Documents
Resources
Learning Center
Upload
Plans & pricing Sign in
Sign Out

apresentacao_GESAR_RECIFE

VIEWS: 6 PAGES: 51

									            Ceará - Saneamento Rural




Seminário: Saneamento Rural em Pernambuco – 21 e 22 de maio de 2009
        Ceará – Saneamento rural
  Situação geral do abastecimento rural



     Dados técnicos
     • Política Estadual diferenciada segundo o tipo de localidade a serem
       beneficiadas;
     • Ceará: população urbana 5,9 milhões (75%) e rural 2,6 milhões
       (25%)
     • Ações divididas em grupos
        • Implantação
        • Localidades abaixo de 50 famílias
        • Localidades entre 50 e 250 famílias
        • Localidades acima de 250 famílias
        • Gestão de sistemas
        • Localidades abaixo de 50 famílias
        • Lodalidades acima de 50 famílias

Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
        Ceará – Saneamento rural
  Situação geral do abastecimento rural



     Índice de cobertura populacional
     • População Urbana (96,91%)
           • Cagece
           • Saae’s


     • População Rural (26%)
           • Sisar (11,01%)
           • Prefeituras
           • outros


Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
        Ceará – Saneamento rural
   Estratégia adotada para atendimento



   O atendimento a zona rural do Estado é dividido de acordo com o tamanho da
   localidade. Em sua grande parte, são implantados sistemas independentes tendo
   como base de gestão a associação comunitária organizada.
     Implantação
     •Localidades abaixo de 50 famílias (Chafariz) (Projeto São José/Sohidra – SRH –
     Funasa/Prefeitura)

     •Localidades entre 50 e 250 famílias (Projeto São José/Cagece – Funasa/Prefeitura)
     •Localidades acima de 250 famílias (Projeto São José/Cagece – Alvorada – KfW –
     Funasa/Prefeitura)

     Gestão de sistemas
     •Localidades abaixo de 50 famílias (associação + prefeituras)
     •Lodalidades acima de 50 famílias (SISAR - Cagece)



Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
        Ceará – Saneamento rural
   Estratégia adotada para atendimento



    A Cagece, como referência em saneamento no Estado, não se limita a
    zona urbana. Com diversos programas específicos para a zona rural, a
    empresa atua na sua responsabilidade social e contribui para a
    universalização do abastecimento no Ceará. Os principais projetos são:




    O Projeto São José           KfW é o nome do          O Projeto Alvorada é         É o modelo de
      implanta SAA na           Banco alemão que             financiado pelo          gestão específico
        zona rural do          financia o Programa        Governo Federal, e          para a zona rural
    Estado. Financiado               Ceará II,               além de SAA's                do Estado,
    pelo Banco Mundial          implantando SAA's            completos, tem           garantindo a vida
     e tendo a Cagece          e SES’s nas regiões         atuação em outros          útil dos sistemas
     como co-partícipe             de Quixadá e               segmentos de                através do
      atua em todas as                Russas             saneamento como kits          gerenciamento
     regiões do Estado                                          sanitários.              junto com a
                                                                                        comunidade.


Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
         Ceará – Saneamento rural
             Projeto São José



MISSÃO

Suprir as necessidades das comunidades rurais com água potável, em tempo hábil, com o
intuito de melhorar a qualidade de vida das famílias que lá habitam.

OBJETIVO

Implantar Sistemas de Abastecimento de Água tratada e hidrometrada em comunidades da
zona rural.

CO-PARTICIPANTE

A CAGECE é uma empresa co-participante do Projeto São José, sendo responsável pela
análise dos projetos, orientação social da comunidade, fiscalização e acompanhamento das
obras.
Ceará – Saneamento rural
    Projeto São José




                           Atua em 177 dos 184 municípios do
                           Ceará, com prioridade para os
                           municípios classificados pelo IDS -
                           Índice    de       Desenvolvimento
                           Sustentável.
Ceará – Saneamento rural
    Projeto São José




                    COMUNIDADE


                 GOVERNO DO ESTADO




        EMPRÉSTIMO DO BANCO MUNDIAL - BIRD
               AO GOVERNO DO ESTADO
    Ceará – Saneamento rural
        Projeto São José




 Contra-partida (10%) = Mão de Obra

 Formação dos comitês

 Filiação ao SISAR
        Ceará – Saneamento rural
   Estratégia adotada para atendimento




     Desenvolver diretrizes e monitorar a implementação de
     políticas de saneamento rural e sua gestão auto-
     sustentável.

