CADASTRO DE TEXTOS

Document Sample
CADASTRO DE TEXTOS Powered By Docstoc
					                  CADASTRO DE TEXTOS
01 – A Nova Ética Profissional: práxis e princípios. Profª Beatriz Augusto
de Paiva (UFSC). Profª Mione Apolinário Sales (UERJ). (2 exemplares)

02 – Introdução: à procura dos mágicos.

03 – Capítulo 10. A política contra a servidão voluntária.

04 – Igreja, relações de produção capitalistas e o período da gênese da
profissão. Manoel Manrique Castro. In: História do Serviço Social na
América Latina.

05 – O Estado e o Pensamento Político Norte – Americano.

06 – Pressupostos Filosóficos – Neotomismo. Antonio Geraldo de Aguiar.
In: Serviço Social e Filosofia das Origens a Araxá.

07 – Pescadores e Anzóis.

08 – Os Sem – Terra, ONGs e Cidadania. Maria da Glória Gohn. São
Paulo: Cortez, 1997. (2 exemplares)

09 – Manuscritos Econômicos – Filosóficos.

10 - Discurso sobre o Espírito Positivo. A . Conte. Col. Os Pensadores.
São Paulo: Abril Cultural, 1973.

11 – A Questão social na atual conjuntura brasileira. Aldaiza Sposati.
Fortaleza, agosto 1991. II Seminário Nacional dos Estados e Municípios
sobre Políticas Sociais.

12 – Marx (1843): O Manuscrito de KREUZMACH. José Paulo Netto,
1990.

13 – As Lutas Políticas: O Estado, Condensação de uma Relação de
Forças. Nicos Poutantzas.

14 – Partido Competitivo e Identidade Política Coletiva.

15 – As Atividades Profissionais como Processo de Apropriação.

16 - Ideologia Conscientização Diálogo.
17 – O Serviço Social Comprometido com as Classes Subalternas. Diego
Palma. A Prática Política dos Profissionais.

18 - Aestheics and Politics in Edmund Burke by Terry Eagleton. History
Workshop Nº 28, Londres Inglaterra, outono1989.

19 – Re – Thinking Popular Culture. History Workshop, Nº25, Spring
1988.

20 – Between Bourgeois Enlightenment and Popular Culture: Goya’s
Festivals, Old Women, Monsters and Blind Men by Jutta Held. History
Workshop, Nº 23, Spring, 1987.

21 – Organização da Comunidade e Tecnologia: A experiência de
Quilombo – SC. Paulo Henrique B. de Oliveira Jr. Revista Proposta Nº 27
Publicações FASE.

22 – Controle Social e Políticas de Saúde. Aldaiza Sposati. Elza Lobo.

23 – Formação de Grupos com o Povo de Rua – Metodologia.

24 – Trabalho com as Mulheres. Maria Esther B. Dias. Adialética do
Cotidiano. São Palo: Cortez,1982.

25 - O Movimento Da Água e a organização externa. São Paulo, 1982.

26 – Projeto Tecnologias Alternativas/ FASE. Jean Marc von der Weid.

27 - Associação de Moradores. (2 textos)

28 – Real Vivido. Kleinscher e Silva. 1984

29 – Historia Popular o Historia total. Peter Burke.

30 – A Sem – Terra Sem Roupa! Céli Regina Jardim Pinto, 1997.

31 – Capacitación en Processos de Promoción Social orientados por la
Educación Popular. CELATS, 1987.

32 – O Novo Associativismo e o Terceiro Setor. Maria da Glória Gohn,
1998.
33 – Pontos norteadores para a sistematização da prática – perspectiva
do Serviço Social.
34 – MST e Mídia. Maria da Glória Gohn, 1999.

35 – Organização de associações. Telcio L. N. da Silveira.

36 – Conselhos: novo espaço e desafio à participação popular. Cáritas
Brasileira – Regional Rio Grande do Sul, 1996. (2 exemplares)

37 – Indicações para fazer uma análise de conjuntura. Ivandro da Costa
Sales.

