LER/DORT- Les�es por Esfor�os Repetitivos

Document Sample
LER/DORT- Les�es por Esfor�os Repetitivos Powered By Docstoc
					 LER/DORT- Lesões por Esforços
        Repetitivos
• Considerada como uma doença
  silenciosa e invisível as Ler/Dort,
  continuam a incapacitar para o
  trabalho milhares de trabalhadores
  persistindo em uma gritante e visível
  realidade.
• Os distúrbios músculo esqueléticos
  relacionados á sobrecarga mecânica
  no trabalho tem sido apontados na
  literatura desde o início do século
  XVIII.
• . O custo econômico e social destas
  afecções chama a atenção,
  especialmente no mundo de hoje que é
  voltado para competitividade.
• Capitalismo Global
• Quantidade
• Qualidade de vida
     LER/DORT-Distúrbios
 Osteomusculares Relacionados ao
           Trabalho
• CARACTERIZAÇÃO:
Referem-se a um conjunto heterogêneo
  de afecções do sistema músculo-
  esquelético.
-Tenossinovite- inflamação do tecido que
  reveste os tendões.
-Epicondilite- inflamação das estruturas
  do cotovelo.
-Tendinite- inflamação dos tendões.
-STC- compressão do nervo mediano na
  altura do punho.
            LER/DORT

Atingem principalmente os MMSS e
 região do pescoço,
Ocorrem em razão, basicamente, da
 sobrecarga no sistema músculo-
 esquéletico,
São ocasionadas pelo trabalho contínuo
 e repetitivo
   ESTÁGIOS DA LER/Dort
• Grau I
• Sensação de peso e desconforto
  no membro afetado. Dor
  espontânea no local, às vezes
• com pontadas ocasionais durante
  a jornada de trabalho, que não
  interferem na produtividade. Essa
  dor é leve e melhora com o
  repouso. Não há sinais clínicos.
    ESTÁGIOS DA LER/Dort
• Grau II
• Dor mais persistente e mais intensa. Aparece
  durante a jornada de trabalho de forma
• contínua. É tolerável e permite o desempenho
  de atividade, mas afeta o rendimento nos
• períodos de maior esforço. É mais localizada
  e pode vir acompanhada de formigamento e
• calor, além de leves distúrbios de
  sensibilidade. Os sinais clínicos de modo
  geral continuam ausentes.
• Podem ser observados pequena nodulação e
  dor ao apalpar o músculo envolvido.
     ESTÁGIOS DA LER/Dort
• Grau III
• A dor torna-se mais persistente, mais forte e tem
  irradiação mais definida. O repouso em
• geral só diminui a intensidade, nem sempre fazendo-a
  desaparecer por completo.
• Aparece mais vezes fora da jornada, especialmente à
  noite. Perde-se um pouco a força muscular. Há queda
  de produtividade, quando não impossibilidade de
  executar a função.
• Os trabalhos domésticos muitas vezes não podem ser
  executados. Os sinais clínicos estão presentes. O
  inchaço é frequente assim como a transpiração a
  alteração da sensibilidade.
• Movimentar ou apalpar o local afetado causa dor
  forte. O retorno ao trabalho nesta fase é problemático.
     ESTÁGIOS DA LER/Dort
• Grau IV
• Dor forte, contínua, por vezes insuportável, levando a
  intenso sofrimento. A dor se acentua com os
  movimentos, estendendo-se a todo o membro afetado.
  Dói até quando o membro estiver imobilizado. Ha perda
  de força muscular.
• O inchaço é persistente e podem aparecer
  deformidades. As atrofias, principalmente dos dedos,
  são comuns em função do desuso. A capacidade do
  trabalho é anulada e a invalidez se caracteriza pela
  impossibilidade de um trabalho produtivo regular. As
• atividades do cotidiano são muito prejudicadas. Nesse
  estágio são comuns as alterações psicológicas, com
  quadros de depressão, ansiedade e angústia.
     SITUAÇÕES DE RISCO
• Várias situações
  de trabalho
  podem ocasionar
  as LER/Dort,
  entre elas:

• Ritmo intenso de
  trabalho
     SITUAÇÕES DE RISCO
 cobrança contínua da
  chefia para produzir
  cada vez mais e
  errar cada vez
  menos
• Patamares de metas
  de produção
  crescentes,sem
  mudanças nas
  condições para
  atingi-las;
• Jornadas de
  trabalho
  prolongadas;
    SITUAÇÕES DE RISCO