     Dar suporte ao Modelo de Gestão SISAR para SAA’s e
     SES’s no meio rural.

     Contribuir com a Cagece no âmbito das concessões, e
     com o Estado, proporcionando uma ampliação no
     atendimento dos municípios visando a universalização

Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
      Gerência de Saneamento Rural
              Organograma



                                                                        GESAR


                                                         Auxiliar
                                                       Administrativo



                                                                                           Supervisão de capacitação
                                                                                                    social

                                 Apoio técnico                 Apoio administrativo-
                                                                    financeiro
                                                                                                   Capacitação Social

                                 Controle Técnico do               Políticas Públicas de
                                  modelo de gestão                  saneamento rural               Modelos de gestão

                                                                  Controle admnistrativo
                                                                         do Sisar                   Desenvolvimento
                                                                                                      comunitário

                                                                     Controle contábil-
                                                                   financeiro do SISAR




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
        Ceará – Saneamento rural
   Estratégia adotada para atendimento




   A GESAR, monitora a implantação de sistemas de abastecimento de água, tendo como
   foco a gestão dos mesmos. Esses sistemas são implantados a partir de diversas fontes
   de recurso financeiro para que estejam dentro dos padrões técnicos, com ligações de água
   tratada e hidrometrada contemplando toda a comunidade.




                                                                                      Prefeituras




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
        Ceará – Saneamento rural
   Estratégia adotada para atendimento




       A Gesar, através do trabalho social, proporciona maior interação entre a população
       beneficiada e os agentes envolvidos no processo, contribuindo para a consolidação
       do modelo de gestão SISAR




                                                                                      Prefeituras




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
Modelos de Gestão para localidades rurais
                  Modelo de Gestão
                    Alternativas




       Concessionária Estadual de Saneamento

       SAAE – Sistema Autônomo de Água e Esgoto

       Prefeitura Municipal

       Comunidade organizada

       SISAR – Sistema Integrado de Saneamento Rural

Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
                  Modelo de Gestão
                    Problemática



                                               Antes




                                 Qual a Solução?
                                              Com a falta
                                              de Gestão



Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
                O que é?


É uma organização não governamental, sem fins econômicos, formada pelas
associações filiadas com sistemas de abastecimento de água e esgoto,
pertencentes à mesma bacia hidrográfica e as circunvizinhas

                     O SISAR é uma
                     federação de
                     Associações



                              Manutenção

                               Conta de Água




         O SISAR surgiu com apoio da CAGECE, do Governo do Estado, do Banco
                          KfW, das Prefeituras e comunidades

Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
       Planejamento Estratégico




                                                  Missão

   Garantir a melhoria da qualidade de vida da
   população rural, assegurando a prestação dos
   serviços de manutenção em saneamento básico, de
   forma autogerida e auto-sustentável, contribuindo
   para o desenvolvimento social e a preservação
   ambiental.



Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
              Necessidades




   1       Gestor do sistema
   • Associação             legalizada e organizada em parceria com o
   Sisar


   2       Operação e manutenção
   • SAA executado com padrão técnico para a gestão Sisar;
   • Sisar em parceria com a Associação;
   • Operador do SAA e energia elétrica.

Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
              Organização



                                                    Assembléia Geral
                         Conselho de                                                     Conselho
                        Administração                                                     Fiscal


                                                  Auditoria




                              Técnico                      Adm. financeiro            Capacitação social


                            Eletromecânico                    Aux. Administrativa


                         Aux. de eletromecânica         Estagiário(a)      Cobrança




                                                      Associações
                                                      Comunitárias
Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
        Papel do Sisar - Técnica




       Prestar assistência técnica preventiva e corretiva;

       Controlar a qualidade da água;

       Emitir contas;

       Treinar e aperfeiçoar os operadores;

       Calcular tarifas para aprovação da Assembléia;

       Repassar informações                        operacionais             dos        sistemas          à
        CAGECE.



Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
         Papel do Sisar - Social




       Promover ações de educação socio-ambiental;

       Colaborar com a sustentabilidade do sistema, através da
        sensibilização para pagamento da tarifa e uso adequado dos
        benefícios implantados;

       Cooperar para o exercício de cidadania, onde as pessoas
        tornam-se capazes de tomar suas próprias decisões,
        construindo sua história;

       Contribuir para o fortalecimento do associativismo, através
        da formação de uma consciência cidadã dos dirigentes das
        associações.



Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
       Sustentabilidade do modelo




Responsabilidade da Comunidade:
 Cada família usuária paga uma conta mensal, baseada nos custos reais da
  prestação de serviço.
Responsabilidade das Prefeituras:
 Saneamento básico é serviço de interesse local e a sua prestação é de
  competência dos municípios
Responsabilidade do Estado:
 Papel regulador:
      • Situações e conflitos
      • Garantia da qualidade dos serviços




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
        Instrumentos de gestão




                       Associação organizada

     ESTATUTO SOCIAL DO SISAR                                TERMO DE CESSÃO DE USO
                                                                    Governo - Município

          TERMO DE ANUÊNCIA                                     CONVÊNIOS TRIPARTITE
          Município - Associação                             Governo - CAGECE - SISAR
                                                            SISAR - Município - Associação



Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
        Instrumentos de gestão



                  • Acompanhamento social da comunidade;
                  • Software;
                  • Cadastro;
                         Associação Comunitária de Belo Horizonte

                      Consumo de água (10m³)                                  R$    4,50
                      Operador                                                R$    2,00
                      Energia                                                 R$    2,00
                      Associação                                              R$    0,50
                      Total                                                   R$    9,00

                   • Conta de água;
                   • Informações gerenciais (contabil, administrativo,
                   comercial, técnico e social).
Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
Conhecendo os SISAR’s
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
          Replicação do modelo
                                                                          SISAR-BCL
                                                                          Sistemas - 61
                                                                          Pop. Atendida – 30.177
                                                                          Fundação - 07/03/02

                                  SISAR-BAC
                                  Sistemas - 88                              Itapipoca
                                  Pop. Atendida – 70.525
                                  Fundação - 27/01/96

                                                                                                   Fortaleza
                                                             Sobral                                    SISAR-BME
                                                                                                       Sistemas - 34
                       SISAR-BPA                                                                       Pop. Atendida – 13.899
                                                                                                       Fundação - 29/06/01
                       Sistemas – 93
                       Pop. Atendida – 47.610
                       Fundação - 02/08/01                                          Quixadá              Russas
                                                                 SISAR-BBA
                                                 Crateús         Sistemas - 87
                                                                 Pop. Atendida – 48.378
                                                                                                        SISAR-BBJ
                                                                                                        Sistemas - 22
                                                                 Fundação - 31/08/01                    Pop. Atendida – 112.336
                                                                                                        Fundação - 07/02/02

    Bacias Hidrográficas
 BAC – Acaraú-Coreaú
 BCL – Curu-Litoral                                                    Acopiara
                                    SISAR-BAJ
                                    Sistemas - 49
 BME – Metropolitana                Pop. Atendida – 29.676
                                                                                     SISAR-BSA
 BPA – Parnaíba                     Fundação - 09/10/01
                                                                                     Sistemas - 96
 BBA – Banabuiú                                                                      Pop. Atendida – 46.446
                                                                                     Fundação - 25/10/01
 BBJ – Baixo-médio Jaguaribe
 BAJ – Alto Jaguaribe                                                           Juazeiro
 BSA - Salgado


Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
           Sistemas operados




                                       LOCALIDADES                LIG.    POPULA  LIG.   % LIG LIG. ATIVAS/
   SISAR      MUNICÍPIOS    SISTEMAS                  REDE
                                         FILIADAS                TOTAIS    ÇÃO   ATIVAS ATIVAS LOCALIDADE

   Sobral         28           88          88        234.227     16.065   70.525    13.941   86,78%   158

  Acopiara        12           49          49        151.184      6.760   29.676    6.022    89,08%   123

  Quixadá         19           87          98        207.715     11.020   48.378    9.434    85,61%   96

   Russas         8            22          23         79.793      2.810   12.336    2.479    88,22%   108

  Itapipoca       17           61          61        168.709      6.874   30.177    6.277    91,32%   103

  Fortaleza       9            34          34         89.939      3.166   13.899    2.795    88,28%   82

   Crateús        13           93          93        258.095     10.845   47.610    9.733    89,75%   105

  Juazeiro        21           96          96        229.191     10.580   46.446    9.352    88,39%   97

   TOTAL         124          530          542       1.418.853   68.120   299.047   60.033   88,13%   111

  * Posição de Abril/2009




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
  Evolução do nº de sistemas operados




                         EVOLUÇÃO SISAR DE 2001 A 2009 (LOCALIDADES BENEFICIADAS)
      SISAR       2001        2002    2003       2004      2005      2006      2007       2008      2009*
       BAJ          4           7      12         18        25        41        44         48        48
       BBA          8          17      38         46        55        70        83         88        89
       BBJ          2           2       9         13        15        23        23         23        23
       BCL          1           3      12         25        40        46        59         61        61
       BME          7           9      18         24        30        35        36         33        33
       BPA          6          24      38         45        50        74        86         91        92
       BSA          2           7       9         21        35        71        88         95        96
       BAC         36          36      40         41        64        73        83         87        88
     TOTAL         66         105      176       233       314        433       502       526        530
    * Posição de abril/2009




