Curso Básico de Homeopatia by panniuniu

VIEWS: 152 PAGES: 19

									                             MANUAL DO PEC
                                     Programa de Educação Continuada – GEHSH
                                                                            Índice
   Manual do PEC .............................................................................................................................1
Programa de Educação Continuada ...................................................................................................2
  Temática .........................................................................................................................................2
  Estudo Integrado da Matéria Medica ..............................................................................................3
     Esquema para os Estudos de Materia Medica ...........................................................................4
     Medicamentos da MMP e DC .....................................................................................................5
  Ficha de Análise do Caso ...............................................................................................................6
  A Arte de Pensar .............................................................................................................................7
  Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos ............................................................8
  Melhorando sua capacidade de leitura ...........................................................................................9
  Mapas Mentais ..............................................................................................................................10
     Mind Maps Tips ........................................................................................................................10
  Práticas da Academia ...................................................................................................................11
     1. Corporais ..............................................................................................................................11
     2. Energéticas ...........................................................................................................................11
     3. Meditativas ............................................................................................................................11
     4. Espirituais .............................................................................................................................11
  Healing ..........................................................................................................................................11
  Dedicação .....................................................................................................................................11
Materia Medica ..................................................................................................................................12
  Reino Mineral ................................................................................................................................12
     I) Temática da Tabela Periódica ...............................................................................................12
         Temática das SÉRIES..........................................................................................................12
         Temática das COLUNAS (Grupos & Blocos) .......................................................................12
     II) Temática das Famílias de Elementos ..................................................................................12
  Reino Plantae................................................................................................................................13
     A – Algas (Thalophyta) .............................................................................................................13
     B – Plantas Vasculares sem Sementes (Traqueófitas) ............................................................13
     C – Plantas Vasculares com Sementes (Sem Flores) (Espermatófitas) ..................................13
         Gymnospermae ....................................................................................................................13
     D – Plantas com Flores (Angiospermae)..................................................................................13
         D1 – Grado ANITA ...............................................................................................................13
         D2 – Magnolídeas (Magnoliales ®) ......................................................................................13
         D3 – Monocotyledonae ........................................................................................................14
         D4 – Eudicotiledôneas .........................................................................................................14
         Hahnemann – Medicamentos Vegetais ...............................................................................17
  Reino Fungi ...................................................................................................................................17
  Reino Monera – Nosodes .............................................................................................................17
  Reino Animal .................................................................................................................................18
     Remédios do Mar .....................................................................................................................18
     Mesozoa e Parazoa ..................................................................................................................18
     Filo Arthropoda .........................................................................................................................18
     Filo Chordata – Subfilo Vertebrata ...........................................................................................19
                                                                                                  Manual do PEC 2


PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA
TEMÁTICA




       Há muitos propósitos no coração do homem, mas é o Desígnio de Deus que permanece firme. (PV 19,21)
§1 Organon der Heilkunst (Organon da Arte de Curar). Arztes BERUF (Tarefa do médico).
 Des Arztes höchster und einziger Beruf ist, kranke Menschen gesund zu machen, was man Heilen nennt.
 A mais elevada e única missão do médico é tornar saudáveis as pessoas doentes, o que se chama curar.
            o The physician's high and only mission is to restore the sick to health, to cure, as it is termed.
Objetivos
    1. Aperfeiçoamento da Técnica Homeopática. (Homeopatia Hahnemanniana e Contemporânea),
    2. Desenvolvimento Pessoal.
    3. Healing Espiritual (A. Meditação de Cura. B. Círculo de Oração).
Disciplinas
    1. O Médico
          a. Atitudes do Médico. (Sétimo nível. Awareness. Intenção. Contemplação. Encontro Sano).
          b. Academia dos Místicos sem Fronteiras. (A) Práticas. (B) Healing.
    2. Métodos da Homeopatia Original
          a. Organon da Medicina. Teoria das Doenças Crônicas. Samuel Hahnemann.
          b. Método de Bönninghausen. Bönninghausen. Boger. Phatak. Dimitriadis.
          c. Filosofia Homeopática. James Tyler Kent. Stuart Close. Roberts.
          d. Doenças Crônicas: suas causas e cura. Ghatak. (Ortega). (J.H.Allen).
    3. Métodos da Homeopatia Contemporânea
          a. Jan Scholten. Teoria dos Elemntos. Análise de Grupo.
          b. Rajan Sankaran. Método da Sensação.
          c. Massimo Mangialavori. Método da Complexidade.
          d. Outros.
    4. Matéria Medica Integral
          a. Reino Mineralia. (Inclui Imponderabilia).
          b. Reino Monera.
          c. Reino Protista.
          d. Reino Plantae.
          e. Reino Fungi.
          f. Reino Animalia
    5. Repertório Homeopático
          a. Estrutura e Filosofia de Construção dos Repertórios.
          b. Técnicas e Métodos de Repertorização.
    6. Clínica Homeopática
           a. Técnica da Toma do Caso.
           b. Análise do Caso. Ficha Resumo. Prescrição.
           c. Evolução. Estadiamento. Níveis de Cura. §9 do Organon.
    7. Artigos Complementares
           a. Homeopatia.
           b. Desenvolvimento Pessoal.
                                                                                                          Manual do PEC 3
ESTUDO INTEGRADO DA MATÉRIA MEDICA
Estudo do Medicamento
                                        • Concomitantes                                  •   Sensações
                                                                                         •   Mentais
                                                                                         •   Disfunções
                                                                                         •   Lesões


                                                          Concomitante     Fenômenos




                                                          Circunstâncias   Localização


                                        • Causa                                          • Lateralidade
                                        • Agravações &                                   • Local
                                          Melhorias
                                        • Horário



Como estudar os medicamentos utilizando as duas abordagens. (Adaptado de Rajan Sankaran).
   1. Primeiro temos que ter um entendimento básico sobre a Fonte do remédio.
   2. Identificar os Característicos: (3/4 pontos), Singulares (UR. a 12r.) e Keynotes no quadrante).
                    i. (Sintomas PQRS com os L, S, M.) (Sankaran).
                       1. PQRS=Peculiares, esquisitos, raros e estranhos. (Peculiar, queer, rare and strange).
                       2. L,S,M = Localização, Sensação, Modalidade
                                    a. A primeira coisa que precisamos estudar são os sintomas,
                                         especialmente, a Localização, Sensação, Modalidade e os sintomas
                                         característicos e únicos (UR), Gerais e Mentais.
   3. Após isto, temos que estudar seu lugar no sistema dos Reinos e como os sintomas característicos
       podem ser entendidos localizando-os no Mapa dos Reinos.
   4. Nós também temos que entender o seu Miasma.
   5. Remédios complementares e similares em termos de sintomas, patologia e o reino onde está
       localizado.
   6. Nós também temos que estudar as Rubricas do remédio no repertório, de uma extração
       repertorial. Lista dos Característicos e Singulares do HomeoPro.
   7. Então precisamos ver casos do remédio em nossa prática de forma que tudo ganha vida.
     Tudo isto junto vai constituir o Estudo do Remédio.




Bibliografia de Materia Medica Homeopática
    1.    Hahnemann.      1. Materia Medica Pura. 2. Doenças Crônicas.
    2.    Allen, T.F.     1. Enciclopedia of Pure Materia Medica. 2. Handbook of Materia Medica.
    3.    Hering, C.      1. Guiding symptoms of our Materia Medica.
    4.    Clarke.         1. Dictionary of Materia Medica.
    5.    Phatak.         1. Materia Medica.
    6.    Vermeulen.      1. Concordant Materia Medica. 2. Prisma. 3. Synoptic. 4.Outras.
    7.    Scholten.       1. Homeopathy and Minerals. 2. Homeopathy and Elements. 3. Lanthanides.
    8.    Sankaran.       1. Soul of remedies. 2. Substance of Homeopathy. 3. Plants. 4.Structure. 5.Outros.
    9.    Mangialavori.   1. Textos dos seminários.
    10.   Outros.         1. Autores contemporâneos.
                                                                                                 Manual do PEC 4
ESQUEMA PARA OS ESTUDOS DE MATERIA MEDICA
(1) Fonte. (Nível 5-C3)
    1. Taxonomia.
    2. Informações. (Química. Biologia. Botânica. Zoologia. Simbologia. Mitologia). (Vídeo Clips).
    3. Linguagem não humana. (NHL–Non Human Language.Source Words). (Sensação C3 = Linguagem da Fonte)
    4. Fontes Patogenéticas.
    5. Bibliografia.

