Educa��o, �tica e Cidadania by gBNRM9U6

VIEWS: 8 PAGES: 6

									                               Educação, Ética e Cidadania1
                                                                           Gisele Cátia Carraro
                                                                      Luciana Rizzo Munaretto
                                                                      Joisa M.Taube da Veiga
                                                                     Veridiane Dal’Bó Maurina2

Resumo
Este artigo tem por objetivo mostrar que a prática pedagógica pode contribuir para o
desenvolvimento de cidadãos mais autônomos, baseada no diálogo, na pesquisa e
investigação, tornando nossas crianças mais críticas e responsáveis no futuro, a
partir de estudos dos conceitos de ética, educação e cidadania, voltados à relação
professor-aluno.

Palavras-chave
Educação, Ética, Cidadania

Introdução
         Este trabalho não pretende abordar de forma profunda alguma questão de
relevância da história da educação, e muito menos fazer uma análise crítica dos
valores. A sua pretensão é propor uma reflexão sobre a educação e o papel que ela
pode desempenhar juntamente com a ética, visando a construção da cidadania.
         Vivemos um momento de profundas transformações na educação que
refletem e acompanham as mudanças que afetam o mundo atual. Assim, queremos
com este estudo, responder a seguinte questão: Que princípios fundamentam uma
prática pedagógica que contribua para a formação de um cidadão ético? Pensamos
ser responsabilidade de todos os educadores defender a exigência ética da
educação pautada nos princípios de cidadania, democracia, justiça, solidariedade e
autonomia,      pois   só    assim     poderemos       oportunizar      um    espaço      para      o
desenvolvimento das capacidades individuais e para a garantia da igualdade de
oportunidades em nossa sociedade desigual.
         Nosso estudo foi desenvolvido com base nas obras de Marilena Chauí,
Paulo Freire, Antonio Sidekum e principalmente nos volumes do guia didático de
Fundamentos da Educação dos professores Vanderlei Carbonara, Sandro Sayão,
Sergio Tieppo, todos voltados a educação e a ética. Segundo estudos do guia


1
  Artigo produzido durante o Módulo I de Fundamentos da Educação do curso de Licenciatura em
Pedagogia: Educação Infantil e Séries Iniciais do Ensino Fundamental, modalidade Educação a
Distância – EAD da Universidade de Caxias do Sul e concluído em novembro de 2006.
2
  Estudantes do curso de Licenciatura em Pedagogia: Educação Infantil e Séries Iniciais do Ensino
Fundamental, modalidade Educação a Distância – EAD da Universidade de Caxias do Sul, no Pólo
de São Marcos.

                                                                                                    1
didático, envolvendo a área de Filosofia, não podemos ensinar nossos estudantes a
ser éticos e nem mesmo “implantar” neles nossos valores mais significativos;
trabalhar questões éticas na sala de aula e ter preocupações e práticas éticas na
escola em nada pode confundir-se com moralismo ou doutrinarismo.
       O    presente   artigo   está   organizado   em   tópicos   onde   inicialmente
abordaremos algumas considerações sobre educação, em seguida, conceitos de
ética; dentro deste tópicos faremos uma pequena análise sobre a relação entre ética
e educação. Posteriormente uma breve reflexão sobre cidadania e finalmente
procuramos relacionar educação, ética e cidadania com a prática pedagógica.


1. Educação
        A educação significa formação integral do ser humano, isto é, o
desenvolvimento de suas potencialidades com uma fundamentação ética para sua
formação integral, ou seja, significa perseguir e possuir o ideal de ser humano,
sociedade e mundo.
        Segundo Sidekunn (2002), Todo povo que atinge um certo grau de
desenvolvimento se sente naturalmente inclinado à prática da educação, ela é o
princípio por meio da qual a comunidade humana conserva e transmite a sua
personalidade física e espiritual, mas o espírito humano conduz progressivamente à
descoberta de si próprio e cria, pelo conhecimento do mundo exterior e interior,
formas melhores de existir.
        Conforme vimos nas leituras de filosofia do guia didático, para Platão, a
educação está relacionada com o desenvolvimento humano, com a passagem de
um estado ingênuo de compreensão da realidade para um estado de elevação a um
nível de conhecimento da realidade em si.
        Com o passar do tempo a compreensão de educação vai se ampliando,
abordando não só a compreensão da realidade pelo sujeito, mas também o contexto
de relações que interferem nesse processo. Em linhas gerais costuma-se tratar por
educação o conjunto de procedimentos tomados pelas gerações mais velhas para
formarem as gerações mais novas segundo valores considerados válidos num
determinado ambiente social.