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
Detalhamento
 Sisar - BSA
      Sisar – Bacia do Salgado
         Sistemas operados


                                                                     LIG.  POPULA   LIG.     % LIG
ORD         MUNICÍPIO            LOCALIDADE    IMPLANTAÇÃO   REDE
                                                                    TOTAIS   ÇÃO   ATIVAS   ATIVAS
 1     ALTANEIRA        BANANEIRA               ALVORADA     2850     77    338,03   49     63,64%
 2     ALTANEIRA        CACHIMBO                ALVORADA     2322    118    518,02   94     79,66%
 3     ALTANEIRA        TABULEIRO DO BAÉ        SÃO JOSÉ     2140    190    834,10   174    91,58%
 4     BAIXIO           JUREMA                  SÃO JOSÉ     949     114    500,46   104    91,23%
 5     BARBALHA         MATA DOS ARAÇAS         SÃO JOSÉ     1850     66    289,74   62     93,94%
 6     BARBALHA         SÍTIO CORRENTINHO       SÃO JOSÉ     1080     83    364,37   52     62,65%
 7     BARRO            BREJINHO                SÃO JOSÉ     1987     62    272,18   57     91,94%
 8     BARRO            ENGENHO VELHO           ALVORADA     2123    111    487,29   105    94,59%
 9     BARRO            MONTE ALEGRE            SÃO JOSÉ     233     143    627,77   117    81,82%
10     BARRO            RIACHÃO                 SÃO JOSÉ     2495     50    219,50   40     80,00%
11     BARRO            RIACHÃO II              SÃO JOSÉ     982      93    408,27   88     94,62%
12     BARRO            SANTO ANTONIO           ALVORADA     2102    119    522,41   98     82,35%
13     BREJO SANTO      PONTA DA SERRA          SÃO JOSÉ     3676    112    491,68   108    96,43%
14     BREJO SANTO      TIMBAÚBA                SÃO JOSÉ     1105     76    333,64   66     86,84%
15     CARIRIAÇU        VILA FEITOSA            SÃO JOSÉ     2205    148    649,72   125    84,46%
                        CACHOEIRINHA DOS
16     CEDRO                                    SÃO JOSÉ     3002     79    346,81   61     77,22%
                        MARQUES
17     CEDRO            CARIUZINHO              SÃO JOSÉ     3278     93    408,27   79     84,95%
18     CEDRO            MORADA NOVA             SÃO JOSÉ     2348     52    228,28   38     73,08%
19     CEDRO            MOSQUITO                SÃO JOSÉ     3052     95    417,05   77     81,05%
20     CEDRO            MUNDO NOVO              PREFITURA    3502     63    276,57   58     92,06%
21     CEDRO            TELHA                   SÃO JOSÉ     1980     72    316,08   63     87,50%
22     CEDRO            VACA MORTA              SÃO JOSÉ     3361     86    377,54   77     89,53%
23     CRATO            BAIXIO DAS PALMEIRAS    SÃO JOSÉ     3230     76    333,64   56     73,68%
24     CRATO            BAIXIO DO SÃO JOSÉ      SÃO JOSÉ     3626    107    469,73   82     76,64%
      Sisar – Bacia do Salgado
         Sistemas operados