(2) Característicos. Nível 2/Nível 5-C2. (Sankaran/Bönninghausen/Hering). Keynotes (Guernsey).
    1. Sensações e Fenômenos
        1. Sensações locais e gerais. (Nível 2). Sensação Vital. (Nível 5).
        2. Disfunções/Lesões. Clínica. (Nível 2).
        3. Sentimentos. (Nível 3).
        4. Ilusões. (Nível 4).
    2. Local
        1. Lateralidade.
        2. Partes do corpo.
        3. Tecidos.
    3. Circunstâncias qualificadoras
        1. Causa.
        2. Agravações e Melhorias.
        3. Horário.
    4. Concomitantes

(3) Reino. (Nível 5-A: Reino) (Nível 5-B: Sub-reino) (Nível 5-C1: Tabelas de aproximações).
    1. Sensação A         – Reino.
    2. Sensação B         – Sub-reino.
    3. Sensação C1        – Aproximações. (Tabelas temáticas e palavras da fonte (Source Words))
                                           1. Scholten. 2. Sankaran. 3. Mangialavori. 4. Outros.

(4) Miasma.
       Miasma: (Hahnemann. Ghatak. Sankaran. (Outros).)

(5) Remédios complementares e similares.
       Remédios complementares e similares.

(6) Rubricas Repertoriais.
    1. Extração de Rubricas do remédio no repertório. (Synthesis. The Complete. GEHSH).
    2. Lista das Rubricas Características e Singulares do HomeoPro.

(7) Casos da Prática.
     Estudo de Casos do remédio.
                                                                                                         Manual do PEC 5
MEDICAMENTOS DA MMP E DC
 * Repertório de Bönninghausen. Dimitriadis. Second Edition.        65.    Aconitum                   01.436            v
                                                                    66.    Agnus castus *                               V
 ** Repertório de Bönninghausen. Dimitriadis. First Edition.
                                                                    67.    Anacardium                          02.155   V
                Medicamento            MMP         DC         Rn   68.    Angustura vera             06.027            V
 1.      Ambra                         06.001                  A    69.    Arnica montana             01.469            V
 2.      Apis melifica **                                      A    70.    Asafoetida *                                 V
 3.      Cantharis vesicatoria                                 A    71.    Asarum europeum            03.225            V
 4.      Carbo animalis                06.161     03.001       A    72.    Belladona                  01.011            V
 5.      Lachesis*                                             A    73.    Bryonia                    02.417            V
 6.      Moschus                       01.314                  A    74.    Caladium *                                   V
 7.      Sepia                                    05.169       A    75.    Camphora                   04.149            V
 8.      Spongia tosta                 06.195                  A    76.    Cannabis sativa            01.139            V
 9.      Agaricus                                 02.001       F    77.    Capsicum                   06.083            V
 10.     Bovista lycoperdon *                                  F    78.    Carbo vegetabilis          06.120   03.033   V
 11.     Secale cornutum *                                     F    79.    Chamomila                  03.063            V
 12.     Acidum fluoricum *                                    M    80.    Chelidonium majus          04.261            V
 13.     Acidum muriaticum             05.098     04.270       M    81.    China officinalis          03.098            V
 14.     Acidum nitricum                          04.406       M    82.    Cicuta virosa              06.261            V
 15.     Acidum phosphoricum           05.118     05.079       M    83.    Cina maritma               01.119            V
 16.     Acidum sulphuricum                       05.405       M    84.    Clematis erecta                     03.150   V
 17.     Alumina                                  02.033       M    85.    Cocculus indicus           01.160            V
 18.     Amonium carbonicum                       02.093       M    86.    Coffea cruda *                               V
 19.     Amonium muriaticum                       02.130       M    87.    Colocynthis                06.163   03.159   V
 20.     Antimonium crudum                        02.190       M    88.    Conium maculatum           04.237   03.174   V
 21.     Antimonium tartaric*                                  M    89.    Crocus sativus *                             V
 22.     Argentum met.                 04.337                  M    90.    Cyclamen europeum          05.041            V
 23.     Arsenicum álbum               02.041     04.489       M    91.    Digitalis purpurea         04.067   03.230   V
 24.     Auripigmentm= ars.s.f         02.118     02.241       M    92.    Drosera                    06.227            V
 25.     Aurum – Knall gold                       02.242       M    93.    Dulcamara                  01.095   03.258   V
 26.     Aurum (gold)                  04.098     02.214       M    94.    Euphorbium officinarum              03.277   V
 27.     Aurum foliatum                           02.220       M    95.    Euphrasia officinalis      05.005            V
 28.     Baryta carbônica                         02.243       M    96.    Ginseng                                      V
 29.     Bismutum                      06.250                  M    97.    Guajacum                   04.135   03.339   V
 30.     Borax (n boracicum)                      02.281       M    98.    Helleborus niger           03.203            V
 31.     Bromium **                                            M    99.    Hyosciamus                 04.029            V
 32.     Calcarea carbônica                       02.308       M    100.   Ignatia                    02.139            V
 33.     Calcium aceticum              05.074                  M    101.   Ipecacuanha                03.248            V
 34.     Causticum                                03.084       M    102.   Laurocerasus *                               V
 35.     Cuprum metallicum                        03.212       M    103.   Ledum palustre             04.176            V
 36.     Ferrum metallicum             02.119                  M    104.   Lycopodii pollen                    04.069   V
 37.     Graphites                                03.291       M    105.   Menyanthes trifoliata      05.015            V
 38.     Hepar sulphuris                          03.348       M    106.   Mezereum                            04.240   V
 39.     Iodium                                   03.376       M    107.   Millefolium                                  V
 40.     Kali carbonicum                          04.001       M    108.   Nux moschata*                                V
 41.     Kali nitricum                            04.462       M    109.   Nux-vomica                 01.192            V
 42.     Kreosotum *                                           M    110.   Oleander                   01.326            V
 43.     Magnesia carbônica                       04.135       M    111.   Opium                      01.264            V
 44.     Magnesia muriatica                       04.178       M    112.   Paris quadrifólia *                          V
 45.     Magnetis poli ambo                                    M    113.   Pulsatila pratensis        02.273            V
 46.     Magnetis polus arcticus       02.191                  M    114.   Rheum palmatum             02.343            V
 47.     Magnetis polus australis                              M    115.   Rhododendron *                               V
 48.     Manganum                                 04.214       M    116.   Rhus toxicodendron         02.357            V
 49.     Manganum acetic               06.053                  M    117.   Ruta graveolens            04.199            V
 50.     Mercurius corrosivus**                                M    118.   Sabadilla officinallis *                     V
 51.     Mercurius solubilis           01.348                  M    119.   Sambucus nigra             05.061            V
 52.     Natrum carbonicum                        04.297       M    120.   Sarsaparilla               04.223   05.143   V
 53.     Natrum muriaticum                        04.347       M    121.   Senega *                                     V
 54.     Petroleum                                04.498       M    122.   Silla maritma              03.265            V
 55.     Phosphorus                               05.001       M    123.   Spigelia anthelmia         05.238            V
 56.     Platina                                  05.115       M    124.   Staphisagria               05.291            V
 57.     Plumbum metallicum *                                  M    125.   Stramonium                 03.278            V
 58.     Selenium *                                            M    126.   Sympnhitum **                                V
 59.     Silicea                                  05.240       M    127.   Tabacum **                                   V
 60.     Stannum                       06.280     05.292       M    128.   Taraxacum                  05.166            V
 61.     Strontium metallicum *                                M    129.   Teucrium marum verum *                       V
 62.     Sulphur                       04.275     05.323       M    130.   Thuja occidentalis         05.114            V
 63.     Zincum                                   04.428       M    131.   Valeriana officinalis *                      V
 64.     Psorinum **                                           N    132.   Veratrum album             03.325            V
                                                                    133.   Verbascum                  06.105            V
                                                                    134.   Viola odorata *                              V
                                                                    135.   Viola tricolor *                             V
FICHA DE ANÁLISE DO CASO

