CONCURSO P�BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS - DOC

Document Sample
CONCURSO P�BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS - DOC Powered By Docstoc
					                                  CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS
                                         EDITAL DE CONCURSO Nº 065/2002


                 A SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, nos termos do art. 37 da
Constituição Federal e Lei Orgânica Municipal, TORNA PÚBLICO que realizará CONCURSO
PÚBLICO sob regime estatutário - Lei nº 3008/86 e suas alterações, para provimento de vagas do
quadro geral dos servidores da Prefeitura Municipal, com a execução técnico-administrativa da
empresa OBJETIVA CONCURSOS LTDA, o qual reger-se-á pelas Instruções Especiais contidas
neste Edital, pelo Regulamento de Concursos – Decreto n° 2.738/90 e pelas demais disposições
legais vigentes.

                                                      CAPÍTULO I
                                                     DOS CARGOS
1. 1. Tabela de Cargos:
  O Concurso destina-se ao provimento de vagas nos cargos descritos no quadro abaixo:
                 Cargos             Vagas                Escolaridade              Carga Vencimento Taxa de
                                  Preenchim. e/ou outros requisitos exigidos para Horária agosto/02 inscrição
                                   Imediato                o cargo                semanal    R$      R$ (**)
         Bibliotecário                02    Graduação em Biblioteconomia             33 horas      999,62      57,48
         Intérprete de LIBRAS         10    Ensino Médio Completo ou curso           20 horas      210,08      38,32
         – Língua Brasileira de             superior e formação em curso de
         Sinais                             capacitação de intérprete emitido pela
                                            FENEIS (Federação Nac. de Educação
                                            e Integração de Surdos)
         Merendeira/o                 31    Fundamental Completo.                    40 horas      170,44      19,16
         Motorista                    10    6ª série do Ensino Fundamental e         40 horas      225,19      19,16
                                            Carteira Nacional de Habilitação na
                                            categoria D.
           Oficial Administrativo      92   Ensino Médio Completo.                    33 horas     275,87      38,32
           Orientador                  30   Pedagogia - habilitação Orientação        40 horas     999,62      57,48
           Educacional                      Educacional
           Professor            da     15   Magistério ou Pedagogia - habilitação     40 horas 383,19 (*)      38,32
           Educação Infantil                para Séries Iniciais
           Professor I - 1ª a 4ª      101   Magistério ou Pedagogia - habilitação     20 horas 210,08 (*)      38,32
           Série                            para Séries Iniciais
           Professor II                     Superior - Curso de Licenciatura com      20 horas 210,08 (*)      57,48
           - Artes                     14   habilitação específica
           - Ciências                  19
           - Educação Física           17
           - Espanhol                  02
           - Filosofia                 01
           - Francês                   01
           - Geografia                 01
           - História                  01
           - Inglês                    12
           - Matemática                14
           - Música                    09
           - Português                 21
           - Sociologia                02
           Professor III                      Superior - Curso de Licenciatura com 20 horas 210,08 (*)         57,48
           - Artes                     01     habilitação específica ( Plena)
           - Biologia                  01
           - Filosofia                 02
           - Física                    05
           - Geografia                 01
           - História                  01
           - Inglês                    01
           - Matemática                01
           - Português                 01
           - Química                   01
           - Sociologia                01
(*) Professores - vencimento básico - serão acrescidos incentivos correspondentes aos seguintes percentuais:
          - Licenciatura curta - 49% (quarenta e nove por cento)
          - Licenciatura plena - 59% (cinquenta e nove por cento)
          - Pós-graduação - 70% (setenta por cento)
(**)Taxa de Inscrição – valor calculado tendo como referência a URM (Unidade de Referência Municipal) / AGOSTO/02 :R$
38,32 (Conforme Lei nº 4775/01): Ensino Fundamental: 0,5 URM; Ensino Médio:1,0 URM e Ensino Superior: 1,5 URM.

2. 2. DAS VAGAS:
2.1 - O Concurso destina-se ao provimento das vagas existentes, de acordo com a tabela supra e
ainda das que vierem a existir no prazo de validade do Concurso.
2.2 - A habilitação no Concurso Público não assegura ao candidato a nomeação imediata, mas
apenas a expectativa de ser admitido segundo as vagas existentes, de acordo com as necessidades
da Administração Municipal, respeitada a ordem de classificação.

3. DAS CARACTERÍSTICAS DOS CARGOS:
   As características dos cargos estão definidas no ANEXO I, do presente Edital.

4. DA DIVULGAÇÃO:
   A divulgação oficial do inteiro teor deste Edital e as divulgações referentes às etapas deste
Concurso Público dar-se-ão com a afixação no quadro de avisos na Secretaria Municipal de
Administração, sita à rua Barão de Santa Tecla nº 516 e/ou seu extrato publicado nos Jornais DIÁRIO
da MANHÃ e DIÁRIO POPULAR, bem como pelo site www.objetivas.com.br e www.pelotas.com.br

                                                 CAPÍTULO II
                                               DAS INSCRIÇÕES

1 – Período de inscrições: 12/08/2002 a 23/08/2002.
   De segunda à sexta-feira, das 9h às 17h, na sede da A.P.E – Agremiação Pelotense de
   Esportes, sita na Rua General Argolo, 439, no Município de Pelotas -RS.

2 – A inscrição no Concurso implica, desde logo, o conhecimento e tácita aceitação pelo candidato,
das condições estabelecidas neste Edital.

3– São requisitos para ingresso no serviço público, a serem apresentados quando da posse:
a)  ser brasileiro de acordo com o que dispõe o artigo 12 da Constituição Federal de 1988;
b)  ter, no mínimo, 18 anos de idade até a data de abertura da inscrição para o presente Concurso.
c)  estar quite com as obrigações eleitorais;
d)  estar quite com as obrigações militares - candidatos do sexo masculino;
e)   no caso de deficiente, compatibilidade da deficiência atestada, com o cargo de opção do
    candidato, comprovada através de análise do Serviço Especializado de Engenharia, Segurança e
    Medicina do Trabalho, que emitirá parecer sobre o enquadramento do tipo ou grau de deficiência
    e sua compatibilidade com o cargo.
f) f) estar apto em exame médico através do Serviço Especializado de Engenharia, Segurança e
   Medicina do Trabalho e avaliação psicológica desta Prefeitura.
g) g) comprovante de habilitação para o cargo ao qual foi nomeado.

4 – DOCUMENTOS PARA INSCRIÇÃO: Para inscrever-se, o candidato deverá apresentar-se no
   período, local e horário estabelecidos no item 1 deste Capítulo, com os seguintes documentos:

a) a) Documento de Identidade ou Carteira Profissional - expedido por autoridade civil ou militar
   (original) e cópia, ou cópia autenticada em cartório;
b) b) Comprovante do recolhimento da taxa de inscrição (de acordo com o estipulado no item 4.3.2
   deste Capítulo);
c) c) Duas fotos 3 x 4 recentes, iguais e sem uso;
d) d) Para os casos especiais, conforme definido pela Lei Municipal n° 3.948/95 e 4.775/01 –
   haverá isenção da taxa de inscrição – devendo os candidatos interessados fazer pedido de
   isenção, através de requerimento, no período: 02/08/2002 a 06/08/2002, no horário das 9h às
   17h, na sede da APE – Agremiação Pelotense de Esportes, na Rua General Argolo, 439, no
   Município de Pelotas -RS.
e) e) Para os candidatos portadores de deficiência, laudo médico de acordo com a Lei 3880/94,
   atestando a espécie e o grau de deficiência, com expressa referência ao código correspondente
   da Classificação Internacional de Doença – CID.

. O candidato portador de deficiência que desejar concorrer à reserva especial de vagas deverá
colocar na ficha de inscrição o cargo a que concorre seguido da indicação DF.
. Os candidatos que não optarem, por ocasião da inscrição ou do recurso da mesma, pela reserva de
vagas destinadas aos portadores de deficiência não terão direito à vaga especial, bem como à prova
especial, seja qual for o motivo alegado.

4.1 – São considerados documentos de identidade: carteiras expedidas pela Secretaria da Justiça e
Segurança – SJS e/ou Secretaria de Segurança Pública, pelos Ministérios Militares e pelos Corpos de
Bombeiros Militares; carteiras expedidas pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional (Ordens,
Conselhos, etc); passaporte, certificado de reservista, carteiras funcionais do Ministério Público e da
Magistratura, carteiras funcionais expedidas por órgão público que, por lei federal, valem como
identidade; carteira de trabalho, carteira nacional de habilitação (somente no caso do modelo novo,
com a foto).

4.2 – Não serão aceitos como documentos de identidade: CPF, certidões de nascimento, títulos
eleitorais, carteiras de motorista (modelo antigo), carteiras de estudante, carteiras funcionais, sem
valor de identidade, nem documentos ilegíveis, não-identificáveis ou danificados.
4.3 – Procedimentos para Inscrição:

4.3.1 – Comparecer no local das inscrições para recebimento de instruções e preenchimento da Ficha
de Inscrição.
4.3.2 – Retirar, a partir do dia 12/08/2002, diretamente no local das inscrições ou no site
www.pelotas.com.br guia para pagamento da importância referente à taxa de inscrição estipulada
neste Edital, Capítulo I, que poderá ser efetuado em qualquer Agência do BANRISUL - Banco do
Estado do Rio Grande do Sul do município de PELOTAS.

