a: “o caminho ao inferno”. Substitua a palavra “inferno” por outra,
para que se exija, em vez de “ao”, a crase “à(s)”.
________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________

20- (Cesgranrio-RJ) Assinale a opção em que a concordância nominal indicada entre parênteses não é aceita pela norma
culta.

a)Aprecio a cultura e a história __________. (europeia)
b)Procure sempre comprar jornais e revistas ____________. (brasileiros)
c) Esses meninos estão com os pés e as mãos ____________. (sujas)
d)Encontrei ____________ as cadeiras e o sofá. (reformadas)
e)Essa professora contou-nos ____________ lendas e contos. (antigos)

21- (PUC-SP) Há, em língua portuguesa, al206. gumas palavras que admitem ou não flexão de número (singular/plural),
dependendo de seu valor morfológico.

No texto em questão, aparece uma dessas palavras:
“(...) bastante experimentei depois a verdade deste aviso, que me despia, num gesto, das ilusões de criança...”
Considerando a possibilidade de flexão ou não da palavra, em função de seus diferentes empregos, assinale a
alternativa incorreta.

a)Bastantes verdades experimentei anos depois do aviso que meu pai me deu.
b)Meu pai me falou bastante sobre verdades que eu encontraria anos depois.
c)Bastante tempo depois, eu encontraria muitas das verdades anunciadas no aviso de meu pai.
d)Bastantes anos depois, eu experimentaria as verdades do aviso de meu pai.
e)Anos depois, bastantes verdadeiros se tornaram também outros avisos de meu pai.

22- Em todas as alternativas, a concordância nominal fez-se corretamente, exceto em:

a)Eu observava no velho guerreiro o destemor e a força quase lendários.
b)Estavam umedecidos, para sempre, as almas, as vozes e os risos dos homens.
c)Aquelas mesmas figuras pareceram a nós meio estranhas.
d)O presidente quer o decreto o mais breve e incisivo possíveis.

23- Reescreva as frases abaixo, substituindo a expressão destacada pela palavra que está entre parênteses. Efetue, se
necessário, a concordância nominal.

a)As atitudes do novo contratado eram um pouco ridículas. (meio)
_________________________________________________________________________________________
b)São motivos suficientes para que faça uma nova reunião. (bastante)
_________________________________________________________________________________________
c)Todas as cópias que comprovam o problema estão incorporadas ao processo. (anexo)
_________________________________________________________________________________________
d)As novas tarifas de energia elétrica passaram a custar um preço superior ao seu valor. (caro)
_________________________________________________________________________________________
e)As novas tarifas telefônicas estão sempre acima do preço tabelado. (caro)

								
To top