Docstoc

ANJOS DA LEI - Sony Pictures.doc

Document Sample
ANJOS DA LEI - Sony Pictures.doc Powered By Docstoc
					                                  ANJOS DA LEI

                                 Informações de Produção



Na comédia de ação, Anjos da Lei (21 Jump Street), Schmidt (Jonah Hill) e Jenko
(Channing Tatum) são ex-adversários do ensino médio que, surpreendentemente, se
tornam amigos na Academia de Polícia. Embora não sejam os melhores policiais a
serviço da corporação, eles têm uma oportunidade de virar o jogo, quando se unem a
Jump Street, uma unidade secreta do Departamento de Polícia, comandada pelo
capitão Dickson (Ice Cube). Trocando suas armas e distintivos por mochilas, eles usam
sua aparência juvenil numa missão à paisana. O problema é que os adolescentes de
hoje não se parecem em nada com os de alguns anos atrás, e Schmidt e Jenko
descobrem que tudo o que eles pensavam saber sobre a adolescência, o sexo, as
drogas e o rock and roll, está completamente errado. E ainda mais importante, eles
descobrem que continuam tendo os mesmos problemas com os quais não aprenderam
a lidar na sua adolescência - e ambos terão que enfrentar o terror e a ansiedade de
voltar a passar por uma adolescência que eles acreditavam que já haviam superado.


Columbia Pictures e Metro-Goldwyn-Mayer Pictures apresentam, em associação com
Relativity Media, uma produção Original Film / Cannell Studios, Anjos da Lei (21 Jump
Street). Estrelado por Jonah Hill, Channing Tatum, Brie Larson, Dave Franco, Rob
Riggle, com Ice Cube, o filme é dirigido por Phil Lord & Christopher Miller. Produzido
por Neal H. Moritz e Stephen J. Cannell. O roteiro é de Michael Bacall. O argumento é
de Michael Bacall & Jonah Hill, baseado na série de televisão criada por Patrick
Hasburgh & Stephen J. Cannell. Os produtores executivos são Jonah Hill, Channing
Tatum, Ezra Swerdlow e Tania Landau. O diretor de fotografia é Barry Peterson, csc. O
desenhista de produção é Peter Wenham. O montador é Joel Negron. A figurinista é
Leah Katznelson. A trilha é de Mark Mothersbaugh.
SOBRE O FILME


A ideia de levar às telonas de cinema a série televisiva, Anjos da Lei (21 Jump Street),
partiu de Stephen J. Cannell, o cocriador do popular seriado televisivo com Patrick
Hasburgh. Um dos mais respeitados, talentosos, versáteis e prolíficos produtores e
roteiristas da televisão, os muitos créditos de Cannell – de Esquadrão Classe A (The A-
Team) a The Rockford Files, The Greatest American Hero e Wiseguy, entre muitos
outros – lhe valeram uma legião de seguidores e admiradores, especialmente entre
seus colegas do entretenimento.


Um desses grandes admiradores é o produtor Neal H. Moritz, um renomado produtor
de filmes de filmes de ação. “Ele tinha um carisma incrível; tudo nele me impressiona”,
afirma Moritz acerca de Cannell, que faleceu em 2010 aos 69 anos. Moritz recorda do
primeiro encontro entre ambos: “Começamos a falar sobre Anjos da Lei (21 Jump
Street) e eu disse a ele o quanto eu gostava da série. Ele mencionou, então, que vinha
trabalhando na sua adaptação cinematográfica, que era um admirador dos meus filmes
e me perguntou se eu gostaria fazer parte do projeto. Era brincadeira?”


A série Anjos da Lei (21 Jump Street) ficou no ar durante cinco temporadas, as quatro
primeiras na então nascente rede Fox, transformando-se num dos seus primeiros
êxitos. Estrelada por Johnny Depp em seu primeiro papel importante, o drama acerca
de policiais de aparência juvenil que se infiltravam em escolas do ensino médio bateu
recordes de audiência entre os telespectadores jovens que a emissora ainda em
ascensão começava a conquistar.


Moritz e a produtora executiva, Tania Landau, imediatamente viram como uma
atualização da premissa original poderia ser promissora, mas foi só depois que Jonah
Hill se uniu ao projeto que ele adquiriu sua verdadeira forma. “É um conceito genial”,
afirma Landau. “Dois policiais de aparência juvenil se infiltram numa escola e,
desafiando todas as probabilidades, desmantelam uma rede de narcotráfico. Nós
fazemos muitos filmes de ação e visualizamos esse projeto seguindo nesta mesma
direção. Mas as coisas mudaram quando nós saímos um dia para almoçar com o
Jonah; ele sugeriu que produzíssemos uma comédia de ação para um público adulto, e
foi então que todas as peças se encaixaram”.


Hill conta que tudo começou com uma pergunta simples: "Eu comecei me perguntando
como seria ter que reviver o período mais importante da nossa adolescência: o ensino
médio. Você pode achar que tem todas as respostas que não tinha na época, mas aí
você volta àquele momento e percebe que essas respostas estão todas erradas.
Imediatamente, você volta a ter as mesmas inseguranças e problemas que tinha aos
17 anos”.


Hill, que também é o produtor executivo do filme, escreveu o argumento com Michael
Bacall, que escreveu o roteiro. “A princípio, nada sai como planejado para os
personagens. Esses caras encaram a situação como um sonho que se torna realidade:
‘Ah, se eu soubesse na época o que sei agora’”, explica Bacall. “Mas toda a informação
de que dispõem agora já não serve mais para nada. Jenko – que, na época, era um
dos garotos populares – agora se enturma com os nerds, e Schmidt – o mais nerd dos
dois – se enturma com os alunos mais populares. É uma completa troca de papéis”.


Segundo Hill, o fato de a série estar fora do ar há uma geração funcionou a seu favor
na definição da história e do seu tom. “Quando eu encontro adolescentes, pergunto se
conheciam o seriado e eles me dizem que não”, conta ele. “Então, eu explico que era
sobre dois policiais que parecem garotões e se infiltram numa escola, e todos dizem:
‘Isso parece genial’. É uma grande premissa para uma comédia de ação”.


Moritz e Landau imediatamente se interessaram pela visão original de Hill e Bacall para
o material, e Cannell também achou que era uma ótima adaptação da série Anjos da
Lei (Jump Street). À medida que o projeto avançava, o passo seguinte foi encontrar um
diretor capaz de dar vida a essa nova versão nas telonas. E eles conseguiram dois pelo
preço de um: Phil Lord & Christopher Miller, que anteriormente haviam dirigido o
sucesso de animação Tá Chovendo Hambúrguer (Cloudy With a Chance of Meatballs).


Os diretores de uma comédia de animação para a família seriam a opção mais
adequada para uma comédia de ação live-action para o público adulto? “Queríamos
fazer algo que fosse completamente oposto ao que tínhamos acabado de fazer –
embora, para sermos justos, Cloudy seja uma comédia ação, só que dirigida a um
público diferente. Mesmo assim, tínhamos que provar que éramos capazes”, explica
Miller. “Então, fizemos toda uma apresentação mostrando passo a passo o que
faríamos. Sabíamos que teríamos de fazer algo que causasse”.


Qualquer traço de ceticismo que os produtores pudessem ter se dissipou na reunião
com os diretores. “Eles chegaram incrivelmente bem preparados”, afirma Landau.
“Tinham uma apresentação em PowerPoint. E tinham criado um livro com todos os
pontos do filme e como deveriam ser as imagens. Eu fiquei totalmente surpreso, e o
Neal também. Os dois tinham muita criatividade e entusiasmo; estávamos todos em
sintonia”.


Uma das razões do entusiasmo de Lord e Miller com relação ao material era que não
só dirigiriam o filme, mas estariam vivendo os temas da história. “Quando eu era
adolescente, assistia a Anjos da Lei (Jump Street), porque uma das garotas bonitas da
minha escola o assistia e eu queria estar por dentro das tramas. Então, com este
projeto, eu fecho um ciclo: fazendo este filme, eu me torno uma pessoa cool”, afirma
Lord.


Como o senso cômico de Hill sob a direção de Lord e Miller, combinado à experiência
com filmes de ação de Moritz, o projeto encontrou a mistura perfeita de talentos. “Por
um lado, temos a ação de Velozes e Furiosos (Fast and Furious) de Neal Moritz e, por
outro, o estilo de comédia de Jonah Hill”, destaca Miller. “Esses elementos se
combinam, explodem e seus átomos voltam a se recombinar para criar este filme com
perfeição”.
“Neal produziu uma grande quantidade de filmes de ação de sucesso”, conta Hill. “Por
isso, eu pensei que seria um sócio fantástico para este filme, porque eu já fiz muitas of
comédias e ele já fez muitos filmes de ação e, juntos, espero que possamos fazer uma
grande comédia de ação”.


“De fato”, relata Miller, “quando fomos ver carros, o Neal sabia exatamente do que
precisávamos. Tinha de ser um Camaro Z28 de 1971. Tinha de ser o modelo Z28 e
tinha de ser do ano de 1971. Sabia até como deveria ser o cano de descarga. Ele é um
especialista. Entende de carros mais do que ninguém”.


