artigo modelo by t22H6r

VIEWS: 0 PAGES: 7

									                                                                                               1




ARTIGO-MODELO DA REVISTA FIDES: TÍTULO EM NEGRITO, CAIXA ALTA,
COM 1 LINHA APÓS


                       RESUMO
                       O trabalho terá de 8 a 20 laudas, fonte Times New Roman cor preta e,
                       salvo as exceções explicitadas, fonte tamanho 12, espaçamento entre
                       linhas 1,5 e alinhamento justificado. O resumo deverá conter entre 50
                       e 100 palavras, possuir recuo esquerdo 4cm, e ser composto de frases
                       concisas e afirmativas, onde serão expostos tema, problema, hipóteses,
                       metodologia, resultados e conclusão.
                       Palavras-chave: Colocar três a cinco. Palavras ou expressões curtas.
                       Seguidas de pontos. E 2 linhas após. Será 1 linha se houver epígrafe.


                            “Apenas a epígrafe é opcional, e não necessita de tradução para
                           outra língua. Deverá ter recuo esquerdo 4cm, estar em itálico, ter
                                                                        alinhamento direito”.
                                             (Nome do autor entre parênteses e 2 linhas após)




1 INTRODUÇÃO


        A Introdução é a parte do texto onde é apresentado um panorama geral do artigo, de
todos os seus pontos principais, constituindo-se numa ampliação do resumo. Dessa forma,
entende-se que não cabe realizar citações na introdução.
        Nos parágrafos, o recuo de primeira linha é de 1,5cm.
        O trabalho terá de 8 a 20 laudas, fonte Times New Roman cor preta e, salvo as
exceções explicitadas, fonte tamanho 12, espaçamento entre linhas 1,5 e alinhamento
justificado. As exceções são: a) fonte tamanho 10 nas citações diretas longas (mais de três
linhas), notas de rodapé e números de página (estes situados no canto superior direito);
b) espaçamento entre linhas simples apenas nas notas de rodapé; c) alinhamento direito
apenas na epígrafe e alinhamento esquerdo somente nas referências.
        Para destaques, permite-se somente o itálico, sendo vedado negrito e sublinhado.
                                                                                                2




         O indicativo das seções primárias deve ser grafado em números inteiros a partir de 1,
sem ponto e seguido do título dessa seção em negrito e caixa-alta. Veja os títulos das seções
primárias 1 a 4 deste artigo-modelo.
         Haverá 1 linha: a) do título de seção primária ou secundária para seu respectivo
texto; b) da seção primária para a secundária; c) entre seções secundárias.
         Haverá 2 linhas: a) da seção secundária para a seção primária posterior; b) entre
seções primárias.
         Resumindo: entre seções de texto haverá sempre 1 linha – exceto no espaçamento
imediatamente anterior às seções primárias, que será 2 linhas.




2 DESENVOLVIMENTO DO ARTIGO CIENTÍFICO


         O desenvolvimento é a parte onde o autor onde o autor demonstra, discute e avalia o
tema delimitado pelo título, devendo o autor ser objetivo, conciso e claro.
         É nessa parte onde, com base no tema, levantam-se hipóteses e realiza-se o raciocínio
jusfilosófico, no intuito de se pensar soluções, alternativas, ou mesmo contemplar o tema com
olhar pragmático (suscetibilidade à aplicações práticas, voltado para a ação).
         As referências de legislação e jurisprudência serão permitidas apenas em notas de
rodapé, tal como: “Imprimi o MS nº 23.367/MG1, o REsp. nº 918.509/MA2, a Súmula
Vinculante nº 213 e o art. 2º, §6º da Lei 8.629/19934 [...]”.


2.1 As seções secundárias


         O indicativo de seção secundária é constituído pelo indicativo da seção primária a
que pertence, seguido de ponto e do número que lhe for atribuído na sequência do assunto,
mas sem ponto entre a numeração e o título que deverá estar em negrito e caixa-alta. Siga o
exemplo das seções secundárias 2.1 e 2.2 deste artigo.


1
  SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Mandado de Segurança nº 23.367/MG. Pleno. Min. Joaquin Barbosa. j.
01/10/2009. DJe n. 200, publ. 23/10/2009.
2
  SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Recurso Especial nº 918.509/MA. T1. Min. José Delgado. j.
20/11/2007. DJ. 19/12/2007, p. 1157.
3
  SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Súmula Vinculante nº 21. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/
cms/verTexto.asp?servico=jurisprudenciaSumulaVinculantes>. Acesso em: 23 dez. 2009
4
   BRASIL. Lei nº 8.629, de 25/02/1993. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
Leis/L8629.htm>. Acesso em: 23 dez. 2009. [Obs.: Só é obrigatório referenciar a lei estrangeira]
                                                                                                        3




         Ao decidir por criar seção secundária, o autor deverá observar as diretrizes que são
listadas abaixo:
         a) a seção secundária não poderá ser criada logo após o título da seção primária,
             sendo necessário haver desenvolvimento de texto entre seus títulos, e que pode
             consistir de alguns parágrafos;
         b) é desaconselhado criar seção secundária com quantidade ínfima de texto;
         c) a criação da primeira seção secundária leva à necessidade de uma segunda seção
             secundária.


