Docstoc

SALVE_ SALVADOR_ SALVE_ SALVADOR_

Document Sample
SALVE_ SALVADOR_ SALVE_ SALVADOR_ Powered By Docstoc
					NEW,S
NEW,S
Uma publicação das empresas do Grupo Wilson, Sons   abril/maio 2005 ano 2 nº 9

                                                                                 168 anos




SALVE,
SALVADOR!
Terminal de contêineres comemora
cinco anos de operações e
participa do desenvolvimento
econômico baiano
     ÍNDICE

  Grandes                                                                                          ADRIANE ABDO

                                                                                                                     3
                                                                                                                            Logística eficiente
                                                                                                                            Monsanto premia divisão por

  conquistas                                                                                                                transporte de matéria-prima

                                                                                                                            Contratos



H
         á datas que merecem ser comemoradas. So-                                                                    4      Empresa constrói e moderniza
         teropolitano de origem, o Grupo Wilson, Sons                                                                       embarcações de vários clientes
         celebra os cinco anos de arrendamento do
Tecon Salvador com melhorias para os usuários desse                                                                         Tecon Salvador
terminal de contêineres, como maior produtividade,                                                                   6      WS comemora 5 anos de operação
maior capacidade de estocagem de contêineres e                                                                              do terminal de contêineres (foto)
menor tempo de estadia dos navios no porto local.
     E quem comprova os benefícios da administra-                                                                           Dragagem em Santos
ção privada é o próprio cliente. Segundo o Grupo                                                                     9      Dragaport restabelecerá calado
CSAV, os ganhos da empresa com os investimentos                                                                             original do porto paulista
realizados no Tecon − mais de US$ 24 milhões, des-
                                                                                                                            Código de Ética
de 2000 − estão relacionados principalmente com a
eficiência proveniente da operação do terminal.
                                                                                                                   10       Colaboradores recebem documento
                                                                                                                            com conjunto de regras
     Um segundo motivo de comemoração é o
prêmio que a divisão de Logística da Wilson, Sons                                                                           Mês das Mães
recebeu da Monsanto, na categoria transportes de
matérias-primas. Para atender às necessidades do
                                                                                                                   11       Adolescentes criam seus filhos com
                                                                                                                            a ajuda da Casa Jimmy
cliente, a Wilson, Sons Logística desenvolveu um
projeto inovador que envolveu três tipos de modais.
O transporte dos produtos químicos utiliza a cabo-
tagem, a ferrovia e a rodovia.
                                                                                                    Em tempo
     Outra conquista é da área de Offshore, cujo
                                                                                                                      Agência Marítima disputa prêmio
contrato para a construção e operação de um PSV
                                                                                                                      A filial do Rio Grande do Sul da Wilson, Sons
(Plataform Supply Vessel) para a Petrobras acaba
                                                                                                                  Agência Marítima disputa neste ano o prêmio
de ser assinado. A previsão é de que as obras co-
                                                                                                                  Bronze de Qualidade (Nível 1), do Programa
mecem no Estaleiro do Grupo no início do segundo
                                                                                                                  Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP).
semestre, com investimentos de US$ 17 milhões.
                                                                                                                  Desde 2003 a filial prepara seus colaboradores
     E, para dar continuidade a todas essas grande-
                                                                                                                  e seus processos para a certificação de qua-
zas, a WS lembra a importância dos colaboradores
                                                                                                                  lidade junto ao programa. Segundo Guilherme
do grupo em seguir fielmente as regras do Código
                                                                                                                  Sucena, encarregado administrativo da filial,
de Ética, que acaba de ser entregue para todos os
                                                                                                                  as possibilidades de chegar ao prêmio são
funcionários, como forma de reforçar os valores da
                                                                                                                  grandes, uma vez que “houve uma revisão em
companhia já existentes.
                                                                                                                  todo o processo administrativo e operacional
     Boa leitura!
                                                                                                                  da filial”. O PGQP foi criado em 1992 e já conta
                                                        Cezar Baião                                               com a adesão de 6.800 organizações, sendo
                                            Diretor-superintendente
                                              do Grupo Wilson, Sons                                               266 delas premiadas.


                      NEW,S é uma publicação da Canal de Comunicação com exclusividade para o Grupo Wilson, Sons – Diretora
                  Responsável: Adriane Abdo – Coordenação Editorial: Comunicação - DHO – Editor: Ana Heloísa Ferrero – Projeto
                  Gráfico e Editoração: Selma Quinália – Revisão: Juliana Boa – Colaboraram para esta edição: Ana Heloisa Ferrero
                  - MTB 23.648, Angela Gusikuda - MTB 25.022, Roberta Celi - MTB 25.856/RJ – Capa: Adriane Abdo – Endereço para
EXPEDIENTE




                  Correspondência: R. Barão de Paranapanema, 146, 10º andar – CEP 13026-010 – Campinas (SP) – Fone: (19) 3295-
                  3525, e-mail: news@canaldecomunicacao.com.br
                      Os artigos assinados e opiniões são de total responsabilidade de seus autores. Nenhum material desta publicação
                  pode ser reproduzido sem prévia autorização.