“Há algumas grandes perseguições automobilísticas neste filme”, afirma o produtor
executivo, Ezra Swerdlow. “Por exemplo, tem a perseguição de limusine pela cidade,
com gente lançada para fora pela porta, tiroteios através do teto solar... ação em
grande escala. O Neal é simplesmente um mestre nesse tipo de coisa: no ritmo da
ação, o número de tomadas, o enquadramento dos planos”.


Ao mesmo tempo, explica George Aguilar, o coordenador de cenas de ação da 1a
unidade, essa sequência é um bom exemplo do equilíbrio entre a ação e a comédia no
filme. “Os diretores queriam uma sequência de ação ao estilo de Velozes e Furiosos,
mas com um tom de comédia. É uma sequência perigosa e emocionante, dentro da
limusine tem uma garota completamente alcoolizada da qual eles precisam se livrar. É
muito engraçado quando a garota se une à perseguição”.


“Sempre que faço um filme de ação, eu sinto que tenho que superar o anterior”, diz
Moritz. “Mas não é com explosões maiores ou colisões de veículos mais
espectaculares, isso não funciona. A ação tem que ter como base os personagens, tem
que ter algo que nunca se tenha visto anteriormente. Para Anjos da Lei (21 Jump
Street), por ser uma comédia de ação, tentamos criar um tipo de ação inteligente e
com humor, a fim de dar destaque aos personagens e à relação entre eles”.
Aguilar concorda nesse ponto. Ele tem vasta experiência em comédias de ação, tendo
supervisionado anteriormente as cenas de ação de filmes como Zumbilândia
(Zombieland). Ele explica que em Anjos da Lei (21 Jump Street), assim como naquele
filme, a ação e a comédia precisam fluir conjuntamente com naturalidade. “Você não
pode parar para fazer uma piada; precisa fazê-la funcionar dentro da perseguição”,
afirma. “O Neal quer que seja realista, quer que seja vertiginoso, quer que as pessoas
digam, ‘uau’, mas ele não quer sacrificar nenhuma situação engraçada. Temos que
criar cenas de grande risco e então mesclar a situação cômica”.


Aguilar assegura que Hill contribuiu enormemente para as sequências de ação. “Jonah
está sempre pensando e propondo ideias novas e melhores. Ele sempre sugere
alguma reviravolta. Foi ele quem insistiu que o seu personagem não deveria ser um
exemplo de habilidade, porque mesmo apesar de ter passado pela Academia de
Polícia, ele continua não sendo muito bom em certas coisas”.


Hill, obviamente, interpreta Schmidt, o ex-nerd que agora, pela primeira vez na vida, se
torna um cara popular. “É um dos personagens mais interessantes que já interpretei”,
comenta Hill. “Ele só quer ser um bom policial, mas tem inseguranças que remontam à
sua época no ensino médio. Quando ele é enviado novamente ao colégio, como agente
infiltrado, ele se sente inebriado com o poder, esquece seu trabalho como policial e
esquece a sua amizade com Jenko. Ele gosta de viver essa vida falsa de aluno, que é
muito melhor do que a vida que ele leva como um adulto de vinte e poucos anos”.
Então, essencialmente, trata-se da história de um cara que se perde, deslumbrado com
o seu momento de glória.


Para acompanhar Hill, os cineastas tinham que encontrar um ator para interpretar
Jenko, um cara para quem tudo foi bem na escola e que descobre que as coisas não
são tão fáceis da segunda vez. Quem poderia interpretar um cara bonito, um homem
alfa, sendo engraçado ao mesmo tempo?
“Quando conhecemos Channing Tatum, nós percebemos que era perfeito para o papel,
porque ele é naturalmente engraçado e sincero”, acrescenta Miller.


“Channing Tatum funciona em todos os registros”, elogia Lord. “Todo mundo sabe que
ele é capaz de fazer coisas heroicas, mas ele tem uma bondade subjacente que cria
um belo contraste em sua interpretação. E ele é muito mais engraçado do que as
pessoas poderiam supor. Nós sabíamos que o ator que interpretasse Jenko tinha de ter
dom para a comédia e, ao mesmo tempo, um brilho no olhar, e Channing tem ambas
as coisas”.


“Channing te conquista imediatamente”, observa Aguilar. “Como todo mundo, eu sabia
que tinha um grande talento físico e já fez cenas de ação suficientes para saber no que
ele se destaca, mas eu não sabia que ele era tão engraçado, e essa é uma
combinação muito poderosa”.


Tatum, que também é produtor executivo do filme, afirma com modéstia: “Sou um
grande fã de comédias, mas o gênero me apavora. Sinto a maior inveja de gente como
Jonah, então, quando ele me ligou e disse, ‘Vamos filmar Anjos da Lei (21 Jump
Street) e queremos contar contigo’, eu realmente achei que tinham ligado para a
pessoa errada. A comédia é muito diferente, não só temos que nos preocupar em
sermos sinceros em cena, mas você também precisa descobrir suas pausas cômicas e
o momento de explorá-las, de soltar a piada e depois se calar. É uma arte muito sutil.
Felizmente, eu estava cercado de escritores de comédia e humoristas de stand-up que
sabiam muito bem o que faziam. Eu aprendi muito”.


Para confirmar o que já sabiam – que Tatum tinha talento para a comédia e teria uma
química fantástica com Hill – os diretores os vestiram com seus figurinos e observaram
a sua interação. “Channing interpreta a realidade do momento, e isso é o melhor que
você pode fazer como comediante”, afirma Lord. “E também é essa a forma de trabalho
favorita do Jonah. Muita da sua veia cômica vem do personagem e da situação. É mais
sobre o que é engraçado dentro do contexto daquele momento do que fazer piadas
superengraçadas, então, acaba funcionamento a mil maravilhas”.


O personagem de Tatum, Jenko, é o completo oposto de Schmidt, interpretado por Hill.
“Eles foram colegas de escola e, naquela época, Jenko era o garoto popular, o atleta
que ganhava as garotas”, conta Tatum. “Quando eles voltam ao ensino médio,
descobrem que tudo mudou nesses dez anos. Antes, os alunos zombavam e
abusavam dos colegas, dormiam durante as aulas. Agora, todos são vegetarianos,
dirigem carros movidos a biodiesel… eles curtem tudo o que Jenko considera idiotice.
Jenko acaba se enturmando com os nerds e, pela primeira vez, percebe que tudo o
que os nerds fazem, ou seja, estudar, é, na verdade, bem legal”.


O fato de serem opostos é uma das razões que explica o fato de que, quando estão
juntos, funcionarem tão bem, segundo Hill. “Até um plano unicamente com nós dois é
engraçado, porque somos tipos tão diferentes. Você se pergunta como foi que nós nos
conhecemos e como acabamos nos tornando grandes amigos. Desde a primeira
leitura, ficou evidente que funcionaríamos bem juntos. O Channing superou todas as
minhas expectativas acerca do seu talento e da pessoa agradável que ele é”.


“Uma das coisas curiosas sobre Jenko é que creio que se você lhe perguntar por que
ele quis ser policial, ele não teria uma resposta. Imagino que ele assistia a muitos
filmes policiais e achou que isso seria muito legal”, observa Tatum. De uma certa
forma, Tatum e o seu personagem tiveram uma juventude semelhante. “Os meus
amigos e eu pegávamos um Civic velho, um cara dirigia e o outro rolava por cima do
capô para ver quem fazia mais rápido. Eu não acho que o Jonah fazia esse tipo de
estupidez”.


“Channing nos contou uma história louca dos seus tempos de adolescência com os
amigos. Eles caíram na balada, depois foram até o deserto dar tiros, aí, todos fizeram
tatuagens e depois foram a casa de outro amigo para assustá-lo e seguiram fazendo
loucuras”, conta Lord. “Eu disse: ‘Uau, quando foi isso?’ E ele disse: ‘Num sábado’. Eu
adoro o cara – ele é o Jenko”.


Brie Larson encabeça o elenco coadjuvante no papel de Molly. Embora o personagem
de Hill, Schmidt, fosse nerd demais para sair com garotas quando estava no ensino
médio, ele descobre que hoje ser nerd é ter um novo tipo de popularidade. As garotas,
especialmente Molly, interpretada por Brie Larson, gostam dele.


Para a personagem Molly, os diretores queriam alguém que fosse mais do que o tipo
líder de torcida; queriam uma garota que se destacasse das demais. Era importante
que ela fosse alguém de quem o público gosta, não só por ser bonita, mas porque ela
tem algo de especial. “Quando você conhece a Brie, você percebe que ela tem muito
mais que isso”, afirma Miller. “Ela tem um grande talento para a comédia e é uma atriz
fantástica, mas o que a diferencia é seu estilo pessoal único e uma atitude que não se
encontra em muitas jovens”.