38 – Currículo Curso de Serviço Social 1999-1.

39 – Ciência, Técnica e Arte: o desafio da pesquisa social. Maria Cecília
de Souza Minayo.

40 – Da alienação ao Valor-Trabalho. Jacob Gorender, 1923.

41 – A produção da sociedade capitalista. Octavio Ianni, 1987.

42 – Paradoxos do universalismo. Indivíduo e comunidade na idade
global. Giacomo Marramao.

43 – Procedimentos Metódicos de uma Intervenção no Fenômeno Social.
Maria Alice Fonseca Gouveia, 1981.

44 – Processos de Trabalho e novas Tecnologias.

45 – Dilemas e Falsos Dilemas no Serviço Social. Prática Social: a
ultrapassagem do fatalismo e do messianismo na prática profissional.
1987.

46 – O Planejamento na Ação profissional – recuperando conceitos e
práticas. Vera Maria Ribeiro Nogueira, 1996.

47 – Governabilidade e Descentralização. Ladislau Dowbor, 1994.

48 – Analisis de la practica del trabajador social. CELATS, 1986.

49 – Abertura do Seminário internacional “Liberalismo e Socialismo:
velhos e novos paradigmas”. Tullo Vigevani, 1993.

50 – Avaliação de Projetos e de Organizações que Operam no Campo
Social. Projeto Gestores. Módulo 5. (2 exemplares)
51 – Sistema de Acompanhamento – Levantamento junto aos municípios
– Santa Catarina – Experiências Exitosas. Comunidade Solidária, 1996.

52 – Entrevista: Rodolfo pinto da Luz critica pontos no Projeto do MEC.
1999.

53 – A mobilização Nacional pelo Plebiscito sobre a Dívida Externa.
2000.

54 – Seminário Universidade Popular. DCE-UFSC, 1997.

55 – Doutrinas Éticas Fundamentais.

56 – Metodologia das Ciências Sociais. Augusto Comte, 1978.

57 – O Trabalho de Perícia Social. Rosângela de Araújo, Liara Lopes
Krüger, Denise Duarte Bruno, 1994.

58 – A Sistematização no Trabalho Social. CELATS, 1985.

59 – Índice de Desenvolvimento Social dos Municípios – Ranking no
Estado. Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Meio
Ambiente, 1997.

60 – Curso de Atualização Profissional - CRESS 12ª Região SC. O
trabalho do Assistente Social em seu processo de realização: o
aprimoramento do manejo dos instrumentais técnico-operativos. A
centralidade da ética para a competência profissional. Luziele Maria de
Souza Tapajós e Beatriz Augusto de Paiva. UFSC, 1998.

61 - Conjuntura, a Universidade e o Profissional. Luiz Eduardo
Wanderley. Caderno ABESS Nº 1, São Paulo: Cortez,1993.

62 – Lei nº 8662 de 7 de junho de 1993. Dispõe sobre a profissão de
Assistente Social e dá outras providências. (2 exemplares)

63 – João – o líder do MST dá sua mais longa entrevista à imprensa com
surpreendentes revelações sobre o Movimento e ácidas críticas ao
governo. Caros Amigos, novembro/1997.
64 – Indicadores para fazer uma análise de conjuntura. Ivandro da Costa
Sales.
65 – A Universidade Operacional. Boletim APUFSC-SSIND, Florianópolis:
maio/1999.

66 – Lecturas Complementarias y Bibliografia Especializada.

67 – Autonomia: a nossa e a deles. O Manifesto. Nº 1. Florianópolis:
abril/1999.

68 – Tecendo Cidadania: Programa de Capacitação em políticas
públicas. Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social e da Família.
Florianópolis, maio/1998.

69 – A colônia. Caio Prado Júnior in Evolução Política do Brasil. 16 ed.
São Paulo: Brasiliense, 1988.

70 – Relatório-Síntese do Fórum Catarinense da RedeCidades.
Florianópolis: 1996

71 – A Reforma do Estado 5. Cláudia Costim. Brasília: 1996.