                                                                       LIG.  POPULA   LIG.     % LIG
ORD         MUNICÍPIO          LOCALIDADE       IMPLANTAÇÃO    REDE
                                                                      TOTAIS   ÇÃO   ATIVAS   ATIVAS
25     CRATO            BAIXIO VERDE              SÃO JOSÉ     2172     65    285,35   57     87,69%
26     CRATO            BELO HORIZONTE            SÃO JOSÉ     774      55    241,45    47    85,45%
27     CRATO            BOA VISTA                 SÃO JOSÉ     2910     50    219,50    45    90,00%
28     CRATO            JENIPAPO                  SÃO JOSÉ     1836    156    684,84    143   91,67%
29     CRATO            JUÁ                       SÃO JOSÉ     2508    123    539,97    107   86,99%
30     CRATO            MONTE ALEGRE              SÃO JOSÉ     1449    121    531,19    106   87,60%
31     CRATO            PALMEIRINHA DOS BRITO     SÃO JOSÉ     1710    174    763,86    163   93,68%
32     CRATO            PALMEIRINHA DOS VILAR     SÃO JOSÉ     980     155    680,45    137   88,39%
33     CRATO            SANTO ANTÔNIO             SÃO JOSÉ     4546    145    636,55    136   93,79%
34     CRATO            SÃO JOSÉ                  SÃO JOSÉ     2332    100    439,00    88    88,00%
35     CRATO            SERRINHA                  SÃO JOSÉ     2856     66    289,74    64    96,97%
36     CRATO            SÍTIO ALEGRE              SÃO JOSÉ     1565     83    364,37    68    81,93%
37     CRATO            SÍTIO LAGOINHA            SÃO JOSÉ     1173     70    307,30    66    94,29%
38     CRATO            VILA MALHADA              SÃO JOSÉ     1262    219    961,41    198   90,41%
39     CRATO            VILA SÃO FRANCISCO        SÃO JOSÉ     3407    300   1.317,00   269   89,67%
40     FARIAS BRITO     CATINGUEIRA               SÃO JOSÉ     1895     53    232,67    49    92,45%
41     FARIAS BRITO     CONTENDAS                 SÃO JOSÉ     3102     86    377,54    73    84,88%
42     FARIAS BRITO     LAGOA SECA               PREFEITURA            102    447,78    101   99,02%
43     FARIAS BRITO     QUINCUNCÁ                PREFEITURA    4150    366   1.606,74   342   93,44%
44     FARIAS BRITO     RIBEIRINHA                SÃO JOSÉ     1890     67    294,13     55   82,09%
45     FARIAS BRITO     SÃO JOÃO                  SÃO JOSÉ     4227    122    535,58    102   83,61%
46     GRANJEIRO        CANA B. DOS FERREIRAS     SÃO JOSÉ     1444    171    750,69    159   92,98%
                                                     SÃO
47     GRANJEIRO        SÍTIO SERRINHA          JOSÉ/ALVORAD   3642    366   1.606,74   307   83,88%
                                                      A
      Sisar – Bacia do Salgado
         Sistemas operados


                                                                      LIG.  POPULA   LIG.     % LIG
ORD           MUNICÍPIO            LOCALIDADE   IMPLANTAÇÃO   REDE
                                                                     TOTAIS   ÇÃO   ATIVAS   ATIVAS
48     IPAUMIRIM           SERROTE REDONDO       SÃO JOSÉ     1461     125   548,75   123    98,40%
49     JATÍ                BALANÇAS             PREFEITURA    3587    124    544,36    115   92,74%
50     JATÍ                SÍTIO CABOCLO         SÃO JOSÉ     3789     60    263,40    56    93,33%
51     JUAZEIRO DO NORTE   CHUMBADA              SÃO JOSÉ     1974     68    298,52    61    89,71%
52     JUAZEIRO DO NORTE   GAVIÃOZINHO           SÃO JOSÉ     1680     50    219,50    40    80,00%
53     JUAZEIRO DO NORTE   PAU SECO             PREFEITURA    1750     63    276,57    61    96,83%
54     JUAZEIRO DO NORTE   SÍTIO NOVO            SÃO JOSÉ     1925     59    259,01    54    91,53%
55     JUAZEIRO DO NORTE   SÍTIO PORÇÃO          SÃO JOSÉ     2910     60    263,40    52    86,67%
56     JUAZEIRO DO NORTE   VILA SANTO ANTONIO    SÃO JOSÉ     2187     95    417,05    79    83,16%
       LAVRAS DA
57                         ALTO                  SÃO JOSÉ     1802     81    355,59    66    81,48%
       MANGABEIRA
       LAVRAS DA
58                         LIMOEIRO              SÃO JOSÉ     3102     74    324,86    59    79,73%
       MANGABEIRA
59     MAURITI             ALTO DOS BARBOSA      SÃO JOSÉ     2780     90    395,10    82    91,11%
60     MAURITI             ANAUÁ                 SÃO JOSÉ     1106    229   1.005,31   221   96,51%
61     MAURITI             BAIXIO DO MORORÓ      SÃO JOSÉ     1580     85    373,15    83    97,65%
62     MAURITI             CALDEIRÃO             SÃO JOSÉ     1780     50    219,50    47    94,00%
63     MAURITI             CARNAUBINHA           SÃO JOSÉ     2580     60    263,40    55    91,67%
64     MAURITI             MACAMBIRA             SÃO JOSÉ     2015    171    750,69    166   97,08%
65     MAURITI             NOVA SANTA CRUZ       SÃO JOSÉ     1215     51    223,89    37    72,55%
                           SANTO ANTÔNIO DOS
66     MAURITI                                    FUNASA      2100    108    474,12    107   99,07%
                           FELIPES
67     MAURITI             SÃO SEBASTIÃO          FUNASA               87    381,93     66   75,86%
68     MILAGRES            SÍTIO NAZARÉ          SÃO JOSÉ     2220    139    610,21    126   90,65%
69     MILAGRES            SÍTIO TABOCAS         SÃO JOSÉ     3642    150    658,50    124   82,67%
70     MISSÃO VELHA        BARREIRAS             SÃO JOSÉ     5247    212    930,68    188   88,68%
      Sisar – Bacia do Salgado
         Sistemas operados