Molly mantém uma relação semiaberta mas satisfatória como com Eric, o traficante de
drogas interpretado por Dave Franco. Ela sofreu muitas decepções na vida e sente
que, na verdade, não pode contar com ninguém. Schmidt muda tudo isso; quando ela o
conhece, começa a pensar que talvez seja um cara em quem ela pode confiar. O que
ela não sabe, é claro, é que ele é um policial infiltrado na escola e que está mentindo
para ela.


“Os nossos personagens fazem parte do elenco de uma peça teatral da escola: ele é
Peter Pan e ela é Wendy”, explica Larson. “Há um momento em que um encara
fixamente o outro e é quando eles se dão conta de que há algo de especial entre eles.
Mais tarde, quando a verdade vem à tona, ela não aceita isso muito bem”.


Dave Franco interpreta o papel-chave de Eric, que é a grande força-motriz de grande
parte da trama. “Eric está vendendo uma nova droga na escola, que é a razão pela
qual Schmidt e Jenko se infiltraram lá; eles precisam encontrar o fornecedor da droga
para poder erradicá-la”, afirma Miller.


Escalar Dave Franco no papel foi outra forma de ressalvar o quanto as escolas
mudaram desde os tempos de Schmidt e Jenko. “Dave Franco é, essencialmente, o
homem perfeito”, afirma Lord. “Ele é um cara bonito, de compleição mediterrânea por
quem as garotas enlouquecem. Os garotos populares de hoje não são os mesmos dos
filmes de adolescentes dos anos 1980; Eric é um cara tão descolado que isso
desconcerta Jenko”.


“Testamos um monte de atores, mas eu sabia que tínhamos de escalar o Davey,
porque ele foi um dos caras que eu tentei impressionar. Eu já estava escalado no papel
e estava tentando impressionar esse cara durante as audições, tentando fazer com que
ele me achasse legal”, explica Hill. “Isso é exatamente o que queríamos para esse
papel”.


Para os realizadores, era importante que o personagem de Franco fosse uma pessoa
complexa. “Todos deveriam ser heróis da sua própria narrativa”, afirma Lord. “Eu
sempre achei que esse personagem não deveria ser um brutamontes malvado. Os
garotos que vendiam drogas na minha escola eram jovens que tomavam decisões
equivocadas seguindo pelo mau caminho, mas não eram malvados, eram engraçados,
atraentes ou interessantes. E depois que você os conhecia, sempre tinha uma ou outra
coisa de bom a dizer acerca deles. Nós achamos que esta era uma boa oportunidade
para mostrar uma pessoa de verdade que, por acaso, vende drogas”.


Com essa ideia em mente, os cineastas e Franco se concentraram na preocupação do
personagem com o meio ambiente. “Ele é um cara descolado que discorre acerca das
vantagens da compostagem orgânica e de como se economizar água, mas que, ao
mesmo tempo, vende drogas”, conta Franco. “Senti que era uma nova abordagem
desse tipo de personagem. Foi muito divertido porque não estava simplesmente
interpretando um idiota completo. Ele é um idiota, mas também é encantador e
podemos ver um lado mais vulnerável do personagem”.


Para o papel do professor Walters, o treinador de educação física, os realizadores só
precisaram de um motivo escalar Rob Riggle: “Nós o escolhemos porque ele é o cara
mais engraçado que você pode conhecer”, afirma Miller.


“Rob é um sujeito atlético, e assim como Channing, ele integrou o Corpo de Fuzileiros
Navais dos Estados Unidos”, afirma Lord. “O que faz de Rob alguém fantástico é que
na vida real ele é um cara feliz em fazer o que faz. Isso se reflete diretamente em seus
personagens, no modo como ele os interpreta. Seus personagens estão sempre muito
empolgados de estar onde quer que estejam. E isso, sem dúvida, se aplica ao
professor de educação física, o prof. Walters. Ele tem uma grande energia”.


“Ele é um sujeito muito afável”, afirma Riggle acerca do seu personagem. “Ele é
treinador da equipe de atletismo, se preocupa com os garotos e também leciona aulas
de educação sexual de vez em quando. Ele adora o Jenko por ele ser um espécime
masculino belo e fabuloso, e odeia o Schmidt, porque ele não é bonito e arrasa com a
sua equipe de atletismo”.


Completando o elenco principal está Ice Cube como o chefe da divisão Jump Street, o
capitão Dickson. “As pessoas que eu mais detestava no colégio eram os traficantes de
drogas, mas policiais da divisão de narcóticos, e agora, aqui estamos”, comenta Ice
Cube. “Eu interpreto o capitão Dickson, o duro e exigente capitão que destaca Schmidt
e Jenko para a missão e que transforma suas vidas num verdadeiro inferno. A minha
visão sobre ele não é ficar gritando o tempo todo, e sim ter altos e baixos, com bons
momentos cômicos, conseguindo um equilíbrio entre o capitão de polícia inflexível e
zangado e as piadas do roteiro, que é muito bem escrito e muito engraçado”.


“O capitão Dickson é um cara que faria você se mijar de medo, mas a quem você quer
agradar acima de tudo”, explica Lord sobre por que Ice Cube é perfeito para o papel.
“Ice Cube me intimida de um modo absurdo, isso é algo que tem a ver comigo mesmo;
tem algo a ver com as suas sobrancelhas. Na verdade, ele é um cara muito legal,
superamistoso e muito inteligente. Conhecê-lo era um antigo sonho meu. Como devo
chamá-lo? Sr. Cube? Ice?”


Ice Cube vibrou em fazer parte do projeto, especialmente com a perspectiva de voltar a
trabalhar com Neal H. Moritz. “Conheço o Neal há muitos anos, há mais de uma
década”, explica ele. “Atuei em alguns filmes que ele produziu – Fúria em Duas Rodas
(Torque) e xXx2 – Estado de Emergência (xXx: State of the Union). Eu adoro trabalhar
com ele e este filme é perfeito para ele: é ‘engraçado e furioso’”.


Obviamente, não há muita coisa com a qual Ice Cube possa se identificar na trama de
Anjos da Lei (21 Jump Street). O que ele gostaria de mudar acerca da sua
experiência no ensino médio? “No meu último ano, deixei de jogar futebol para me
concentrar na música”, relembra o ator. “Se eu voltasse, eu jogaria futebol nesse último
ano, mas é só isso. Eu era um dos garotos mais populares da minha escola, não
preciso mudar essa parte”.




O ELENCO


JONAH HILL (Schmidt/Argumento/Produtor Executivo) rapidamente se tornou um dos
atores mais requisitados de Hollywood, em parte, à sua dinâmica evolução de astro de
comédias rasgadas o indicado ao Globo de Ouro, ao SAG e ao Oscar® de Melhor Ator
Coadjuvante de 2011 com seu desempenho em O Homem Que Mudou o Jogo
(Moneyball), no qual contracenou com Brad Pitt e Philip Seymour Hoffman. O Homem
Que Mudou o Jogo (Moneyball) retrata a tentativa do general manager da Major
League Baseball, Billy Beane (Pitt), de formar uma equipe de beisebol se utilizando de
um computador e análises estatísticas para convocar jogadores com a melhor relação
custo-benefício. Dirigido por Bennett Miller (Capote) para a Columbia Pictures, o filme
foi recebido com adoração por parte da crítica em todo os Estados Unidos e foi
indicado ao Globo de Ouro de Melhor Filme – Drama e ao Oscar® de Melhor Filme.


2010 foi um ano de transição na carreira de Hill, pois ele se libertou do estereótipo de
ator de comédias, encarnando um personagem mais sério ao interpretar o papel-título
da comédia de humor negro, Cyrus, dirigida por Jay e Mark Duplass. Hill interpretou o
filho de Marisa Tomei (Molly) que cria barreiras psicológicas ao envolvimento de sua
mãe com John, interpretado por John C. Reilly. O filme estreou no Festival de Cinema
de Sundance de 2010 sendo recebido com elogios pela crítica e indicado ao prêmio
BFCA de Melhor Filme de Comédia.


Hill coestrelou com Michael Cera no aclamado, Superbad – É Hoje (Superbad),
produzido por Judd Apatow, dirigido por Greg Mottola e escrito por Seth Rogen & Evan
Goldberg, o primeiro filme de grande sucesso que realmente inscreveu o ator no rol dos
grandes comediantes. Desde então, Hill se tornou presença constante no clã de
Apatow, estrelando as comédias de verão produzidas por Apatow, O Pior Trabalho do
Mundo (Get Him to the Greek), em 2010, Tá Rindo Do Quê? (Funny People), em 2009,
e Ressaca de Amor (Forgetting Sarah Marshall), em 2008. Seu primeiro filme para a
Apatow Productions foi O Virgem de 40 Anos (The 40-Year-Old Virgin), de 2005.


Ele também emprestou sua voz aos filmes da DreamWorks Animation, Megamente
(Megamind) e Como Treinar o Seu Dragão (How to Train Your Dragon), que
arrecadaram US$ 322 milhões de dólares e US$ 495 milhões, respectivamente, em
todo o mundo. Uma sequência de Dragon já está confirmada para 2014. Hill também
dublou o personagem Tommy, de Horton e o Mundos dos Quem! (Dr. Suess’ Horton
Hears a Who!), que arrecadou US$ 297 milhões de dólares no mundo todo.


