DRENAGEM DAS AGUAS PLUVIAIS by x25E0Ql7

VIEWS: 0 PAGES: 12

									DRENAGEM DAS AGUAS PLUVIAIS

          EO

COMBATE AO ASSOREAMENTO


     NAS BARRAGENS
                          S U M Á R I O

SEÇÃO I – O TRATAMENTO DA POLUIÇÃO PELA NATUREZA

1 – A Capacidade Natural dos Rios e Córregos
2 – O Processo de Tratamento

SEÇÃO II – A POLUIÇÃO DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA

1 – A Coleta e Transporte de Esgotos
2 – Os Processos de Tratamento de Esgotos
3 – A Coleta e Destinação do Lixo
4 – O Esgotamento Pluvial

SEÇÃO III – OS IMPACTOS DA CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS

1 – As Lagoas de Estabilização de Esgotos
2 – O Assoreamento dos Reservatórios de Água
3 – O Assoreamento dos Grandes Reservatórios
4 – O Assoreamento dos Pequenos Reservatórios
5 – O Assoreamento dos Diques de Contenção de Cheias

SEÇÃO IV – A APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES INADEQUADAS

1 – Os Resultados nos Reservatórios das PCH’s
2 – Os Resultados nos Reservatórios de Água
3 – Os Resultados nos Diques de Contenção de Cheias

SEÇÃO V – OS DESASTRES AMBIENTAIS PROVOCADOS

1 – Reservatórios de PCH’s Afetados pelo Assoreamento
2 – Reservatórios de Água Afetados pelo Assoreamento
3 – Diques de Contenção de Cheias Afetados pelo Assoreamento

SEÇÃO VI – A RESTAURAÇÃO DEFINITIVA DOS RESERVATORIOS

1 – Reservatórios de Água das PCH’s
2 – Reservatórios de Água para Consumo
3 – Reservatórios dos Diques de Contenção de Cheias
SEÇÃO I – O TRATAMENTO DA POLUIÇÃO PELA NATUREZA

O maior e mais traumático efeito causado pela contenção das águas dos rios e córregos
através da implantação de barragens para a formação de reservatórios de água é a
interrupção do benéfico processo de tratamento da poluição pela natureza.

1 – A Capacidade Natural dos Rios e Córregos

Ao percorrerem seus caminhos normais sem a interrupção pelas barragens, todos os rios
e córregos existentes na face da terra, são possuidores de excepcionais capacidades
concedidas pela natureza, para procederem ao “extraordinário trabalho de tratamento e
depuração de águas poluídas”.

2 – O Processo de Tratamento

O Processo de Tratamento é efetuado através do arrasto das correntezas bem como do
adicionamento de águas limpas advindas de afluentes não infectados, promovendo
assim, a dispersão e diluição das impurezas de forma bastante eficaz, dos mais diversos
tipos de poluição, incluindo especialmente os seguintes:

    Os efluentes líqüidos originados dos precários tratamentos executados pelas ETE’s
     – Estações de Tratamento de Esgotos.
    Os sedimentos transportados até os mesmos pelas enxurradas barrentas dos
     esgotamentos pluviais e que assoreiam os reservatórios de água.
    Os esgotos in-natura, despejados clandestinamente nos mesmos em grande
     quantidade.
SEÇÃO II – A POLUIÇÃO DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA

Entre as tentativas de evitar que a população seja prejudicada e/ou contaminada pela
poluição, bem como, para diminuir a sobrecarga de trabalho dos rios e córregos, e
principalmente devido a excelente rentabilidade financeira proporcionada por alguns
setores do Saneamento Básico, os poderes públicos federais, estaduais e municipais,
com a participação de empresas de economia mistas e particulares especializadas,
promovem a exploração dos serviços de Coleta, Transporte e Tratamento do Esgoto e
do Lixo, porém, com muitas falhas e deficiências, que podem chegar a ser bastante
comprometedoras para os tipos de tratamentos aplicados, tais como:

1 – A Coleta e Transporte de Esgotos

Se considerarmos a estatística do IBGE apontando que mais de 30% dos domicílios de
Minas Gerais “não” têm coleta de esgotos e que esta enorme deficiência atinge ainda os
esgotos industriais e até mesmo os agropecuários e hospitalares das bacias
hidrográficas, conclui-se também, que uma quantidade considerável dos mesmos
continue sendo lançados, em estado bruto nos rios e córregos, seus mais antigos e
tradicionais depuradores.