2            NEW,S abril/maio 2005
 RECONHECIMENTO




                                                                                                 DIVULGAÇÃO
Monsanto premia
equipe de Logística
Operação desenvolvida pelo Grupo WS vence
na categoria Transporte de Matéria-Prima



U
         m excelente projeto de logística,      hora certa para a saída e chegada dos ma-
         criatividade para solucionar adver-    teriais e o fluxo para abastecer na quantidade
         sidades e uma equipe integrada.        exata e no tempo certo. “Com um sistema                       Sérgio Fisher (à esq.) recebe troféu das mãos
                                                                                                              de Victor Marques, gerente de Logística da
Essa foi a fórmula de sucesso da Wilson,        todo informatizado, tínhamos a possibilidade                  Monsanto, e Rick Greubel, presidente da
Sons Logística para ganhar o prêmio “Re-        de encontrar soluções para fatores que não                    Monsanto do Brasil
conhecimento Monsanto de Logística”, na         dependiam de nós, como, às vezes, usar a
categoria “Transporte de Matéria-Prima”.        rodovia e não a cabotagem”, afirma Leandro                    preocupação da qualidade dos veículos utili-
O programa foi criado com os objetivos          Hasegawa, gerente de transporte da Wilson,                    zados e a manutenção dos caminhões com
de reconhecer os prestadores de serviços        Sons Logística.                                               o objetivo de evitar acidentes”, acrescenta.
em transporte em todo o Brasil, melhorar             Segundo Adriana Pedreira, gerente de                         Conforme Omar Passos, diretor regio-
a freqüência e qualidade do diálogo, au-        marketing da Wilson, Sons Logística, as reu-                  nal da Wilson, Sons Logística, o projeto é
mentar os níveis de serviço e identificar       niões mensais de avaliação com a Monsanto                     inovador por utilizar três tipos de modais, o
esforços de investimento em pessoas e           foram importantes para balizar o trabalho                     que atende a uma das filosofias da Mon-
equipamentos.                                   desenvolvido em relação à própria melhoria                    santo que é o de tirar sempre que possível
    “O prêmio é o reconhecimento da             e aos demais prestadores de serviços.                         caminhões da estrada. “Além desses po-
nossa filosofia de sempre agregar valor         Conforme a gerente, um dos diferenciais                       sicionamentos, a Wilson, Sons desenvolve
ao cliente”, avalia Sérgio Fisher, diretor de   do projeto foi a qualidade objetiva atribuída                 vários projetos de responsabilidade social.
operações portuária e logística da Wilson,      a indicadores subjetivos, como cortesia no                    Isso faz com que haja uma valorização
Sons. Segundo ele, o diferencial da equi-       atendimento e tempo de resposta a questio-                    como um todo da empresa”, acredita.
pe envolvida no projeto que conquistou o        namentos da Monsanto. É ter a sensibilida-                        Para Sérgio Garcia, diretor geral de Lo-
prêmio foi a maneira de enxergar o cliente.     de de identificar a necessidade de responder                  gística da Wilson, Sons, a premiação deixa
Ou seja: prestar atenção às reais necessi-      ao cliente tanto em 15 minutos quanto em                      claro quais são os valores com que a em-
dades da Monsanto e, assim, criar as me-        24 horas. “Isso é saber trabalhar conforme                    presa deve trabalhar. “O reconhecimento é
lhores soluções com o objetivo de sempre        a urgência da informação que a Monsanto                       uma forma de criar e modificar ações que
apresentar a melhor performance.                precisa”, diz Adriana Pedreira.                               agregam valor à nossa empresa, justamen-
    Para atender às necessidades da                  Além das adversidades que não depen-                     te a filosofia do grupo”, afirma. Segundo
Monsanto, a Wilson, Sons Logística desen-       diam da WS, o projeto também sofreu adap-                     Victor Marques, gerente de Logística da
volveu um projeto inovador que envolveu         tações para atender aos valores do cliente.                   Monsanto do Brasil, a criação do prêmio
três tipos de modais. O transporte da maté-     De acordo com Jair de Sousa, gerente de                       comprova o compromisso com altos pa-
ria-prima utiliza a cabotagem, a ferrovia e a   novos negócios, foi necessário maior rigor                    drões de qualidade e responsabilidade que
rodovia. O material sai da Bahia através do     em relação aos prestadores de serviços                        a Monsanto possui tanto em suas unidades
Tecon Salvador, seguindo em cabotagem           da Wilson, Sons Logística para conseguir                      produtivas, quanto no atendimento aos
até o porto de Santos, passa para ferrovia      entregar a matéria-prima na quantia exata                     seus clientes, por meio da parceria com
até a estação em Caçapava (SP) e depois         e no tempo certo. “Um dos quesitos foi a                      seus prestadores de serviço. 
segue por meio rodoviário até a unidade
da empresa em São José dos Campos,
                                                                               Multimodalidade é o tema que abre o
também no interior paulista.
                                                                             Circuito Wilson, Sons de Logística 2005,
    A Divisão do Grupo WS é responsável
                                                                              no dia 10 de maio, no Vale do Paraíba.
pelo controle de toda a operação, de ponta
a ponta, com o desafio de trabalhar com a                            Saiba mais no site www.circuitodelogística.com.br