A) Registro do Caso Clínico
        (1) Gravação da Entrevista: Áudio ou Vídeo.
        (2) Registro do caso & Ficha Resumo.
               (1) Registro do Caso: Transcrição da entrevista atual ou partes dela no formato:
                     M: perguntas do médico.
                     P: respostas do paciente.
             (2) Ficha RESUMO
                        Identificação: Iniciais, idade, estado civil, profissão, religião.
                        Queixa Principal.
                        Sumário da História da Doença Atual.
                            Sensações & Queixas. Local. Modalidades. Concomitantes.
                            Historicidade. (História Biopatográfica. Antecedentes.).
                            Prescrições anteriores. Tratamentos realizados.
                            Diagnóstico Clínico.
                                     o Localização Patologia Estadiamento.
                            Diagnóstico Miasmático. (Hahnemann. Sankaran).
B) Análise do caso
                              Etapas da discussão em grupo.
1: Técnica da Toma do caso
        Análise da Relação Médico Paciente e da Toma do Caso (Entrevista Homeopática).
2: Análise do Caso
    1. Método Clássico (Hahnemann. Bönninghausen. Kent).
            a. (1) O Característico. (Hahnemann. Hering. Guernsey.). (Grau de Indicação/de Especificidade).
            b. (2) Semiologia no quadrante de Bönninghausen.
            c. (3) Repertorização:
                     i. Método de Kent.
                        1. Modalidades (1. Sem sintoma diretor. 2. Com sintoma diretor. 3. Eliminação).
                    ii. Método de Bönninghausen.
    2. Método da Sensação (Rajan Sankaran)
             (1) Análise dos Níveis da Experiência (Sankaran & GEHSH).
               (2) Identificação da Sensação Vital e do Miasma (Sankaran).
                      (1) Análise do Reino (Nível da Sensação).
                                (A) Identificação do Reino.
                                      o (B) Identificação do Sub-reino.
                                                (C) Identificação da Fonte.
                                                        C1: aproximações.
                                                        C2: característicos.
                                                        C3: linguagem da fonte.
3: Técnica da Prescrição
     (1) Justificativa da Seleção do Medicamento.
       (2) Indicação da Dinamização & Repetição das doses.
C) Análise da Evolução do Caso
    1. Mudanças observadas e relatadas nos diversos níveis. (§9 do Organon).
    2. Agravação e Observações Prognósticas. (Kent). Identificação dos Obstáculos à Cura.
    3. Evolução na Tabela de Estadiamento da Doença Crônica. (TEDC).
    4. Parâmetros para a evolução do caso indicados por Rajan Sankaran.
    5. Confirmações do medicamento.
    6. Técnica da Segunda Prescrição. (Quando e Como?).
    7. Nível de Cura.
                                                                                                               Materia Medica - GEHSH - 7
A ARTE DE PENSAR
                                            A arte de pensar. Pascal Ide. Editora Martins Fontes.
Na análise de um texto, antes mesmo de você perguntar precisamente o que ele diz, convém interrogar-se sobre o que ele engendra (ou
provoca) em você: Será:
 O saber – esse texto busca ensinar algo a você? Ele mostra o que é verdadeiro ou falso, apresenta o estado de uma questão?
 O mover – esse texto leva você a agir ou a reagir, orienta sua ação, suas intenções, num certo sentido? Ora, pode-se agir de maneira
     humanizante ou alienante. A questão corolário imediata é portanto: esse texto faz você crescer em humanidade a serviço dos outros
     homens ou não?
 O comover – esse texto sensibiliza você ora isso pode ocorrer de maneiras diferentes: pode alegra-lo ou ao contrário, entristece-lo,
     animar sua esperança ou atiçar sua cólera.
Você está diante de um texto: esse é o nosso ponto de partida. Sua primeira questão foi saber o que suscitava em você: a inteligência, o
querer, a emoção.
A nova questão que você deve colocar é portanto: o que diz o texto? É a segunda etapa do procedimento.
Ora, a função (ou objetivo) da tese (ou problemática) é responder a essa questão: é dizer se o que se segue é fundamental.
A TESE, define-se, pois como uma proposição (uma frase) que formula precisamente o que diz o texto (e, de maneira maia geral, o que
diz a inteligência em face da realidade), tendo em vista enunciar o verdadeiro ou o falso.
- por um lado, a tese tem como função formular o que diz o texto, mas seu objetivo último é dizer o verdadeiro ou o falso. “O que se
concebe bem enuncia-se claramente. E as palavras para dize-lo chegam facilmente”. Boileau.
- por outro lado, a tese tem a estrutura de uma proposição, isto é, ela irá compor-se de duas idéias, dois conceitos que serão atribuídos um
ao outro. Por exemplo: “ a cantora é careca” ou “as cenouras ao estão cozidas” são teses (uma idéia é atribuída a uma outra).
Que diferença existe entre problemática, tese e conclusão? A problemática, outro nome da tese, sublinha bem o estado de partida desta,
que é interrogativo. Inversamente, a conclusão designa também a tese, mas no final, no ponto de chegada do raciocínio. As três palavras
são equivalentes, embora designem uma mesma realidade sob diferentes aspectos.
Eis o que é uma tese: a atribuição de um conceito a outro tendo em vista dizer a verdade.
A experiência mostra que é o caráter vago dos predicados que causa o vago das discussões e de muitas querelas. Aprendemos a ao
confundir as palavras e os conceitos. Do mesmo modo, também não confundamos as frases e as problemáticas. Não é raro que o autor
junte na mesma frase sua tese e a razão de sua tese ( o que é chamado de Termo Médio).
Que meios, que instrumentos empregar para descobrir uma problemática? A tarefa nem sempre é fácil, mas é sempre importante; requer
decerto treinamento. Não perca a ocasião de descobrir as teses dos textos que lemos. As teses existem sobretudo nos textos que visam a
alimentar a inteligência. Além disso, a descoberta da problemática vale não apenas para a leitura dos escritos, mas também para as
conferências ou os cursos e a conversação cotidiana: muitas discussões se atolam por falta de problemática clara.
Do mesmo modo, as intervenções no interior de grupos são frequentemente cansativas porque a pessoa descobre o que ela quer dizer
falando. Os especialistas em comunicação são unânimes: prepare a intervenção em poucas palavras precisas e tenha apenas uma
idéia. Traduzamos em nossa perspectiva e em nossa linguagem: tenha uma problemática claramente formulada e a enuncie de imediato,
positivamente.
O raciocínio: juntar feixes ou catar espigas? Assim como a problemática responde à interrogação: o que diz o texto?, a função raciocínio
será responder às questões: por que razão ele o diz? De maneira o mostra? Pois não basta afirmar as coisas, é preciso também demonstra-
las. A função do raciocínio é mostrar a causa da união de dois termos. Aristóteles chamava ao raciocínio silogismo. (termo grego que
significa “juntar os feixes de feno”. A função do silogismo é sistematizar.
Um raciocínio é composto de diferentes termos. Os termos do raciocínio são as idéias ou os conceitos que o compõem. O termo que une
o predicado e o sujeito da tese, por causa de sua função unificadora, intermediária, se chama termo médio. Ele é como o elo que permite
unir os dois extremos de uma corrente. As premissas são portanto proposições que contêm o Termo Médio, ao passo que este, tornado
inútil, desaparece na conclusão. Existem quarto tipos de Termo Médio, isto é, de ligação entre os termos da problemática: a causa, os
exemplos ou casos singulares, a similitude, o sinal. Há portanto quatro tipos de raciocínio cujos nomes técnicos são devidos a
Aristóteles: - o silogismo, que se baseia na causa; a indução, que se baseia num conjunto de casos singulares; a analogia, que se baseia na
similitude; o entinema que se baseia no sinal. Deixamos de lado um quinto argumento frequentemente empregado, o argumento de
autoridade: “Fulano disse...”. Ela mal merece ser chamado de argumento.
A finição da Definição. Não basta enunciar uma tese nem mesmo argumentar, é preciso também saber o que os termos significam. E o
papel da definição é nos dizer isso. Definir é uma necessidade da inteligência e a condição de uma atividade saudável e clara. Saber definir é
indispensável para poder emitir qualquer pensamento sensato. Muitos discursos repousam sobre a inconsistência de palavras utilizadas por
outros. Além disso, a definição é o melhor fundamento de uma boa demonstração.
O último momento da análise sistemática de um texto é por o texto em ordem, para encontrar nele as idéias do autor.
                                                                                                 Materia Medica - GEHSH - 8
DIRETRIZES PARA A LEITURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS




                                                                 A leitura analítica desenvolve no estudante-
                                          leitor uma série de posturas lógicas que constituem a via mais
                                          adequada para sua própria formação, tanto na sua área específica
                                          de estudo quanto na sua formação filosófica em geral.
                                          METODOLOGIA DO TRABALHO            CIENTÍFICO.   Antônio   Joaquim
                                           Severino. Cortez editora, 2002.