Mais recentemente, concluiu as filmagens de Neighborhood Watch, contracenando
com Ben Stiller e Vince Vaughn. A comédia gira em torno de um grupo de pais de
família que formou um grupo de vigilância no bairro, mas que acaba descobrindo que
estão, na verdade, protegendo o bairro contra um plano ambicioso de destruir toda a
Terra. O filme da 20th Century Fox tem lançamento previsto para 27 de julho.


O dedicado e ambicioso ator de 28 anos estreou recentemente na direção. Em 2011,
ele dirigiu o videoclipe de Sara Bareilleis, “Gonna Get Over You”. Também coescreveu,
criou e dublou o personagem-título da série de animação elogiada pela crítica, Allen
Gregory, da Fox Television, em 2011.


Hill vem confirmando o seu lugar entre os grandes atores/roteiristas da nova geração,
coescrevendo atualmente The Adventurer’s Handbook, no qual também coestrelará
com Jason Segel. Ele também está escrevendo Pure Imagination, uma comédia
produzida por Apatow da qual ele também será produtor executivo. Recentemente, foi
produtor associado da comédia de Sacha Baron Cohen, Bruno, e produtor executivo de
O Babá(ca) (The Sitter).


O ator começou a sua carreira atuando em esquetes teatrais de uma única cena que
ele escrevia e interpretava no bar Black & White, de Nova York. Depois de conseguir
um papel em Huckabees – A Vida É Uma Comédia (I Heart Huckabees), dirigido por
David O. Russell e coestrelado por Dustin Hoffman e Lilly Tomlin, sua carreira
rapidamente decolou.




CHANNING TATUM (Jenko/ Produtor Executivo) é um dos jovens atores mais
requisitados de Hollywood, já tendo conquistado seu lugar como um dos grandes
astros cinematográficos da nova geração.


Mais recentemente, estrelou o thriller de espionagem de Steven Soderbergh, À Toda
Prova (Haywire), contracenando com Gina Carano, Ewan McGregor, Michael
Fassbender e Michael Douglas, além do drama romântico Para Sempre (The Vow),
coestrelado por Rachel McAdams. Ambos os filmes se encontram em exibição no
momento.
Em seguida, Tatum será visto no filme da Warner Bros., Magic Mike, dirigido por
Steven Soderbergh e coestrelado por Matthew McConaughey, Alex Pettyfer, Matt
Bomer e Joe Manganiello. O filme, produzido por Tatum e seu sócio na Iron Horse
Production, Reid Carolin, que também escreveu o roteiro, tem ainda como produtores
Nick Wechsler, Gregory Jacobs e Steven Soderbergh. A história gira em torno do
mundo que Channing Tatum conheceu quando trabalhava como stripper aos 18 anos.
O filme será lançado em 29 de junho de 2012.


Tatum também será visto no longa-metragem Ten Year, produzido por ele e seu sócio,
Reid Carolin, através da sua produtora, a Iron Horse. O filme segue o personagem de
Tatum em sua reunião de ex-alunos do ensino médio, enquanto ele tenta decidir se vai
quer ou não pedir a sua namorada em casamento. Coestrelado por Jenna Dewan,
Rosario Dawson, Lynn Collins, Kate Mara, Anna Faris, Brian Geraghty, Justin Long e
Chris Pratt, o filme foi exibido no Festival de Cinema de Toronto de 2011 e será
lançado pela Anchor Bay na primavera de 2012.


Outros créditos recentes de Tatum incluem o thriller policial, Anti-Heróis (The Son of No
One), no qual coestrelou com Al Pacino e Katie Holmes. O filme estreou em Sundance,
em janeiro de 2011, tendo sido lançado em 4 de novembro de 2011.


Em 2011, estrelou a aventura épica romana, A Águia da Legião Perdida (The Eagle),
dirigida pelo vencedor do Oscar®, Kevin Macdonald, e produzida por Duncan
Kenworthy. Tatum coestrelou com Jamie Bell e Donald Sutherland.


Em 2010, coprotagonizou com Amanda Seyfried no sucesso de bilheteria da Sony
Screen Gems, Querido John (Dear John), baseado na adaptação do bestseller de
Nicolas Sparks (The Notebook). Ele interpretou um soldado que, durante um período
de licença no serviço militar, conhece e se apaixona por uma jovem (Seyfried). Lasse
Hallstrom (Regras da Vida [The Cider House Rules], Chocolate [Chocolat]) dirigiu o
roteiro adaptador por Jamie Linden. O filme arrecadou mais de US$ 100 milhões de
dólares no mundo todo.


Em agosto de 2009, foi visto no sucesso da Paramount Pictures, G.I. Joe - A Origem de
Cobra (G.I. Joe), dirigido por Stephen Sommers e coprotagonizado por Sienna Miller,
Marlon Wayans e Dennis Quaid. Ele reprisará seu papel em G.I. Joe 2, com
lançamento marcado para 29 de junho de 2012.


Em abril de 2009, coestrelou com Terrance Howard no filme da Universal/Rogue
Pictures, Veia de Lutador (Fighting), dirigido por Dito Montiel. Tatum interpretou Sean
Arthur, um jovem lutando para sobreviver nas ruas de Nova York quando é descoberto
por um olheiro veterano (Howard) e atraído ao mundo perigoso das lutas clandestinas
de rua.


Em março de 2008, Tatum estrelou o drama da Paramount Pictures, Stop-Loss – A Lei
da Guerra (Stop/Loss), do diretor aclamado pela crítica, Kimberly Peirce (Boys Don’t
Cry) e do produtor Scott Rudin.


Em 2006, Tatum recebeu indicações ao Independent Spirit e ao prêmio Gotham com
seu desempenho poderoso no filme independente, Santos e Demônios (A Guide to
Recognizing Your Saints), que recebeu o Prêmio Especial do Júri na categoria Melhor
Elenco e um prêmio para o diretor Dito Montiel no Festival de Cinema de Sundance de
2006. Escrito e dirigido por Montiel, o filme foi baseado na biografia de Montiel
publicada em 2003 com o mesmo título. Este drama impactante sobre o
amadurecimento se passa na Astoria da década de 1980 e segue a vida podre e
violenta de Montiel da juventude (interpretado por Shia LaBeouf) à maturidade
(interpretado por Robert Downey Jr.). Seu pai é interpretado por Chazz Palminteri e
Tatum interpreta Antonio, o melhor amigo de Dito.
Em março de 2006, Tatum coprotagonizou com Amanda Bynes em Ela é o Cara (She’s
The Man) da Dreamworks. O filme foi dirigido por Andy Fickman e produzido por
Lauren Shuler Donner.


Em agosto de 2006, estrelou o sucesso de público Ela Dança, Eu Danço (Step Up),
dirigido por Anne Fletcher e produzido por Adam Shankman. O filme gira em torno de
Tyler Gage, interpretado por Tatum, um delinquente juvenil que é condenado a prestar
serviços comunitários em uma escola de artes cênicas do ensino médio.


Tatum nasceu no Alabama e cresceu na Flórida. Atualmente, mora em Los Angeles
com a mulher, Jenna Dewan.




BRIE LARSON (Molly) coestrela com Toni Collett, no papel da sua filha rebelde, Kate,
a série de sucesso da Showtime, United States of Tara, criada pela roteirista vencedora
do Oscar®, Diablo Cody, e baseada no argumento original de Steven Spielberg.


No cinema, foi vista mais recentemente em Rampart, sob a direção de Oren
Moverman, contracenando com Woody Harrelson e Robin Wright. Ela também atuou
em Scott Pilgrim Contra o Mundo (Scott Pilgrim vs. the World), de Edgar Wright, e
Greenberg, de Noah Baumbach, bem como nos filmes independentes, East Fifth Bliss,
coestrelado por Michael C. Hall, no drama sobre o amadurecimento, Tanner Hall, e na
comédia de humor negro, Just Peck, coestrelada por Marcia Cross e Kier Gilchrist. E foi
aclamada pela crítica por seu desempenho no longa-metragem independente,
Remember the Daze.


Natural de Sacramento, começou a estudar artes cênicas aos seis anos e foi a aluna
mais jovem a ingressar no American Conservatory Theater, de São Francisco.
Recentemente, atuou na montagem teatral de Our Town, de Thornton Wilder, no
Williamstown Theater Festival, no papel de Emily Webb.
Paralelamente à carreira de atriz, Larson escreve e dirige, tendo codirigido e coescrito
o curta-metragem, The Arm, exibido em sua estreia no Festival de Cinema de
Sundance de 2012 e agraciado com o Prêmio Especial do Júri de Melhor Roteiro
Cômico.




DAVE FRANCO (Eric) protagonizou recentemente o filme de terror da DreamWorks, A
Hora do Espanto (Fright Night), assim como a série Funny or Die da internet, em Acting
With James Franco. O primeiro episódio da série, Sense Memory, é um dos vídeos
mais vistos de Funny or Die, tendo atraído mais de 120.000 visitas em seu primeiro
mês de exibição. Franco também escrever o roteiro e protagonizou seu próprio vídeo
para Funny or Die, You’re so Hot, com Christopher Mintz-Plasse, que teve mais de um
milhão de acessos. Em seguida, lançou Go F--- Yourself, que até o momento já atraiu
quase 800.000 acessos. Franco também coestrelou com Emma Roberts no MTV Super
Video for Cults, Go Outside, assistido por mais de meio milhão de pessoas online.
Ávido escritor, Franco começou a escrever muito antes de começar a atuar.