72 – SOS Entidades Comunitárias. Jaime Tonello. Florianópolis: 1998.

73 – Projeto Autonomia Universitária do MEC. Florianópolis: Universidade
Aberta/UFSC, 1999.

74 – Presidente da ANDES: “Foi difícil achar pontos positivos no projeto
do governo. Florianópolis: Universidade Aberta/UFSC, 1999.

75 – Estatutos Sociais. FAMESC.

76 – Declaração Universal dos Direitos Humanos. (2 exemplares)

77 – Sociedade Civil: sua democratização para a Reforma do Estado.
Luiz Carlos Bresser Pereira. Brasília: ENAP. 1998.

78 – Estado, Sociedade Civil e Representação de Interesses.

79 – A Diretoria da ANDES-SN Discute com a Sociedade Brasileira
Questões Relacionadas à Autonomia e Novas Propostas de
Financiamento do Ensino Superior. Florianópolis: APUFSC/UFSC, 1999.
80 – Histórico da Fundação da União das Associações de Moradores dos
Bairros de Biguaçu (UAMBB).
81 – A Discussão da Questão da Concepção de Mundo no Serviço
Social.

82 – A instauração da temporalidade e a (re)fundação na história: 1937 e
1930. Carlos Alberto Vicentini. Rio de Janeiro: 1986.

83 – Cientistas Sociais e o auto-conhecimento da cultura brasileira
através do tempo. Maria Isaura Pereira de Queiróz. USP.

84 – As idéias fora do lugar.

85 – Gilberto Freyre e o mito da cultura brasileira. Elide Rugai Bastos.

86 – A transição e a construção do socialismo.

87 – A lógica do “quem tem ofício, tem benefício”. São Paulo: 1988.

88 – Subsídios para a formulação da política social catarinense. 1990.

89 – As idéias estão no lugar. Maria Sylvia de Carvalho Franco.

90 – Nacional por subtração. Roberto Schwarz.

91 – O nacionalismo na etapa monopolista do capitalismo.

92 – Para uma introdução do imaginário político.

93 – Artigos & histórias de socioeconomia solidária. Instituto de políticas
alternativas para o CONESUL.

94 – Proposição de um projeto de pesquisa. Maria Isaura Pereira de
Queiroz. Textos CERU, 1985.

95 – Excluídos. Psicologia – ciência e profissão. Ano XII. Nº 3. Abril,
1992.

96 – Teoria e ciência. Pedrinho A. Guareschi. Mundo Jovem. 1993.

97 – Os desafios para o projeto de formação profissional encaminhado
pela ABESS na década de 90. Ivete Simionatto. Blumenal, 1996.

98 – Resumo – as leis fundamentais da dialética. Leandro Konder. 1992.
99 – Transparências Movimentos Sociais. Simone Matos Machado.

100 – A metodologia enquanto ato político da prática educativa. Iolani
Vasconcelos. Rio de Janeiro: PUC, 1986.

101 – Indicadores do bem-estar social – seu conteúdo e sua atualização.
Rosendo Escalante Forton. Haya: 1972.

102 – Transformações societárias e Serviço Social – notas para uma
análise prospectiva da profissão no Brasil. José Paulo Neto. Serviço
Social e Sociedade. Nº 50. Ano XVII. Abril, 1996.

103 – Serviço Social: questões presentes para o futuro. Vicente de Paula
Faleiros. . Serviço Social e Sociedade. Nº 50. Ano XVII. Abril, 1996.

104 – Assentamentos rurais: expressão da questão agrária. Severina
Garcia.

105 – Processo de trabalho e Serviço Social. Sara Granemann.

106 – Reflexões sobre a Educação Popular – a retomada do trabalho de
base. CEPIS, outubro/1996. (2 exemplares, 1 fotocópia)

107 – Nota Explicativa. Florianópolis, 1987.

108 – Engenho de fabricar farinha de mandioca. UFSC.

