OSTEOMIELITES EL ES�ES FIBRO-�SSEAS BEN�GNAS by F925FrA

VIEWS: 7 PAGES: 26

									I JORN A




                                                    TRICA
                                                   D IÁ
   DA




                                                 PE
       PA




                                             IA
          R




              B
           AI




                                            G
               AN
                  A                       O LO
                      DE              R
                         GA STRO EN TE
ENTEROPATIA AUTOIMUNE DESENCADEADA PELA
INGESTÃO DO GLÚTEN, OCORRE EM INDIVÍDUOS
    I JORN A




                                                        TRICA
GENETICAMENTE PREDISPOSTO, SENDO ESTA
RELACIONADA AO SISTEMA HLA. GERALMENTE SE




                                                       D IÁ
MANIFESTA NA INFÂNCIA, MAS PODE OCORRER EM
       DA




                                                     PE
QUALQUER IDADE.
           PA




                                                 IA
              R




                  B
               AI




                                                G
                   AN
                      A                       O LO
                          DE              R
                             GA STRO EN TE
SEXO: AMBOS
             MAIOR FREQUÊNCIA: FEMININO
  I JORN A




                                                     TRICA
RAÇA: BRANCA
             BRASIL: MULATO - NEGRA




                                                    D IÁ
     DA




                                                  PE
         PA




                                              IA
            R




PREVALÊNCIA NA EUROPA: 0,3% - 1,0%
      B
             AI




                                             G
                AN
                   A                       O LO
                       DE              R
                          GA STRO EN TE
ITÁLIA: CATASSI ET AL (1994): 1:230
  I JORN A




                                                      TRICA
EUA: BERT ET AL (2000): 1:163
SUÉCIA CARISSON (2001): 1:50




                                                     D IÁ
     DA




BRASIL GONDOLFI ET AL (2000) 1:281




                                                   PE
         PA




                                               IA
            R




                B
             AI




                                              G
                 AN
                    A                       O LO
                        DE              R
                           GA STRO EN TE
PREVALÊNCIA:
BRASIL: SOCIEDADE PAULISTA DE PEDIATRIA E
NUTRIÇÃO (1979)
NATAL: 20 CASOS
  I JORN A




                                       TRICA
BRASILIA: 38 CASOS
MINAS GERAIS: 180 CASOS




                                      D IÁ
R. JANEIRO: 130 CASOS
     DA




                                    PE
         PA




S. PAULO: 385 CASOS




                                IA
            R




        138 CASOS
PARANÁ: B
             AI




                               G
         AN                    LO
RIO GRANDEA D SUL: 66 CASOS O
            DO               R
              E GA
                   STRO EN TE
PATOLOGIAS ASSOCIADAS

DIABETES MELITO TIPO I

SORO PREVALÊNCIA: 10,5% (tTG)-RECIFE COM
   I JORN A




                                               TRICA
354 PCTS
                                 J. PEDIATR., MAIO-JUN, 2006




                                              D IÁ
      DA




SORO PREVALÊNCIA: 8,7% (EMA) BRASÍLIA COM




                                            PE
          PA




104 PCTS




                                         IA
             R




          B
              AI




                                        G
PREVALÊNCIA: 4,8%
            AN
               AD                      LO
                                   RO
     J. PEDIATR. GASTROENL. AND NUTRICION, NOVEMBRO, 2005
                  E GA            E
                       STRO   ENT
PATOLOGIAS ASSOCIADAS

BAIXA ESTATURA
  I JORN A




                                                  TRICA
PREVALÊNCIA: 4,7% 106 PCTS
                REV.BRASILEIRA PESQ. MED. BIOL., JAN, 2004




                                                 D IÁ
     DA




SÍNDROME DE DOWN




                                               PE
         PA




                                            IA
            R




      B
             AI




                                           G
       AN
PREVALÊNCIA: 5,6% (CURITIBA)
          AD                  LO
            E GA         E RO SET-OUT, 2005
                 STRO ENTJ. PED,
PATOLOGIAS ASSOCIADAS