                                                                                                                                    abril/maio 2005 NEW,S   3
   KNOW HOW


 Wilson, Sons constrói e
 moderniza embarcações
                                                                    Empresas do Grupo ampliam
                                                                    relações com a Petrobras e
                                                                    ingressam no serviço de melhorias
                                                                    em PSVs para outros clientes



                                                                    A
                                                                            conquista de mais uma licitação da Petrobras
                                                                            para a construção e operação de um PSV com
                                                                            capacidade de três mil toneladas de carga
                                                                    começa a sair do papel. O contrato entre a Saveiros
                                                                    Camuyrano, empresa do Grupo Wilson, Sons, e a
                                                                    Petrobras foi assinado em abril e a previsão é de que
                                                                    as obras comecem no início do segundo semestre.
                                                                    O projeto será inovador, em parceria com a empresa
                                                                    holandesa Damen Shipyards, que é especialista em
                                                                    rebocadores portuários e embarcações de serviço,
                                                                    e contará com um sistema de propulsão diesel-
                                                                    elétrico no PSV.
                                                                        Com investimentos de aproximadamente US$ 17
                                                                    milhões, o Grupo Wilson, Sons planeja buscar recur-
                                                                    sos junto ao Fundo de Marinha Mercante, no Banco
                                                                    Cat Finance ou em outras opções fora do mercado
                                                                    brasileiro. A expectativa é de que a embarcação
                                                                    entre em operação até junho de 2007 em Macaé,
                                                                    no Rio de Janeiro.
                                                                        “É uma conquista muito importante para nós que
                                                                    já temos dois PSVs operando com a Petrobras. É
                                                                    uma estratégia para aumentar nossa participação no
                                                                    mercado offshore. Com mais essa, nós teremos três
                                                                    embarcações”, explica o diretor de Rebocadores e
                                                                    Estaleiro do Grupo Wilson, Sons, Arnaldo Calbucci.
                                                                        A Saveiros Camuyrano deve participar, ainda
                                                                    este ano, de outras licitações junto à Petrobras, entre
                                                                    elas as de construção e operação de PSVs 2000 e
                                                                    3000, do tipo carga geral. Entre os anos de 2002 e
                                                                    2003, a Wilson, Sons Estaleiro construiu dois PSVs:
                                                                    o Saveiros Albatroz e o Saveiros Gaivota, que foram
                                                                    afretados à Petrobras por um período de seis anos,
                                                                    com possibilidade de extensão para oito anos.
                                                                        No setor de rebocadores portuários, a Wilson,
                                                                    Sons Estaleiros está construindo para a Saveiros,
Funcionários trabalham no Guarujá: estaleiro da WS já construiu
                                                                    Camuyrano cinco embarcações no valor aproximado
mais de 80 embarcações, entre rebocadores, lanchas para a Marinha
Brasileira e embarcações de apoio a plataformas de petróleo         de US$ 25 milhões. Um rebocador já foi entregue e
                                                                                                                                           FOTOS: MANOEL F.F. SOUZA
                                                                                                      Vista geral do Estaleiro
                                                                                                      da Wilson, Sons