4.3.3 - Antes de efetuar o recolhimento da taxa, o candidato deverá certificar-se de que possui todas
as condições e pré-requisitos para inscrição. Não haverá devolução da Taxa de Inscrição, salvo se for
cancelada a realização do Concurso Público.

4.3.4 - O pagamento da inscrição realizado com cheque sem provisão de fundos acarretará no
cancelamento automático da inscrição.

4.3.5 - Entregar a documentação para efetivação da inscrição. Ficarão retidos, no local da inscrição: a
Ficha de Inscrição, o comprovante de pagamento da taxa de Inscrição, a(s) cópia(s) do(s)
documento(s) exigido(s), sendo entregue para o candidato o recibo da inscrição, o qual passará a ser
a comprovação de que o mesmo efetivou sua inscrição.

5 - Verificado o não cumprimento dos requisitos exigidos neste Edital ou constatada a ocorrência de
erro ou fraude na sua obtenção, a inscrição será cancelada em qualquer fase do concurso, sendo
automaticamente anulados todos os atos dela decorrentes.

6 - Atenção – O candidato, por ocasião da POSSE, deverá comprovar todos os requisitos exigidos no
item 3 deste Capítulo. A não apresentação dos comprovantes exigidos, implicará no não
aproveitamento do candidato aprovado, anulando-se todos os atos ou efeitos decorrentes da inscrição
no Concurso.

7 - Inscrição por procuração: Deverá ser apresentado documento de Identidade do procurador e
entregue o instrumento de mandato outorgado através de instrumento público ou particular, desde que
reconhecida firma pelo outorgante, por verdadeira, em cartório, com apresentação dos documentos
indispensáveis à inscrição, contendo poder específico para a inscrição no Concurso Público e o cargo
para o qual o candidato deseja inscrever-se.

8 - É obrigação do candidato ou seu procurador conferir as informações contidas na Ficha de
Inscrição, bem como tomar conhecimento do local, data e horário de realização de cada etapa do
Concurso Público.

9 - Os candidatos poderão inscrever-se em mais de um cargo, desde que observados os horários de
aplicação da prova escrita - Capítulo IV - DA PROVA ESCRITA.
Caso o candidato tenha feito sua inscrição em mais de um cargo, cuja prova escrita seja realizada no
mesmo horário, deverá optar por um deles perdendo, automaticamente, sua inscrição para o outro
cargo.

10 - Após a efetivação da inscrição, não serão aceitos pedidos de alterações das opções de cargo.

11 - Não serão aceitas inscrições: com falta de documentos; por via postal; por telex ou via fax; e-mail;
extemporâneas e/ou condicionais.

12 - Em caso de perda do comprovante de Inscrição, o candidato deverá solicitar mediante
requerimento ao Órgão Promotor do Concurso, segunda via, que será fornecida mediante entrega de
uma fotografia 3x4, recente.

13 - Aos candidatos portadores de deficiência é assegurado o direito de inscrição no presente
Concurso para os cargos cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são
portadores, conforme o determinado em Lei Municipal 3880/94.

14 - A documentação arrolada no item 4 não será devolvida ao candidato.

15 – As informações prestadas na ficha de inscrição, bem como o preenchimento dos requisitos
determinados no item 3 deste Capítulo, serão de total responsabilidade do candidato.

16 - Ao candidato será disponibilizado, para cópia, o Edital de abertura e seus anexos.

17. DA HOMOLOGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES:

17.1 – Em 02.09.2002, o Edital de homologação das inscrições será divulgado nos Jornais Diário da
Manhã e Diário Popular, bem como será afixado em painel na Secretaria Municipal de Administração,
à rua Barão de Santa Tecla nº 516 e pelo site www.objetivas.com.br e www.pelotas.com.br

17.2 - Os candidatos deverão acompanhar esse Edital para verificar, se sua inscrição foi aceita; caso
não homologada, o candidato não poderá prestar provas, podendo impetrar pedido de recurso,
conforme determinado neste Edital.

17.3 - Se mantido o indeferimento, o candidato será eliminado do Concurso, não assistindo o direito à
devolução da taxa de inscrição.

17.4 - Serão publicadas no Órgão Oficial do Município as inscrições não homologadas com a
nominata dos Candidatos, bem como as homologadas.
                                        CAPÍTULO III
                                       DAS PROVAS

1 - Para todos os cargos, o Concurso constará de provas ESCRITAS, de caráter eliminatório, em
primeira etapa, com questões objetivas, de múltipla escolha, compatíveis com o nível de escolaridade,
com a formação acadêmica exigida e com as atribuições dos cargos.
2 – Será considerado aprovado ou habilitado à etapa seguinte, o candidato que obtiver 60%
(sessenta por cento) de acertos no total da Prova Escrita e 40% (quarenta por cento) em cada
módulo.

3 – Para os cargos de Intérprete de LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais e Motorista, haverá em
segunda etapa, PROVA PRÁTICA DA FUNÇÃO, conforme determinado neste Edital, de caráter
eliminatório/classificatório.

4 - Para os candidatos aos cargos de Bibliotecário, Intérprete de LIBRAS, Orientador Educacional,
Professor da Educação Infantil e Professor I, II e III, desde que habilitados na Prova Escrita, haverá
PROVA DE TÍTULOS de caráter classificatório, conforme determinado neste Edital.

5 - O candidato portador de deficiência que necessitar de condições especiais para a realização das
provas, deverá efetuar contato com o pessoal responsável pelo recebimento das inscrições, até a data
de encerramento das mesmas. O pedido deverá ser formalizado por escrito à empresa executora, que
providenciará o atendimento da solicitação, conforme determinado na lei 3880/94.


                                            CAPÍTULO IV
                                         DA PROVA ESCRITA


1 - As provas escritas, para todos os cargos, serão aplicadas no Município de Pelotas-RS, em local
a ser divulgado quando da homologação das inscrições em 02.09.2002.

2 - Para a inscrição em mais de um cargo, deverão ser observadas datas e horários das provas,
conforme segue:
(caso não observado e houver inscrição em cargo com a prova no mesmo turno, o candidato fará
opção por um cargo somente e não terá devolvida a importância paga a título de inscrição).


Data: 15/09/2002
Turno: Manhã - Horário: 9h
Para os cargos: Professor Educação Infantil, Intérprete de LIBRAS e Bibliotecário.

Data: 15/09/2002
Turno: Tarde - Horário: 14h
Para os cargos: Professor II, Orientador Educacional e Merendeira(o)

Data: 22/09/2002
Turno: Manhã - Horário: 9h
Para os cargos: Professor III e Oficial Administrativo.

Data: 22/09/2002
Turno: Tarde - Horário: 14h
Para os cargos: Professor I e Motorista.

3 - CONTEÚDOS E PONTUAÇÃO:

               CARGO               PROVA                        MÓDULO                         Nº        PESO
                                                                                            questões     TOTAL
                                                         TABELA A
       Bibliotecário           Escrita         Português                                         25       25
                                               Conhecimentos Específicos                         25       75

                               Títulos                                                                    20
                                                       TABELA B
       Intérprete de LIBRAS- Escrita         Português                                       20   20
       Língua    Brasileira de               Conhecimentos Específicos                       30   30
       Sinais.
                               Prática                                                            50
                               Títulos                                                            20
                                                        TABELA C
       Oficial Administrativo    Escrita     Português                                       20   25
                                             Matemática                                      20   45
                                             Noções de informática                           10   30


                                                        TABELA D
       Merendeira/o              Escrita     Português                                       20   25
                                             Matemática                                      15   30
                                             Conhecimentos Específicos                       15   45


                                                        TABELA E
       Motorista                 Escrita     Português                                       15   15
                                             Matemática                                      15   15
                                             Conhecimentos Específicos                       20   20


                                 Prática                                                          50

                                                       TABELA F
       . Professor                Escrita    Português                                       25   25
       Educação Infantil                     Conhecimentos Gerais e Pedagógicos              25   75
       Professor I -1ª a 4ª Série
       Professor II (todos)
       Professor III (todos)

       Orientador Educacional

                                 Títulos                                                          20

4 - O tempo de duração da prova escrita será de até 4 horas.

5 - Os pontos por módulo correspondem ao número de acertos multiplicado pelo peso de cada
questão da mesma. A NOTA DA PROVA ESCRITA será o somatório dos pontos obtidos em cada
módulo.

6 - A Prova de Títulos e/ou a Prova Prática da Função, quando aplicada ao cargo, terá sua nota
somada à nota obtida na Prova Escrita, para composição da NOTA FINAL.

7 - Os programas e/ou bibliografias específicos para as provas objetivas de cada cargo são os
constantes no ANEXO II do presente Edital.

8 - Não haverá provas fora do local designado, nem em datas e/ou horários diferentes.