2. Ética
   2.1. Conceito

                                                                                    2
         Podemos definir ética como sendo a reflexão filosófica sobre o agir humano,
a construção racional dos valores do indivíduo para com a sociedade; apresenta-se
a ética como alteridade própria, ou seja, responsabilidade do Eu para com o Outro
de tal maneira que a liberdade individual é posta em segundo plano a fim de que a
justiça assuma a primazia nas relações intersubjetivas.
         Levinas em sua obra “Entre nós: ensaios sobre a alteridade” (1997),
descreve a ética como o próprio humano, enquanto humano, a ética não é uma
invenção da raça branca, da humanidade que leu os autores gregos nas escolas e
que seguiu certa evolução. O único valor absoluto é a possibilidade humana de dar,
em relação a si, prioridade ao outro.
         Para que haja conduta ética, conforme Marilena Chauí (2002), é preciso que
exista o agente consciente, isto é, aquele que conhece a diferença entre bem e mal,
certo e errado, permitido e proibido, virtude e vício. A consciência moral não só
conhece tais diferenças, mas também reconhece-se como capaz de julgar o valor
dos atos e das condutas e de agir em conformidade com os valores morais, sendo
por isso responsável por suas ações e seus sentimentos e pelas conseqüências do
que faz e sente. Consciência e responsabilidade são condições indispensáveis da
vida ética.


   2.2. Ética e Educação
         A educação ética acontece quando os valores no conteúdo e no exercício
do ato de educar são valores humanos e humanizadores: a justiça, a dignidade da
pessoa, a solidariedade, a democracia, a autonomia, o desenvolvimento integral de
cada um.
         As relações entre ética e educação são múltiplas e complexas, seja pela
natureza de ambos, seja porque vivemos um período crítico no qual os valores
morais estão muito conturbados. E é justamente nos momentos de crise que a
educação moral se faz indispensável, embora sejam maiores as dificuldades para
praticá-la. Há complicadas e problemáticas relações entre ética e educação o que
preocupa particularmente os educadores conscientes de sua responsabilidade na
formação de novas gerações.
         Devemos oferecer aos nossos jovens, através da educação e da ética, as
ferramentas   necessárias    à   apropriação   crítica   de   conhecimentos   para   a
consolidação de atitudes socialmente responsáveis. É na infância e adolescência

                                                                                     3
que o individuo tendo como base os valores que recebeu, seja da família, na escola,
dos amigos, da religião ou das informações que recebe pela mídia, por meio de
todas as experiências que passou,que o jovem vai construir o seu próprio código de
ética.


3. Cidadania
         Aprender a ser cidadão é, entre outras coisas, aprender a agir com respeito,
solidariedade, responsabilidade, justiça; aprender a usar o diálogo nas mais
diferentes situações e comprometer-se com o que acontece na vida coletiva da
comunidade e do País. Esses valores precisam ser aprendidos e desenvolvidos
pelos estudantes e, portanto, podem e devem ser ensinados na escola.
         Um aspecto importante a ser considerado nesse processo é o papel ativo
dos sujeitos do aprendizado, estudantes e professores, que interpretam a conferem
sentido aos conteúdos com que convivem na escola a partir de valores previamente
construídos e de sentimentos e emoções.
         Para Aristóteles, cidadão é um indivíduo que possui a potência de
participação nas coisas públicas, o que revela que a definição de cidadão estará
inscrita na categoria de cidadania. A partir desta interpretação que utilizamos,
cidadania é uma conquista do indivíduo através de sua participação responsável nos
assuntos públicos de sua comunidade.
         O ser humano precisa ser autônomo e a liberdade só pode ser pensada a
partir da compreensão de que o ser humano é plenamente dono de si e capaz de
decidir sobre seus próprios atos na vida, tendo liberdade e responsabilidade.
         De acordo com Paulo Freire (2002), a liberdade, que é uma conquista e não
uma doação, exige uma permanente busca. Ninguém tem liberdade para ser livre:
pelo contrário, luta por ela precisamente porque não a tem. Ainda nos diz Paulo
Freire (2002), que a luta pela humanização não se justifica apenas em que passem
a ter liberdade para comer, mas liberdade para criar e construir, para admirar e
aventurar-se. Tal liberdade requer que o indivíduo seja ativo e responsável, não
como um escravo nem uma peças bem alimentada da máquina. Não basta que os
homens não sejam escravos; se as condições sociais fomentam a existência de
autômatos, o resultado não é o amor a vida, mas o amor a morte.