Franco integrou o elenco regular da popular série da rede ABC, Scrubs. Seus demais
créditos televisivos incluem Do Not Disturb, da Fox, a comédia para a família de
sucesso da ABC, Greek e, mais recentemente, Privileged, do CW.


Recentemente, o ator concluiu as filmagens do thriller de terror, Sangue Quente (Warm
Bodies), contracenando com Nicholas Holt e John Malkovich e atualmente está
filmando Now You See Me, estrelado por Mark Ruffalo, Jesse Eisenberg e Morgan
Freeman; ambos os projetos são para a Summit. Nas telonas foi visto no filme de the
Noah Baumbach, Greenberg, estrelado por Ben Stiller, e em A Morte e a Vida de
Charlie (Charlie St. Cloud). Seus demais créditos cinematográficos incluem Superbad –
É Hoje (Superbad), Milk – A Voz da Igualdade (Milk), de Gus Van Sant, e The Shortcut.


Franco também escreveu e estrelou o curta-metragem, Would You, que foi aceito na
competição da edição deste ano do Festival de Cinema SXSW.
Além de atuar, Franco continua escrevendo e acaba de finalizar vários roteiros
cinematográficos. Atualmente, ele mora em Los Angeles.




ROB RIGGLE (Sr. Walters) foi visto em inúmeras comédias do cinema nos últimos 15
anos. Além de atuar em Anjos da Lei (21 Jump Street), sua voz pode ser ouvida
atualmente no longa-metragem de animação, O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida
(Dr. Seuss’s The Lorax), no papel do equivocado porém carismático vilão, O’Hare. O
filme, uma adaptação de um popular livro de Dr. Seuss, está no momento em cartaz.


Riggle é conhecido por seus personagens memoráveis em comédia de grande êxito
como Se Beber, Não Case! (The Hangover), na qual interpretou o Policial Franklin, um
dos tiras que tem a chance de se vingar dos padrinhos do noivo depois que eles
roubam a sua radiopatrulha. Ele também se tornou popular após quatro anos como
correspondente da produção premiada com vários Emmys, The Daily Show With Jon
Stewart, e atuou em comédias clássica como Ricky Bobby – À Toda Velocidade
(Talladega Nights: The Ballad of Ricky Bobby), Quase Irmãos (Step Brothers) e Os
Outros Caras (The Other Guys), bem como Larry Crowne – O Amor Está de Volta
(Larry Crowne), com Tom Hanks e Julia Roberts.


Riggle começou sua carreira como comediante em 1997, na cidade de Nova York,
enquanto ainda estava na ativa no Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos.
Assim como muitos grandes comediantes antes dele, ele começou na Upright Citizens
Brigade, como aluno, passando a lecionar lá posteriormente. Sua dedicação na UCB
acabou lhe valendo um luar na meca da comédia, Saturday Night Live, realizando um
dos seus maiores sonhos.


Enquanto fazia o público rir ao redor do mundo, continuou na ativa no serviço militar
como Marine. Ele entrou para o Corpo de Fuzileiros Navais aos 19 anos, em 1990,
galgando sucessivos postos e tendo esvido em inúmeros países, incluindo a Albânia, a
Libéria e o Afeganistão. Promovido a tenente-coronel em abril de 2009, Riggle segue
sendo reservista dos Marines. Ele serviu durante um total de 22 anos, 9 dos quais na
ativa e 13 na reserva.


Rob Riggle nasceu em Louisville, no Kentucky, e foi criado em Overland Park, no
Kansas. Estudou na Mission South High School e cursou a Universidade de Kansas,
onde nasceu seu amor pelo time dos Jayhawks. Bacharelado em Teatro & Cinema,
obteve posteriormente um mestrado em Administração Pública. Atualmente, mora em
Los Angeles com a mulher e os dois filhos do casal.




ICE CUBE (Capitão Dickson) é, inquestionavelmente, um das forças mais dinâmicas
tanto do cinema quanto da música. Começou sua carreira no revolucionário e polêmico
grupo de rap, NWA, e se converteu no primeiro artista do grupo a obter um disco de
platina em sua carreira solo. Ice Cube fez uma transição natural a astro do cinema,
com sua estreia no filme de 1991, Os Donos da Rua (Boyz n the Hood). Até a presente
data, seus filmes já arrecadaram mais de US$ 1 bilhão de dólares nas bilheterias e
seus discos já venderam mais de 10 milhões de cópias.


Recentemente, coestrelou com Woody Harrelson em Rampart, dirigido por Oren
Moverman (The Messenger). Também coprotagonizou com Keke Pálmer, Quem Diria?!
(The Longshots), baseado na história verídica da jovem de 11 anos, Jasmine Plummer,
estudante formada com mérito e campeã nacional de luta que se tornou a primeira
mulher a jogar como na defesa como quarterback no campeonato Pop Warner de
futebol americano de 2003.


The Longshots estreou na mesma semana do lançamento do seu oitavo disco solo,
Raw Footage, que estreou em primeiro lugar nas paradas de rap e R&B dos Estados
Unidos. Os dois lançamentos coincidiram também com a finalização de Janky
Promoters, que Cube não só protagonizou, mas também produziu a partir de um roteiro
escrito por ele próprio. Antes disso, no início de 2008, ele havia produzido e
coestrelado com Katt Williams e Tracy Morgan a comédia de sucesso, First Sunday,
dirigida por David E. Talbert para a Screen Gems.


Aclamado como ator, Cube se posicionou do outro lado das câmeras quando escreveu,
produziu e estrelou o sucesso cult de 1995, Sexta-Feira em Apuros (Friday).
A agora clássica comédia gerou uma franquia popular com o lançamento de Mais uma
Sexta-Feira em Apuros (Next Friday), em 2000, e A Mais Louca Sexta-Feira em Apuros
(Friday After Next), em 2002. Até o momento, a franquia Friday já arrecadou cerca de
US$ 200 milhões de dólares somados os faturamentos do cinema, homevideo, trilha
sonora e vendas de DVDs.


Cube teve outro desempenho de digno de destaque no sucesso de crítica, Três Reis
(Three Kings), no qual coestrelou com George Clooney e Mark Wahlberg. Sua
interpretação foi aclamadíssima pela crítica e o filme foi eleito como um dos 10
melhores de 1999 pelas revistas Time, Newsweek e pela Associação Nacional de
Críticos. Seus demais créditos cinematográficos incluem xXx2 – Estado de Emergência
(xXx: State of the Union), Fúria em Duas Rodas (Torque), de Joseph Kahn, Anaconda,
Os Saqueadores (Trespass), The Glass Shield, Duro Aprendizado (Higher Learning) e
Área de Risco (Dangerous Ground).


Cube dirige a sua própria produtora, a Cube Vision, através da qual produziu ou foi
produtor executivo de nove filmes. Além da franquia Friday, eles incluem também Um
Salão do Barulho 2 (Barbershop 2: Back To Business), a sequência do filme original,
Uma Turma do Barulho (Barberhop), tendo protagonizado ambas para a MGM, bem
como As Férias da Minha Vida (Beauty Shop), estrelado por Queen Latifah. Cube
Vision também produziu The Players Club, que marcou a sua estreia diretorial.


Em 2003, a Cube Vision fechou um contrato com o Revolution Studios (e a Columbia
Pictures) e seu primeiro lançamento foi a comédia para a família, Querem Acabar
Comigo (Are We There Yet?), produzida e estrelada por Cube. O filme arrecadou mais
de US$ 80 milhões de dólares nos Estados Unidos e em 2007 se seguiu o lançamento
de Are We Done Yet?, que arrecadou mais de US$ 50 milhões de dólares. Em 2010,
entrou em exibição a série de TV, Are We There Yet?, no TBS, com Cube coo produtor
executivo.


Apesar do aumento da sua presença na indústria cinematográfica, Ice Cube segue com
sua prolífica carreira na música. Sua impressionante trajetória musical inclui dois discos
de platina pelos Volumes 1 e 2 do seu álbum duplo, War and Peace. Como artista solo,
Cube gravou discos de grande sucesso como Lethal Injection, Bootlegs & B-Sides, The
Predator e Amerikkka's Most Wanted. O sucesso de vendas, Laugh Now, Cry Later, o
primeiro disco de Ice Cube lançado pelo seu próprio selo fonográfico, Lench Mob
Records, foi o maior êxito do hip-hop independente em 2006.