2 – Os Processos de Tratamento de Esgotos

Devido às exigências necessárias para a obtenção de uma rentabilidade financeira, entre
os mais diversos Processos de Tratamento de Esgotos existentes, o mais adotado nas
ETE’s – Estações de Tratamento de Esgotos é aquele que faz apenas a retirada da carga
orgânica e efetua o despejo do efluente liquido nos rios e córregos para que os mesmos
completem os trabalhos de depuração.

3 – A Coleta e Destinação do Lixo

A deficiência da qualidade dos serviços atinge, também, a Coleta e Destinação do Lixo,
o que resulta no lançamento de uma quantidade bastante considerável do mesmo nos
rios córregos, acompanhado especialmente dos resíduos sólidos e outros compostos de
sobras de construção, etc.

4 – O Esgotamento Pluvial

Devido a falta de aplicação da tecnologia adequada para o Esgotamento Pluvial toda a
sua enxurrada barrenta e transportadora dos sedimentos produzidos pelos “processos
erosivos desagregadores dos solos e rochas”, é simplesmente direcionada para os rios e
córregos, que os recebe, transporta e os dispersa ao longo de seus trajetos, quando não
são retidos pelas barragens.
SEÇÃO III – OS IMPACTOS DA CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS

A construção das barragens em rios e córregos, para a formação de reservatórios de
água com as mais diversas finalidades torna-se, portanto, uma intervenção bastante
drástica no “Sistema já Implantado pelas Forças da Natureza”, chegando a provocar
alguns impactos causadores de prejuízos econômicos e ambientais incalculáveis, que só
poderão ser contidos e/ou controlados através de soluções raras e incomuns, tais como:


1 – As Lagoas de Estabilização de Esgotos

Com a interrupção do fluxo da corrente dos rios e córregos, toda a carga de esgotos
clandestinos já existentes, além daqueles não coletados e/ou não transportados pelas
redes interceptoras é direcionada para as águas paradas dos reservatórios formados pelas
barragens, onde são depositados, transformando os locais nas mais autênticas Lagoas de
Estabilização de Esgotos, o que deveria ser um trabalho primordialmente exercido pelas
ETE’s – Estações de Tratamento de Esgotos.


2 – O Assoreamento dos Reservatórios de Água

O Assoreamento dos Reservatórios de Água é um fenômeno causado pelos sedimentos
advindos dos esgotamentos pluviais e que são transportados pelos rios e córregos
indefinidamente até atingirem as águas paradas das lagoas formadas pelos
represamentos, onde são depositados, provocando a diminuição de sua área volumétrica,
podendo chegar ao seu aterramento completo, caso não sejam aplicadas medidas
tecnológicas de contenção adequadas para cada caso.


3 – O Assoreamento dos Grandes Reservatórios

Aqui no Brasil, “nem mesmo” os grandes reservatórios de hidroelétricas tais como
Furnas, Tucuruí, Itaipu e outras, estão isentos do assoreamento total, porém, o
desenvolvimento do mesmo em suas águas represadas, está calculado para um espaço
de tempo com variação de 500 a 1.000 anos e até lá, acredita-se no surgimento de
alguma inovação tecnológica que possa solucionar o problema com eficiência.


4 – O Assoreamento dos Pequenos Reservatórios

Todo o lago formado pelos pequenos reservatórios está sujeito a um assoreamento
extremamente rápido, especialmente aqueles cujas bacias hidrográficas estão
localizadas em regiões urbanizadas, que além de estarem ameaçados da perda de sua
finalidade e até de aterramento total, passam a acumular, também, outros intrincados
problemas originados de sua própria localização, tais como, a poluição devido ao
despejo de lixo e esgoto.
5 – O Assoreamento dos Diques de Contenção de Cheias

A exemplo dos outros tipos de reservatórios, as barragens e/ou Diques de Contenção de
Cheias, já bastante usados na cidade de São Paulo, com o apelido de “Piscinões” e
considerados como “ultimo recurso” para a contenção das águas pluviais durante os
períodos chuvosos e evitar os alagamentos, também, não apresentam bons resultados
pois tais reservatórios são atingidos pelos mesmos problemas de assoreamento rápido
devido ao depósito de lixo, esgotos, detritos e sedimentos.
SEÇÃO IV – A APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES INADEQUADAS