109 – Política e Estado. Adriana D’ávila, Liliane da Silva e Marta Gomes
Silva.

110 – Associações de Moradores: O quê? Para quê? Como? Centro de
Formação Irmão Araújo (Cefuria). Organização Xapinhal. Central de
Movimentos Populares (CMP). 1996.

111 – Associação de Moradores – a arte do trabalho popular. FAMESC.

112 – Conselhos Municipais de Saúde – o controle do Sistema Único de
Saúde pela população.

113 – Educação Popular na Formação de Lideranças. Pedro Pontual.
CEPIS: 1985.

114 – A educação pública no Brasil precisa de você.
115 - O MST e a questão agrária. Entrevista com: João Pedro Stédile,
1997.

116 - O que não se quer mostrar ao Brasil. Edson Ulisses de Melo.
OAB,2000.

117 - Quem não faz Reforma Agrária, precisa mentir muito...Jornal dos
Trabalhadores Rurais Sem – Terra nº 200 maio, 2000.

118 – Revisando a Questão Agrária. José de Souza Martins. Jornal Sem
– Terra/ julho,1996.

119 – Desenvolvimento Local: novas dinâmicas na acumulação e
regulação do capital. Antonio Vázquez Barquero. Porto Alegre, 1995.

120 - La Participacion Popular y los Principios del Desarrollo de la
Comunidad en la Aceleracion del Desarrollo Economico y Social. (2
exemplares)

121 - As Armadilhas da Exclusão. Robert Castel.

122 – Esboço de um quadro teórico – analítico dos movimentos sociais
urbanos. Maria da Glória Marcondes Bohn. IN: Aforça da periferia.
Petrópolis: Vozes, 1985.

123 - Principais postulados do positivismo comtiano. Luziele Tapajós.
Florianópolis: UFSC, 1993.

124 - O Método de Marx em “O Capital”. Karl Marx.

125 – Conceptos sociológicos fundamentales.

126 - Objeto do Serviço Social. Maria Lúcia Carvalho da Silva.
Araraquara, SP: Ano X , nº 126, CBCISS, 1977.

127 - O Estado Moderno. Anthony Giddems. In: Sociologia, uma breve
porém crítica introdução.

128 - Razão e Revolução. Herbert Marcuse. 3ª ed. Paz e Terra. (cap. IV
a VII)

129 - Idéia de uma História Universal de um ponto de vista cosmopolita.
Immanuel Kant.
130 - Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos.
Severino, A . J. Metodologia do trabalho científico. 18ª ed. São Paulo:
Cortez, 1992 (Coleção Educação Contemporânea: série metodologia e
prática de ensino).

131 - A Técnica da Redação.

132 – Ascensão e Queda da Burrocracia. Pinchot. In: O Poder das
Pessoas.

133 - Conceito Marxista do Homem. Erich Fromm. 8 ed. Rio de Janeiro:
ZAHAR Editores. (2 exemplares)

134 - Qualidade de Vida no Trabalho Como medir para melhorar. Eda
Fernandes. Ed. Casa da Qualidade.

135 - O Enfoque da Dependência. Fernando Henrique Cardoso. In: As
Idéias e seu Lugar. Ed. Vozes, 1980.

136 - Estado Integral, Democracia e Movimentos Sociais Urbano: notas
para uma pesquisa. Elimar Pinheiro do Nascimento.

137 – Movimentos Sociais Populares: aspectos econômicos, sociais e
políticos. Luiz Eduardo Wanderley. In: Encontros com a civilização
brasileira. Nº 25 Rio de Janeiro, julho 1980.

138 - Caracteres del Desarrollo Autentico. Dinamica Concreta del
Desarrollo. L. J. Lebret. Barcelona: Herder, 1966.

139 – Desarrollo de la Comunidad y Desarrollo Nacional. (2 exemplares)

140 – Comunidade e Sociedade como níveis de organização da vida
social. R. M. Maclver e Charles H. Pace. (2 exemplares)

141 - Indivíduo e Comunidade – uma contraposição real ou aparente? (2
exemplares)

142 - Movimentos sociais – teoria e prática em questão. Pedro Roberto
Jacobi.