Como se a carreira de Cube no cinema e na música não o mantivessem
suficientemente ocupado, em 2007, ele se associou com a prestigiosa McNally Smith
College of Music, de St. Paul, Minnesota, instituindo uma bolsa anual de estudos
musicais. A Bolsa de Estudos Ice Cube é concedida, anualmente, a um aluno do
departamento de tecnologia musical. Ice Cube seleciona pessoalmente o ganhador,
tendo em conta sua criatividade, seu talento e habilidades para desenvolver uma
música com elementos que ele mesmo fornece como base. Também em 2007, Ice
Cube e seu colaborador de longa data, DJ Pooh, anunciaram o lançamento da
UVNTV.com, a primeira televisão online do mundo em tempo real.




A EQUIPE TÉCNICA


PHIL LORD (Diretor) é mais conhecido como corroteirista e codiretor do longa-
metragem de animação da Sony Pictures Animation, Tá Chovendo Hambúrguer
(Cloudy With A Chance of Meatballs). O filme, que Lord adaptou com seu velho amigo
Christopher Miller, é livremente baseado no adorável livro infantil homônimo. A
sensibilidade cômica única de Lord e Miller lhes valeu indicações ao Globo de Ouro e
ao prêmio Critics Choice de Melhor Longa-Metragem de Animação, além de quatro
indicações ao Annie Award de animação, incluindo os de Melhor Direção e Melhor
Roteiro.


A dupla começou a dirigir a comédia de aventura de animação, Lego: The Piece of
Resistance, para a Warner Bros.


A parceria de Lord e Miller teve início quando eles se conheceram na Dartmouth
College. Eles alegam que foi graças a um engano que a dupla foi contratada para
desenvolver os cartoons das manhãs de sábado para a Walt Disney Company. O
emprego os levou a desenvolver séries de animação para o horário nobre para
Touchstone Television. Em 2002, foram produtores executivos, roteiristas e diretores
da série de animação, Clone High, da MTV, que apesar da sua vida curta gerou um
incrível boca a boca. A série foi aclamada pela crítica por suas personalidades únicas e
bem desenvolvidas, bem como por seus diálogos inteligentes e dinâmicos, mas talvez
seja mais conhecida por ter causado uma greve de fome na Índia, sendo rapidamente
cancelada. Lord dublou os personagens do diretor Scudworth, Genghis Khan e
Geldhemoor, o Humkeycorn.


Na televisão, Lord e Miller foram coprodutores executivos de How I Met Your Mother, a
sitcom do horário nobre premiada com um Emmy, que estreou na CBS em setembro de
2005; e produtores executivos de vários pilotos engavetados, incluindo Awesometown,
apresentando a trupe cômica The Lonely Island, e o piloto de Phil Hendrie,
apresentando o gênio radiofônico homônimo. Eles também foram produtores-
consultores de Jake in Progress e Cracking Up, supervisores de produção de Method &
Red e de Luis, e redatores de Zoe, Duncan, Jack & Jane. Lord bacharelou-se com
distinção honrosa em História da Arte pela Dartmouth College. Seu curta-metragem
universitário de animação, Man Bites Breakfast venceu o prêmio de Melhor Animação
no Festival de Cinema e Vídeo de New England de 1998 e também foi exibido em
inúmeros outros festivais, incluindo ASIFA East e ASIFA São Francisco. Ele nasceu em
Coconut Grove, Flórida, e gosta de ciclismo.
CHRISTOPHER MILLER (Diretor) é mais conhecido como corroteirista e codiretor do
longa-metragem de animação da Sony Pictures Animation, Tá Chovendo Hambúrguer
(Cloudy With A Chance of Meatballs). O filme, que Lord adaptou com seu velho amigo
Phil Lord, é livremente baseado no adorável livro infantil homônimo. A sensibilidade
cômica única de Lord e Miller lhes valeu indicações ao Globo de Ouro e ao prêmio
Critics Choice de Melhor Longa-Metragem de Animação, além de quatro indicações ao
Annie Award de animação, incluindo os de Melhor Direção e Melhor Roteiro.


A dupla começou a dirigir a comédia de aventura de animação, Lego: The Piece of
Resistance, para a Warner Bros.


A parceria de Lord e Miller teve início quando eles se conheceram na Dartmouth
College. Eles alegam que foi graças a um engano que a dupla foi contratada para
desenvolver os cartoons das manhãs de sábado para a Walt Disney Company. O
emprego os levou a desenvolver séries de animação para o horário nobre para
Touchstone Television. Em 2002, foram produtores executivos, roteiristas e diretores
da série de animação, Clone High, da MTV, que apesar da sua vida curta gerou um
incrível boca a boca. A série foi aclamada pela crítica por suas personalidades únicas e
bem desenvolvidas, bem como por seus diálogos inteligentes e dinâmicos, mas talvez
seja mais conhecida por ter causado uma greve de fome na Índia, sendo rapidamente
cancelada. Miller dublou os personagens de John F. Kennedy e o sr. Butlertron.


Na televisão, Lord e Miller foram coprodutores executivos de How I Met Your Mother, a
sitcom do horário nobre premiada com um Emmy, que estreou na CBS em setembro de
2005; e produtores executivos de vários pilotos engavetados, incluindo Awesometown,
apresentando a trupe cômica The Lonely Island, e o piloto de Phil Hendrie,
apresentando o gênio radiofônico homônimo. Eles também foram produtores-
consultores de Jake in Progress e Cracking Up, supervisores de produção de Method &
Red e de Luis, e redatores de Zoe, Duncan, Jack & Jane.
Enquanto ainda cursava a faculdade, Miller venceu o prêmio do Festival de Cinema e
Vídeo de New England de 1998 com seu curta-metragem de animação, Sleazy Goes to
France. Ele também foi editor-chefe da revista de humor do campus da Dartmouth
College, The Jack-O-Lantern.


Miller nasceu em Lake Stevens, Washington. Ele deixou sua cidade para cursar a
universidade de Dartmouth, onde conheceu Phil Lord, de quem é amigo até hoje,
enquanto concluía os cursos em Estudos Políticos e Arte: três grandes realizações em
sua vida, duas das quais continuam lhe sendo úteis em sua carreira.




MICHAEL BACALL (Argumento/Roteiro) é um roteirista polivalente, autor de obras
originais e adaptações que abrangem múltiplos gêneros. Roteirista do aclamado Scott
Pilgrim Contra o Mundo (Scott Pilgrim vs. The World, baseado na HQ de Bryan Lee
O’Malley), Bacall tem talento para escrever narrativas inteligentes e engraçadas e uma
tendência a explorar o lado negro do comportamento humano. Recentemente, assinou
o roteiro do filme, Project X, atualmente em cartaz.


Ele começou a sua carreira como ator, interpretando Arturo Bandini na adaptação
produzida por Coppola de Wait Until Spring Bandini, de John Fante. Também atuou
ainda criança em produções clássica da televisão como The A-Team e Columbo. Fez a
emocionante transição para o ofício de roteirista ao escrever um papel para si mesmo
contracenando com Don Cheadle, Joseph Gordon-Levitt e Zooey Deschanel em Manic.


Mais recentemente, atuou em Bastardos Inglórios (Inglourious Basterds), À Prova de
Morte (Death Proof) e Contra-Corrente (Undertow), e, em breve, poderá ser visto em
Django Unchained e The Gangster Squad.


Atualmente, Bacall está adaptando The New Cool, de Neal Bascomb, para Scott Rudin,
tendo adaptado recentemente Little Girl Lost, de Richard Áleas, uma versão atualizada
do icônico detetive americano para a Marc Platt Productions e a Universal. Todd
Phillips produzirá seu roteiro original, Psycho Funky Chimp, uma grande batalha entre
dois colecionadores obsessivos pelas embalagens de balas Pez. Bacall está
desenvolvendo The Untitled Les Grossman Project para a Red Hour Productions e a
Paramount, baseado no personagem de Tom Cruise no popular filme, Trovão Tropical
(Tropic Thunder).


Bacall mora em Los Angeles com seu babuíno de estimação, Shakma.




NEAL H. MORITZ (Produtor), fundador da Original Film, é produtor de cinema e
televisão há mais de três décadas. Seu lançamento mais recente, Velozes Cinco (Fast
5), o quinto longa da franquia Velozes e Furiosos (The Fast and the Furious), trouxe de
volta of Vin Diesel, Paul Walker, Jordana Brewster e Tyrese, e introduziu Dwayne “The
Rock” Johnson à equipe. O filme arrecadou US$ 86 milhões de dólares na sua abertura
e faturou mais de US$ 626 milhões em todo o mundo.


Atualmente, está trabalhando na pós-produção de Jack the Giant Killer, da Warner
Bros., dirigido por Bryan Singre, e O Vingador do Futuro (Total Recall), dirigido por Len
Wiseman (Live Free or Die Hard), estrelado por Colin Farrell, bem como R.I.P.D., da
Universal Pictures, estrelado por Ryan Reynolds, Jeff Bridges e Kevin Bacon.


2012 será um ano agitado para a produtora Original Film. No próximo verão, inicia-se a
produção do sexto e do sétimo filmes da franquia Velozes e Furiosos, bem como do
longa financiado pela IM Global, Dead Man Down, estrelado por Colin Farrell e Noomi
Rapace, e dirigido por Neils Arden Opvel (da trilogia sueca Millenium – Os Homens
Que Não Amavam as Mulheres (The Girl With the Dragon Tattoo). A refilmagem da
Summit Entertainment de Highlander também começará a ser produzida este ano, sob
a direçao de Juan Carlos Fresnadillo.