                                                                                   4
4. Relacionando Com a Prática Pedagógica (Relação Professor-Aluno
        É preciso ter claro que as crianças estão em processo inicial de constituição
subjetiva, ou seja, de descoberta e de definição do seu próprio Eu, portanto, não se
pode exigir delas uma resposta ética para a qual ainda não despertaram, isso vai
sendo definido com o seu amadurecimento.
        O primeiro fator a ser pensado ao tratarmos da dimensão ética do trabalho
com crianças não é o conteúdo a ser ministrado, mas a vivência a ser gerada no
ambiente educacional, sendo assim, a atitude ética do professor junto aos seus
estudantes apresenta-se como referência, bem como a constante reflexão gerada a
partir de sua convivência diária. Não ensinamos alguém a ser ético; em lugar disso,
proporcionamos vivências e reflexões no cotidiano de nossas crianças, de forma a
agregar problematizações e teorizações capazes de contribuir na formação desses
estudantes.
        Paulo Freire (1997), como aspecto principal de sua abordagem pedagógica
constata que “formar” é muito mais que treinar o educando no desempenho das
tarefas. Chama a atenção dos educadores a responsabilidade ética, elucidando-os
na arte de conduzir seres a reflexão crítica de suas realidades.
        Um planejamento pedagógico-filosófico não pode confundir-se com lições
de moral que se apresentam ao final de uma história ou de uma atividade; uma
educação para a ética não tem como meta um modelo de sujeito e de sociedade a
ser alcançado, ao invés disso, devemos pensar no quanto podemos contribuir com
nossos estudantes ao ajudá-los a pensar criticamente sobre suas relações
interpessoais, começando pelo princípio de trabalhar questões éticas na sala de
aula. Nosso papel não é o de ensinar a criança a ser solidário com o próximo, ou
que não se deva largar lixo na rua: isso não seria educação, mas condicionamento.
        Nosso papel de educadores consiste em proporcionar vivências que
despertem para a reflexão ética. Para isso é importante problematizar diante dos
mais variados fatos do cotidiano, proporcionar atividades de intensa convivência e
outras que valorizam o isolamento de modo a fazer uma ponte entre ambas numa
roda de diálogo, onde não devem ser impostas condutas, deve-se incentivar para
que cada criança emita seus próprios juízos a partir do que as vivências lhe
proporcionam.




                                                                                    5
Considerações Finais
        Queremos então com este estudo mostrar que a prática pedagógica de
profissionais comprometidos com a educação para o pensar e com a formação para
a cidadania deve estar fundamentada nos princípios éticos da justiça e da igualdade
de direitos. Busca-se com isso desenvolver a autonomia moral dos alunos, tratando
a verdade, o conhecimento de si mesmo e do mundo, numa comunidade de
investigação ética, baseada no respeito mútuo e no diálogo. A ação do professor
deve resgatar o sentido de comunidade, buscando o prazer, a sensibilidade e a
beleza, para envolver os alunos no exercício de pensar por si mesmo e cada vez
melhor a realidade de forma crítica, cuidadosa e criativa.
        Consideramos que é possível contribuir para o desenvolvimento de
cidadãos mais autônomos a partir da prática pedagógica, baseada no diálogo,
pesquisa e investigação, tornando nossas crianças mais críticas, responsáveis e
conseqüentemente mais éticos.
        Temos consciência de que não existem fórmulas mágicas, regras pré-
estabelecidas ou manual de instruções que sejam infalíveis para a educação de
nossas crianças, mas não podemos perder de vista, que um de nossos grandes
desafios é contribuir para elas possam estabelecer seu próprio referencial de
conduta ética. O convite está lançado.


Referências
BUOGO, Ana Lucia. CHIAPINOTTO Diego. CARBONARA Vanderlei. O Desafio de
Aprender: ultrapassando horizontes. Caxias do Sul: Educs, 2006.
CARBONARA, Vanderlei. SAYÃO Sandro C. Fundamentos da Educação; Filosofia;
Antropologia. V.1.Caxias do Sul: Educs, 2004.
CHAUÍ Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2002
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários a prática
pedagógica. São Paulo: Paz e Terra, 1997.
________. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2002.
SIDEKUM Antonio. Ética e Alteridade: a subjetividade ferida. São Leopoldo:
Unisinos, 2002.
STECANELA, Nilva. SAYÃO, Sandro C. org. Guia dos Seminários Temáticos dos
Módulos I e II; Caxias do Sul: Educs, 2006.
TIEPPO, Sergio F. CARBONARA Vanderlei. Fundamentos da Educação;
Sociologia; Filosofia. V.2.Caxias do Sul: Educs, 2004.




                                                                                 6

								
To top