os outros devem ficar prontos em maio,              Segundo o diretor do Estaleiro, Adalberto propulsão (motores principais, linhas de
julho, dezembro e início de 2006. Desde        Luiz Renaux Souza, esse trabalho está sen- eixos e hélices), sistemas de navegação e
que entrou no mercado de construção            do um grande aprendizado para todos os comunicação desses barcos estão sendo
naval, o Estaleiro já construiu mais de 80     colaboradores envolvidos. “É um grande de- substituídos, o que contribuirá para atender
embarcações, dentre elas rebocadores,          safio você transformar uma embarcação de aos requisitos básicos de uma embarcação
lanchas para a Marinha Brasileira e em-        30 anos em um novo PSV. A parte estrutural mais atual. O comprimento, que era de 50
barcações de apoio a plataformas de            é diferente e a cada dia é uma descoberta. É metros, está sendo aumentado para 63
petróleo. A média atual é de quatro novas      mais fácil construir uma nova embarcação”, metros e a largura passou de 12 metros para
construções a cada ano.                        conta Adalberto Souza.                          14,40 metros. Com isso, a capacidade de
    Utilizados para a navegação em mar              Construídos em me-                                        carga das embarcações
aberto, os PSVs são embarcações res-           ados da década de 70,                                          subirá de 850 para 1.500
ponsáveis pelo transporte de peças, com-       estes PSVs tinham uma                    “É um grande          toneladas de porte bruto.
ponentes, materiais e suprimentos para as      capacidade de carga que                     desafio                O processo de jumbo-
plataformas de petróleo em alto-mar.           não atendia mais à logís-              transformar uma         rização de PSVs começou
                                               tica do mercado. “Atual-                embarcação de          em junho do ano passado.
     Capacidade de carga                       mente, as embarcações                   30 anos em um          Segundo Adalberto Souza,
     aumentada                                 vão fazer entregas em                     novo PSV”            a previsão era que os bar-
     No momento, a Wilson, Sons Estaleiros     várias plataformas e as                                        cos fossem finalizados em
moderniza três PSVs (Plataform Supply          antigas não têm capaci-                                        seis meses. Cerca de 400
Vessel). As embarcações estão tendo sua        dade para atender a toda                                       funcionários participaram
capacidade de carga aumentada. Duas            a demanda. Já na primeira entrega têm da modernização. Os contratos com a
unidades pertencem à Companhia Brasileira      que voltar”, explica o diretor.                 CBO foram assinados em março do ano
de Offshore (CBO), a primeira delas será en-        De acordo com Adalberto Souza, a passado. Já a modernização da Delba foi
tregue este mês e a outra está prevista para   jumborização (nome dado ao aumento fechada em julho e o processo começou
ficar pronta em maio. A terceira embarcação    de capacidade e modernização de um em novembro. Os investimentos para a
é da Delba Marítima Navegação e deve ser       navio) permite uma sobrevida a uma jumborização estão sendo de cerca de
concluída em julho deste ano.                  embarcação. Para isso, os sistemas de US$ 6 milhões para cada barco. 

                                                                                                                   abril/maio 2005 NEW,S   5
    ANIVERSÁRIO




Abençoado



A
        Bahia de todos os santos, crenças   povo baiano e já investiu no local cerca de   dos clientes.
        e costumes avança a cada ano        US$ 24 milhões desde 2000, quando teve             Essas mudanças já começam a trazer
        e mostra a sua importância na       início contrato de arrendamento.              resultados operacionais tanto para os ar-
economia do país. A industrialização a           Nesses cinco anos, além de investir      madores quanto para toda a cadeia que
partir do pólo petroquímico de Camaçari,    em infra-estrutura e equipamentos,            utiliza o terminal. Segundo David Giovani
responsável por 35% das exportações         o Terminal também confiou em seus             Giacomini, gerente do Centro Regional/
do estado e uma geração de 23 mil em-       recursos humanos. Foram contratadas           Brasil do Grupo CSAV, um dos usuários
pregos, ajudou a Bahia a ter os melhores    390 pessoas e somente no último ano           do Terminal, os ganhos da empresa com
indicadores sociais. E, dentro desse ce-    foram treinados 150 profissionais, com        os investimentos realizados no TECON
nário de desenvolvimento, está o TECON      um total de 176 horas de estudo. Mais         Salvador não estão necessariamente
Salvador que comemora cinco anos de         do que novas máquinas, o TECON optou          relacionados à redução de tarifas. “Mas,
operação. Soteropolitano de origem, o       por uma política de reestruturação dos        principalmente, com a eficiência prove-
Grupo Wilson, Sons, ao qual o terminal      processos para obter ganhos de pro-           niente da operação”, afirma.
de contêineres está ligado, acredita no     dutividade e atender às necessidades               A Companhia SudAmericanas de


6   NEW,S abril/maio 2005
Tecon                                                                              Produtividade Média
                                                                                   Tecon Salvador Mvs/hs




Terminal de contêineres
em Salvador completa
cinco anos de operação
sob a administração
do Grupo WS



                                                                                            no depósito de vazios. O recurso será
                                                                                            aplicado na pavimentação de mais 54 mil
                                                                                            metros quadrados do Depot, que já rece-
                                                                                            beu investimentos de R$ 6 milhões desde
                                                        Tecon Salvador                      2003. O valor compreende a aquisição de
                                                        já recebeu                          uma área de 100 mil metros quadrados,
                                                        investimentos
                                                        da ordem de                         dos quais 27 mil já foram pavimentados,
                                                                                       NILTON DE SOUZA