Sua filmografia de mais de 40 títulos inclui The Change-Up, Invasão do Mundo: Batalha
de Los Angeles (Battle: Los Angeles), O Besouro Verde (The Green Hornet), a série
Velozes e Furiosos (The Fast and Furious), Eu Sou a Lenda (I Am Legend), xXx - Triplo
X (xXx), S.W.A.T., O Melhor Amigo da Noiva (Made of Honor), A Gangue está em
Campo (Gridiron Gang), Caçador de Recompensa (Bounty Hunter), A Volta do Todo-
Poderoso (Evan Almighty), Doce Lar (Sweet Home Alabama), Click, Ponto de Vista
(Vantage Point), Por um Triz (Out of Time), Um Tira Muito Suspeito (Blue Streak),
Segundas Intenções (Cruel Intentions), Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado
(I Know What You Did Last Summer), Sociedade Secreta (The Skulls), Volcano - A
Fúria (Volcano), Lenda Urbana (Urban Legend) e Juice. O faturamento da Original Film
nas bilheterias ultrapassa a marca dos US$ 2 bilhões de dólares.


Seus créditos televisivos incluem o telefilme da HBO, Os Maiorais (The Rat Pack), que
recebeu 11 indicações ao Emmy, a série dramática Prison Break, da Twentieth Century
Fox, e a nova série premiada da Showtime, The Big C, estrelada por Laura Linney, que
venceu um Globo de Ouro em 2011 no papel de Cathy.


Formado em Economia na UCLA, Mortiz fez pós-graduação em Produção de Cinema
no programa Peter Stark da University of Southern California.




Escritor e produtor agraciado com os prêmios Emmy e o People’s Choice e chairman
do Cannell Studios, STEPHEN J. CANNELL (Produtor/Baseado na Série Televisiva
Criada por) foi um dos roteiristas mais prolíficos da história da televisão. Numa carreira
altamente bem-sucedida que se estendeu por mais de três décadas, ele criou ou
cocriou mais de 40 produções de TV, tendo sido roteirista de mais de 450 episódios e
produtor ou produtor executivo de mais de 1.500 episódios. Seus maiores sucessos
incluem The Rockford Files, Greatest American Hero, The A-Team, Hunter, Riptide,
Hardcastle & McCormick, Anjos da Lei (21 Jump Street), Wiseguy, The Commish,
Profit, e as séries exibidas em rede nacional, Renegade e Silk Stalkings. Como ator,
interpretou papéis recorrentes em Renegade e na popular série da ABC-TV, Castle.
Antes de sua morte prematura, estava produzindo uma lista de filmes independentes
bem como telefilmes para a Cannell TV, entre os quais Anjos da Lei (21 Jump Street)
e The Greatest American Hero, bem como Esquadrão Classe A (The A-Team), lançado
nos cinemas de todo o mundo em junho de 2010.


Após vender seu estúdio, Stephen Cannell passou a integrar a lista de autores best-
seller do New York Times com 18 romances, e mais recentemente com a aclamada
série Shane Scully, que inclui The Prostitute’s Ball, The Pallbearers, On The Grind,
Three Shirt Deal, White Sister, Cold Hit, Vertical Coffin, Hollywood Tough, The Viking
Funeral e The Tin Collectors. A edição mais recente, Vigilante, foi lançada em 6 de
dezembro de 2011 pela St. Martin’s Press. Além disso, Cannell é autor de At First
Sight, Runaway Heart, The Devil’s Workshop, Riding the Snake, King Con, Final Victim,
e The Plan.


Nos últimos anos, foi agraciado com inúmeros prêmios, incluindo o Paddy Chayefsky
Laurel Award do Sindicato dos Autores dos Estados Unidos, o prêmio Marlowe Mystery
Writers of America pelo conjunto da obra, o NATPE Brandon Tartikoff Legacy Award,
inúmeros prêmios Saturn, o Final Draft Hall of Fame Award de 2008, que reconhece
luminares da indústria do entretenimento que promovem a arte da escritura de roteiros,
bem como o Caucus for Writers, Producers and Directors Award como produtor.


Uma força criativa indomável, Cannell também era um arguto homem de negócios. Em
1979, fundou a sua própria produtora independente, a Stephen J. Cannell Productions,
a fim de obter o controle criativo sobre os materiais que ele escrevia e produzia. Sete
anos mais tarde, fundou o The Cannell Studios para supervisionar todos os aspectos
operacionais da companhia. Após ultrapassar a marca de US$ 1 bilhão de dólares em
investimentos em produção, o estúdio testemunhou um incrível crescimento e
diversificação em área como produção (filmes, minisséries e comerciais),
merchandising, diversas emissoras de televisão e programação original. A Stephen J.
Cannell Productions ainda detém os direitos de distribuição mundial de mais de 1.000
horas de séries e telefilmes produzidos pela Cannell.
Tendo superado uma grave dislexia, Cannell era um ávido palestrante acerca da
doença e um defensor em prol de crianças e adultos com distúrbios de aprendizagem.
Californiano de terceira geração, cresceu em Pasadena e deixa a esposa, Marcia, com
quem foi casado durante 46 anos, filhos e netos.


Os admiradores de Stephen J. Cannell podem se informar sobre suas produções de
TV, livros e projetos cinematográficos através do site: www.cannell.com




Roteirista, produtor e diretor, PATRICK HASBURGH (Baseado na Série Televisiva
Criada por) começou a sua carreira como redator e editor de história da equipe da
popular série televisiva da ABC, The Greatest American Hero, estrelada por Bill Katt e
Robert Culp. Também desenvolveu e foi produtor do blockbuster da NBC, The A-Team,
juntamente com seus colegas Stephen J. Cannell e Frank Lupo, escrevendo inúmeros
dos episódios iniciais do seriado. Hasburgh foi cocriador, produtor executivo e produtor
de Hardcastle & McCormick, uma popular série exibida ao longo de três temporadas
pela ABC, estrelada por Brian Keith, para a qual escreveu mais da metade dos seus
episódios. Também escreveu e foi produtor executivo de MOW Destination America, da
ABC, estrelada por Bruce Greenwood e Rip Torn.


Anjos d Lei (21 Jump Street), o primeiro seriado de sucesso da FOX e um grande êxito
de audiência durante cinco anos, também foi escrito e criado por Hasburgh. Ele foi o
único autor do piloto da série, da qual foi produtor executivo, redator-chefe e produtor e
possui o crédito de ter lançado a carreira do incrivelmente talentoso Johnny Depp.
Após Anjos da Lei, Hasburgh criou, escreveu e foi produtor executivo de Glory Days,
uma minissérie da FOX estrelada por Brad Pitt, bem como de outra série da ABC,
Sunset Beat, estrelada por George Clooney; ambas as séries foram produzidas e são
de propriedade da Patrick Hasburgh Productions.
Hasburgh escreveu e dirigiu Aspen Extreme para a Hollywood Pictures/Disney, um cult
clássico e eterno sucesso nas temporadas de esqui. Juntamente com Steven
Spielberg, Hasburgh foi produtor executivo de seaQuest, da NBC, estrelada por Roy
Schieder, tendo entrado como roteirista-chefe e produtor na metade da primeira
temporada de exibição da série. Mais recentemente, foi produtor executivo de The Net,
da USA Television Network. Ele já produziu mais de 300 horas de programação
televisiva e possui mais de uma centena de roteiros originais produzidos.


Seu primeiro romance, Aspen Pulp, foi publicado em 2005 pela Thomas Dunne
Books/St. Martin’s Press e teve seus direitos adquiridos pela HBO; Hasburgh escreveu
o roteiro do piloto para a sua série.


Em 2008, escreveu o roteiro do piloto de Adam First, uma série televisiva da CBC. Em
agosto de 2010, Patrick vendeu o roteiro do piloto de Aspen Confidential para a FOX
TV Studios. Atualmente, está desenvolvendo uma sequência para Aspen Extreme e
trabalhando no seu segundo romance.


Hasburgh é casado com Cheri Lee Jensen Hasburgh, nascida em Vancouver, a quem
ele conheceu enquanto filmava o piloto de Anjos da Lei (Jump Street) em Vancouver. A
filha do casal, Jensen Grace, nasceu em 5 de julho de 2001, em Aspen, no Colorado.
Seu filho, Wheeler Erickson, nasceu em Invermere, BC, em 20 de dezembro de 2005.
A família Hasburgh mora em Sayulita, Nayarit, México e surfa todos os dias.




EZRA SWERDLOW (Produtor Executivo) reuniu uma extensa filmografia como
produtor de cinema ao longo dos últimos 30 anos, trabalhando com diretores como
Woody Allen, Martin Scorsese, Sydney Pollack, Mike Nichols, Barry Levinson e Mel
Brooks.