9 - Desde já, ficam os candidatos convocados a comparecerem com antecedência de 30 (trinta)
minutos ao local das provas, munidos de caneta esferográfica azul ou preta ponta grossa.

10 - O ingresso na sala de provas, só será permitido ao candidato que apresentar o documento de
identidade que originou a inscrição e documento de inscrição no Concurso, entregue quando do
ato de inscrição.
11 - Não será admitido às provas, o candidato que se apresentar após o horário estabelecido; em
nenhuma hipótese haverá segunda chamada, seja qual for o motivo alegado.

12 - No recinto de provas não será permitida a utilização de equipamentos de rádio tipo “walk-man”
ou similar, bem como o uso de telefone celular.


13 - Durante as provas, não será permitida nenhuma consulta ou uso de máquina calculadora.

14 - O caderno de questões é o espaço no qual o candidato poderá desenvolver todas as técnicas
para chegar à resposta adequada, permitindo-se o rabisco e a rasura em qualquer folha, EXCETO
na capa do caderno e no CARTÃO DE RESPOSTAS.

15 - A correção das provas escritas, será feita unicamente pelo cartão de respostas, através de
sistema de leitura ótica, com emissão de boletins individuais de desempenho por prova.

16 - Será atribuída nota 0 (zero) à resposta que, no cartão de respostas estiver em
desconformidade com as instruções, não estiver assinalada ou que contiver mais de uma
alternativa assinalada, emenda, rasura ou alternativa marcada a lápis, ainda que legível.

17 - Em nenhuma hipótese, será considerado para correção e respectiva pontuação o caderno de
questões.

18 - Será excluído do Concurso o candidato que:
a) a) tornar-se culpado por incorreção ou descortesia para com qualquer dos fiscais, executores
    e seus auxiliares ou autoridades presentes;
b) b) for surpreendido, durante a realização das provas, em comunicação com outro candidato
    ou terceiros, bem como utilizando-se de livros, notas, impressos ou equipamentos não
    permitidos;
c) c) ausentar-se do recinto da prova sem o acompanhamento do fiscal.

19 - O candidato, ao terminar a prova objetiva, devolverá ao fiscal da sala, juntamente com o
cartão de respostas, o caderno de questões, que será devolvido aos interessados na data de
identificação das provas, data esta a ser divulgada quando da realização da prova escrita.
         Será permitido aos candidatos copiar seu cartão de respostas, para conferência com o
gabarito oficial, no verso do documento de inscrição no Concurso Público.

20 - Ao final das provas escritas, no mínimo dois últimos candidatos, deverão permanecer no
recinto, a fim de assinar o lacre do envelope das provas juntamente com os fiscais.

21 - O gabarito será divulgado tão logo sejam encerrados os trabalhos, mediante afixação do
mesmo junto ao painel de avisos do local de aplicação das provas escritas, bem como a partir do
primeiro dia útil, após a aplicação da Prova Escrita, junto ao painel de publicações do município,
bem como pelos sites www.objetivas.com.br e www.pelotas.com.br


                                       CAPÍTULO V
                           DA IDENTIFICAÇÃO DA PROVA ESCRITA

1 - Nas provas objetivas, será realizado processo de desidentificação de provas, conforme segue:

2 - O candidato receberá, para realizar a prova objetiva, um caderno de questões e um cartão de
respostas. O caderno de questões, em sua capa, estará numerado no canto superior e no canto
inferior (canhoto de identificação), local próprio para o candidato apor seu nome, número de
inscrição, número da carteira de identidade e assinatura.
3 - As provas que estiverem identificadas em outro local que não no canhoto próprio, serão
consideradas NULAS.

4 - O cartão de respostas deverá conter somente o número da prova e a denominação do cargo,
não podendo ser identificada com o número de inscrição e/ou o nome do candidato, cabendo a ele
rigoroso cuidado, sob pena de nulidade de sua prova.


5 - Os canhotos, após preenchidos, serão destacados e lacrados em envelope próprio, permitindo-
se aos candidatos a aposição de suas assinaturas como sinal garantidor de inviolabilidade.

6 – Em data a ser divulgada, quando da prova escrita, será realizada a identificação das provas.
Os candidatos interessados poderão acompanhar este processo, quando serão abertos os
envelopes lacrados e juntados os canhotos identificatórios às provas devidamente corrigidas.

                                            CAPÍTULO VI
                                        DA PROVA DE TÍTULOS

1 - Após a divulgação de notas da prova escrita, no prazo estipulado, por Edital, os candidatos
inscritos, que lograram aprovação, deverão apresentar os títulos para concorrer a esta etapa.

2 - GRADE DE PONTUAÇÃO DOS TÍTULOS:
                                            Itens                                             Pontuação
1 – Pós graduação                  Especialização                                                1,5
   (todos concluídos)              Mestrado                                                      2,0
                                  Doutorado                                                      2,5
2 - Magistério: Curso superior completo – Licenciatura Plena                                     2,0
3 - Magistério: Curso superior completo – Licenciatura Curta                                     1,5
4 – Curso de capacitação na área da educação – mínimo 150 horas                                       1,0
5 – Cursos, Seminários, Jornadas, Treinamentos, etc.. desde que relacionados com as
atribuições do cargo e com o mínimo de 40 horas, devendo ser datados nos últimos
cinco anos, contados da data de abertura das inscrições, de acordo com o descrito
abaixo: (Máximo de 10 títulos por candidato)
(Menos de 40 horas – sem pontuação)
I - De 40 a 80 horas....................................                                              0,4
II - De 81 a 200 horas..................................                                              0,5
III - De 201 a 300 horas................................                                              0,6
VI – Acima de 301 horas................................                                               1,0
6 – Títulos sem conteúdo especificado não serão pontuados, caso não se possa aferir a relação com o cargo.
7 – Máximo de 20(vinte) pontos nesta prova e máximo de 10 (dez) títulos por candidato.
8 - O curso de exigência do cargo não será utilizado para pontuação.
9 - O comprovante deverá ser o Diploma, Certificado de conclusão do curso, Declaração ou Atestado,
expedido pela Entidade promotora. Não serão pontuados boletim de matrícula, histórico escolar ou outra
forma que não a determinada acima, não devendo o candidato entregar documentos desta forma.
10 - Cursos com carga horária definida em dias ou meses serão considerados na seguinte proporção:
01 dia = 08 horas - 01 mês = 80 horas.
11 - Cursos sem carga horária definida não receberão pontuação.
12 - Cursos de língua estrangeira, relações humanas e informática serão pontuados para todos, quando
apresentados.
13 – Os documentos, em língua estrangeira, de cursos realizados, somente serão considerados quando
traduzidos para a Língua Portuguesa, por tradutor juramentado e revalidados por instituição brasileira.
14 - Estágios, monitorias, residência, coordenação de cursos, palestrante, orientador, fiscal, facilitador e
outros trabalhos executados ou publicados não serão pontuados para nenhum cargo, exceto a disposição do
item 6.

3 - APRESENTAÇÃO DOS TÍTULOS:
       3.1 - Os títulos serão apresentados por fotocópia, em folhas devidamente rubricadas e
numeradas.
        3.2 - Juntamente com a fotocópia, o candidato deverá apresentar o título original, sendo
que o funcionário encarregado do recebimento dos mesmos deverá conferir cada cópia
apresentada com o título original para autenticação.
        3.3 - Juntamente com os títulos, o candidato deverá apresentar uma relação dos mesmos,
em formulário próprio, conforme modelo anexo a este Edital. Esta relação será preenchida em três
vias; destas, uma será devolvida ao candidato devidamente rubricada pelo funcionário
encarregado pelo recebimento e as demais serão encaminhadas à empresa executora do
Concurso.
        3.4 - Os títulos e respectiva relação serão entregues pelos candidatos em envelope,
devidamente identificado com seu nome, número de inscrição e cargo.
        3.5 - Os documentos comprobatórios de títulos não podem apresentar rasuras, emendas
ou entrelinhas.
        3.6 – O candidato deverá apresentar o título de habilitação para o cargo, juntamente com
os demais títulos, em separado – com inscrição em sua parte superior “exigência do cargo”, caso
não apresentado, o candidato poderá ter subtraídos pontos de títulos que sejam interpretados
como de exigência. Caso o candidato não tenha o curso concluído até a entrega dos títulos,
poderá apresentar “atestado” da própria instituição onde esteja fazendo o curso, dispondo o nome
e o semestre respectivo.
        3.7 – O candidato que possuir alteração de nome (casamento, separação, etc...) deverá
anexar cópia do documento comprobatório da alteração sob pena de não ter pontuados títulos com
nome diferente da inscrição e/ou identidade.
        3.8 - Comprovada em qualquer tempo, irregularidade ou ilegalidade na obtenção dos títulos
do candidato, bem como encaminhamento de um mesmo título em duplicidade, com o fim de obter
dupla pontuação, o candidato terá anulada a totalidade de pontos desta prova. Comprovada a
culpa do candidato este será excluído do concurso.
        3.9 – Atenção – Não serão recebidos títulos de eventos datados anteriormente ao disposto
na grade, bem como não serão pontuados os títulos que excederem ao máximo em quantidade e
pontos, conforme disposição supra.