143 – Movimentos Sociais – algumas discussões conceituais. Daniel
Camacho.
144 – Riscos e desafios de processos participativos. Pedro Demo. Recife,
1987.

145 – Por que a história do movimento operário? Georges Haupt. São
Paulo: 1985.

146 – Movimentos Sociais (alguns problemas teóricos à sua reflexão).
Elide Rugai Bastos.

147 – Objetividade e subjetividade em história.

148 – Elementos teóricos para a análise dos movimentos sociais
urbanos. Maria da Glória Gohn. In: Reivindicações populares urbanas.
São Paulo: Cortez, 1982. (2 exemplares)

149 – Histórico do movimento da saúde da zona leste de São Paulo. In:
Revista Serviço Social & Sociedade, nº 16, ano VI. Cortez,
dezembro/1984.

150 – Estado, movimentos populares e políticas participativas no Brasil.

151 – Estado e movimentos populares: a saúde posta em questão.
Edison Nunes e Pedro Jacobi.

152 – Movimentos sociais e cidadania: uma nova dimensão para a
política social no Brasil. Maria das Dores Costa.

153 – Desenvolvimento: uma idéia subdesenvolvida. Armando de Melo
Lisboa. (CNM/UFSC). Nº 1. Florianópolis: Outubro/1995. (2 exemplares)

154 – Atores parceiros aliados estratégias e ação.

155 – Abordagens atuais. O. Sunkel. In: Os conceitos de
desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz Fórum
Editora, 1974.

156 – A influência da proposta de t. s. no Brasil. Eliane Cardoso e Maria
Helena Rauta Ramos. PUC/SP, 1988.

157 – Pesquisa participante. Justa Ezpeleta e Elsie Rockwell. São Paulo:
Cortez, 1986.
158 – Forjando um povo consciente – a educação nas organizações
populares. Texto de apoio nº 14. CEPIS, setembro/1987.

159 – Socialismo e cristianismo. Texto de apoio nº 1. Frei Beto. CEPIS,
abril/1985.

160 – Política municipal, participação popular e legitimação: uma análise
do papel político do orçamento participativo em Porto Alegre. Rodrigo
Stumpf González.

161 – Esfera pública e sociedade civil – uma (re)invenção possível. Ana
Amélia da Silva.

162 – Clientelismo e política no Brasil – revisitando velhos problemas.
George Avelino Filho.

163 – Projeto de pesquisa – Análise do TCC de Leonia Capaverde - Uma
experiência de desenvolvimento e organização de comunidade em uma
paróquia. Gelton Medeiros. Florianópolis: UFSC, outubro/1996.

164 – Metamorfoses do Desenvolvimento de Comunidade – Capítulo III -
Desenvolvimento e comunidade: continuidades e rupturas. Mariangela
Belfiore Wanderley. In: Metamorfoses do desenvolvimento de
comunidade. São Paulo: Cortez, 1993.

165 – Teoria dos grupos e grupos de pressão. Gianfranco Pasquino.
Curso de introdução à Ciência Política, Unidade VI. Brasília: UnB 1984.

166 – Teoria da Ciência. Karl Marx.

167 – Política econômica e política social. Evaldo Vieira. In: Democracia
e política social. São Paulo: Cortez, 1992.

168 – Fromm. In: Dialética da família. São Paulo: Brasiliense, 1981.

169 – Conceituação e histórico do sistema representativo. Vicente
Barretto. Curso de introdução à Ciência Política, Unidade IV. Brasília:
UnB, 1984.

170 – Os três tipos de dominação legítima.

171 – Valores humanos e métodos de trabalho do dirigente popular.
Marcelino Pérez. Texto de apoio nº 13. CEPIS, junho/1987.
172 – Construindo a organização popular. Romualdo Dias. Texto de
apoio nº 3. CEPIS, junho/1985.