Seus créditos mais recentes são o docudrama financeiro de Curtis Hanson aclamado
pela crítica, Grande Demais para Quebrar (Too Big To Fail), estrelado por William Hurt,
Paul Giamatti e Billy Crudup, o filme híbrido de animação digital e live-action da Sony,
Os Smurfs (The Smurfs), a comédia de terror, Zumbilândia (Zombieland), estrelada por
Woody Harrelson e Jesse Eisenberg, bem como o clássico instantâneo da Disney,
Encantada (Enchanted), estrelado por Amy Adams, Patrick Dempsey e James
Marsden. Também foi produtor executivo de Invencível (Invincible), estrelado por Mark
Walhberg.


Swerdlow começou a sua carreira em 1980, como gerente de unidade de produção de
Memórias (Stardust Memories), de Woody Allen. Nos anos seguintes, trabalhou nas
mais diversas funções em produção (incluindo gerente de locação, gerente de unidade
e gerente de produção) de filmes renomados como Tootsie, Arthur – O Milionário
Sedutor (Arthur) e O Rei da Comédia (King of Comedi), antes de ganhar seu primeiro
crédito como produtor em A Era do Rádio (Radio Days), também de Allen.


Seu portfólio diversificado demonstra que ele não teme atuar nos mais diversos
gêneros, como a bem-sucedida adaptação do bestseller de Terry McMillan, Falando de
Amor (Waiting to Exhale), que ele não só produziu, mas também desenvolveu. Foi
ainda produtor executivo de sucessos comerciais e de crítica como Mera Coincidência
(Wag the Dog), Um Pobretão na Casa Branca (Head of State), O Clube das
Desquitadas (The First Wives Club) e A Janela Secreta (Secret Window), estrelado por
Johnny Depp.




TANIA LANDAU (Produtora Executiva) entrou para a Original Film em 2003. Desde
então, ela tem supervisionado projetos para essa empresa dinâmica tais como a
comédia de sucesso de 2006 Click, e também foi a produtora executiva de Ponto de
Vista (Point of View) e O Melhor Amigo da Noiva (Made of Honor).


Nascida na Inglaterra, mudou-se para Los Angeles em meados de 1990. Trabalhou
primeiramente na New Line Cinema sob o comando de Michael De Luca e,
posteriormente, com o produtor Mark Gordon, com o qual trabalhou em Casanova,
estrelado por Heath Ledger.




BARRY PETERSON, csc (Diretor de Fotografia) foi anteriormente diretor de fotografia
de Jumper, Starsky & Hutch, Hollywood Homicide, Dark Blue e Zoolander.




PETER WENHAM (Desenhista de Produção) começou sua carreira como diretor de
arte, tendo sido supervisor de direção de arte de A Supremacia Bourne (The Bourne
Supremacy). Seus créditos nesta última função incluem filmes de grande riqueza de
detalhes, como Diamante de Sangue (Blood Diamond), A Rainha (The Queen) e Kinky
Boots. Começou como desenhista da produção televisiva, Four Fathers, passando e
desenhista de produção de cinema em O Ultimato Bourne (The Bourne Ultimatum).
Mais recentemente, desenhou os filmes da Neal H. Moritz Productions, Velozes Cinco
(Fast Five) e Invasão do Mundo: a Batalha de Los Angeles (Battle: Los Angeles).


Como diretor de arte, seus créditos incluem o seriado da TV britânica, Poirot, bem
como os filmes Firelight, Basil e Um Jogo Duplo (Circus) e os telefilmes Hornblower:
Hornblower: Mutiny, Hornblower: Loyalty e Hornblower: Duty.




JOEL NEGRON (Montador) montou mais recentemente Transformers: O Lado Oculto
da Lua (Transformers: Dark of the Moon) e Transformers: A Vingança dos Derrotados
(Transformers: Revenge of the Fallen), para o diretor Michael Bay, The Karate Kid, para
o diretor Harald Zwart, e A Múmia – Tumba do Imperador Dragão (The Mummy: Tomb
of the Dragon Emperor) para o diretor Rob Cohen.


Seus créditos cinematográficos adicionais incluem a montagem do filme inspirador e
realista, A Gangue Está em Campo (Gridiron Gang), estrelado por Dwayne “The Rock”
Johnson e dirigido por Phil Joanou. Também montou para a Warner Bros. a refilmagem
do clássico A Casa de Cera (House of Wax), produzido por Joel Silver e dirigido por
Jaume Collet-Serra, e o filme de ação, Triplo X (xXx), também para Cohen.


Negron começou a sua carreira como primeiro assistente de montador de James
Cameron em True Lies, montando em seguida quatro longas-metragens do diretor Tim
Burton, Marte Ataca! (Mars Attacks!) e, como montador e montador adicional, A Lenda
do Cavaleiro Sem Cabeça (Sleepy Hollow), O Planeta dos Macacos (Planet of the
Apes), Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas (Big Fish) e Meu Nome é Rádio
(Rádio).


Sua filmografia impressionante inclui créditos como montador do produtor Jerry
Bruckheimer em blockbusters como 60 Segundos (Gone in Sixty Seconds), dirigido por
Dominic Sena; Inimigo do Estado (Enemy of the State), dirigido por Tony Scott; e Pearl
Harbor e Armageddon, ambos dirigidos por Michael Bay.


Ainda garoto, Negron trabalhou com seu pai, o ilustrador e desenhista de produção,
David Negron, preparando storyboards para Indiana Jones e os Caçadores da
Arca Perdida (Raiders of the Lost Ark).




LEAH KATZNELSON (Figurinista) é uma figurinista experiente tanto no cinema quanto
na televisão. Seus créditos cinematográficos incluem A Good Old Fashioned Orgy,
Vovó... Zona 3: Tal Pai, Tal Filho (Big Momma's House 3, Like Father, Like Son) e O
Babá(ca) (The Sitter).




MARK MOTHERSBAUGH (Trilha), compositor premiado com o Emmy, já compôs
trilhas para mais de 70 produções do cinema e da televisão. Destacou-se inicialmente
no mundo da música nos anos 1970 como cantor e tecladista da banda de rock e new
wave progressivo, DEVO, que lançou uma série de discos altamente ecléticos e
satíricos, incluindo Are We Not Men? e Freedom of Choice.
Em meados dos anos 1980, Mothersbaugh começou a compor músicas para
campanhas publicitárias, tendo vencido um prêmio Clio com seu trabalho. Em seguida,
compôs as trilhas de diversos projetos para a televisão, incluindo a memorável canção-
tema e a trilha incidental de Pee-Wee's Playhouse. Assinou, então, a trilha da popular
série infantil, Os Anjinhos (Rugrats). Também compôs a trilha do longa-metragem de
grande sucesso, Rugrats: Os Anjinhos – O Filme (The Rugrats Movie).


Em 1996, Mothersbaugh conheceu Wes Anderson e compôs a trilha do filme do
cineasta muito aclamado pela crítica, Pura Adrenalina (Bottle Rocket). Também
compôs para Anderson as trilhas de Três é Demais (Rushmore), estrelado por Bill
Murray, e Os Excêntricos Tenenbaums (The Royal Tenenbaums), estrelado por Gene
Hackman, Gwyneth Paltrow, Anjelica Huston e Owen Wilson. A Vida Marinha com
Steve Zissou (The Life Aquatic With Steve Zissou) marcou a quarta colaboração de
Mothersbaugh com Anderson.


Seus demais créditos cinematográficos incluem de Os Reis de Dogtown (Lords of
Dogtown) e Aos Treze (Thirteen), de Catherine Hardwicke, Tudo Por um Segredo
(Welcome to Collinwood), de Joe e Anthony Russo, estrelado por George Clooney, Um
Maluco no Golfe (Happy Gilmore), estrelado por Adam Sandler, 200 Cigarros (200
Cigarettes), e Loucuras de um Divórcio (The New Age), dirigido por Michael Tolkin e
produzido por Oliver Stone, e Ramona e Beezus (Ramona and Beezus). Seus créditos
mais recentes incluem Alvin e os Esquilos 3 (Alvin and the Chipmunks: Chipwrecked) e
o thriller, Safe House, estrelado por Denzel Washington.


Mothersbaugh foi agraciado com o Richard Kirk Lifetime Achievement Award, prêmio
concedido pela BMI. Seus créditos televisivos recentes incluem Big Love, da HBO, e
Eureka, do Syfy.


Ampliando o seu repertório musical, também compôs as trilhas de inúmeros
videogames, incluindo The Sims.
Mothersbaugh é um artista de renome internacional que cita Andy Warhol como sua
inspiração. Seus quadros e desenhos já foram exibidos em galerias de todo o mundo.
Ele continua se apresentando com a DEVO, que ressurgiu na cena musical nos últimos
anos. O grupo já se apresentou em concertos por todo o país e fez um show no Central
Park de Nova York no último verão.


Mothersbaugh nasceu em Ohio e cursou a Kent State University.



“ACADEMY AWARD®” e “OSCAR®” são marcas registradas e marcas de serviço da Academy of Motion Picture Arts and Sciences.

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:10
posted:5/22/2012
language:Portuguese
pages:35
zhaonedx zhaonedx http://
About