Algumas soluções tecnológicas que vêm sendo adotadas para a amenização dos
problemas, durante um período de mais de 40 anos, estão apresentando hoje, alguns
resultados bastante negativos, tanto nos reservatórios das PCH’s – Pequenas Centrais
Hidroelétricas, como nos reservatórios de água a céu aberto para o consumo populacional
e até mesmo nos diques de contenção de cheias, causando prejuízos financeiros e
ambientais imensuráveis, tais como:

1 – Os Resultados nos Reservatórios das PCH’s

Na tentativa de minimização dos danos causados pelo assoreamento nos reservatórios das
PCH’s – Pequenas Centrais Hidroelétricas, a solução experimental que vem sendo
aplicada em todo o Brasil, tem sido a transposição através de dragagens dos sedimentos,
com bombeamento e despejo dos mesmos nos rios ou córregos a “jusante das barragens”,
porém, com um grau de eficiência ainda muito longe do ideal, devido a algumas
dificuldades, tais como:

   Para a execução dos trabalhos torna-se necessário a paralisação da geração de
    energia pela PCH, para o desassoreamento.
   A técnica e as condições gerais de execução, ainda estão bastante carentes de alguns
    aperfeiçoamentos.
   Os trabalhos são extemporâneos e de custos bastante elevados.
   Falta de estudos minuciosos sobre a produção e transporte dos sedimentos que
    assoreiam os reservatórios.
   Os equipamentos não são de instalação permanente, alem de serem bastante pesados
    e de dimensões avantajadas.

2 – Os Resultados nos Reservatórios de Água

A Recuperação dos Reservatórios de Água a céu aberto, para o consumo populacional,
principalmente aqueles que já estão com suas bacias hidrográficas urbanizadas, pode ser
considerada praticamente inexistente, pois as soluções aplicadas têm sido bastante
contraditórias e até mesmo errôneas, o que deve ser debitado à falta de conhecimento
técnico e/ou interferências políticas, tendo em conseqüência, proporcionado alguns
resultados que podem ser classificados de “desastrosos”, provocados pelas seguintes
falhas:

   Remanejamento do assoreamento através da execução de dragagens, “com despejo
    dos sedimentos à montante e não à jusante”, ou seja, apenas mudando a posição dos
    mesmos dentro do próprio reservatório.
   Perda gradativa e não a recuperação da capacidade volumétrica do reservatório.
   Perda gradativa, também, da capacidade de amortecimento de cheias.
   Controle de enchentes bastante deficiente, devido às incertezas da previsão do
    volume pluvial a ser contido.
   Provocação de alagamentos, tanto à montante como à jusante das barragens, devido à
    falhas operacionais no controle de enchentes.
   Estação de Tratamento de Águas poluídas de córregos, com despejo de efluentes nas
    águas paradas das represas e não em águas correntes dos rios e córregos.
   Aumento constante da poluição devido ao lançamento de esgotos.
   Riscos autênticos e galopantes do completo assoreamento do reservatório.

3 – Os Resultados nos Diques de Controle de Cheias

A Recuperação dos Diques de Controle de Cheias deveria ser executada anualmente e
após os períodos chuvosos, através de um desassoreamento completo e com a finalidade
de manter a capacidade de funcionamento para a qual foi projetado, porém, a exemplo da
cidade de São Paulo, onde há proliferação dos mesmos, isto não vem sendo obedecido,
devido as seguintes falhas:

   Quantidade excessiva de Diques de Controle de Cheias, para a execução de uma
    recuperação condizente em tempo hábil.
   Falta de locais apropriados para a disposição do material de assoreamento.
   Controle de enchentes bastante deficiente, devido a perda gradativa da capacidade
    volumétrica dos reservatórios não mantidos periodicamente.
   Provocação de alagamentos devido a reservatórios assoreados.
   Aumento da poluição devido ao lançamento de esgotos contaminados.
   Riscos de assoreamento completo e perda da função para a qual foi projetada, de
    vários reservatórios.
SEÇÃO V – OS DESASTRES AMBIENTAIS PROVOCADOS

