CARACTERIZA��O DA DISCIPLINA - DOC - DOC

Document Sample
CARACTERIZA��O DA DISCIPLINA - DOC - DOC Powered By Docstoc
					                              CARACTERIZAÇÃO DA DISCIPLINA

                                          "AGRONOMIA"

CURSO/SEMESTRE         Agronomia / 7º Semestre
DISCIPLINA             Controle de Pragas
CARÁTER DA ISCIPLINA   Obrigatória
PRÉ-REQUISITO          Entomologia Agrícola
CÓDIGO
DEPARTAMENTO           Fitossanidade
CARGA HORÁRIA          60 horas
TOTAL
CRÉDITOS               3 créditos (2-0-2)
NATUREZA DA CARGA      30 Horas Teóricas / Semestre
HORÁRIA//ANO/SEMEST    30 Horas Práticas / Semestre
PROFESSORES E          Anderson Dionei Grutzmacher (Regente) – 20 horas
CARGA HORÁRIA          Alci Enimar Loeck – 18 horas
                       Mauro Silveira Garcia – 12 horas
                       Vanderlei Vasques Vieira – 10 horas
OBJETIVOS              Noções dos principais métodos de controle de pragas de plantas cultivadas anuais e
                       de frutíferas de clima temperado.
EMENTA                 Controle Químico; Formulações; Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos;
                       Controle Biológico; Variedades Resistentes; Manejo Integrado de Pragas (MIP) e
                       Produção Integrada (PI); Receituário Agronômico; Mapas de Controle e Coleção de
                       pragas agrícolas; Pragas das Gramíneas e seu Controle (arroz irrigado, milho, sorgo,
                       trigo e outros cereais de inverno e pastagens); Pragas das Leguminosas e seu
                       Controle (soja e feijoeiro); Pragas das Frutíferas e seu Controle (pessegueiro,
                       macieira, pereira, citros e videira); Pragas das Olerícolas e Ornamentais e seu
                       Controle; Pragas dos Produtos Armazenados e seu Controle.
PROGRAMA               UNIDADE 1. Controle Químico
                       Histórico e importância do controle químico. Inseticidas; definição, propriedades,
                       modo de ação e classificação. Inseticidas fisiológicos e biológicos. Nomenclatura
                       técnica, comercial, propriedades, recomendações, restrições, toxicidade,
                       fitotoxicidade, carência e tolerância dos principais inseticidas contemporâneos.
                       Atraentes e repelentes. Quimioesterilizantes.
                       UNIDADE 2. Formulações
                       Definição e classificação. Componentes de uma formulação: conceito de ingrediente
                       ativo, inerte (solventes) e adjuvantes. Produto técnico, pré-misturas e misturas para
                       pronto uso. Padrões de qualidade. Limitações de uso. Mistura de formulações.
                       UNIDADE 3. Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos
                       Máquinas e aparelhos utilizados para a dispersão aérea e terrestre de inseticidas.
                       Principais características. Conceito de dose, dosagem e concentração. Polvilhamento
                       e dispersão de granulados. Conceito de pulverizações a ultra-baixo, baixo e alto
                       volume. Tamanho da gota – deriva. Fumigações: definições e sistema para gerá-las.
                       UNIDADE 4. Controle Biológico
                       Conceito e fundamentos do controle biológico. Controle natural e controle aplicado.
                       Laboratórios de controle biológico: estrutura e operacionalidade. Principais agentes
                       entomopatogênicos e entomófagos utilizados no controle biológico. Controle
                       biológico no contexto do controle integrado.
                       UNIDADE 5. Variedades Resistentes
                       Conceitos, Plantas resistentes e graus de resistência. Tipos e causas da resistência.
                       Fatores que influenciam a manifestação da resistência. Genética da resistência.