     A LEITURA ANALÍTICA é um método de estudo que tem como objetivos:
1. Favorecer a compreensão global do significado do texto;
2. Treinar para a compreensão e interpretação crítica dos textos;
3. Auxiliar no desenvolvimento do raciocínio lógico;
4. Fornecer instrumentos para o trabalho intelectual desenvolvido nos seminários, no estudo dirigido, no estudo pessoal
   e em grupos, na confecção de resumos, resenhas, relatórios etc.
5. Seus processos básicos são os seguintes:
1. ANÁLISE TEXTUAL: preparação do texto: trabalhar sobre unidades delimitadas (um capítulo, uma seção, uma parte
   etc. sempre um trecho com um pensamento completo); fazer uma leitura rápida e atenta da unidade para se adquirir
   uma visão de conjunto da mesma; levantar esclarecimentos relativos ao autor, ao vocabulário específico, aos fatos,
   doutrinas e autores citados, que sejam importantes para a compreensão da mensagem; esquematizar o texto,
   evidenciando sua estrutura redacional.
2. ANÁLISE TEMÁTICA: compreensão do texto: determinar o tema-problema, a idéia central e as idéias secundárias da
   unidade; refazer a linha de raciocínio do autor, ou seja, reconstruir o processo lógico do pensamento do autor;
   evidenciar a estrutura lógica do texto, esquematizando a sequência das idéias.
3. ANÁLISE INTERPRETATIVA: interpretação do texto: situar o texto no contexto da vida e da obra do autor, assim como no
   contexto da cultura, de sua especialidade, tanto do ponto de vista histórico como do ponto de vista teórico; explicitar
   os pressupostos filosóficos do autor que justifiquem suas posturas teóricas; aproximar e associar idéias do autor
   expressas na unidade com outras idéias relacionadas à mesma temática; exercer uma atitude crítica diante das
   posições do autor em termos de:
       A) coerëncia interna da argumentação.
       B) validade dos argumentos empregados;
       C) originalidade do tratamento dado ao problema;
       D) profundidade de análise do tema;
       E) alcance de suas conclusões e consequências;
       F) apreciação e juízo pessoal das idéias defendidas.
4. PROBLEMITAZAÇÃO: discussão do texto: levantar e debater questões explícitas ou implicitadas no texto; debater
   questões afins sugeridas pelo leitor.
5. SÍNTESE PESSOAL: reelaboração pessoal da mensagem: desenvolver a mensagem mediante retomada pessoal do
   texto e raciocínio personalizado; elaborar um novo texto, com redação própria, com discussão e reflexão pessoais.
                                                                                              Materia Medica - GEHSH - 9
MELHORANDO SUA CAPACIDADE DE LEITURA
                                   Grande parte do seu tempo de estudo é gasto na leitura e
                                   absorção de informações. E esse processo tem de ser ativo.
                                   Muitos estudantes enganam-se pensando que estão estudando
                                   marcando algumas sentenças aqui e ali em seus livros. Se este
                                   ato estiver desacompanhado de uma seleção cuidadosa e
                                   consciente, eles estarão apenas colorindo um livro.
                                         Há inúmeros métodos para aperfeiçoar sua leitura. Uma
                                         das estratégias mais eficientes é o método SQ3R, de
                                         Robinson (1970). SQ3R é um sistema de estudo elaborado
                                         para proporcionar leitura eficiente por meio de 5 passos:
                                         pesquisar, perguntar, ler, recitar e revisar. (Seu nome é um
                                         acrônimo dos 5 passos em inglês: Survey, Question, Read,
                                         Recite e Revise.)

Passo 1: Pesquisar
Antes de começar a leitura propriamente dita, olhe os títulos e subtítulos do capítulo em questão. Tente obter uma visão
geral do material. Se já souber como o capítulo está desenvolvido, conseguirá apreciar e organizar melhor a informação
que irá ler.
Passo 2: Perguntar
Agora que já tem uma idéia sobre o texto, é preciso lidar com uma seção de cada vez. Leia o título da primeira seção e
transforme-a em pergunta. É muito simples.Se o título for “Fatores de risco pré-natal”, sua pergunta deverá ser: “Quais
são as fontes de risco durante o desenvolvimento pré-natal?”. Se o título for “Estereótipos”, sua pergunta deverá ser: “O
que são estereótipos?”. Ao formulá-las, você estará se envolvendo ativamente em sua leitura e ajudando a identificar as
idéias principais.
Passo 3: Ler
Só agora no terceiro passo você deve se aprofundar na leitura. Leia apenas a seção específica escolhida anteriormente.
Leia sempre tendo em mente a pergunta que se fez no início. Se necessário, releia até que consiga respondê-la.
Verifique se alguma outra pergunta importante é levantada no trecho lido e responda-a também.
Passo 4: Recitar
Agora que já conseguiu responder a pergunta principal responda-a, novamente, em voz alta, usando suas próprias
palavras. Não siga adiante antes de ter compreendido esta primeira seção. Talvez deseje escrever a resposta para
revisar mais tarde. Quando houver digerido a primeira seção, prossiga com o texto. Repita os passos 2 a 4 com a
segunda parte e siga adiante logo que sentir seguro quanto à nova parte da informação. Repita os passos 2 a 4 para
cada seção até terminar o capítulo.
Passo 5: Revisar
Terminando de ler todo o capítulo, refresque sua memória revendo os pontos principais. Repita as perguntas e
responda-as sem consultar seu livro ou suas anotações. A revisão fortificará a retenção das idéias principais. Seria
também interessante ver como as idéias principais estão interligadas.
      O método SQ3R deve ser aplicado a muitos textos, parágrafos por parágrafo. Certamente, você terá, algumas
      vezes, de formular perguntas sem o auxílio de títulos ou subtítulos. Caso eles não existam, repita os passos 2 e 3.
      Leia o parágrafo e formule uma pergunta que resuma a idéia básica. Responda usando suas próprias palavras.
      Seja flexível no uso da técnica SQ3R. Ela funciona porque desmembra um texto em partes e requer entendimento
      antes de prosseguir. Qualquer método que atinja esses objetivos com certeza melhorará sua capacidade de
      leitura.
                                                                                              Materia Medica - GEHSH - 10
MAPAS MENTAIS
A rede interna da Mente