Todos os Desastres Ambientais acontecidos nos Reservatórios de Água têm sido
provocados pela “Falta de Aplicação de uma Tecnologia Adequada”, conforme descrito a
seguir:

1 – Reservatórios de PCH’s Afetados pelo Assoreamento

A falta de aplicação de uma tecnologia adequada, ou seja, que possa “efetuar de forma
permanente”, o desvio e/ou a transposição dos sedimentos para a “jusante” dos
reservatórios das PCH’s em todo o Brasil, têm provocado o assoreamento parcial ou total
de mais de 60 reservatórios, entre os quais podem ser relacionados alguns localizados em
Minas Gerais que são:

   PCH de Petí (9,4 MW) no rio Santa Barbara de propriedade da CEMIG: Desativada,
    desmontada e transformada em Parque Ecológico, devido ao assoreamento total do
    reservatório.
   PCH de Rio de Pedras (10 MW) no rio das Velhas de propriedade da CEMIG:
    Redução da capacidade de geração, devido ao assoreamento parcial do reservatório.
   PCH de Pandeiros (4,2 MW) no rio Pandeiros de propriedade da CEMIG: Redução
    da capacidade de geração, devido ao assoreamento parcial do reservatório.
   PCH de Paraúna (25 MW) no rio Paraúna de propriedade da CEMIG: Redução da
    capacidade de geração, devido ao assoreamento parcial do reservatório.
   PCH de Tronqueiras (7,9 MW) no rio Tronqueiras de propriedade da CEMIG:
    Redução da capacidade de geração, devido ao assoreamento parcial do reservatório.

2 – Reservatórios de Água Afetados pelo Assoreamento

Neste caso, também, a falta de aplicação de uma tecnologia adequada, para efetuar de
forma permanente, o desvio e/ou a transposição dos sedimentos para a “jusante” dos
reservatórios, está transformando milhares de represas, de todo o Brasil, em “vitimas
irreversíveis da poluição ambiental” por lixo, esgoto e assoreamento e já com a morte
prematura previsível e/ou decretada, além de transformadas em uma enorme e grotesca
ameaça para a saúde das populações do seu entorno e/ou freqüentadores, podendo serem
citados alguns “escândalos”, tais como:

   Ex-Lagoa Acaba Mundo – Bairro Sion – Belo Horizonte/MG: Exemplo de uma
    lagoa totalmente assoreada por lixo, esgoto e sedimentos, teve o aterramento
    complementado pela Prefeitura Municipal, quando implantou o “Parque JK”.

   Lagoa Santa Lucia – Bairro Santa Lucia – Belo Horizonte/MG: Assoreada em
    60% (Sessenta por cento) do seu volume original, por lixo, esgoto e sedimentos,
    além de contar com sérios problemas de alagamentos à jusante devido a perda da
    capacidade de amortecimento de cheias.

   Lagoa da Pampulha – Bairro Pampulha – Belo Horizonte/MG: Assoreada,
    também, em mais de 60% (Sessenta por cento) do seu volume original, por lixo,
    esgoto e sedimentos, encontra-se hoje já bastante deformada, devido a resultados da
    execução de obras políticas e eleitoreiras, que produziram somente resultados
    negativos a exemplo das constantes inundações nos bairros situados à montante e à
    jusante devido à falhas operacionais no controle do amortecimento de cheias.

   Lagoa Central – Centro da Cidade - Lagoa Santa/MG: Trata-se de uma “Lagoa
    Cárstica Natural” natural de origem, com idade entre seis e sete mil anos, porém,
    transformada em semi-cárstica devido a intervenção do homem, está assoreada em
    mais de 40% (Quarenta por cento) do seu volume original, além de “estar hoje em
    uma situação inusitada” de receber e reter todo o esgoto da cidade, não permitindo o
    acesso do mesmo à ETE – Estação de Tratamento de Esgoto, situada em nível
    inferior ao da lagoa.

   Lagoas Paulino, Bela Vista e Náutica da Cidade de Sete Lagoas/MG – Com base
    em resultados de estudos e pesquisas ainda preliminares, foi constatado que todas
    elas estão em adiantado estado de assoreamento, devido à intensa poluição por lixo,
    esgoto e sedimentos.