2.2 Necessidade de mais uma seção secundária e citações com mais de três linhas


         A criação da primeira seção secundária enseja a necessidade de uma segunda seção
secundária. E isto se deve a que, logicamente, a subdivisão de um conteúdo gera, pelo menos,
duas partes desse mesmo conteúdo.
         Sobre as citações com mais de três linhas – chamadas de citações diretas longas –
temos o seguinte:


                        As citações com mais de três linhas devem apresentar fonte tamanho 10 e recuo
                        esquerdo de 4cm, além de não possuírem aspas ou recuo de primeira linha. ANTES
                        E APÓS CADA CITAÇÃO DIRETA LONGA HAVERÁ 1 LINHA (com tamanho
                        da fonte 12, embora que elas sejam linhas em branco, sem texto). Lembre-se que da
                        seção secundária para a seção primária seguinte há 2 linhas.




3 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


         Com o objetivo de dar publicidade aos critérios de avaliação de trabalho – e orientar
o autor sobre os aspectos que a revista considera relevantes na produção de um trabalho
científico – o edital da revista traz uma seção que os especifica. Assim, na elaboração de um
trabalho científico deve-se ter em conta (REVISTA FIDES, 2009, p. de internet):


                        1. Originalidade (inovação no tema ou na leitura deste; inovação na metodologia de
                        abordagem do tema; distanciamento da simples colagem de citações);
                                                                                                        4



                       2. Relevância teórico-pragmática do tema (contribuição para o avanço do
                       conhecimento científico; atualidade ou oportunidade do tema; pragmatismo do tema,
                       ou seja, suscetibilidade à aplicações práticas, voltado para a ação);
                       3. Especificidade do tema (temas específicos serão priorizados em relação aos
                       genéricos);
                       4. Profundidade do tema (tema com elevado nível de reflexão; tema que envolve
                       muitas variáveis, hipóteses, nuanças; abordagem a divergências legislativas,
                       doutrinárias e jurisprudenciais);
                       5. Profundidade da pesquisa (quantidade e qualidade das referências; utilização de
                       obras essenciais; bom aproveitamento das referências; diversidade de fontes de
                       consulta, tais como: livros, artigos, teses);
                       6. Coerência e coesão do texto (enquadramento do tema à proposta da revista;
                       conexão lógico-racional das ideias postas, interligando título, resumo, introdução,
                       desenvolvimento e conclusão; harmonia entre desenvolvimento e conclusão,
                       evitando contradição ou dissonância; respeito à delimitação do tema, evitando
                       divagações e fugas);
                       7. Simplicidade na escrita e no estilo (evitar termos rebuscados ou arcaicos, e
                       estruturas textuais imprecisas, prolixas ou desnecessariamente complexas; ser claro
                       e objetivo).



        Caberá à revista, ao apreciar os trabalhos, prestigiar os princípios da simplicidade, do
formalismo razoável e do incentivo à pesquisa científica e publicação.




4 CONCLUSÕES


        Poderá ser intitulado também de considerações finais ou outro nome.
        Nesta seção, apresenta-se as conclusões sobre o tema delimitado pelo título e
analisado ao longo do trabalho, tendo sempre por parâmetros o problema proposto, as
hipóteses levantadas e os resultados obtidos.
        De tal forma, é essencial que as conclusões sejam objetivas e claras, e que
mantenham relação de pertinência lógico-racional com o tema desenvolvido.
        Adiante temos a seção das REFERÊNCIAS. Nessa parte, temos de observar o
seguinte: a) o título será REFERÊNCIAS em negrito e caixa-alta; b) após cada referência
haverá 1 linha; c) o alinhamento será esquerdo; e, d) as referências estarão em ordem
alfabética, e SÓ PODERÁ CONTAR REFERÊNCIAS EFETIVAMENTE CITADAS NO
CORPO DO TRABALHO.
                                                                                              5




           É VEDADO LISTAR REFERÊNCIA QUE NÃO SEJA VINCULADA A
CITAÇÃO – DIRETA OU INDIRETA – NO CORPO DO TEXTO.
           Das CONCLUSÕES para o título REFERÊNCIAS há 2 linhas.
           As notas de rodapé utilizadas na seção das REFERÊNCIAS servem, unicamente,
para fins didáticos, devendo serem excluídas.