                       UNIDADE 6. Manejo integrado de pragas (MIP) e Produção Integrada (PI)
                       Histórico, conceitos básicos e a evolução do conceito do MIP. Atividades
                       fundamentais do MIP: avaliação do ecossistema (monitoramento), Tomada de
                       decisão (nível de controle econômico) e escolha do sistema de redução populacional.
                       Exemplos de casos de sucessos de MIP. Produção Integrada de Frutas. Exemplos
                       (maçã e pêssego)
                       UNIDADE 7. Receituário Agronômico
                       Histórico, conceito e fundamentos. Elaboração e operacionalização do Receituário
                       Agronômico. Fatores eco-toxicológicos limitantes do Receituário Agronômico.
                       Fatores interferentes na eficiência do Receituário Agronômico. Semiotécnica
                       agronômica. Postura profissional           relacionamento ético-psicológico entre
               profissionais e técnico - consulente.
               UNIDADE 8. Noções dos Mapas de Controle
               Mapa de controle – Espécie, planta hospedeira, inseticida, concentração de
               substância ativa, formulação, dosagem, carência, dose diária aceitável, tolerância,
               toxicidade, fitotoxicidade, momento ideal de aplicação, aplicação dirigida, restrições,
               métodos alternativos de controle, observações.
               UNIDADE 9. Pragas das Gramíneas (arroz irrigado, milho e sorgo)
               Reconhecimento e bionomia das principais espécies que danificam a cultura.
               Métodos alternativos de controle. Manejo de pragas. Controle químico: opções e
               restrições.
               UNIDADE 10. Pragas das Gramíneas (trigo e outros cereais de inverno e
                                 pastagens)
               Reconhecimento e bionomia das principais espécies que danificam a cultura.
                Métodos alternativos de controle. Manejo de pragas. Controle químico: opções e
                restrições.
               UNIDADE 11. Pragas das Leguminosas (soja e feijoeiro)
               Reconhecimento e bionomia das principais espécies que danificam a cultura.
               Métodos alternativos de controle. Manejo de pragas. Controle químico: opções e
               restrições.
               UNIDADE 12. Pragas das Frutíferas (pessegueiro, macieira e pereira)
               Reconhecimento e bionomia das principais espécies que danificam as diversas partes
               das árvores frutíferas. Métodos alternativos de controle. Manejo de pragas. Estações
               de aviso. Controle químico: opções e restrições.
               UNIDADE 13. Pragas das Frutíferas (citros e videira)
               Reconhecimento e bionomia das principais espécies que danificam as diversas partes
               das árvores frutíferas. Métodos alternativos de controle. Manejo de pragas. Estações
               de aviso. Controle químico: opções e restrições.
               UNIDADE 14. Pragas das Olerícolas e Ornamentais
               Reconhecimento das principais espécies de importância por danos econômicos ou
               estéticos. Métodos alternativos de controle. Controle químico: oportunidade e
               restrições.
               UNIDADE 15. Pragas dos Produtos Armazenados
               Procedimentos específicos de luta, proteção por polvilhamento e pulverização;
               incorporação de inseticidas sólidos ou líquidos em grãos. Expurgo: câmaras e
               fumegantes. Dosificação de tubérculos, frutos, sementes, etc.
BIBLIOGRAFIA   ALVES, S.B. ed. Controle microbiano de insetos. Piracicaba: FEALQ, 1998. 1.163p.
               ANDREI, E. Compêndio de defensivos agrícolas. 6 ed. São Paulo: Andrei Editora LTDA,
                  1999. 672p.
               ÁVILA, C.J.; DEGRANDE, P.E.; GOMEZ, S.A.               Insetos pragas: Reconhecimento,
                  comportamento, danos e controle. In: Milho, informações técnicas. Dourados: Embrapa-
                  CPAO, 1997. p.157-181 (Embrapa-CPAO. Circular Técnica, 5).