                                QUANDO FALAMOS, OCORRE UMA SÉRIE DE ASSOCIAÇÕES MENTAIS.
MIND MAPS TIPS
Rules
       The are some very clear guide lines for creating a Mind Map. They are:
1. Start in the middle using at least three colors.
2. Select key words and print, using upper or lower case letters.
3. Use images, symbols, codes and dimensions throughout your Mind Map.
4. Each word or image must be alone and sitting on its own line.
5. The lines must be connected, starting from the central images. The centre lines are thicker, organic and flowing,
    becoming thinner as they radiate from the centre.
6. Make the lines the same length as the word/image
7. Use colors – your own code – throughout the Mind Map.
8. Develop your own personal style of Mind Mapping.
9. Use emphasis and show associations in your Mind Map.
10. Keep the Mind Map clear by using Radiant hierarchy, numerical order or outlines to embrace your branches
How to modify the basic rules
It is important to appreciate that just as the Mind Map is far more than a method of recording information on paper,
MindManager is far more than a simple implementation of the Mind Mapping technique. For this reason it is sometimes
necessary to ‘stretch’ these rules.
The most important deviations concern rules 4 says ‘Each word or image must be alone and sitting on its own line’. There
are a number of situations where you may feel it appropriate to modify this rule:
MindManager is frequently used to display information rather than develop ideas. (An example might be to communicate
a firm proposal to a customer). In this case you may wish to display groups of words. However keep in mind that simplicity
is best, so do show some restraint! Experience shows that the use of a noun and a verb together can be very effective.
For example ‘completes timetable’ is a clear and unambiguous label.
When MindManager is used for preparing a report or as a tool to electronically publish information, multiple words are
often mandatory. Otherwise during the text or HTML export you will end up with separate heading for each branch.
Grouping words often enhances the ‘readability’ of a final map (e.g. the map produced after and brainstorming/creativity
phases). This final map is predominantly concerned with ‘presentation and communication’ rather additional further
creative input.
Do not be afraid to develop your own style. As the saying goes: “Rules are created for the guidance of wise men and the
obedience of fools”. Well constructed rules provide invaluable sign posts, but if you see something interesting on a side
road you might wish to investigate further.
                                                                                             Materia Medica - GEHSH - 11
PRÁTICAS DA ACADEMIA
1. CORPORAIS
           1. Atividades físicas. (Exercícios. Ginástica Regenerativa. Cinco Ritos Tibetanos).
           2. Asanas (Yoga).
           3. Kaya Stharryam (Firmeza do corpo & Posturas de Meditação).
2. ENERGÉTICAS
           1. Bandhas & Mudras.
           2. Kriyas & Pranayama.
           3. Atividades com os Chakras (Kundalini Yoga).
3. MEDITATIVAS
           1. Abstração (Pratyahara) & Concentração (Dharana).
           2. Meditação (Dhyana). Plena atenção. Mantras. (Shamata & Vipassana).
           3. Estágios da Absorção Meditativa (Jhanas).
4. ESPIRITUAIS
           1. Buscador Espiritual (Aspirante). Motivação. Equanimidade. Presença. Metanoia.
           2. Estudo das Escrituras (Swadhyaya). Lectio Divina. Oração.
           3. Serviço.
HEALING

                                                  Cura te ipsum
                                           O Médico cura por sua Presença.
                                          Médico, primeiro cura-te a ti mesmo.
                                                                                                           Paracelsus
DEDICAÇÃO

                        Para o Bem Estar de todos os Seres!
                                                                                           Materia Medica - GEHSH - 12


MATERIA MEDICA
REINO MINERAL




I) TEMÁTICA DA TABELA PERIÓDICA
TEMÁTICA DAS SÉRIES
            Sete séries (linhas). (*Série: 1. *Séries: 2,3. *Séries 4,5,6. *Série: 7).
TEMÁTICA DAS COLUNAS (GRUPOS & BLOCOS)
            Temática das Colunas (Estágios do Desenvolvimento).
                  o Grupo A.
                           Bloco s (Cátions).
                           Bloco p (Ânions).
                  o Grupo B.
                           Bloco d (Metais de Transição).
                           Bloco f (4f: Lantanídeos. 5f: Actinídeos).
II) TEMÁTICA DAS FAMÍLIAS DE ELEMENTOS
            Elementos simples.
            Compostos (ácidos, bases, sais e óxidos).
Hahnemann – Medicamentos Minerais
    Acidum fluoricum. Acidum muriaticum. Acidum nitricum. Acidum phosphoricum. Acidum sulphuricum. Alumina.
     Amonium carbonicum. Amonium muriaticum. Antimonium crudum. Antimonium tartaric. Argentum met.. Arsenicum
     álbum. Auripigmentm= ars.s.f. Aurum – Knall gold. Aurum (gold). Aurum foliatum. Baryta carbônica. Bismutum.
     Bórax (n boracicum). Calcarea carbônica. Calcium aceticum. Causticum. Cuprum metallicum. Ferrum metallicum.
     Graphites. Hepar sulphuris. Iodium. Kali carbonicum. Kali nitricum. * Kreosutum. Magnesia carbônica. Magnesia
     muriatica. Magnetis poli ambo. Magnetis polus arcticus. Magnetis polus australis. Manganum. Manganum acetic. *
     * Mercurius corrosivus. Mercurius solubilis. Natrum carbonicum. Natrum muriaticum. Petroleum. Phosphorus.
     Platina. * Plumbum metallicum. * Selenium. Silicea. Stannum. * Strontium metallicum. Sulphur. Zincum.
Medicamentos Antipsóricos
    agar alum am-c am-m anac ant-c ars aur aur-m bar-c bor calc carb-an carb-v caust clem coloc con cupr dig dulc
     euph graph guaj hep iod kali-c kali-n lyc mag-c mag-m mang mez mur-ac nat-c nat-m nit-ac petr ph-ac phos plat
     sars sep sil stann sul-ac sulph zinc.
Ghatak – Medicamentos Miasmáticos
Psora
      Abrot Acet-ac Agar Aloe ALUM Ambr Ant-c APIS Arg-m Arg-n ARS ARS-I AUR AUR-M BAR-C Bell Benz-ac Berb Bor BUFO
      CALC CALC-AR CALC-P CAPS CARB-AN CARB-V Cist Clem Coc-c CON CROT-H Crot-t Cupr Dig Dulc Ferr Ferr-p FL-AC
      GRAPH HEP IOD KALI-BI KALI-C KALI-I Kali-p Kali-s LAC-C LACH LED LYC Mag-c Mag-m Mang Mez Mur-ac NAT-AR NAT-C
      NAT-M NAT-S NIT-AC Petr Ph-ac PHOS Plat Plb PSOR PYROG Sars Sec SEL SEP SIL Stann STAPH Sul-ac SULPH
      TARENT Ther TUB ZINC.
Sicose
      Arg-m Arg-n ARS ARS-I Benz-ac Berb CALC-AR CAUST Clem Colch Dulc Fl-ac IOD KALI-BI KALI-C KALI-I LYC Mag-c Mag-m
      Mag-p MEZ Mur-ac NAT-AR NAT-C NAT-M NAT-S NIT-AC Ph-ac PHOS PSOR PYROG Sars SEP SIL STAPH THUJ TUB.
Sífilis
      Ars Ars-i AUR AUR-M CALC-AR Fl-ac HEP KALI-BI KALI-C KALI-I LACH LYC MERC NIT-AC Phyt Sars STAPH SYPH TUB.
                                                                                             Materia Medica - GEHSH - 13
REINO PLANTAE