                                                                    LIG.  POPULA   LIG.     % LIG
ORD        MUNICÍPIO          LOCALIDADE      IMPLANTAÇÃO   REDE
                                                                   TOTAIS   ÇÃO   ATIVAS   ATIVAS
69     MILAGRES        SÍTIO TABOCAS           SÃO JOSÉ     3642     150   658,50   124    82,67%
70     MISSÃO VELHA    BARREIRAS               SÃO JOSÉ     5247     212   930,68   188    88,68%
71     MISSÃO VELHA    CARNAÚBA                SÃO JOSÉ     1356     60    263,40    54    90,00%
                       CHIQUEIRO DE
72     MISSÃO VELHA                            SÃO JOSÉ     1256    228   1.000,92   202   88,60%
                       CABRAS/FORQUILHA
73     MISSÃO VELHA    EXTREMA                 SÃO JOSÉ     2945    136    597,04    95    69,85%
74     MISSÃO VELHA    JERIMUM                 SÃO JOSÉ     1110     55    241,45    49    89,09%
75     MISSÃO VELHA    LOGRADOURO              SÃO JOSÉ     3662    105    460,95    88    83,81%
76     MISSÃO VELHA    MADEIRA CORTADA         SÃO JOSÉ     9600    170    746,30    147   86,47%
77     MISSÃO VELHA    MISSÃO NOVA             SÃO JOSÉ     1694    120    526,80    97    80,83%
78     MISSÃO VELHA    OLHO D'ÁGUA COMPRIDO    SÃO JOSÉ     4019     92    403,88    89    96,74%
79     MISSÃO VELHA    OLHO DÁGUA DE FORA      SÃO JOSÉ     2694    131    575,09    117   89,31%
80     MISSÃO VELHA    PASSAGEM DE PEDRA       SÃO JOSÉ     2619    103    452,17    94    91,26%
81     MISSÃO VELHA    PONTAL DA SERRA         SÃO JOSÉ     2984    154    676,06    152   98,70%
82     MISSÃO VELHA    QUIMAMI                 SÃO JOSÉ     2522    112    491,68    96    85,71%
83     MISSÃO VELHA    SANTA TEREZA            SÃO JOSÉ     1007    144    632,16    125   86,81%
84     NOVA OLINDA     BARREIROS               SÃO JOSÉ     1180     75    329,25    75    100,00%
85     PORTEIRAS       BARRIGUDA               SÃO JOSÉ     1205     71    311,69     70   98,59%
86     PORTEIRAS       CANCELA                 SÃO JOSÉ     2170    140    614,60    131   93,57%
87     PORTEIRAS       FREI JORGE              SÃO JOSÉ     2150    132    579,48    115   87,12%
88     PORTEIRAS       LAGOA NOVA              SÃO JOSÉ     2245     57    250,23    51    89,47%
89     PORTEIRAS       MUQUÉM DOS HORÁCIOS     SÃO JOSÉ     3441     49    215,11    39    79,59%
90     PORTEIRAS       MUQUÉM DOS REINALDOS    SÃO JOSÉ     1856     67    294,13    61    91,04%
91     PORTEIRAS       SANTO ANTONIO           SÃO JOSÉ     3540     62    272,18    45    72,58%
                       SÍTIO AREIA BRANCA E
92     PORTEIRAS                                FUNASA      2790     55    241,45    53    96,36%
                       SENHAROL 2
       Sisar – Bacia do Salgado
          Sistemas operados