                                       CAPÍTULO VII
                             DA PROVA PRÁTICA DA FUNÇÃO
                      Para os cargos de Intérprete de Libras e Motorista

Para o cargo de MOTORISTA

1 - A Prova Prática, de caráter emliminatório/classificatório terá valoração de 0 (zero) até 50
(cinqüenta) pontos e será realizada de acordo com grade previamente elaborada pela banca
responsável, a partir das atribuições do cargo.

2 - A prova será aplicada em data a ser informada quando da realização da Prova Escrita e
constará da verificação do desempenho do candidato na execução dos serviços pertinentes ao
cargo pleiteado, bem como a qualidade do serviço executado.

3 - Nas provas que exigirem o emprego de equipamentos de elevado valor, pertencentes ou sob a
responsabilidade do Município ou da entidade que realiza o certame, poderá ser procedida, a
critério da fiscalização, a imediata exclusão do candidato que demonstre não possuir a necessária
capacidade no seu manejo, sem risco de danificá-los.

4 - Haverá um tempo máximo para a realização de cada item da prova, que será fixado pela
comissão de provas, considerando a dificuldade e demais aspectos necessários para o
desempenho satisfatório dos testes, por parte dos candidatos.

5 - Será considerado reprovado o candidato que obtiver nota zero nesta prova e/ou o candidato
que não comparecer à prova no dia, local e horário de convocação, bem como o candidato que
não atingir 60,00 (sessenta) pontos na soma da prova escrita e prova prática da função. Igual
tratamento será dado ao candidato incluído no item 3 deste Capítulo.
6 - Todos os candidatos deverão apresentar-se com trinta minutos de antecedência, em trajes
apropriados para o teste, portando cédula de identidade e documento de inscrição e Carteira
Nacional de Habilitação.

Para o cargo de INTÉRPRETE DE LIBRAS:

1 - A Prova Prática, de caráter eliminatório/classificatório, constará da realização de dois testes e
terá valoração de 0 (zero) até 50 (cinqüenta) pontos, sendo de 0 (zero) até 25 (vinte e cinco)
pontos para cada um dos testes aplicados.

2 - Será considerado APROVADO nesta etapa, o candidato que obtiver 60% (sessenta por cento)
do total de pontos atribuídos à Prova Prática da Função e no mínimo 10 (dez) pontos em cada um
dos testes.

2.1 - A média, para composição da nota final, será a média da pontuação atribuída individualmente
por cada membro da Banca de Avaliação, a cada um dos candidatos.

3 - A prova consistirá dos seguintes testes:

3.1 - Teste 1: Interpretação para LIBRAS, de um discurso que verse sobre questões da
atualidade, sendo analisado por uma Banca de Avaliação composta por surdos e ouvintes.

3.2 - Teste 2: Interpretação de LIBRAS para a Língua Portuguesa, da sinalização de um
surdo, designado pela Banca de Avaliação.

4 - A Prova Prática será aplicada individualmente a cada candidato e será avaliada por Banca
própria, formada por membros indicados pela FENEIS, em número impar, sendo composta por
surdos instrutores de língua de sinais e ouvintes intérpretes de língua de sinais.

5 - A Banca de Avaliação deverá funcionar na mesma sala, avaliando um candidato de cada vez,
sem que seja permitida interferência no trabalho desempenhado em qualquer das etapas.

6 - A Banca de Avaliação deverá ter um presidente designado, responsável pelo preenchimento da
ata final de pontuação.

7- Da realização do Teste nº 01:

7.1 - Inicialmente, o candidato responderá, em LIBRAS, a questionamentos, feitos na mesma
língua, por surdos, designados pela Banca de Avaliação e FENEIS.
7.2 - Estes questionamentos serão previamente definidos pela FENEIS, em grade própria, sendo
de conhecimento da Banca de Avaliação apenas na hora de início dos trabalhos.
7.3 - Na seqüência, o candidato ouvirá um discurso – lido por um componente designado pela
Banca de Avaliação e fará a interpretação para a LIBRAS.
7.4 - O candidato terá sua interpretação filmada, quando da realização do teste, perante a Banca
de Avaliação.

8 - Da realização do Teste nº 02:

8.1 - O Teste nº 02 será sinalizado por um surdo, designado pela Banca de Avaliação e FENEIS,
que sinalizará, por meio da LIBRAS um discurso determinado, durante o tempo definido
previamente pela própria Banca.
8.2 - O candidato interpretará a sinalização em LIBRAS, para a Língua Portuguesa, perante todos
os membros da Banca de Avaliação, de maneira que todos possam observar a tradução feita pelo
candidato.
                                         CAPÍTULO VIII
                                         DOS RECURSOS

1 - Serão admitidos pedidos de recursos pelos candidatos, relativamente ao indeferimento de
inscrições, ao gabarito da prova escrita e ao resultado das provas, no prazo de três dias úteis a
contar da divulgação das inscrições e dos resultados.

2 - Os recursos que forem apresentados deverão obedecer rigorosamente os preceitos que
seguem e serão dirigidos ao Secretário Municipal de Administração, que despachará para
julgamento à empresa designada para realização do Concurso.

3 - Os mesmos deverão ser protocolados no local onde o candidato fez sua inscrição, no prazo
marcado por Edital, na forma de requerimento, conforme modelo Anexo III deste Edital e deverão
conter os seguintes elementos:
 a) a) nome completo e o número de inscrição;
 b) b) cargo ao qual concorre;
 c) c) razões do pedido de revisão, bem como o total dos pontos pleiteados;
 d) d) exposição detalhada das razões que o motivaram.

4 - Não se conhecerão os recursos que não contenham os dados acima e os fundamentos do
pedido, inclusive os pedidos de simples revisão da prova ou nota.

5 - Serão desconsiderados os recursos interpostos fora do prazo, enviados por via postal, fax ou
meio eletrônico (e-mail) ou em desacordo com este Edital.

6 - Em caso de haver questões que possam vir a ser anuladas por decisão da Comissão Executora
do Concurso, as mesmas serão consideradas como respondidas corretamente por todos
candidatos, independente de terem recorrido,
Se houver alguma alteração de gabarito oficial, por força de impugnações, as provas serão
corrigidas de acordo com a alteração.

7 - Os processos contendo as respostas aos recursos ficarão à disposição dos candidatos no local
onde foram protocolados, durante um período a ser determinado em Edital, em que os
interessados poderão ter vista das informações constantes nos mesmos.

                                       CAPÍTULO IX
                              DA APROVAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO


1 - A nota final, para efeito de classificação dos candidatos, será igual à soma das notas obtidas na
Prova Escrita, Prova de Títulos, Prova Prática, conforme aplicada ao cargo.

2 - A lista final de classificação do Concurso apresentará apenas os candidatos aprovados por
cargo.

3 - Os candidatos aprovados serão classificados na ordem decrescente dos pontos obtidos.

4 - Na hipótese de igualdade no total de pontos entre os aprovados, terá preferência na
classificação, sucessivamente, o candidato que:

4.1 - Para o cargo de Bibliotecário:
     a) obtiver maior nota em Conhecimentos Específicos;
     b) b) obtiver maior nota em Português;
     c) c) obtiver maior nota na Prova de Títulos;
     d) d) sorteio.
4.2 - Para o cargo de Intérprete de LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais:
     a) a) obtiver maior nota na Prova Prática;
     b) b) obtiver maior nota em Conhecimentos Específicos;
     c) c) obtiver maior nota em Português;
     d) d) obtiver maior nota na Prova de Títulos;
     e) e) sorteio.

4.3 - Para o cargo de Merendeira(o), Motorista:
     a) a) obtiver maior nota em Conhecimentos Específicos;
     b) b) obtiver maior nota em Português;
     c) c) obtiver maior nota em Matemática;
     d) d) sorteio.

4.4 - Para o cargo de Oficial Administrativo:
     a) a) obtiver maior nota em Português;
     b) b) obtiver maior nota em Matemática;
     c) c) obtiver maior nota em Noções de Informática;
     d) d) sorteio.

4.5 - Para o cargo de Orientador Educacional, Professor da Educação Infantil, Professor I, II e III:
     a) a) obtiver maior nota em Conhecimentos Gerais e Pedagógicos.
     b) b) obtiver maior nota em Português;
     c) c) obtiver maior nota na Prova de Títulos;
     d) d) sorteio.
                                          CAPÍTULO X
                                DO PROVIMENTO DOS CARGOS

1 - O provimento dos cargos obedecerá, rigorosamente, à ordem de classificação dos candidatos
aprovados.

2 - O candidato aprovado obriga-se a manter atualizado seu telefone e endereço junto ao òrgão
promotor do concurso.

3 - O ato de nomeação será publicado na imprensa local, e afixado no painel da Secretaria
Municipal de Administração.

4 - O candidato nomeado terá o prazo máximo de 05 (cinco) dias contados da data de publicação
do ato de nomeação para tomar posse. Não ocorrendo a apresentação e a respectiva posse, o
candidato perderá automaticamente a vaga, facultando ao Município o direito de convocar o
próximo candidato por ordem de classificação.