173 – Como reconhecer a realidade para transformá-la? Oscar Jara.
Texto de apoio nº 10. CEPIS, outubro/1986.

174 – Educação popular na formação de lideranças. Pedro Pontual.
Texto de apoio nº 5. CEPIS, agosto/1985.

175 – Os centros de educação popular na conjuntura brasileira (1964-
1986). Pedro Pontual. Texto de apoio nº 9. CEPIS, agosto/1986.

176 – Colonialismo interno: discussão de um conceito. Yves Chaloult e
Norma Beatriz Chaloult.

177 – O andarilho do óbvio. Paulo Freire.

178 – Da globalização ao poder local: a nova hierarquia dos espaços.
Ladislau Dowbor. Junho/1995.

179 – Questão social – afinal, do que se trata? Vera da Silva Teles.

180 – Sociedade civil.

181 – A miséria em espetáculo. Delma Pessanha Neves. In: Revista
Serviço Social & Sociedade, nº 47, Ano XVI. São Paulo: Cortez,
abril/1995.

182 – Educação comunitária. Maria Tereza Sirveirt.

183 – A mediação na prática profissional do Assistente Social. Raimunda
N. Cruz de Oliveira.

184 – A configuração do espaço-tempo para as mulheres das
comunidades da periferia de Florianópolis, e o papel das redes na
organização das mesmas. Tereza Kleba Lisboa. Florianópolis:
CFH/UFSC, fevereiro/1995.

185 – Sociedade e trabalho: conceito em questão, sujeitos históricos –
mito e realidade. Elmar Altvater. Berlim: Ciência Política/Universidade
Livre de Berlim.
186 – Questões de método.
187 – Os índios Tuxá. Maria José Reis.

188 – Uma das condições fundamentais do êxito dos bolcheviques.

189 – Movimentos associativos de camadas populares urbanas: análise
comparativa de seis casos. Renato Raul Bosche e Licia do Prado
Valladares.

190 – Paradigma e movimento social: por onde andam nossas idéias? L.
A. Machado da Silva e Ana Clara T. Ribeiro. Texto apresentado no VIII
Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa
em Ciências Sociais.

191 – Do princípio de autoridade. Proudhoe. In: Textos escolhidos. Porto
Alegre: LPM, 1983.

192 – New Social Movements, Political Culture, and Democracy: Brazil
and Argentina in the 1980s. In: A Quarterly Journal of Critical Thought. Nº
61. 1984.

193 – A gesta de Asdiwal. Claude Lévi Strauss. In: Antropologia estrutural
II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1976.

194 – As CEBs no Brasil: cidadania em processo. Faustino Luiz Couto
Teixeira.

195 – Dilema.

196 – Embriologia e obstétrica.

197 – Técnica e ciência enquanto “ideologia”. Herbert Marcuse. 1968.

198 – Conflito e integração com o meio nacional. R. H. Chilcote. In: O
partido comunista brasileiro – conflito e integração – 1922 - 1972. Rio de
Janeiro: Graal, 1982.

199 – O caráter dos novos movimentos sociais. Ilse Scherer-Warren.

200 – Práticas sociais em períodos de transição: um novo movimento de
bairro em Florianópolis durante a “abertura” e transição política. Paulo J.
Krischke.
201 – Parecer nº 30, de 1996. Diretrizes e bases da educação nacional.
Senado Federal – Comissão Diretora.

202 – Consciência política e universidade: o desafio do presente. Ivete
Simionatto. (3 exemplares)

203 – A greve na UFSC.

204 – Elementos para uma avaliação da greve na UFSC. Professores
grevistas do Centro Sócio-Econômico/UFSC.

205 – Projeto organizações sociais. Ministério da Administração Federal
e Reforma do Estado – Secretaria de Reforma do Estado.

206 – Identidade. Tilman Evers. In: Novos Estudos CEBRAP. Vol. 2. Nº 4.
Abril, 1984.