                                                        US$ 24 milhões                      além da compra de maquinários e de
                                                                                            novas instalações no depósito.
                                                                                                A pavimentação é necessária para
 Vapores (CSAV) é uma das empresas           res vazios tem alto grau de satisfação dos tornar o piso regular e, com isso, otimizar
 de navegação mais antiga do mundo. A        clientes do grupo. “A eficiência de um de- os serviços. Além disso, os R$ 3,6 milhões
 companhia chilena oferece um serviço        pósito de vazios representa                                   também serão utilizados
 abrangente para carga geral, granel,        hoje uma grande vanta-                                        na ampliação da oficina de
 produtos frescos, congelados e veículos.    gem competitiva do carrier           “A eficiência de         reparos de contêineres, o
 O Grupo usa navios próprios e afretados,    oceânico em relação aos              um depósito de           que propiciará maior capa-
 estabelecendo uma conexão entre as          concorrentes”, avalia. A            vazios representa         cidade de reparos simultâ-
 Costas Atlântica e Pacífica da América do   partir do TECON Salvador,             uma vantagem            neos, aumento do número
 Sul com o resto do mundo.                   o grupo faz o transporte              competitiva do          de unidades disponíveis
     Giacomini destaca ainda os investi-     para o norte da Europa,             carrier oceânico”         para o exportador; redu-
 mentos realizados no Depot – depósito       Mediterrâneo e Golfo dos                                      ção do tempo médio de
 para o gerenciamento e armazenamento        Estados Unidos.                                               estadia das unidades no
 de contêineres vazios. De acordo com o          O TECON Salvador                                          terminal e diminuição do
 executivo da CSAV, a entrega de contêine-   investe este ano mais R$ 3,6 milhões custo com armazenagem.


                                                                                                                abril/maio 2005 NEW,S   7
    Segundo Luiz Henrique Porciúncula          on-line e em tempo real no sistema                                   A remodelação dos processos adota-
Alves, gerente de operações do TECON           da empresa. Dessa forma, o cliente                              dos já trouxe resultados. Um exemplo é o
Salvador, foram realizadas várias melho-       tem a qualquer momento informações                              tempo de espera de atracação que dimi-
rias que possibilitaram a maior eficiência     atuais sobre toda a movimentação da                             nuiu em mais de uma hora. Os armadores
operacional do Terminal. Entre elas está       carga no porto. “Além do relatório que                          aguardavam em 2003 uma média de 3,81
               a implantação dos cole-         encaminhamos, o cliente tem ainda a                             horas. Em 2004, esse tempo caiu para
                 tores de dados sem fio.       opção de acessar o nosso site e ter                             uma média de 2,20 horas. A eficiência
                  Todas as informações         todas as informações de que neces-                              do TECON é conquistada ano a ano. Em
                       são atualizadas         sita”, explica.                                                 2000, no início das operações, o terminal
                                                                                                               movimentava uma média de 15,52 contê-
                                                                                                               ineres/hora por navio. Em 2004, a média
                                                                                                               foi de 35,83 contêineres/hora por navio, o
                                                                                                               que significa uma produtividade 2,3 vezes
                                                                                                               maior do terminal.
                                                                                                                    De acordo com o executivo da CSAV,
                                                                                                               os principais reflexos sentidos com as
                                                                                                               melhorias implantadas foram maior produ-
                                                                                                               tividade, maior capacidade de estocagem
                                                                                                               de contêineres no pátio e menos tempo
                                                                                                               de estadia dos navios em porto. “Enfim,
                                                                                                               maior eficiência na operação como um
                                                                                                               todo”, diz Giacomini.
                                                                                         FOTOS: ADRIANE ABDO




     Inventores facilitam operações
        Quem não se lembra do professor lavador até o contêiner. “Fiz o desenho e le- “Aproveitamos equipamentos que já
    Ludovico? E do Franjinha da turma vei a idéia para a gerência”, diz. A proposta        tínhamos”, observa.
    da Mônica? E um personagem mais foi aceita e implantada no ano passado.                    O outro inventor, que sempre esteve
    recente, como Dexter? Em toda turma         Segundo Expedito Gonçalves da Silva, com a mente voltada para idéias inova-
    sempre tem um inventor para facilitar gerente de operações do Depot, além doras, é o Raimundo Paraíso, 36 anos,
    algo em nossa vida. No TECON Salvador de reduzir o tempo de movimentação de supervisor de operações do Depot. Ele
    não é diferente. Dois colegas tiveram o um equipamento que pesa entre quatro é o idealizador do Wil Power. Trata-se
    chamado “estalo” e inventaram o Wil e cinco toneladas, a invenção utilizou um de um gerador embarcado em um
    Washer (lavador móvel de contêiner) e contêiner tanque que estava fora de uso. semi-reboque, que permite utilizá-lo para
    o Wil Power (gerador de energia                                                              fornecer energia nas inspeções
    móvel - power pack).                                                                         de maquinário dos contêineres
        “Eu ficava olhando o pessoal                                                             frigoríficos em qualquer local do
    movimentando os contêineres para                                                             terminal. “É gratificante saber que
    serem lavados e ficava pensando                                                              as pessoas confiam nas suas idéias
    em como poderia ajudar”, conta                                                               e, principalmente, ver que estão em
    Marcos Nascimento, 35 anos,                                                                  prática, beneficiando a todos”, diz.
    operador de empilhadeira de                                                                  Em apenas dois anos de empresa,
    grande porte do Depot, conhecido                                                             esse espírito inovador do Raimun-
    pelos colegas como Uga! Uga! Foi                                                             do já o promoveu de vistoriador
    nesse momento que ele percebeu                                                               de contêiner para supervisor de
    que seria mais fácil movimentar um Wil Washer: invenção de um operador de empilhadeiras      operações. 