REFERÊNCIAS


ALVES, Fábio Wellington Ataíde. Crítica ao foco seletivo do direito penal. FIDES, Natal, v.
2, n. 1, p. 75-78, jan./jun. 2011. Disponível em:
<http://www.revistafides.com/ojs/index.php/br/article/view/163>. Acesso em: 5 maio 2011. 5


ANDRÉS IBÁÑEZ, Perfecto. Neutralidad o pluralismo en la aplicación del derecho?
interpretación judicial e insuficiencia del formalismo. DOXA: Cuadernos de Filosofía del
Derecho, n. 15-16, p. 913-928, 1994. Disponível em:
<http://bib.cervantesvirtual.com/servlet/SirveObras/01361620824573839199024/index.htm>.
Acesso em: 12 maio 2011.6


BOBBIO, Norberto. A Era dos direitos. Trad. de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2004.7


______. Teoria do ordenamento jurídico. Trad. de Maria Celeste Cordeiro Leite dos Santos.
10. ed. Brasília: UnB, 2006. [reimpressão]8


CAPPELLETTI, Mauro. Processo, ideologias e sociedade. Trad. de Elício de Cresci
Sobrinho. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2008. v. I. 9


COSTA, Alexandre Araújo. Direito e método: diálogos entre a hermenêutica filosófica e a
hermenêutica jurídica. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade de Brasília, Brasília,

5
  Artigo publicado em revista eletrônica.
6
  Outro exemplo de artigo publicado em revista eletrônica.
7
  Exemplo de livro com 1 autor.
8
  Utiliza-se 6 (seis) underlines para substituir o nome do autor.
9
  Indicação de volume e tomos sempre ao final da referência.
                                                                                                           6




2008. Disponível em: <http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?
codArquivo=4449>. Acesso em: 23 dez. 2009.10


FILOSOFIA. In: FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário eletrônico
Aurélio versão 5.0. Curitiba: Positivo Informática, 2004. 1 CD-ROM.11


MARTINS, Leonardo; DIMOULIS, Dimitri. Teoria geral dos direitos fundamentais. 2. ed.
rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.12


MEDEIROS, Morton Luiz Faria de. A missão política do Supremo Tribunal Federal:
análise de sua importância como Corte Constitucional para o controle do poder no Brasil.
2006. 124f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas,
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006. Disponível em: <http://bdtd.
bczm.ufrn.br/tedesimplificado//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=853>. Acesso em: 23
dez. 2009.13


NOBRE JÚNIOR, Edilson Pereira. O princípio da boa-fé e sua consagração pela ciência
jurídica. In: ______. O princípio da boa-fé e sua aplicação no Direito Administrativo
brasileiro. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2002. cap. 2.14


RANGEL, Rui (Coord.) et al. Ser juiz hoje. Coimbra: Almedina, 2008.15


REVISTA FIDES. Natal, 2009. Disponível em: <http://www.revistafides.com/index.php/
br/about/submissions#onlineSubmissions>. Acesso em: 31 dez. 2009.16


RICUPERO, Rubens. Pensamento de Bobbio extrapola “breve século 20”. Folha OnLine,
São Paulo, 10 jan. 2004. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/
ult90u40381.shtml>. Acesso em: 23 dez. 2009. 17

10
   Exemplo de tese.
11
   Exemplo de verbete em dicionário eletrônico.
12
   Exemplo de livro com 2 autores.
13
   Exemplo de dissertação.
14
   Exemplo de parte de livro.
15
   Exemplo de livro com mais de 3 autores.
16
   Exemplo de página de internet. Como nesse endereço eletrônico não há números de página, a citação no corpo
do texto será Reale (2003, p. de internet) ou (REALE, 2003, p. de internet).
17
   Exemplo de artigo em jornal.
                                                                                               7




ROCHA, Leonel Severo; SCHWARTZ, Germano; CLAM, Jean. Introdução à teoria do
sistema autopoiético do Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.18


SAINZ MORENO, Fernando. La buena fe en las relaciones de la Administración con los
administrados. Revista de Administración Pública, Madri, n. 89, maio/ago. 1979, p. 293-
314.19


SILVA, Ovídio A. Batista da. Verdade e significado. In: CANOTILHO, José Joaquim
Gomes; STRECK, Luiz Lenio (Coords.). Entre discursos e culturas jurídicas. Coimbra:
Coimbra Editora, 2006. p. 81-109. [Boletim da Faculdade de Direito; Stvdia Ivridica 89]20




TÍTULO EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: 2 LINHAS ANTES, 1 LINHA APÓS


                           ABSTRACT
                           As línguas estrangeiras admitidas são inglês ou espanhol. Em inglês,
                           resumo é abstract e palavras-chave é keywords. Em espanhol, resumo
                           é resumen e palavras-chave é palabras clave. Não são recomendadas
                           as traduções automáticas disponíveis na internet.
                           Keywords: É a tradução. Das palavras-chave. Para o idioma inglês.




18
   Exemplo de livro com 3 autores.
19
   Exemplo de artigo em revista.
20
   Exemplo de artigo em livro.

								
To top