ALTA FREQÜÊNCIA DE INFECÇÃO POR ROTAVIRUS PODE
AUMENTAR O RISCO DE DC EM CRIANÇA GENETICAMENTE
PREDISPOSTA
                                AM. J. OF GASTROENT., OCTOBER, 2006
  I JORN A




                                                      TRICA
PACIENTES COM SINTOMAS DISPÉPTICOS
PREVALÊNCIA: 1,4%
                                      ARQ. GASTROENT., JUL-SET, 2005




                                                     D IÁ
     DA




                                                   PE
PACIENTE COM DOENÇA HEPATICA CRÔNICA SEM
         PA




ETIOLOGIA, REALIZAR SOROLOGIA PARA DC




                                                IA
            R




                B             CLIN. GASTROENTEROLOGY, AUGUST, 2005
             AI




                                              G
                 AN
                    A                       O LO
AUTISMO E DC            DE              R
                           GA STRO EN TE           COCHRANE, 2006
  HISTÓRICO:
 SAMUEL GEE (1888) “AFECÇÃO CELÍACA”
 DICKE (1950) ASSOCIOU CERTOS TIPOS DE CEREAIS Á
  DOENÇA CELÍACA
 MARGO SHINER (1957) ALTERAÇÕES HITOLÓGICAS DA
     I JORN A




                                               TRICA
  MUCOSA INTESTINAL
 ESPGAN(1970/ 1990) CRITÉRIOS PARA DIAGNÓSTICO DA DC




                                              D IÁ
 FERGUSON E MURRAY (1971) IMPORTÂNCIA DO AUMENTO
        DA




  DOS LIE




                                            PE
            PA




 CHORLESKY ET AL (1983) EMA EM PACIENTES COM DC E DH




                                        IA
               R




           B
                AI




                                        G
 MARSH (1992) CLASSIFICAÇÃO HISTOLÓGICA NA DC
            A                         O
                     NA
                                 R OL
 FERGUSON (1993) OUTRAS FORMAS CLINICAS DA DC
                DE
                    GA STRO EN TE
                  FISIOPATOLOGIA DA DOENÇA CELÍACA
                            INGESTÃO DO GLÚTEN


SECALINA            HORDEÍNA                               AVEINA
CENTEIO              CEVADA                                 AVEIA
                              GLIADINA TRIGO
    I JORN A




                                                          TRICA
                    INDIVÍDUOS PREDISPOSTO (HLA DQ2)




                                                         D IÁ
       DA




                              REAÇÃO IMUNE




                                                       PE
 HUMORAL                                                   CELULAR
           PA




                                                   IA
              R




           B
               AI




TAXAS ELEVADAS




                                                  G
AC AGA
                   AN
                      A                         O LO              LIE
                          DE                R
AC EMA
                             GA STRO EN  TE
AC tTGA                       LESÃO CELULAR
QUANDO PENSAR EM DOENÇA CELÍACA ?
FORMA CLÁSSICA (TÍPICA)
 DIARREIA CRÔNICA
 DISTENSÃO ABDOMINAL
 I JORN A




                                       TRICA
 PALIDEZ
 VÔMITO




                                      D IÁ
    DA




 DOR ABDOMINAL




                                    PE
        PA




 ALTERAÇÃO DO HUMOR




                                IA
           R




        B
            AI




                               G
 SINAIS AN ADPC
          DE                   LO
             DE             RO
                GA STRO ENTE
        FORMA NÃO CLÁSSICA (ATÍPICA)
              CASOS CLÍNICOS:
Paciente de 11 anos, sexo feminino, pesando
22,5kg e com 127cm de estatura em 27/06/02.
    I JORN A