  Atividades
  operacionais
  repetitivas
• Falta de
  pequenas
  pausas
  espontânea
  quando
  necessário
    SITUAÇÕES DE RISCO
• Imobiliário
  ergonomicamente
  mal projetado;
• Manutenção de
  postura fixa por
  tempo
  prolongado;
      SITUAÇÕES DE RISCO
• falta de flexibilidade
  de tempo?
• Ambiente de trabalho
  desconfortável: muito
  seco, muito frio, muito
  quente, pouco
  iluminado, barulhento,
  apertado, etc...
            SINTOMAS
• Dor, desconforto,sensação de peso,
  estes sintomas inicialmente passam
  despercebidos pelo trabalhador, visto
  que freqüentemente ocorrem só
  durante o trabalho.
• Mas com o passar do tempo, esses
  sintomas ocorrem á noite, finais de
  semana até tornarem presentes o
  tempo todo.
• Muitas pessoas só se dão conta de que
  há algo errado quando começam a
  apresentar limitação importante
            SINTOMAS
• É comum em um estágio mais tardio a
  presença de formigamento, dormência,
  diminuição da força muscular nas
  mãos e diminuição da agilidade dos
  dedos.
• Todos esses sintomas causam
  incapacidade ou limitação para as
  A.V.Ds e laborais e frequentemente
  causam depressão, angustia – pela
  incerteza e medo do futuro
PREVENÇÃO/ POSIÇÃO
     SENTADO
     PREVENÇÃO/ POSIÇÃO
          SENTADO
• Procure utilizar
  um suporte de
  documentos e
  posicione este
  suporte à sua
  frente, com
  papéis a serem
  lidos, assim você
  não força o
  pescoço para os
  lados.
    PREVENÇÃO/ POSIÇÃO
         SENTADO
• No trabalho
  constante com o
  microcomputador
  cumpra
  rigorosamente
  uma pausa a
  cada hora
  trabalhada.
     PREVENÇÃO/ POSIÇÃO
          SENTADO
• Posicione o
  mouse junto ao
  teclado.
     PREVENÇÃO/ POSIÇÃO
          SENTADO
• Procure colocar
  os objetos de uso
  constante como
  telefone, agenda,
  grampeador e
  outros o mais
  próximo possível
  de seu corpo.
     PREVENÇÃO/ POSIÇÃO
          SENTADO
• Durante o
  expediente, não
  esqueça de
  sempre que
  possível, fazer
  movimentos de
  distensionamento
  . Movimentos
  contrários aos
  que você faz no
  trabalho.
     PREVENÇÃO/ POSIÇÃO
          SENTADO
• Evite torção do
  pescoço e tronco
  ao ter que
  atender os
  chamados
  telefônicos .
 PREVENÇÃO/ POSIÇÃO EM PÉ
• Se você trabalha em
  pé, procure manter o
  seu corpo ereto e
  regule a altura do
  seu posto de
  trabalho.
  Para trabalhos
  pesados, que exigem
  força,
  regule mais ou menos
  10 centímetros abaixo
  da altura da cintura.
 PREVENÇÃO/ POSIÇÃO EM PÉ
• Para trabalhos mais
  leves, na altura dos
  cotovelos.
 PREVENÇÃO/ POSIÇÃO EM PÉ
• Procure aproximar
  seu corpo dos objetos
  de
  trabalho de forma que
  você não tenha de se
  encurvar ou se
  afastar para poder
  acioná-los.
 PREVENÇÃO/ POSIÇÃO EM PÉ
• Nunca force só um
  padrão de movimento
  durante toda a
  jornada de trabalho.
 PREVENÇÃO/ POSIÇÃO EM PÉ
• Adote os exercícios
  de aquecimento ou
  com
  movimentos
  contrários àqueles
  que você realiza
  no seu trabalho como
  uma importante forma
  de preservação de
  sua saúde.
• Fora do trabalho,
  evite fazer tarefas
  que tenham o padrão
  de movimentos
  daqueles feitos no
  trabalho.
Seja mais
ORGANIZADO
profissionalmente,
arrumando tempo
para se divertir.
      AÇÕES PREVENTIVAS
Construção de Políticas Públicas:
- atenção e promoção de saúde;
- prevenção de acidentes e doenças;
- prevenção de agravamentos;
- reabilitação.
- mobilização dos diversos grupos sociais: instituições,
  representações classistas e profissionais de saúde.
“O nosso grupo é mais forte do que eu sozinho”
     AÇÕES PREVENTIVAS
 Para fortalecer as ações de saúde do trabalhador
 e diminuir a incidência de acidentes e doenças
 ocupacionais, em especial as LER/Dort, são de
 fundamental importância as seguintes entidades
 quando bem organizadas e eficientes:

• CIPA- Comissão Interna de Prevenção de
  Acidentes.
       AÇÕES PREVENTIVAS
Funções da CIPA:
• verificação periódica das situações de risco nos
  ambientes de trabalho;
• identificação dos fatores de risco dos processos de
  trabalho;
• elaboração de plano de trabalho para ações preventivas;
• em cada reunião obrigatória deve ser feita avaliação das
  metas realizadas no plano de trabalho
• Colaboração nos programas de PPRA e PCMSO
      AÇÕES PREVENTIVAS
 PPRA- Programa de Prevenção de Riscos
  Ambientais, que irá avaliar:
• Fatores de risco físicos (ruídos, iluminação,
  calor, frio, umidade, radiação, etc...);
• Fatores de risco químicos (poeiras, gases,
  substâncias químicas, etc...);
• Fatores de risco biológicos (vírus, bactérias,
  fungos, etc...)
      AÇÕES PREVENTIVAS
 PCMSO- Programa de Controle Médico de Saúde
  Ocupacional, cuja função é realizar pelo menos
  os seguintes exames:
• Admissional;
• Periódico;
• De mudança de função;
• Demissional.
      AÇÕES PREVENTIVAS
 Sindicato
• O sindicato, deverá se mostrar como uma rota
   de confluência para o desenvolvimento de uma
   política fortalecida e integrada de ações em
   Saúde do Trabalhador.

 “SERVIDOR O SINDICATO É VOCÊ”
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
GINÁSTICA LABORAL
MUITO OBRIGADA
JULIANE ISPER CAMPOS
FISIOTERAPEUTA DA EQUIPE TÉCNICA
DO CEREST/PP

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:181
posted:2/21/2012
language:Portuguese
pages:48