5 - Caso o candidato não deseje assumir a nomeação, deverá assinar termo de desistência,
possibilitando à Prefeitura Municipal convocar o próximo candidato por ordem de classificação.

6 - Ficam advertidos os candidatos de que, no caso de nomeação, a posse no cargo só lhes será
deferida no caso de exibirem:
   a) a documentação comprobatória das condições previstas no Capítulo II - Item 3, deste Edital
acompanhada de fotocópia.
   b) atestado méico a ser fornecido pelo Serviço Especializado de Engenharia, Segurança e
Medicina do Trabalho e Avaliação Psicológica desta Prefeitura, que comprove aptidão necessária
para o exercício do cargo.
   c) declaração negativa de acumulação de cargo público, conforme disciplina a Constituição
Federal/1988, em seu Artigo 37, XVI.
   d) Atestado de bons antecedentes.
   e) CIC, PIS ou PASEP, se cadastrado.
   f) Comprovante de habilitação para o cargo para o qual foi nomeado.
7 - A não apresentação dos documentos acima, por ocasião da posse, implicará na impossibilidade
de aproveitamento do candidato aprovado, anulando-se todos os atos e efeitos decorrentes da
inscrição no Concurso.

8 - Os candidatos portadores de deficiência, se aprovados e classificados, deverão comprovar
compatibilidade conforme Capítulo II, Item 3.

                                        CAPÍTULO XI
                                  DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

1 - Os candidatos, desde já ficam cientes das disposições constitucionais, especialmente Art. 40,
§ 1º - III, que determina a obrigatoriedade de cumprimento do tempo mínimo de 10 anos de efetivo
exercício no serviço público e 5 anos no cargo efetivo, para fins de aposentadoria, observadas as
demais disposições elencadas naquele dispositivo.

2 - A inexatidão das informações, falta e/ou irregularidades de documentos, ainda que verificadas
posteriormente, eliminarão o candidato do Concurso, anulando-se todos os atos decorrentes da
inscrição.

3 - Os casos omissos serão resolvidos pelo Órgão promotor, ouvida a Empresa responsável pela
realização do Concurso público.

4 - Faz parte do presente Edital:
   Anexo I – Descritivo dos Cargos;
   Anexo II – Conteúdo e/ou Bibliografias;
   Anexo III – Modelo de Formulário de Recurso;
   Anexo IV – Modelo de Relação de Títulos.

                                           Prefeitura Municipal de Pelotas, 01 de agosto de 2002.




                                                 ANELISE DE CARVALHO HEIDRICH
                                            SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO
                                               SUBSTITUTA




Registre-se e publique-se:

RITA BEATRIZ SCHNEIDER MEDINA
DIRETORA DE RECURSOS HUMANOS
                                            ANEXO I
                                DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS

CATEGORIA FUNCIONAL: Bibliotecário
DESCRIÇÃO DO CARGO: Atividades que se destinam a executar trabalhos de registro, classificação e
catalogação de livros, periódicos e documentos, pesquisa e estudo bibliográfico de documentos e informações
culturalmente importantes para a Administração Pública Municipal.

CATEGORIA FUNCIONAL: Intérprete de LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
DESCRIÇÃO DO CARGO: Compreende o cargo que se destina a realizar as interpretações da língua falada
para a língua sinalizada através da Linguagem Brasileira de Sinais - LIBRAS, e vice-versa, em apoio a
atividades de ensino e outras onde se mostre necessária.

CATEGORIA FUNCIONAL: Merendeira(o)
DESCRIÇÃO DO CARGO: Executar atividades diárias de preparação de lanches e refeições, preservando
a higiene dos alimentos e utensílios.

CATEGORIA FUNCIONAL: Motorista
DESCRIÇÃO DO CARGO: Atividades que se destinam a dirigir automotores de passageiros e cargas, e
conservá-los em perfeitas condições de aparência e funcionamento.

CATEGORIA FUNCIONAL: Oficial Administrativo
DESCRIÇÃO DO CARGO: Executar serviços administrativos em geral, trabalhos que envolvam
interpretação e aplicação de leis e normas administrativas, redigir qualquer modalidade de documento,
organizar fichários, arquivos e cadastros.

CATEGORIA FUNCIONAL: Orientador Educacional
DESCRIÇÃO DO CARGO: Atividade que envolve a realização de planejamento, supervisão, orientação e
execução de programas vinculados ao desenvolvimento da criança e de seu relacionamento na comunidade
escolar e execução de estudos e pesquisas sobre as questões educacionais, contribuindo para a socialização
da criança e o aprimoramento e qualidade da educação.
.
CATEGORIA FUNCIONAL: Professor da Educação Infantil
DESCRIÇÃO DO CARGO: Atividade que envolve a realização de planejamento, supervisão e execução de
programas, orientação coordenação e execução de estudos, pesquisas sobre a questão educacional,
contribuindo para o aprimoramento e qualidade do ensino, incluindo cuidar a criança e orientar o aprendizado
em sua plenitude .

CATEGORIA FUNCIONAL: Professor I, II e III
DESCRIÇÃO DO CARGO: Atividade que envolve a realização de planejamento, supervisão e execução de
programas, orientação, coordenação e execução de estudos e pesquisas sobre a questão educacional,
contribuindo para o aprimoramento e qualidade do ensino, incluindo orientar o aprendizado do aluno e
organizar as operações inerentes ao processo de ensino-aprendizagem.
                                            ANEXO II
                       CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

PARA OS CARGOS DE:
BIBLIOTECÁRIO – INTÉRPRETE DE LIBRAS – OFICIAL ADMINISTRATIVO – ORIENTADOR - PROFESSOR

PORTUGUÊS:
Leitura e Compreensão de Texto:
-    -    Assunto;
-    -    Estruturação do texto: idéias principais e secundárias;
-    -    Relação entre as idéias;
-    -    Oposição, semelhança;
-    -    Causa, conseqüência;
-    -    Intenção comunicativa;
-    -    Recursos de argumentação.
Vocabulário:
-    -    Sentido de palavra e de expressão no texto;
-    -    Substituição de palavras e de expressões no texto;
-    -    Sinônimos e antônimos.
-    -    Instrumentos Lingüísticos:
-    -    Emprego de classes gramaticais de palavras;
-    -    Concordância nominal e verbal;
-    -    Regência nominal e verbal;
-    -    Emprego do acento indicativo de crase;
-    -    Transformação de termos em orações e vice-versa.
Pontuação:
-    -    Emprego dos sinais de pontuação.
Ortografia:
-    -    Acentuação gráfica.

- FARACO e MOURA. “Gramática”, Ed. Ática.
- INFANTE, Ulisses. “Curso de Gramática Aplicada aos Textos”. São Paulo, Scipione, 2001.
- NICOLA, José de & I NFANTE, Ulisses. “Gramática Contemporânea da Língua Portuguesa”. São Paulo, Scipione,
1997, ed.
   2001.
- PASCHOALIN & SPADOTO. “Gramática Teoria e Exercícios”. São Paulo, FTD.
- PASQUALE, Cipro Neto & INFANTE, Ulisses. “Gramática da Língua Portuguesa”. São Paulo, Scipione, 1998, ed.
2001.
- RODRIGUES, Laís Maria Passos & BRANDÃO, Teresinha dos Santos. “Práticas do Dizer: um exercício da
linguagem”.
   Pelotas, L.M.P. Rodrigues, 2001.
BIBLIOTECÁRIO:

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
- Administração de Bibliotecas e Serviços de Documentação e Informação - Objetivos e funções da biblioteca pública
como centro de informação e lazer. Estrutura organizacional da biblioteca pública. Funções e serviços administrativos.
Administração de recursos humanos, materiais e financeiros. Ação cooperativa em biblioteca pública: importância,
critérios de execução. Controle Bibliográfico dos Registros do Conhecimento - Representação descritiva dos registros do
conhecimento: objetivos, funções, padrões, processos, produtos. Representação temática dos registros do
conhecimento: objetivos, funções, padrões, processos, produtos. Normalização documental: normas e projetos de
normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Informática aplicada à biblioteca pública: características,
recursos, produtos. Controle bibliográfico local, nacional e internacional: o papel da biblioteca pública. Serviço de
Referência e Assistência ao Usuário - Bibliografia. Coleção de referência: importância, características, tipos. Outros tipos
de materiais de informação: importância, características. Serviço de referência; objetivos, atribuições, modalidades.
Bibliotecário de referência: requisitos para a função. Usuário: características, estudos, treinamento. Ação cultural em
biblioteca pública: importância, características, recursos, produtos.