                                             TRICA
Queixa: a criança não cresce.
Paciente acompanhada pela nutrição e




                                            D IÁ
       DA




endocrinologia, enviada à gastroenterologia para




                                          PE
           PA




investigação da baixa estatura; afastado raquitismo




                                      IA
              R




            da
e patologia BA tireóide. Idade óssea de 9 anos.
               AI




                                      G
              Nbaixa estatura.        LO
Exame físico: A D                  RO
                    E GA          E
                         STRO ENT
       FORMA NÃO CLÁSSICA (ATÍPICA)
             CASOS CLÍNICOS:

Paciente de 1 ano e 5 meses, sexo masculino,
   I JORN A




                                                       TRICA
pesando 9,5kg, com 76cm de estatura.
Queixa: fezes amolecidas intercaladas com




                                                      D IÁ
fezes endurecidas desde os cinco meses,
      DA




                                                    PE
exame físico sem alterações.
          PA




                                                IA
             R




                 B
              AI




                                               G
                  AN
                     A                       O LO
                         DE              R
                            GA STRO EN TE
FORMA NÃO CLÁSSICA (ATÍPICA)

 CONSTIPAÇÃO INTESTINAL
 ANEMIA
 BAIXA ESTATURA
   I JORN A



 ATRASO PUBERAL




                                          TRICA
 HIPOPLASIA DO ESMALTE DENTÁRIO
 EPLEPSIA / CALCIFICAÇÕES




                                         D IÁ
      DA




  INTRACRANEANAS




                                       PE
 DERMATITE HERPETIFORME
          PA




                                   IA
 OSTEOPENIA / OSTEOPOROSE
             R




         B
              AI




                                  G
 ARTRITE /AN
           ARTRALGIA
              AD                  LO
 AFTAS DE REPETIÇÃO           RO
                EG A STRO EN TE
              FORMA LATENTE
I JORN A




                                                    TRICA
           FORMA SILENCIOSA




                                                   D IÁ
   DA




                CRISE CELÍACA




                                                 PE
       PA




                                             IA
          R




              B
           AI




                                            G
               AN
                  A                       O LO
                      DE              R
                         GA STRO EN TE
                 ICEBERG CELÍACO
I JORN A




                                                    TRICA
                                                   D IÁ
   DA




                                                 PE
       PA




                                             IA
          R




              B
           AI




                                            G
               AN
                  A                       O LO
                      DE              R
                         GA STRO EN TE ADAPTADA DE MAKI, 1997
QUAIS EXAMES DEVEMOS SOLICITAR ?


 HEMOGRAMA
 D-XILOSE
I JORN A




                                      TRICA
 CURVA DE TOLERÂNCIA Á LACTOSE
 GORDURA FECAL




                                     D IÁ
   DA




 DENSITOMETRIA / RX DE OSSOS




                                   PE
       PA




 IDADE ÓSSEA




                               IA
          R




      B
           AI




                              G
 IMAGEM
       AN                     LO
          AD               RO
            E GA          E
                 STRO ENT
             MARCADORES SOROLÓGICOS /
                          IMPORTÂNCIA
  I JORN A



 AC ANTIGLIADINA (IGG / IGA)




                                                      TRICA
 AC ANTIENDOMÍSIO (IGA)




                                                     D IÁ
     DA




 AC ANTITRANSGLUTAMINASE




                                                   PE
         PA




                                               IA
            R




                B
             AI




                                              G
                 AN
                    A                       O LO
                        DE              R
                           GA STRO EN TE
                  BIÓPSIA INTESTINAL
I JORN A




                                                    TRICA
                                                   D IÁ
   DA




                                                 PE
       PA




                                             IA
          R




              B
           AI




                                            G
               AN
                  A                       O LO
                      DE              R
                         GA STRO EN TE
CLASSIFICAÇÃO DE MARSH (1992)

