ESCOLA SECUND�RIA DE CASTRO VERDE CURSO EFA � NS STC by D2MK25b

VIEWS: 54 PAGES: 17

									 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASTRO VERDE

           CURSO EFA – NS

                 STC


       Núcleo Gerador 6
     Domínio de Referência 1

“CONSTRUÇÃO E ARQUITECTURA”


        Formadoras: Raquel Gomes
                    Rosa Faleiro


           Castro Verde, 2009
                     Conceitos fundamentais

•   Construção: Na arquitectura e na engenharia civil, a construção é a
    montagem de qualquer infra-estrutura. É a execução de todas as
    etapas de um projecto - da fundação aos acabamentos.

•   Arquitectura: É a arte ou a técnica de projectar e edificar o ambiente
    habitado pelo ser humano.

•   Integração Social: Diz respeito ao combate à exclusão social
    geralmente ligada a pessoas de classe social, nível educacional,
    portadoras de deficiência física, idosas ou minorias raciais, entre
    outras, que não têm acesso a várias oportunidades.


• Bem-estar: estado de contentamento físico e espiritual;
  tranquilidade, conforto.
CASA:

•   representa um pouco daquilo que somos;

•   o meio em que vivemos e as nossas tradições;

•   lugar onde acumulamos memórias;

•   encerra as nossas ambições, ensejos e anseios;

•   onde depositamos o nosso dia a dia; … há sempre uma casa que
    recordamos, e uma casa onde morremos . Como há sempre uma casa
    onde voltamos.

•   modelo de representação de cada um de nós;

•   lar - estão associados conceitos de privacidade, intimidade e,
    geralmente, família.
    Espaços funcionais nas casas das famílias
    portuguesas:

1. ALOJAMENTO URBANO

•   Apartamentos;

•   Moradias plurifamiliares- em propriedade horizontal;

•   Espaço mais limitado;

•   Regra geral não permitem ampliações
    (só fechar varandas e transformar em marquises);

•   Áreas funcionais:
    Sociais – Cozinha, sala, casa de banho,…
    Privadas – Quartos.
Espaços funcionais nas casas das famílias
portuguesas:

2. ALOJAMENTO RURAL

•   Moradias unifamiliares – mais ou menos tradicionais;

•   Maior liberdade de espaço;

•   Permitem ampliações – muitas vezes acrescentam-se andares
    superiores ou anexos térreos;

•   Áreas funcionais:
    Sociais – Cozinha, sala, anexos, alpendre, casa de banho,…
    Áreas privadas – Quartos e casas de banho.
Diferentes culturas utilizam os espaços de diferentes
formas:


•   Muçulmanos – têm sempre pátios interiores, devido à obrigação de
    reserva da intimidade (as casas são fechadas para o exterior);

•   Americanos – nunca têm vedações à volta das casas porque têm uma
    noção de espaço privado de utilidade pública, garantindo a existência
    de amplos espaços verdes.
As necessidades de habitação não são permanentes:


A) Se o agregado familiar cresce – necessidade de mudar de casa se as
condições económicas o permitirem ;
Caso contrário – arranjar espaços adicionais, fechar uma varanda ou
   dividir uma das maiores divisões da casa.

B) Se há uma alteração na vida profissional – mudar a residência de local
   ou mesmo de cidade; há necessidade de criar um escritório – por
   exemplo, fechando uma varanda (caso exista).

C) Por motivos de saúde – falta de acessibilidade da habitação.
Artigo 65º da Constituição portuguesa:


•   "Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de
    dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que
    preserve a intimidade pessoal e a privacidade familiar."
É obrigação constitucional do estado arranjar uma
habitação condigna para todos:

•   Câmaras municipais – constroem “bairros sociais”; existe em
    Portugal desde a década de 90, o programa de erradicação das
    barracas; este facto levou a que se multiplicasse o investimento
    público nos ditos bairros sociais;

•   é um problema mais evidente nas grandes cidades (Casal Ventoso);

•   conduziu, situações de conflito e insegurança, devido à baixa
    instrução dos realojados e ao facto de se misturarem grupos étnicos
    diferentes (africanos + ciganos), que muitas vezes não convivem
    pacificamente – necessidades de intervenção policial.