207 – Do autoritarismo populista ao autoritarismo burocrático-militar –
Capítulo V. Luiza Maria Lorenzini Gerber. In: A estrutura do autoritarismo
no Brasil. J.A.G. Tavares. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.

208 – Premissa. Carlos Nelson Coutinho. In: A democracia como valor
universal. São Paulo: Livraria Ed. Ciências Humanas, 1980.

209 – Prólogo. In: Religion en las Sociedades Primitivas. México: Siglo
Veintiuno, 1974.

210 – O mito do método. Miriam Limoeiro Cardoso. In: Boletim carioca de
geografia. Ano XXV. Rio de Janeiro: 1976.

211 – Os Pensadores. Durkheim. Abril Cultural.

212 – Em França: Uma antropologia de inspiração marxista. Henri
Moniot.

213 – Clientelisme, Patronage et Participation Populaire. Bruno Jobert.
Genève: Institut de Recherche des Nations Unies Pour le Developpement
Social, mars/1983.

214 – A mulher e a terra no brejo paraibano. Maria Ignez Silveira Paulilo.
215 – Novas forças, velhos limites? – Estudo de caso de um movimento
social urbano. Ana Maria Doimo e Geert Banck. Campos do Jordão: X
Encontro Anual da Associação de Pesquisa de Pós Graduação e
Pesquisa em Ciências Sociais, 1986.

216 – Movimentos sociais e democratização no Brasil: necessidades
radicais e ação comunicativa. Paulo J. Krischke. Florianópolis:
CSO/UFSC, 1989.

217 – Pesquisa, ensino e extensão – reflexões sobre questões de
consciência social universitária. Pedro Demo. In: A casa do mágico. Lecy
Consuelo Neves. Rio de Janeiro: Agir, 1986.

218 – Morte do Sujeito. Agnes Heller.

219 – Alguns conteúdos para (re)conhecer Santa Catarina.

220 – Educación Política y Popular para la Nueva Época –
Reconstruyendo el Poder para el Nuevo Tejido Social. Marco Raúl Mejía
J. In: Revista Serviço Social & Sociedade. Ano XIV. Nº 43. São Paulo:
Cortez, dezembro/1993.

221 – Para análise dos movimentos sociais. Elide Rugai Bastos. São
Paulo: Cortez.

222 – Crescimento populacional e desenvolvimento sustentável. Daniel
Joseph Hogan.

223 – Qualidade de vida: a modernização da utopia. Cristovam Buarque.

224 – Organização e profissionalização das organizações não
governamentais – companheiros da América de Santa Catarina. Ilse
Scherer Werner.

225 – A construção do SUS/SC: avanços e dificuldades – contribuição
para um debate sobre a adequação de recursos humanos.

226 – Anexos. In: Educação Comunitária: a experiência do Espírito
Santo. Teresa Maria Sirvent (Org.) São Paulo: Brasiliense, 1984. (2
exemplares)

227 – Bases conceituais para a construção de um paradigma
transdisciplinar: a busca da totalidade. João Antônio de Paula.
228 – A perspectiva transdisciplinar: apontamentos para uma agenda e
referências teóricas básicas. José Antônio de Paula.

229 – Indicações para fazer uma análise de conjuntura. Ivandro da Costa
Sales. Olinda: janeiro/1995.

230 – O setor informal e a pobreza urbana na América Latina.

231 – Notas sobre a política de emprego para o setor informal urbano.

232 – Dance, você nasceu para dançar.

233 - Um Moderno Mercado Verde. A economia competitiva deve dar
lugar a um mercado cooperativo, ecológico e transnacional. Héctor
Ricardo Leis. Jornal do Brasil.

234 - Economia y Educación: nuevos contextos para la educación
popular (precisando nuetra agenda). Documento final del grupo de
trabajo de economia y educacion. Consejo de Educación de Adultos de
América Latina.

235 - III Encuentro Internacional de ONGs: “Democracia y Desarrollo
Participativo”. Federación de organismos no governamentales de
Nicarajua, 1990.