ESTÁGIO 0: PADRÃO PRÉ-INFILTRATIVO
           SEM ALTERAÇÃO HISTOLÓGICA

ESTAGIO I: PADRÃO INFILTRATIVO
           AUMENTO LIE
 I JORN A




                                          TRICA
ESTÁGIO II: PADRÃO HIPERPLÁSICO
            ALONGAMENTO DAS CRIPTAS / AUMENTO LIE




                                         D IÁ
    DA




ESTÁGIO III: PADRÃO DESTRUTIVO




                                       PE
        PA




             ATROFIA VILOSITÁRIA/AUMENTO LIE




                                    IA
           R




             HIPERTROFIA DE CRIPTAS
       B
            AI




                                   G
         AN
ESTÁGIO IV: PADRÃO HIPOPLÁSICO O
            AD                   LO
                              R
            ATROFIA TOTAL ENTE
               E GA
                     STRO
MONITORIZAÇÃO DOS PACIENTES COM DC OU
COM PROVAVEL DC
 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL
  I JORN A




                                                      TRICA
 ACEITAÇÃO E ADERÊNCIA Á DIETA
 MONITORIZAÇÃO DA SOROLOGIA




                                                     D IÁ
     DA




 REPETIR BIÓPSIA?




                                                   PE
         PA




                                               IA
            R




                B
             AI




                                              G
                 AN
                    A                       O LO
                        DE              R
                           GA STRO EN TE
  CONFIRMAÇÃO DIAGNÓSTICA (ESPGAN,1990
  E NASPGHAN, 2005)

 BIÓPSIA COM ALTERAÇÕES HISTOLÓGICAS
  COMPATIVEIS COM DC
   I JORN A




                                             TRICA
 SOROLOGIA POSITIVA PARA DC




                                            D IÁ
 DESAPARECIMENTO DOS SINTOMAS E
      DA




                                          PE
  SOROLOGIA NEGATIVA APÓS DIETA SEM
          PA




  GLÚTEN




                                       IA
             R




        B
              AI




                                      G
         AN                     ARCHO
                                    L DIS CHILDS,1990
            A D J. PED. GASTROEN. RO NUTRICION, 2005
               E GA            E AND
                     STRO ENT
TRATAMENTO DA DOENÇA CELÍACA

 DIETA SEM GLÚTEN
   I JORN A




                                        TRICA
 SEM LACTOSE E
  HIPOALERGÊNICA




                                       D IÁ
      DA




 RECUPERAÇÃO NUTRICIONAL




                                     PE
          PA




                                 IA
 CORTICÓIDE IV
             R




        B
              AI




                                G
         AN
            AD                  LO
              E GA          ERO
                   STRO ENT
 PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DA DOENÇA
 CELÍACA
 ABORTOS DE REPETIÇÃO
 OSTEOPOROSE
   I JORN A




                                   TRICA
 ESTERELIDADE
 BAIXA ESTATURA




                                  D IÁ
      DA




 AUMENTO DO RISCO DE CÂNCER DE ESÔFAGO E




                                PE
  ESTÔMAGO
          PA




                             IA
             R




 AUMENTO DO RISCO DE DOENÇAS AUTO-IMUNES
         B
              AI




                            G
          AN
 DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS RO
             AD                LO
               E GA          E
                    STRO ENT
                   CONCLUSÕES

 PENSAR MAIS EM DC
 ENCAMINHAR OS PACIENTES COM SUSPEITA
   I JORN A



  AO SERVIÇO ESPECIALIZADO




                                       TRICA
 APOIO AOS FAMILIARES DE PACIENTES
  PORTADORES DE DC




                                      D IÁ
      DA




 NUNCA INICIAR A EXCLUSÃO DE GLÚTEN DA




                                    PE
          PA




  DIETA SEM ANTES REALIZAR BIÓPSIA




                                IA
             R




          B
              AI




                                G
 TRATAMENTO E SEGMENTO RIGOROSO PARA
           AN                     LO
              AD
  EVITAR COMPLICAÇÕES          RO
                E GA          E
                     STRO ENT
I JORN A




                                              TRICA
                                             D IÁ
   DA




                                           PE
       PA




                                       IA
          R




              B
            AI




                                      G
               AN
                  A                 O LO
                   DE               R
                       GA STRO EN TE
           E-MAIL – aq-guerra@hotmail.com

								
To top