•   Actualmente, existem gabinetes especializados no realojamento,
    formados por psicólogos, sociólogos e assistentes sociais.
Qualidade da construção, segurança e conforto:

•   Actualidade – preocupação cada vez maior com o conforto e
    segurança das populações;

•   necessidade actualização permanente dos materiais de construção –
    durabilidade e conforto.

•   Tipo de habitação moderna (cidades) – altura, levou à necessidade de
    desenvolver materiais cada vez mais resistentes.

•   TEMPOS ANTIGOS – pedra, tijolo burro e madeira;

•   Revestimento das paredes – aplicação de cal.

•   ACTUALIDADE – tijolo furado, betão, ferro, o aço, o vidro ,
    revestimentos cerâmicos.

•   Garantem habitações mais estáveis e com maior conforto.
Outras técnicas mais comuns:

•   Canalizações em PEX (polietileno reticulado) – facilidade de poderem
    atravessar lajes e facilidade de substituição em caso de rotura.

•   Tintas anti-fúngicas – garantem o não aparecimento de bolores.

•   Isolamento acústico e térmico recorrendo a paredes duplas com
    aplicação de wallmate e isolamento dos tectos com uso de roofmate –
    evitam as grandes amplitudes térmicas e garantem o não
    atravessamento de sons de casa para casa, permitindo melhorar o
    conforto dos habitantes e poupar energia gasta com ar condicionado
    ou aquecedores.

•   A exposição solar das habitações, entre outros aspectos, também
    permite alcançar ganhos em termos de poupança energética e
    ambiental .
Outra forma de melhorar o conforto:

•   Garantir uma boa exposição solar das habitações.


    Países sul da Europa – orientar a casa para Norte, o que vai evitar a
    necessidade de refrigeração;



    Países do norte da Europa – orientar a casa para sul, aproveitando a
    iluminação e o aquecimento do sol de forma mais rentável, garantindo
    menos custos com o aquecimento.
Manutenção de edifícios antigos:


•   Problemática importante nos centros históricos das cidades mais
    antigas;

•   Técnica – muitas vezes consiste em conservar a fachada que é
    posteriormente aglutinada ao novo edifício que se constrói de raiz.
Segurança sísmica:

•   Edifícios recentes – existem técnicas que visam garantir a resistência
    (sismos) e o conforto das mesmas.

•   Antes de construir devemos analisar a natureza do terreno e a carta
    de risco sísmico.

•   Em Portugal existe legislação própria que obriga à observância de
    normas de construção anti-sísmica devido ao elevado risco que o
    nosso país apresenta em especial o Algarve, região de Lisboa e Vale
    do Tejo.

•   Deve-se garantir a utilização de técnicas de construção e materiais
    que garantam a resistência dos edifícios.
Quanto ao conforto:

•   Edifícios mais recentes:

    Utiliza-se pavimento radiante (chão aquecido);

    Aspiração central.
ESTÁTICA:
    parte da física que estuda corpos em equilíbrio, como por exemplo,
    pontes, edifícios, torres, etc.

•   Se observarmos um prédio notamos que está em equilíbrio estático,
    ou seja, está parado em relação ao solo.

•   Do ponto de vista físico o que garante isto?

•   Quais são as forças que agem sobre o prédio?

•   Peso – massa da estrutura sofrendo a acção da gravidade;

•   Normal – reacção que o chão realiza sobre a estrutura do prédio.

•   Para esse corpo estar em equilíbrio as duas forças devem ser iguais.
    Já que se uma fosse maior que a outra, o prédio estaria subindo ou
    afundando (análise superficial).


                                    Adaptado de “EFA-NS Escola Secundária de Silves, 2008/2009”

								
To top