    Sistemática Vegetal: um enfoque filogenético. Judd – Campbell - Kellog. 3ª. Ed. 2009.
            As famílias marcadas com o símbolo ® - foram estudadas por Sankaran.
A – ALGAS (THALOPHYTA)
               Fucaceae: Fucus.
B – PLANTAS VASCULARES SEM SEMENTES (TRAQUEÓFITAS)
       Licopodios, cavalinhas e Samambaias.
                Dryopteridaceae: Filix. Scolopendrium. [Samambaias leptosporangiadas] (Ferns)
                Equisetacae: Equisetum. (Horsetails = cavalinhas)
                Lycopodiaceae: Lycopodium. (club-moss = licopódio). ®
C – PLANTAS VASCULARES COM SEMENTES (SEM FLORES) (ESPERMATÓFITAS)
GYMNOSPERMAE
      Coniferales ®
                Araucariaceae: Agathis australis
                Cupressaceae: Cupressus. Juniperus. Sabina. Thuja. (Inclui) Taxodiaceae: Sequoia.
                Pinaceae: Abies. Picea. Pinus. Tsuga.
                Taxaceae: Taxus.
      Ginkgoales
                Ginkgoaceae: Ginkgo.
      Gnetales
                Ephedraceae: Ephedra vulgaris.
D – PLANTAS COM FLORES (ANGIOSPERMAE)
D1 – GRADO ANITA
                Illiciaceae: Anise stellatum = Illicium stellatum
                Nymphaeaceae: Nuphar luteum. Nymphaea odorata.
D2 – M AGNOLÍDEAS (M AGNOLIALES ®)
                Annonaceae: Asimina. Guatteria. Uvaria
                LauralesLauraceae: Camphora. Cinnamomum Nectandra. Oreadaphne. Sassafrás
                Magnoliaceae: Magnolia
                Myristicaceae: Myristica. Nux moschata
                Piperales
                        Aristolochiaceae: Aristolochia. Asarum. (ordem Aristolochiales)?
                        Piperaceae: Cubeba. Piper. ®
                                                                                            Materia Medica - GEHSH - 14
D3 – MONOCOTYLEDONAE
      Alismatales
                 Araceae: arum. Caladium. Ictodes. Inclui Lemmnaceae: lemna.
      Asparagales
                 Agavaceae: agave. Yucca.
                 Alliaceae: allium.
                 Amaryllidaceae: Narcisus. Galanthus niver.
                 Asparagaceae: asparagus.
                 Asphodelaceae=Aloaceae: aloe.
                 Hemerocallidaceae inclui Phormiaceae: phormium.
                 Hyacinthaceae: agraphis. Ornithogalum. Squilla.
                 Iridaceae: crocus. Íris.
                 Orchidaceae: cypripedium. Spiranthes. Vanilla.
                 Ruscaceae inclui Convallariaceae: convallaria.
      Arecales
                 Arecaceae = Palmae: areca. Elaeis. Sabal.
      Commelinales
                 Haemodoraceae: lachnanthes.
      Dioscoreales
                 Dioscoreaceae: dioscorea. Tamus. ®
      Liliales ® (super-ordem Lilliflorae (Sankaran))
                 Colchicaceae: colchicum.
                 Liliaceae: lilium.
                 Melanthiaceae: aletris. Helonias. Sabadilla. Veratrum. Xerophyllum.
                        o Inclui Trilliaceae: paris. Trilium.
                 Smilacaceae: zarzaparrilla.
      Poales = Graminae (Gramíneas)
                 Poaceae: anatherum. Arundo. Avena. Cynodon. Lolium. Saccharum. Triticum. ®
      Zingiberales
                 Musaceae: musa.
                 Zingiberaceae: curcuma. Zingiber.
D4 – EUDICOTILEDÔNEAS
      Apiales:
            Apiaceae=Umbelliferae®: aegopodium. Aethusa. Ammoniacum. Apium. Asafoetida. Athamanta. Cicuta.
               Conium. Eryngium. Foeniculum. Heracleum. Hydrocotyle. Oenanthe. Pastinaca. Petroselinum.
               Phellandrium. Pimpinella. Sanicula. Sumbul. Zizia.
            Araliaceae: aralia. Ginseng. Hedera.
      Aquifoliales:
            Aquifoliaceae: Ilex
      Asterales:
            Asteraceae=Compositae®: Abrotanum. Absinthium. Anthemis. Arnica. Artemísia. Bellis perennis.
               Brachyglottis. Calendula. Carduus. Chamomilla. Cina. Cnicus. Echinacea. Erechtites. Erigeron. Espeletia.
               Eupatorium. Gnaphalium. Grindelia. Guaco. Helianthus. Inula. Lactuca. Lappa. Millefolium. Onopordon
               Parthenium. Senecio. Siegesbeckia. Solidago. Tanacetum. Taraxacum. Tussilago. Wyethia.
            Campanulaceae: Lobelia. (inclui Lobeliaceae).
      Brassicales:
            Brassicaceae=Cruciferae®: Brassica. Bunias. Cheiranthus. Cochlearia. Iberis. Lepidium. Matthiola.
               Nasturtium. Raphanus. Sinapis. Thlaspi.
            Caricaceae: carica.
      Caryophyllales:
            Amaranthaceae: Achyranthes. Inclui Chenopodiaceae: Atriplex. Beta. Chenopodium.
            Cactaceae ®: anhalaonium. Cactus. Cereus. Opuntia.
            Carnívoras®: Droseraceae: Drosera. Nepenthaceae: Nepenthes. Ericales-Sarraceniaceae: Sarr.
            Caryophyllaceae: Agrostemma. Arenaria. Saponaria. Stellaria.
            Phytolaccaceae: Petiveria. Phytolacca.
            Polygonaceae: Fagopyrum. Polygonum. Rheum. Rumex.
                                                                                       Materia Medica - GEHSH - 15
Celastrales:
     Celastraceae: Euonymus
Cornales:
     Cornaceae: cornus.
     Hydrangeaceae: Hydrangea arboresecens. (tbem considerado Saxifragales Saxifragaceae).
Cucurbitales:
     Coriaruaceae: Coriaria ruscifolia. (Coriariae). (Ranunculales?) (Cucurbitales?) (Internet)
     Cucurbitaceae®: Bryonia. Citrullus. Colocynthis. Cucurbita. Elaterium. Luffa. Momordica.
Dipsacales:
     Adoxaceae: Sambucus. Viburnum.
     Caprifoliaceae: Lonicera. Symphoricarpus. Triosteum.
            o Inclui Valerianaceae: Valeriana.
            o Inclui Linnaceae: Linum ustitatissimum.
Ericales:
      Ericaceae®: Arbutus. Calluna. Chimaphila. Epigaea. Gaultheria. Kalmia. Ledum. Oxydendron. Pyrola.
        Rhododendrom. Uva. Ursi. Vaccinium.
      Primulaceae®: Anagallis. Androsace. Cyclamen. Prímula.
      Sarraceniaceae®: Sarracenia. (Listado também em Plantas Carnívoras)
      Theaceae®: Thea.
Fabales:
     Fabaceae=Leguminosae®:
        o Caesalpinioideae: Cassia. Copaiva. Gymnocladus. Haematoxylum. Ratanhia. Senna. Tamarindus.
        o Mimosoideae: Mimosa,
        o Faboideae=Papilionoideae: Aragallus. Astragalus. Baptisia. Chrysarobinum. Cytisus. Derris. Dolichos.
          Galega. Genista. Hedysarum. Indigo. Lathyrus. Lespedeza. Medicago. Melilotus. Ononis. Oxytropis.
          Phaseolus. Physostigma. Robinia. Sarothamnus. Tongo. Trifolium.
     Polygalaceae: Senega
Fagales:
     Betulaceae: Almus. Bétula. Inclui (Corylaceae): Carpinus. Ostrya.
     Fagaceae: Fagus. Quercus.
     Juglandaceae: Carya. Juglans.
     Myricaceae: Myrica.
Gentianales:
     Apocynaceae®: Alstonia. Apocynum. Oleander. Quebracho. Rauvolfia. Strophanthus. Vinca. Inclui
        Asclepiadaceae: Asclepias. Calotropis. Cundurango. Vincetoxicum.
     Gentianaceae®: Canchalagua. Gentiana. Relacionada Menyanthaceae: Menyanthes.
     Loganiaceae®: Brucea. Curare. Gelsemium. Hoang nan. Ignatia. Nux vomica. Spigelia. Upas
     Rubiaceae®: Aspérula. Cahinca. China. Coffea. Galium. Ipecacuanha. Mitchella. Rubia. Yohimbinum.
Geraniales:
     Geraniaceae: Geranium maculatum
Lamiales:
     Acanthaceae: Justicia.
     Lamiaceae=Labiatiae®: collinsonia. Glechoma. Hyssopus. Lamium. Leonorum. Lycopus. Marrubium.
        Mentha. Nepeta. Ocimum. Origamum. Plectandra. Rosmarinus. Salvia. Scutellaria. Teucrium. (inclui
        muitos gêneros antes tratados em Verbenaceae).
     Oleaceae: Chionanthus. Fraxinus. Jasminum. Ligustrum.
     Orobanchaceae: Inclui espécies parasíticas antes consideradas em Scrophulariaceae.
     Plantaginaceae: Plantago.
     Scrophulariaceae®: digitalis. Epiphegus. Euphrasia. Gratiola. Leptandra. Linaria. Mimulus. Scrophularia.
        Verbascum. Verônica.
     Verbenaceae: agnus castus. Nyctanthes. Verbena.
                                                                           Materia Medica - GEHSH - 16
Malpighiales:
    Dichapetalaceae: Dichapetalum thunberg. (Internet-Wikipedia)
    Euphorbiaceae®: Acalypha. Cascarilla. Croton. Euphorbia. Hura. Jatropha. Mancinella. Mercurialis.
       Ricinus. Stillingia.
    Hypericaceae (Guttiferae): Gambogia. Hypericum.
    Passifloraceae: pasiflora.
    Salicaceae: Populus. Salix.
    Turneraceae: damiana.
    Violaceae: viola.
Malvales®:
    Cistaceae: cistus.
    Malvaceae: Abelmoschus. Althea. Gossypium.
            o Incluiiliaceae: Tília.
            o IncluiSterculiaceae: Abroma. Kola. Theobroma [cacao].
    Thymelaeaceae: Daphne. Dirca. Mezereum.
Myrtales (localização incerta, talvez grupo irmão das Malvídeas):
    Lythraceae: Cuphea. Granatum.
    Myrtaceae: Cajuputum. Eucalyptus. Eugenia. Myrtus. Syzygium
    Onagraceae: Epilobium. Oenothera.
Oxalidales:
    ?
Proteales e outras:
    Platanaceae: Platanus
Ranunculales:
    Berberidaceae®: Berberis. Caulophyllum. Mahonia. Podophyllum.
    Menispermaceae: Chasmanthera. Cocculus. Menispermum. Pareira.
    Papaveraceae®: Adlumia. Argemone. Chelidonium. Corydalis. Fumaria. Opium. Sanguinária
    Ranunculaceae®: Aconitum. Actaea. Adonis. Anemone. Aquilegia. Caltha. Clematis. Eranthis. Helleborus.
       Hepatica. Hydrastis. Nigella. Paeonia. Pulsatilla. Ranunculus. Staphisagria.
Rosales:
    Cannabaceae: cannabis. Humulus.
    Moraceae: antiaris. Ficus.
    Rhamnaceae: Cascara. Ceanoths. Frangula. Rhamnus.
    Rosaceae®: Agrimonia. Crataegus. Cydonia. Fragaria. Geum. Laurocerasus. Potentilla. Prunus. Pyrus.
       Quillaja. Rosa. Rubus. Spiracea.
    Ulmaceae: ulmus.
    Urticaceae: urtica.
Santalales:
    Santalaceae: okoubaba. Santalaum. Inclui Viscaceae: Viscum
Sapindales:
    Anacardiaceae®: anacardium. Comocladia. Mangifera. Rhus.
    Meliaceae: Azadirachta. Guarea.
    Rutaceae®: Angustura. Barosma. Citrus. Dictamnus. Jaborandi. Ptelea. Ruta. Xanthoxylum.
    Sapindaceae inclui Aceraceae. Hippocastanaceae: Aesculus.
    Simaroubaceae: Ailanthus. Cedron. Quassia.
Saxifragales:
    Crassulaceae: Cotyledon. Sedum. Sempervivum. Penthorum sedoides (?).
    Hamamelidaceae®: Hamamelis. (Sankaran descreve uma super-ordem).
    Saxifragaceae: Hydrangea arboresecens. (Hydrangeaceae)? Penthorum sedoides (Pentoraceae).
                                                                                         Materia Medica - GEHSH - 17
     Solanales:
          Boraginaceae: Heliotropinum. Myosotis. Onosmodium. Symphitum.
          Convolvulaceae: convolvulus. Ipomoea. Jalapa. Operculina. Scammonium.
          Solanaceae®: belladona. Capsicum. Datura. Duboisia. Dulcamara. Fabiana. Franciscea. Hyoscyamus.
              Lycopersicum. Mandrágora. Physalis. Scopolia. Solanum. Stramonium. Tabacum.
     Vitales:
          Vitaceae: Ampelopsis
     Zygophyllales:
          Zygophyllaceae: Guaiacum. Tríbulus
HAHNEMANN – MEDICAMENTOS VEGETAIS
     A Matéria Medica Pura de Hahnemann contem mais medicamentos do reino Vegetal e apenas 12 foram
     considerados antipsóricos. Nas Doenças Crônicas os medicamentos do reino mineral predominam.
     Abaixo a lista dos medicamentos do reino vegetal – em negrito e sublinhado os antipsóricos.
   1. Anacardiaceae: Anacardium. Rhus-tox. Drosearaceae: Drosera.
   2. Cannabaceae: cannabis.
   3. Compositae: Arnica. Chamomilla. Cina. Taraxacum.
   4. Cormophyta: Lycopodium. Cupressaceae: Thuja. Aristolochiaceae: Asarum.
   5. Cucurbitaceae: Bryionia. Colocynthis. Caprifoliaceae: Sambucus.
   6. Ericaceae: Ledum. Apocynaceae: Oleander.
   7. Euphorbiaceae: Euphorbia. Zygophyllaceae: Guaiacum. Lauraceae:Camphora.
   8. Liliiflorae – Hyacinthaceae: Squilla. Melanthiaceae: Veratrum. Smilacaceae: zarzaparrilla.
   9. Loganiaceae: Ignatia. Nux vomica. Spigelia.
   10. Menyanthaceae: Menyanthes Rubiaceae: China. Coffea. Ipecacuanha.
   11. Papaveraceae: Chelidonium. Opium. Polygonaceae: Rheum.
   12. Primulaceae: Cyclamen. Menispermaceae: Cocculus.
   13. Ranunculaceae: Aconitum. Clematis. Helleborus. Pulsatilla. Staphisagria.
   14. Rutaceae: Angustura. Ruta.
   15. Solanaceae: Belladona. Capsicum. Dulcamara. Hyoscyamus. Stramonium.
   16. Thymelaeaceae: Mezereum. Scrophulariaceae: digitalis. Euphrasia. Verbascum.
   17. Umbelliferae; Cicuta. Conium.
      Para classificar:
             Carbo animalis. Carbo vegetabilis.