8   NEW,S abril/maio 2005
 SERVIÇO




                                                                                                                            Draga
                                                                                                                            autotransportadora
                                                                                                                            Macapá em
                                                                                                                            operação no
                                                                                                                            Porto de Mucuripe,
                                                                                                                            Fortaleza




Dragaport inicia dragagem
no Porto de Santos
Trabalho realizado pela empresa ligada ao Grupo Wilson, Sons, Serveng-Civilsan S.A.
e Companhia Brasileira de Offshore Ltda. (CBO) estabelecerá o calado original



U
        m dos mais importantes portos         de Santos e a Torre Grande, sendo este        somente por dragas estrangeiras.
        da América Latina, o Porto de         trabalho executado pela draga autotrans-           A Dragaport, com sede no Rio de
        Santos, no litoral paulista, passa    portadora Boa Vista I, com capacidade na      Janeiro, é proprietária das duas maiores
por uma operação de dragagem que              cisterna de 5.600 metros cúbicos. O prazo     dragas autotransportadoras do Brasil, com
garantirá o calado original e mais segu-      previsto pela Codesp para a conclusão do      5.600 metros cúbicos de capacidade de
rança à navegação das embarcações.            serviço é de 12 meses, mas a Dragaport        cisterna cada uma. Essas embarcações
O serviço, fundamental e que deveria ser      Engenharia prevê que a conclusão do           foram modernizadas de modo a colocá-
freqüente, mas que por falta de licença       mesmo ocorra em quatro meses. Ao todo,        las no “state of art” do monitoramento
ambiental não era realizado há dois anos,     devem ser retirados 2,2 milhões de metros     do processo de dragagem, podendo
foi retomado em fevereiro. Para realizá-lo,   cúbicos de assoreamento.                      ser equiparadas às mais modernas em
a Companhia Docas do Estado de São                 Paralelamente à dragagem em San-         serviço no mercado mundial. A Dragaport
Paulo (Codesp), que administra o porto,       tos, a Dragaport Engenharia também            foi fundada em maio de 1999, tendo como
contratou a Dragaport Engenharia – ligada     opera no norte e nordeste do país. A          suas acionistas as empresas Wilson, Sons,
ao Grupo Wilson, Sons − ao valor estima-      empresa concluiu recentemente a dra-          Serveng-Civilsan S.A. e Companhia Brasi-
do em R$ 11 milhões.                          gagem do Porto de Mucuripe, em Forta-         leira de Offshore Ltda. (CBO).
     A dragagem dos canais de navega-         leza, e, atualmente, opera com a draga             Para Arnaldo Calbucci, diretor do Grupo
ção do porto é necessária para evitar         autotransportadora Macapá, em São Luis,       Wilson, Sons, há um vasto potencial de
encalhes de navios com calado maior           no Maranhão. Essa dragagem faz parte          mercado nacional na área de dragagem,
ou de embarcações transportando car-          de um contrato firmado com a Compa-           mas, como a maioria dos portos depende
gas até seu limite máximo permitido. Um       nhia Vale do Rio Doce (CVRD) para uma         de verbas do governo federal, tem sido um
canal sem dragagem faz com que navios         operação localizada a 100 quilômetros         negócio muito difícil para as empresas do
maiores que necessitam de maiores pro-        da costa brasileira, no início do canal de    setor, em razão da falta de recursos públi-
fundidades procurem outros portos que         acesso para o Porto de Ponta da Madeira       cos. “É um bussiness onde há a necessi-
tenham um canal mais profundo e que           e do Porto do Itaqui. É a primeira vez que    dade de dragagem, mas a contratação é
não ofereçam riscos à navegação.              essa dragagem está sendo executada            bem pequena e está aquém das nossas
     A Dragaport Engenharia é responsável     por um equipamento de bandeira brasi-         expectativas. No entanto, acreditamos no
pela dragagem do trecho entre a Barra         leira, tendo sido realizada, anteriormente,   futuro do setor”, afirma. 