               BERTELS, A.M. ; MARTINS, J.F.S. Insetos-pragas do arroz e seu combate. In: EMPRESA
                  BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA.Centro de Pesquisa Agropecúaria de
                  Terras Baixas de Clima Temperado. Fundamentos para a cultura do arroz irrigado.
                  Campinas: Fundação Cargill, 1985. p.277-304.
               BORROR, D.J.; DeLONG, D.M. Introdução ao estudo dos insetos. São Paulo: Edgard
                  Blücher, 1969. 653p.
               BUZZI, Z.J. Entomologia didática. Curitiba: Ed. Universidade Federal do Paraná, 1985.
                  272p.
               CARRERA, M. Entomologia para você. 5º ed. São Paulo: Nobel, 1980. 185p.
               CAVERO, E.S. Inseticidas e acaricidas. Toxicologia, receituário agronômico. 4 ed. Pelotas:
                  UFPel, 1998. 645p.
               CROCOMO, W.B. org. Manejo integrado de pragas. São Paulo: UNESP/CETESB, 1990.
                  358p.
               FERREIRA, E. Manual de identificação de pragas do arroz. Santo Antônio de Goiás:
                  Embrapa-CNPAF, 1998. 110p. (Embrapa-CNPAF. Documentos, 90).
               FERREIRA, E.; MARTINS, J.F.S. Insetos prejudiciais ao arroz no Brasil e seu controle.
                  Goiânia: EMBRAPA,CNPAF, 1984. 67p. (EMBRAPA.CNPAF. Documentos, 11).
               GALLO, D.; NAKANO, O.; SILVEIRA NETO, S.; CARVALHO, R.P.L.; BATISTA, G.C.;
                  BERTI FILHO, E.; PARRA, J.R.P.; ZUCCHI, R.A.; ALVES, S.B.; VENDRAMIM, J.D.
                  Manual de entomologia agrícola. 2º ed., São Paulo: Ceres, 1988. 649p.
               GALLO, D.; NAKANO, O.; SILVEIRA NETO, S.; CARVALHO, R.P.L.; BATISTA, G.C.;
                  BERTI FILHO, E.; PARRA, J.R.P.; ZUCCHI, R.A.; ALVES, S.B.; VENDRAMIM, J.D.;
                  MARCHINI, L.C.; LOPES, J.R.S.; OMOTO, C. Entomologia agrícola. 3º ed.,
                  Piracicaba: FEALQ, 2002. 920p.
               GASSEN, D. N. Insetos associados a cultura do trigo no Brasil. Passo Fundo, EMBRAPA-
                  CNPT, 1984. 39p. (EMBRAPA-CNPT. Circular Técnica, 3).
GASSEN, D. N. Manejo de pragas associadas à cultura do milho. Passo Fundo: Aldeia
   Norte, 1996. 134p.
GELMINI, G.A. Agrotóxicos – Legislação básica. vol. 1 e 2, Campinas: Fundação Cargill,
   1991. 838p.
GELMINI, G.A.; NOVO, J.P.S. Defensivos agrícolas – Informações básicas e legislação.
   Campinas: Fundação Cargill, 1987. 577p.
GRÜTZMACHER, A.D.; MARTINS, J.F.S.; CUNHA, U.S. Insetos-pragas das culturas do
   milho e sorgo no agroecossistema de várzea. In: PARFITT, J.M.B. Produção de milho e
   sorgo em várzea. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2000. p.87-101. (Embrapa Clima
   Temperado. Documentos, 74).
GUEDES, J.C.; COSTA, I.D.; CASTIGLIONI, E. (Ed.) Bases e técnicas do manejo de
   insetos. Santa Maria: UFSM/CCR/DFS, 2000. 248p.
GUERRA, M.S. Alternativas para o controle de pragas e doenças de plantas cultivadas e
   de seus produtos. Brasília: EMBRATER - Serviço de Extensão Rural, 1986. 166p.
HEINRICHS, E.A. (Ed.) Biology and management of rice insects. New York: John Wiley
   & Sons, 1994. 779p.
