Reabilita��o nos Acidentes Vasculares Encef�licos

Document Sample
Reabilita��o nos Acidentes Vasculares Encef�licos Powered By Docstoc
					  Reabilitação nos
Acidentes Vasculares
    Encefálicos
    Acidente Vascular Encefálico
   EUA
     3ª Causa de Morte
     Primeira causa de invalidez

     700.000 novos casos por ano

     400.000 sobreviventes

     3 milhões de pacientes com sequelas
Funcionalidade nos sobreviventes
   2 – 3 meses  90 % da recuperação funcional
   Até 3 anos
                           Isquêmico
Tipos de AVC               Hemorrágico




               10%




                     90%
Após Diagnóstico e Tratamento...
Quando iniciar Reabilitação?
           Reabilitação precoce
   Vantagens:
     Menor risco de complicações secundárias
     Aproveitamento da neuroplasticidade

     Diminuir mortalidade
 Reabilitação voltada
para as complicações
             Fase Aguda
        Prevenção das Deformidades e
             Úlceras de Pressão

   Mobilização passiva no leito
   Estimulação sensorial
       Massagem
   Mudança de decúbito
                         Disfagia
   Pneumonia por aspiração

   Decúbito inclinado em 30 graus
   Sonda naso-enteral?
       Avaliação:
          Rebaixamento de Consciência
          Engasgo com mínimas quantidades de líquido

          Incapacidade de deglutir
Fatores de Prognóstico na fase aguda

   POSITIVO                 NEGATIVO
       Alta hospitalar          Coma por mais de 30 dias
        deambulando
 Reabilitação voltada
para as complicações
           Fase Pós-aguda
                      Objetivos
   Recuperar funcionalidade perdida:

     Marcha
     Função manual grosseira e fina

     Fala e linguagem

     Alimentação e Controle esfincteriano

     Atividades da vida diária e da vida prática
                 Treino de marcha
   Primeira Etapa:
       FISIOTERAPIA
       Iniciando com
        ortostatismo em prancha
       Aumento até 90 graus do
        ortostatismo
       Órteses suropodálicas
                 Treino de Marcha
   Barras paralelas
   Treino com auxiliar de
    marcha
       Muleta
       Bengala de 1 ou 4 pontos
Deambulação Suspensa
Andadores adaptados
Locomoção Alternativa
     Complicações para aquisição da
               marcha
   Espasticidade
       Principal alteração de membro
        inferior: PÉ EQUINO-VARO
       Quedas
       Gasto energético
       Impedir o apoio do membro
   TRATAMENTO
       Órtese suropodálica
       Exercício Terapêutico
       Toxina Botulínica tipo A
       Cirurgia ortopédica
            Ossificação Heterotópica
   Calcificação patológica de partes
    moles
   Também vista em sequelas de
    amputações e traumatismo
    raquimedular
   3 fases:
        1ª - Sinais flogísticos locais
         importantes e início da calcificação
        2ª - Resolução dos sinais
         flogísticos e redução do
         metabolismo ósseo local
        3ª - Estabilização da lesão
         ossificante
   Tratamento:
        Indometacina
        Radioterapia
        Cirurgia
     Função do Membro Superior
   Terapia Ocupacional
   Trabalho de estimulação
    sensorial de membros
    superiores e visão
   Manutenção da
    amplitude de movimento
    articular
Recuperação da função manual
    Síndrome do Ombro Hemiplégico
   “Ombro Congelado”
   Dor
   Restrição funcional e articular
   Subluxação
   TRATAMENTO
        Órtese de ombro estabilizadora
        Eletroestimulação da
         musculatura do manguito
         rotador
               Linguagem e Fala
   Afasias
       Expressão
       Compreensão
       Mista
   Disartrias
   Comunicação alternativa
Deglutição
        Ato coordenado complexo
        Avaliação de texturas
        Reflexos protetores
        Pneumonias prévias

        TRATAMENTO
            Estimulação da cavidade oral
            Exercícios com boca,
             mastigação, língua e palato
            Espessamento de texturas
            Gastrostomia
        Atividades da Vida Diária
   Princípio Maior:
    ESTIMULAR A
    INDEPENDÊNCIA
    DO PACIENTE
   O que é capaz de fazer
   O que consegue com
    ajuda
   O que não consegue
   Cuidador
Reabilitação das Funções Cognitivas
             Superiores
   NEUROPSICÓLOGO
   Fonoaudiologia
   Identificação dos déficits
        Memória
        Atenção
        Concentração
        Apraxias
        Agnosias
   Tratamento:
        Estimulação
        Orientação aos cuidadores
Fim

				
DOCUMENT INFO
Shared By:
Categories:
Tags:
Stats:
views:74
posted:12/13/2011
language:Portuguese
pages:31