REINO FUNGI
   Fungi: Agaricus. Bovista. Phallus. Polyporus. Psilocibe. Russula. Secale. Ustilago.
   Lichenes: Cetraria. Cladonia. Sticta. Usnea.
  Other remedies: agar-b.; agar-bi.; agar-cit.; agar-cpn.; agar-cps.; agar-em.; agarin.; agar-pa.; agar-
    ph.; agar-pr.; agar-se.; agar-st.; agar-v.; arm-m.; asperg-f.; asperg-fl.; asperg-n.; auri-p.; bol-ap.; bol-
    e.; bol-f.; bol-ign.; bol-lu.; bol-luc.; bol-s.; bol-sang.; calv-c.; calv-g.; cand-a.; cand-p.; cant-c.;
    cordy.; dema.; ergot.; flam-v.; fung-j.; furf-i.; geas-t.; lent-e.; lep-n.; lol.; moni.; morch-e.; mucor;
    muscin.; myc-m.; pez-v.; phal.; pipt-b.; pleur-o.; polyp-ig.; polyp-m.; polyp-n.; polyp-o.; polyp-p.;
    polyp-t.; polyp-u.; polyp-v.; psil.; pyc-s.; russ.; schiz-c.; torul.; trem-f.; volv-v.; wolf-c.
REINO MONERA – NOSODES
      ADREN. ANTHRACI. BAC. BAC-T. BACH. BCG. BOTUL. BRUCEL. BRUCIN. CARC. CHOL. COLI. CORTICO. CORTISO. DIPH.
      DIPHTOX. DYS. EBERTH. ENTEROC. EPIH. FAEC. FLAV. FOLL. FRAM. GAERT. GONOTOX. HIPPOZ. INFLU. LYSS. MALAND.
      MALAR. MALATOX. MED. MENINGOC. MONI. MORB. MORG. MUCOR. MUCOT. MUT. NECTRIN. OSCILLOC. PARAT. PAROT.
      PERT. PEST. PITU. PITU-GL. PNEU. PROT. PSOR. PULM-A. PULM-V. PYROG. SCARL. SCIR. SEPTI. SKAT. STAPHYCOC.
      STAPHYTOX. STREPT-EN. STREPTOC. SYC. SYPH. TETOX. THALA. THYR. THYREOTR. TUB. TUB-A. TUB-D. TUB-K. TUB-M.
      TUB-R. TUB-SP. UREA. UREA-N. V-A-B. VAC. VACC-M. VARIO
                                                                                                   Materia Medica - GEHSH - 18
REINO ANIMAL