LARA, F.M. Princípios de resistência de plantas a insetos. 2ª ed., São Paulo: Ícone, 1991.
   336p.
LARA, F.M. Princípios de entomologia. 3º ed., Jaboticabal: Icone, 1992. 331p.
MARANHÃO, Z.C. Entomologia geral. São Paulo: Nobel, 1976. 514p.
MARANHÃO, Z.C. Morfologia geral do insetos. São Paulo: Nobel, 1978. 396p.
MARTINS, J.F.S.; BOTTON, M. Controle de insetos da cultura do arroz irrigado. In:
   PESKE, S.T.; NEDEL, J.L.; BARROS, A.C.S.A. (Ed.) Produção de arroz. Pelotas:
   UFPel, 1996. cap.7, p.277-304.
MARTINS, J. F. da S.; GRÜTZMACHER, A. D. Controle de pragas da cultura do arroz
   irrigado - Módulo V - Educação à Distância. 2 ed., Pelotas-RS: Editora e Gráfica
   Universitária-UFPel , 2000 , p. 43.
MATTHEWS, G. A. Pestecide application methods. London: Longman, 1979. 334p.
MATUO, T. Técnicas de aplicação de defensivos agrícolas. Jaboticabal: FUNEP, 1990.
   139p.
NAKANO, O.; SILVEIRA NETO, S.; ZUCCHI, R.A. Entomologia econômica. São Paulo:
   Livroceres, 1981. 314p.
NAKANO, O.; SILVEIRA NETO. S.; BATISTA, G.C.; YOKAYAMA, M. ; de GASPARI,
   M.; MARCHINI, L.C. Manual de inseticidas. Dicionário. São Paulo: Ceres, 1977.
   272p.
PACHECO, I.A.; PAULA, D.C. Insetos de grãos armazenados – Identificação e biologia.
   Campinas: Fundação Cargill, 1995. 229p.
PAINTER, R.H. Insect resistance in crop plants. 2ª ed., Lawrance: The University Press of
   Kanzas, 1968. 520p.
PAIVA, M.R.; PEDROSA-MACEDO, J.H. Feromonas de insetos. Curitiba: GTZ, 1985.
   84p.
PARRA, J. R. P. Técnicas de criação de insetos para programas de controle biológico.
   Piracicaba: FEALQ, 3o ed., 1996. 137p.
PARRA, J. R. P.; ZUCCHI, R. A. eds. Trichogramma e o controle biológico aplicado.
   Piracicaba: FEALQ, 1997, 324p.
SALLES, L.A.B. Principais pragas e seu controle. In: MEDEIROS, C.A.B. & RASEIRA,
   M.C.B. (ed.) A cultura do pessegueiro. Brasília: Embrapa-SPI; Pelotas: Embrapa-
   CPACT., 1998. cap. 8, p.203-242.
SAMPAIO, D.P.A.; GUERRA, M.S. Receituário agronômico. Rio de Janeiro: Globo, 1988.
   436p.
SILVEIRA NETO, S.; NAKANO, O.; BARBIN, D.; VILLA NOVA, N.A. Manual de
   ecologia dos insetos. Piracicaba: Ceres, 1976. 419p.
VILELA, E.F.; DELLA LUCIA, T.M.C. Feromônios de insetos. Viçosa: UFV, 1987. 155p.
VILELA, E.F.; DELLA LUCIA, T.M.C. Feromônios de insetos: Biologia, química e
   emprego no manejo de pragas. Ribeirão Preto: Holos, 2001. 206p.
WAJNBERG, E.; HASSAN, S. A. Biogical control with egg parasitoids. CAB International,
   1994. 286p.
ZUCCHI, R.A.; SILVEIRA NETO, S.; NAKANO, O. Guia de identificação de pragas
   agrícolas. Piracicaba: FEALQ, 1993. 139p.

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:8
posted:3/10/2012
language:
pages:3