   Lagoa Rodrigo de Freitas da Cidade do Rio de Janeiro/RJ – Com base, também,
    em resultados de estudos e pesquisas ainda preliminares, foi constatado que esta
    lagoa está bastante assoreada, devido à poluição por lixo, esgoto e sedimentos
    advindos de sua bacia hidrográfica o que a levaram a um estado de altamente
    degradada, com o agravante de estar projetado para a mesma, a construção de um
    estádio para as disputas das provas de remo nas Olimpíadas de 2.016.


   Lagoa do Paranoá da Cidade de Brasília/DF – Com base nos inúmeros estudos e
    pesquisas constata-se que o avanço acelerado do assoreamento, devido à poluição
    por lixo, esgoto e sedimentos, além dos efluentes originados nas ETE’s – Estações de
    Tratamento de Esgotos, já está comprometendo seriamente todo o “mar de Brasília”.


3 – Diques de Contenção de Cheias Afetados pelo Assoreamento
O melhor exemplo dos Diques de Contenção de Cheias Afetados pelo Assoreamento é
dado pela cidade de São Paulo, onde a grande quantidade já implantada provocou uma
enorme deficiência na execução dos serviços de desassoreamento, deixando de manter a
capacidade volumétrica dos mesmos, o que decretou a “perda de função” de mais da
metade dos 20 piscinões existentes, resultando assim no aumento sensível dos desastrosos
alagamentos.
SEÇÃO VI – A RESTAURAÇÃO DEFINITIVA DOS RESERVATÓRIOS

Diante de tantos problemas causados por soluções inadequadas, falta de manutenções
preventivas, acúmulo do assoreamento, diminuição da capacidade dos reservatórios e até
mesmo a “perda de função” de alguns reservatórios, damos a seguir as soluções de
engenharia adequadas para cada tipo em separado:

1 – Reservatórios de Água das PCH’s

Os Reservatórios das PCH’s – Pequenas Centrais Hidroelétricas poderão ser protegidos,
de acordo com as Especificações da ANEEL – Agencia Nacional de Energia Elétrica,
através da construção de barragens de contenção e deposição temporária de sedimentos
evitando a sua entrada nos reservatórios, com as características seguintes:
  Localização à montante da barragem principal, podendo ser submersa em caso de
     indicações do estudo e projeto específico.
  Construção de canais situados nas margens dos reservatórios com a função de
     desviar periodicamente os sedimentos retidos, para a jusante da barragem principal.
  Os canais laterais terão também, a função de interceptar os esgotamentos pluviais,
     transportadores de sedimentos e proceder a condução dos mesmos para jusante da
     barragem principal.

2 – Reservatórios de Água para Consumo

Os Reservatórios de Água para o Consumo da População, quando tiverem suas bacias de
contribuição atingidas pela urbanização, têm como “única solução de engenharia” eficaz
e definitiva para todos os problemas a “Desvinculação de sua própria Bacia
Hidrográfica”, que consiste no desvio de todos os rios e córregos através de uma
canalização, situada em posição estratégica no contorno das represas, que além de vedar
os acessos dos mesmos, deverá conduzi-los para a jusante das barragens, além de
proporcionar as seguintes contenções:
  Estancamento da entrada de resíduos sólidos, inclusive o lixo transportado pelos
    córregos, componentes do assoreamento das represas.
  Estancamento, também, dos acessos das redes coletoras de esgotamentos pluviais do
    entorno das represas, que são transportadoras de detritos e sedimentos.
  Estancamento, ainda, do lançamento diário de toneladas de esgotos domésticos e
    industriais ou outro tipo de poluição transportada pelos córregos.

3 – Reservatórios dos Diques de Contenção de Cheias

Diante dos desastrosos resultados obtidos em diversas cidades, além de São Paulo, já
pode ser proferida a “sentença” de que os Reservatórios dos Diques de Contenção de
Cheias, simplesmente ”não” deveriam ser adotados para a solução dos problemas de
inundações e “sim” substituídos pelo “Redimensionamento da Capacidade dos Canais de
Drenagem” dos rios e córregos, evitando desta forma, todos os tipos de prejuízos
causados à população por alagamentos provocados pelos “Esgotamentos das Águas
Pluviais”.

								
To top