REMÉDIOS DO MAR
   Water– SEA animals: AMBR., Aster., CALC., conch., cor-r., eryth., gad., haliae-lc., hom-am., hydroph., ichth., lac-del., lim.,
   medus., murx., ol-j., oncor-t., pect., physala-p., SEP., ser-ang., SPONG., trach., trach-v., trach-xyz., urol-h., ven-m.
       PORIFERA (sponges) (Filo): bad., SPONG. (marine sponges) (Mesozoa e Parazoa)
       CNIDARIA (Filo): cor-r., medus., physala-p. (Mesozoa e Parazoa)
       MOLLUSKA (Filo): CALC., conch., helx., murx., pect., SEP., ven-m. (Mesozoa e Parazoa)
       CRUSTACEA (Sub-filo): astac., hom-am., onis. (Marine Arthropods)
       ECHINODERMATA – Asteroidea (Filo): Aster. Acanhtaster planci. Echinoidea: Toxopneustes.
       PISCES. (Classe): Osteichthyes (bony fishes): gadus
       MAMMALIA (Classe): Ordem: Cetacea (whales and dophins): AMBR., del., lac-del.
MESOZOA E PARAZOA
       ANNELIDA (Annelid worms): helodr-cal., hir.
       NEMATODA: enterob-v.
FILO ARTHROPODA
       ARACHNIDA: Sub-filo Chelicerata – Classe Arachnida:
               ORDEM: Araneae:
                   Depluridae: atra-r.
                   Lycosidae: TARENT.
                   Salticidae: aran-sc. Araneidae (= Argiopidae): aran., aran-ix.
                   Theraphosidae: mygal., tarent-c.
                   Theridiidae (= Nesticidae): lat-h., lat-k., lat-m., tela, Ther. Haplogynae: loxo-recl.
               ORDEM: Scorpionida: Androc., buth-a., scor.c.
           ORDEM: Acari: ix., trom.
       CHILOPODA: Sub-filo Myriapoda – Classe CHILOPODA: Ordem Scolopendromorpha: scol.
       INSECTA: Sub-filo Uniramia – Classe Insecta:
               ORDEM: Hymenoptera: APIS, apisin., Form., form-ac., gal-ac., galla-q-r., mel-c-s., propl., vesp., vesp-
                xyz., vespul-vg.
               ORDEM: Coleoptera (beetles): CANTH., canthin., cocc-s., dor.
           ORDEM: Lepidoptera (butterflies and moths): agam-g., apeir-s., bomb-chr., bomb-pr., lepd-s., limen-b-
            c., pieri-b. Outras: aphis, blatta-a., blatta-o., cimx., COC-C., culx., ped., pulx.
       MEROSTOMATA: (Classe Merostomata): lim.
                                                                                                                   Materia Medica - GEHSH - 19
FILO CHORDATA – SUBFILO VERTEBRATA
       PISCES.
            CLASSE: Chondrichthyes: Galeoc-c-h., urol-h.
           CLASSE: Osteichthyes (bony fishes): eryth., gad., ichth., ol-j., oncor-t., ser-ang., trach., trach-v., trach-xyz.
         AMPHIBIA – Classe Amphibia: BUFO, bufo-s., salam.
         REPTILIA – Classe Reptilia – Ordem Squamata – Sub-ordem (Serpentes, Sauria e Outras)
            o Sub-ordem SERPENTES.
                    Elapidae
                                      Bungarinae: bung-fa., dendr-pol., NAJA.
                                      Elapinae: ELAPS.
                                 Hydrophiidae (sea snakes): hydroph.
                            Viperidae
                                      Viperinae: ceras-ce., Cloth., Vip., vip-a., vip-l-f., vip-r., vip-t.
                             Crotalinae: both., both-a., both-ax., Cench., Crot-c., CROT-H., LACH., toxi.
                       Ophidia - Boidae: boa-co.
              o    Sub-ordem SAURIA e Outras.
                       Sub-ordem: SAURIA (lizards): helo., helo-h., helo-s., lacer.
                       Sub-ordem: ORNITHISCHIA (dinosaurs): maias-l., tyran-rex.
                       Sub-ordem: AMPHISBENIA: amph.
      AVES - Classe: AVES: buteo-j., colum-p., corv-cor., cygn-ol., falco-ch., FALCO-PE., haliae-lc., ing., lars-arg.,
             nid., oscilloc., ovi-p., vult-gr.
      MAMMALIA:
          o Ordem: Rodentia: Castm., sanguis-s., sphing.
          o Ordem: Artiodactyla: adeps-s., CARB-AN., cartl-s., cerv., fel, lac-cp., Lac-d., lac-v., lac-v-c., lac-v-f.,
                lac-v-fe., medul-os-si., MOSCH., OL-AN., plac-s., suis-chord-umb., suis-em., suis-hep., suis-pan.
          o Ordem: Perissodactyla: castor-eq., hipp., lac-e.
          o Ordem: Proboscidea: lac-loxod-a.
          o Ordem: Carnivora: LAC-C., lac-f., lac-leo., lac-lup., Meph., pulm-v., vulpes-s.
          o Ordem: Cetacea (whales and dophins): AMBR., del., lac-del.
          o Ordem: Primates: amn-l., cal-ren., chord-umb., colos., foll., Lac-h., lac-mat., mucs-nas., plac., skat.,
                urin.
       LEITES – Lacs: colos., LAC-C., lac-cp., Lac-d., lac-del., lac-e., lac-f., Lac-h., lac-leo., lac-loxod-a., lac-lup., lac-
       mat., lac-v., lac-v-c., lac-v-f., lac-v-fe.


Animais - TIPOS
           Water animals – SEA animals: AMBR., Aster., CALC., conch., cor-r., eryth., gad., haliae-lc., hom-am., hydroph., ichth.,
lac-del., lim., medus., murx., ol-j., oncor-t., pect., physala-p., SEP., ser-ang., SPONG., trach., trach-v., trach-xyz., urol-h., ven-m.
Water animals-Aquatics (Fresh-water): astac., bad., Castm., del., hir., oncor-t., ser-ang. Musks: AMBR., Castm., Meph.,
MOSCH. Predators: AMBR., amph., Androc., aran., aran-ix., aran-sc., Aster., atra-r., boa-co., both., both-a., both-ax., BUFO, bufo-
s., bung-fa., buteo-j., buth-a., Cench., ceras-ce., Cloth., colos., Crot-c., CROT-H., del., dendr-pol., ELAPS, falco-ch., FALCO-PE., foll.,
haliae-lc., helo-s., hydroph., LAC-C., lac-del., lac-f., Lac-h., lac-leo., lac-lup., lac-mat., lacer., LACH., lat-h., lat-k., lat-m., loxo-recl.,
Meph., murx., mygal., NAJA, nid., pulm-v., salam., scor., SEP., TARENT., tela, Ther., toxi., urol-h., Vip., vip-a., vip-l-f., vip-r., vip-t.,
vulpes-s. Scavengers: astac., corv-cor., hom-am., lars-arg., vult-gr. Venomous animals: Androc., APIS, apisin., aran., aran-ix.,
aran-sc., atra-r., both., both-a., both-ax., BUFO, bufo-s., bung-fa., buth-a., Cench., ceras-ce., Cloth., Crot-c., CROT-H., dendr-pol.,
ELAPS, helo-s., hydroph., LACH., lat-h., lat-k., lat-m., loxo-recl., medus., mygal., NAJA, physala-p., salam., scol., scor., TARENT.,
tarent-c., Ther., toxi., urol-h., vesp., vesp-xyz., vespul-vg., Vip., vip-a., vip-l-f., vip-r., vip-t. Parasites on Animals: cimx., enterob-v.,
hir., ix., ped., pulx., trom. Parasites on Plants: aphis, COC-C., gal-ac., galla-q-r. Sarcodes: adren., chol., cortico., cortiso., foll.,
hypoth., ins., lutin., orch., ov., pancr., parathyr., pitu., pitu-a., pitu-gl., pitu-p., plac., plac-s., pulm-v., suis-pan., suprar., testis, thala.,
thym-gl., thyr., thyreotr., thyroiod. Decaying animal tissue: Pyrog., tarent-c. Animals, unidentified to species: orch., ov.

								
To top