                                                                                                                 abril/maio 2005 NEW,S   9
    TRANSPARÊNCIA


  Código de Ética
                                                                                                  Relações no trabalho
                                                                                                  As relações em qualquer

  reúne valores                                                                                    ambiente de trabalho do
                                                                                                   Grupo devem ser pautadas por
                                                                                                   respeito e cordialidade entre
  Colaboradores da Wilson, Sons receberão neste mês de                                             funcionários, predominando
                                                                                                   o espírito de equipe, o
  maio um documento que traz o conjunto de regras do Grupo
                                                                                                   profissionalismo, a lealdade e a



  O
                                                                                                   confiança.
         Grupo Wilson, Sons acaba de              Júnior, o Código WS de Ética foi desen-
         atualizar o seu conjunto de regras       volvido entre novembro e dezembro de            É proibida a utilização de
                                                  2004, a partir de pesquisas bibliográficas,      cargo para obter facilidades ou
         e valores em um Código de Ética
                                                                                                   favorecimentos.
  que será distribuído a todos os seus            consultas e análises dos procedimentos
  colaboradores. O objetivo do documento          de controle internos relacionados ao            É inadmissível qualquer forma
                                                  assunto, além do benchmarking com                de discriminação (seja de
  é lembrar e disseminar esses valores
                                                                                                   raça, sexo, credo, convicção
  que norteiam os diversos segmentos              grandes empresas (Cia. Vale do Rio Doce,
                                                                                                   política ou outra) e ameaças ou
  de negócios da companhia pelo Brasil e          Petrobras, Grupo Votorantim, Laboratório
                                                                                                   assédios entre os funcionários.
  que são compatíveis com os princípios           Shering-Plough, entre outros). “Depois de
                                                                                                  É proibido qualquer tipo de
  universais da ética. A expectativa é de         todos esses procedimentos, adequamos
                                                                                                   propaganda política, religiosa e
  que todos os colaboradores do Grupo             o trabalho às reais necessidades do Grupo
                                                                                                   comercial nas dependências do
  recebam o Código em maio.                       Wilson, Sons”, ressalta Almeida Júnior.
                                                                                                   Grupo WS.
                                                       Os colaboradores da companhia
                                                                                                  É proibida a utilização do
                                                  devem estar constantemente atentos ao
A palavra “ética” é definida                                                                       correio eletrônico interno para
                                                  cumprimento do Código e as dúvidas a
como um conjunto de                                                                                assuntos não pertinentes ao
                                                  respeito de situações concretas devem ser        Grupo (como mensagens
regras e preceitos de ordem
                                                  encaminhadas ao superior hierárquico, que        pornográficas, racistas e de
valorativa e moral de um
indivíduo, de um grupo                            consultará o Comitê de Ética para esclare-       cunho religioso ou político).
social ou de uma sociedade.                       cimentos. Dessa forma, ficará garantida a       Os funcionários não devem
                                                  credibilidade junto aos mercados em que          ter empregos ou atividades
                                                  a Wilson, Sons atua. A imagem positiva do        paralelas que prejudiquem
       Este documento, elaborado pela             Grupo é um patrimônio de seus acionistas,        o exercício eficiente de suas
  Auditoria Corporativa do Grupo, é parte         administradores e funcionários, fruto do         funções no Grupo WS.
  da preocupação da companhia com                 compromisso de todos.                           Os funcionários devem ser
  sua responsabilidade social e um dos                 “Espero que a inclusão do Código            estimulados a manifestar
  caminhos para solidificar                                        de Ética continue a fazer       alinhadas com os objetivos do
  de forma transparente as                                         parte do nosso dia-a-dia        Grupo WS.
  relações da Wilson, Sons              “O Código foi              e resulte sempre no cres-      É permitido receber brindes
  com clientes, colabo-               elaborado no final           cimento individual e na         institucionais e convites, desde
  radores, comunidade e                  de 2004 pela              maturidade de cada um           que isso não interfira no
  governo. Também con-               equipe de Auditoria          de nós que formamos o            relacionamento profissional.
  tribui para a realização                Corporativa             Grupo Wilson, Sons. Um          O Grupo WS mantém uma
  de um dos objetivos da                   do Grupo”              indivíduo maduro e ético         relação de respeito com os
  companhia que é o de                                            age constantemente movi-         sindicatos, sem nenhuma
  assegurar a satisfação de                                       do por princípios universais     discriminação aos funcionários
  seus clientes prestando serviços com            baseados na igualdade e no valor da              sindicalizados. E nenhum
                                                                                                   pagamento ou benefício
  qualidade, confiabilidade, eficiência,          vida humana, resultado de um longo
                                                                                                   poderá ser oferecido a órgãos
  disponibilidade e segurança.                    trabalho de aprendizado pessoal”, afirma
                                                                                                   governamentais em troca de
       Segundo o gerente de Auditoria Corpo-      o diretor-superintendente da companhia,
                                                                                                   vantagens.
  rativa da companhia, Luiz Leite de Almeida      Cezar Baião. 