                                                                        LIG.  POPULA  LIG.        % LIG
 ORD        MUNICÍPIO          LOCALIDADE      IMPLANTAÇÃO   REDE
                                                                       TOTAIS  ÇÃO   ATIVAS      ATIVAS
                        SÍTIO AREIA BRANCA E
  92    PORTEIRAS                                FUNASA       2790       55     241,45    53     96,36%
                        SENHAROL 2
  93    PORTEIRAS       SÍTIO MOREIRA II        ALVORADA      4870      121     531,19   115     95,04%
  94    PORTEIRAS       SÍTIO PRATA             SÃO JOSÉ      2180       75     329,25    66     88,00%
  95    UMARI           LOGRADOURO              SÃO JOSÉ      2145      168     737,52   142     84,52%
  96   VÁRZEA ALEGRE    BOA VISTA               SÃO JOSÉ      2211      107     469,73    104    97,20%
TOTAIS 21 Municípios    96 Localidades                       229.191   10.580   46.446   9.352     84



DADOS GERAIS

NOME: SISTEMA INTEGRADO DE SANEAMENTO RURAL DA BACIA DO SALGADO – BSA
ENDEREÇO: Rua Delmiro Gouveia, S/N – Romeirão – JUAZEIRO DO NORTE – CE
TELEFAX: (88) 3102.1155
CNPJ: 04.815.955/0001-58
CONTATO: Nilvando Barboza do Vale
CELULAR: (88) 9965.9374
Sistema Integrado de Saneamento Rural
      Despesa de Exploração / m³




         CONSUMO                                                                                                     DIF. DEX
                              TOTAL DA               DEX/M³                           FATURAME              VALOR/M³
 SISAR   FATURADO      %                    %                  %      META   DIFER.                 %                M³ / VL M³
                                DEX                FATURADO                              NTO               FATURADO
            M³                                                                                                         FAT.

  BAC    109.283,00   -10,1    78.000,00   -4,2     0,7137    6,5     0,57    0,14    101.635,26   -8,0      0,9300     0,2163
  BAJ     42.926,00   -1,3     22.957,51   11,9     0,5348    13,4    0,57   -0,04     34.366,19   4,3       0,8006     0,2658
  BBA     51.225,00   -14,7    35.948,64   -3,2     0,7018    13,5    0,57    0,13     44.515,80   -4,8      0,8690     0,1672
  BBJ     20.719,00   -12,1    11.690,49    4,0     0,5642    18,4    0,57   -0,01     15.366,26   -4,2      0,7417     0,1774
  BCL     43.277,00   -24,5    27.422,22   -5,7     0,6336    24,8    0,57    0,06     35.751,04   -14,4     0,8261     0,1925
  BME     18.880,00   -3,7     11.021,51   -19,9    0,5838    -16,8   0,57    0,01     16.605,98   3,5       0,8796     0,2958
  BPA     68.660,00   -14,8    48.203,27   -15,4    0,7021    -0,6    0,57    0,13     53.670,79   -6,6      0,7817     0,0796
  BSA     73.107,00   -14,1    55.090,32   -2,7     0,7536    13,2    0,57    0,18     57.947,32   -6,8      0,7926     0,0391
 TOTAL   428.077,00   -12,9   290.333,96   -5,4     0,6782    8,6     0,57    0,11    359.858,64   -6,2      0,8406     0,1624

 * Posição de Março/2009
Sistemas Gerenciados
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
          Sistemas gerenciados




              Captação: Poço profundo
              Tratamento: Simples cloração
              Rede de distribuição: 2.367m
              Adutora: 960m
              Famílias Beneficiadas: 142
              Implantação: São José II
              Filiada desde: 20/09/2005


                                                            Reservatório




             Fotografia panorâmica da comunidade

Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
          Sistemas gerenciados




              Captação: Poço Amazonas
              Tratamento: Simples cloração
              Rede de distribuição: 2.367m
              Adutora: 400m
              Famílias Beneficiadas: 124
              Implantação: São José II
              Filiada desde: 03/12/2003

                                                            Captação e reservatório




                  Reservatório                              Foto da comunidade

Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
Sistema Integrado de Saneamento Rural
         Sistemas gerenciados




        Captação: Açude
        Tratamento: ETA
        Rede de distribuição: 50Km
        Adutora: 32Km
        Famílias Beneficiadas: 1.550
        Implantação: Alvorada
        Filiada desde: 20/10/2007


                                        ETA




         Bomba reserva                  Cloro Gasoso
Ações Importantes
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
           Ações importantes




      •Treinamento de Operadores
      Treinamento     técnico    dos    operadores,
      capacitando-os para ações em tratamento,
      manutenção e suporte a comunidade.