-   -    ABNT. “Apresentação de Artigos em Publicações Periódicas”: NBR 6022. Rio de Janeiro, 1994.
-   -    _____. “Informação e Documentação”:Referências: Elaboração:NBR 6023. Rio de Janeiro.2000.
-   -    _____. “Resumos”:NB 88. [ Rio de Janeiro], 1987.
-   -    _____. “Sumário”: NBR 6027. [ Rio de Janeiro], 1985.
-    -     ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. “Biblioteca Públicas e Bibliotecas Alternativas”. Londrina: Ed.
UEL, 1997.
-    -     AMERICAN LIBRARY ASSOCIATION et al. “Código de Catalogação Anglo-Americano”. 2.ed. São Paulo:
FEBAB,1983-
  1985.
-    -    FID. Classificação Decimal Universal. “Edição média em língua portuguesa”. Brasília, DF: IBICT, 1987.
-    -      FERREIRA, Glória Isabel S.; OLIVEIRA, Zila Catarina P. de. “Informação para a Administração de
Bibliotecas”.
  Brasília:ABDF, 1989.
-    -     FIGUEIREDO, Nice M. de. “Textos Avançados em Referência e Informação”. São Paulo: Pólis, 1996.
-    -     FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL. Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas. “A Biblioteca Pública:
administração,
   organização, serviços”. Porto Alegre: L&PM, 1999.
-    -    ______. Biblioteca Pública: princípios e diretrizes. Rio de Janeiro: 2000.
-    -     MACIEL, Alba Costa; MENDONÇA, Marília Alvarenga R. “Bibliotecas como Organizações”. Rio de Janeiro:
Interciência,
  2000.
-    -     MARTINS, M.G. de; RIBREIRO, M. l.G. “Serviço de Referência e Assistência aos Leitores”. Porto Alegre:
ED. UFRGS,
  1972.
-    -    ROWLEY, Jennifer. Sistema de Gerenciamento de Bibliotecas. In: _____. “Informática para Bibliotecas”.
  Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 1994. p. 228-307.

INTÉRPRETE DE LIBRAS-LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
-  -  Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) - Lei 9394/96, capítulo V, art. 58 e 59.
-  -  Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
-  -  Circular nº 277 de 8 de maio de 1996, do Ministério da Educação.
-  -  Portaria nº 1793/94, do Ministério da Educação - Sugestão de Estratégias.
-  -  Lei municipal 4674/01, que institui a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - no Município.
-  -  Lei Municipal 4743/01, que cria o cargo de Intérprete de LIBRAS no Município.
-  -  A importância do intérprete no processo de comunicação na vida do surdo.
-  -  O papel do intérprete.
-  -  Código de Ética do intérprete.
-  -  Identidades e cultura surda.

-   -     FERREIRA, Geralda Eustáquia. “A questão do significado - 1ª parte”. In: Revista da FENEIS, ano I, nº 4,
    Out/Dez 99, p.33.
-   -     FENEIS, ano I, nº 4, out/dez 99, p.33
-   -     FERREIRA, Geralda Eustáquia. “A questão do significado - 2ª parte”. In: Revista da FENEIS, ano II, nº 5,
    Jan/Mar 2000, p. 33.
-   -     GRUPO de Pesquisa de LIBRAS e Cultura Surda Brasileira. “As comunidades surdas reivindicam por
    novas profissões:
  Instrutor de LIBRAS e Intérprete de LIBRAS. In: Revista da FENEIS, ano I, nº 4, Out/Dez 99, pp. 14 e 15.
-   -     SKLIAR, Carlos (org.). “A Surdez: um olhar sobre as diferenças”. Porto Alegre, Mediação,1998.
-   -     Que educação nós surdos queremos. Documento elaborado no pré-Congresso para o V Congresso Latino-
    Americano de
  Educação Bilíngue para Surdos.
-   -     Língua Brasileira de Sinais. FENEIS, apostila.
-   -     O que é o intérprete de LIBRAS para pessoas surdas. FENEIS, apostila.
-   -     Código de Ética do Intérprete. Parte integrante do Regimento Interno do Departamento Nacional de Intérpretes
    da FENEIS,
  aprovado no I Encontro Nacional de Intérpretes, Nov 1992, Rio de Janeiro.
-   -     Legislação específica, referida neste Programa.
OFICIAL ADMINISTRATIVO
MATEMÁTICA
-   -     Números naturais (operações de adição, subtração, multiplicação e divisão);
-   -     Problemas sobre as quatro operações de números inteiros e fracionários;
-   -     Sistema monetário brasileiro;
-   -     Sistema métrico decimal;
-   -     Unidades de medida de comprimento, de capacidade, de massa;
-    -    Razão, proporção;
-    -    Regra de três (simples);
-    -    Porcentagem.
-    -    Lucro, prejuízo
-    -    Juros simples
-    -    Estatística: Leitura de gráficos e tabelas; médias (aritmética, ponderada);
-    -    Funções: função polinomial do 1º grau e do 2º grau;
-    -    Geometria: noções básicas de área, volume;
-    -    Unidades de medida de comprimento, de capacidade, de massa;
-    -    Análise combinatória

-    -     BIGODE, Antônio José Lopes. “Matemática Hoje é Feita Assim”. São Paulo. SP, FTD,2000.
-    -      GIOVANNI, José R, CASTRUCCI, Benedito & GIOVANNI Jr, José R. “A Conquista da Matemática
     (NOVA)”. São
    Paulo, SP. FTD, 1998.
-    -     IMENES, Luiz M.P. & LELLIS, Marcelo. “Matemática”. São Paulo, SP. Scipione, 1997.
-    -     JAKUBOVIC, José, LELLIS, Marcelo & CENTURIÓN, Marília. “Matemática na Medida Certa”. São Paulo, SP.
     Scipione,1999.
-    -     GIOVANNI, José R., CASTRUCCI, Benedito e GIOVANNI Jr.,José R. “Matemática Fundamental”. Volume
     Único. São
    Paulo/SP: FTD, 1994.
-    -     FACCHINI, Valter. “Matemática”. Volume Único.São Paulo/SP: Saraiva, 1996.
-    -     BIANCHINI, Edwaldo & PACCOLA, Herval. “Curso de Matemática”. Volume Único. São Paulo/SP:Moderna,
     1995.

-  -  NOÇÕES DE INFORMÁTICA:
-  -  Noções sobre Windows, Word, Excel, Internet.
MERENDEIRA(O) e MOTORISTA

PORTUGUÊS
-  -  Texto e Interpretação.
-  -  Ortografia.
-  -  Acentuação Gráfica.
-  -  Classes Gramaticais.
-  -  Pontuação.
-  -  Concordância Verbal.
-  -  Concordância Nominal.

-   -    INFANTE, Ulisses. “Curso de Gramática Aplicada aos textos”. São Paulo. Ed. Scipione, 2001.
-   -    NICOLA, de José & INFANTE, Ulisses. “Gramática Contemporânea de Língua Portuguesa”. São Paulo. Ed.
    Scipione,
  1997, ed. 2001.
-   -    PASCHOALIN & SPADOTO. “Gramática Teoria e Exercícios”. São Paulo. Ed. FTD, PASQUALE, Cipro Neto
    & INFANTE,
  Ulisses. “Gramática da Língua Portuguesa”. São Paulo. Ed. Scipione, 1998, ed.
  2001.
- PASQUALE, Cipro Neto e Infante, Ulisses. Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo, Editora Scipione, 1988,
ed.2001.

MATEMÁTICA
-  -  Números naturais (operações de adição, subtração, multiplicação e divisão);
-  -  Problemas sobre as quatro operações de números inteiros e fracionários;
-  -  Sistema monetário brasileiro;
-  -  Operações com números decimais;
-  -  Sistema métrico decimal;
-  -  Unidades de medida de comprimento, de capacidade, de massa;
-  -  Razão, proporção;
-  -  Regra de três (simples);
-  -  Porcentagem.

-    -    BIGODE, Antônio José Lopes. “Matemática Hoje é Feita Assim”. São Paulo. SP, FTD,2000.
-   -    GIOVANNI, José R, CASTRUCCI, Benedito & GIOVANNI Jr, José R. “A Conquista          da Matemática
    (NOVA)”. São
  Paulo, SP. FTD, 1998.
-   -    IMENES, Luiz M.P. & LELLIS, Marcelo. “Matemática”. São Paulo, SP. Scipione, 1997.
-   -    JAKUBOVIC, José, LELLIS, Marcelo & CENTURIÓN, Marília. “Matemática na Medida Certa”. São Paulo, SP.
    Scipione,
  1999.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
MERENDEIRA(O)
Alimentação:
-   -    Função dos alimentos;
-   -    Alimentação equilibrada;
-   -    Doenças causadas pela fome;
-   -    Conservação dos alimentos;
-   -    Água e alimentação.
Higiene:
-   -    Importância;
-   -    Higiene física, mental e social;
-   -    A higiene e a saúde;
-   -    Hábitos de higiene.

Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei nº 8069/90:
-   -     Das Disposições Preliminares: artigos 1,2,3,4,5 e 6;
-   -     Do Direito à Liberdade e à Dignidade: artigos 15,16, 17 e 18;
-   -     Das Infrações Administrativas: artigo 2,4 e 5.

Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE):
-   -   Resolução nº 015 de 25/08/2000
-   -   Medida Provisória nº 1979-19 de 02/06/2000 2178-36

-    -    ARCONDES, Airton & SARIEGO, José Carlos - 7ª série – “Ciências: Corpo Humano”. Ed. Scipione.
- -        CARDOSO, Alcina Maria de Souza; GONÇALVES, Heitor Antônio & CARDOSO, Marco Antônio Benigno - 5ª
série - “Ciências:
  da escola para a vida”. Ed. Lê.
- -        CÉSAR, da Silva Junior; BEDAQUE, Paulo Sérgio Sanches & SEZAR, Sasson - 7ª série - “Ciências:
entendendo a
  Natureza, O homem no ambiente”. Ed. Saraiva.
-    -    Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei Federal nº 8069/90.
- -        GOWDAK, Demétrio & MATTOS, Neide S. - 7ª série - Ciências - Corpo Humano: “Estrutura e Funções,
saúde e
  hereditariedade” - Ed. FTD S/A.
-    -     GOWDAK, Demétrio & MATTOS, Neide S. - 5ª série - “Aprendendo Ciências - Ambiente e Saúde,
Recursos Naturais”. Ed.
  FTD S/A.
-    -    LOPES, Plínio Carvalho - 5ª série - "Ciências: ecossistema - Ambiente Físico”. Ed. Saraiva.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

MOTORISTA
-  -  CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - lei 9503 de 23 de setembro de 1997
-  -  Capítulo III - Das Normas Gerais de Circulação e Conduta.
-  -  Capítulo IV - Dos Pedestres e Condutores de Veículos Não Motorizados.
-  -  Capítulo VI - Da Educação para o Trânsito.
-  -  Capítulo VII - Da Sinalização de Trânsito.
-  -  Capítulo XIII - Da Condução de Escolares
-  -  Capítulo XV - Das Infrações
CONHECIMENTOS GERAIS E PEGAGÓGICOS

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL
      1. Identidade, Cultura e Cidadania
      2. Funções Sociais da Educação Infantil
        3. Educação Infantil - Novas Definições Legais
        4. Desenvolvimento Infantil de 0 a 6 anos
        5. Educação Infantil - Temas de Saúde
        6. Organização do Espaço e do Tempo na Escola de Educação Infantil
        7. A Criança, a Escola e a Família
        8. Educação Infantil - Diferentes Saberes
       9. Globalização
      10. Neoliberalismo
      11. Transformações no mundo do trabalho

ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil: gostosuras e bobices.São Paulo, Scipione,1995, 5ª ed.
ÁRIES, P. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro, Guanabara, 1981.
BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Educação Infantil Hoje. Revista do Professor - Revista Pedagógica, 2001.
BRASIL. Lei 9394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.
CORAZZA, Sandra Mara. Na Diversidade Cultural, uma Docência Artística. Pátio - Revista Pedagógica.
CRAIDY, Carmen Maria & KAERCHER, Gladis Elise Pereira da Silva. Educação Infantil Pra Que Te Quero?. Porto
Alegre, Artmed, 2001.
ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Lei Federal 8069/1990.
FARIA, Ana Lúcia G. (org.). Educação Infantil Pós-LDB: rumos e desafios. Editora Autores Associados, 2000.
FERREIRA, Márcia Ondina. V. & GUGLIANO , Alfredo Alejandro ( Orgs.). Fragmentos da globalização na educação:
uma perspectiva comparada. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. Petrópolis: Vozes, 1998.
FREIRE, Madalena W. A Paixão de Conhecer o Mundo. Rio de Janeiro, Paz e Terra,1983.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Paz e Terra, 1996.
GARCIA,Regina Leite (org.). Em defesa da educação infantil. Rio de Janeiro,DP&A editora, 2001.
GENTILI, Pablo e FRIGOTTO, Gaudêncio ( orgs.). A cidadania negada: Políticas de exclusão na educação e no
trabalho. São Paulo: Cortez; (Buenos Aires, Argentina): CLACSO, 2001.
HYPOLITO, Álvaro e GANDIN, Luiz A. (orgs.). A educação em tempos de incertezas. Belo Horizonte: Autêntica, 2000
KAMII, C. A criança e o número. Campinas, Papirus, 1988, 9ª ed.
KRAMER, S. (org.) Com a pré-escola nas mãos. São Paulo, Ática, 1989.
LA TAILLE, Y. et alii. Piaget, Vygotski, Wallon:teorias psicogenéticas em discussão.São Paulo, Summus, 1992.
OLIVEIRA, Z.M. (org.). Educação Infantil: muitos olhares. São Paulo, Cortez, 1994.
PARO, Vítor Henrique. Gestão democrática da escola pública. São Paulo, Ática, 1998, 2ª ed.
PILLAR, Analice Dutra. Desenho e construção do conhecimento na criança. Porto Alegre, Artes Médicas, 1996.
RANGEL, Ana Cristina Souza. Educação Matemática e a construção do número pela criança. Porto Alegre, Artes
Médicas, 1992.
SILVA, Tomaz Tadeu da . Documentos de Identidade : uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte:
Autêntica, 1999.
TIRIBA, Léa. Buscando caminhos para a pré-escola popular . São Paulo, Ática, 1992.
VYGOTSKI, L.S. Pensamento e Linguagem. Lisboa, Antídoto, 1979.
WERNECK, Cláudia. Ninguém mais vai ser bonzinho, 1997.

PROFESSOR I
      1. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) - Lei 9394/96
      2. Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)
      3. Educação Popular
      4. Exclusão da/na Escola
      5. Concepção de Alfabetização (enfoque também para Jovens e Adultos)
      6. Avaliação Escolar
      7. Identidade, Cultura e Cidadania
      8. Interdisciplinaridade
      9. Tendências Pedagógicas
      10. Globalização
      11. Neoliberalismo
      12. Transformações no mundo do trabalho

ARROYO, Miguel. Fracasso-Sucesso: um pesadelo que perturba nossos sonhos. In: Revista Em Aberto, Brasília, v.
17, nº 71, pp.33-40, Jan 2000.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues (org.). Pesquisa Participante. São Paulo, Brasiliense, 1981.
BRASIL. Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.
BRASIL. Ministério da Ação Social. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, 1990
CORAZZA, Sandra Mara. Currículo e Política Cultural da Avaliação. In: Educação e Realidade, Porto Alegre, v.20,
Nº 2, Jul/Dez 1995.
FERREIRA, Márcia Ondina. V. & GUGLIANO , Alfredo Alejandro ( Orgs.).Fragmentos da globalização na educação:
uma perspectiva comparada. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. Petrópolis: Vozes, 1998.
FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre Alfabetização. São Paulo, Cortez, 1985.
FERREIRO, Emilia et alii. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre, Artes Médicas, 1985.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1992.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1998.
FREIRE, Paulo. A educação na cidade. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2000.
GADOTTI, Moacir. História das Idéias Pedagógicas. São Paulo, Ática, 1997.
GENTILI, Pablo e FRIGOTTO, Gaudêncio ( orgs.). A cidadania negada: Políticas de exclusão na educação e no
trabalho. São Paulo: Cortez; (Buenos Aires, Argentina): CLACSO, 2001.
HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora - uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre,
Educação e Realidade, FACED/UFRGS, 1991.
HYPOLITO, Álvaro e GANDIN, Luiz A. (orgs.). A educação em tempos de incertezas. Belo Horizonte: Autêntica, 2000
MARZOLA, Norma. Escolas e Classes Populares. Porto Alegre, Kuarup, 1994.
MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.).Currículo: questões atuais. São Paulo, Papirus,1997.
PARO, Vítor Henrique. Gestão Democrática da Escola Pública. São Paulo, Ática, 1998.
SCLIAR, Carlos (org.). Educação e Exclusão: abordagens sócio-antropológicas em educação especial. Porto
Alegre, Mediação, 1997.
SILVA, Tomaz Tadeu da . Documentos de Identidade : uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte:
Autêntica, 1999.
VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Projeto Político-Pedagógico da Escola: uma construção possível. Campinas,
Papirus, 1997.

PROFESSOR II E III

1. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) - Lei 9394/96
2. Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)
3. Educação Popular
4. Exclusão x participação dos sujeitos na Escola
5. Planejamento Participativo
6. Planejamento e Avaliação Escolar
7. Identidade, Cultura e Cidadania
8. Interdisciplinaridade
9. Tendências Pedagógicas
10. Globalização
11. Neoliberalismo
12. Transformações no mundo do trabalho