  10   NEW,S abril/maio 2005
  MÊS DAS MÃES

Maternidade precoce
Algumas meninas enfrentam a responsabilidade de criar
seus filhos com a ajuda de ONGs, como a que mantém
a Casa Jimmy, no Rio de Janeiro



E
       nquanto muitas meninas de 12 anos     foi encaminhada no ano passado pelo             dois de-
       ainda brincam com bonecas, outras     Conselho Tutelar à Casa Jimmy, a partir         les têm
       na mesma idade embalam seus fi-       de uma denúncia do hospital onde fazia          filhos,
lhos de verdade, em meio a adversidades      o pré-natal do segundo filho, pois morava       mas são
sociais e econômicas. A dura realidade da    com o pai da criança, um pedreiro de            mais ve-
gravidez na adolescência nem sempre          32 anos, apesar de ser menor de idade.          lhos que
é motivo de comemoração no Mês das           “Estamos trabalhando com J. e a mãe o           eu”, explica.
Mães, celebrado em maio. Mas, com o          retorno ao convívio familiar, levando os        M. foi morar
apoio de organizações não-governamen-        filhos consigo”, informa a assistente social    com uma
tais (ONGs), muitas meninas têm a chan-      Ana Cristina Rodrigues Coelho.                  tia quan-
ce de enfrentar melhor as dificuldades da         J., que até pouco tempo brincava com       do en-
maternidade precoce e sonhar com um          suas bonecas Barbies, agora brinca com          gravidou,
futuro digno para suas crianças.             o filho mais velho de carrinho e bola. “Às      mas não se
     Na Casa Jimmy, no Rio de Janeiro, por   vezes os meninos começam a chorar               entenderam,
exemplo, hoje vivem duas adolescentes        ao mesmo tempo, então eu acudo um               então ela foi en-
                                                                                                                                PATRICIA SANTOS/FOLHA IMAGEM
e seus bebês, que recebem os cuidados        primeiro, depois o outro. O mais velho é        caminhada à Casa Jimmy.
de uma equipe multidisciplinar, que tem      o mais chorão. Acho que ele ficou com               Ela diz que não imaginava que cuidar
por meta dar ferramentas a essas garotas     ciúmes do nascimento do menor. Tive             de um bebê fosse tão difícil. “O meu filho
para que, ao atingirem a maioridade, con-    que parar de amamentá-lo, quando fiquei         ficou uma semana internado com febre.
sigam cuidar sozinhas de seus filhos.        grávida de novo”, conta.                        Chorei muito, com medo do que podia
     “Estou na quinta série primária e me         M.S.M, de 16 anos, lamenta que o na-       acontecer com ele. Mas aqui na casa
acho uma boa aluna. Espero que meus          morado de 17 anos não conheça o filho,          eles me ensinam a ter responsabilidade,
filhos sejam tão trabalhadores quanto o      de 4 meses, que nasceu quando ela já            como cuidar do bebê e me tratam bem”,
pai deles”, diz a adolescente J.S.A, de      morava na Casa Jimmy. “Eu namorava há           afirma M., que está cursando a quarta
14 anos, mãe de dois meninos – um            muito tempo, quando engravidei. A minha         série primária. Na ONG, faz cursos como
de 2 anos e outro de três meses. Ela         família toda me criticou. Tenho dez irmãos,     produção de bijuterias e chinelos.”



 Projeto para o segundo abrigo
      Ligada à Task Brasil Trust − organi-   com sede no país (como o Grupo Wilson,          alimentação, vestuário, contas, medica-
  zação fundada em 1992, em Londres −,       Sons) e da Inglaterra, doadores físicos,        mentos, entre outras despesas.
  a Casa Jimmy é um abrigo de crianças       escolas, igrejas, eventos organizados pela          “A aquisição de terreno foi realizada
  e de adolescentes grávidas, localiza-      Task Brasil e por meio de um convênio com       por meio de doação, como também re-
  do em Santa Tereza, bairro no centro       a Secretaria Municipal Assistencial Social      cebemos parte do custo da construção
  carioca, desde 1998. Na maioria dos        do Rio de Janeiro. A organização busca          da casa, o que cobre o valor do material,
  casos, os moradores estão abaixo da        viabilizar a construção de uma segunda          porém é insuficiente para o custo de
  linha da pobreza, pois a família vive em   casa para atender 10 adolescentes mães,         mão-de-obra”, afirma Ligia da Silva,
  situação de rua.                           grávidas e seus filhos. O projeto depende       curadora e fundadora da Task Brasil.
      No local, já foram atendidos 116       de parceria financeira para os custos, inclu-
                                             sive o pagamento de salários de assistente                            Serviço: Task Brasil Trust
  adolescentes, 38 bebês e 145 crianças,
                                                                                                                       www.taskbrasil.org.uk
  mantidos com o apoio de empresas           social, enfermeira, educadoras sociais, mais                          Telefone: (21) 2507-5452


                                                                                                                      abril/maio 2005 NEW,S     11

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:11
posted:2/29/2012
language:Portuguese
pages:12