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
           Ações importantes




      • Treinamento dos Conselheiros
      Treinamento     dos    Conselheiros   eleitos,
      mostrando o papel de cada membro,
      capacitando-os para desempenhar seu papel




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
           Ações importantes




      • Indicadores de resultados para 2009
   Faturamento                                           Ligações ativas
  Fórmula: ((fat. Jan 09 / Fat. Jan 08)-1)*100           Fórmula: Ligações ativas / Ligações totais
  Tipo de dado: Percentual                               Tipo de dado: Percentual
  Fonte de dados: Sistema comercial (TXT)                Fonte de dados: Sistema comercial (TXT)
  Meta: 20%                                              Meta: 90% (a recuperar no ano)
   Índice de Eficiência de Arrecadação                   Prazo para atendimento da comunidade
  Fórmula: (Faturamento/Receita)*100                     Fórmula: Média dias para atendimento
  Tipo de dado: Percentual                               Tipo de dado: Horas
  Fonte de dados: Sistema comercial (TXT)                Fonte de dados: Ordem de Serviço
  Meta: 101%                                             Meta: BME, BPA, BSA (24h) / BAJ, BBJ, BCL (48h) / BBA (72h)

  DEX (Despesa de Exploração) / m³
 Fórmula: (DEX/m³ Faturado)
 Tipo de dado: Moeda
 Fonte de dados: Sistema comercial (TXT)
 Meta: 0,44



Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
           Ações importantes




      • Sisar em Ação
      Ação intensiva em uma comunidade. Onde são
      feitas   negociações,      reparos, lacre de
      hidrômetros, palestras, etc.




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
           Ações importantes




      • Projeto Amigos da Comunidade
      Sensibilizar a comunidade para a preservação
      ambiental,     através   da     coleta  seletiva
      possibilitando o crescimento socio-econômico.




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
           Ações importantes




      • Encontro dos Gestores
      Possibilitar a integração e discussão sobre suas
      atuações dentro de uma visão crítica com ações
      éticas, diante da realidade vivenciada pelos
      Sisar’s.




Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
 Sistema Integrado de Saneamento Rural
           Ações importantes




      • Rede multidisciplinar de apoio ao SISAR
      As necessidades do SISAR criam uma rede de
      parceiros que atendem as demandas específicas
      do modelo de gestão.

                                            Manutenção
         Automações                                                         Serviços


      Software                                                                        Materiais



Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
                      Acertos e necessidades
                          Análise SWOT

                          AMBIENTE INTERNO                                              AMBIENTE EXTERNO
             FORTALEZAS                                                   OPORTUNIDADES
              Fortalecimento do Associativismo e cidadania;               Parcerias    com     órgãos  executores     para
                                                                          acompanhamento na concepção e execução de projetos
              Contribuição para universalização do acesso a água
  POSITIVO




                                                                          e obras com foco em gestão;
             tratada;
                                                                           Parceria com a Cagece e municípios          para ações de
              Garantia da vida util dos sistemas (sucateamento);
                                                                          educação sanitária e ambiental;
              Contribuíção no aumento do IDH (SWAP);
                                                                           Replicação do modelo nos demais Estados do NE;
              Alivia a Cagece no gerenciamento de Pequenos
                                                                           Maior investimento no Saneamento Rural;
             sistemas;
                                                                           Comprometimento do poder público com a gestão de
              Parceria CAGECE/SISAR (Responsabilidade Social)
                                                                          sistemas rurais.
              Colabora na preservação do meio ambiente


             FRAQUEZAS                                                    AMEAÇAS
              Dificuldade no alcance da Auto-sustentabilidade;            Falta de mão-de-obra especializada no Interior do
                                                                          Estado;
  NEGATIVO




              Dificuldade de acesso aos Sistemas;
                                                                           Projetos com orçamento reduzido, várias etapas (PSJ),
              Controles administrativos e de gestão;                     fora dos padrões e/ou complexos (Funasa, OGU);
              Localidades filiadas com baixa média de ligações;           Deficiência de Mananciais;
              Falta de assessoria (jurídica, técnica, geológica, etc);    Gerenciamento de sistemas através de associações
              Tarifa não contempla ampliações e melhorias;               manipuladas por oportunistas;

              Alto custo de gerenciamento (distribuição geográfica)       Política do Clientelismo ainda existente;
                                                                           Pressões políticas para receber sistemas fora do padrão
                                                                          Cagece/SISAR.

Situação geral do abastecimento rural Estratégia adotada para atendimento Modelo de Gestão Acertos e necessidades
www.cagece.com.br
Helder Cortez
Fones: (85) 3496.1686 / 8878.8920
Helder@cagece.com.br

								
To top