ARROYO, Miguel. Fracasso-Sucesso: um pesadelo que perturba nossos sonhos. In: Revista Em Aberto, Brasília, v.
17, nº 71, pp.33-40, Jan 2000.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues (org.). Pesquisa Participante. São Paulo, Brasiliense, 1981.
BRASIL. Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.
BRASIL. Ministério da Ação Social. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, 1990
CORAZZA, Sandra Mara. Currículo e Política Cultural da Avaliação. In: Educação e Realidade, Porto Alegre, v.20,
Nº 2, Jul/Dez 1995.
FERREIRA, Márcia Ondina. V. & GUGLIANO , Alfredo Alejandro ( Orgs.).Fragmentos da globalização na educação:
uma perspectiva comparada. Porto Alegre:Artes Médicas Sul, 2000. Petrópolis: Vozes, 1998.
FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre Alfabetização. São Paulo, Cortez, 1985.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1992.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1998.
FREIRE, Paulo. A educação na cidade. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2000.
GADOTTI, Moacir. História das Idéias Pedagógicas. São Paulo, Ática, 1997.
GENTILI, Pablo (org). Pedagogia da Exclusão - Crítica ao Neoliberalismo em Educação. Petrópolis, Vozes, 1995.
GENTILI, Pablo e FRIGOTTO, Gaudêncio ( orgs.). A cidadania negada: Políticas de exclusão na educação e no
trabalho. São Paulo: Cortez; (Buenos Aires, Argentina): CLACSO, 2001.
GROSSI, Esther et alii.Alfabetização em novas bases. Porto Alegre, Kuarup, 1993.
HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora - uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre,
Educação e Realidade, FACED/UFRGS, 1991.
HYPOLITO, Álvaro e GANDIN, Luiz A. (orgs.). A educação em tempos de incertezas. Belo Horizonte: Autêntica, 2000
MARZOLA, Norma. Escolas e Classes Populares. Porto Alegre, Kuarup, 1994.
MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.). Currículo: questões atuais. São Paulo, Papirus,1997.
PARO, Vítor Henrique. Por dentro da escola pública. São Paulo, Xamã, 1996, 2ª ed.
PARO, Vítor Henrique. Gestão Democrática da Escola Pública. São Paulo, Ática, 1998.
SCLIAR, Carlos (org.). Educação e Exclusão: abordagens sócio-antropológicas em educação especial. Porto
Alegre, Mediação, 1997.
SILVA, Tomaz Tadeu da . Documentos de Identidade : uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte:
Autêntica, 1999.
VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Projeto Político-Pedagógico da Escola: uma construção possível. Campinas,
Papirus, 1997.

ORIENTADOR EDUCACIONAL

         1. O Estatuto da Criança e do Adolescente;
         2. A Trajetória da Orientação Educacional no Brasil: Origem e Evolução;
         3. A Ação do/a Orientador/a Educacional;
         4. Atribuições Legais do/a Orientador/a Educacional;
         5. Princípios e Funções da Orientação Educacional;
         6. O Papel do/a Orientador/a Educacional - Principais Atribuições;
         7. O Sentido da Interdisciplinaridade;
         8. O Aspecto Humano da Construção Interdisciplinar;
         9. Sexualidade: Gestação na Adolescência- Educação Sexual na Adolescência;
         10. Abuso Sexual;
         11. Violência e Abuso Físico;
         12. Drogas - Orientações Básicas;
         13. Trabalho Coletivo na Escola;
         14. Pesquisa-Ação: Trabalho Coletivo na Escola;
         15. Repensando a Orientação Vocacional / Profissional;
         16. Reflexões sobre os Direitos da Criança;
         17. Orientador/a Educacional Articulador/a na Proposta Pedagógica da Escola;
         18. Significado Manifesto e Significado Real da Orientação Vocacional;
         19. A Orientação Educacional e a Comunidade e o Currículo e o Planejamento;
         20. Legislação Aplicável à Orientação Educacional:
             - Lei 9394/96, art. 63
             - Decreto 72.846
             - Código de Ética dos Orientadores Educacionais;
         21. Crise Paradigmática na Orientação Educacional;
         22. O Papel dos Especialistas em Educação na Escola Contemporânea;
         23. Um Trabalho Integrado: Supervisão Educacional e Orientação Educacional;
         24. Reflexões sobre os Especialistas e a Divisão Técnica do Trabalho na Escola;
         25. A Prática Política do/a Orientador/a Educacional;
         26. O/A Orientador/a Educacional frente às Exigências de um Mundo em Mudança;
         27. A Prática Pedagógica do/a Orientador/a Educacional;
         28. Dilemas e Perspectivas para a Atuação dos Orientadores Educacionais no Contexto chamado Pós-
         Modernidade;
         29. Os Limites em Educação;
         30. Redimensionando a Orientação Educacional;
         31. A Orientação Educacional nos Dias Atuais ;
         32. Globalização;
         33. Neoliberalismo;
         34. Transformações no mundo do trabalho.
ARROYO, Miguel G. Ofício de Mestre. Imagens e auto-imagens. Petrópolis, Vozes, 2000
ASSMANN, H. Metáforas Novas para Reencantar a Educação. Piracicaba, UNIMED, 1998.
Brasil, Decreto-Lei 9394/96 de 20/12/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília. DF. DO de
23/12/96.
Brasil, Lei nº 8069, de 13/07/1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente - Constituição e Legislação relacionada. São
Paulo. Cortez. 1991.
EISENTEM, Evelyn. Situações de Risco à Saúde de Crianças e Adolescentes. Petrópolis, Vozes, 1993.
FERREIRA, Márcia Ondina. V. & GUGLIANO , Alfredo Alejandro ( Orgs.).Fragmentos da globalização na educação:
uma perspectiva comparada. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. Petrópolis: Vozes, 1998.
FERRETI, Celso João. Uma Nova Proposta de Orientação Profissional. Cortez, 1988.
FREIRE, Paulo. A educação na cidade. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2000
GENTILI, Pablo e FRIGOTTO, Gaudêncio ( orgs.). A cidadania negada: Políticas de exclusão na educação e no
trabalho. São Paulo: Cortez; (Buenos Aires, Argentina): CLACSO, 2001.
GRINSPUN, Miriam P.S. Zippin. A Prática dos Orientadores Educacionais. São Paulo, Cortez, 1994.
HYPOLITO, Álvaro e GANDIN, Luiz A. (orgs.). A educação em tempos de incertezas. Belo Horizonte: Autêntica, 2000
IN CADERNOS: I Curso de Produção de Vida e Sentidos. Porto Alegre. AOERGS. Ano 1, Nº 1, 1997.
IN CADERNOS: II Curso de Produção de Vida e Sentidos. Porto Alegre. AOERGS. Ano 3, Nº 2, 1999.
IN CADERNOS: III Curso Produção de Vida e Sentidos. Porto Alegre. AOERGS. Ano 5, Nº 3, 2001-12-27.
LUCK, Heloísa. Pedagogia Interdisciplinar - fundamentos teórico-metodológicos.Petrópolis, Vozes, 1994.
MAIA, Marisa Eny & GARCIA, Regina Leite. Uma Orientação Educacional Nova para uma Nova Escola. Loyola, 1990.
MELO, Sônia M. Martins. Orientação Educacional do Consenso ao Conflito. São Paulo,
Papirus, 1994.
NEVES, Maria Apparecida Campos Mamede. A Orientação Educacional – Permanência ou Mudança?. Vozes, 1986.
ORTH, Mara Rúbia Bispo. Crise paradigmática e complexidade na Orientação Educacional. Erechim/RS – Edi Fapes,
2001.
PIMENTA, Selma G. Orientação Vocacional e Decisão: Estudo Crítico da Situação no Brasil. Loyola, 1981.
PIMENTA, Selma Garrido & KAVASHITA, Nabuco. Orientação Profissional - Um diagnóstico Emancipador. Loyola,
1986.
PROSPECTIVA: Revista de Orientação Educacional. AOERGS Nº 25. Porto Alegre.
PROSPECTIVA: Revista de Orientação Educacional. AOERGS Nº 26. Porto Alegre,2001-12-27.
SILVA, Tomaz Tadeu da . Documentos de Identidade : uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte:
Autêntica, 1999.
                                           ANEXO III - CONCURSO PÚBLICO
                                             FORMULÁRIO DE RECURSO
Ilmo Sr:
............................................................
............................................................

NOME                                                                                     CANDIDATO:
________________________________________________________

Nº                                                             INSCRIÇÃO______________CARGO:
_______________________________________

                               TIPO DE RECURSO - (Assinale o tipo de Recurso)

(   )   CONTRA GABARITO DA PROVA OBJETIVA                                       Ref. Prova objetiva
(   )   CONTRA INDEFERIMENTO DE INSCRIÇÃO                                   Nº da questão: _________
(   )   CONTRA RESULTADO PROVA TÍTULOS                                      Gabarito oficial: ________
(   )   CONTRA RESULTADO PROVA PRÁTICA                                      Resposta Candidato: ____

Justificativa do candidato – Razões do Recurso




Obs: Reproduzir a quantidade necessária - Preencher em letra de forma ou à máquina;
entregar este formulário em 02 (duas) vias, uma via será devolvida como protocolo.

Data: ____/____/____

Assinatura do candidato                                        Assinatura     do    Responsável     p/
recebimento
                                         ANEXO IV                             (a cargo da Banca)
                                    RELAÇÃO DE TÍTULOS




Cargo: _______________________________________________ Nº da inscrição: _________

Nome do candidato: ____________________________________________________________

Curso requisito para o cargo de inscrição (anexar cópia): _______________________________

                            RELAÇÃO DE TÍTULOS ENTREGUES

                Campos preenchidos pelo candidato                    (deixar em branco)
 Nº     Nº de            Histórico / Resumo            Pré –
        horas                                        pontuação




Observação: Preencher em letra de forma ou à máquina nos campos destinados ao candidato,
entregar este formulário em 03 (três) vias, conforme Edital.

Data: ____/____/____



Assinatura do candidato                             Assinatura do Responsável p/ recebimento

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:72
posted:12/13/2011
language:Portuguese
pages:24