236 – “Propostas para o desenvolvimento da América Latina: opções
estratégicas”. Resenha do Seminário promovido por ALOP em San José,
Costa Rica. 8 a 12 de abril de 1991. Federação de Órgãos para
Assistência Social e Educacional.

237 - Sociedade Civil e Democracia - Dimenssão histórica e normativa
da sociedade como uma esfera autônoma em relação ao mercado e ao
Estado. Valmor Schiochat. Brasília, 1993.

238 – Redes de Movimentos: uma perspectiva para os anos 90. Ilse
Scheree – Warren. XIV Encontro Anual da ANPOCS, 22 a 26 de outubro
de 1990, Caxambu, Minas Gerais.

239 – O Caráter dos Novos Movimentos Sociais. Ilse Scherer-Warren.
VIII Encontro Nacional da ANPOCS. Águas de São Pedro, outubro de
1984.
240 - El Nuevo Caracter de los Movimentos Sociales en America Latina.
Francisco Zapata.

241 – Praticas Urbanas O Estado, os Movimentos Sociais, o Partido
(última entrevista com Nicos Poulantzas).

242 – Organização Popular e Clientelismo Internacional. Alois Moller.
Cadernos do CEAS Nº 133.

243 – “Seminário Terra e Democracia”. Rio de Janeiro, maio, 1992.

244 – Cultura Política y Democratización. Norbert Lechner.

245 - A Necessidade do Planejamento. Michael Ellman. In: Planejamento
Socialista. Rio de Janeiro: Zahar, 1980.

246 – População e Recursos Humanos.

247 - Antropologia, Espaço e Cidade: um olhar sobre Curitiba. Maria
Cecília Solheid da Costa e Rosângela Digiovani.

248 - O Sítio Camponês. Ellen F. Woortmann.

249 – O profissional da classe média e as lutas populares. Otto Maduro.
In: Cadernos do CEAS, nº 91.

250 – O conhecimento científico.

251 – Aldaiza de Oliveira Sposati. In: Serviço Social & Sociedade. Nº 3.
São Paulo: Cortez.

252 – Necesidades sociales y problema objeto de intervencion. In:
CELATS. Módulo 2.

253 – Avaliação: otimização do autoritarismo. Cipriano Carlos Luckesi.
Ministério da Educação e Cultura – Fundação Centro Nacional de
Aperfeiçoamento de Pessoal para a Formação Profissional – Cop-
Coordenadoria de Operações – Programa de Projetos Especiais.

254 – Concepção dialética da Educação Popular. Oscar Jara. São Paulo:
CEPIS, 1985.
255 – Os trabalhadores de Putinga: assentamento do INCRA em Santa
Catarina. Eulália Enise Cardoso.

256 – Considerações sobre as propostas em disputa. Haroldo Baptista de
Abreu. (2 exemplares)

257 – Algumas reflexões sobre cidadania e formação de consciência
política política no Brasil. Salvador A. M. Sandoval.

258 – Cidadania, cultura e sujeitos. Maria de Lourdes Manzini-Covre.

259 – Desafios para a extensão universitária. Norberto Suhnel e Simone
Matos Machado. Florianópolis: UFSC.

260 – Reflexões sobre o amor e a mercadoria. Olgária C. F. Matos. São
Paulo: 1978. (2 exemplares)

261 – Limites e dilemas da participação popular. Recife. (2 exemplares)

262 – Os movimentos comunitários. Porto Alegre. (2 exemplares)

263 – Uma federação, múltiplos movimentos sociais. Espírito Santo.

264 – Vetores para um quebra-cabeça. Paulo Roberto Abrantes. São
Paulo. (2 exemplares)

265 – Plano de integração universidade – sistema de saúde.
Florianópolis: SSDS, fevereiro/1993.

266 – Apoio social e saúde: buscando compreender a fala das classes
populares. Victor Vicent Valla.

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:348
posted:2/10/2012
language:Portuguese
pages:18